Sei sulla pagina 1di 82

INTRODUÇÃO

Esta disciplina tem um toque pessoal, íntimo, sendo voltada para a vida diária do aluno, de todo cristão que ama a Deus e quer conhecê-Lo mais. Tem a ver como ele se aproxima de Deus - não em conjunto com outros, não nos cultos e reuniões públicas de celebração, mas sozinho - para estar com Deus e a Sua Palavra.

Vida devocional não é a mesma coisa que momento ou hora devocional. Vida devocional é estilo de vida, é comportamento do dia a dia, é hábito (positivo) arraigado na vida, no coração. Não é só um "Momento Devocional" ou simplesmente uma "Devocional". Não são cânticos, leitura bíblica, oração e uma palavra de testemunho ou uma breve aplicação prática do texto bíblico lido. Não é um mini-culto acompanhado de uma meditação emocionante da Palavra.

É provável que alguns dias nós nos peguemos perguntando por que as nossas

orações parecem não passar do teto. Ou até mesmo pensando que às vezes Deus não atende as nossas orações. Quem sabe até não já duvidamos do amor de Deus, do Seu desejo profundo de manter comunhão conosco e nos abençoar

poderosamente, como resposta a essa comunhão.

A verdade é que Deus deseja tanto esse momento de comunhão conosco quanto

nós temos necessidade dele. Ter necessidade de algo não significa necessariamente ter desejo por aquilo'. Nós precisamos de comunhão com Deus, precisamos de Seu amor, Sua graça, Sua presença. Seu agir em nós. Mas, em primeiro lugar, precisamos nos achegar a Ele, cultivar amizade, relacionamento, e isto só é obtido

através de uma vida devocional proveitosa.

Relacionamento é a palavra chave. Vida devocional nada mais é que relacionamento com Deus, onde o adorador conhece o caráter de Deus e os propósitos de Deus para a sua vida e para o Seu povo.

Assim como o culto doméstico tem a ver com a devoção familiar, de todos os membros da família juntos adorando a Deus e aprendendo de Sua Palavra, a vida devocional tratada nesta apostila tem a ver com o culto pessoal, devoção individual diante do Pai.

Esperamos que seu proveito seja notório. Que a sua vida de comunhão com Deus cresça em qualidade e também quantidade de tempo gasto com Ele. Não somente muito tempo, mas tempo intenso, proveitoso, enriquecedor. E as pessoas verão em você, no seu semblante, as marcas de Jesus, a luz da Sua glória.

Você aprenderá desde como meditar e orar com eficiência, até como ler a Bíblia inteira em um ano. Mergulhe nessa aventura e seja abençoado!

CAPÍTULO 1

A NECESSIDADE DE DISCIPLINAS ESPIRITUAIS

Richard J. Foster, autor do mundialmente consagrado livro "Celebração da Disciplina", publicado no Brasil pela Editora Vida, faz uma bela citação de Donald Coggan, Arcebispo de Cantuária: "Passo pela vida como um transeunte a caminho da eternidade, feito à imagem de Deus mas com essa imagem aviltada, necessitando de que se lhe ensine a meditar, adorar, pensar".

Foster diz que a superficialidade é maldição de nosso tempo. Diz que as pessoas do nosso tempo andam à busca da satisfação instantânea. Diz ainda que a necessidade mais urgente hoje não é de um maior número de pessoas inteligentes, ou dotadas, mas de pessoas profundas.

Um dos grandes problemas do homem moderno é o vazio espiritual, a superficialidade. A Palavra de Deus, como alternativa, convida-nos a sair da superfície para o viver nas profundezas. Devemos ser a resposta a um mundo vazio.

Foster diz que as disciplinas espirituais não são apenas para os gigantes da fé, ou para os contemplativos que devotam todo o tempo à oração e à meditação.

A intimidade de Deus é para seres humanos comuns: pessoas que têm empregos, que cuidam dos filhos, que lavam pratos e cortam grama, que passam o dia "pegando no pesado". Elas são melhor vivenciadas e expressas nas conjunturas comuns da vida humana: em nossos relacionamentos com o marido ou com a esposa, com nossos irmãos e irmãs, com os filhos ou com nossos amigos e vizinhos.

DIFICULDADES PARA A PRÁTICA DE UMA VIDA DEVOCIONAL PROFUNDA

A primeira é de ordem filosófica: Fruto da base materialista em nossa época

tornou-se tão penetrante que ela tem feito as pessoas duvidarem seriamente de sua capacidade de ir além do mundo físico. Muitos, por medo, preguiça ou desinformação, negam ou evitam qualquer contato com um mundo espiritual real, achando que meditação, jejum, leitura da Bíblia e profunda adoração a Deus são esoterismo ou manipulação psicológica.

A segunda dificuldade é de ordem prática: O homem moderno parece não saber

como explorar a vida interior. Mas isto nem sempre tem sido verdadeiro. Os judeus da antiguidade e os cristãos dos primeiros séculos sabiam como jejuar, como meditar, adorar e celebrar a Deus.

Isto não se verifica em nossa geração. Hoje existe uma ignorância abismal dos mais simples e práticos aspectos de quase todas as Disciplinas Espirituais clássicas. Por isso é importante voltar ás práticas do primeiro amor cristão histórico. Mas precisamos ter muito cuidado para não esquecer que precisamos, acima de tudo, de uma realidade interior e espiritual, e a atitude interior do coração é muito mais decisiva do que a mecânica para se chegar à realidade da vida espiritual.

A ESCRAVIDÃO DE HÁBITOS ARRAIGADOS

Diz Isaías 57.20; "Os perversos são como o mar agitado, que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e iodo" O mar não necessita fazer nada de especial para produzir lama e lodo; isto é o resultado de seus movimentos naturais. É o que também se verifica conosco quando nos achamos sob a condição de pecado. Os movimentos naturais de nossas vidas produzem lama e lodo. O pecado é parte da estrutura interna de nossas vidas. Não há necessidade alguma de esforço especial.

Nosso método comum de lidar com o pecado arraigado é lançar um ataque frontal. Confiamos em nossa força de vontade e determinação. Qualquer que seja nosso problema - ira, amargura, glutonaria, orgulho, incontinência sexual, álcool, medo - decidimos nunca mais repeti-lo; oramos contra ele, lutamos contra ele, dispomos nossa vontade contra ele. Tudo, porém, é em vão e uma' vez mais nos encontramos moralmente falidos.

Na carta aos Colossenses, Paulo cita algumas formas exteriores que as pessoas usam para controlar o pecado: "não manuseies, não proves, não toques." E então acrescenta que estas coisas "com efeito, têm aparência de sabedoria, como culto de si mesmo".

Que frase expressiva, e como descreve bem muita coisa de nossas vidas! No momento em que achamos que podemos ter êxito e alcançar a vitória sobre o pecado mediante a força de nossa vontade somente, esse é o momento em que estamos cultuando a vontade. Não é uma ironia que Paulo tenha olhado para nossos mais estrénuos esforços na caminhada espiritual e os tenha chamado de "culto de si mesmo"?

O "culto de si mesmo" talvez possa ter uma demonstração exterior de êxito por algum tempo, mas nas brechas e nas fendas de nossa vida sempre há de revelar-se nossa profunda condição interior. Jesus descreveu tal condição quando falou da exibição exterior de justiça dos fariseus. "Porque a boca fala do que está cheio o Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia de juízo" (Mateus 12.34-36).

Não temos a intenção de que seja assim. Não temos intenção nenhuma de explodir a ira ou de ostentar uma tenaz arrogância, mas quando estamos com outras pessoas,

aquilo que somos vem à tona. Embora tentemos ocultar essas coisas com todas as nossas forças, somos traídos pelos olhos, peia língua, pelo queixo, pelas mãos, pela linguagem de todo o nosso corpo. A força de vontade não tem defesa contra a palavra frívola, contra o momento desprevenido. A vontade tem a mesma deficiência da lei ela pode lidar somente com as exterioridades. Não é suficiente para operar a transformação necessária da disposição interior.

PRECISAMOS DE TEMPO A SÓS COM DEUS

É Davi quem melhor expressa o anseio do coração do homem por Deus. Ele retrata essa necessidade como aquela que tem um animalzinho sedento de água. Imagine

uma região árida, sol escaldante, e o corpo desidratado. Numa situação como essa

a água é mais do que uma necessidade: é a única chance de sobrevivência.

Davi diz: "Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma” (Salmo 42.1).

Existe uma síndrome que afasta as pessoas ou os animais da água. Chama-se

hidrofobia. Para o cristão, a Palavra e a presença de Deus são água e fonte de cura

e conforto. Mas a grande verdade é, infelizmente, que há muitos cristãos hidrófobos espirituais, distantes das águas e desidratados, quase morrendo.

Como está o grau de sede em nossa alma? Estamos nos encontrando com Deus todos os dias? E quando o fazemos, o que acontece durante nossos encontros pessoais com Ele? Muitas vezes nossa mente está tão preocupada com tantas atividades do dia a dia que não podemos nos concentrar com profundidade nas Escrituras e na oração. E ficamos na superfície, em exercícios rasos, não nos exercitando o tanto que deveríamos nem desfrutando da plenitude do que Deus tem em estoque.

Muitos cristãos, talvez a maioria, não têm experimentado a presença de Deus. Quando o tempo a sós com Deus se converte numa formalidade vazia, a Palavra se converte num livro de regras que devem ser aplicadas mecanicamente. Numa situação dessas, a oração se converte em uma lista de obrigações que achamos que Deus deve realizar para nós. E as dificuldades na vida se convertem em problemas que supostamente Deus deve resolver para nós. É uma vida cristã consumista, mercantilista, baseada no consumo, em relações de troca com Deus.

Quanto vale meus 30 minutos de leitura da Bíblia? Quanto vale as orações que eu

faço a Deus? As orações e os jejuns, junto com a leitura da Bíblia, se intensificados

e aumentados bastante, podem comprar algumas bênçãos maiores, bem mais caras do que algumas oraçõezinhas de quinze minutos e sem choro poderiam obter?

Por mais absurdo (ou não) que possa parecer, é com a mentalidade acima que muitos cristãos se aproximam de Deus. Quem assim faz esquece que devemos nos

aproximar de Deus pelo que Ele é, pela Sua presença, Sua companhia, seu amor. Até nós, seres humanos que somos, sentimo-nos usados quando alguém se aproxima de nós apenas coma intenção de receber benefícios, ainda que com elogios e palavras bonitas.

Precisamos lembrar que Deus quer, em primeiro lugar, que nós o escutemos na oração, em vez de falarmos sem parar. E, em nossa busca por regras fixas na Bíblia, fórmulas infalíveis, receitas prontas, esquecemo-nos de que Deus quer mesmo é nos falar através da Palavra.

Quando falamos da presença de Deus, muitos de nós esbarramos numa parede. A experiência de encontrar-se com Deus requer muita sensibilidade espiritual uma "pedra de tropeço", é isso que significa essa presença para aqueles que estão espiritualmente daltônicos pelos efeitos da cultura moderna com suas atrações fascinantes, materialistas e por nossa própria falta de cuidado com nossa espiritualidade, nossa preguiça em manter uma disciplina devocional vital.

Temos conhecimento acerca de Deus, porém não o experimentamos de uma maneira vibrante. É como aquelas pessoas que são diatônicas de nascimento e não valorizam as cores, pois não as distinguem. Da mesma maneira, nós valorizamos menos aquilo que não experimentamos.

Davi começa dizendo no salmo 42: "Como suspira a corsa pelas correntes das águas, assim por ti, ó Deus, suspira a minha alma". Continua dizendo, "por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro em mim?" (v.1,5).

Um cristão moderno que sentisse o que sentiu o salmista provavelmente só se consideraria deprimido. Porém, o salmista sabia que sua alma estava "abatida" por alguma razão; estava sedenta por um novo encontro com Deus.

Necessitamos desenvolver uma disciplina de encontrar-nos com o Senhor de uma maneira regular, devido ao corre-corre do mundo moderno que faça oposição espiritual a esse ritmo secular. Ao determinar um tempo para o Senhor, ler ás Escrituras e seguir um padrão regular de oração, estamos fortalecendo-nos espiritualmente para enfrentarmos o secularismo contemporâneo.

Quando nos encontramos com Deus durante tempo a sós de deserto, Ele parece estar ausente. Percebemos somente um sentimento de desolação interior. Davi expressou esse desejo de Deus no Salmo 63: "Ó Deus, tu és o meu Deus forte, eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, numa terra árida, exausta, sem água" (v. 1).

Às vezes nós podemos ver-nos dentro da passagem, usando nossa imaginação para sentir isso, ver e ouvir o que está se passando. Frequentemente nos sentimos movidos a intercalar uma oração em nossa meditação das Escrituras.

Temos que ter como meta o nosso tempo a sós, o viver com o sentimento da presença de Deus. Em vista de nossa cultura acelerada e orientada para o "fazer", temo que, levados por essa cultura, mergulhemos no ativismo religioso e raramente experimentemos em nosso tempo a sós, a presença sobrenatural de Deus.

Somos seduzidos a estar contentes com somente ler de Deus nas Escrituras ou em livros escritos por outros cristãos, e realizar nosso dever cristão.

O Senhor está presente; toda a criação declara sua glória. Em nosso trabalho, em nossa família, em nossa recreação e em qualquer coisa que façamos, podemos perceber sua presença.

Todavia, se não praticarmos a disciplina do tempo a sós, provavelmente nos privaremos da glória de Deus que está ao nosso redor, O tempo a sós com expectativa de encontro, nos permite estar sempre em Sua presença de uma maneira que aumenta o sentido dessa presença em tudo o que fazemos na vida.

A DISCIPLINA DA MEDITAÇÃO

Ainda Foster, ele diz que na sociedade contemporânea nosso Adversário se especializa em três coisas: ruído, pressa e multidões. Se ele puder manter-nos ocupados com "grandeza" e "quantidade", descansará satisfeito. O psiquiatra C. G. Jung observou certa vez: "A pressa não é do diabo; ela é o diabo."

Se esperamos ultrapassar as superficialidades de nossa cultura - incluindo a cultura religiosa - devemos estar dispostos a descer aos silêncios recriadores, ao mundo interior da contemplação. Em seus escritos, todos os mestres da meditação esforçam-se por despertar-nos para o fato de que o universo é muito maior do que imaginamos, que há vastas e inexploradas regiões interiores tão reais quanto o mundo físico que tão bem conhecemos.

CONCEPÇÕES ERRÔNEAS COMPREENSÍVEIS SOBRE A MEDITAÇÃO

Frequentemente se indaga se é possível falar da meditação como sendo cristã.

Não é ela antes propriedade exclusiva das religiões orientais? Muitas vezes, quando se fala para um grupo cristão sobre meditação, há o inevitável franzir de sobrolhos. "Eu pensava que os adeptos da Meditação Transcendental fossem o grupo que lidava com a meditação. Não venha dizer-me que nos vai dar um mantra para recitar!"

Que a meditação seja palavra tão estranha aos ouvidos do Cristianismo moderno é um lamentável comentário sobre o seu estado espiritual. A meditação sempre permaneceu como uma parte clássica e central da devoção cristã, uma preparação decisiva para a obra de oração, e adjunto dessa obra. Sem dúvida, parte do surto de

interesse pela meditação oriental se deve ao fato de as igrejas terem abandonado o campo.

Certamente que a meditação não era coisa estranha aos autores das Escrituras.

"Saíra Isaque a meditar no campo, ao cair da tarde" (Gênesis 24.63).

"No meu leito, quando de ti me recordo, e em ti medito, durante a vigília da noite" (Salmo 63.6).

Essas eram pessoas chegadas ao coração de Deus. Deus lhes falava, não porque elas tivessem capacidades especiais, mas porque estavam dispostas a ouvir. Os Salmos, praticamente, cantam das meditações do povo de Deus sobre a lei do Senhor: "Os meus olhos antecipam as vigílias noturnas, para que eu medite nas tuas palavras" (Salmo 119.148). O salmo introdutório do Saltério inteiro chama o povo todo a imitar o homem "bem-aventurado", cujo "prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite" (Salmo 1.2).

Há uma profecia no livro de Amós, que fala de uma época futura em que haverá fome na terra, não de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor(Amós 8.11). Esse tempo chegou. É a época presente.

Tenhamos a coragem de unir-nos à tradição bíblica e uma vez mais aprender a antiga (não obstante contemporânea) arte da meditação. Que nos juntemos ao salmista e declaremos; "Eu, porém, meditarei nos teus preceitos" (Salmos 119.78).

Há, também, os que acham que a ideia cristã da meditação é sinônima do conceito de meditação centrada na religião oriental. Em realidade, trata-se de mundos separados. A meditação oriental é uma tentativa para esvaziar completamente a mente; a meditação cristã é uma tentativa para esvaziar a mente a fim de enchê-la. As duas ideias são radicalmente diferentes, Todas as formas orientais de meditação acentuam a necessidade de afastamento do mundo. Há ênfase sobre perder a personalidade e a individualidade e fundir-se com a Mente Cósmica. Há um anseio por libertar-se dos fardos e sofrimentos desta vida e ver-se colhido na felicidade que não requer esforço, suspensa, do Nirvana. A identidade pessoal perde-se numa fusão de consciência cósmica. A separação, o desligamento, é a meta final da religião orientai. É um escape da roda miserável da existência. Não há Deus ao qual ligar-se ou de quem ouvir.

Zen e Ioga são formas populares deste método. A meditação transcendental tem as mesmas raízes budistas, mas em sua forma ocidental é algo aberrante. Em sua forma popular, a MT é meditação para os materialistas, Não há necessidade da mínima crença no reino espiritual para praticá-la. É meramente um método de controlar as ondas cerebrais a fim de melhorar o bem-estar fisiológico e emocionai. As formas mais avançadas de MT envolvem, de fato, a natureza espiritual, e então ela assume exatamente as mesmas características de todas as demais religiões orientais.

A meditação cristã vai muito além da noção de separação. O que devemos prosseguir buscando é a união com o Senhor, através do Espírito Santo, O afastamento da confusão toda que nos cerca é para que tenhamos uma união mais rica com Deus e com os demais seres humanos. A meditação cristã leva-nos à inteireza interior necessária para que nos entreguemos livremente a Deus, e também leva-nos à percepção espiritual necessária para atacar os males sociais. Neste sentido, é a mais prática de todas as Disciplinas.

Há o perigo de pensar somente em termos de afastamento, conforme indicou Jesus ao contar a história do homem que se esvaziara do mal mas não se enchera do bem.

Então vai, e leva consigo outros

sete espiritas, piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e o último estado daquele homem se torna pior que o primeiro" (Lucas 11.24-26).

"Esperar em Deus não é ociosidade", disse Bernardo de Clairvaux, “mas trabalho maior que qualquer outro trabalho para quem não estiver habilitado”.

Com frequência a meditação produzirá discernimentos profundamente práticos, quase seculares. Dela advirá instrução sobre como relacionar-se com a esposa ou com o marido, sobre como lidar com este problema delicado ou com aquela situação de negócio.

Talvez a mais comum de todas as concepções erróneas é considerar a meditação como uma forma religiosa de manipulação psicológica. Eia pode ter valor em fazer baixar nossa pressão sanguínea ou em aliviar a tensão. Ela pode até proporcionar-nos introspecções significativas ajudando-nos a entrar em contato com nossa mente subconsciente. Mas a ideia de contato e comunhão reais com uma esfera espiritual de existência parece anticientífica e fantasiosamente irracional.

Como, pois, chegamos a crer em um mundo do espírito? Mediante fé cega? De maneira nenhuma. A realidade interior do mundo espiritual está ao alcance de todos quantos estão dispostos a buscá-la.

"Quando o espírito imundo sai do homem

DESEJANDO A VOZ VIVA DE DEUS

Os que meditam sabem que a mais frequente reação é a inércia espiritual, frieza e falta de desejo. Os seres humanos parecem ter uma tendência perpétua de que alguém fale com Deus por eles. Porém, contentamo-nos em receber a mensagem de segunda mão.

No Sinai, o povo clamou a Moisés: "Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos" (Êxodo 20.19).

Um dos erros fatais de Israel foi sua insistência em ter um rei humano em vez de descansar no governo teocrático de Deus. Podemos perceber uma nota de tristeza

na palavra do Senhor: "Mas [rejeitaram] a mim, para eu não reinar sobre e/es" (I Samuel 8.7).

A história da religião é a história de um esforço quase desesperado de ter um rei, um

mediador, um sacerdote, um intermediário. Deste modo não precisamos, nós mesmos, ir a Deus. Tal método poupa-nos a necessidade de mudar, pois estar na presença de Deus é mudar. Esta forma é muito conveniente porque ela nos dá a vantagem da respeitabilidade religiosa sem exigir transformação moral. Não temos

necessidade de observar muito de perto o cenário de nosso país para perceber que ele está fascinado pela religião do mediador.

É por isto que a meditação nos é tão ameaçadora. Ousadamente ela nos convida a

entrar na presença viva de Deus por nós mesmos. Ela diz que Deus está falando no presente continuo e deseja dirigir-se a nós. Jesus e os escritores do Novo Testamento deixam claro que isto não é apenas para os profissionais da religião - os

sacerdotes - mas para todos. Todos quantos reconhecem a Jesus Cristo como Senhor são o sacerdócio universal de Deus e como tal podem entrar no Santo dos Santos e conversar com o Deus vivo.

Parece tão difícil levar as pessoas a crer que elas podem ouvir a voz de Deus.

PREPARANDO-SB PARA MEDITAR

É impossível aprender, através de um livro, a arte de meditar. Aprendemos a meditar,

meditando. Contudo, sugestões simples no tempo certo podem produzir uma imensa diferença. As sugestões práticas e os exercícios de meditação nas páginas seguintes são dados na esperança de que possam ajudar na prática real da meditação. Não são leis nem tencionam limitar o leitor; são, antes, umas poucas das muitas janelas

que dão para o mundo interior, Uma vez convencidos de que necessitamos separar momentos específicos para a contemplação, devemos prevenir-nos contra a noção de que praticar certos atos religiosos em determinadas horas significa que estamos finalmente meditando.

Este é um trabalho para a vida toda, É um trabalho de vinte e quatro horas por dia. A oração contemplativa é um modo de vida. "Orai sem cessar", exortou Paulo (1 Tessalonicenses 5,17). Com um toque de humor Pedro de Celles observou que "aquele que ronca na noite do vício não pode conhecer a luz da contemplação".

Qual a melhor posição para meditarmos na Palavra de Deus? Há muitas opiniões

posturas recomendadas, benefícios defendidos. Mas, parece que a posição sentado

é a mais apropriada. Sentados estamos muitíssimo à vontade, e nosso coração muitíssimo elevado.

Ficamos melhor posicionados numa cadeira, com as costas corretamente acostadas na cadeira e ambos os pés apoiados no chão. Sentar-se com o corpo curvado indica desatenção e o cruzar das pernas restringe a circulação do sangue.

COMO MEDITAR - PRIMEIROS PASSOS

Entra-se com muito maior facilidade no mundo interior da meditação pela porta da imaginação. Deixamos hoje de avaliar seu profundo poder. A imaginação é mais forte do que o pensamento conceituai e mais forte do que a vontade. No Ocidente, nossa tendência para endeusar os méritos do racionalismo - e ele tem mérito, sim - tem-nos levado a ignorar o valor da imaginação.

Se estivermos convencidos de que os sonhos podem ser uma chave que abre a porta do mundo interior, podemos fazer três coisas práticas. Em primeiro lugar, podemos orar especificamente, pedindo a Deus que nos informe através de nossos sonhos.

Devemos dizer-lhe de nossa disposição de permitir que ele nos fale deste modo. Ao mesmo tempo, é prudente orar pedindo proteção, uma vez que o abrir-nos à influência espiritual pode ser perigoso assim como proveitoso. Simplesmente pedimos a Deus que nos cerque com a luz de sua proteção à medida que ele assiste nosso espírito.

Em segundo lugar, devemos começar a registrar nossos sonhos. As pessoas não se lembram dos seus sonhos porque não lhes prestam atenção. Manter um diário de nossos sonhos é uma forma de levá-los a sério. É, naturalmente, tolice considerar todo sonho como profundamente significativo ou como alguma revelação de Deus. Maior tolice ainda é considerar os sonhos como apenas caóticos e irracionais, como se fossem uma reação de termos comido feijão ou alguma comida "pesada" à noite, antes de dormir.

No registro dos sonhos começam a surgir certos padrões e discernimentos. Os sonhos podem acontecer totalmente independentes de nosso estado de espirito ou situações a que fomos expostos. Por exemplo, em pouco tempo é fácil distinguir entre sonhos significativos e os que resultam de ter visto um noticiário pesado ou um filme na noite anterior.

Isto conduz à terceira consideração - como Interpretar os sonhos. O melhor meio de descobrir o significado dos sonhos é pedir. "Nada tendes, porque não pedis" (Tiago 4.2). Podemos confiar em que Deus trará discernimento se e quando for necessário. Às vezes convém consultar os especialistas nessas questões.

OS BENEFÍCIOS DA MEDITAÇÃO

A palavra de Deus é a porta para a mente de Deus e a meditação é a passagem para as salas cheias de tesouros. A meditação é o ponto de encontro com Deus e podemos esperar revelações, crescimento, estímulo, poder e visão para Guerra espiritual e testemunho.

Medite Na Palavra Dia E Noite

Você será prospero e bem sucedido;

Você dará frutos da estação própria;

Seu novo crescimento não murchará;

O que quer que faça, você prosperará;

Você terá mais visão;

Você será abençoado naquilo que fizer;

Você terá bens armazenados em você.

(Josué 1:8; Salmo 1:2-3; 119:99; Tiago 1:25; Mateus 12:35)

OS DOIS PROPÓSITOS DA MEDITAÇÃO

Primeiro, Bendizer a Deus

David desejava que as palavras de sua boca e a meditação de seu coração fossem agradáveis ao Senhor (Salmo 19.14).

Segundo, Nos Enriquecer

Paulo disse; "A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros" (Colossenses 3.16).

SOBRE O QUE VOCÊ MEDITA?

A Meditação é um tempo de explorar a mente Daquele que amamos, para descobrirmos como Ele pensa e sobre Sua sabedoria e Seus caminhos. Ficaremos surpresos sobre como o Senhor nos falará quando nos aquietarmos e pudermos ouvir a Sua voz. Os salmistas com frequência escreveram sobre suas direções na meditação. O que eles disseram?

Lembramo-nos, ó Deus, da tua benignidade;

Meditarei também em todas as tuas obras;

Falarei dos teus feitos;

Meditarei nos teus preceitos;

E terei respeito aos teus caminhos;

A tua lei é a minha meditação em todo o dia;

Meditarei na tua palavra.

(Salmos 48.9; 77.12; 119.15,97, 148).

COMO VOCÊ MEDITA?

Meditar significa pensar sobre algo, refletir, imaginar, estudar, sussurrar, compartilhar, e até reclamar. Aqui estão algumas maneiras bem provadas para ajudá- lo a criar um tempo regular de meditação. Se você perseverar, este bom hábito enriquecerá sua vida cristã mais do que você imagina.

É Necessário O Seu Próprio Lugar Para Estar Com Deus

Leia o Salmo 91. Um canto, uma sala, um terraço, um porão. Deus irá ao seu encontro onde você estiver. Certa mulher costumava cobrir a cabeça com seu avental. Quando ela fazia isto, sua família sabia que não deveria perturbá-la.

Para Isaque, seu local secreto para encontrar-se com Deus era um campo (leia Gênesis 24.63).

Você Necessita de Silêncio

Qualquer lugar longe do falatório da família e das pessoas, longe de ruas barulhentas, telefone e televisão. Não existe nenhum lugar assim, perto de você? Qual é o nível de ruídos às 5 horas da manhã? Este é o meu lugar secreto.

Você Necessita de Autodisciplina

Para visitar seu lugar secreto regularmente e também para lidar com as distrações e tentações que começam a encher sua mente, e talvez seu estômago também. É importante manter um caderno à mão para anotar suas memórias. O que geralmente satisfaz a mente. Permita-se tempo para entrar em quietude. Para mim, isto leva cerca de 20 minutos. Ore e convide o Senhor para lhe falar e guiar.

Você Necessita de Um Caminho A Seguir

Algo que lhe interesse, capture sua atenção ou um versículo ou dois que Deus lhe dê. Depois você poderá entrar na mente de Deus conforme Ele for lhe revelando e explicando Sua palavra. Jeremias disse: "Achando-se as tuas palavras, logo as

comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração" (Jeremias

15.16).

Faça Tudo Com Calma

Examine a passagem frase por frase, usando sua santa imaginação para pensar, ver, ouvir, cheirar, tocar e até provar o que estiver acontecendo nas palavras. Ouça os pensamentos criativos e explicações exclusivas do Espírito Santo.

Agora Faça Uma Tentativa Por Si Mesmo:

Leia Jó 23.10-12 pouco a pouco.

Ele sabe o meu caminho;

Provando-me Ele;

Sairei como o ouro;

Por quê?

Porque nas suas pisadas os meus pés se afirmaram.

Agora continue, pense a respeito, reflita, imagine, estude, sussurre, compartilhe, e até reclame, mas fale com Jesus.

CAPÍTULO 2

COMO LER A BÍBLIA DE FORMA EDIFICANTE

1. Comece pelo Novo Testamento

Geralmente as pessoas começam a ler a Bíblia sem nenhuma orientação, porém com muita boa vontade iniciam pelas primeiras folhas, isto é, o livro de Gênesis. A princípio é muito interessante, pois nestas primeiras passagens podemos tomar conhecimento a respeito da criação do mundo, a criação do homem, o dilúvio, a torre de Babel entre outros episódios, mas logo chega a genealogia, lista, enumeração ou diagrama com os nomes dos antepassados de um indivíduo e a indicação dos casamentos e das sucessivas gerações que o ligam a um ou mais ancestrais. E é por aí que muitos param, pois acham a leitura chata e enfadonha. Muitos fazem uma leitura salteada das passagens, vendo sempre pedaços e nunca o todo da Palavra de Deus.

Uma boa orientação é que a leitura para quem está começando deve ser iniciada pelo Novo Testamento, principalmente pelos evangelhos. É imprescindível que iniciem lendo os quatros primeiros livros (Mateus, Marcos, Lucas e João), pois eles relatam a vida, os ensinamentos de Jesus, base da vida cristã. Estes livros são biografias escritas por três homens que andaram com Ele e um que investigou apuradamente a Seu respeito, recebendo informações em primeira mão de um dos apóstolos, que andou junto com o Mestre por três anos e meio.

2. Leia os evangelhos duas vezes

É muito importante que você tenha um conhecimento da vida e dos ensinos de Jesus que sirvam de alicerce em sua vida. Por isso leia os evangelhos no mínimo duas vezes antes de continuar a leitura de todo o Novo Testamento.

3. Separe um tempo diariamente para esta leitura

Precisamos ser alimentados espiritualmente, assim como alimentamos o nosso corpo muitas vezes ao dia. Deus nos dá 24 horas por dia e é inadmissível que não possamos separar uma hora ou mais para dedicarmos a um conhecimento e relacionamento maior com Deus através da sua Palavra. Até porque só quem sai

ganhando somos nós mesmos. Na verdade é um investimento, aplicarmos o tempo

à

leitura da Palavra e colhermos vida em Jesus.

4.

Pratique antes um período de oração

É

também importante que você não faça uma leitura mecânica deste livro. Você não

deve ler por desencargo de consciência, ler por ler, sem colher nada desta leitura.

Lembre-se que você não está lendo um livro qualquer, você está lendo o livro que revela a vontade de Deus para sua vida. Por isso não o faça apressadamente. Tenha antes um tempo com Deus em oração onde você converse com Ele a respeito de sua vida e do que tem descoberto a respeito Dele e peça para que Ele esteja falando ao

seu coração através das Sagradas Escrituras. Peça que o Espírito Santo revele para

o

seu coração aquilo que Ele quer mostrar e ensinar-lhe.

5.

Extraia lições meditando no que você leu

O mais importante desta leitura é que você tire lições para sua vida, ou seja, que apreenda o que está sendo lido, de tal forma que deseje colocar isto em prática em sua vida diária, pois o próprio Senhor nos disse em Mateus 7.24: “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha".

Crie o hábito de meditar na Palavra de Deus. O que é meditar? É pensar, refletir, digerir, ver a importância daquela palavra para sua vida diante daquilo que você está vivendo.

6. Tenha sempre um caderno de anotação

É importante que você anote o que lhe parecer mais interessante, principalmente as

lições que tirou para sua vida. O homem tem memória fraca e esquece com facilidade as coisas que aprende, por isso anote para que em outros momentos você possa recorrer as suas anotações quando quiser relembrar e também porque memorizamos

melhor quando escrevemos o que estamos aprendendo.

Você pode também marcar com caneta na própria Bíblia o que lhe chamou a atenção. Sublinhe os versículos e passagem que foram importantes para você. Quanto à Bíblia, não se preocupe, uma Bíblia bem marcada é sinal que ela está sendo bem estudada, e isto é o mais admirável.

7.

Tenha sempre um dicionário ao seu lado

A maioria dos brasileiros tem pouco ou nenhum hábito da leitura, por isso algumas

palavras são desconhecidas de seu vocabulário. Acontece que ao se deparar com uma dessas palavras, que não lhe traga sentido, significado, o leitor pode deixar de entender algo de muita importância para si. Por isso é preciso ter sempre um dicionário como auxílio, pois ao consultá-lo, aquele versículo ou mesmo toda a passagem terá esclarecimento para você.

8. Faça uma leitura sistemática

Não leia passagens isoladas, mas siga os capítulos sequencialmente até terminar os livros, iniciando, assim, o próximo. Se você ler 3 capítulos por dia e 5 aos domingos você conseguirá ler toda a Bíblia em um ano. Comece pelo Novo Testamento, depois inicie a leitura do Antigo

PRINCÍPIOS DE LEITURA DA BÍBLIA

1. Tirar uma ou mais mensagens do texto para sua vida

É importante ter sempre em mente que o alvo de sua leitura é você mesmo, a

mensagem deve ser direcionada ao seu coração, a sua vida, aos seus erros e jamais aos outros. Não devemos ler a Bíblia pensando em ter base para acusar os outros, mas para absorvermos as verdades bíblicas para nossa vida.

2. Reconhecer características da pessoa de Deus revelado na Bíblia

A Bíblia não dá um conceito de Deus, mas mostra características que juntas, revelam

quem é Deus e é nisto que você deve está centrado, em buscar conhecê-Lo.

3. Pecados a confessar

Desenvolver uma sensibilidade ao arrependimento. Sem uma disposição a arrepender-se dos pecados cometidos, não haverá acesso ao Reino de Deus, e a uma nova vida. A Palavra de Deus serve como espelho à nossa consciência, ela nos mostrará a verdadeira forma de agir e se por ventura tenhamos pecado contra os princípios das Escrituras ela nos denuncia, de forma que ao cristão será altamente desconfortável a permanência em tal prática pecaminosa.

4.

Pecados a evitar

A meditação gera vigilância. O contato contínuo com a Palavra de Deus permite-nos

está atento a qualquer influência à prática de pecados. O cristão que ler assiduamente as Escrituras é tomado de um temor ao Senhor, que o desejo do seu coração é de sempre agradar a Deus. E esta atitude não é medo, é respeito e zelo pelo seu Senhor.

5. Atitudes para mudar

Na leitura meditativa da Bíblia é importante que estejamos dispostos a mudar. Pois sempre estaremos aprendendo e nossa vida necessita de aperfeiçoamento em várias áreas; fé, ministérios, relacionamentos, entre outras coisas. Como diz o apóstolo Paulo em Filipenses 3.12: "Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus". É importante termos continuamente o desejo de mudarmos e aperfeiçoarmos a nossa vida pela Palavra.

6. Promessa para crer

A Palavra de Deus está repleta de promessas e com certeza muitas delas são para

você, sendo assim é preciso conhecê-las e numa atitude de fé apossar-se delas. No entanto, é pela leitura da Palavra que você verá realizadas em sua vida: "A fé vem peio ouvir e ouvir a Palavra de Deus" (Romanos 10.17).

7. Motivos para agradecer

Através da leitura bíblica é necessário que percebamos também motivos que nos levem a ser gratos a Deus e aos homens. É pelo estudo da Palavra de Deus que vemos os grandes feitos do Senhor pela nossa vida e o quanto, somos importante para Ele e com quanta consideração nos tem tratado. Ter um espírito de gratidão é uma virtude.

8. Exemplo a seguir

A Bíblia tem instruções fundamentais para a vida do homem que crer e deseja andar

nos caminhos de Deus. Mas também tem modelos a serem seguidos, tanto de um ponto de vista positivo como também negativo. Seguir o padrão de um homem de Deus que obedeceu e teve a aprovação Dele, bem como de um homem de Deus que desobedeceu e obteve do Senhor a desaprovação. Deus é muito sincero e transparente, e aprendemos com os acertos e com os erros dos seus servos. Os

erros em nossas vidas é mais uma oportunidade de começarmos tudo de novo com mais inteligência e sabedoria.

9. Orações a fazer

A Bíblia também nos ensina a orar. Há muitas orações de homens que serviam a Deus, que nos serve de exemplo, pois em diversas circunstâncias fizeram orações trazendo a ação do Deus todo poderoso, ou mesmo na simplicidade de uma conversa com Deus mudaram o rumo da história.

Orações de clamor, de intercessão, de ousadia, de arrependimento e perdão, de agradecimentos, de louvor e adoração, enfim olhe para esses varões e orem como eles.

10. Retirar o princípio ensinado

Muitas vezes o princípio ensinado, o qual você deve absorver não se encontra num versículo ou numa breve passagem, mas em seu conjunto, sendo necessário observar todo o contexto para extraí-lo. Mas não se preocupe demasiadamente com isto, simplesmente leia e se coloque na dependência do Senhor.

11. Perceber a harmonia dos ensinos

As verdades de Deus podem ser vistas em toda a Bíblia de forma harmoniosa. Um princípio ensinado por Jesus é adotado em toda a Bíblia como uma verdade testificada por Deus, ou seja, não há contradições.

CAPÍTULO 3 HISTÓRIA DA BÍBLIA INFORMAÇÕES BÁSICAS

Por um bom período da História, a leitura da Bíblia foi vetada aos leigos, sendo consentida apenas para o clérigo, os quais estabeleciam as leis para a igreja como desejavam.

Após a Reforma, proposta por Martinho Lutero, os protestantes passaram a fazer uso dela e torná-la pública. Por um tempo em nosso país, eram as Bíblias confiscadas e perseguidos todos os que as possuíam. Hoje, muitos têm descoberto o valor do seu uso.

A Bíblia foi

considerados pela igreja cristã, como inspirados por Deus (II Timóteo 3.16a). O termo "Bíblia" é de origem grega e quer dizer "livrinhos".

o primeiro livro a ser impresso. Ela é uma coleção de escritos,

O QUE SIGNIFICA "BÍBLIA"?

O termo “Bíblia”, não se encontra dentro do texto das Sagradas Escrituras. É

derivado do nome que os gregos davam à folha de papiro preparada para a escrita “biblos” (bibloj). Um rolo de papiro de tamanho pequeno era chamado “biblion” (biblion), e vários destes eram uma "bíblia" (biblia). Portanto, literalmente, a palavra bíblia quer dizer "coleção de livros pequenos". É consenso geral entre os teólogos que o nome Bíblia, foi primeiramente aplicado às Sagradas Escrituras por João Crisóstomo, patriarca de Constantinopla, no IV Século da nossa era.

Devido as Escrituras formarem uma unidade perfeita, a palavra Bíblia, sendo um plural como acabamos de ver, passou a ser singular, significando "O Livro", isto é: O Livro dos livros; O Livro por Excelência. Como O Livro Divino, a definição canónica

da Bíblia é: "A revelação de Deus à humanidade".

ANTIGO TESTAMENTO

É a primeira parte da Bíblia, que se inicia com o livro de Gênesis e finda com o livro

de Malaquias, também chamado de Antiga Aliança.

O que é aliança? Acordo que Deus, por causa do Seu amor, fez com o seu povo. Esta aliança (trato, pacto, contrato, concerto, união) tem como base o seguinte: Deus, cumprindo a sua Palavra que foi dada como promessa aos patriarcas, era o Senhor

da nação de Israel, e este era o Seu povo. Ele estendia a sua bênção sobre o povo, e este, por sua vez, andava em obediência a Ele.

O termo "Testamento", sendo usado para indicar as duas divisões da Bíblia, quer

dizer "aliança". No AT vemos Deus se revelando ao povo de Israel, na expectativa da vinda do Messias, o Salvador prometido, o que havia sido designado por Ele como

o Ungido que viria na Plenitude dos tempos, no momento certo para Deus agir, trazendo libertação ao povo da Lei e da escravidão do pecado.

COMO O VELHO TESTAMENTO ESTÁ ORGANIZADO?

O Velho Testamento é constituído por 39 livros, divididos em cinco partes:

Livros da Lei - Pentateuco: Trata da criação, da era patriarcal, das peregrinações do povo de Israel no deserto e a formação da nação.

1. Gênesis - Fala da origem de tudo, do pecado e de suas consequências;

2. Êxodo - Fala da libertação do povo hebreu do Egito, da caminhada no deserto, e da chegada do povo de Israel à terra de Canaã;

3. Levítico - É um registro das leis e dos mandamentos de Deus ao seu povo Israel;

4. Números - Narra a contagem dos israelitas;

5. Deuteronômio - É uma exposição dos discursos de Moisés.

Livros Históricos: falam da caminhada do povo israelita.

1. Josué

2. Juízes

3. Rute

4. I Samuel

5. II Samuel

6. I Reis

7. 11 Reis

8. 1 Crônica

9. II Crônica

10. Esdras

11. Neemias

12. Ester

Livros Poéticos: são chamados poéticos devido ao seu gênero literário.

1.

2. Salmos

3. Provérbios

4.

Eclesiastes

5. Cantares

Profetas Maiores: por serem os livros mais extensos do que os outros.

1. Isaías

2. Jeremias

3. Lamentações de Jeremias

4. Ezequiel

5. Daniel

Profetas Menores: por serem os livros menores.

1. Oséias

2. Joel

3. Amós

4. Obadias

5. Jonas

6. Miquéias

7. Naum

8. Habacuque

9. Sofonias

10. Ageu

11. Zacarias

12. Malaquias

O NOVO TESTAMENTO

É a segunda parte da Bíblia, que tem seu início com o Evangelho de Mateus e o

término com o Apocalipse. Diz respeito à Nova Aliança. Em cumprimento à palavra que foi dada pelos profetas, Deus fez um novo trato, que teve sua confirmação na morte do Senhor Jesus na cruz. Ele perdoa os pecados do seu povo, este recebe o novo nascimento e certeza de sua salvação, e vive em dedicação a Ele e ao seu serviço. No NT Deus visa abençoar todos os povos. A vinda de Jesus Cristo, o Messias e Salvador foi realizada no tempo determinado por Deus, onde a igreja teve seu início, estabelecida sobre o fundamento do testemunho dos apóstolos.

COMO O NOVO TESTAMENTO ESTÁ ORGANIZADO

O Novo Testamento é constituído por 27 livros divididos em quatro partes:

Biográficos: São os quatro evangelhos, sendo que os três primeiros são chamados sinópticos devido ao paralelismo que se apresentam.

1. Mateus: Foi escrito para atender aos judeus (genealogia).

2. Marcos: Foi escrito para atender aos romanos (Jesus como servo).

3. Lucas: foi escrito para atender aos gregos (Jesus como Filho de Deus ou do Homem).

4. João: Foi escrito para todos os povos (Jesus para o mundo).

Histórico: Registra a história da Igreja Primitiva e a atuação do Espírito Santo nos seus primórdios. Atos dos apóstolos: São os Atos do Espírito Santo na igreja emergente como alguém já sugeriu.

Epístolas Paulinas: São cartas dirigidas às igrejas ou aos indivíduos. Atribuídas geralmente a Paulo.

1. Romanos

2. I Coríntios

3. II Coríntios

4. Gálatas

5. Efésios

6. Filipenses

7. Colossenses

8. I Tessalonicenses

9. II Tessalonicenses

10. I Timóteo

11. II Timóteo

12. Tito

13. Filemon

Epístolas Gerais: São cartas universais atribuídas a vários apóstolos sendo que a de Hebreus, o autor é desconhecido,

1. Hebreus

2. Tiago

3. I Pedro

4. II Pedro

5. I João

6. II João

7. III João

8. Judas

Proféticos: Também chamado de revelação das coisas dos últimos dias que deverão acontecer. É um livro apocalíptico: Apocalipse

TAMANHO RELATIVO DA BÍBLIA

Existem 1.189 capítulos na Bíblia; 929 no Antigo Testamento, 260 no Novo testamento.

O capitulo mais longo é o salmo 119.

O mais curto é o salmo 117 que também é o capítulo central da Bíblia.

O verso mais longo é o de Ester 8:9.

O verso mais breve é o de Jó 3.2.

Visto que os capítulos não têm tamanhos iguais, são os números de páginas que mostram o volume relativo dos livros e não os capítulos. Como encontrar as passagens bíblicas, era relativamente difícil, foi feita divisões em capítulos e versículos para facilitar a localização dos textos almejados.

Foi o inglês Estêvão Langton, arcebispo de Cantuária que fez a divisão em capítulos

e foi realizada no ano de 1214. E a divisão dos capítulos em versículos foi feita no ano de 1551, na França pelo tipógrafo Roberto Stefano.

A ORIGEM DA BÍBLIA

A

Bíblia foi escrita por 36 autores em cerca de 1600 anos, e em vários estilos literários

e

por homens santos inspirados por Deus (11 Pedro 1.21). A inspiração é a influência

especial do Espírito Santo ao guiar alguns dos seus servos do passado para dizerem ou escreverem aquilo que Ele quis comunicar aos seres humanos. (II Timóteo 3.16; I Pedro 1.10-11; II Pedro 1.19-21).

TODAS AS BÍBLIAS SÃO IGUAIS?

No Concílio de Trento, em 1546, alguns livros foram acrescentados aos 66 já existentes. Por eles não terem os seus ensinos em harmonia com os livros reconhecidos como inspirados e por não constarem do original, não foram aceitos como canónicos, ou seja, não foram incluídos nos livros sagrados. São os chamados livros apócrifos (Veja Apocalipse 22.18-19). Se analisarmos as Bíblias católica romana e protestante, e fizermos um paralelo entre elas, notaremos que constam 7 livros a mais na Bíblia católica. Os apócrifos (secretos, espúrios ou misteriosos) que possuem um valor histórico de uma época, mas não canónico, ou seja, não são fruto de uma revelação divina. São eles:

1.

Tobias: Conta a história de Tobias, que era filho de um pai cego.

2. Judite: Narra a história dos judeus que foram livres do poder de Holofernes, general da Pérsia, por conta da audácia de uma mulher chamada Judite. Surgiu por volta do II século a.C.

3. Sabedoria: Apresentação por meio de provérbios, ou seja, ditados, a sabedoria verdadeira e reta da gentílica ou iníqua e idólatra. Apareceu entre 50 a 10 a.C.

4. Eclesiástico: É atribuída a este livro a Sabedoria de Jesus, filho de Siraque, idêntico ao livro de Provérbios. Apareceu em torno de 180 a.C.

5. Baruque: Este está dividido em três partes; confissão e arrependimento; exortativo e promessa de livramento. Apareceu no II século a.C.

6. I e lI Macabeus: Estes livros narram a revolução dos Macabeus pelo império romano em 167 a.C.

7. Encontramos inclusão (acréscimo) também aos livros de Daniel e Ester.

CAPÍTULO 4 UM TEMPO A SÓS COM DEUS

Para que haja intimidade é preciso haver relacionamento. Se você deseja conhecer mais de Deus e ter intimidade com Ele, então você precisa se relacionar mais tempo com Ele. Para ser possível criar esse relacionamento, que levará à intimidade com Deus, é preciso desenvolver quatro coisas; tempo, comunicação, circunstâncias e atitude.

A. Tempo

Se você deseja conhecer mais de Deus você precisa investir tempo com Ele. O tempo gasto com Deus irá regar as suas raízes, fortalecer o seu tronco e nutrir as suas folhas.

B. Comunicação

Sem comunicação não podemos nos conhecer, e muito menos ter intimidade. Uma verdadeira comunicação é aquela que envolve falar e ouvir. Envolve falar não somente de fatos e ideias, mas expressar sentimentos e atitudes. Você precisa saber o que está no coração de Deus e também compartilhar o que está no seu. Deus se comunica com você através do seu espírito humano e da Palavra Dele escrita na Bíblia. E você se comunica com Deus através da oração que dirige a Ele.

C. Circunstâncias

Conhecemos uns aos outros observando como agimos em certas circunstâncias. É através de alguns acontecimentos que vão surgir situações para você tratar com Deus e para Deus tratar com você. Portanto, será através de um tempo a sós com Deus diariamente, que você irá perceber como Ele está operando em você, e o quanto Ele está no controle, e como você está respondendo a Ele.

D. Atitudes

Nossa atitude em relação a um relacionamento determina se ele é prioridade ou não. Se não estou interessado então não vou investir tempo junto com tal pessoa. Desenvolva desejo e fome de estar mais tempo com Deus e então você alcançará intimidade com Ele.

Esse desejo de estar mais tempo com Deus não é algo que surge automaticamente.

É preciso que haja um esforço e planejamento para separar um tempo todos os dias

para estar com o Senhor, a sós.

O amor de Deus por você não vai mudar porque você não tem conseguido separar

esse tempo, mas a sua intimidade com Ele ficará comprometida, pois ela depende de passar mais tempo juntos. Sem esse tempo junto com Deus você terá dificuldade de reconhecer a Sua voz e entender a Sua vontade. Deus sempre continuará sendo seu Pai amoroso, mas você não desfrutará da sua amizade e intimidade se não tiver um relacionamento diário com Ele. Por isso, queremos compartilhar algo com você

para que possa ter esse tempo diário com o Pai.

1. A IMPORTÂNCIA DE UM TEMPO COM DEUS

Veremos alguns motivos pelos quais o seu tempo a sós com Deus deve ser prioridade máxima em sua vida:

O primeiro é que você foi criado para ter comunhão com Deus. Por que você acha

que foi criado à imagem e semelhança de Deus, como nos mostra Gênesis 1.27-28? Simplesmente porque não dá para ter comunhão com seres diferentes de nós. Deus queria ter comunhão com você e por isso Ele o fez parecido com Ele mesmo.

O segundo motivo é que Deus está desejoso de ter comunhão com você. A

iniciativa da comunhão entre o Criador e o homem foi de Deus, e a Bíblia mostra isso

em I Coríntios 1.9 "Deus é fiel e chamou vocês para que vivam em união com o seu Filho Jesus Cristo, o nosso Senhor."

O terceiro motivo é porque o tempo a sós com Deus é o segredo do poder

espiritual na sua vida. Vemos na Palavra que Jesus tinha muitos momentos a sós

com o Pai e isso lhe dava poder para resistir às tentações e expressar o poder de Deus na sua vida. Muitos textos nos mostram que "Ele saia para lugares desertos e

ali

orava" (Marcos 1.35).

O

quarto motivo é que você precisa comer o pão espiritual todos os dias para

ser saudável e até para continuar vivo espiritualmente. Muitos não desfrutam da vida verdadeira porque não separam tempo para estarem a sós com Deus. Jesus

ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que

Deus diz”. Você alimenta seu corpo material todos os dias ou apenas de vez em

disse em Mateus 4.4: "

O

quando? Da mesma forma que o corpo precisa do alimento material nosso espírito precisa do alimento espiritual.

2. COMO INICIAR UM TEMPO COM DEUS

a. Escolha uma hora apropriada

Você pode separar um tempo para Deus em qualquer hora do dia, mas a orientação bíblica e a experiência mostram que a parte da manhã é o melhor momento. Há muitas razões para isso:

A melhor hora para se afinar o instrumento ê antes do concerto e não depois, não ê mesmo? No seu tempo a sós com Deus você se prepara para enfrentar o seu dia.

É uma atitude que demonstra que Deus é prioridade na sua vida. Prefira estar primeiro com Deus do que fazer qualquer outra coisa ou atender qualquer outra pessoa.

Você dá a Deus a melhor parte do seu dia - as primícias do seu tempo.

O início da manhã é o momento quando você está mais tranquilo, tem a mente menos sobrecarregada e o seu corpo está descansado. Isso facilita receber mais do Senhor.

O rei Davi e o próprio Jesus tinham o hábito de orar pela manhã - Veja Salmo 143:8 e Marcos 1:35.

b. O tempo apropriado

Esse é um caso em que a qualidade é mais importante que a quantidade. Todavia tenha o propósito de gradualmente ir aumentando o seu tempo com Deus.

Comece com 15 minutos, mas vá aumentando progressivamente.

Não fique olhando no relógio.

Lembre-se: estar com o Senhor não é uma mera obrigação mas um privilégio.

c. Escolha um lugar apropriado

Jesus tinha o costume de orar no Monte das Oliveira. Lucas 22:39 diz que "Jesus saiu e foi, como de costume, ao monte das Oliveiras; e os seus discípulos foram com ele". Encontre um lugar onde você possa ter privacidade e onde as pessoas não o interrompam.

3. COMO SUPERAR OS OBSTÁCULOS

Dois inimigos se levantarão para impedir o seu tempo com Deus. O seu corpo e o diabo. Para vencer o seu corpo tome as seguintes atitudes:

Vá para a cama mais cedo. Se você dorme tarde é inevitável que tenha dificuldade de levantar cedo e, se o fizer, ainda assim ficará sonolento. Use um despertador se for necessário.

Não tenha o seu tempo com Deus deitado na cama (a não ser que esteja doente).

Fique alerta contra as distrações.

Leia a Bíblia e ore em voz alta. Isso ajuda a manter a sua concentração e tira a sonolência.

Compartilhe com outras pessoas o que você tem recebido de Deus no seu tempo a sós com Ele. Quanto mais você compartilha, mais você se motiva a continuar. Para vencer o diabo tenha consciência de que ele vai tentar usar todo tipo de coisas para distrair sua mente durante seu tempo a sós com Deus. Por isso esteja alerta contra ele.

Rejeite pensamentos negativos de que não está adiantando nada aquele tempo com Deus. Tais pensamentos procedem do maligno a fim de parar você.

Não permita pecado consciente não confessado em sua vida. Pecados conscientes não confessados produzem uma base espiritual para o diabo lhe resistir.

Não tenha esse tempo de forma apressada. A pressa é sinal de que o inimigo conseguiu laçar você com as preocupações do dia a dia. Nesse período que você escolheu, fique calmo, tranquilo e relaxe na presença do Senhor.

A última tática do maligno será minar a sua perseverança e constância na disciplina. Esse é o maior problema. Começar é fácil, o difícil e continuar. A melhor forma de superar essa tática maligna é fazendo um voto com Deus e pedindo ao irmão que está fazendo esse estudo com você que cobre de você o seu tempo com Deus, diariamente.

Lembre-se que vencedores fazem diariamente aquilo que derrotados fazem apenas ocasionalmente. O sucesso de sua vida depende daquilo que você faz diariamente.

4. O QUE FAZER EM SEU TEMPO COM DEUS

Antes de tudo lembre-se que o objetivo desse tempo não é estudar sobre Jesus, mas desfrutá-lo. Não adianta nada saber tudo sobre laranja, como cor, composição química, valor nutricional, como plantar, como colher, e nunca chupar para sentir o sabor dessa laranja. Saber tudo sobre laranja não lhe encherá de vitamina C. Mas se você chupar e receber o suco dela em você será beneficiado. Mais importante do

que saber sobre Jesus é tomá-lo e desfrutá-lo a cada dia. Você desfruta Dele na oração, no louvor, na adoração, na Palavra e em uma série de disciplinas espirituais.

Vamos sugerir que em seu tempo a sós com Deus haja os seguintes momentos:

a. Confesse seus pecados.

Permaneça quieto e reflexivo. Relaxe. Prepare seu coração para ouvir de Deus. Respire fundo algumas vezes e espere em Deus. O Espírito Santo poderá convencê-

lo de algum pecado. Confesse-o e sinta a paz de Deus encher o seu coração. Leia 1

João 1.9.

b. Agradeça a Deus.

A Palavra de Deus diz: "e sejam agradecidos a Deus em todas as ocasiões. Isso é o

que Deus quer de vocês por estarem unidos com Cristo Jesus". (I Tessalonicenses 5.18). Isto significa que devemos ser gratos a Deus por tudo o que temos e, cremos que o que acontece conosco vai resultar bênção no final. Agradecer mesmo quando não sentimos vontade não é hipocrisia, mas obediência. Jamais negligencie as ações de graças. Veja algumas dicas:

Enumere tudo aquilo que Deus tem feito na sua vida e agradeça-O.

Seja bem específico. Desenvolva um coração grato diante de Deus. Isto traz satisfação e alegria.

Não reclame de nada, mas agradeça por tudo.

Leia Salmos 100.4 e Filipenses 4.6

c.

Adore e louve ao Senhor.

O

louvor é por aquilo que Deus tem feito. Adoração é por aquilo que Deus é. O maior

livro da Bíblia, o livro de Salmos, é constituído inteiramente de louvores a Deus. Para

nós, os filhos de Deus, é um prazer e privilégio adorá-lo. Leia Salmos 146.2 e 113.3.

Algumas dicas para esse momento com Deus:

Declare aquilo que Deus tem feito em sua vida e exalte-o por isso.

Cante alguns cânticos que você sabe e gosta.

Grite alguns "aleluia" ou "glória a Deus". Isto vai aquecer o seu espírito.

Experimente usar um CD de músicas de adoração durante seu tempo com Deus.

Use o livro de Salmos como guia de adoração, confessando em voz alta versículos de exaltação a Deus.

d.

Intercessão.

Interceder é orar a favor dos outros, pelas necessidades deles. Deixar de interceder por aqueles que nos são próximos, como amigos e família, é pecado diante de Deus. Em 1 Samuel 12.23, lemos: "Quanto a mim, não deixarei de orar por vocês, pois do contrário estaria pecando contra o SENHOR. E eu lhes ensinarei o caminho bom e direito".

Faça uma lista daquelas pessoas que Deus colocou no seu coração.

Mantenha uma lista dos alvos de oração da Igreja.

Ore por sua célula e pelos colegas de trabalho, vizinhos, etc.

e. Petição/súplica

A vontade de Deus é responder as suas orações. Jesus disse que todo o que pede recebe (Mateus 7.7). Além disso, ele quer que a sua alegria seja completa e, para isso, Ele sabe que os seus desejos precisam ser realizados. Veja o que Jesus disse em João 16.24: "Até agora vocês não pediram nada em meu nome; peçam e receberão para que a alegria de vocês seja completa".

Aqui vão algumas dicas para fazer orações que funcionam:

Defina o que você quer de Deus em termos claros.

Busque na Bíblia textos que se referem ao que você deseja e reivindique.

Creia que Deus já atendeu a sua petição e que a resposta já está a caminho.

Rejeite toda dúvida que vier quanto ao fato de que Deus já respondeu a sua oração.

Louve a Deus até a materialização da resposta ao seu pedido.

f. Leitura da Palavra

Embora Deus possa faiar com você de diversas maneiras, a Bíblia é o meio mais importante, pois veja o que diz II Timóteo 3.16-17. Ela serve para nos ajudar em tudo.

5. DICAS PRÁTICAS

Escolha um lugar sossegado e mantenha a constância.

Não mude o horário a cada dia.

Faça de seu tempo com Deus sua prioridade máxima. Busque-o em primeiro lugar.

Use um CD/MP3 de adoração para inspirá-lo no seu tempo a sós com Deus.

CAPÍTULO 5 COMO ESTUDAR A PALAVRA

É comum ver pessoas associando os cristãos nascidos de novo com a Bíblia. Isso

na verdade é muito bom. Mas, alguns também dizem que a Bíblia é apenas "desodorante de crente" E por quê? Simplesmente porque alguns apenas a carregam debaixo do braço, mas nunca a leram e a usam como se fosse uma espécie de amuleto.

Se você deseja crescer em Deus, você precisa tomar a palavra de Deus de maneira prática, como diz II Timóteo 3.16-17:

"Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações".

Mas para isso você precisa conhecê-la. Nós conhecemos a Palavra através de cinco formas:

OUVINDO

LENDO

ESTUDANDO

MEMORIZANDO

MEDITANDO

1. Como ouvir a Palavra de Deus

A maneira como recebemos fé é ouvindo a Palavra de Deus: "Portanto, a fé vem por

ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação a respeito de Cristo". (Romanos 10.17). Jesus disse várias vezes: "Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam" (Mateus 11.15).

Portanto, ouvir a Palavra de Deus é vital. É por isso que você precisa ir ao culto todas as semanas. Quando você vai ao culto e ouve a Palavra, esta Palavra gera fé em você para vencer o mundo e o capacita a servir a Deus no seu dia a dia.

Existem muitas formas de se ouvir a Palavra:

A Bíblia em CD, DVD ou MP3, MP4, smarthphone, tablets etc

Pregações na igreja ou Estudos Bíblicos.

Pregações gravadas em CD ou DVD.

Pelo rádio, televisão, internet.

O problema de ouvir é que retemos apenas de 5 a 10% do que ouvimos. Por isso é

muito bom ouvir várias vezes a mesma Palavra ou mensagem. Mas você pode melhorar o seu ouvir. Eis aqui algumas dicas:

Desenvolva fome e desejo de ouvir a Deus. Quando temos tal desejo profundo, retemos muito mais do que nos é falado.

Abra a sua mente e coração. Uma pessoa de mente fechada com medo ou orgulho pode ouvir, mas não reterá a Palavra de Deus.

Concentre-se ao ouvir. Não deixe que as preocupações ou ocupações tirem a sua atenção quando estiver ouvindo a Palavra.

Anote aquilo que você está ouvindo. Tenha consigo sempre uma agenda ou caderno para anotar as pregações. Hebreus 2.1, diz; "Por isso devemos prestar mais atenção nas verdades que temos ouvido, para não nos desviarmos delas".

Pratique o que você ouve. "Não se enganem; não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática" (Tiago 1.22).

2. Como ler a Palavra de Deus

Quando ouvimos a Palavra retemos de 5 a 10%, porém retemos até 30% do que lemos. A ordem de Deus é que você leia a Palavra todos os dias da sua vida. Veja o que um rei devia fazer quando começasse a governar, como mostra Deuteronômio

17.18-19.

"Quando o rei começar a governar, mandará fazer uma cópia da lei de Deus que está no livro guardado pelos sacerdotes levitas. Ele deverá ficar com essa cópia e todos os dias da sua vida lerá a lei, para que aprenda a temer o SENHOR, nosso Deus, e para que sempre obedeça fielmente a todas as leis e a todos os mandamentos"

Assim devemos nós fazer com a Bíblia.

Esse texto bíblico dá três razões para lermos a Palavra: para aprender a temer o Senhor, para guardar a Palavra e para praticá-la. Paulo também exorta a Timóteo dizendo: "Enquanto você espera a minha chegada, dedique-se à leitura em público das Escrituras Sagradas, a pregação do evangelho e ao ensino cristão". (I Timóteo 4.13). Ele quis dizer, aproveite sempre o tempo livre que você tiver para ler a Palavra. João diz que os que lêem e ouvem são mais felizes: "Feliz quem lê este livro, e felizes aqueles que ouvem as palavras desta mensagem profética e obedecem ao que está escrito neste livro! Pois está perto o tempo em que todas essas coisas acontecerão" (Apocalipse 1.3).

Muitos crentes nunca leram a Bíblia de Gênesis a Apocalipse. Isto mostra o lugar que

a Palavra de Deus ocupa na vida deles. Eis algumas sugestões para você ler e reter a Palavra de Deus:

Se você ler três capítulos por dia e quatro aos domingos, você lerá toda a Bíblia em um ano.

Leia regularmente, ou seja, diariamente.

Tenha a sua própria Bíblia e sublinhe ou destaque os textos que mais falaram com você.

Leia num lugar tranquilo.

Tenha um plano de leitura bíblica e siga-o.

3. Como estudar a Palavra de Deus

Se desejamos reter mais da Palavra, precisamos estudá-la. Quando estudamos retemos de 30 a 50%. Muitos, porém, sentem um arrepio quando ouvem a palavra "estudar". Mas, não fique preocupado, não nos referimos aqui a fazer seminário teológico ou algo assim. Você verá que existem maneiras muito simples e fáceis de estudar a Palavra.

A Palavra de Deus diz que os nobres estudam e investigam a Palavra, mas os simples apenas ouvem, como relata Atos 17.11:

As pessoas dali eram mais bem educadas do que as de Tessalônica e ouviam a mensagem com muito interesse. Todos os dias estudavam as Escrituras Sagradas para saber se o que Paulo dizia era mesmo verdade."

Além disso, o objetivo do estudo da Palavra é que você "Faça todo o possível para conseguir a completa aprovação de Deus, como um trabalhador que não se envergonha do seu trabalho, mas ensina corretamente a verdade do evangelho" (II Timóteo 2.15).

Um homem de Deus chamado George Muller desenvolveu algumas perguntas que ele usava para estudar a Palavra de Deus. Estas perguntas vão ajudá-lo a entender completamente o que Deus está dizendo na Bíblia. Você pode fazer a si mesmo todas, ou algumas dessas perguntas, a respeito do texto que estiver estudando:

Há algum exemplo para que eu siga?

Há algum mandamento para que eu obedeça?

Há algum erro que eu precise deixar?

Há algum pecado para que eu peça perdão?

Há algum pensamento sobre o próprio Deus?

Há alguma promessa de Deus para mim?

Uma vez que você faça as perguntas, pode ser que você ainda tenha dúvidas. Compre bons livros que o ajudem a compreender a Palavra de Deus.

4. Como memorizar a Palavra de Deus

Você vai acabar memorizando espontaneamente uma série de versículos apenas por ouvi-los repetidas vezes nos cultos da igreja. Mas a vontade de Deus é que a memorização seja algo constante em sua vida.

Deus nos ordena em Deuteronômio 11.18 a memorizar a Palavra:

"Lembrem desses mandamentos e os guardem no seu coração. Amarrem essas leis nos braços e na testa, para que não as esqueçam, e não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem, e as escrevam nos batentes das portas das suas casas e nos seus portões".

A Palavra de Deus escondida em nossos corações é capaz de guardar-nos do pecado. "Guardo a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti" (Salmo 119.11). O grande valor da memorização é que retemos 100% daquilo que memorizamos. Quando você enche assim a sua mente com Palavras de Deus, o seu modo de pensar começa a mudar. Ninguém cai no pecado se a sua mente estiver cheia da Palavra de Deus. "Guardam no coração a lei do seu Deus e nunca se afastam dela" (Salmo 37.31).

Dicas para memorizar:

Aproveite algumas ocasiões em que você tem que ficar parado esperando. Por exemplo, como enquanto estiver fazendo ginástica ou estiver esperando em um consultório, ou num ponto de ônibus, ou fila de banco.

Escolha um versículo que fale ao seu coração.

Escreva o versículo em um cartão.

Repita lendo-o em voz alta muitas vezes.

Divida o versículo em frases completas.

Carregue o cartão consigo para revisão.

Sempre memorize o versículo como está escrito.

Vá apagando no cartão as palavras, uma de cada vez.

Se existe um cântico com a letra do versículo que você está memorizando, tudo ficará mais fácil. A maneira mais fácil de memorizar é cantando.

5. Como meditar na Palavra de Deus

No Salmo 1.2-3 está escrito que os cristãos felizes são aqueles que:

“O prazer deles está na lei do SENHOR, e nessa lei eles meditam dia e noite. Essas pessoas são como árvores que crescem na beira de um riacho; elas

dão frutas no tempo certo, e as suas folhas não murcham. Assim também tudo o que essas pessoas fazem dá certo”.

Deus também ordenou a Josué, no capítulo 1.8, dizendo:

"Fale sempre do que está escrito no Livro da Lei. Estude esse livro dia e noite e se esforce para viver de acordo com tudo o que está escrito nele. Se fizer isso, tudo lhe correrá bem, e você terá sucesso".

Você está sendo convidado por Deus a meditar na sua Lei todo o tempo, de dia e de noite. Mas, o que é meditar? Meditar não é ficar com a mente vazia, sem pensar em nada, como ensinam as seitas orientais. Meditar é um pensamento prolongado, dirigido para um único objetivo. A ilustração bíblica é do ruminar da vaca. Ela come e depois traz de volta a comida para ser mastigada novamente, extraindo assim o máximo possível de nutrientes do alimento.

De maneira prática, meditar envolve quatro coisas: visualizar, personalizar, aplicar e confessar.

a. Visualizar

Se você ler ou ouvir uma história sem usar a imaginação para visualizá-la, você não sentirá as emoções envolvidas ali. O mesmo se aplica à Palavra de Deus. Meditar é visualizar, imaginar. Você lê no Salmo 23: "O Senhor é meu pastor". Se você imaginar-se como um cordeiro indefeso nas mãos protetoras do pastor, a imagem envolverá você e gerará mais fé.

b. Personalizar

Personalizar é colocar o texto na primeira pessoa, como se referindo a si mesmo. A maior parte dos textos bíblicos podem ser personalizados. Você, por exemplo, lê no Salmo 91: “A pessoa que procura segurança no Deus Altíssimo e se abriga na sombra protetora do Todo-Poderoso, pode dizer a ele: "Ó SENHOR Deus, tu és o meu defensor e o meu protetor. Tu és o meu Deus; eu confio em ti”. Personalizando, você dirá: "Eu procuro segurança no Deus Altíssimo e eu me abrigo na sobra protetora do Todo Poderoso. Eu posso dizer que Deus é o meu defensor e o meu protetor".

c. Aplicar

Todo texto bíblico possui um único significado, mas inúmeras aplicações. Sempre tome o texto bíblico como sendo direcionado a você. Como sendo uma palavra de Deus para a sua vida. Quando ele foi escrito seu propósito foi alcançar alguém, e hoje o propósito é alcançar você. Quando alcança, vira "Rhema" - palavra revelada para nós.

d. Confessar

Todo texto bíblico pode ser usado como se fosse uma oração. Usando as suas próprias palavras, repita o texto que você leu como uma oração a Deus. Esta palavra será definitivamente gravada no seu coração e o Espírito Santo o fará lembrar-se dela quando for necessário.

A

Palavra de Deus diz em Hebreus 12.1: "deixemos de lado tudo o que nos atrapalha

e

o pecado que se agarra firmemente em nós e continuemos a correr, sem

desanimar, a corrida marcada para nós". A vida cristã é como uma corrida. Naqueles dias não existia a bicicleta, mas suponha que esta corrida fosse de bicicleta. A

bicicleta é um bom exemplo de nossos recursos na corrida. A primeira roda simboliza

a Palavra e a segunda a oração. Se juntar a oração com a Palavra de Deus você estará apto a correr a corrida da vida cristã com velocidade.

Guarde uma coisa: existem cinco elementos para tomar a Palavra para seu coração

e

eles são: ouvir, ler, estudar, memorizar e meditar. Faça bom uso deles e cresça na

e obediência ao Senhor.

COMO USAR A PALAVRA DE DEUS

Existem muitas formas de se usar a Bíblia. Ela difere de todos os livros que

conhecemos, por ser a revelação de Deus para o homem. Através dela conhecemos

a Deus e temos nela o guia dos princípios de vida pelos quais devemos ordenar

nossos caminhos. Ela está cheia de promessas, mandamentos e diretrizes e tem como autor o próprio Deus, na pessoa do Espírito Santo, como está escrito:

"Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo" (II Pedro

1.21).

"Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para

a

correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito

e

perfeitamente habilitado para toda boa obra" (II Timóteo 3.16,17).

Dentre

destacaremos algumas:

as

muitas

maneiras

de

nos

aproximarmos da Bíblia e a usarmos,

1. LEITURA

Tomando conhecimento do que ela diz. Deus nos ordena, por boca do profeta Isaías; "

"Buscai no livro do Senhor, e lede

(Isaías 34,16).

E essa leitura, como mostra Deuteronômio 17.19, deverá ser repetida, pois você:

“O terá consigo e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer o SENHOR, seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei e estes estatutos, para os cumprir".

Um programa de leitura da Bíblia (veja adiante) deve ser estabelecido por nós. Terminada uma leitura, começamos outra. Quanto mais vezes a lermos, tanto mais fácil será entendê-la.

2. ESTUDO

Assimilando seus princípios, mandamentos e promessas. Isso envolve mais do que ler, Precisa de caneta e papel para tomar nota, esboçar, buscando fixar o ensino. Paulo recomenda: "Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar que maneja bem a palavra da verdade" (II Timóteo 2.15).

3. MEDITAÇÃO

Deixando que suas verdades sejam aplicadas às diversas áreas de nossa vida. Meditar é ruminar. Um animal que rumina, come o alimento e mais tarde regurgita-o, isto é, traze-o de volta à boca e o mastiga vagarosamente, extraindo dele todos os nutrientes Meditar é a mesma coisa. Primeiro lemos a Palavra, estudamo-la e podemos até decorá-la. Mas, então, vamos mais além e começamos a "mastigar" a Palavra, pensando, refletindo, assimilando-a, aplicando-a à nossa vida, transformando-a em nossa oração. Há vintes referências diretas na Bíblia à meditação, sem falar dos seus sinônimos. Logicamente, quem medita primeiro leu ou ouviu.

"Não cesses de falar deste Livro da Lei: antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido" (Josué 1.8).

"Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite" (Salmo 1.1,2).

"Medita estas coisas e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto" (I Timóteo 4.15).

"As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, SENHOR, rocha minha e redentor meu!" (Salmo 19.14)

4. MEMORIZAÇÃO

Permitindo que ela seja o material para nossa estrutura de pensamento e raciocínio e venha em nosso auxílio, prontamente, no momento da necessidade.

Ora, para que a Palavra esteja na minha boca, primeiro tem que entrar em minha mente. Só sai da boca o que foi assimilado, estudado e decorado.

O

mandamento é claro: "Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração;

tu

as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo

caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te" (Deuteronômio 6.6,7).

5. USO DA PALAVRA COMO ARMA

Contra todas as mentiras e insinuações do diabo em nossa mente. As fortalezas inimigas, referidas por Paulo em II Coríntios 10, são construídas na mente a partir de pensamentos, raciocínios, conceitos e imagens, todos falsos e mentirosos. Tendo a Palavra na mente e no coração, teremos com que desferir golpes e demolir as fortalezas. "Está escrito" foi a arma usada por Jesus e o será igualmente por nós, sabendo que a Palavra de Deus é a Espada do Espírito.

"Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus" (Efésios 6.17).

6. CONFISSÃO

Com os lábios como verdade absoluta em todas as circunstâncias.

"Pois esta palavra está mui perto de ti, na tua boca e no teu coração, para a cumprires" (Deuteronômio 30.14),

Confessar a Palavra é proferi-la como uma convicção do nosso espírito. O que creio no coração, isso confesso. Ao fazê-lo, há um poder de vida que é liberado. A Palavra de Deus é como semente. Quando confesso é como se a plantasse. Confessá-la repetidamente é como regá-la. Ora, sementes plantadas e regadas, terminam germinando.

"Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão" (Hebreus 4.14).

7. USO DA PALAVRA COMO A BASE DE ORAÇÕES AO PAI

Deixando que ela seja o veículo da nossa comunicação verbas com Ele. Podemos ler toda a Bíblia, transformando-a em oração, enquanto confrontamos com ela e a palavra especifica que está sendo objeto da nossa oração, produzirá seu efeito em nós. Toda nossa conversa com o Pai pode ser baseada na Palavra escrita. É isso que chamamos de "orar a Palavra".

CAPÍTULO 6 ESTABELECENDO UM TEMPO COM DEUS

"Mas tu, quando orares, entra no teu aposento, e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto. E teu Pai, que vê secretamente, te recompensará" (Mateus 6.5-6).

TEMOS UM PAPEL DE ORAÇÃO SACERDOTAL

É importante pregar, cantar, liderar célula, dançar, trabalhar no Acolhimento, no teatro. A igreja de Jesus é composta por muitos membros, cada um dotado de funções e dons diferentes, mas todos cooperando harmonicamente para o bom

desempenho de todo o Corpo, o cumprimento das metas do Reino. Todos esses são ministérios públicos, ações e atividades externas. Mas todos nós temos que entender

e praticar, antes de mais nada, saber que temos um ministério particular antes do

ministério público. Apocalipse 1.6, diz: "e nos constituiu reino, SARCEDOTES para

o seu Deus e pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!" 1

Pedro 2.9, diz: "Vós sois

sacerdócio real".

João nos escreve que Jesus tem amor por nós, nos libertou de nossos pecados pelo seu sangue, fez de nós um reino, e nós tornou sacerdotes para servir a seu Deus e Pai (Apocalipse 1.5-6). Jesus é o Sumo-Sacerdote de Deus (Hebreus 2.17). Ele fez de nós sacerdotes de Deus (v.6) e também (Apocalipse 1.6). É assim que devemos servir a Deus. O maior serviço que você jamais poderá prestar a Deus, não vai ser seu ministério externo, testemunho ou pregação. Seu maior serviço, qualquer seja a sua vocação, é a sua intercessão sacerdotal. Deus ordenou o trabalho através das orações do seu povo. Você não foi criado apenas para orar; você foi remido, justificado e santificado para orar.

Quando Jesus fala de entrar no aposento secreto para buscar o Pai, está falando de algo muito maior do que um lugar físico. O Velho Testamento diz que Deus dividiu o Seu povo em duas categorias: "Os que Me buscam - e os que não Me buscam!" E nos dias de hoje. Deus igualmente tem dois tipos de filhos: os que O buscam regularmente em seus lugares secretos de oração, e os que não O buscam.

Quando Deus se zangou com Israel devido à idolatria, Moisés levantou sua tenda de oração fora do arraial. As escrituras revelam que, então, "todo aquele que buscava o Senhor saía à tenda da congregação, que estava fora do arraiar

(Êxodo 33.7). Em meio a toda idolatria que estava ocorrendo em Israel, ainda havia um povo de Deus que gastava tempo e esforço para buscar o Senhor de todo o coração! Este remanescente que buscava a Deus surgiu dentre os milhões de idólatras de Israel. Eles sabiam que tinham de ir para fora do arraial, caso contrário também cairiam na apostasia que arrastava o povo.

SÓ BUSCAMOS A DEUS VERDADEIRAIMENTE EM ORAÇÃO!

Em verdade, a cena que Jeremias descreveu é exatamente o que estamos vendo agora na igreja de Jesus Cristo. Muitos líderes ficaram preguiçosos e negligentes. Eles se apoiam sobre os braços de sua carne, buscando livros e comentários para os sermões, em vez de procurar conhecer o coração de Deus através da oração. Perderam todo o poder para alimentar, e guardar as ovelhas em ordem - e elas estão se dispersando.

Jeremias disse o seguinte sobre os seus dias: "A minha tenda está destruída; todas as minhas cordas se quebraram" (10.20a). As cordas de que ele fala - o poder de coesão de Deus, que conservou a unidade entre o povo - haviam sido destruídas. "Os meus filhos foram-se de mim, e já não existem" (10.20b). O rebanho se foi - se dispersou! "Ninguém há que estenda a minha tenda, e que levante as minhas cortinas" (verso 20c). Havia tanta impureza no meio dos sacerdotes, que ninguém ousava se aproximar das coisas santificadas de Deus. Nenhum sacerdote era digno de tocar as cortinas santificadas!

• Talvez você tenha sido ou é este tipo de pessoa (crente, líder) que Jeremias

descreve: Fica claro e evidente que a oração cria unidade. Mas agora, sem ela, tudo

está em ruínas.

• Deus teve de desviar Seu rosto - porque diz o seguinte em relação aos líderes e

cristãos preguiçosos: "Eles não Me buscam mais!" O Senhor traça uma linha nítida de separação entre estes crentes, e aqueles que O buscam em oração.

LUGAR SECRETO É QUALQUER LUGAR ONDE O CRISTÃO IMPEDE A ENTRADA DO MUNDO - E SE TRANCAA SÓS COM DEUS, PARA BUSCÁ-LO E PARA ORAR

Jesus diz claramente: "Mas tu, quando orares, entra no teu aposento, e, fechando a tua porta, ora" (Mateus 6.6). Em outras palavras, ao entrar em seu aposento, não comece a orar enquanto não fechar a porta! Isto quer dizer, não converse com o Pai estando com a mente desordenada.

Impeça a entrada de todos os pensamentos que ficam lhe afastando dele. Esteja acordado, concentrado, sem desperdiçar palavras, sem pensar em outra coisa. Você pode deixar a mente viajar quando conversa com amigos, ou no

trabalho ou na escola. Mas ao entrar na presença do Rei, a Bíblia diz; "Ele vê em secreto!"

Muita gente ora durante horas, mas mesmo assim não tem poder no caminhar diário.

Eles se perguntam por que as respostas não chegam, por que não têm vitória.

É porque oram com a porta do aposento escancarada! Deixam aberta a porta das distrações - e Deus não responde oração de um coração dividido e insincero!

Será que você entra no lugar secreto e ora aleatoriamente durante horas, a torto e a direito, oração sem direcionamento, sem se concentrar em pontos (Oração pelo Papagaio, pelo cachorro, pela conversão do diabo - e nunca acerta o alvo dos ouvidos de Deus, por não saber o que quer ou precisa?

Requer-se esforço concentrado para orar!

Ao entrar em seu lugar secreto, tranque a porta e tire o telefone do gancho! Todo filho de Deus que decide no coração buscar a Deus, irá enfrentar o que chamo de "interrupções satânicas." O diabo vai lhe interromper para desviar sua mente para qualquer coisa, menos para o Pai celeste.

Amado, essa disciplina é totalmente imperativa. Se quisermos nos encontrar com Deus, e sermos ouvidos por Ele, então temos de estar onde Ele está em secreto! "Teu Pai, que vê secretamente, te recompensará" (Mateus 6.6). Deus o convida para chegar ousadamente ao Seu trono de graça - e isso é a portas fechadas!

Mas não existe este tipo de desastre na presença de Deus. Não existem filas intermináveis esperando para serem atendidas, não há gente passando por perto para desviar sua atenção. Ao ingressar na sala do trono de Deus, ao trancar a porta, as coisas passam a ser unicamente entre você e o Pai. Você está só na presença Dele - e você ê a única preocupação Dele!

UM LUGAR DE ORAÇÃO IMPLICA TAMBÉM NO MELHOR HORÁRIO QUE VOCÊ TEM!

No Velho Testamento, as pessoas não podiam aproximar-se do altar carregando um cordeiro manchado, cego ou manco. Eles tinham de trazer o que havia de melhor para o Senhor.

Eu lhe pergunto: que tipo de tempo você traz ao seu aposento? Será o seu melhor horário, um horário em que está totalmente desperto? Ou, então: será que você vai a Deus esgotado e cansado depois de um dia muito ocupado, e se arrasta à Sua presença com as pálpebras pesadas? Se a sua mente começar a vaguear devido ao cansaço, simplesmente seja honesto. Diga: "Jesus, estou muito cansado para orar hoje. Vou dormir, e ao despertar Lhe darei o meu melhor."

Você vai a Ele pela manhã, para orar a respeito de coisas santificadas - mas sua mente está no carro que precisa lavar ainda hoje? Amado, a sua mente e o seu coração têm de estar onde estão os seus lábios! Isaías falou dos ''holocaustos

sacrifícios e

oração

"que se chegarem ao Senhor para o servirem, e para amarem o nome do Senhor" (v.

6).

Prezados santo, eis o único sacrifício aceitável que pode ser feito no altar de Deus! Não será um sacrifício manco, de coração dividido com olhar sonolento ou seja, uma Oferenda obrigatória de último minuto. Não Ele vem de um coração que se consome De amor por Jesus, que brada constantemente. “Deus venho hoje a ti para te conhecer. Quero ser guiado, corrigido e instruído por Ti. Quero aprender à obediência, entender os Teus caminhos. Desejo mais de Ti!”

aceitos

no meu altar, pois a minha casa será chamada casa de

"

(Isaías 56.7). Os que trarão sacrifícios aceitos, Deus diz, serão aqueles

LUGAR SECRETO É UM LUGAR AONDE VAIVIOS DE TODO O CORAÇÃO!

"Bem-aventurados os que guardam os seus estatutos, e o buscam de todo o coração" (Salmo 119.2).

Havendo você formado um hábito (um lugar de oração), e trancado do lado de fora todas as distrações, Deus deseja que você O busque de todo o coração em Deuteronômio 4.29-31, diz:

"Então dali buscarás ao Senhor teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma. Quando estiverem em angústia, e todas estas coisas te alcançarem, então nos últimos dias voltarás para o Senhor teu Deus, e ouvirás a sua voz. Pois o Senhor teu Deus é Deus misericordioso; não te desamparará, nem te destruirá, nem se esquecerá da aliança que jurou a teus pais".

Estar no aposento significa chegar diante de Deus com um único propósito: se derramar! Significa que tudo em você busca a Deus - seu coração inteiro, toda a sua alma, toda a sua mente e força. Às vezes você pode fazer isto sem dizer uma palavra. A única coisa que conta para o Pai celestial é que você vá a Ele com o seu todo!

JESUS PROMETE UMA RECOMPENSA

Jesus diz que quando vamos ao lugar secreto - nos isolando das distrações, e nos abrindo totalmente a Deus, nosso Pai nos recompensa amplamente: "Teu Pai, que vê secretamente, te recompensará" (Mateus 6.6).

Há muitas recompensas que nos chegam vindas do poder do lugar secreto. Mas há uma em particular que o Espírito Santo me revelou - e quero que você a conheça!

Disposição positiva: A Bíblia diz o seguinte sobre Jeosafá: "buscou ao Senhor de todo o seu coração" (II Crônicas 22. 9) - e por ter buscado a Deus, desfrutou de trinta e cinco anos de ordem no reino. Ele zinha poder junto a Deus, e poder contra os inimigos de Israel. Até quando os ataques vieram de todos os lados. Deus rapidamente os frustrou - porque o povo começou imediatamente a buscar o Senhor. Havia sempre ordem, jamais caos ou confusão. Por quê? Porque buscaram ao Senhor!

Disposição negativa: Mas, então, Acazias, filho de Jeosafá assumiu o poder - e não buscou o Senhor. Acazias foi morto por Jeú, "e já não tinha a casa de Acazias ninguém que fosse capaz de reinai" (v.9). Acazias não teve poder para manter a ordem como o seu pai - pois não orava!

Prezado santo Vencedor, o seu reino é o seu lar. E se você não tiver um lugar de oração, o hábito diário de buscar a Deus, então não terá poder para trazer ordem à sua casa. O diabo poderá criar um caos em tudo: no seu trabalho, na família, nos relacionamentos! Entenda: o poder do lugar secreto é o poder sobre a confusão e a desordem - em sua vida, no trabalho, na igreja!

HÁ UMA BOA PALAVRA PARA TODO AQUELE QUE ESTEJA DETERMINADO A BUSCAR O SENHOR!

Deus promete que se O buscar continuamente de todo o coração, você sempre terá fartura de alimento espiritual. "E Sarom servirá de curral de ovelhas, e o vale de Acor lugar de repouso de gados, para o meu povo, que me buscou" (Isaías 65.10).

Porém os que não buscam a Deus ficarão vazios, esfomeados, secos; estarão vagando, procurando pastor, famintos e nunca satisfeitos. A Bíblia diz acerca

vos envergonhareis" (v. 13). Mas,

deles: "

padecereis fome

tereis sede

diz o Senhor Deus: "Os meus servos comerão

cantarão por terem o coração alegre" (vs. 13-14). Os que estiverem trancados com Deus, derramando sobre Ele a alma, buscando-O em tudo, terão:

beberão

alegrar-se-ão

Poder;

Autoridade;

Força espiritual;

Alimento para a alma e a mente;

Serão guiados por Deus a um lugar de repouso e plenitude espirituais!

Sim, achamos poder ao buscarmos a Deus: poder para compreendermos tudo que ocorre na nossa vida: "Os que buscam ao Senhor entendem tudo" (Provérbios 28.5). Continue buscando, orando - e Deus lhe dará compreensão sobre o que você está enfrentando! "O vosso coração viverá, pois que buscais a Deus" (Salmos 69.32).

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará." "Habitar" significa "viver." Você vive em seu lugar de oração no esconderijo do Altíssimo? É ele o seu lar a qualquer hora do dia?

Pode-se perguntar: "Isso quer dizer que preciso me fechar com Deus o tempo todo?" De certa maneira, sim! Paulo diz que devemos orar sem cessar. E Davi diz: "Buscai o Senhor e o seu poder; buscai a sua face continuamente" (I Crônicas 16.11).

Prezado santo e vencedor, toda vez que acordar permita que sua mente permaneça em Deus. Mantenha comunhão com Ele. Deseje-O ardentemente o tempo todo. Durante todo o dia, em tudo, invoque-O em seu espírito - e você conhecerá o Seu poder e os Seus preceitos em cada um de seus passos! Amém

O PODER DO LUGAR SECRETO VEM ANTES DE QUALQUER COISA!

1. Hábito de Oração

Você tem um lugar de oração? Não estou falando de um armário embutido (ainda que isso serviria bem) mas, antes - você possui o hábito de se trancar com Deus?

Possuir um "lugar secreto" quer dizer simplesmente trancar-se com Deus em qualquer lugar, a qualquer hora - e usar o melhor horário do seu dia para desejá-Lo ardentemente, buscá-Lo e invocar o Seu nome.

"Lugar de oração" significa "hábito de oração". Você possui o hábito diário de ficar a sós com Deus? É isso que significa lugar de oração: prática. É a disciplina de se ir diante de Deus, de se responder quando o Espírito solicita você. Significa ter um coração que diz; "Quero ficar sozinho com Deus; preciso conversar com o meu Pai!"

Às vezes o nosso lugar secreto pode ser o carro, quando estamos sós, dirigindo para o trabalho ou do trabalho para casa; pode ser a pia, enquanto lavamos louça, ou a tábua de passar, enquanto a dona de casa cuida das roupas da família. Pode ser o nosso local de trabalho, principalmente quando precisamos mais das mãos do que da mente para executar nossas tarefas, ficando a mente mais livre para se concentrar em Deus.

Os hipócritas são atores. São pessoas que agem de maneira consagrada para receberem elogios dos outros. Jesus diz que há muitos atores em Sua igreja: "E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois gostam de orar em pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão" (Mateus 6.5).

A nossa carne ama ser aplaudida e elogiada. Mas Deus não usa a carne - ou seja,

a nossa natureza pecaminosa - pois eia não pode ser remodelada ou santificada. Quando nascemos de novo. Deus abole nossa carne; faz-nos novas criaturas em

Seu Espírito. A carne deve ser totalmente lançada fora, para que morra! Mesmo assim, a carne pode ser vista em ação através de nós, quando realizamos coisas para Deus, mas não entendemos porque os outros não o reconhecem. A carne quer "

aparecer! "Os hipócritas

isso! Eles oram na igreja, vão a reuniões de oração, sobem os mentes, são ativos

nas vigílias mas não têm o hábito da oração! Não se trancam em oração, a sós com

o Pai.

Amado, Deus não ouve uma só palavra da prece dos hipócritas - pois essas preces nunca foram dirigidas aos Seus ouvidos! E Jesus diz que eles não recebem galardão do Pai! Por isso, para ser diferente dos hipócritas e receber galardão do Pai que está nos céus, precisamos ser cristãos bons, honestos e crentes.

É chocante quanto tentamos quantificar, no meio da igreja, o número real de crentes

dedicados à vida de comunhão com o Pai. É bem pequeno o número de crentes que

pratica uma comunhão maravilhosa e diária com o Senhor.

A grande maioria ora só na igreja e durante as refeições, com talvez umas poucas

palavras rápidas a Deus antes de ir para a cama.

Não têm hábito da oração - quer dizer, até que uma crise arrebente, e então rapidamente curvam as cabeças! Vão atrás dos "vasos" ungidos e consagrados, fazem campanhas, jejuam, etc. Parece que se aqueles santos mais consagrados orarem a coisa acontece.

Não! O hábito de uma aproximação com Deus a cada dia é para cada um de nós! A razão de tantos cristãos não possuírem poder em suas vidas, é por não terem uma vida de oração. Oram talvez somente uma vez por semana, ou quando têm vontade.

Amado, não há em absoluto poder algum na oração casual do tipo às-vezes-ora às-

gostam de orar

- ou pelo menos querem que você ache

vezes não-ora! "Teu Pai

secretamente" (Mateus 6.6).

Deus vê secretamente - enxerga a intimidade das profundezas do seu coração! Ele vê a sua falta de interesse. Ele lhe vê dando muito tempo para as coisas que você acha serem necessárias - para os amigos, ou gastando horas na frente à TV ou na internet. E vê você chegando a Ele numa atitude não prioritária, ou devido á convicção de culpa, ou à autocondenação!

2. Lugar secreto é qualquer lugar onde o cristão impede a entrada do mundo e se tranca a sós com Deus, para buscá-lo e para orar !

Jesus diz claramente: "Mas tu, quando orares, entra no teu aposento, e, fechando a tua porta, ora" (Mateus 6.6). Em outras palavras, ao entrar em seu aposento, não comece a orar enquanto não fechar a porta! Isto quer dizer, não converse com o Pai estando com a mente desordenada.

Impeça a entrada de todos os pensamentos que ficam lhe afastando dele. Esteja acordado, concentrado, sem desperdiçar palavras, sem pensar em outra coisa. Você pode deixar a mente viajar quando conversa com amigos, ou no trabalho ou na escola. Mas ao entrar na presença do Rei, a Bíblia diz: "Ele vê em secreto!”

CAPÍTULO 7 COMO PASSAR MOMENTOS A SÓS COM DEUS

(Condensado do livro de Rick Warren, Dynamic Bible Study Methods)

TEMPO SOZINHO COM DEUS

Uma vez convencido de que os momentos a sós com Deus são necessários numa base diária para o crescimento espiritual, como devemos proceder? Podemos, muitas vezes, estar motivado a experimentar esse tempo de qualidade, mas talvez não saibamos como. Para isso necessitamos considerar quatro elementos essenciais para bons momentos a sós com Deus;

Começar com atitudes apropriadas

Escolher um momento específico

Selecionar um lugar especial

Seguir um plano simples

COMEÇAR COM ATITUDES APROPRIADAS

Aos olhos de Deus, o porquê fazemos uma coisa é muito mais importante do que aquilo que fazemos. Numa ocasião Deus disse a Samuel: "o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENIHOR olha para o coração" (I Samuel 16.7). É muito possível fazer-se uma coisa corretamente,

mas com uma atitude errada. Este foi o problema de Amazias. "

aos olhos do SENHOR, porém não com inteireza de coração" (II Crônicas 25.2).

Quando vimos para nos encontrar com Deus em momentos de quietude, devemos ter estas atitudes apropriadas:

1. Expectativa. Vir perante o Senhor com antecipação e desejo. Esperar desfrutar de bons momentos na Sua companhia e receber a bênção desses momentos em conjunto. Era o que Davi esperava: "Ó Deus, tu és o meu Deus, de madrugada te buscarei' (Salmo 63.1; ver Salmo 52.1).

Fez o que era reto

2. Reverência. Não devemos nos precipitar para a presença de Deus, mas preparar bem o nosso coração, estando quieto diante Dele e deixando que a quietude esclareça os pensamentos mundanos. Escutemos o profeta Habacuque: "O SENHOR está no seu santo templo; cale-se diante Dele toda a terra" (Habacuque

2.20; ver Salmo 89.7). Vir à presença do Senhor não é como ir a uma partida de futebol ou a qualquer outra forma de divertimento.

3. Atenção. Em primeiro lugar, devemos estar totalmente despertos, acordados.

Desperte primeiro, totalmente. Lembremo-nos de que estamos nos reunindo com o Criador, o construtor do céu e da terra, o redentor do homem. Devemos nos apresentar completamente descansados e despertos. A melhor preparação para um bom momento de silêncio começa na noite anterior. É bom deitar cedo a fim de estar

em boa forma para se encontrar com Deus peia manhã, porque Ele merece toda a nossa atenção.

4. Disposição para obedecer. Esta atitude é crucial. Nesses momentos com Deus,

não devemos vir com a atitude de quem pode ou não escolher o que fará ou o que não fará, mas tão somente com o propósito de fazer qualquer coisa que Deus queira que façamos. Jesus disse: "Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma

doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo" (João 7.17). Assim, venhamos para fazer a vontade de Deus tendo determinado cumprir a ordem, qualquer que ela seja.

SELECIONAR UMA HORA ESPECÍFICA

A

hora específica tem a ver com quando vamos ter os nossos momentos de quietude

e

a duração que eles terão. Regra geral é esta: o melhor momento é quando nos

sentimos melhor. Devemos dar ao Senhor a melhor parte do dia - quando estamos mais descansados e mais despertos. Não devemos servir o Senhor com as nossas sobras (de tempo). Lembremo-nos também de que o nosso melhor momento pode

ser diferente do de outra pessoa.

Para a maioria de nós, não há dúvida de que cedo, pela manhã, parece ser a melhor hora. Era prática do próprio Senhor Jesus levantar-se de manhã cedo e encontrar-se com o Pai. "E, levantando-se de manhã, muito cedo, fazendo ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava" (Marcos 1.35).

Na Bíblia muitos homens e mulheres madrugavam para se encontrar com Deus. Entre eles estão:

Abraão; Gênesis 19.27

Moisés: Êxodo 34.4

Jó: Jó 1.5

Ana e Elcana: I Samuel 1.19

Jacó: Gênesis 28.18

Davi: Salmos 5.3, 57.7,8

(Ver também 90; 14; 119; 147; 143.8; Isaías 26.9, Ezequiel 12.8).

Através da história da Igreja, os cristãos que Deus mais usou reuniam-se com Ele de manhã cedo. Hudson Taylor disse: "Você não afina os instrumentos depois que o concerto terminou. Seria burrice. O lógico é afiná-los antes de se começai".

O Grande Reavivamento entre os estudantes da universidade inglesa nos finais do século XIX começou com estas palavras históricas; "Lembra-te da vigília matutina". Assim, nós temos que nos afinar no começo do dia lembrando-nos da vigília matutina.

Jesus está realmente em primeiro lugar na nossa vida; temos de dar-Lhe a primeira parte do nosso dia. Temos de buscar o Seu reino primeiro (ver Mateus 6.33). Os médicos dizem que a refeição mais importante é o café da manhã. Frequentemente

ele determina o nosso nível de energia, de vigilância, e inclusive os estados de ânimo para o dia. Igualmente necessitamos de um café da manhã espiritual para começar

o dia.

De manhã cedo, as nossas mentes não estão abarrotadas com as atividades do dia. Os nossos pensamentos estão frescos e nós descansados. As tensões ainda não chegaram e é normalmente o momento de maior quietude.

Existem mães que põem o despertador para as quatro da manhã, têm a sua meditação, voltam para a cama e depois erguem-se quando o resto da família se levanta. Elas explicam dizendo que com as crianças em casa todo o dia, o único momento de quietude que elas podem ter a sós com Deus é de madrugada. Para elas funciona; nós necessitamos escolher uma hora que funcione para nós.

Stephen Olford, um grande cristão e ministro de Nova Yorque, durante muitos anos,

disse: "De manhã quero ouvir a voz de Deus antes de ouvir outra qualquer, e à noite

a voz Dele é a última que desejo ouvir".

Davi e Daniel encontravam-se com o Senhor três vezes ao dia (Ver Salmo 44.17; Daniel 6.10).

Qualquer que seja a hora que estabeleçamos, sejamos constantes. Devemos anotá- la na nossa agenda. Devemos fazer uma visita a Deus como o faríamos a qualquer outra pessoa. Façamos uma visita ao Senhor! Antecipemos o momento com imaginação e não O deixemos à espera. Falhar num compromisso não é uma experiência agradável para nenhum de nós, e o Senhor não gosta que O deixemos

à espera. Uma vez que comecemos, continuemos a todo o custo.

Uma pergunta frequente é: "Quanto tempo devo partilhar com o Senhor?" Se antes nós nunca mantivemos momentos a sós com Deus com perseverança, poderíamos começar com sete minutos e deixar que esse tempo aumente naturalmente. Deveríamos nos propor a nós mesmos investir, eventualmente, não menos do que 15 minutos por dia, inclusive os domingos. Das 168 horas que todos temos por semana, 1 hora e 45 minutos parece terrivelmente pouco quando consideramos que fomos criados para manter companheirismo com Deus. Em continuação oferecemos algumas diretrizes adicionais:

No princípio não devemos planejar momentos a sós com Deus de mais de duas horas. Só serviria para nos desanimar. Necessitamos crescer nesta relação como faríamos com qualquer outra. Por isso comecemos com sete minutos constantes e deixemos que aumentem. É melhor ser perseverante por um curto espaço de tempo do que nos reunirmos por uma ou duas horas numa semana e nada noutra.

Não olhemos para o relógio. Olhar para o relógio pode arruinar os teus momentos a sós com Deus mais depressa que qualquer outra coisa. Decidamos o que podemos fazer com a Palavra e a oração durante o tempo que temos separado e façamo-lo. Algumas vezes isto nos tomará mais tempo do que temos reservado, e algumas vezes menos. Porém não devemos olhar para o relógio.

Não enfatizemos a quantidade, enfatizemos a qualidade. Não há nada de super-espiritual nos momentos a sós com Deus de duas horas. É o que fazemos com o nosso tempo - 15 minutos ou duas horas ou qualquer quantidade de tempo no meio - que importa. É sempre melhor apostar numa relação de qualidade com Deus.

ESCOLHER UM LUGAR ESPECIAL

O lugar onde passamos o nosso tempo a sós com Deus, também é importante. A

Bíblia salienta que Abraão tinha um lugar onde se reunia regularmente com Deus. (Gênesis 19.27) Jesus costumava orar no jardim de Getsêmani. "E, saindo, foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras; e também os Seus discípulos O seguiram" (Lucas 22.39).

O nosso lugar deve ser um lugar recolhido. Um lugar onde possamos estar só, onde

haja quietude, e onde não nos distraiamos ou sejamos interrompidos. No mundo ocidental ruidoso de hoje, isto poderá requerer algum engenho, mas é necessário.

Deve ser um lugar

Onde possamos orar em voz alta sem perturbar os demais

Onde tenhamos boa luz para ler (talvez um escritório)

Onde estejamos confortáveis (Advertência: não busquemos na cama os nossos momentos com Deus. É demasiado confortável).

O seu lugar deve ser um lugar especial. Onde quer que você decida se reunir com o

Senhor, converta-o num lugar especial para Ele e para você. À medida que passem

os dias, esse lugar significará cada vez mais para você, devido aos momentos maravilhosos que você tem passado ali com Jesus Cristo.

O seu lugar deve de ser um lugar sagrado. É ali onde você se reúne com o Deus

vivo. Onde você se reúne com o Senhor pode ser tão sagrado como o lugar em que

Abraão se reunia com Deus. Você não tem que estar numa igreja. Alguns passam os seus momentos a sós com Deus no automóvel, estacionados num lugar tranquilo, num espaço vazio da sua casa, no pátio dos fundos, e inclusive no refúgio subterrâneo de um campo de futebol. Cada um destes lugares tem se convertido em lugar sagrado para estas pessoas.

SEGUINDO UM PLANO SIMPLES

Alguém já disse: "Se você mirar em nada, com certeza acertará em cheio." Para ter momentos significativos, você necessitará de um plano ou algum tipo de esquema geral. A principal regra é: conserve o seu plano simples.

Você necessitará dos três seguintes objetos para os teus momentos a sós com Deus:

Uma Bíblia de preferência sem notas.

Um bloco de apontamentos para escrever o que o Senhor lhe ensina e para fazer uma lista de oração.

Um tocador de CD com várias músicas apropriadas - ou um livro de cânticos, caso você prefira músicas mais clássicas (pois algumas vezes você vai querer cantar na hora da adoração (ver Colossenses 3.16).

1. Espere no Senhor (Relaxe). Fique quieto por um minuto: não chegue correndo

diante da presença de Deus nem comece logo a falar. Siga o conselho de Deus:

''Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus" (Salmo 46.10; ver também Isaías 30.15;

40.31) Mantenha-se calado por um pequeno instante para entrar num espírito de reverência.

2. Ore brevemente (Peça). Não é uma hora de oração, mas uma introdução breve

em forma de prece para pedir a Deus que purifique o seu coração e lhe guie para

momentos de comunhão. Duas boas passagens das Escrituras para memorizar são:

"Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno" (Salmo 139.23-24; ver I João 1.9).

"Abre tu os meus olhos, para que veja as maravilhas da Tua lei' (A Palavra) Salmo 119.18; ver João 16.13).

Necessitamos estar em harmonia com o autor para poder entender o Seu Livro!

3. Leia uma porção das Escrituras. É aqui onde a sua conversação com Deus

começa. Ele lhe fala através da Sua Palavra e você Lhe fala por meio das suas

orações. Leia a sua Bíblia

Seja lento. Não se precipite; não tente ler grandes seções; não corra na leitura.

Repita. Leia uma passagem várias vezes até que você comece a absorvê-la mentalmente. A razão por que muita gente não obtém mais proveito da leitura da Bíblia é por não a leem várias vezes.

Sem parar. Não se detenha no meio de uma oração para fazer um estudo doutrinário. Leia simplesmente o trecho pelo puro prazer de lê-lo, deixando que Deus lhe fale. Lembre-se que o seu propósito aqui não é obter informação, mas alimentar-se da Palavra e conhecer melhor o Senhor.

Em voz alta, mas suavemente. Ler em voz alta melhorará o seu poder de concentração, se é que você tem esse problema. Ajudar-lhe-á também a entender melhor o que está lendo, porque você estará vendo em vez de ouvir o que lê. Leia suavemente, não obstante, de modo que não incomode ninguém.

Sistematicamente. Leia um livro utilizando um método ordenado. Não utilize o método "beija-flor"- uma passagem aqui, um capítulo ali, o que gosta aqui, uma porção interessante ali. Você entenderá a Bíblia melhor se a ler como foi escrita - um livro ou uma carta de cada vez.

Leia o livro em ordem seguida. Em algumas ocasiões você quererá examinar um livro completo. Nesse caso, você o lerá rapidamente para alcançar a amplitude da revelação completa. Nesse caso você não necessitará lê-lo lenta ou repetidamente.

4. Medite e memorize (reflita e recorde). Para conseguir que as Escrituras lhe falem

significativamente, você deve meditar sobre o que está lendo e memorizar versículos

que particularmente lhe digam algo. Meditação é “contemplar uma e outra vez, seriamente, um pensamento dentro da sua mente." Da sua meditação você poderá selecionar e memorizar um versículo que lhe pareça particularmente significativo.

5. Anote o que Deus está lhe ensinando (Registre). Quando Deus lhe fala através

da Sua Palavra, anote o que você descobriu. Escrever isso lhe permitirá recordar o que Deus já lhe revelou e rever as suas descobertas bíblicas. Anotar o que Deus lhe ensinou é o caminho para a aplicação do que você vê nas Escrituras que se relaciona com a sua vida.

6. Tenha os seus momentos de oração (Petição). Depois de Deus ter lhe falado

através da Sua Palavra, fale você com Ele na sua oração. Esta é a sua parte na

conversa com Deus.

CONCLUSÃO

E se você perder um dia? Não se preocupe se isso ocorrer ocasionalmente. Não empreenda uma viagem de culpa. "Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus" (Romanos 8.1) Não seja legalista, a perda de um dia não ocasiona fracasso. Não ceda. Perder uma refeição não significa que se deve renunciar a comer

porque não perseveramos. Simplesmente você comerá um pouco mais na próxima refeição e prosseguirá. Este princípio se aplica aos seus momentos a sós com Deus.

Os sociólogos dizem que normalmente são necessárias três semanas para nos familiarizarmos com uma nova meta ou hábito. São necessárias mais três semanas para se transformar mesmo em hábito. A razão por que muitas pessoas não têm êxito nos seus momentos a sós com Deus é porque não têm conseguido vencer esta barreira das seis semanas. Para que os seus momentos a sós com Deus se convertam num hábito, você deve ter um diário pelo menos durante seis semanas. William James tinha uma fórmula famosa para desenvolver um hábito;

1. Tome uma resolução firme (Voto). Deve começar sempre com uma iniciativa firme, decidida. Se você começa a meio gás, nunca o conseguirá. Faça uma declaração pública fazendo saber aos demais acerca da sua decisão

2. Nunca permita que uma exceção surja até que o novo hábito esteja firmemente enraizado na sua vida. Um hábito é como una bola de trapos. Cada vez que você renuncia, muitos laços se desprendem e caem. Assim não permita que

o "só desta vez" suceda. A ação de complacência debilita o ânimo e fortalece a falta de autocontrole.

3. Aproveite qualquer oportunidade e inclinação para praticar o seu novo hábito. Cada vez que sentir o menor impulso de praticar o seu novo hábito, faça-o nesse instante. Não espere. Use todas as oportunidades para fortalecer o seu hábito. Não lhe faz mal praticar "em demasia" um hábito novo quando você o está iniciando.

A estas sugestões, podemos acrescentar mais uma:

4. Confie no poder de Deus. Quando tudo estiver dito e feito, você deve se dar conta que está numa batalha espiritual e que só pode vencer com o poder do Espírito Santo de Deus. Assim, ore para que Deus lhe fortaleça e você dependa Dele para lhe ajudar

a desenvolver este hábito, para Sua glória.

Se você se convenceu que isto é o que você necessita fazer, ore o seguinte:

UMA ORAÇÃO DE COMPROMISSO

"Senhor, comprometo-me a investir momentos definitivos contigo todos os dias, não importa o preço. Dependo da Tua força para que me ajudes a ser perseverante".

CAPÍTULO 8 EXPERIMENTANDO A PRESENÇA DE DEUS

Stephen Eyre, da Missão Inter-Varsity (ABU no Brasil), diz que uma pergunta que ele faz com frequência aos estudantes que ele aconselha ou discipula é: "como é o seu tempo a sós com Deus?"

Geralmente, depois de uma pausa, eles respondem; "estou tendo um tempo com Deus regularmente", ou "tenho estudado diligentemente as Escrituras". Ele diz que ambas as respostas são boas, porém não é o que ele está querendo saber.

A resposta buscada é: "estás te encontrando com Deus?" "Que se passa durante teus encontros pessoais com Ele?" "Estão tuas devocionais marcadas por um sentido de louvor ou de vazio?" "A tua mente está tão preocupada com tantas atividades que não podes concentrar-te com profundidade nas Escrituras e na oração?"

Ao perguntar com profundidade aos estudantes sobre o seu tempo devocional com Deus, ele se dá conta de que a maioria de nós não experimenta a presença de Deus. Quando estamos cegos á presença de Deus, os tempos a sós se convertem em uma formalidade vazia, a Escritura se converte num livro de regras que devem ser aplicadas mecanicamente, a oração se converte em uma lista de obrigações que Deus deve realizar para nós, e as dificuldades na vida se convertem em problemas que supostamente Deus deve resolver para nós (em vez de oportunidades para que Ele nos ensine e nos molde).

Nós nunca consideramos que Deus quer em primeiro lugar que nós o escutemos na oração, em vez de falarmos sem parar. E em nossa busca de regras fixas na Bíblia, nos esquecemos que Deus quer mesmo é nos falar através das Escrituras.

A presença de Deus

Buscar a presença de Deus - um direito de todo novo nascido - deveria ser o desejo do coração de todo o nosso tempo a sós com Ele. Antes do nascimento, Jesus se chamava Emanuel, "Deus conosco". Jesus, então, prometeu que nunca nos deixaria órfãos, senão que rogaria por outro Consolador (João 14.16).

Sem dúvida, quando falamos da presença de Deus, muitos de nós esbarramos numa parede. A experiência de encontrar-se com Deus requer muita sensibilidade espiritual - uma "pedra de tropeço", é isso que significa essa presença para aqueles que estão

daltónicos (cegueira de cores) espiritualmente pelos efeitos da cultura moderna, com suas atrações fascinantes, materialistas e por nossa própria falta de cuidado com nossa espiritualidade, nossa preguiça em manter uma disciplina devocional vital.

Como as pessoas daltônicas que conhecem as palavras roxo e verde, porém nunca experimentaram visualmente estas cores, nós podemos está espiritualmente cegos

à presença de Deus. Temos conhecimento acerca de Deus, porém não o

experimentamos de uma maneira vibrante. E como aquelas pessoas que são daltônicas de nascimento e não valorizam as cores, pois não as distinguem, da mesma maneira nós valorizamos menos o que não experimentamos.

Devido ao fato de que essa cegueira, muitas vezes, pode ser muito sutil, necessitamos deter-nos e considerarmos se isso está acontecendo conosco. Deter- nos por um instante e perguntar-nos: será que tenho visto e escutado bem o Senhor?

Utilizando nossas emoções

Para poder experimentar de uma maneira plena a Deus, necessitamos de nossas emoções. Deus é uma pessoa. E como em qualquer relação pessoal, nossas emoções têm seu papel. Com minhas emoções posso perceber seu carinho para comigo, posso abraçar sua palavra e atender a seus mandamentos.

Tenha descoberto que falar de emoções entre cristãos pode ser, pois, emocional. Alguns se orgulham de poderem controlar suas emoções. Todavia, tanto nas Escrituras como na História, vemos pessoas piedosas cujas emoções estavam no centro de seus encontros com Deus. Davi, como testemunham os Salmos, experimentou grande alegria e enormes depressões ao longo de sua vida e, a despeito disso, foi "o homem segundo o coração de Deus". Na sua escolha como Rei de Israel, em substituição a Saul, Deus revela um interesse primordial pelas emoções das pessoas. Em I Samuel 16.7 diz:

"Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração".

O coração para Deus é o que importa. Não é o meu comportamento externo, meu

controle absoluto, mas o que se passa no meu coração, o que eu sou realmente e isso, não é a minha mente que fornece, mas, sim, "o coração". Elias, Jeremias, Jonas e Habacuque, para mencionar alguns, também tiveram seus altos e baixos.

O ponto que queremos ressaltar é simples: que nossas emoções podem ser mais

que simples reações. Significam algo. O autor do Salmo 42 começa dizendo: "Como suspira a corsa pelas correntes das águas, assim por ti, ó Deus, suspira a minha alma". Continua dizendo: "porque estás abatida, ó minha alma? Porque te perturbas dentro em mim?" (vv.1,5).

Um cristão moderno que sentisse o que sentiu o salmista provavelmente só se consideraria deprimido. Todavia, o salmista sabia que sua alma estava "abatida" por alguma razão; estava sedenta por um novo encontro com Deus.

Uma palavra de advertência: emoções fortes não garantem que o Espírito de Deus está trabalhando. Satanás pode duplicar quase qualquer coisa. A emoção deveria fundamentalmente manifestar-se como um sinal de nosso amor por Deus. Quando estamos felizes, estamos crescendo em amor assim como em Seu poder, majestade e beleza? Estamos buscando o consolo em Deus?

As fases dos tempos a sós

Para poder entender o que está envolvido no conhecimento de Deus de uma maneira íntima, devemos conhecer as várias fases pelas quais passamos em nossa relação com Ele. O tempo a sós nunca permanece Igual no decorrer dos meses, nem sequer com o passar das semanas. São dinâmicos mudam, variam e se movem ao decorrer de nossa peregrinação até o céu.

Stephen Eyre diz que ele tem descoberto cinco diferentes fases em seus tempos a sós: tempo a sós ocasional, tempo a sós comprometido, tempo a sós de estudo, tempo a sós de deserto e tempo a sós de devocional. Cada tipo de tempo a sós reflete mudanças espirituais em nossa vida com Deus. Cada fase tem suas características e seus sentimentos, perigos e vitórias.

Os tempos a sós ocasionais. Geralmente ocorrem quando não nos encontramos regularmente com o Senhor. A leitura das Escrituras tende a ter um método de "bicar aqui e ali". Pegamos a Bíblia quando sentimos uma necessidade e lemos onde a abrimos, como no lance de sorte (alguns de nós tendem a ler os Salmos quando entra nessa fase). A oração geralmente acontece de forma irregular, esporádica e orientada para o trabalho - geralmente se transforma numa versão de "Senhor ajuda- me a fazer isto

A maior parte do tempo, quando separamos um tempo para estar com o Senhor, desfrutamos pouco de momentos de louvor e exaltação. Geralmente estamos demasiados inquietos interiormente, para ouvi-los e nos unirmos ao Espírito que clama "Abba Pai" dentro de nós.

Ainda que a maioria de nós experimenta ocasionalmente essa fase, não é um bom lugar para estarmos por muito tempo. Deus existe na margem da vida, em vez de estar no centro dela. Se você tem passado tempo demais no tempo a sós ocasional, necessita encaminhar o seu coração para encontrar-se com Deus de uma maneira regular.

Os tempos a sós comprometidos são o contrário do tempo a sós ocasional. Acontecem todos os dias, independente de como nos sintamos. Temos um plano

formal de leitura Bíblica em um ano, ou utilizamos um guia de leitura devocional. A oração também tende a seguir padrões predeterminados de uma maneira diária.

Os tempo a sós predeterminados é uma fase necessária em nossa caminhada espiritual. Necessitamos desenvolver uma disciplina de encontrar-nos com o Senhor de uma maneira regular, devido ao corre-corre do mundo moderno que faz oposição espiritual a esse ritmo secular. Ao determinar um tempo para o Senhor, ler às Escrituras e seguir um padrão regular de oração, estamos nos fortalecendo espiritualmente para enfrentarmos o secularismo contemporâneo. E as pessoas e situações pelas quais oramos durante esta fase recebem o benefício de fiel (ainda que nem sempre dinâmica) oração.

Porém, ao ficarmos demasiado tempo nessa fase, podemos transformá-la numa armadilha. Podemos começar a ter sentimentos de culpa se deixarmos de fazê-la algum dia, por medo de que Deus se revolte contra nós, ou adquirimos uma atitude de autossatisfação por realizar nossa obrigação religiosa diária. Quando isso acontece, é preciso refletir sobre o objetivo central que nos levou a essa fase: um encontro profundo com Deus.

Os tempos a sós de estudos se distinguem dos outros dois pela seriedade do estudo bíblico. Quando nos encontramos nessa fase, alguns de nós gostamos de ter uma boa compreensão de algum livro ou porção das Escrituras, em vez de ler toda a Bíblia em um ano, por exemplo. Crescemos muito durante estes tempos a sós estudiosos ao mergulhar profundamente nossas raízes nas Escrituras e ao descobrir um grande número de verdades espirituais as quais podemos utilizar ao longo de nossas vidas. Ao lermos como Deus tem agido na história, aprendemos a reconhecer sua ação também em nossas vidas em situações difíceis na vida das pessoas que ao longo dos anos têm respondido ao chamado Dele.

Todavia, ao estudar por tanto tempo a Bíblia, frequentemente resta-nos pouco tempo para dedicar-nos à oração, que termina por ser curta, às pressas, orientada basicamente ao trabalho - uma lista de atividades que Deus deve realizar. Corremos ainda o risco de nosso estudo das Escrituras se transformar em um simples exercício intelectual. É fácil descobrir, nessa fase, que embora estejamos aprendendo de Deus, não estamos nos encontrando com Ele. Quando estamos nessa fase, experimentamos uma sensação de que Deus está nos chamando a sair de nosso estudo profundo para nos sentarmos e simplesmente louvá-Lo.

Os tempos a sós de deserto. Ao passarmos para o tempo a sós de deserto, normalmente a única coisa que pensamos é que fizemos algo mau contra o Senhor. Pelo contrário, a causa pode ser um grande crescimento espiritual experimentado em antigos tempos a sós, que foram bons em decorrência de um período de deserto. O crescimento profundo surge como consequência de um período inesperado de sequidão.

Quando nos encontramos com Deus durante tempo a sós de deserto, Ele parece estar ausente. Percebemos somente um sentimento de desolação interior. Davi expressou esse desejo de Deus no Salmo 63: "Ó Deus, tu és o meu Deus forte, eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, numa terra árida, exausta, sem água" (v.1).

Nessa fase de deserto, nada do que fazemos em nosso tempo a sós (nem em qualquer outra área de nossa vida) parece dar certo. O prazer do estudo bíblico que temos conhecido evaporou-se, e nossas orações não parecem passar do teto.

Não obstante, em tempos de deserto, pode ser que nos apeguemos mais a Deus, e entronizemos a Sua obra de uma maneira mais profunda em nossos corações. Pode ser que Ele esteja nos treinando a deixar nossos ídolos e nossas amarras terrenas, para aprender que além do Deus verdadeiro nada pode satisfazer nossos desejos internos. Em tempos de abundância material e distrações recreativas, como necessitamos do mistério do deserto! Lembremos sempre que foi no deserto que Israel conheceu o verdadeiro caráter libertador e sustentador de Deus, foi no deserto que Paulo preparou-se para o seu grande desafio missionário, e foi ao deserto que o nosso Senhor foi levado, pelo Espírito Santo, para se tornar o Salvador do mundo. Não desprezemos o deserto!

Os tempos a sós em devocional. Em contraste com a fase desértica, o tempo a sós devocional nos permite experimentar com prazer o estar na presença de Deus.

No tempo a sós devocional, manejamos as Escrituras de uma forma diferente. Em vez de buscar informação nova ou detalhes significativos nas passagens, nosso tempo com as Escrituras tem sentido de reverência e de adoração. Pode ser que estudemos passagens que já tenhamos lido antes, permitindo que nossa alma absorva a passagem até que, como Paulo em Efésios, nos maravilhemos das bênçãos espirituais que nos têm sido dadas através de Jesus Cristo, ou, como Pedro, experimentemos o gozo inefável da salvação de nossas vidas.

Às vezes nós podemos ver-nos dentro da passagem, usando nossa imaginação para sentir isso, ver e ouvir o que está se passando. Frequentemente nos sentimos movidos a intercalar uma oração em nossa meditação das Escrituras. Outras vezes podemos experimentar um "silêncio completo" nesse tempo devocional, muito parecido ao que se dá quando estamos com um amigo com o qual não necessitamos de palavras. Nossas orações são dominadas por uma atitude profunda de escutar silenciosamente a Deus. Estamos menos orientados na direção do trabalho, intercedemos por outros sem recitar mecanicamente uma lista de coisas que Deus deve realizar. Dispormo-nos para escutar o Senhor é demasiado fácil nessa fase.

Uma palavra de advertência acerca do tempo a sós devocional. Apesar de ser o tempo a sós que com mais frequência nos encontramos ao longo da vida cristã, pode não ser o mais adequado para nós estarmos perpetuamente! Como os discípulos de Jesus no Monte da Transfiguração, não podemos ficar no Monte para sempre. Os

discípulos tinham que descer do monte com Jesus e enfrentar as necessidades da multidão; ir à Jerusalém e enfrentar a Cruz.

Ao meditar, descobrimos que não podemos só esperar o prazer divino em cada tempo a sós. Deus não se apresenta ao estalar de nossos dedos. Ele sabe quais são nossas necessidades, e vem a nós de maneira que possamos recebê-lo. A realidade permanente desse prazer de louvar não vai chegar a nós até que nos encontremos com Deus no Céu.

Não importa a etapa na qual estamos espiritualmente: temos que ter como meta o nosso tempo a sós, o viver com o sentimento da presença de Deus. Em vista de nossa cultura acelerada e orientada para o "fazer", o temor é que, levados por essa cultura, mergulhemos no ativismo religioso e raramente experimentemos, em nosso tempo a sós, a presença sobrenatural de Deus. Somos seduzidos a estar contentes com somente ler sobre Deus nas Escrituras ou em livros escritos por outros cristãos,

e realizar nosso dever cristão.

O Senhor está presente; toda a criação declara sua glória. Em nosso trabalho, em nossa família, em nossa recreação e em qualquer coisa que façamos, podemos perceber Sua presença. Todavia, se não praticarmos a disciplina do tempo a sós, provavelmente nos privaremos da glória de Deus que está ao nosso redor. O tempo

a sós com expectativa de encontro, nos permite estar sempre em Sua presença de

uma maneira que aumenta o sentido dessa presença em tudo o que fazemos na vida.

CAPÍTULO 9 A DISCIPLINA DA ORAÇÃO

A oração arremessa-nos à fronteira da vida espiritual. É pesquisa original em território

inexplorado. A meditação introduz-nos na vida interior; o jejum é um recurso concomitante, mas a Disciplina da oração é o que nos leva à obra mais profunda e mais elevada do espirito humano. A oração verdadeira cria e transforma a vida.

Orar é mudar. A oração é a avenida central que Deus usa para nos transformar.

Se não estivermos dispostos a mudar, abandonaremos a oração como característica

perceptível de nossas vidas. Quanto mais nos aproximamos do pulsar do coração de Deus, tanto mais vemos nossa necessidade e tanto mais desejamos assemelhar-nos

a Cristo. Quando oramos, lenta e graciosamente Deus revela nossos esconderijos e

nos livra deles. "Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres" (Tiago 4.3). Pedir "corretamente" envolve paixões transformadas, renovação total. Na oração, na verdadeira oração, começamos a pensar os pensamentos de Deus à sua maneira: desejamos as coisas que ele deseja, amamos

as coisas que ele ama. Progressivamente, aprendemos a ver as coisas da perspectiva divina.

Todos quantos têm andado com Deus consideraram a oração como principal negócio de suas vidas. As palavras de Marcos; "Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava", soam como um comentário sobre o estilo de vida de Jesus (Marcos 1.35).

Martinho Lutero declarou: "Tenho tanto o que fazer que não posso prosseguir sem passar três horas diariamente em oração." Ele sustentava como axioma espiritual que "Aquele que orou bem, estudou bem." João Wesley disse: "Deus nada faz senão em resposta à oração", e apoiava sua convicção devotando duas horas diariamente

a esse exercido sagrado.

Para esses exploradores nas fronteiras da fé, a oração não era um pequeno hábito preso à periferia de suas vidas - ela era a vida deles. Foi o trabalho mais sério de seus anos mais produtivos. Esses "gigantes da fé" acham-se tão distantes de qualquer coisa que tenhamos que experimentar que chegamos a desesperar-nos. Mas em vez de flagelar-nos por nossa falha óbvia, deveríamos lembrar-nos de que Deus sempre nos encontra onde estamos e lentamente nos conduz a coisas mais profundas.

Os suplicantes que encontramos na Bíblia agiam como se suas orações pudessem fazer e fizessem uma diferença objetiva. O apóstolo Paulo alegremente anunciou que

"somos cooperadores de Deus" (1 Coríntios 3.9); isto é, estamos trabalhando com Deus para determinar o resultado dos acontecimentos. O estoicismo, e não a Bíblia, é que exige um universo fechado.

Isto vem como um verdadeiro livramento a muitos nós, mas também coloca diante de nós uma tremenda responsabilidade. Estamos cooperando com Deus para determinar o futuro! Certas coisas acontecerão na história se orarmos corretamente. Devemos mudar o mundo pela oração. Que motivação maior necessitamos para aprender este sublime exercício humano?

APRENDENDO A ORAR

A verdadeira oração é algo que aprendemos. Os discípulos pediram a Jesus:

"Senhor, ensina-nos a orar" (Lucas 11.1). Eles haviam orado a vida toda, não obstante, algo acerca da qualidade e quantidade da oração de Jesus levou-os a ver quão pouco sabiam a respeito da oração. Se a oração deles havia de produzir alguma

diferença no cenário humano, era preciso que eles aprendessem algumas coisas.

Talvez a mais surpreendente característica de Jesus ao orar seja que, ao fazê-lo em favor de outros, nunca terminava dizendo "se for da tua vontade'. Nem o fizeram os apóstolos e profetas quando oraram a favor de outros.

Obviamente todos eles acreditavam conhecer a vontade de Deus antes que fizessem

a oração da fé. Estavam tão imersos no ambiente do Espírito Santo que, ao

encontrarem uma situação específica, sabiam o que se deveria fazer. A oração era tão positiva que frequentemente tomava a forma de uma ordem direta, autoritária; "Anda", "Fica bom", "Levanta-te". Quando eles oravam por outros, evidentemente

não havia lugar para orações indecisas, tentativas, meio esperançosas, que terminam com "se for da tua vontade".

O entendimento de que a obra da oração demanda um processo de aprendizado

livra-nos de arrogantemente descartá-la como falsa ou irreal. Se ligarmos nosso aparelho de televisão e ele não funcionar, não declaramos que não existem ondas de televisão no ar. Supomos que algo está errado, algo que podemos encontrar e corrigir. Verificamos a tomada de força, a. chave, até descobrirmos o que está bloqueando o fluxo desta misteriosa energia que transmite imagens através do ar. Certificamo-nos de que o problema foi localizado e o defeito consertado vendo se o aparelho funciona ou não. É assim com a oração.

Podemos determinar se estamos orando da forma certa se os pedidos se realizam. Se não, procuramos o "defeito"; talvez estejamos orando de forma errada, talvez algo dentro de nós precise de mudança, talvez haja novos princípios de oração a ser aprendidos, talvez precisemos de paciência e persistência. Ouvimos, fazemos os ajustes necessários e tentamos de novo. Podemos ter a segurança de que nossas

orações estão sendo respondidas com a mesma certeza que temos de que o aparelho de televisão está funcionando.

Um dos mais decisivos aspectos do aprendizado da oração pelos outros é entrar em contato com Deus de sorte que sua vida e seu poder sejam canalizados para outros por nosso intermédio. Muitas vezes supomos que estamos em contato quando não estamos. Por exemplo, dezenas de programas de rádio e televisão passaram pela sua sala enquanto você lia estas palavras, mas você deixou de captá-los porque não estava sintonizado com o canal. É muito frequente que as pessoas orem e orem com toda a fé que há no mundo, e nada acontece. Naturalmente, não estavam em sintonia com o canal. Soren Kierkegaard certa vez observou; Alguém orava pensando, a princípio, que a oração era falar; mas foi-se calando mais e mais até que, afinal, percebeu que a oração é ouvir."

A meditação é o prelúdio necessário à intercessão. A obra de intercessão, às vezes

denominada oração da fé, pressupõe que a prece de orientação está perpetuamente ascendendo ao Pai, Devemos ouvir, conhecer a vontade de Deus e a ela obedecer antes que a peçamos para a vida de outros. A oração de orientação constantemente precede e cerca a oração da fé.

Portanto, o ponto inicial para aprender a orar pelos outros é dar ouvidos à orientação. Em questões de problemas físicos, sempre tendemos a orar primeiro pelas situações mais difíceis: câncer termina! ou esclerose múltipla. Mas quando ouvimos, aprendemos a importância de começar por coisas menores como resfriados ou dores de ouvido. O êxito nos pequenos cantos da vida dá-nos autoridade nas questões maiores. Na quietude, aprenderemos não somente quem é Deus mas como seu poder opera.

Às vezes temos medo de não ter fé suficiente para orar por este filho ou por aquele casamento. Nossos temores deveriam ser sepultados, pois a Bíblia nos diz que os grandes milagres são possíveis pela fé do tamanho de um pequenino grão de mostarda. De modo geral, a coragem para orar a favor de uma pessoa é sinal de fé suficiente. Com frequência o que nos falta não é fé, mas compaixão.

O senso interior de compaixão é um dos mais nítidos indícios da parte do Senhor de

que este é um projeto de oração para você. Nas horas de meditação pode vir ao coração um impulso, uma compulsão para interceder, uma certeza de acerto, um fluxo do Espírito. Este "sim" interior é a autorização divina para que você ore pela pessoa ou situação. Se a ideia vier acompanhada de um senso de abatimento, é provável então que você deve deixar o assunto de lado. Deus guiará outrem a orar pelo problema.

OS PICOS MENOS ELEVADOS DA ORAÇÃO

Nunca deveríamos complicar demais a oração. Somos propensos a isso uma vez que entendemos que a oração é algo que devemos aprender. Também é fácil ceder a esta tentação porque quanto mais complicada fazemos a oração, tanto mais as pessoas dependem de nós para aprender como fazê-lo. Jesus, porém nos ensinou a dirigir-nos como crianças a um pai. Franqueza, honestidade e confiança marcam a comunicação do filho com o pai. Há certa intimidade entre pai e filho com espaço tanto para a seriedade como para a gargalhada.

Jesus ensinou-nos a orar peio pão de cada dia; uma criança pede a refeição matinal na plena confiança de que esta será provida, Ela não precisa esconder algumas fatias do pão de hoje com receio de que amanhã não haverá nenhuma fatia disponível; no que a ela concerne, há um inesgotável abastecimento de pão. Uma criança não acha difícil ou complicado conversar com seu pai, nem ela se sente constrangida em trazer à atenção dele a mais simples necessidade.

As crianças ensinam-nos o valor da imaginação. Como acontece com a meditação, a imaginação é um instrumento poderoso na obra da oração. Podemos ser reticentes em orar com a imaginação, achando que ela está ligeiramente abaixo de nós. As crianças não têm tal reticência.

A imaginação abre a porta da fé. Se pudermos "ver" com os olhos de nossa mente um casamento refeito que antes estava em frangalhos ou uma pessoa que estava enferma e agora está bem, é curta a distância para crer que assim será. As crianças entendem instantaneamente estas coisas e reagem bem a orar com a imaginação.

Seu pastor e os cultos de adoração precisam ser banhados em oração. Paulo orava por seu povo; ele pedia ao povo que orasse por ele. Sature os cultos de celebração com suas orações. Visualize o Senhor no alto e sublime, enchendo o santuário com a sua presença.

Seus próprios filhos podem e devem ser transformados mediante suas orações. Ore por eles durante o dia com a participação deles; ore por ele à noite enquanto dormem. Um bom método é entrar no quarto e colocar levemente as mãos sobre a criança adormecida. Imagine a luz de Cristo fluindo através de suas mãos e curando cada trauma emocional e cada mágoa que seu filho sofreu nesse dia.

Encha-o da paz e da alegria do Senhor. No sono a criança é muito receptiva à oração, visto que a mente consciente, que tende a levantar barreiras à suave influência de Deus, está descontraída.

Como sacerdote de Cristo, você pode executar um serviço maravilhoso pegando os filhos nos braços e abençoando-os. Na Bíblia, os pais traziam os filhos a Jesus não para que ele brincasse com eles ou mesmo lhes ensinasse, mas

para que ele pudesse colocar as mãos sobre eles e abençoá-los (Marcos 10.13-16). Ele deu-lhe capacidade de fazer a mesma coisa. Bem-aventurada a criança abençoada por adultos que sabem abençoar!

Poderíamos mudar toda a atmosfera de uma nação se milhares de nós constantemente atirássemos um manto de oração em torno de todos os que vivem em nosso círculo de ação. "Unidades de oração combinada, como gotas de água, formam um oceano que desafia a resistência."

Jamais devemos esperar até que sintamos disposição de orar antes de orarmos pelos outros. A oração é como qualquer outro mister; talvez não nos sintamos com disposição de trabalhar, mas uma vez que nos damos ao trabalho por um tempinho, começamos a gostar dele. Pode ser que não sintamos disposição para estudar piano, mas uma vez que tocamos o instrumento por algum tempo, sentimos vontade de tocá-lo. Da mesma forma, nossos músculos de oração precisam ser flexionados um pouco, e uma vez iniciada a corrente sanguínea da intercessão, descobriremos que estamos dispostos a orar.

Não temos de preocupar-nos com o fato de que esta atividade tomará muito de nosso tempo, porque "Ela não toma tempo algum, mas ocupa todo o nosso tempo". Não se trata de orar e depois trabalhar, mas oração simultânea com o trabalho.

Temos tanto que aprender, uma longa distância a percorrer. Certamente o anelo de nossos corações se resume no que disse o arcebispo Tait: "Desejo uma vida de oração mais excelente, mais profunda, mais verdadeira”.

CAPÍTULO 10 ORAÇÃO DO “PAI NOSSO” NA PRÁTICA

"Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém" (Mateus 6.9-13).

Cristãos ortodoxos, católicos, protestantes, carismáticos, evangélicos; todas as ramificações do cristianismo se apegam à oração do Pai Nosso. Esta oração é recitada no Cristianismo há milhares de anos. Ela é invocada para dar sorte, afugentar maus fluídos, levar as boas almas para o céu, etc.

Mas, no contexto original lá da Palestina do primeiro século, qual o propósito de Jesus ao ensinar esta oração aos apóstolos? Seria um modelo apenas ou há ensinamentos diferentes nesta oração?

A resposta mais aceita é a de que Jesus quis muito mais do que dar um modelo de oração. O roteiro de oração do Pai Nosso é tão profundo que jamais poderíamos esgotar o tema. É como um poço profundo, que quanto mais nele nos aprofundamos, mais água encontramos. O Espírito Santo de Deus, que é quem nos ilumina, pode nos fazer enxergar muitas outras coisas na oração do Pai Nosso. Mas vejamos algumas lições que podem ser úteis para nossa aproximação de Deus, a partir do Pai Nosso:

1. "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso "

Começa com um forte conceito de paternidade e de filiação. Jesus começa a oração modelo chamando Deus de Pai. Pai não apenas Dele, mas de todos os que estavam "

pai da igreja, de todos os que se achegam a Ele através de Cristo.

presentes naquele momento: "Pai nosso

está no plural. Pai de todos os santos,

Chamar Deus de Pai era algo incomum para os apóstolos. Abraão foi amigo de Deus; Moisés foi íntimo de Deus; Davi foi um homem segundo o coração de Deus, porém,

nenhum desses grandes homens de Deus ousou chamar Deus de Pai. Com exceção de Isaías 63.16 e 64.8, não se lê em nenhuma das passagens do Antigo Testamento alguém chamando Deus de Pai.

Jesus está ensinando que daquele momento em diante os servos de Deus seriam filhos de Deus. Ser filho significa ter intimidade. Ser filho é mais que ser amigo. "Mas,

a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome" (João 1.12).

Essa oração que Jesus ensinou aos Seus discípulos é um exemplo, um modelo de como devem ser as nossas orações diárias. Começa com adoração e louvor a Deus,

o Pai. Procura o cumprimento das Suas promessas para a nossa vida diária e perdão

dos nossos pecados, buscando a força e a vitória do Senhor. Encerrando, tributa honra e gloria ao Governador do Universo, o Redentor da humanidade.

A oração modelo começa com a garantia de que Deus é o nosso Pai, e isso nos

motiva a glorificá-Lo. Jesus praticou a oração com regularidade e frequência, e nos

ensinou a orar também. Seu grande objetivo sempre foi reconduzir as pessoas a Deus através da redenção e da adoção como filhos.

A oração do Senhor contém sete petições por bênçãos espirituais e apenas um

pedido por necessidades materiais. Precisamos sempre nos lembrar disso. A oração

do Senhor revela Jesus Cristo. Com certeza, Nele estão centralizadas todas as palavras dessa oração.

Quais são as primeiras palavras? "Pai nosso, que estas nos céus". Foi na cruz que essas palavras se tornaram possíveis, e logo após a ressurreição, Jesus disse: "Subo para meu Pai, e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus" (João 20.17).

Somente através de Cristo e a redenção conquistada na cruz do Calvário, nós podemos realmente considerar a Deus como o nosso perfeito e querido PAI. O Salvador morreu por nós. Ele tomou o nosso lugar, e nós tomamos o SEU, como filhos de Deus, pela fé.

O apóstolo Paulo confirma em Romanos 8.15; "Recebestes o espírito de adoção de

filhos, no qual clamamos Aba, Pai." O significado é igual ao significado da palavra

que as crianças usam com frequência - Pai.

2. "Santificado seja o teu nome "

Considere agora a primeira petição; "Santificado seja o Teu Nome". Como tratamos

o nome de Deus? Será que O profanamos, utilizando-o desnecessariamente ou de

forma desrespeitosa? Isso não se refere só a palavras, mas também aos nossos

atos.

Santidade ao nome de Deus. Jesus está dizendo que o nome de Deus não é pra ser usado em vão. A questão aqui é bem profunda. O nome de Deus jamais deve ser usado de forma banal e desnecessária. Jargões do tipo; "Deus me livre!" "Se Deus quiser!" devem ser evitados.

O nome de Jesus também deve ser santificado, Fica meio estranho quando lemos

frases do tipo "Jesus te ama" dentro de portas de banheiros públicos ou pichados em muros pela cidade.

3. "Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu "

A segunda petição; "Venha o Teu Reino". Deus é nosso Pai, mas Ele é mais. É o Rei

do Universo. E o Seu Reino é um reino de glória que está para surgir no futuro, de forma esplendorosa. Será estabelecido sobre a terra, para governar sobre todos, quando Jesus vier peia segunda vez (Mateus 25.34).

Então se cumprirá o que diz Daniel: "O reino e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o Céu, serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será reino eterno, e todos os domínios o servirão e lhe obedecerão" (Daniel 7.27).

Jesus está ensinando que o reino de Deus deve ser invocado pelos seus filhos. Reino

é governo. Sermos governados por Deus é sinônimo de submissão à Sua vontade.

Quando Jesus ora pedindo que o reino de Deus venha, Ele está mostrando a importância de que a minha e sua vida sejam governadas por Ele. Deus sabe o que

é melhor pra cada um de nós. Sua vontade é perfeita.

"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12.2).

A terceira petição está ainda neste verso: "Faça-se a tua vontade, assim na terra

como no céu". Só o poder de Deus pode nos capacitar a obedecê-Lo e fazer Sua vontade (Judas 24).

4. "O pão nosso de cada dia nos dá hoje

Esta é a quarta petição da oração: "O pão nosso de cada dia dá-nos hoje". Jesus é

o Pão vivo que desceu do Céu (João 6.51). Portanto, o pão nosso de cada dia não é

somente o pão que comemos diariamente, mas é também o alimento espiritual que edifica e fortalece a nossa alma. Deus se preocupa muito com as nossas necessidades físicas, por isso que nos suprir, nos alimentar, cuidar de nós. Mas Ele também quer que a mesma nutrição esteja na nossa alma, alimentada com o Pão da

Verdade: Jesus.

"

Pedir o pão nosso de cada dia é o mesmo que se preocupar apenas com o momento presente. Jesus está mostrando que nós não devemos estar preocupados (ansiosos) com nada fora de tempo.

O ensinamento aqui vai de encontro há um problema vivido por milhares de pessoas e dentre elas cristãos: a ansiedade. A ansiedade está ligada ao corre-corre do dia a dia, dos problemas diversos, dos sonhos frustrados, do medo da doença, do futuro incerto e tudo o mais.

Veja bem, isto não significa viver sem planejar o futuro ou viver sem projetos, mas sim, colocar tudo nas mãos de Deus. Ele conhece nosso futuro muito melhor do conhecemos nosso passado.

"A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra" (Provérbios 12.25)

"Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós" (I Pedro 5.7)

5. "E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores "

A quinta petição é profunda, poderosa e reveladora: "E perdoa-nos as nossas

dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores".

"Se confessarmos os nossos pecados, ele e fiel e Justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça" (I João 1.9).

Fundamentalmente Deus nos perdoa porque Jesus pagou o nosso débito lá na cruz. Nesta petição somos lembrados que os sofrimentos de Cristo e a Sua morte nos trouxeram a redenção.

Aqui está um dos ensinamentos mais importantes do Cristianismo: viver o perdão. Só podemos ter nossos pecados perdoados se também perdoarmos quem nos ofende. Jesus deixa claro que devemos perdoar. Ele diz: "Assim como nós

perdoamos

O Senhor ainda esclarece mais: "Porque se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará" (Mateus 6.14).

Se eu quero que meus pecados sejam perdoados, devo, primeiramente, liberar perdão. Se não posso perdoar não devo me atrever a pedir que Deus perdoe meus pecados.

"E quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para

que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas" (Mateus 11.25).

".

Isto é direto. Sem rodeios.

6. "E não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal "

Sexta petição: "E não nos deixes cair em tentação". Também temos que nos lembrar que Jesus foi tentado em todas as coisas como nós, mas não pecou (Hebreus 4.15). Toda vez que o inimigo tentar complicar a nossa vida, Jesus sempre estará do nosso lado para nos proteger.

Penso que Jesus está nos alertando para as dificuldades da vida. Pedir a Deus que sejamos livres do mal é buscar prevenção para os momentos difíceis. Existe momento que parece que não conseguiremos sobreviver. São fases que não podemos evitar, mas que podemos estar preparados para passar por elas. Às vezes pode ser que não estaremos livres do dia mal, mas podemos passar por ele sem grandes feridas.

Devemos pedir que Deus nos dê forças para superar (pular) os obstáculos, mas não podemos pensar que eles serão removidos. Depois de grandes lutas vêm sempre grandes vitórias.

"E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas" (Mateus 6.13).

Sétima Petição; "Mas livra-nos do mar. Jesus venceu a batalha na cruz. Ele disse mais: "Quando Eu for levantado da Terra, a todos atrairei a Mim" (João 12.32). Ele é

o grande vitorioso no grande conflito entre o bem e o mal.

7. "Porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre"

E agora chegamos à última sentença da oração modelo. Ela relembra uma vez mais

a grandeza de Deus - que Ele é superior a qualquer outra autoridade, qualquer outro governo.

Jesus termina a oração modelo com expressões de louvor e adoração: "Porque teu

é o reino, e o poder, e a glória, para sempre". Isso é uma lição pra nós. Deus deve

ser louvado independente daquilo que recebemos Dele. Mesmo que Ele não nos dê mais nada de agora em diante, Ele deve ser louvado. Se estou feliz ou triste, doente ou não, devo exaltar o nome que está sobre todo o nome.

Jesus nos deu o exemplo. Devemos orar glorificando a Deus. "LOUVAREI ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca" (Salmo 34.1).

Ele é o Deus que verdadeiramente segura a terra toda em Suas mãos. Só Ele pode neutralizar os poderes das trevas e conduzir seguramente o Seu povo ao Reino da glória.

Finalmente os mansos herdarão a nova Terra (Mateus 5.5) A sua grande capital será uma cidade santa e maravilhosa, a Nova Jerusalém trazida do céu para a terra, uma cidade "preparada como noiva adornada para o seu marido" (Apocalipse 21.2).

"E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram" (Apocalipse 21.3,4).

Finalmente haverá paz no mundo. Também saúde, justiça, amor e vida para sempre, com qualidade jamais sonhada pela mente humana. Nada, portanto, mais apropriado para o povo de Deus, do que levantar as nossas vozes em oração, louvando Seu maravilhoso nome não apenas agora, mas também através dos séculos intermináveis dizendo:

"Porque Teu é o Reino, o poder e a glória para sempre, AMÉM". (Mateus 6.13)

COMO ORAR O PAI NOSSO

Os discípulos disseram: "Senhor, ensina-nos a orar." Aqui está um esboço do Seu ensino sobre a oração. É uma forma sugestiva, prática, que pode servir de roteiro para uma oração substancial, frutífera e abençoadora na nossa vida. Cada parte da oração, como se segue abaixo, dá margem para várias abordagens de Deus, levando-nos a ter mais e mais elementos para falar, agradecer, pedir.

"Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome". Senhor, hoje eu oro estes atributos do teu nome. Tu és:

Meu Salvador. Obrigado pela tua cruz e o teu sacrifício por mim!

Meu Senhor e Rei. Eu te temo! Eu te respeito! Eu amo te obedecer!

Meu amigo. Tu me tens feito teu herdeiro! Eu não sou mais um escravo nem estou distante de ti. Eu sou filho de Deus.

Meu noivo e amante. Libera intimidade romântica em meu coração por ti. Arrebata meu coração para ti, ó Deus!

Meu Deus, que me muda e me purifica.

Pausa santa: Senhor, eu te peço que me sondes e busques qualquer pecado ou qualquer maneira pela qual eu tenha te ofendido. Jesus, eu te confesso meu pecado.

Meu Deus, minha justiça. Eu permaneço de pé com confiança diante de Deus por causa da cruz de Cristo e do sangue de Jesus.

Meu Deus, minha paz.

Meu Deus, meu provedor.

Meu Deus, o que cura meu espírito, corpo e alma. Minhas emoções, mente e vontade servem aos Seus propósitos.

Meu Deus, meu pastor e conselheiro.

Meu Deus, minha vitória - o único que me protege.

"Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu". Eu declaro "venha o teu reino" nos seguintes lugares:

Minha vida. Eu quero a tua vontade! Eu preciso da tua vontade!

Minha família relacionamento.

Meus amigos descrentes ao meu redor.

Minha igreja e minha liderança.

Minha nação.

Pela colheita e por obreiros para o Reino de Deus.

"O pão nosso de cada dia dá-nos hoje”

Senhor, eu sou fiel em meus dízimos e ofertas (se não, eu me arrependo agora mesmo).

Senhor, eu semeio sementes financeiras no reino e creio numa colheita.

E eu te faço os seguintes pedidos hoje

Eu repreendo o devorador sobre a minha vida, minhas finanças e minha família.

Senhor, ajude-me a ser diligente e excelente enquanto faço meu trabalho para ti.

Eu estou na expectativa do favor de Deus para liberar as Suas bênçãos hoje.

(cite-os).

"Perdoa as nossas dívidas, assim como temos perdoado os nossos devedores"

Ajude-me a me dar bem com os outros.

Senhor, eu te peço que o teu sangue me limpe e me purifique.

Senhor, eu escolho perdoar qualquer um que tiver me feito mal de qualquer maneira.

Senhor, eu escolho não retribuir as ofensas dos outros, alimentar a ofensa, apoiar a ofensa ou amaldiçoar aquele que me feriu.

Jesus, obrigado pela tua misericórdia. Pela tua graça, eu andarei em amor.

"E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal".

Senhor, mantenha-me fora de problemas ou apenas me Ajude!

Senhor, proteja-me de qualquer relacionamento que me afaste de ti. Eu andarei em verdade e transparência.

Senhor, eu visto a armadura de Deus encontrada em Efésios 6.12-18.

Senhor, eu te peço a tua proteção encontrada no Salmo 91.

"Porque teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém".

Jesus, eu te amo de todo o meu coração, alma e mente. Eu amarei o meu próximo como a mim mesmo. Eu dedico a minha vida hoje para avançar o teu reino para a tua glória.

CAPÍTULO 11

MANUAL PRATICO DE COMO ORAR POR UMA HORA

(A Hora que Transforma o Mundo)

Este é um manual simples e sugestivo. Não precisa ser algo rígido, formal, mas um roteiro de como você pode orar durante uma hora de maneira proveitosa e frutífera. Você perceberá que, à proporção que você ora, mais e mais alegria, contentamento e desejo de estar diante do Pai-haverá em seu coração.

Divida a hora em 12 períodos de cinco minutos cada. Depois de cada cinco minutos, você progride para outro nível de oração, cada um tratando de uma área específica da vida e de suas necessidades.

1. LOUVOR E ADORAÇÃO COMO UM ATO DE ADORAÇÃO E CONSAGRAÇÃO A DEUS (5 minutos)

Salmo 115.1: "NÃO a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade".

Adore a Deus pelo que Ele é. Aquele que lhe criou - por Sua palavra infalível; por sua salvação; por você estar incluído em Seu plano.

Ela é para nos elevar e honrar a Deus.

Ela é para reconhecer a Deus pelo que Ele é, magnificá-Lo com nossas palavras, com todo nosso ser e com a nossa posição.

Louve o Seu Nome, Sua justiça, amor, santidade, onipotência, grandeza, fidelidade, onisciência. Sua Palavra, Sua criação. Sua obra redentora, etc. Você pode escolher um tema diferente para usar em cada tempo de oração durante este tempo de louvor e adoração. Alargue o seu tema o máximo possível, medite nele e considere quais as implicações práticas que há para sua vida e a vida de outras pessoas.

2. ESPERE NO SENHOR NUM ATO DE RENDIÇÃO E ADMIRAÇÃO A DEUS (Normalmente essa é uma oração sem palavras) (5 minutos)

Salmo 46.11: "Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra".

É aqui que eu fico em silêncio diante de Deus.

Onde eu fecho a porta no Espírito para qualquer influência do mundo.

Onde eu entro em Sua presença por um ato de fé.

Para louvar e adorar a Deus pelo que Ele é.

Durante este período de silêncio nós nos concentramos em Deus e nos dedicamos de novo a Ele. Nós nos regozijamos em sua presença e por causa da Sua presença.

Este é um tempo de profunda e intima comunicação com Deus, quando eu, como um ser finito e limitado, entro na presença de Deus, o Ser Infinito e Ilimitado.

Neste nível, precisamos ter certeza que estamos vivendo em contato com Deus. Durante este tempo de espera em Deus não deve existir impaciência e pressa, nem afobação.

Durante este tempo, você não deve pensar em nada além de Deus Pai, Seu Filho Jesus e o Espírito Santo.

Você não precisa transformar seus pensamentos em palavras. Concentre-se em seu relacionamento com Deus e seu amor por Ele.

3. CONFISSÃO/HUMILHAÇÃO É UM ATO DE CONFISSÃO E PURIFICAÇÃO DE MIM MESMO COMO O TEMPLO DE DEUS, E ME DÁ LIVRE ACESSO A DEUS (5 minutos)

Isaías 59.1-2 diz: "EIS que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça".

I João 1.9: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça".

É

aqui que eu reconheço os meus pecados, confesso minha culpa, admito que

eu estou errado, viro minhas costas para o erro e aceito o perdão de Deus.

Onde eu peço a Deus para me mostrar cada forma de orgulho e falta de amor, confessando-os e livrando-me deles.

É

um tempo de introspecção para permitir que o Espírito Santo revele qualquer

pecado não confessado. Nós só recebemos perdão e libertação do pecado por

meio do sangue de Jesus e Sua morte expiatória na cruz.

Quando eu confesso os meus pecados eu não estou necessariamente pedindo

Deus que mude as minhas circunstâncias, mas que Ele me perdoe e me mude.

a

4. ORAR A PALAVRA É ME ALIMENTAR ESPIRITUALMENTE E ORAR DE ACORDO COM AAGENDA E A REVELAÇÃO DE DEUS (5 minutos).

Esta é a oração enriquecida pela Palavra: a Palavra é seu manual de como orar.

Significa orar de acordo com as promessas de Deus. As promessas de Deus na Palavra apressam a nossa fé.

A Bíblia é, em primeiro lugar, um livro que precisa ser credo e obedecido. Nesta parte eu peço: Senhor, de que promessas eu devo me apropriar, que mandamentos eu preciso obedecer, e a que advertências eu devo prestar atenção?

Temos que lembrar o Senhor dia e noite das promessas da Sua Palavra. Quando você lê a Bíblia, você deve pedir a Deus que a aplique a sua vida diária e ao seu tempo de oração.

5. OBSERVAR É UM TEMPO DE OBSERVAÇÃO ESPIRITUAL, PARA OBSERVAR ESPIRITUALMENTE, PARA ESTAR ESPIRITUALMENTE ATENTO A ASSUNTOS QUE DEMANDAM URGENTE ORAÇÃO (5 minutos).

Observar e estar atento aos possíveis ataques de Satanás. Ore e peça ao Espírito Santo que Ihe mostres os planos, os métodos, fortalezas e estratégias do maligno.

Estar atento a qualquer direção de Deus.

Estar atento a qualquer revelação de Deus.

Pedir iluminação, discernimento, sabedoria e entender o que você deveria focalizar em suas orações e quais deveriam ser as suas prioridades.

Entender a vontade de Deus, onde Ele quer lhe usar hoje.

Pedir ao Senhor o que está na Sua agenda e no Seu coração.

Existe alguma coisa nos jornais, na TV ou no rádio pelo que eu devo orar, coisas como problemas econômicos, inquietações políticas e guerras, coisas pelas quais Deus quer que eu ore?

Colossenses 4.2: "Perseverai em oração, velando nela com ação de graças".

6. INTERCESSÃO É SE COLOCAR NA BRECHA POR OUTRA PESSOA, CONCENTRAR-SE NAS NECESSIDADES E DESEJOS DE OUTRA PESSOA (5 minutos).

I Timóteo 2.1-2: "ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade".

Orar pelo plano de Deus na vida de outras pessoas.

Colocar-se entre Deus e as outras pessoas e orar pelas suas necessidades pedir misericórdia e graça.

Esta é uma posição spiritual diante de Deus - permanecer firme até ter certeza de que Deus está ouvindo e que Ele nos libere de orar sobre aquilo.

É uma maneira de Deus envolver Seus filhos em Seus planos para este mundo.

Quando você intercede, você se coloca ao lado de Deus e trabalha junto com ele pela salvação ou benefício de outra pessoa.

Por meio da oração, você pode se envolver na batalha espiritual contra os poderes do mau.

Ore e peça ao Senhor para lhe revelar, por meio da obra do Espírito Santo, onde estes poderes estão agindo. Com base em sua autoridade em Cristo, você deve amarrar os poderes de Satanás em nome de Jesus e destruir suas fortalezas e argumentos. Resista ao diabo e não lhe dê nenhum espaço. Jesus venceu o diabo lá cruz. Nós, como crentes, devemos proclamar esta vitória sobre cada área da vida.

7. PETIÇÕES POR SUAS NECESSIDADES PESSOAIS

"O pão nosso de cada dia nos dá hoje". (Mateus 6.11)

Em I Crônicas 4.10 diz:

"Porque Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Se me abençoares muitíssimo, e meus termos ampliares, e a tua mão for comigo, e fizeres que do mal não seja afligido! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido".

"Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças" (Filipenses

4.6)

Orar pelo meu "pão diário".

Levar minhas lutas, crises, necessidades e desejos a Deus.

Em humildade e complete obediência, eu peço a Deus para suprir minhas necessidades. Eu venho ao mesmo tempo como servo e como filho de Deus.

Não imponha.

Venha em fé e confiança - venha como amigo de Deus.

Seja específico.

Como crentes, devemos enfaticamente levar nossas necessidades pessoais diante do Pai. Podemos orar com expectativa, mesmo sobre as pequenas coisas.

Cuidado com desejos egoístas.

8. AÇÕES DE GRAÇAS É UM TEMPO EM QUE EU EXPRESSO MINHA APRECIAÇÃO A DEUS POR SEU CUIDADO E PROTEÇÃO, E PELO QUE ELE É.

I Tessalonicenses 5.18: "Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco".

Pense sobre o dia e agradeça a Deus por Seu cuidado por você pelos outros.

Agradeça a Deus pelas coisas novas que Ele faz: espirituais, físicas e sociais.

Agradeça-Lhe pelo que Ele é, Seus dons, resposta à oração bênçãos.

Seja específico em seus agradecimentos.

todas as Suas

9. CANTAR É LOUVOR E ADORAÇÃO EM FORMA DE MELODIA

O Salmo 100 exorta:

"CELEBRAI com Júbilo ao SENHOR, todas as terras. Servi ao SENHOR com alegria:

e entrai diante dele com canto. Sabei que o SENHOR é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto. Entrai petas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvai-o, e bendizei o seu nome. Porque o SENHOR é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração".

Este é um ato de louvar e adorar a Deus com cânticos espirituais.

Este pode ser um clamor de batalha contra os poderes das trevas. Batalha espiritual (nossa luta contra o mal) e cantar são partes inseparáveis um do outro.

Use cânticos bem conhecidos ou faça suas próprias canções. Você pode começar usando versículos bíblicos adaptados em seus cânticos conhecidos.

Isto é glorificar, adorar e exaltar o Pai com cânticos.

10. MEDITAÇÃO É CONSIDERAR OU INVESTIGAR UM ASSUNTO ATÉ O NÍVEL MAIS PROFUNDO, AVALIÁ-LO ESPIRITUALMENTE

O Salmo 1.1-3 mostra que:

"BEM-A VENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará".

Josué 1.8 adverte:

"Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido. 9 Não to mandei eu?

Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares".

Medite na natureza e no Ser Triúno de Deus, Sua criação, ações (obras) e caráter.

Pegue um tema específico da Palavra e medite sobre ele (justiça, amor, verdade, luz, paz, santidade, etc.)

Pegue uma porção da Palavra e medite sobre ela.

Faça do próprio Deus o foco da sua meditação: Suas palavras e obras, Sua Palavra escrita, Seu caráter.

A meditação cristã é o oposto da meditação orientai. A meditação oriental tem a ver com um estado passivo da mente, e tem como objetivo esvaziar sua mente. Para o cristão, a meditação é um processo ativo de avaliação, investigação e ponderação onde a sua mente está plenamente envolvida e onde você permite que o Espírito Santo e a Palavra lhe guiem. Meditação é refletir de uma maneira disciplinada. Cuidado para que Satanás não plante os pensamentos dele na sua mente. Da mesma forma, cuidado com pensamentos negativos durante este tempo. Reflita sobre o que é verdadeiro, nobre, correto, puro, amável e admirável. Ao refletir sobre uma porção específica da Bíblia, tente descobrir o que aquela porção tem a dizer para você pessoalmente.

11. OUVIR É UM PERÍODO ONDE VOCÊ RECEBE INSTRUÇÕES DE DEUS, ONDE VOCÊ PEDE A ELE PARA LHE REVELAR AS COISAS QUE ELE QUER QUE VOCÊ PERCEBA E PRESTE A ATENÇÃO.

Eclesiastes 5.2 diz:

"Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; assim sejam poucas as tuas palavras".

Concentre-se em ouvir a voz interior do Espírito Santo.

É onde você pergunta: O que tu queres, Senhor, que eu faça? Qual é a tua vontade para hoje?

Busque a direção da Palavra.

Seja firme no propósito de buscar a Deus para que Ele lhe revele Sua vontade, planos e estratégias.

Esperar em Deus significa amá-Lo. Durante a meditação nós queremos aprender mais sobre Deus. No período de escuta nós queremos ouvir o que Deus tem para nos dizer. Durante este tempo, eu pergunto: Senhor, o que tu queres de mim, qual é a tua vontade para mim?

Você também pode fazer perguntas específicas para Deus; talvez perguntas difíceis para as quais você não tem respostas. Seja sensível ao Espírito Santo.

Cuidado para não ser apressado em sair dizendo: "O Senhor me disse isto e aquilo."

12. LOUVOR É MAGNIFICAR A DEUS, GLORICÁ-LO, DLZER-LHE QUE NÓS SABEMOS PARA QUEM ESTAMOS ORANDO E QUE CONFIAMOS CEM POR CENTO NOSSAS ORAÇÕES A ELE.

Mateus 6.13: ''porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém".

Fale um amém bem forte no final da sua oração para confirmar que você crê que Deus ouviu e vai responder a sua oração. Amém quer dizer: "isto é certo e verdadeiro", "assim seja".

Este é ato espiritual conclusivo de colocar Deus no trono de sua vida.

É aqui que nós confessamos: Porque teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém.

CAPÍTULO 12 PLANO DE LEITURA ANUAL DA BÍBLIA

Há vários métodos e sugestões de como ler a bíblia em um ano. Basta ler cinco capítulos nos domingos e três nos outros dias, e você a terá lido toda em um ano. Como sugestão, apresentamos aqui algumas variações, diferentes maneiras de ler a Bíblia em um ano. O que se segue é um deles. Compare-o como os demais e veja qual melhor se encaixa com o seu perfil e preferências. Procure seguir a tabela abaixo:

como os demais e veja qual melhor se encaixa com o seu perfil e preferências. Procure
como os demais e veja qual melhor se encaixa com o seu perfil e preferências. Procure
80
80

CONCLUSÃO

Ao terminar o estudo demais esse manual, esperamos que você possa dizer como o salmista: "Como eu amo a tua lei medito nela o dia inteiro" (Salmo 119.97 - NVI). E que é disposição do seu coração seja aquela de buscar ao Senhor em oração e meditação na sua palavra todos os dias, pois Ele mesmo tem prazer em ser chamado por nós.

Você aprendeu que cristianismo não é apenas uma relação jurídica, mais uma relação de amor. E todo amor só se desenvolve melhor com a convivência. No caso da sua relação com Jesus, é Ele mesmo que faz com que você gosta Dele. Mas você precisa passar tempo com Ele.

Você entendeu o que é preciso ter um período apropriado, um momento certo de silêncio o Senhor, que deve durar pelo menos meia hora. 10 minutos é melhor do que o tempo nenhum; e, com o tempo você vai aumentando a duração e a qualidade desse momento para meia hora, uma hora, e até mais. Dê o seu melhor tempo ao Senhor, não é sobras. Faça como o salmista no Salmo 5.3 (NVI), quando diz: “De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança”. Você não começa uma viagem e, em seguida, estuda o mapa; não é assim que se faz. Do mesmo jeito, antes de começar a jornada do dia, devemos estudar o “Mapa da vida”.

Você aprendeu a está preparado para esse momento especial com Deus; a como está fisicamente alerta, por exemplo; e a como manter as teias de aranha fora da sua mente, ajudando a pensar claramente. Aprendeu também estar mentalmente alerta, bem focado no essencial, mantendo suas emoções no seu devido lugar. E aprendeu ainda está moralmente puro e limpo. Não aceite ficar desconfortável, nem incomodado por causa da imagem do seu rosto refletida no espelho da Palavra de Deus. Essa visão só lhe ajudará a usar melhor a água da Palavra para limpeza e purificação.

Não esqueça que o melhor lugar é o isolamento do seu quarto ou de uma sala separada para você e Deus, onde você pode fechar a porta sobre o mundo e abrir as janelas para o céu. Jesus procurou lugares onde ele poderia estar sozinho, e assim você também está fazendo agora.

Além das lições acima, você também aprendeu a usar as ferramentas certas, que são uma Bíblia bem legível, de preferência com muito espaço para você fazer anotações nas margens; um diário de oração no qual você vai notar seus pedidos e registros e respostas de oração; e também um bloco de notas no qual você vai anotar as tarefas diárias que se propõem diante do Senhor. Este bloco de notas pode estar em mídias eletrônicas com Smartphones ou Tablets.

Você entendeu também a importância do silêncio e da quietude para o tempo a sós com Deus. Você aprendeu a se acalmar, relaxar, e reconhecer a presença Divina ao seu lado. Você aprendeu também que deve começar lendo a bíblia, e depois continuar com oração. E não esqueça que uma boa leitura bíblica é feita com qualidade, e não quantidade.

Com certeza, você já começou a ler ou vai começar a ler a Bíblia inteira em um ano, mas isso não é o fim do seu tempo com Deus. Além disso, você vai ler bons livros devocionais, o que é maravilhoso para o seu enriquecimento espiritual. Só não se esqueça de que eles não podem e não devem ocupar o lugar que pertence à Bíblia em nossas vidas.

Guarde bem o que Deus lhe deu. Anote o que Deus diz a você e o que Ele lhe disse para fazer. Você não está escrevendo para publicação, mas todas as suas anotações são tesouros inestimáveis que abençoarão a sua vida em momentos futuros, assim como a vida de muitos outros. Comece a compartilhar fora do seu tempo de silêncio, pois Deus não nos fez para sermos reservatórios, mas canais.

Finalmente Esperamos que o tremespiritual esteja rodando sobre dois trilhos. Um é revelação, e o outro é a obediência. Seus discípulos, seus parentes e amigos, inicialmente, podem ser todos passageiros. Mas, com o tempo, eles aprenderão, com você, a trilhar pelas mesmas estações e caminhos seguros da Palavra viva de Deus.