Sei sulla pagina 1di 10
INDICE DO CAPITULO 13 Introducgdao efundamentagao 446 Relacionar e utilizar modelos multiplos 447 Repertorio e escolha 448 Relacionar e utilizar modelos multiplos: dois cendrios em sala de aula 450 Instrugdo diferenciada 456 Fundamentos para a diferenciagao 456 A sala de aula diferenciada 457 Planificar a diferenciagéo 458 Estratégias instrucionais para diferenciar o ensino 460 Utilizagdo de agrupamentos flexiveis em salas de aula diferenciadas 463 Gestdo e avaliacao em salas de aula diferenciadas 467 Gestdo das salas de aula 467 Avaliar 0 trabalho dos alunos 468 Reflexées a partir da sala de aula 469 Sumario 470 Aprendizagem interactivae aplicada 472 Portfolio e actividades de campo 472 CAPITULO 13 Fs Relacionar os modelos e diferenciar o ensino Apés estudar este capitulo, deverd ser capaz de Introdugao e fundamentacao Definir 0 que se pretende dizer com relacionar utilizar modelos muiltiplos e diferenciagao, ce explicar por que razao sao importantes no ensino e na aprendizagem. Relacionar e utilizar modelos miltiplos | Explicar como utilizar modelos miiltiplos de instrugdo para atingir leterminados objectivos, de aprendizagem, proporcionar variedade e satisfazer as necessidades de todos os alunos. yrenciar a instrugao Descrever a fundamentacdo légica e as principais caracteristicas da diferenciagio e discutir as estra ‘tégias que suportam a sala de aula diferenciada. Gerir e avaliar na sala de aula Descrever como implementar um ambiente de diferenciada aprendizagem conducente a diferenciacao e expli- car as preocupagies especiais sobre a avaliacdo ea classificagao criadas por este tipo de salas de aula. Satisfazer as necessidades de todos os alunos através da diferenciagao e da utilizagao de modelos miiltiplos de ensino é o tema deste capitulo, Para se preparar para a leitura deste capitulo, pense por um momento sobre as suas experiéncias em salas de aula do ensino pré-escolar ao ensino secundario ou universitario. © Que tipo de aluno foi? Foi mais bem sucedido em certos tipos de actividades 2 do que outras? De que abordagens usadas pelos professores mais gostou? ‘+ Preferia os professores que utilizavam sempre a mesma abordagem dia apés dia? ‘Ou gostou mais daqueles que tinham um repertério de modelos mais rico e que proporcionavam variedade? * Conseguit realizar todas as actividades e trabalhos como foram inicialmente concebidos pelo professor? Ou precisou que alguns aspectos de uma aula fossem adaptados as suas necessidades de aprendizagem? 446 Parte 4 Modelos de ensino interactivo centrados no aluno + wwwmhhecom/arends7e Espera-se que os profes- sores ajudem todos os alunos a aprender, © ¢s- tratégias e priticas esto disponiveis para que tal soja possivel Agora considere a sua prépria filosofia de educacao. ‘+ Pensa que é preferivel que todos os alunos utilizem 0 mesmo livro? Que tenham o mesmo curriculo? Ou devem ser dados aos alunos materiais e actividades especificas de acordo com a sua preparacao? ‘* Acredita que os alunos irao aprender da mesma maneira e aproximadamente ao mesmo ritmo do definido pelas colocacdes de nivel escolar, ou este variara? + E importante dar oportunidades aos alunos para escolherem o que querem aprender e como, ou é mais importante que todos os alunos sigam um curriculo estandardizado? Visite 0 Online Learning Center em www.mhhe.com/arendsze para responder a estas questées. Introdugdo e fundamentacdo Tal como tem sido um t6pico importante ao longo de todo o Aprender a Ensinar, como satis fazer melhor as necessidades de todos os alunos tem sido um desafio para os professores desde o inicio do ensino formal. Nos séculos XVIII e XIX, 0 ensino ptiblico nos EUA foi, muitas vezes, praticado em escolas de uma s6 sala, principalmente nos meios rurais do pais. Esperava-se que os professores ensinassem todas as matérias escolares — leitura, escrita, aritmética, historia e ortografia - a um conjunto de alunos com idades entre os 6 € os 16 anos. Obviamente que o ensino a todo o grupo nao teria sido uma boa estratégia. Em vez disso, era necessério adaptar aulas e tarefas a cada aluno. Nos finais do século XIX, pais tornou-se mais urbano, estandardizou-se 0 curriculo, os manuais escolares tal como os co- nhecemos actualmente tornaram-se comuns, e foram introduzidas as salas de aula por nivel etario. Todas estas inovagdes destinavam-se a padronizar a educacao e a proporcionar aos professores um curriculo e um apoio de livros de texto, a0 mesmo tempo que reduziam a heterogeneidade nas salas de aula, No entanto, o agrupamento de alunos por niveis etarios, deixava ainda as salas de aula cheias de alunos com diferentes capacidades e interesses & uma panéplia de necessidades. Logo no inicio do século XX, John Dewey e outros educado- res progressistas iniciais enfatizaram a necessidade dos professores individualizarem a ins- trugdo. A distribuicgo de alunos em fungao das suas capacidades foi também introduzida durante esta época, como uma forma de reduzir ainda mais a diversidade de capacidades encontradas numa s6 sala de aula. As salas de aula classificadas de acordo com os niveis etdrios tém sido vistas por muitos como inflexiveis, e as préticas de agrupamento por ca- pacidades t8m sido atacadas principalmente por preocupacdes de equidade social e pelos efeitos negativos que esse agrupamento tem tido em alguns alunos (Oakes, 1985; Oakes & Lipton, 2007; Slavin, 1987, 1990). Apesar de tudo, nos dias de hoje ainda se espera que os professores sigam um plano de estudos prescrito dentro dos limites das divisdes tradicio- nais por idade e por nivel de ensino; e o agrupamento de acordo com as capacidades, de uma forma ou de outra, continua a ser uma pratica habitual em muitas escolas, Actualmente, também se espera que os professores adaptem a sua instrugio as ne- cessidades de todos os alunos. No entanto, ao contrario de épocas anteriores, em que os professores eram pouco responsabilizados pela aprendizagem dos alunos e muitos alunos nao andavam na escola ou em salas de aula regulares, j4 nao é aceitavél que se tolere niveis baixos de desempenho, que se permita que os alunos abandonem a escola ou que alguns alunos sejam colocados em salas de aula especiais. Hoje em dia, espera-se que todas a ctiangas e jovens frequentem a escola e que a maioria seja colocada em salas de aula regula- res. Deste modo, os professores encontram todos os tipos de alunos nas suas salas de aula e Capitulo 13.Relacionar os modelos ediferenciar 0 ensino 447 6 suposto que ajudem cada aluno a alcancar elevados padrdes de aprendizagem académica. Este € 0 tinico desafio do ensino no inicio do século XXIe, provavelmente, continuara a sé-lo durante a maior parte da sua carreira como professor. Felizmente, existe uma variedade de estratégias e préticas que proporcionam aos professores oportunidades e ferramentas para vencer este desafio com uma maior eficécia do que no passado. Os professores utilizam duas estratégias principais para satisfazer as necessidades de todos os alunos ~ utilizando modelos miiltiplos de ensino e diferenciando a instrucao. A utilizagao de modelos miiltiplos significa que os professores recorrem ao seu repertorio de ensino e seleccionam diferentes abordagens consoante os objectivos de aprendizagem. Isso significa também que sio capazes de relacionar e de utilizar diferentes modelos em conjunto no decurso de uma tinica aula ou unidade de trabalho. A diferenciacao, por outro lado, consiste na adaptagao do curriculo e das abordagens educativas pelo professor, para que cada aluno possa aprender de acordo com o seu potencial. ‘A fundamentacao para a associagao de modelos e diferenciagao da instrugio tem origem naquilo que sabemos sobre o ensino eficaz e as diferencas individuais das capacidades, in- teligéncias e desenvolvimento cognitivo — especificamente, a larga base de conhecimentos que evoluiu durante os tiltimos cem anos, e que indica que os individuos aprendem de forma diferente. A resposta histérica as diferencas de aptidées e de inteligéncia foi agrupar 08 alunos de acordo com as suas capacidades. No entanto, a investigacao sobre o agru- pamento por capacidades demonstrou algumas consequéncias negativas, indicando que nao estavam a ser satisfeitas as necessidades de todas as criangas através desta estratégia. ‘Abordagens mais contemporaneas tém sido manter os alunos na mesma sala de aula, inde- pendentemente das suas capacidades, adaptar a instrucdo as suas necessidades e empregar uma variedade de abordagens para a instrucao. Tal como sera descrito mais detalhadamente nas seccdes seguintes, a utilizagio de mo- delos multiplos a partir de um repertério variado de abordagens e a instrucdo diferenciada so essenciais, se os professores quiserem ser eficazes em ajudar todos os alunos a alcangar niveis elevados de desempenho. Os objectivos deste capitulo sao triplos. Em primeiro lu- gar, sera descrita a fundamentasao para a associacdo e utilizagao de modelos miiltiplos de ensino e sero apresentados exemplos especificos de como os professores empregam mo- delos miiltiplos durante uma unidade de trabalho. Em segundo lugar, é discutida a funda- ‘mentacao para a instrugao diferenciada e as estratégias que esttio na sua base. Finalmente, © capitulo termina com uma discussdo sobre questoes especificas associadas a gestdo e a avaliagao em salas de aula caracterizadas pela variedade e pela diferenciacao. Relacionar e utilizar modelos multiplos Durante muitos anos, houve acaloradas discussdes entre 05 educadores, assim como entre 08 cidadaos e legisladores, sobre quais as estratégias ou abordagens ao ensino mais eficazes = por exemplo, leitura versus discussao ou ensino indutivo versus dedutivo. Actualmente, © debate quanto a superioridade de uma abordagem sobre as outras continua enquanto os proponentes da chamada guerra da leitura defendem a linguagem fonética versus integral ou a abordagem de submersao versus bilingue para os aprendentes de lingua inglesa. Os modelos de ensino centrados no professor por oposigao aos modelos de ensino centrados no aluno também so muitas vezes debatidos pelos defensores de ambos os lados. Como foi salientado no Capitulo 1, esta discussao é ftitil e errénea. Nenhuma das abordagens melhor do que a outra de uma forma consistente. A selecgao de uma determinada abor dagem em vez de outra depende dos objectivos que os professores esto a tentar atingir € das caracteristicas dos alunos em particular, assim como dos valores e das expectativas da comunidade. Isto significa que os professores tém de estar preparados para aplicar modelos ‘muiltiplos de instrugio e para os relacionar de forma criativa ao longo de uma aula ou de uma unidade de instrucao. Nas Partes 3 e 4 do Aprender a Ensinar, sio discutidos seis modelos de ensino e so apre- sentadas descrigdes detalhadas sobre como planificar e utilizar cada um dos modelos. Cada Relacionar e utilizar mo-