Sei sulla pagina 1di 26

A agroecologia entre o movimento social e a domesticação pelo mercado

Jalcione Almeida* Agrônomo, Doutor em Sociologia, Professor e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) e da Faculdade de Agronomia, ambos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Resumo

Este é um ensaio que tenta “problematizar” a prática agroecológica, particularmente no que se refere ao seu potencial de transformar o social através de um movimento capaz de provocar alterações mais profundas nas formas de produção e de vida na agricultura e em sociedade. Além de apresentar e discutir seus limites, este trabalho também reflete sobre as potencialidades da agroecologia enquanto movimento social.

Palavras-chave

Agroecologia; movimentos sociais rurais; agir conflitual.

Abstract

This paper tries to render questions about the agroecological practice, particularly in what refers to its potential to transform the social through a movement capable of provoking deeper changes in production and life patterns in agriculture and in the society. Besides presenting and discussing its limitations, this paper also brings questions about the potentialities of agroecology as a social movement.

Os originais deste artigo foram recebidos por esta Editoria em 23.09.02.

2

Advertência inicial

Este texto sintetiza alguns pontos de uma reflexão de longo prazo sobre o tema das

alternativas ao padrão tecnológico e de desenvolvimento rural na Região Sul do Brasil.

Portanto, o que aqui é expresso tem muito a ver com a dinâmica social nesse espaço

geográfico. No que tange mais propriamente às políticas públicas agroecológicas, a referência

é sempre o caso gaúcho.

Breve introdução problematizadora

A agroecologia surgiu como uma promessa de renovação do político, dos sistemas

técnicos e como fonte de mudanças socioculturais. Passados alguns anos, o que ocorre com

ela? Pode a agroecologia responder às crises social, econômica e ambiental simplesmente

implementando alternativas de substituição ou de adaptação aos padrões técnico-produtivos

convencionais que mostram seus limites e dão sinais de esgotamento? Deve se contentar em

propor diferentes modos de inserção das atividades agrícolas e rurais familiares no tecido

econômico e social local? Ou não se poderia, da agroecologia, esperar outra coisa em vista das

idéias que defende e dos desejos e aspirações dos agentes sociais que a sustentam?

Este texto pretende responder, ainda que parcialmente, a essas questões, a partir da

análise

de

experiências

recentes

no

Rio

Grande

do

Sul

(de

ONGs,

de

organismos

governamentais e suas tentativas de implementação de políticas públicas) e da reflexão

acadêmica de alguns anos sobre o tema, refletindo sobre a capacidade da agroecologia de

provocar um agir conflitual 1 , estimulando outras formas de agricultura, de convívio social e

de desenvolvimento que promovam o abandono das tradicionais formas de reclusão identitária

ou de adequação ao mercado assumidas pela maioria das atuais manifestações de contestação

na agricultura e na sociedade.

3

Mais do que uma simples descrição das lutas e das reações sociais, o principal objetivo

ao se investigar esse tema é o de refletir sobre as modificações que tais manifestações de

contestação e protesto engendram nas posições sociais, nas propriedades e nos atributos dos

grupos e agentes em conflito e, em última análise, no espaço social. Em suma, este trabalho é

uma tentativa de evidenciar os efeitos sociológicos das ações e lutas sociais em questão.

Os agentes e grupos sociais que questionam, em diferentes níveis, o padrão de

desenvolvimento agrícola e rural implementado a partir dos ideários da Revolução Verde

começaram a se constituir na metade da década de 70. A luta pela terra, a resistência que opõe

os pequenos agricultores familiares à construção de barragens hidrelétricas que os ameaçam de

expropriação,

as

tentativas

de

implantação

de

novos

assentamentos

rurais

em

áreas

conquistadas através da luta pela reforma agrária, as críticas e reivindicações concernentes às

políticas agrícolas do Estado, a experimentação mais ou menos sistemática e organizada de

"novas" tecnologias mais adaptadas às necessidades e à situação da pequena agricultura de

caráter familiar, as reivindicações de maior cuidado com os recursos naturais não renováveis,

enfim, a luta ecologista e ambientalista são algumas das orientações que embasam e ainda

guiam o atual movimento de contestação (Almeida, 1989, 1995, 1998; Almeida; Navarro,

1997). E é no interior desse grande movimento de contestação que subexistem e buscam se

afirmar os agentes sociais e as ações coletivas que são objeto deste estudo.

A proposição agroecológica surgiu (e ainda se apresenta) como aspiração geral a uma

outra forma de desenvolvimento. 2 Ela se tem apoiado no uso potencial da diversidade social e

dos sistemas agrícolas, especialmente daqueles que os agentes reconhecem como estando o

mais próximo dos "modelos" camponês e indígena. Aqueles que idealizam esse tipo de

agricultura têm razões para pensar que, em se aliando a um projeto de desenvolvimento local,

descentralizado,

que

privilegie

a

diversidade

em

cada

meio,

estão

exprimindo

novas

aspirações, novas formas de sociabilidade, uma vontade em promover outros modos de

4

desenvolvimento econômico e social, que seriam mais "controláveis" e aceitos porque são

espacialmente circunscritos, cultural e tecnicamente fundados na "experiência do tempo".

Ao mesmo tempo em que surgem e tentam afirmar novas noções, as ações e os agentes

agroecológicos visam colocar em prática um novo tipo de movimento coletivo, que tenta fugir

das formas mais ou menos reclusas que assume a maioria das manifestações de contestação da

dominação social como um todo. Mas tal deslocamento de objetivos, mesmo que ainda de

ordem estratégica 3 e em estado embrionário, não poderia dar-se sem grandes riscos. Uma vez

mais, a atual condição de marginalização e exclusão de certos grupos sociais e a necessidade

urgente de se obterem "resultados imediatos” no plano da reprodução social constituem fatores

que jogam contra a capacidade de contestação dessas novas idéias, pelo menos no curto e

médio prazos. É por isso que essas formas de protesto, muitas vezes, são tendentes a se

aproximar das esferas e dos padrões (normas) institucionais, assumindo um caráter ora de

defesa identitária, ora de reintegração econômica no interior do mercado. Isso tem provocado

o enfraquecimento de sua força contestadora e de grande parte de suas aspirações e utopias.

A

grande

heterogeneidade

que

ainda

caracteriza

a

perspectiva

agroecológica,

particularmente em relação ao seu padrão tecnológico e a suas formas sociais, tem-se

constituído, por um lado, numa barreira ao avanço dessas idéias; por outro lado, esse parece

ser, paradoxalmente, o grande diferencial emulador do debate sobre os problemas da

agricultura e da questão agrária no Brasil, ressaltando-se, muitas vezes, a sua contribuição para

o tema/debate da agricultura familiar e da diversidade de formas de desenvolvimento.

Muitas das iniciativas recentes de grupos e organizações sociais, tanto no âmbito

governamental (particularmente no caso do Rio Grande do Sul há cerca de quatro anos) como

no não-governamental (experiências de ONGs, associações de agricultores, sindicatos, dentre

outros), têm-se concentrado na busca ou na recuperação de alternativas tecnológicas aos

sistemas

produtivos

“convencionais”,

tidos

como

esgotados,

pois

são

considerados

5

“poluentes”, antieconômicos e incapazes de promover a autonomia dos agricultores familiares

envolvidos.

A divulgação/generalização da proposição agroecológica parece, no entanto, encontrar

alguma dificuldade. Suas aparentes virtudes teóricas e morais não foram ainda suficientes para

alçá-la a um lugar de maior consideração e destaque no interior da agricultura e da sociedade

brasileiras. A “crise” que balançou as estruturas do padrão de agricultura “convencional” 4

parece não ter sido suficientemente forte para dar a essa posição um espaço e um impacto

realmente importante e geral.

Nessa

perspectiva,

a

agroecologia

depara-se

com

as

seguintes

questões:

como

considerar/elevar a diversidade para além do protesto puro e simples?; como adaptá-la às

ações de desenvolvimento que se dirigem tanto a uma clientela heterogênea quanto aos seus

determinantes sociais, suas aptidões e meios materiais?; essas dificuldades não estariam

ligadas a uma certa tendência ao isolamento, à prioridade dada a certas necessidades de

camadas sociais que ainda não conseguiram despertar a atenção e o interesse do poder político

instituído?

É

no

quadro

desenvolvida.

delimitado

por

essas

interrogações

maiores

que

a

reflexão

será

Sobre a noção de agroecologia, a metodologia e a ação tecnológica

A agroecologia é uma noção nova, freqüentemente associada, no debate social atual, às

noções de agricultura e desenvolvimento sustentáveis, tendo uma incidência em espaços

geográficos e sociais bem circunscritos. No entanto, ainda que se tenha intensificado o debate

em torno do tema, a agroecologia, até agora, foi superficialmente definida. Dependendo da

posição social do “agente” que a define, têm-se compreensões ou entendimentos diferentes a

respeito: é uma atividade, uma prática, uma área do conhecimento (ciência agroecológica), ou

6

tudo isso ao mesmo tempo? (Almeida, 1999; Coelho, 2002). As posições assumidas nesse

debate têm-se restringido, geralmente, ao uso normativo e “ampliado” da noção, ou seja,

através de grandes contornos de definição. No geral, incorporam idéias mais “ambientais”

(ecológicas, preservacionistas/conservacionistas do meio ambiente) e de sentimento social

acerca da agricultura, o que implica um conjunto de “elementos” ou “componentes” sobre a

sociedade e a produção agrícola que extrapola os limites do campo da agricultura. Essa

amplitude da noção traz, às vezes, alguns problemas, na medida, por exemplo, em que

confunde agroecologia (= instrumento técnico-científico) com desenvolvimento (= processo,

política).

Nesse sentido, é marcante o grau de abrangência das concepções, indo do “técnico-

-produtivo” à “construção de novas relações sociais entre os homens”, passando pela

“agricultura familiar” e pelo “desenvolvimento sustentável”. Isso pode ser visto através de

representações sociais da agroecologia, significando (Almeida, 1995):

a)

a

“(

)

busca de tecnologias de produção que não agridam o homem e o meio

ambiente”;

b)

c)

o “(

)

instrumento para criação de uma nova consciência social e ecológica”;

uma “(

)

proposta mais coerente do ponto de vista da sustentabilidade e do

desenvolvimento para o meio rural”;

d) algo de fundamental importância “(

desenvolvimento no meio rural”;

)

para se construir um processo novo de

e) aquela “(

)

que compreende e dá conta das relações ecológicas que propiciam a

reprodução das diferentes formas de vida existentes na natureza”;

f) que

“(

)

entende que as ações sociopolíticas podem contribuir para uma maior

estabilidade e sustentabilidade dos agroecossistemas”; e

7

g) enfim, como uma “(

)

metodologia integradora que facilita o estudo e a intervenção

na realidade dos agricultores, permitindo que a atividade agrícola seja analisada e

avaliada

na

sua

totalidade,

onde

culturais e socioeconômicos”.

emergem

componentes

biológicos,

técnicos,

Se, por um lado, tem-se a dificuldade de definir algo muito amplo, abrangente na noção

em voga, por outro, têm-se também algumas limitações no sentido mais estrito, disciplinar,

técnico-científico da agroecologia, quando, por exemplo, se faz referência ao “(

) estudo de

fenômenos puramente ecológicos que ocorrem nos campos dos cultivos agrícolas, tais como as

relações predador/predado, ou a competição de cultivos e invasoras” (Altieri, 1987). Pouco se

avançou, mesmo se reconhecendo os esforços recentes através de iniciativas de algumas

ONGs (como, por exemplo, o Centro Ecológico-Ipê-RS) e de políticas públicas específicas, na

direção de uma agroecologia voltada para a realidade local (o microssocial), com suas

inúmeras especificidades e complexidade. 5

A agroecologia substituiu, pouco a pouco, a noção-chave (e, reconhecidamente, um

pouco fragmentada) de “tecnologia alternativa”, muito em voga no período de meados da

década de 70 até o final da década de 80. Ela parece ampliar a percepção que se deve ter do

agrícola, do rural e da sociedade. Mesmo sendo pensada, primeiramente, para tratar do “agro”,

a agroecologia, através de uma intervenção mais localizada, tem bem presente a visão macro,

ou “sistêmica”, ou até mesmo “planetária” (ver, por exemplo, as representações expressas

anteriormente). E, nesse ponto, parece ter evoluído em relação à tecnologia (agricultura)

alternativa.

No seu sentido mais estrito, como preconizam alguns autores “clássicos” sobre o tema

(Miguel Altieri, Stephen Gliessman, Eduardo Sevilla Guzmán, dentre outros), a agroecologia

ainda não foi devidamente encarada e praticada. Constata-se, no entanto, que o uso da noção é

8

“estratégico”, pois sintetiza e mesmo legitima as ações de muitos agentes, especialmente

aquelas mais recentes.

Do ponto de vista metodológico, ainda não se conseguiu “operacionalizar” a noção de

agroecologia.

Esta

compõe

um

sistema

heterogêneo

de

intervenções,

de

variáveis,

de

elementos que precisam ser privilegiados a todo momento. Não se consegue, dentro de um

sistema de produção, intervir em todas as variáveis. Deve-se ter bem claro, então, que, ao

interferir em uma variável, em um elemento ou mesmo na linha de produção (do “sistema de

cultivo” ou “de criação”), ou em uma tecnologia qualquer dentro de um “sistema”, se está

interferindo no seu conjunto, e isso é algo muito importante a ser considerado.

Mesmo que ainda não se saiba muito bem como interferir nos “sistemas”, pelo menos

alguns agentes (individuais e coletivos) parecem demonstrar, do ponto de vista geral e

discursivo, como se deve idealmente fazê-lo. Falta, contudo, um maior domínio teórico e

prático sobre o funcionamento desses “sistemas”. A capacidade teórico-prática e a formação,

ao longo dos anos, dos técnicos parecem ainda não ter sido adequadas e suficientes para

atender a essas exigências. A estrutura de seu referencial teórico ainda não está montada; falta

à agroecologia propor seus próprios paradigmas. Uma grande lacuna, portanto, é observada

nesse campo. A demora em responder a esses desafios teóricos e metodológicos pode

consolidar a percepção de que a proposição agroecológica é incapaz de transformar seus

princípios em ação. 6

É forçoso reconhecer que a proposta agroecológica ainda é bem minoritária e incipiente

no contexto social da produção agrícola brasileira, até mesmo marginalizada, mesmo se

reconhecendo que, em certas regiões, tem-se avançado consideravelmente na implementação

de algumas políticas públicas (extensão e assistência técnica, pesquisa agrícola, recursos

financeiros em programas específicos para a produção agroecológica, dentre outras). A

massificação/generalização dessa proposta passa por várias questões que ainda não estão

9

sendo trabalhadas em espaços onde não se tem o poder suficiente para intervir. Mas, por

menores ou ínfimas que sejam as intervenções atuais, deve-se ter a compreensão de que elas

fazem parte de um processo educativo, de uma ação coletiva concertada necessária à

construção de um processo mais amplo (voltar-se-á a esse ponto adiante).

Sobre a capacidade de generalização da proposta agroecológica

A consolidação de um movimento social é condição sine qua non para a afirmação da

proposta agroecológica. No entanto, se isso não bastasse, é necessário que se dê uma grande

atenção a aspectos mais “domésticos” ou “menores” (quando comparados à tarefa de “criação”

de um movimento social), mas também importantes. A reflexão acadêmica sobre o tema, nos

últimos anos, tem evidenciado alguns limites ou problemas para a generalização da proposta

no sul do Brasil (Almeida, 1995, 1998, 1999; Schmitt et al., 1997; Coelho, 2002). É

importante destacar que esses limites se interconectam, mantendo estreita relação entre si,

muitas vezes um determinando o outro (e, ainda, ressalta-se sua relação com a tarefa do

movimento social). No geral, eles podem ser sintetizados da seguinte forma:

a) as resistências apresentadas devido ao caráter ideológico da intervenção técnica e

social mais geral;

b) a falta de entrosamento (diálogo e intercâmbio) entre agentes sociais (individuais e

coletivos) que atuam na mesma área, que trabalham com os mesmos “objetos” e,

muitas vezes, enfrentam os mesmos problemas;

c) o ainda pequeno e insuficiente acompanhamento de campo e sistematização das

experiências

agroecológicas,

malgrado

esforços

recentes

nesse

sentido

(por

exemplo, Paulus; Muller; Barcelos, 2000, dentre outros) 7 ;

10

d)

os

“gargalos”

tecnológicos,

ou

seja,

limites

ou

problemas

ainda

não

bem

solucionados na prática agroecológica de campo; e

e) a baixa capacitação profissional para enfrentamento da complexidade dos sistemas

produtivos e da agroecologia.

Nos últimos 15 anos, a experiência analítica em relação ao tema tem evidenciado uma

“marca” muito característica da proposição agroecológica em contextos agrícolas e rurais no

sul do Brasil, particularmente no caso gaúcho: o marcado viés político-ideológico. Essa

tendência, muito forte nos primórdios da agroecologia (ainda quando se falava em “agricultura

alternativa”, na década de 70), arrefeceu-se um pouco em meados da década de 90, ganhando

novo ímpeto, particularmente no caso gaúcho, ao final dessa década. No início, os agentes

sociais promotores da agroecologia voltavam-se contra o Estado, pois nele reconheciam o

principal

“inimigo”,

ou

seja,

o

grande

emulador

das

tecnologias

“modernas”

ou

“convencionais”. Isso, associado ao preconceito ideológico e a um ufanismo inicial mais ou

menos generalizado entre os agentes agroecológicos, talvez tenha sido a principal causa do

isolamento (ou do tímido resultado no trabalho de irradiação) dessas propostas. Esses agentes,

portanto, não (ou mal) se relacionavam com os órgãos estatais, algumas ONGs, por exemplo,

tendo chegado a se recusarem a trabalhar com os serviços de extensão rural e assistência

técnica oficiais.

O período das proposições tecnológicas alternativas (TAs), de 1970 ao final da década

de 80, foi aquele em que a oposição entre o “alternativo” e o “moderno” ou “oficial” foi mais

forte. Daí se originou um dos grandes equívocos da proposta de TAs, que foi o de “bancar”

um “modelo alternativo” sem bases epistemológicas e políticas verdadeiras, em cima apenas

da crítica e da oposição, por vezes pouco conseqüente, ao “modelo” agrícola “moderno”

vigente. Foi o período em que a crítica contracultural foi a tônica, centrada em um discurso

contra a sociedade industrial e seus “processos” (Almeida, 1989).

11

No início da década de 90, ocorreu uma certa aproximação entre alguns agentes

governamentais

e

não-governamentais

(por

exemplo,

como

caso

mais

emblemático,

o

relacionamento da ONG Centro de Tecnologias Alternativas Populares e a Empresa Brasileira

de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Passo Fundo-RS). Com a chegada, no final da

década

passada,

no

Rio

Grande

do

Sul,

de

um

governo

identificado

com

propostas

agroecológicas, estas passaram, gradualmente, a embasar algumas políticas públicas.

A origem e a trajetória política e social, nos últimos 20 anos, dos principais agentes

agroecológicos em atividade forjaram um discurso e uma ação coerente com esses princípios

contestadores da “sociedade industrial”, influenciados também por segmentos “progressistas”

da Igreja Católica e pelos partidos de esquerda, politicamente bastante atuantes nesse período.

Isso leva à hipótese de existência de um “vínculo genético”, que explicaria a forte marca

ideológica até hoje no “movimento” agroecológico.

Mas essa histórica e explícita vinculação com o campo político-ideológico trouxe

problemas de relacionamento e de afirmação para a proposição agroecológica, na medida em

que a tentativa de universalização parece ter sido prejudicada, pois foi identificada com um

ideário político-partidário ou com grupos políticos específicos. Até mesmo o entrosamento e a

estreita relação a serem estabelecidos entre os agentes agroecológicos foram, ao longo do

tempo, afetados, na medida em que persistiram algumas “diferenças” de caráter político mais

geral e, por conseguinte, de condução das principais ações e iniciativas no seio dos grupos

agroecológicos. 8

Já em relação à capacitação dos agentes agroecológicos, esta ainda se mostra deficiente

de maneira geral. Pela dificuldade de penetração nos espaços acadêmicos mais consolidados, a

proposta fica se reciclando entre um número reduzido e permanente de técnicos reconhecidos

por sua alta contribuição ao tema. A intensificação e a diversificação dessa capacitação dos

agentes certamente deverão permitir uma intervenção mais qualificada na prática, servindo-se

12

das sistematizações que as diferentes equipes deverão realizar, aportando, assim, elementos de

conhecimento para atender aos desafios tecnológicos crescentes. Em virtude da pouca

sistematização das experiências até agora, fica bastante prejudicada a aferição dos impactos

das tecnologias e das práticas agroecológicas preconizadas. A avaliação/constatação empírica

das poucas experiências não permite uma verificação fidedigna. 9

Quanto aos “gargalos” tecnológicos, estes ocorrem freqüentemente em dois níveis: nas

tecnologias em si, através de um problema de ordem metodológica, ou seja, na dificuldade que

se tem em inserir essas novas tecnologias nos sistemas produtivos (aspecto já mencionado e

discutido anteriormente), e, em outro plano, nos sistemas produtivos ou agroecossistemas, ou

seja, na dificuldade mais ou menos generalizada de aprofundamento do conhecimento sobre os

“sistemas” agrícolas (falta de clareza a respeito de suas dinâmicas).

Das diversas “tecnologias agroecológicas” preconizadas, algumas delas apresentam

dificuldades para sua real implementação até mesmo em contextos microrregionais ou locais.

A utilização de leguminosas para adubação verde associada à prática do plantio direto, por

exemplo, funciona em determinada região, mas não muito bem em outra, em situações não

muito distantes entre si. Isso sem falar da falta de proposições mais consistentes e duradouras

no

que

tange

às

alternativas

de

mercado,

em

que

faltam

tecnologias

para

viabilizar

determinados sistemas de produção propostos, do “problema” do controle de ervas daninhas,

da substituição de agrotóxicos, da intensificação da mão-de-obra no interior das unidades de

produção, dos constantes desafios do plantio direto, da reestruturação das práticas agrícolas

“convencionais”, dentre outros aspectos determinantes.

Menciona-se, en passant, porém não lhe diminuindo a importância, um outro problema,

que é a falta de uma melhor compreensão técnico-científica dos princípios agroecológicos por

parte dos técnicos e agricultores, o que tem levado, também, a uma certa lentidão na detecção

de problemas no âmbito dos sistemas de produção. O ainda baixo nível de conhecimento

13

técnico sobre as propostas ou tecnologias agroecológicas leva, freqüentemente, à repetição de

argumentos

genéricos

e/ou

generalizantes,

reforçando

chavões

que

são

largamente

reproduzidos tanto no debate social mais geral como no meio acadêmico. Uma maior e melhor

qualificação técnica nesse tema poderia também reforçar os argumentos e as idéias no debate

dentro do campo científico.

A maior incidência, no campo científico, da proposição agroecológica poderá surtir

efeitos no médio prazo no sentido da “reformatação” da pesquisa agronômica, retirando-lhe

aquele viés tradicional que tende a particularizar as rotinas de investigação e os métodos para a

produção do conhecimento e que leva a recortar a realidade segundo processos básicos

formativos de seu campo específico de trabalho. Confrontada com outras realidades, a

pesquisa clássica poderia produzir melhores resultados, desde que fosse operada “por

demanda” 10 e não mais a partir de uma oferta nascida apenas de estratégias das agências

fomentadoras da pesquisa nas instituições tradicionais de experimentação, estas, muitas vezes,

distanciadas das realidades do “mundo rural”. Alguns exemplos recentes nesse sentido, ainda

que não através de princípios agroecológicos estritos, mas de forte caráter ambiental e

conservacionista, nos estados do Paraná e de Santa Catarina, estimulados por programas

públicos estatais, mostram que é possível se pensar em algo diferente, metodologicamente

novo em se tratando da pesquisa agrícola, da assistência técnica e da extensão rural (Navarro,

1999)

11 .

O investimento na sistematização e no melhoramento das experiências, associado a um

maior e mais efetivo contato com entidades de pesquisa (governamentais, ou não), poderá

abrir alguns novos caminhos para a resolução de determinados problemas tecnológicos. A

abertura

de

certas

entidades

governamentais,

notada

nos

últimos

tempos,

ligada

à

determinação dos agentes agroecológicos em disputar “objetos” (e objetivos) tecnológicos no

campo científico, contribuirá, certamente, para um relacionamento mais profícuo nessa área.

14

Nessa perspectiva, diante de tudo que foi até aqui exposto, pode-se referir que o

equacionamento da dualidade entre o “técnico” e o “político” no discurso e na prática

agroecológica, dimensões estas muito debatidas no âmbito deste trabalho, precisa ser encarado

de frente para clarificar melhor a própria tarefa institucional de cada agente e mesmo as

prioridades de trabalho. 12 No mesmo sentido, é necessário esclarecer melhor a compreensão

das

tradicionais

“ferramentas”

de

trabalho

agroecológico,

como

a

experimentação,

a

demonstração, a formação, a capacitação, a assessoria e o acompanhamento. Essas tentativas

têm-se confundido ou, às vezes, até mesmo se complementado nas ações. Se identificadas

mais precisamente, poder-se-iam traçar metas e mesmo delimitar responsabilidades de forma

mais explícita.

Resposta à crise ou movimento social? Protesto ou projeto social? Alternativa de mercado ou agir conflitual?

Constata-se, entretanto, que, apesar de suas debilidades, a proposição agroecológica,

reforçando a diversidade da base social e produtiva dos "modelos" que se implantam, já

impôs, em certos contextos sociais, limites ao desenvolvimento que pregam o Estado e as

classes dirigentes, estes influenciados que são por grandes interesses privados, econômicos e

políticos mundiais. Sua influência vai também na direção do encorajamento de modos de

desenvolvimento agrícola e rural pouco hierarquizados, que escapem da forte influência estatal

e de seus organismos sobre o "social". Pelo menos, a proposição agroecológica é capaz de

servir eficazmente como instrumento de resistência e de reprodução de grupos sociais no

respeito de sua diversidade.

Pode-se, portanto, neste momento, retomar o questionamento anunciado no início deste

ensaio: tem a agroecologia o papel de responder à crise (ou resistir a ela), simplesmente

implementando alternativas de substituição ou de adaptação aos padrões técnico-produtivos

15

que mostram seus limites e dão sinais de esgotamento? Deve-se contentar em propor

diferentes modos de inserção das explorações familiares no tecido econômico e social local?

Ou não se poderia dela esperar outra coisa em vista das idéias que defende e dos desejos e

aspirações de seus agentes? Formulando-se a questão de outra maneira, poder-se-ia perguntar:

a

agroecologia é uma nova ciência, uma nova proposta (política) de desenvolvimento agrícola

e

rural, um novo movimento social ou uma alternativa técnico-produtiva de superação dos

gargalos tecnológicos da agricultura “convencional”?

A agroecologia (e por extensão, em um certo sentido, o que até alguns anos atrás se

chamou de agricultura "alternativa") não constitui ainda o que se poderia chamar um

movimento social stricto sensu, ou seja, uma ação social organizada contra o poder de

adversários que têm as rédeas do modo de desenvolvimento agrícola. A luta agroecológica

poderá provocar uma autêntica e profunda transformação no campo 13 político (ela propõe,

desde já, concretamente, uma mutação no domínio técnico-produtivo e nas práticas agrícolas

através de princípios que se ligam a um pretenso “paradigma ecológico”), desde que saiba

"costurar" as alianças capazes de provocar uma ampliação de seu poder de luta. Essas lutas

deverão encaminhar-se na direção da convergência (e da complementaridade) com outras

formas de combate e de movimentos sociais, a fim de fazer dessa ação a precursora por

excelência de um movimento social mais amplo e dirigido contra a tecnocracia que dita as

necessidades de uma população a qual domina. Por enquanto, a agroecologia é a expressão de

iniciativas de grupos ou agentes sociais mais ou menos isolados, ainda pouco orgânicos, com

resultados técnicos e sociais em diferentes amplitudes, agentes estes que poderão vir a

integrar um movimento social, mas que, atualmente, não constituem e não representam

um movimento social. 14

Em suma, se as proposições agroecológicas quiserem abrir a via para um movimento

social, devem transcender a lógica contestadora dominante que visa exercer uma pressão

16

puramente institucional e isolada. 15 Para isso, a agroecologia poderá utilizar a ecologia e sua

problemática de uma maneira transversal, dentro de contextos, como diz Guattari (1989), “de

desintegração, de multiplicação de antagonismos e de processos de singularização”. Assim, a

contestação cultural ou puramente econômica poderá transformar-se em um movimento de

ação propriamente sociopolítica. Esse objetivo parece ainda não ter sido atingido.

Os acontecimentos mais recentes (1999-02) no Estado do Rio Grande do Sul,

estimulados pela vontade política do Governo de transformar a agroecologia em política

pública e eixo condutor da agricultura gaúcha, foram, no entanto, freqüentemente desviados

para um debate ideológico que parece ter criado mais inimigos e opositores à agroecologia do

que aliados, ainda que tenha reforçado as posições políticas e técnicas no cerne dirigente do

Governo gaúcho. 16 Mesmo reconhecendo a grande visibilidade que a agroecologia ganhou no

sul do Brasil, particularmente no Rio Grande do Sul, pode-se ainda questionar a sua

penetração nos diferentes níveis da sociedade, particularmente no campo científico e nos

espaços sociais agrários mais amplos.

A

dificuldade

de

afirmação

das

idéias

agroecológicas,

que

ainda

carecem

de

experimentação em “grande escala”, com melhor e maior sistematização e análise dos

resultados, é também devida à grande resistência que os agentes, representantes ou defensores

das tecnologias “modernas” ou “convencionais”, impõem aos seus oponentes no campo

científico. A crise tão propalada do paradigma científico “moderno” ainda não atingiu níveis

que pudessem quebrar a sua “monoliticidade” e, portanto, as posições divergentes são vistas

como menos importantes, por vezes até mesmo inadequadas cientificamente (Coelho, 2002;

Almeida, 1998, 1999). A verdade única do paradigma dominante, portanto, ainda prevalece.

O campo científico tem costumeiramente incidido em um ponto de crítica, aquele da

falta de cientificidade ou de legitimidade científica da agroecologia, tendendo a desqualificar

as iniciativas e as proposições agroecológicas, impingindo-lhes o rótulo de “tecnologias

17

retrógradas” e/ou “anticientíficas”. Concordando, ou não, com essa crítica, pode-se imaginar

que a dimensão de "novidade" 17 dessa proposição — paradigmática talvez — será função da

capacidade que mostrarão as lutas agroecológicas para escapar não somente da lógica de ação

puramente contestadora, mas também da institucionalização, do enclausuramento no interior

de espaços morais e socioculturais específicos e, ainda, mostrar uma capacidade renovada para

abrir novas vias de afirmação no domínio das maneiras de produzir e de viver. Essa proposta,

enquanto projeto político, passa, necessariamente, por sua afirmação como “nova ciência”, a

qual, desde já, se propõe. É, portanto, também no espaço social configurado pelo campo

científico que essas proposições se devem afirmar. Para isso, devem disputar “objetos

científicos” (Almeida, 1998), buscando legitimidade científica capaz de subsidiar/sustentar a

luta no campo político e social mais amplo, incorporando (e fazendo incorporar) conceitos,

valores e técnicas capazes de serem compartilhados por determinada comunidade científica e

utilizados para definir problemas e soluções. Não é, pois, simplesmente negando a “velha

ciência” e recusando-se ao jogo político no campo científico que a agroecologia chegará a se

afirmar/generalizar. 18

Ousando construir cenários para o futuro

No atual contexto sociopolítico do sul do Brasil, coerentemente com o que foi até aqui

exposto, a agroecologia parece indicar três cenários possíveis de concretização, três etapas de

desenvolvimento identificáveis no plano analítico, a saber: uma concebida como sendo a

institucionalização da marginalização da agricultura alternativa ou ecológica; uma segunda

que corresponde a uma certa "ecologização" da agricultura moderna ou convencional; e uma

última em que a agricultura ecológica poderá ser apreendida enquanto uma verdadeira

alternativa técnico-científica global.

18

A curto prazo, as proposições agroecológicas podem ser bem apreendidas por um certo

tipo de agricultores, de pequeno porte e de cunho familiar, "em dificuldade", situados em

regiões onde faltam recursos materiais, físicos e financeiros, e produzindo, antes de tudo, para

assegurar sua subsistência. A médio e longo prazos, o segundo cenário aparece de forma muito

plausível. De fato, em se tratando de uma agricultura convencional de maneira específica e de

sua "ecologização", certos fatos já se manifestam de forma visível através de práticas mais

voltadas para a conservação ambiental, como, por exemplo, o uso da compostagem, da

adubação verde, enfim, do manejo ecológico dos solos, do recurso à luta biológica integrada

contra pragas e doenças, bem como nos programas "oficiais" de agricultura sustentável, 19 o

que implica o abandono de certos produtos e práticas consideradas como altamente nocivas

para as pessoas e para o meio ambiente. 20

No que se refere ao cenário prospectivo de apreensão da agricultura ecológica como

alternativa técnico-produtiva global, parece que a construção desse novo paradigma, a menos

que se realize uma boa parte das condições sociais e políticas esboçadas anteriormente para a

agroecologia brasileira, enfrentará sérias dificuldades para se afirmar enquanto um processo

realmente

transformador.

O

cenário

no

horizonte

próximo

é

aquele

da

agroecologia

interiorizada no plano societal, não afetando fundamentalmente a estrutura da(s) agricultura(s)

e sociedade(s).

Considerações finais

Tem-se, no entanto, que reconhecer que essas ações/manifestações no campo da

agroecologia se inserem no quadro de uma renovação — mesmo que passageira — do político

e do sistema técnico-produtivo, podendo constituir-se em fontes de mudanças culturais. Essas

ações,

porém,

ainda

não

propriamente dito.

conseguiram

investir

com

força

no

agir

de

tipo

conflitual

19

Por mais minoritárias que sejam essas ações e esses agentes no contexto do amplo

movimento de contestação ao “modelo” de desenvolvimento vigente, parecem indicar uma

outra direção, pensando a "problemática" da agricultura e de alguns aspectos da sociedade em

termos suscetíveis de provocar um transbordamento dos espaços sociais constituídos, mesmo

que, por enquanto, denotem características ainda um pouco fluidas, às vezes ambíguas e

mesmo contraditórias, muitas vezes circunscritas à exaltação ideológica e/ou moral de seus

pressupostos, dos pretensos benefícios e de sua superioridade em relação às outras “ciências”.

Essas ações começam, assim, sob a coordenação de certos agentes específicos, a buscar outras

"interpretações" sociais que possam indicar uma possibilidade de operar um (novo) sentido

para o social. Seu sucesso reside na capacidade de lutar e afirmar seu potencial político

transformador, agregando diferentes categorias e grupos sociais, mobilizando-os no sentido da

sua afirmação enquanto alternativa sociopolítica capaz de superar os impasses do atual padrão

de desenvolvimento. Nessa linha de raciocínio, são fundamentalmente razões sociais e

políticas aquelas capazes de afirmar verdadeiros movimentos sociais amplificados, e não

necessariamente os méritos técnicos e morais do conjunto de idéias ou proposições em

questão.

No entanto, a proposição e a estratégia agroecológicas são ainda frágeis. Por um lado,

fundam-se em critérios fortemente culturais e técnico-econômicos e muito pouco em critérios

sociopolíticos, que levam, através de um encantamento por vezes moralista e acrítico, a

distinguir e a privilegiar as agriculturas “camponesas” ou “indígenas”. 21 Por outro, quando

tratadas sob o ângulo sociopolítico, geralmente entram no plano da confrontação ideológica,

tendente a valorizar sobremaneira os princípios morais e técnicos da agroecologia, que mais

divide do que unifica a luta em torno de sua afirmação/generalização. As ideologias oficiais no

plano da agroecologia geralmente se têm mantido no plano das generalidades, pouco

investindo na operacionalidade e em atividades específicas, tendentes a criar um discurso

20

generalizante, de sentido único, tentando agregar pessoas em torno dele e, com isso, criando

polaridades políticas contra a “agricultura moderna”. Enquanto isso, os agentes técnicos que se

situam na outra ponta do processo, aqueles mais envolvidos com as experiências e a adoção de

tecnologias

agroecológicas

por

parte

dos

agricultores,

se

referem

genericamente

à

agroecologia como um “conjunto de técnicas produtivas”, estas se aproximando de uma idéia

ainda superficial do que sejam os “cultivos ecologicamente implementados”, como, por

exemplo, menor uso possível de insumos agroindustriais, maior proteção do solo, combinação

de cultivos, ampliação da biodiversidade, etc. Em resumo, existe um grande vácuo atualmente

entre um discurso agroecológico de caráter fortemente ideológico, que tenta implementar

políticas públicas, como é o caso no Rio Grande do Sul, e a prática “agroecológica” real, que

mais se aproxima de uma agricultura poupadora de insumos e menos impactante do meio

ambiente, pouco se distinguindo das múltiplas versões de “agricultura sustentável” muito em

voga nos meios oficiais e não-governamentais pelo mundo afora.

Por ora, a agroecologia está longe de adquirir a força do modelo que ela pretende

substituir. Baseando-se em identidades culturais e práticas produtivas que recusam, antes de

tudo, ser qualificadas de "modernas", corre o risco de ficar à margem na discussão de novas

alternativas ao padrão dominante de desenvolvimento. Este, mesmo estando atualmente em

crise,

fragilizado

e

alvo

de

severas

críticas,

possui

ainda

uma

grande

capacidade

de

recuperação, aliás, como já pôde demonstrar em diversas ocasiões (o debate sobre as agro-

biotecnologias é um exemplo). A discussão em torno da sustentabilidade da agricultura fora do

“espaço agroecológico”, em uma arena política que envolve agentes sociais bem diferenciados

entre organismos governamentais e não-governamentais pelo mundo afora, inclusive a

discussão mundial em torno da melhor adaptabilidade dos novos padrões biotecnológicos a

essas exigências de sustentabilidade, parece, muitas vezes, ignorar os pressupostos, as

estratégias e as experiências agroecológicas praticadas.

21

A

proposição

agroecológica,

além

dos

desafios

tecnológicos

e

metodológicos

colocados à sua frente, deve ser capaz de promover a autonomia política dos agricultores, 22

livrando-os

da

dependência

do

Estado,

da

“guetificação”

sociocultural

e

do

simples

enquadramento às regras do mercado. Taticamente, o momento é de se trabalhar a transição

para uma agricultura “diferente”, mais sustentável do ponto de vista ambiental e social

(Almeida, 1999); estrategicamente, no médio e longo prazos, é de se pensar na consolidação

de um verdadeiro movimento social. Os agentes e as forças sociais envolvidos diretamente

com a agroecologia deverão mostrar-se capazes dessa árdua tarefa, sob pena de não

viabilizá-la socialmente.

Eis a hercúlea tarefa com que se defronta a agroecologia em um espaço onde se

desenvolve uma intensa crise social e econômica. Esses desafios colocados à agroecologia,

que por instantes tomam a forma de um ideal estratégico, ainda mal definido nas ações e lutas

em curso, devem construir um projeto social capaz de orientar a sociedade, de introduzir um

novo quadro de conceitualização social; um projeto que ultrapasse o campo da contestação e

da

oposição

pura

e

simples

à

tecnocracia,

ao

produtivismo

e

às

políticas

agrícolas

inadequadas; um projeto, enfim, que ande na direção de um modo propriamente conflitual,

substituindo no coração da contestação os verdadeiros aspectos e instrumentos da dominação

social no seu conjunto. Tais ações deverão mostrar, mais claramente, que se pode reconstruir

uma imagem da trama social a partir da agregação de indivíduos e de grupos que parecem ter

perdido, hoje, toda a forma de identificação profissional e social; precisarão subverter os

antigos sinais de reconhecimento social a fim de construir um outro tipo de unidade. Não será,

pois, somente com as tentativas de inserção/viabilização econômica, através de novas

tecnologias, de novos e alternativos canais de comercialização dentro da globalização

avassaladora, que a agroecologia irá impor-se política e socialmente.

22

Notas de Rodapé

* Endereço eletrônico do autor: Jal@ufrgs.br

1 A ação é o centro de criação de sentido. Não se pode, portanto, encontrar sentido fora da ação. Nessa perspectiva, ela surge como irredutível: decorre de uma emergência primária e radical, e sua materialidade encontra-se no sentido, este sendo impensável antes da ação. Toda ação produz, por conseguinte, um sentido, e este será novo, sobrepondo o antigo, quando decorrente de um agir conflitual. Nele, o agente reconhece-se como (co)autor ou produtor de orientações, situando-se no centro de uma trama de relações sociais que somente ganha sentido com a ação (Almeida, 1999).

2 Não será feita aqui uma descrição exaustiva dos princípios e das idéias agroecológicas. Para tanto, ver Almeida (1995, 1998); Assessoria e Serviços em Projetos de Agricultura

Alternativa (AS-PTA) (ASSESSORIA

,1990);

Altieri (1987, 1988), dentre outros autores.

3 Tem-se aqui como referência o que propõe, nestes termos, AS-PTA, ONG com sede no Rio de Janeiro que tenta articular uma rede brasileira de ONGs preocupadas com o tema da agroecologia e do desenvolvimento sustentável. No sul do Brasil, a Rede Tecnologias Alternativas/Sul (Rede TA/Sul) representa essa articulação, composta por 11 ONGs, dentre as quais o Centro de Tecnologias Alternativas Populares (Cetap), em Passo Fundo-RS, o Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor (CAPA), em São Lourenço do Sul-RS, o Centro Ecológico, em Ipê-RS, a Assesoar, em Francisco Beltrão, a Rureco, ambas no Paraná, o Projeto Vianei e a Apaco, em Santa Catarina. Recentemente, outra articulação começa a se concretizar na forma da Rede Ecovida, envolvendo algumas dessas ONGs nos estados do sul do Brasil.

4 Quando se fala em agricultura “convencional”, está subentendida a idéia geral de uma agricultura intensiva em capital, poupadora de mão-de-obra e fiel aos princípios técnicos consolidados pelo ideário da Revolução Verde, com as nuanças regionais que o processo de “modernização da agricultura” conseguiu manifestar no Brasil.

5 Reside aqui também um outro “quebra-cabeça”: como conectar o local com a pretensão política maior de afirmação da agroecologia como um movimento social? Pretende-se discutir um pouco sobre isso mais adiante.

6 A ânsia de intervir nos sistemas agrícolas de forma agroecológica tem, muitas vezes, consolidado, entre alguns agentes sociais, a idéia do “pacote agroecológico”, desconhecendo-se ou minimizando-se a complexidade e a diversidade dos sistemas produtivos e tendendo-se a uniformizá-los para facilitar a ação tecnológica, a metodologia e a obtenção dos resultados. Claro está que esse é um caminho equivocado, que, a exemplo do passado recente, com os pacotes tecnológicos da agricultura “convencional”, não deu certo, promovendo grandes desigualdades sociais e impactos ambientais.

7 Registre-se como marco referencial em trabalhos desse tipo aquele publicado pelo Programa de Cooperação em Agroecologia (PCA), que reunia várias ONGs no sul do Brasil, na década de 90.

8 Alguns eventos recentes parecem mostrar uma certa fissura entre esses agentes, cristalizando diferenças que dizem respeito à metodologia, aos beneficiários prioritários e aos espaços a

23

serem abertos e consolidados pela ação agroecológica. Isso pode ser bem visualizado através dos princípios, das formas de organização e das dinâmicas de dois grandes eventos agroecológicos: o Encontro Nacional de Agroecologia, realizado em julho de 2002, no Rio de Janeiro, e os seminários sobre agroecologia promovidos pela Emater-RS nos últimos três anos, em Porto Alegre-RS.

9 É louvável, no entanto, o trabalho da Emater-RS, nos últimos quatro anos, no sentido da capacitação de seus quadros em diferentes níveis (aperfeiçoamento, especialização, mestrado e doutorado), bem como as diferentes publicações tentando sistematizar experiências agroecológicas no Rio Grande do Sul.

10 Aqui se ressalta a importância de um movimento social capaz de “criar a demanda” agroecológica (ver item a seguir).

11 Esse autor faz referência específica aos programas Paraná Rural e Microbacias, nos Estados do Paraná e de Santa Catarina respectivamente (Navarro, 1999).

12 A falta de uma melhor compreensão da relação entre o político e o técnico fica bem

pois a agroecologia não é [uma] proposta política,

mas, sim, uma proposta de solução para a crise da agricultura que estamos iniciando a enfrentar, e que aqui [no Rio Grande do Sul] ainda está longe de demonstrar o quanto prejudicial o modelo convencional é” (manifestação a este autor de um professor e pesquisador — que se pretende “agroecológico” — da UFRGS, em fevereiro de 2002).

expressa na seguinte manifestação: “(

)

13 Campo, aqui, é entendido na sua concepção bourdiniana, um espaço de lutas, um campo de relações objetivas entre indivíduos ou instituições que competem por um mesmo objeto.

14 Em artigo recente, Brandenburg (2002) trata da agroecologia como um movimento no Brasil, definindo-o como “um contramovimento ao domínio da lógica industrial de produção”. Para um histórico do “movimento alternativo” na agricultura brasileira, ver Almeida (1999) e Brandenburg (1999, 2002), dentre outros.

15 Entretanto não se pode fazer uma total abstração disso, visto que um movimento social é feito também de pressões políticas institucionais.

16 Destaca-se também, nesse período, uma tendência bem visível de normatização da agroecologia, tentando definir os contornos dessa nova prática (ou ciência?) agrícola. Essa iniciativa trouxe alguns problemas quando foi confundida, por vezes, com a tentativa de implantação de um novo pacote tecnológico, “um negativo do pacote tecnológico da Revolução Verde”, como afirmam alguns técnicos, além do que se mostrou difícil de se efetivar devido às várias compreensões/definições sobre a agroecologia, até mesmo no interior dos organismos públicos oficiais.

17 Conforme a noção consagrada por Morin (1977). O novo, na maioria das experiências agroecológicas no sul do Brasil, reside muito mais na forma de trabalho, que valoriza os processos de conhecimento estabelecidos entre aos agricultores, no caráter educativo da relação técnico-agricultor e na valorização do “saber camponês ou indígena”. Portanto, se o novo existe, ele está mais relacionado à forma — e à maneira (política) de sua vinculação — do que ao conteúdo técnico das proposições (Schmitt et al., 1997; Abramovay; Miranda, 1996, 1997).

24

18 Ao invés de uma “aliança agroecológica” para enfrentar a luta no campo científico, nota-se, hoje, no sul do Brasil, um acirramento entre alguns pesquisadores favoráveis à agroecologia na Academia e agentes sociais nas ONGs agroecológicas, estes disputando a definição do que seja a agroecologia e a legitimidade de falar em seu nome (Coelho, 2002), como se estas não fossem as duas faces de uma mesma moeda. Para uma discussão mais aprofundada sobre a disputa das tecnologias “alternativas” no campo científico, a questão da sua validação e da sua capacidade de generalização, ver Almeida (1998).

19 Por exemplo, os diversos programas da Embrapa.

20 No geral, o que tem sido proposto como agroecológico até agora é mais identificado à etapa de desenvolvimento da agricultura em que predominavam os sistemas produtivos sem pousio e intensivos em mão-de-obra, com forte adubação orgânica e muita diversidade de cultivos e atividades (policultura), viabilizados pela introdução e pelo uso de certas leguminosas nas rotações. Essa etapa do desenvolvimento, segundo Veiga (1991), baseada em processos e manejos específicos de uso dos solos, é característica de um período anterior à Revolução Industrial.

21 Esse encantamento pode ser percebido entre os agentes do “movimento”, nas forças políticas que o apóiam e até mesmo no meio acadêmico, sempre de uma forma pouco crítica e deficiente do ponto de vista analítico. Nos dois primeiros âmbitos, isso pode não ser surpreendente, mas no meio acadêmico o é. Nesse sentido, parece emblemático, dentre tantos, o artigo de Costa Neto (2000).

22 Para a noção de autonomia política e suas implicações (inclusive a do projeto político), ver Almeida (1999).

25

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo; MIRANDA, Cláudio da R. Avaliação da Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense (APACO). Chapecó: São Paulo: Concórdia, jun. 1997. Mimeografado. [Documento de uso restrito].

ABRAMOVAY, Ricardo; MIRANDA, Cláudio da R. Avaliação do Centro Vianei de Educação Popular. Lages: [s.n.], jul. 1996. Mimeografado. [Documento de uso restrito].

ALMEIDA, Jalcione. Significados sociais da agroecologia e do desenvolvimento sustentável no espaço agrícola e rural do Sul do Brasil. Relatório CNPq, Porto Alegre: Programa de Pós- -Graduação em Sociologia/UFRGS, set. 1995.

ALMEIDA, Jalcione. A construção social de uma nova agricultura. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1999.

ALMEIDA, Jalcione. Tecnologia moderna versus tecnologia alternativa: a luta pelo monopólio da competência tecnológica na agricultura. Porto Alegre: Programa de Pós- -Graduação em Sociologia Rural/ UFRGS, abr. 1989. ( Dissertação de Mestrado).

ALMEIDA, Jalcione. Tecnologias agrícolas alternativas: nascimento de um novo paradigma?, Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 116-131, 1998.

ALMEIDA, Jalcione; NAVARRO, Zander. Reconstruindo a agricultura: idéias e ideais na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade/ /UFRGS, 1997.

ALTIERI, Miguel. Agroecology: the scientific basis of alternative agriculture. Boulder:

Westview Press, 1987.

ALTIERI, Miguel. Potencialidades da agroecologia para o desenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: PTA/FASE, 1988. (Documento, 16)

ASSESSORIA E SERVIÇOS A PROJETOS EM AGRICULTURA ALTERNATIVA. Estratégia e natureza da AS-PTA. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1990. (Datilografado).

BRANDENBURG, Alfio. Agricultura familiar, ONGs e desenvolvimento sustentável. Curitiba: Editora da UFPR, 1999.

BRANDENBURG, Alfio. Movimento agroecológico: trajetória, contradições e perspectivas. Curitiba: Departamento de Ciências Sociais/UFPR, 2002. (Mestrado em Sociologia e Programa de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR, 2002). Mimeografado.

COELHO, Vanessa P. Mediadores técnicos, tecnociência na agricultura e a definição legítima da problemática ambiental no campo tecnocientífico. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR), 2002. (Dissertação de Mestrado)

26

COSTA NETO, Canrobert. Reforma agrária agroecológica em assentamentos rurais sustentáveis: uma visão comparativa. Revista da ABRA, [S. l.: s.n.], v. 30, n. 1/ 2, p. 87-100, jan.-dez., 2000.

GLIESSMAN, Stephen R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000.

GUATTARI, Félix. Les trois écologies. Paris: Galilée, 1989.

JOLLIVET, Marcel (Dir.). Pour une agriculture diversifiée. Paris: L'Harmattan, 1988.

MORIN, Edgar. La méthode, 1: la nature de la nature. Paris: Seuil/Essais, 1977.

NAVARRO, Zander. Manejo de recursos naturais e desenvolvimento rural: um estudo comparativo em quatro estados brasileiros; relatório final. Porto Alegre: [s.n.], 1999. Mimeografado. (Versão preliminar).

PAULUS, Gervásio (Coord.); MULLER, André M.; BARCELLOS, Luis A. R. Agroecologia aplicada: práticas e métodos para uma agricultura de base ecológica. Porto Alegre:

EMATER-RS/Pró-Guaíba, dez. 2000.

SCHMITT, et al. Relatório de avaliação do CETAP: 10 anos. Porto Alegre: [s.n.], fev. 1997. Mimieografado. [Documento de uso restrito].

VEIGA,

Edusp/Hucitec, 1991.

José

Ely.

O

desenvolvimento

agrícola:

uma

visão

histórica.

São

Paulo: