Sei sulla pagina 1di 46

TPM Manutenção Produtiva Total

TPM

• A TPM é um modelo de gestão que busca a Eficiência máxima do sistema produtivo através da eliminação de perdas e do desenvolvimento do homem e sua relação com o equipamento.

TPM

A TPM surgiu no Japão, no século passado, no início da década de 70. Naquela época, empresas como a Toyota já estavam tentando criar sistema de fornecimento “just in time” , utilizando o mínimo de estoque, tanto de matérias primas quanto produto acabado.

TPM

Objetivos da TPM

Zero defeitos

Zero acidentes

Zero quebras/falhas

Inexistencia de Retrabalho ou ajustes

Ambiente de trabalho com segurança e conforto

TPM

A TPM tem quatro regras básicas:

Regra nº. 1 _ Todos os trabalhos devem ser detalhados de forma a não deixar qualquer dúvida em termos de conteúdo, seqüência, tempo e resultado esperado.

Regra nº. 2 _ Todas as interfaces cliente-fornecedor devem ser diretas e simplificadas de maneira que a resposta seja “sim ou não” para enviar solicitações e receber resposta, ou seja, não há margens para dupla interpretação.

TPM

Regra nº. 3 _ Todos os fluxos de produção devem ser simples e diretos.

Regra nº. 4 _ Todas as melhorias devem ser feitas de acordo com o método científico, sob a orientação e no nível hierárquico mais baixo possível dentro da organização.

Melhorias Individuais

Trabalho de Melhoria: Foco no PQCDSM

P

= Produtividade

Q

= Qualidade

C

= Custo

D

= Entrega

S

= Segurança

M = Moral

As 6 Grandes perdas

1 - Parada acidental

– Perda em função de uma falha do equipamento (quebra repentina)

– Perda em função de degeneração gradativa

2 - Set-up / regulagens

As 6 Grandes perdas

3 - Perdas por operação em vazio e pequenas perdas

– Trabalho em vazio provocado por gargalos nas etapas anteriores.

– Detecção de produto não conforme por sensores e conseqüente parada da linha de produção.

– Sobrecarga em algum equipamento ocasionando seu desligamento.

As 6 Grandes perdas

4 - Perdas por Queda de Velocidade de Produção:

– Desgaste localizado obriga a trabalhar com velocidade menor.

– Superaquecimento em dias quentes por deficiência de refrigeração requer funcionamento com redução de velocidade.

– Vibração excessiva, em algum equipamento da linha, a 100% de velocidade, mas tolerável a 75% de velocidade.

As 6 Grandes perdas

5 - Perdas por Produtos Defeituosos:

– São aquelas oriundas de qualquer retrabalho ou descarte de produtos defeituosos. Essa perda deve incluir tudo aquilo que foi feito além do programado.

6 - Perdas por Queda no Rendimento:

– Falha de matéria – prima.

– Instabilidade Operacional – Quando o processo fica instável ocorrem situações como perda de especificação de produtos e/ou redução da produção.

RENDIMENTO OPERACIONAL GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS - OEE

É a multiplicação de 3 fatores: Disponibilidade, Performance e Qualidade

Disponibilidade

Tempo disponível – tempo de paradas programadas

Performance

Tempo disponível

Tempo de operação

Tempo disponível

Qualidade

Quantidade de peças boas

Quantidade de peças produzidas

8 PILARES DO TPM

8 PILARES DO TPM

8 PILARES DO TPM

Melhorias individualizadas

Manutenção autonôma

Manutenção planejada

Educação e treinamento

Controle inicial ( Planejamento da Manutenção)

Manutenção da qualidade

TPM Office ( área administrativa)

TPM ECO (ecologia, ambiente)

1- Melhorias individualizadas

Promoção de atividades de equipe e de pequenos grupos no local de trabalho.

Incorporação das melhorias:

Selecionar equipamentos modelo (piloto)

Organizar equipes de trabalho

Levantamento das 6 grandes perdas anuais

Definição de prioridades

Definição das metas

Atacar as 6 grandes perdas

Implementar as melhorias

Analisar os resultados

2- Manutenção autônoma

Fundamentos da Manutenção autônoma:

O operador “adota”a sua máquina

“Da minha máquina cuido EU! “

“Deixar o operador assumir a responsabilidade.”

Educação e treinamento dos operadores

Desenvolver novas habilidades para o desempenho de funções adicionais.

Conscientizar da necessidade disto.

Manutenção autônoma

7 passos para a Manutenção Autônoma

1º passo. Limpeza Inicial; 2º passo. Eliminação das fontes de sujeira e locais de difícil acesso; 3º passo. Elaboração de normas provisórias de limpeza, inspeção e lubrificação; 4º passo. Inspeção geral; 5º passo. Inspeção autônoma; 6º passo. Padronização; 7º passo. Gerenciamento autônomo.

Inspeção geral; 5º passo. Inspeção autônoma; 6º passo. Padronização; 7º passo. Gerenciamento autônomo.

3- Manutenção Planejada

Objetivos da Manutenção Planejada:

-Planejar a manutenção corretiva e preventiva, otimizando os recursos disponíveis e sem correr riscos de quebras inesperadas.

3- Manutenção Planejada

Sete passos para a Manutenção planejada

1º passo Análise da diferença entre condições ideais e a condição atual 2º Passo Melhoria dos métodos atuais 3º Passo Preparação dos procedimentos de manutenção 4º Passo Medidas para estender a vida útil e controlar as inconveniências 5º Passo Melhoria da eficiência da inspeção e diagnóstico 6º Passo Diagnóstico geral dos equipamentos 7º Passo Uso do equipamento até o seu limite seguro

4- Educação & Treinamento

O objetivo do pilar Educação & Treinamento é promover um sistema de capacitação de todas os colaboradores, tornando-os aptas para o pleno desempenho de suas atividades e responsabilidades, dentro um clima transparente e motivador.

aptas para o pleno desempenho de suas atividades e responsabilidades, dentro um clima transparente e motivador.

4- Educação & Treinamento

Sete passos para Educação & Treinamento

1º passo Determinação do perfil ideal dos Operadores e Mantenedores. 2º passo Avaliação da situação atual e determinação dos desvios existentes. 3º passo Elaboração do plano de Educação & Treinamento para Operadores e Mantenedores. 4º passo Implantação do plano de Educação & Treinamento. 5º passo Estabelecimento de um sistema de avaliação do aprendizado. 6º passo Criação de um ambiente de auto-desenvolvimento. 7º passo Avaliação das atividades e estudo de métodos para atividades futuras

5- Controle Inicial

Para novos produtos e equipamentos

Podemos entender como fase inicial as etapas que compreendem desde a fase de especificação até a fase de partida

Podemos entender como fase inicial as etapas que compreendem desde a fase de especificação até a

6- Manutenção da Qualidade

A redução dos defeitos ocorre naturalmente, como reflexo das melhorias feitas nos equipamentos.

A partir desse momento, o desenvolvimento das atividades do pilar manutenção da qualidade se torna necessário para dar continuidade à redução dos defeitos.

das atividades do pilar manutenção da qualidade se torna necessário para dar continuidade à redução dos

6- Manutenção da Qualidade

Sete passos da Manutenção da Qualidade

1ª Etapa Levantamento da Situação Atual da Qualidade. 2ª Etapa Levantamento dos Problemas. 3ª etapa Análise da Causas 4ª etapa Eliminação da Causas 5ª etapa Estabelecimento das Condições Livres de Defeitos 6ª etapa Controle das Condições Livres de Defeitos 7ª etapa Melhoria das Condições Livres de Defeitos

6- Manutenção da Qualidade

Q

Q

produto = Q equipamento + Q homem + Q processo +Q material

assegurada=

Manutenção autônoma
Manutenção
autônoma
Educação e Melhorias treinamento individualizadas
Educação e
Melhorias
treinamento
individualizadas
+Q material assegurada= Manutenção autônoma Educação e Melhorias treinamento individualizadas Desperdícios

Desperdícios

7- TPM OFFICE

Desperdícios com atividades que não garantem valor

Desperdícios nos fluxos de informações

Formulários inadequados

Procedimentos demorados

Relatórios desnecessários

Desorganização e demora no acesso às informações

Desperdícios no uso de equipamentos

Uso inadequado

Equipamentos danificados e/ou mal preparados

Falta de treinamento

8- TPM ECO

Zero acidentes

Zero doenças ocupacionais

Zero danos ambientais

Sete passos da TPM ECO

8- TPM ECO

1º Passo Identificação de Perigos, Aspectos, Impactos e Riscos; 2º Passo Eliminação de Perigos e Aspectos; 3º Passo Estabelecimento do sistema de controle de Impactos e Riscos; 4º Passo Treinamento em Segurança, Saúde e Meio-ambiente; 5º Passo Inspeções de Segurança; 6º Passo Padronização; 7º Passo Gestão Autônoma.

Etapas para implementação do TPM

A implantação do TPM é feita normalmente em 12 etapas.

Cada etapa será mostrada a seguir.

ETAPAS DO TPM

1ª Etapa: Anúncio da adoção do TPM para organização

Início da fase de preparação;

Etapa fundamental;

Decisão tomada pela diretoria.

ETAPAS DO TPM

2ª Etapa: Campanha de informação sobre o TPM

Divulgação e esclarecimento;

Treinamento introdutório ao TPM;

Engloba desde a alta direção até os operários;

Uniformização das informações.

ETAPAS DO TPM

3ª Etapa: Criação de uma estrutura de promoção do TPM

Estruturar o sistema organizacional;

Criação de um comitê;

Atividades em grupos.

ETAPAS DO TPM

4ª Etapa: Definição das linhas de ação e objetivos a atingir

Objetivo, meta e prazo;

Conhecer a situação vigente;

Delinear pontos críticos.

ETAPAS DO TPM

5ª Etapa: Elaboração do plano diretor para implantação do TPM.

Cronograma

- Nível Geral

- Nível Departamental

- Tempo Dispensado x Melhora Desejada

- Ação Planejada x Ação Realizada

ETAPAS DO TPM

6ª Etapa: Início do programa de TPM.

Implantação do programa.

- Cerimônia inicial.

- Apresentação oficial do PD.

“Zerar” as 6 grandes perdas nos equipamentos.

- Conhecimentos técnicos/ habilidades.

- Envolvimento de todo quadro operacional.

ETAPAS DO TPM

7ª Etapa: Melhoria em máquinas e equipamentos.

Escolha de uma área piloto para estudos.

- envolver Eng.Processos, Manutenção, Líderes da Área e Operadores.

- Histórico de Paradas.

- Considerar as 6 Grandes Perdas.

- Expandir os Conhecimentos Adquiridos.

- Primeiros Resultados.

ETAPAS DO TPM

8ª Etapa: Estruturação da Manutenção Autônoma.

Promover a disseminação do conceito:

“Da minha máquina cuido eu.”

Realizar programas de treinamento.

Sete passos para manutenção autônoma:

-Limpeza inicial, combate às inconveniências e aos locais de difícil acesso, elaboração dos padrões de lubrificação e limpeza, inspeção geral, inspeção voluntária, organização e consolidação da manutenção voluntária.

ETAPAS DO TPM

9ª Etapa: Otimização da gestão de manutenção

Serviços de manutenção devem ser aprimorados

Planejamento estratégico de manutenção (rotinas de preventiva, lubrificação, etc)

Elaboração de procedimentos de manutenção

Utilização de princípios de manutenção preditiva

Otimização da gestão de peças reservas

Contratação de serviços especializados ou de apoio

Otimização de ferramentas, equipamentos e dispositivos de manutenção

Planejamento e execução de paradas programadas

ETAPAS DO TPM

10ª Etapa: Formação complementar de manutenção

Consiste em aumentar a capacitação dos funcionários em suas áreas, através de treinamentos

Operadores: elevação da capacitação operativa e em manutenções autônomas

Manutenção: conhecimentos técnicos específicos adicionais

Enriquecimento do trabalho do funcionário

Aumento da credibilidade da empresa

Motivação dos trabalhadores

ETAPAS DO TPM

11ª Etapa: Sistema de gestão do equipamento

Deve-se avaliar o ciclo de vida completo dos equipamentos, desde o seu projeto ao seu sucateamento

Projetar produtos visando bom processamento

Desenvolver máquinas prevenindo possíveis defeitos

Manter boas condições de trabalho, afiação de ferramentas, lubrificações, etc

Realizar manutenções planejadas

Implantar melhorias no processo produtivo

ETAPAS DO TPM

11ª Etapa: Sistema de gestão do equipamento

Participação de todos os setores envolvidos:

Manutenção

Engenharia de Processos

Produção

Utilizar conhecimentos adquiridos em processos anteriores

ETAPAS DO TPM

12 ª Etapa: Definição do programa final de TPM

Avaliação dos resultados obtidos após consolidação da TPM

Consolidação das atividades de melhoria

Consolidação da postura do operador para a manutenção autônoma

Definição das novas diretrizes e metas da empresa, de maior magnitude

Realização de auditorias

FICHA – TPM PRODUÇÃO

KMAB Nº
KMAB

T P M

Produção

Prioridade

A B C
A
B
C

Setor

Equipamento

Data

Horário

C.C

Solicitante

Descrição do Problema

Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema

1º Via – Quadro de TPM

2º Via - Máquina

Data Início de Duração Reparo Serviço realizado por Descrição do Serviço
Data
Início de
Duração
Reparo
Serviço realizado por
Descrição do Serviço

Monitor de Linha

FICHA - TPM MANUTENÇÃO

KMAB Nº
KMAB

T P M

Manutenção

Prioridade

A B C
A
B
C

Setor

Equipamento

Data

Horário

C.C

Solicitante

Descrição do Problema

Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema
Descrição do Problema

1º Via –Manutenção

2º Via – Quadro de TPM

Data
Data
Início de
Início de

Reparo

Duração
Duração

Técnico de Manutenção

Descrição do Serviço Monitor de Linha
Descrição do Serviço
Monitor de Linha

CONCLUSÃO

A TPM:

Começa no chão de fábrica e enriquece o trabalho do colaborador

Implementa-se através de atividades sobrepostas de pequenos grupos (times)

Tem capacidade multiplicadora extraordinária - consistência

Valoriza o homem e se propaga pelo exemplo

Produtividade > 1,5 a 2 x

Ocorrência falhas imprevistas 1/10 a 1/250

Custo produção: redução de até 30%

Estoque de produtos : redução até 50%

Paradas por acidente : zero

Poluição: zero

Sugestões de melhoria: aumento de 5 a 10 x

FIM