Sei sulla pagina 1di 8
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

AULA PRÁTICA 4

SISTEMAS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS

Y -

Bárbara Júlia de Oliveira

12.1.8482

Breno Dias

13.2.8627

Caroline Ohana

12.1.8237

Douglas Amaral

11.2.8041

Naiara Gonçalves

12.1.8465

João Monlevade, 26 de janeiro de 2016

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

1. INTRODUÇÃO

Uma Fonte Trifásica é constituída de três fontes de tensões iguais defasadas 120° uma da outra. Abaixo temos representado de maneira esquemático como os enrolamentos de um gerador trifásico se apresentam.

como os enrolamentos de um gerador trifásico se apresentam. Figura 1:Enrolamento de um gerador trifásico Os

Figura 1:Enrolamento de um gerador trifásico

Os terminais destes enrolamentos são ligados para diminuir o número de linhas necessárias para as conexões em relação às cargas. Desta maneira podem-se ter dois tipos de ligações que são denominadas ligação em Y e ligação em ∆. No circuito com ligação em Y, temos representado abaixo o esquema de ligações que deve ser realizado com os enrolamentos do sistema trifásico para obter uma conexão em Y.

realizado com os enrolamentos do sistema trifásico para obter uma conexão em Y. Figura 2: Enrolamento

Figura 2: Enrolamento trifásico em Y

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

Quando um gerador tem seus enrolamentos ligados em Y, as tensões de linha ( são diferentes as tensões de fase ( e as correntes de linha ( ) são iguais das correntes de fase ( Na representação abaixo temos como é a nomenclatura que é utilizada para as tensões e correntes no circuito em Y.

é utilizada para as tensões e correntes no circuito em Y. Figura 3: Nomenclatura sistema trifásico

Figura 3: Nomenclatura sistema trifásico em Y

No circuito em Y, as tensões de linha são iguais as tensões de fase multiplicadas por raiz de três. Na figura abaixo, é representado o esquema de ligações que deve ser realizado com os três enrolamentos do gerador para que se obtenha uma conexão em ∆.

do gerador para que se obtenha uma conexão em ∆. Figura 4: Enrolamento de um sistema

Figura 4: Enrolamento de um sistema trifásico em ∆

Quando um gerador tem seus enrolamentos ligados em ∆, as tensões de linha ( são iguais as tensões de fase ( e as correntes de linha ( ) são diferentes das correntes

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

de fase ( Temos abaixo como se representa a nomenclatura que é utilizada para as tensões e correntes no circuito ∆.

é utilizada para as tensões e correntes no circuito ∆. Figura 5: Nomenclatura sistema trifásico em

Figura 5: Nomenclatura sistema trifásico em ∆

2. OBJETIVOS

Utilizar o conhecimento sobre sistemas trifásicos em circuitos com ligação em Y e

ligação em ∆ a fim de comprovar os conceitos teóricos experimentalmente.

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3.1 Diagramas de Circuito

experimentalmente. 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 Diagramas de Circuito Figura 6 – Diagrama de circuito da

Figura 6 Diagrama de circuito da prática 4

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

3.2 Materiais

Fonte de alimentação trifásica

Cargas RLC trifásicas

Amperímetro alicate

Voltímetro

3.3 Métodos

Dado o sistema de circuito equilibrado da figura 6 sendo Za, Zb ,Zc capacitores

de valores iguais de 41,1 µF foi, primeiramente calculado os valores de Ia, Ib, Ic e as

tensões de fase Van e Vbn. Para isso vamos transformação a ligação delta da carga

em estrela (Y).

= = =

=

377 ∗ 41,1 ∗ 10 6

= = = −64,54

= = =

= −64,54

3

3

= = = − 21,51

Feito isso, calcula-se a corrente Ia segundo o circuito da figura 7. Ao encontra

essa corrente é possivel encontrar a Ib e Ic.

da figura 7. Ao encontra essa corrente é possivel encontrar a Ib e Ic. Figura 7

Figura 7 Circuito para calcular corrente Ia

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

=

127

 

=

−21,51 = 5,9

= 5,9∠90°

= ∠ − 120 → = 5,9∠ − 30°

O

= 5,9∠240°

= 127∠0°

= 127∠ − 120°

próximo passo foi calcular as tensões de linha Vab e Vbc.

= 3 ∠30° → = 219,97∠30°

= ∠ − 120° = 219,94∠30° − 120°

O

= 219,94∠ − 90

último cálculo realizado foi encontrar as correntes de fase, Ia’b’, Ib’c’ e Ic’a’,

nos terminais da carga. As correntes de fase das cargas podem ser calculadas

diretamente pelas correntes de linha.

=

√3 ∠30° → = 5,9 ∠90 + 30°

√3

= 3,41∠120°

= ∠ − 120 = 3,41∠120° − 120°

= 3,41∠0°

= ∠ − 120 = 3,41∠120° + 120°

= 3,41∠240°

Após realizados os cálculos, foi montado o circuito da figura 1 na bancada.

Utilizando um amperímetro alicate e um voltímetro, todos os valores cálculos foram

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

também medidos experimentalmente e comparados. As tabelas com os valores medidos e calculados encontram-se no tópico seguinte (resultados e discussão).

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Com os resultados anteriores, foi montada uma tabela comparativa para os valores encontrados para as correntes de linha e de fase e as tensões de fase e de linha para o circuito ligado em delta. Como o sistema é equilibrado, as correntes de linha Ia, Ib e Ic são idênticas em módulo, diferindo apenas em fase; o mesmo ocorre com as tensões simples, ou tensões de fase e as correntes de fase e de linha. Diferentemente da prática anterior, onde tinha-se uma a carga ligada em estrela (Y), nesta prática foi decido encontrar os parâmetros requeridos pela prática pelo segundo método possível: através da análise da carga em triângulo, ou delta.

Tabela Comparação entre os valores medidos e calculados do circuito Y-Delta

 

SISTEMA EQUILIBRADO

 

Unidade

Ampere (A)

 

Volt (V)

 

Ampere (A)

VALORES

|IaA|

|IbB|

|IcC|

|Van|

|Vbn|

|Vab|

|Vbc|

|Ia’b’|

|Ib’c’|

|Ic’a’|

CALCULADOS

5.90

5.90

5.90

127

127

220

220

3.40

3.40

3.40

MEDIDO

5.76

5.94

5.90

127

129

223

221.9

3.27

3.51

3.24

Como era esperado, a pouca diferença notada entre o valor calculado e o valor medido se deve aos erros associados com os valores utilizados no equipamento do laboratório, provavelmente o capacitor.

UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
ICEA – Instituto de Ciência Exatas e Aplicadas
Campus Joao Monlevade
Disciplina CEA 563 – Circuitos Elétricos II

5. CONCLUSÃO

Nesta prática, foram desenvolvidos sistemas nos quais as cargas trifásicas não são iguais. Cargas trifásicas diferentes são chamadas cargas desequilibradas. Para cada uma das configurações foram apresentadas as equações necessárias à solução do circuito. A resolução de um circuito com uma carga desequilibrada ligada em ∆ consistiu em calcular as correntes de fase IAB, IBC e ICA. As correntes de fase das cargas foram calculadas diretamente pelas correntes de linha. Para as tensões de fase Van e Vbn, conhecendo-se a tensão no início da linha, a solução deste circuito foi transformar a carga em triângulo por uma carga equivalente ligado em estrela, e resolver como uma carga em estrela sem o fio neutro. Os erros tiveram a margem de 2,37% IIaAI, 0,67% IIbBI, 1,57% IVbnI, 136% IVabI, 086% IVbcI, 3,82% IIa’bI, 3,23% IIb’cI, 4,7% IIc’aI. Os demais IIccI , IVanI, Foi observado neste relatório que os resultados foram próximos e aceitáveis comparando os valores medidos e calculados . Pode-se concluir a prática sem muitas dificuldades.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1]

NILSSON, J. W.; RIEDEL, S. A. Circuitos Elétricos. 8ª edição. São Paulo:

Pearce Prentice-Hall, 2009. 564 p.

[2]

ALEXANDER, C. K.; SADIKU, M. N. O. Fundamentos de Circuitos Elétricos. 4ª edição. São Paulo: McGraw-Hill, 2008. 550 p.