Sei sulla pagina 1di 12
JORNAL DA ALERJ A S S E M B L E I A L E
JORNAL DA ALERJ
A S S E M B L E I A
L E G I S L AT I VA
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Ano XV N° 330 – Rio, 01 a 15 de outubro de 2017
Carta 9912377392/2015-DR/RJ ALERJ COMUNICAÇÃO SOCIAL
Carta
9912377392/2015-DR/RJ
ALERJ
COMUNICAÇÃO SOCIAL

na Novidade praça

Nova lei que prorroga isenção de ICMS até 2019 estimula renovação da frota de táxis no estado

PÁGINAS 4 e 5

Foto: Thiago Lontra

Frases

Casos de racismo têm se repetido, inclusive nos estádios. Os clubes também devem ajudar a
Casos de racismo têm se repetido,
inclusive nos estádios. Os clubes também
devem ajudar a coibir esses atos
Deputado Jânio Mendes (PDT), sobre o projeto que pune os
clubes por racismo cometido por torcidas
Foto: LG Soares
É a muito importante que, desde cedo, criança tenha conhecimento sobre o ECA, para sua
É a
É
a

muito importante que, desde cedo,

criança tenha conhecimento sobre o

ECA, para sua segurança e proteção

Deputado Benedito Alves (PRB), sobre projeto que obriga escolas a terem exemplar do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Redes Sociais

David Miranda @davidmirandario

David Miranda @davidmirandario

Postado em 22/9/2017

Vem que

ta bonito!

Concentração do ato contra a LGBTfobia em frente a Alerj! Não há cura para o que não é doença!

Vem que ta bonito! Concentração do ato contra a LGBTfobia em frente a Alerj! Não há

Ariana @dudaliras

Ariana @dudaliras

Postado em 25/9/2017

A ALERJ toda tá aqui na UEZO hoje um marco

*As mensagens postadas nas redes sociais são publicadas sem edição de conteúdo.

Expediente

Expediente Presidente - Jorge Picciani 1º Vice-presidente - Wagner Montes 2º Vice-presidente - André Ceciliano 3º

Presidente - Jorge Picciani

1º Vice-presidente - Wagner Montes 2º Vice-presidente - André Ceciliano 3º Vice-presidente- Marcus Vinicius 4º Vice-presidente - Carlos Macedo 1º Secretário - Geraldo Pudim 2º Secretário - Samuel Malafaia 3º Secretário - Fábio Silva 4º Secretário - Pedro Augusto 1 o Suplente - Zito 2 o Suplente - Bebeto 3º Suplente- Renato Cozzolino 4º Suplente- Márcio Canella

JORNAL DA ALERJ Publicação quinzenal da Subdiretoria-Geral de Comunicação Social da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro

Jornalista responsável: Daniella Sholl (MTB 3847) Editora: Mirella D'Elia Coordenação: André Coelho e Jorge Ramos Equipe: Buanna Rosa, Camilla Pontes, Gustavo Natario, Isabela Cabral, Octacílio Barbosa, Tainah Vieira, Thiago Lontra, Symone Munay e Vanessa Schumacker Edição de Arte: Daniel Tiriba e Rodrigo Cortez Editor de Fotografia: Rafael Wallace Secretária da Redação: Regina Torres Estagiários: Carolina Moura, Danilo Gabriel (redes sociais), Elisa Calmon, Leon Lucius, Luís Gustavo (foto) e Thiago Oliveira (redes sociais)

Impressão: Imprensa Oficial Tiragem: 1,4 mil exemplares Telefones: (21) 2588-1404 / 1383 Rua Primeiro de Março s/nº, sala 406 Palácio Tiradentes - Centro Rio de Janeiro/RJ - CEP 20.010-090 Site: www.alerj.rj.gov.br Email: dcs@alerj.rj.gov.br Twitter: @alerj Facebook: @AssembleiaRJ Instagram: @instalerj Capa: Lucas Moritz (foto)

2

Rio, 01 a 15 de outubro de 20172

Alerj pelo interior

Symone munay

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Explosão de cores

P arece até cenário de filme: um conjunto de 22 cavernas, numa extensão de cerca de 10 mil m², salões com mais de 30 metros de altura. Com direito a um mergulho em águas

cristalinas. As Grutas de Caulim ficam mais perto do que muita gente imagina. Mais especificamente no bairro de Santa Izabel, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Elas estão localizadas dentro do terreno da Fa- zenda Santa Edwiges, construída em 1687, mas são abertas ao público. Basta disposição para encarar uma caminhada de cerca de duas horas até a praça de Santa Izabel, ponto de partido da aventura. O esforço vale a pena. As cavernas se desenvolveram com a escavação de rocha calcária para a exploração de caulim, mi- neral usado na produção de porcelana e tintas. "Esta beleza é uma extensão da minha casa", conta Vania Lobo, que conhece o local desde a infância. Hoje, ela se dedica a acompanhar grupos pela trilhas, de graça. "A recompensa é a água que brota do fundo das grutas, nas cores verde e azul turquesa.”

Foto: Octacílio Barbosa

Ativismo

Quando cor e classe matam

No Brasil, negros têm 2,6 vezes mais chances de serem assassinados do que brancos

“É necessário lembrar que somos todos iguais perante a lei. Independentemente de morar ou não na favela”

Jorge Roberto Lima, pai de jovem morto

eliSa Calmon

N o dia 28 de novem- bro de 2015, a vida de cinco jovens de Costa Barros, bairro da Zona

Norte da capital fluminense, foi inter- rompida por 111 disparos de policiais militares. Wilton, Wesley, Cleiton e Carlos Eduardo, que tinham entre 16 e 25 anos, saíram para comemorar o primeiro salário de Roberto, caçula do grupo, como auxiliar de supermercado. Os jovens, confundidos com ladrões, tinham em comum, além de serem moradores do segundo bairro mais pobre do Rio, o fato de serem negros. A cor da pele é fator determinante na execução de jovens no Brasil, con- forme indicam os números do Atlas da Violência de 2017. A cada cem pessoas assassinadas no país, 71 são negras, segundo o estudo. O risco relativo de ser assassina- do é 2,6 vezes maior para um jovem negro do que para um branco ou de outra etnia. Para Jorge Roberto Lima, de 52 anos, pai de Roberto (ao lado), a formação da Po- lícia Militar interfere dire- tamente nos índices de violência. “Precisamos mudar a forma precon- ceituosa de atuação da PM. Quando ela está na Zona Sul, age de uma for- ma. Do lado de cá, se comporta de outra. É preci- so lembrar que somos todos iguais perante a lei. Indepen- dentemente de morar ou não na favela, temos que

ter o mesmo trata-

mento e direito”, diz ele. Quase dois anos após a morte do filho, Jorge Ro- berto não viu a justiça ser cumprida. Os policiais responsáveis pela execu- ção continuam sem julgamento: eles foram soltos em junho de 2016, após sete meses presos.

Diálogo para salvar vidas Este desabafo emocionado de Jorge Roberto silenciou o auditório Senador Nelson Carneiro, durante uma audiên- cia pública promovida pela Alerj, em 13 de setembro, para discutir maneiras de impedir que casos como esse conti- nuem a ocorrer. O encontro, promovido pelas Comissões de Política Urbana, de Combate às Discriminações, de Direitos Humanos e de Segurança Pública, contou com a participação de movimentos sociais, representantes do

Executivo e também da Polícia Militar.

O principal encaminhamento da

audiência foi a criação de um fórum permanente de diálogo sobre política

urbana nas favelas. O órgão se reunirá mensalmente, com parlamentares e representantes de movimentos ligados às comunidades. Autora da proposta,

a deputada Zeidan (PT), presidente da

comissão de Política Urbana, acredita

que a medida poderá ajudar a combater

o desrespeito aos direitos de moradores dessas áreas. "Será uma oportunidade para que a voz dessa população seja ouvida e reconhecida na Alerj, a fim

de corrigir distorções na igualdade de direitos", explica a deputada.

O coronel da PM Anderson Maciel

também defendeu o debate do tema

com os setores envolvidos. “É impor- tantíssimo termos um diálogo aberto para que possamos entender melhor

o que está acontecendo. Precisamos

evitar falas calorosas e visões extremas

e buscar caminhos que nos levem a um futuro melhor”, diz o coronel.

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017 3

3

Capa

Incentivo para renovar a frota

Alívio: lei aprovada na Alerj prorroga até 2019 prazo para que taxistas possam trocar de veículo com isenção de ICMS

4

4 Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

leon luCiuS e eliSa Calmon

A concorrência acirrada, que chegou a reboque dos aplicativos de transporte particular, como Uber e Cabify – que baratearam as viagens com

promoções diárias –, fez despencar a clientela dos táxis comuns no Rio. Motoristas se defendem. Dizem que preci- sam cobrar mais caro por causa da quantidade de taxas e documentos necessários para rodar na praça, que superam os dos motoristas de aplicativos – não previstos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Agora, os condutores dos tradicionais carros amareli- nhos terão um alívio no bolso e um incentivo para ajudar a incrementar o crescimento do setor em tempos de crise no estado. Os

taxistas voltam a ter isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Ser- viços (ICMS) ao fazerem a troca de seus veículos a cada três anos. A determinação

está prevista na Lei 7.664/17, que prorrogou o prazo da medida original, sancionada em 1995, até o final de 2019. “Eu trabalho 20 horas por dia porque não há mais passageiros, mas a culpa não é deles:

o povo quer pagar barato. Como a gente vai levar nosso ganha-pão para casa?”, desabafa Francisco Thompson, taxista que participou de um protesto contra os aplicativos de transporte, em frente ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), no dia 19 de setembro. Autor da lei, o deputado Dionísio Lins (PP) explica que ela vale para carros de fabricação nacional e vai ajudar a categoria

a ganhar competitividade na disputa com

os motoristas particulares: “A frota de táxi do Rio é uma das melhores do país. Agora,

o taxista terá mais incentivo para renovar

seu veículo e garantir um serviço melhor". A medida modifica a Lei 2.398/95, que concedia a isenção do imposto para taxistas comprarem veículos novos, de fabricação nacional, a cada 24 meses. O prazo dessa isenção, porém, acabou em dezembro de 2016.

35% de redução no preço com isenção do ICMS 19 6,3 mil reais a menos
35%
de redução no
preço com isenção
do ICMS
19
6,3
mil reais a menos na
compra de um Voyage,
popular entre os
taxistas
mil reais de economia
por ano, considerando
a troca do veículo a
cada três anos
ano, considerando a troca do veículo a cada três anos “Trabalho 20 horas por dia, mas

“Trabalho 20 horas por dia, mas a culpa não é dos passageiros: o povo quer pagar barato”

Francisco Thompson, taxista

Fotos: Octacílio Barbosa
Fotos: Octacílio Barbosa

“Com essas medidas, a gente consegue diminuir o nosso gasto. Isso nos ajuda muito”

Margarete Costa, taxista

Outros descontos Além do ICMS, que representa 12% do valor do veículo, os taxistas ainda contam com a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e de benefícios concedidos pela empresa automobilística. Somados, esses descontos podem chegar a até aproximadamente 35%, a depender da montadora. Apaixonada pela função que exerce há décadas, Mar- garete Costa, de 65 anos, destacou a importância desses descontos para a sobrevivência da categoria. “Com essas medidas, a gente consegue diminuir o nosso gasto. Isso nos ajuda muito”, declara. Segundo o presidente do Sindicato de Motoristas de Empresas e Auxiliares de Táxis do Estado do Rio (Simea- taerj), Antonio Olivero, a expectativa, com a nova lei, é de melhora para o profissional e, em consequência, para o bolso do passageiro. “Toda isenção que há na aquisição de um veículo gera um fluxo maior de caixa porque o gasto é menor. Nos três anos em que ele ficar com o veículo, isso pode gerar uma taxa de aquisição muito mais barata, repassando essa diferença para o seu cliente”, explica.

VAGÃO FEMININO

Multa para quem desrespeitar a lei

Foto: Thiago Lontra

Multa para quem desrespeitar a lei Foto: Thiago Lontra Agora vai doer no bolso. O Executivo

Agora vai doer no bolso. O Executivo regulamen- tou a Lei 7.250/16, que criou vagões exclusivos para mulheres nos vagões de trem e metrô em horários de

pico. A fiscalização caberá à Polícia Militar. Infratores serão notificados na primeira vez, ficando sujeitos a multa a partir da segunda infração. O valor vai de 57,90 a 361,37 UFIRs-RJ (entre R$ 184,70 e R$ 1.152,77), variando em caso de reincidência. "As concessionárias também serão multadas, caso não promovam campanhas educativas e usem os avisos sonoros", lembra a deputada Martha Rocha (PT), autora da lei junto com o deputado Jorge Picciani (PMDB). Os vagões exclusivos só podem ser utilizados por mulheres, sejam elas cisgêneras ou transgêneras, aquelas que se identificam com o gênero oposto ao associado ao órgão sexual. Os horários de fiscalização acontecerão nos dias úteis, de 6h às 9h, e de 17h às 20h. Quando não houver divisão entre os vagões, será considerada infração permanecer no carro exclusivo no trajeto entre pelo menos duas estações. A ourives Glenda Newman, de 28 anos (foto), que anda de metrô todos os dias, sempre escolhe o vagão feminino. “Me sinto mais segura”, afirma. “A multa vai ajudar a coibir a ação dos malandros que ainda tentam entrar no vagão feminino quando não é permitido.” As exceções são crianças do sexo masculino me- nores de 12 anos, homens portadores de necessidades especiais ou que acompanhem mulheres portadoras de necessidades especiais, agentes de segurança das concessionárias de transporte e policiais fardados. O prazo para implantação das normas é de até seis meses. A concessionária que administra o metrô infor- ma que vai continuar orientando os homens a não usar

o vagão feminino, por meio de rondas de seguranças,

avisos sonoros e postagens nas redes sociais. Do total arrecadado com as multas, 70% vão para o Fundo Especial da Polícia Militar do Rio (Funespom), e

30% para o Fundo Especial da Polícia Civil (Funespol).

O valor será direcionado às Delegacias Especializadas

no Atendimento à Mulher.

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017 5

5

Foto: Rafael Wallace

Cultura

Garotada conhece o Tiradentes: alunos do CAp Uerj reabriram as visitas escolares, que foram retomadas em setembro

Eles voltaram!

Palácio Tiradentes retoma programação cultural e volta a receber visitas guiadas de alunos e turistas

Symone munay e Carolina moura

D epois de nove meses fechado, por causa de obras e de um longo período de manifesta-

ções violentas que obrigaram a Alerj a instalar grades no seu entorno, o Palácio Tiradentes retomou sua pro- gramação cultural e reabriu as portas ao público no dia 11 de setembro. Em menos de um mês, mais de 500 pessoas visitaram o local. Os estudantes do 5° ano do Colégio de Aplicação da Universidade do Es- tado do Rio de Janeiro (CAp-Uerj), no Rio Comprido, Zona Norte da capital foram os primeiros a participar da

visita à exposição permanente Palá-

6

6 Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

cio Tiradentes: Lugar de Memória do Parlamento Brasileiro. Segundo a subdiretora-geral de Cul- tura, Fernanda Figueiredo, a fachada restaurada do prédio, de 1926, reforça o papel do Tiradentes como um museu vivo, encravado no Centro histórico do Rio. "O público pode conhecer fatos históricos e da arquitetura, além de ter acesso ao plenário", explica. “É importante essa relação do que se lê e aprende na escola com o patri- mônio material que temos no país. É necessário que os estudantes andem pelas ruas da nossa cidade e entendam os marcos históricos”, diz a professora Cláudia Andrade, que guiava o grupo.

Multimídia Um processo administrativo que está em trâmite na Casa pretende mo- dernizar a exposição permanente com ações multimídia e de acessibilidade. O objetivo é tornar a visita guiada mais dinâmica, trazendo conteúdos em vídeo e áudio – em português, inglês e espanhol –, para intensificar a interação com o público. "A memória política muda todos os dias. É importante ter uma platafor- ma atualizada que acompanhe o que acontece no dia a dia da Alerj. Uma das ideias é ter um painel no final da exposição que mostre, por exemplo, a ordem do dia", explica Fernanda.

3 PERGUNTAS PARA: Fernanda Figueiredo Subdiretora-geral de Cultura da Alerj Depois de tanto tempo sem
3 PERGUNTAS PARA:
Fernanda Figueiredo
Subdiretora-geral de Cultura da Alerj
Depois de tanto tempo sem
atividades culturais, quais
são os projetos que você des-
tacaria daqui em diante?
Nós queremos transformar as es-
cadarias do Palácio Tiradentes
em um novo espaço de interação
cultural. Cariocas, fluminenses e
turistas brasileiros e estrangei-
ros precisam saber que, além da
política, esse é um ambiente de
cultura e entretenimento.
E
como colocar isso em prática?
Por meio de exposições ao ar livre
e eventos nos moldes do Primavera
Literária, por exemplo, em que
montamos uma biblioteca e possi-
bilitamos o público trocar livros.
(foto ao lado) A ideia é trocar um
livro que você já tenha lido por um
que gostaria de ler. Esse evento
será semanal, até dezembro.
É
possível transformar o Pa-
Foto: Thiago Lontra
lácio Tiradentes, uma referên-
cia da política nacional, em
espaço de entretenimento?
Sim, estamos trabalhando para
isso. O Tiradentes foi – e ainda
é
– palco de acontecimentos
históricos e abriga parte da me-
mória do população fluminense
e
dos brasileiros. Moradores e
visitantes precisam ter acesso
ao seu acervo arquitetônico e
artístico e à sua história.
EXPOSIÇÃO Foto: Thiago Lontra De portas abertas para a arte e a cultura Foto: Rafael
EXPOSIÇÃO
Foto: Thiago Lontra
De portas abertas
para a arte e a cultura
Foto: Rafael Wallace
Inserida no corredor cultural
do Rio de Janeiro e tombada pelo
Instituto do Patrimônio Histórico e
Artístico Nacional (Iphan), a sede da
Assembleia Legislativa do Estado
do Rio de Janeiro (Alerj) também
voltou a promover eventos de arte
lazer com acesso gratuito à popu-
lação. A retomada das atividades
culturais foi em 19 de setembro,
com a exposição Além do Olhar, do
e
artista Rodrigo Andriàn. A mostra,
que conta com 35 quadros, ocupará
salão nobre e o corredor do terceiro
andar do prédio até 19 de outubro.
o
Primavera Literária: obras à dis-
posição do público nas escadarias
A
entrada é franca.
O trabalho faz uma retrospecti-
va
dos últimos dez anos de carreira
de Andriàn. "Essa exposição se
chama Além do Olhar porque a
minha obra é aberta: o público
me ajuda a construir a obra com
"Adorei os as cores fortes e as for-
mas abstratas. O interior do palácio
também é lindo. É minha primeira
vez no Rio e com certeza vou voltar."
as
suas diferentes interpretações",
conta o artista.
A assistente social Thamires
Leite, de 23 anos, de Belém, no Pará,
aproveitou para conhecer o Palácio
Tiradentes. “Estava passando em
frente e me falaram da exposição.
Fiquei curiosa e quis ver”, conta.
Calendário cultural
Segundo a subdiretora-geral de
Cultura, Fernanda Figueiredo, a
ideia é trazer pelo menos um evento
novo por mês. "Esta é a primeira
do ano. Também fizemos uma ação
em parceria com a ABL, colocando
livros nas escadarias, para marcar
o início da primavera", conta.
PROGRAME-SE!
Exposição Além do Olhar
Palácio Tiradentes – Rua Primeiro de Março, s/nº, Praça XV, Centro
De segunda a sábado, de 10h às 17h. Domingos e feriados, de 12h às 17h
Acesso para cadeirantes pela Rua Dom Manuel, s/nº

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017 7

7

Segurança

Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou
Segurança Um exemplo de Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou

Um exemplo de

Em três anos de existência, Delegacia de Descoberta de Paradeiros já localizou cerca de 6,5 mil pessoas: 89% dos casos solucionados

iSabela Cabral e Symone munay

O assassinato da farma- cêutica Nathalie Sal- les, que estava grávida quando foi morta pelo

ex-namorado, Thiago Medeiros, em junho, chamou a atenção pela brutali-

dade do crime. O caso foi solucionado

e o dentista, preso, graças ao trabalho de uma equipe ainda desconhecida do grande público: a Delegacia de Desco- berta de Paradeiros (DDPA). Inaugurada há três anos, a dele- gacia já apresenta bons resultados. Solucionou 89% dos casos investiga-

dos e ajudou mais de 6 mil famílias a reencontrarem seus parentes. Segundo

a Secretaria de Estado de Segurança

Pública (Seseg), nos últimos três anos,

Por sua atuação, Elen recebeu uma moção de aplausos da Assembleia Le- gislativa do Estado do Rio de Janeiro

(Alerj), por iniciativa da deputada Ana Paula Rechuan (PMDB). “Ela dá não só a solução técnica, mas humaniza

o atendimento, em um momento tão frágil para a família”.

O empenho da família de Priscila

Belfort, irmã do lutador de MMA Vitor Belfort, desaparecida desde janeiro de

2004, tem papel importante na história da DDPA – que, antes, era subordinada

a outra unidade a Polícia Civil. "Esta

delegacia é minha filha, uma filha que nasceu por força da sociedade", diz

Jovita Belfort, mãe de Priscila e Vitor.

À época, ela recolheu milhares de as-

7.368

pessoas desapareceram. Dessas,

sinaturas reivindicando um atendimento

6.465

foram encontradas.

exclusivo às famílias de desaparecidos.

O diferencial da DDPA é a estrutura que é oferecida aos parentes das víti- mas. “Vivemos uma verdadeira corrida contra o tempo, já que o desaparecido pode estar vivo ou morto. A comunica-

ção tem que ser em tempo real”, explica

a titular da unidade, a delegada Elen

Souto, 39 anos, há 12 na Polícia Civil.

8

8 Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Hoje, visita periodicamente a delegacia

e participa de ações voluntárias. "Sou uma ativista de plantão.”

A família da dona de casa Arlete da

Silva, de 65 anos, conseguiu reencon- trá-la após dois anos e meio de sumiço. Em março de 2014, a idosa, que sofre de Alzheimer, saiu de casa, no Méier,

Foto: Rafael Wallace

de Alzheimer, saiu de casa, no Méier, Foto: Rafael Wallace “Vivemos uma corrida contra o tempo,

“Vivemos uma corrida

contra o tempo, já que

o desaparecido pode

estar vivo ou morto.

A comunicação tem que

ser em tempo real”

Elen Souto, titular da DDPA

Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P
Fotos: D i v u l g a ç ã o / D D P

Fotos: Divulgação/DDPA

eficiência

Ajude. Se você tem informações sobre os desaparecidos acima, ligue para os telefones (21) 2202-0338 ou (21) 2582-7129 ou envie e-mail para servicodescobertadeparadeiros@ pcivil.rj.gov.br

Zona Norte do Rio, e não voltou mais. Encontrada por funcionários da prefeitura local, desorientada, foi encaminhada a uma casa de repouso em Seropédica, na Baixada Fluminense "Foi uma verdadeira saga", lembra a filha de Arlete, Susane de Souza. Além de ter de lidar com a angústia de não saber o paradeiro da mãe, a família teve de conviver com inúmeros trotes. "Cheguei a acreditar em uma dessas pessoas e fui a um local ermo. Depois, a equipe da delegacia me orientou a não fazer mais isso e a comunicar cada passo”, conta. “Além disso, só eles me confortaram nos dias de angústias.” Pelas estatísticas da Seseg, idosos como Arlete, com mais de 60 anos, ainda são minoria entre os desaparecidos no estado: 9%. A maior parte é composta por adultos, entre 18 e 59 anos: 54% dos registros. Em seguida, estão os jovens, de 0 a 17 anos (38%). Cada grupo, ressalta a delegada, possui um perfil de desaparecimento e demanda investigação específica.

Trabalho integrado A delegacia tem parceria com as secretarias de Saúde do estado e do município, que têm uma demanda de pessoas não identificadas que chegam às emergências. Por meio do cruzamen- to de dados sobre as características físicas dos pacientes, muitas famílias são reunidas. Nos últimos três anos,

foram mais de 1.500 casos. O secretário de Estado de Saúde, Luiz

Antônio Teixeira Jr., ressalta que esse é um trabalho social importante. “Quando

a família descobre que aquela pessoa

desaparecida foi localizada e está sendo bem tratada, o alívio é muito grande.”

A delegada completa: “Para quem tem

um parente desaparecido, é uma dor sem fim. Ela vive com a dúvida, alterna entre esperança e luto.”

Olhares interdisciplinares A delegacia também tem dois núcleos de assistência social e psicológica por meio de convênio com a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos. Os problemas de saúde mental são responsáveis pela maioria dos desa- parecimentos. “Idosos com Alzheimer ou confusão mental, adultos com esquizo- frenia e jovens que abusam das drogas são muito comuns”, explica Elen. “Se você tem em casa alguém que pode em algum momento não responder

por si, essa pessoa precisa estar identi- ficada 24 horas”, ressalta a delegada. "É interessante que ela utilize um cordão ou pulseira com sua identificação”, orienta

a psicóloga Andrea Abreu. Aprovada pela Alerj e sancionada em maio, a Lei 7.567/17 determina que a DDPA forneça fotos de crianças e adoles- centes desaparecidos para divulgação em estádios, rodoviárias, aeroportos e também casas de shows.

DESAPARECIMENTO

O que fazer?

Ao contrário do que muita gente acredita, não é necessário esperar 24 horas para registrar um desaparecimento. “Nunca existiu essa obrigação”,

esclarece a delegada Elen Souto.

A lei federal 11.259/05 prevê

a busca imediata de crianças

e adolescentes. Segundo a

ONG Desaparecidos do Brasil, as primeiras horas após o desaparecimento são as mais importantes. As orientações da organização são:

n

Procurar na casa de parentes, amigos, hospitais, IML e locais que o desaparecido frequenta

n

Ir

à delegacia mais próxima

para registrar um boletim de ocorrência

n

Procurar a Delegacia de Pessoas Desaparecidas

n

Cadastrar foto e dados da pessoa em sites de pessoas desaparecidas

n

Manter alguém nos endereços ou próximo aos telefones de contato

n

É

importante que, quando a

pessoa reapareça, também haja

a comunicação às autoridades

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017 9

9

Pinga-fogo

UPPs em debate

Paulo Melo e Bruno Dauaire falam sobre proposta de tirar 33% do efetivo do projeto para reforçar patrulhamento nas ruas

do efetivo do projeto para reforçar patrulhamento nas ruas Os policiais têm que estar nas ruas

Os policiais têm que estar nas ruas e não em funções burocráticas

têm que estar nas ruas e não em funções burocráticas Deputado Paulo Melo (PMDB) Foto: LG

Deputado Paulo

Melo (PMDB)

Foto: LG Soares

burocráticas Deputado Paulo Melo (PMDB) Foto: LG Soares Essa reformulação da secretaria deveria contemplar o
burocráticas Deputado Paulo Melo (PMDB) Foto: LG Soares Essa reformulação da secretaria deveria contemplar o

Essa

reformulação

da secretaria

deveria

contemplar o

interior

reformulação da secretaria deveria contemplar o interior Deputado Bruno Dauaire (PR) G uStavo n atario A

Deputado Bruno

Dauaire (PR)

GuStavo natario

A ntes de completar, ano que vem, dez anos da instalação da primei- ra Unidade de Polícia

Pacificadora (UPP) no Rio, um anúncio feito pelo secretário de Segurança, Roberto Sá, sobre mudanças no proje- to, provocou apreensão. O secretário anunciou a transferência de cerca de três mil agentes administrativos das UPPs, correspondente a 33% do efetivo das unidades, para reforçar o policiamento das ruas da capital e da Região Metropolitana. Ele garantiu, em audiência no dia 4 de setembro, na As- sembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que trata-se de mera reformulação e não o fim do programa. (NR: a transferência, prevista para o início de outubro, foi adiada sine die devido ao conflito na Rocinha). Mas o debate foi inevitável: seria esse o início do fim das UPPs? Com a palavra, os deputados Paulo Melo (PMDB) e Bruno Dauaire (PR).

Paulo Melo, do mesmo partido do governador Luiz Fernando Pezão, ga- rante que as UPPs continuam. “A prova da validade do projeto é a preocupação dos moradores, que não querem o fim do programa. Sou a favor das mudanças, porque os policiais têm que estar nas ruas e não em funções burocráticas. Uma pessoa que treina tiro não pode ficar segurando uma caneta. Esse é o perfil dos agentes que serão desloca- dos”, defende Paulo Melo. Bruno Dauaire da oposição, é categó- rico: o projeto ruiu. Ele não compreende por que a transferência dos policiais não contempla o interior do estado. “A UPP sempre foi um programa mi- diático e eleitoreiro. Os traficantes não desocuparam as áreas, muitos fugiram para o interior, e não houve preocupa- ção social. Não foi uma pacificação de verdade. Acredito que essa reformu- lação deveria contemplar o interior, já que a violência nesses municípios só aumenta”, afirma Dauaire, autor de um

pedido de Comissão Parlamentar de

Inquérito (CPI) para investigar as UPPs. Para Paulo Melo, o problema de segurança ocorre devido à crise finan- ceira. “Os últimos governos foram os que mais valorizaram e investiram em segurança na história do nosso estado.

O problema é o desequilíbrio financeiro,

que afeta o asfalto, as comunidades e

até o gabinete do governador”, declara. A primeira UPP a ser criada foi em 2008, no Morro Dona Marta, em Bota- fogo, Zona Sul da capital. Atualmente, existem 38 UPPs que cobrem uma área de aproximadamente nove milhões de metros quadrados, onde vivem cerca de 1,5 milhão de pessoas. Algumas regiões com UPPs tiveram aumento de violência nos últimos anos. Na unidade do Alemão, por exemplo,

o número de ocorrências aumentou

68%, comparado o primeiro semestre de 2012 com o mesmo período de 2016, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP).

10

10 Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

#NãoCompreViolência

Entidades engajadas

Movimento contra o roubo de cargas ganha adesões; mais do que uma campanha, trata-se de uma causa

A Assembleia Legisla-

tiva do Estado do Rio

de Janeiro (Alerj) lan-

çou, em parceria com

o Disque Denúncia e entidades que

integram o Fórum Permanente de Desenvolvimento do Rio, o movimento #NãoCompreViolência. Objetivo:

alertar a sociedade sobre a receptação de carga roubada, crime que virou epidemia no estado. O Rio é recordista no delito, que alimenta o tráfico de armas e dro- gas, encarece mercadorias, afasta investimentos e aprofunda a crise econômica. Em 2016, o prejuízo foi de R$ 1 bilhão.

O movimento, aberto a toda a socie-

dade, é uma iniciativa da Comissão de Segurança da Casa. "O roubo de cargas é um dos principais braços financeiros

do tráfico de drogas. É essencial cons- cientizar a sociedade. O movimento vai mostrar que nesses casos o barato sai caro", diz a deputada Martha Rocha (PDT), presidente da comissão. Mais do que uma campanha, trata-se de uma causa, que visa a alertar sobre

o papel de todos no combate ao delito.

Além de crime, previsto no Código Penal (até 8 anos de prisão), quem compra mercadoria roubada faz vítimas. Diversas entidades estão apoiando o movimento #NãoCompreViolência

e divulgando peças em suas redes e

canais institucionais, como FGV; Uerj; Amaerj; Asserj; Fetranscarga, ACRJ

e Faculdade Cândido Mendes (veja exemplos ao lado).

O site naocompreviolencia.com

já está no ar.

Mendes (veja exemplos ao lado) . O site naocompreviolencia.com já está no ar. Rio, 01 a
Mendes (veja exemplos ao lado) . O site naocompreviolencia.com já está no ar. Rio, 01 a
Mendes (veja exemplos ao lado) . O site naocompreviolencia.com já está no ar. Rio, 01 a

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017 11

11

Foto: LG Soares

Entrevista: Mohamed Ali

Cidadão fluminense

leon luCiuS

O refugiado

Mohamed

Ali Kenawy,

33, sírio de nascença

e egípcio de criação,

recebeu em setembro

o Título de Cidadão

Fluminense da Alerj. Após ser agredido verbalmente e ter seu carrinho destruído enquanto vendia salgados árabes em uma esquina de Copacabana, o cozinheiro formado em direito viu sua história se tornar símbolo de luta contra a xenofobia no estado – e, por que não? – no Brasil.

12

12 Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Rio, 01 a 15 de outubro de 2017

Como foi a agressão da

a

conhecer o seu trabalho

sado muito na internet sobre

qual você foi vítima?

e

se manifestar contra a

a

cultura brasileira e vi que

que seria melhor vir para cá

Foi a primeira vez que eu sofri preconceito no Brasil. Estava

xenofobia. Como foi isso? Depois de uns dias, apare-

do

A

ela é muito diversa. Pensei

trabalhando quando um rapaz

ceram pessoas me pedindo

que para Europa ou para os

começou a falar para eu sair da cidade dele. Eu não estava

desculpas e eu fiquei perple- xo em ver que todo mundo

Estados Unidos e ser ignorado.

assustado, mas surpreso, e

sabia o que tinha acontecido

E quando você chegou?

perguntava a razão daquilo. Ele me dizia que eu era um

comigo. A partir daí, minha vida mudou totalmente. Me

Quais foram os principais desafios?

terrorista, que matava crian-

senti cheio de amor.

língua. Cheguei sabendo

ças. O governo brasileiro me

inglês e árabe. Uma vez,

recebeu, qual o porquê de ele

Você está no Brasil há três

e

a

perguntei a um homem “por

me tratar assim? Esse cara não

anos, até se casou com

favor, eu quero vai ao metrô”

quebrou só o meu carro, que depois consertei. Ele quebrou também a minha felicidade.

uma brasileira. Por que você decidiu vir para cá? Eu vim por conta da situação

ele me explicou que era “ir ao metrô”. Eu pensei: “As pessoas estão me ensinando

política do Egito, onde cresci,

maneira correta de falar!”

O seu caso ganhou as redes sociais, onde foi organizado um “Esfirra- ço”, convidando a todos

que está marcado pela guerra e pelo Estado Islâmico. A princípio, tirei um visto de turista, mas já tinha pesqui-

Isso não acontece em qual- quer lugar. Também foi difícil conseguir documentação, é muita burocracia.