Sei sulla pagina 1di 478

Ernani Pimentel • Márcio Wesley • Júlio Lociks • Livres Rocha • Edgard Antônio Lemos Alves • Welma Maia • Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio

Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático •
Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático •
Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático •
Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático •

Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático • Legislação • Ética no Serviço Público

Matemático • Legislação • Ética no Serviço Público 2016 Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE
Matemático • Legislação • Ética no Serviço Público 2016 Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE

2016

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

© 2016 Vestcon Editora Ltda.

Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998. Proibida a reprodução de qualquer parte deste material, sem autorização prévia expressa por escrito do autor e da edi- tora, por quaisquer meios empregados, sejam eletrônicos, mecânicos, videográficos, fonográficos, reprográficos, microfílmicos, fotográficos, gráficos ou outros. Essas proibições aplicam-se também à editoração da obra, bem como às suas características gráficas.

Título da obra: Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal – Terracap - Módulo 1 Técnico Administrativo Conhecimentos Básicos e Específicos – Nível Médio Atualizada até 11-2016 (AT657)

(De acordo com o Edital nº 1, de 19 de Dezembro de 2016 – Quadrix)

Língua Portuguesa • Raciocínio Lógico e Matemático Legislação • Ética no Serviço Público

Autores:

Ernani Pimentel • Márcio Wesley • Júlio Lociks Livres Rocha • Edgard Antônio Lemos Alves • Welma Maia Luis Guilherme Gomes Winther Neves • Maurício Nicácio

GESTÃO DE CONTEÚDOS Welma Maia

PRODUÇÃO EDITORIAL/REVISÃO Dinalva Fernandes Érida Cassiano Micheline Cardoso

CAPA

Lucas Fuschino

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Marcos Aurélio Pereira Adenilton da Silva Cabral

Marcos Aurélio Pereira Adenilton da Silva Cabral www.vestcon.com.br Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE
Marcos Aurélio Pereira Adenilton da Silva Cabral www.vestcon.com.br Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE
Marcos Aurélio Pereira Adenilton da Silva Cabral www.vestcon.com.br Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE

www.vestcon.com.br

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

PARABÉNS. VOCÊ ACABA DE ADQUIRIR UM PRODUTO QUE SERÁ DECISIVO NA SUA APROVAÇÃO.

Com as apostilas da Vestcon Editora, você tem acesso ao conteúdo mais atual e à metodologia mais eficiente. Entenda por que nossas apostilas são líderes de preferência entre os consumidores:

• Todos os nossos conteúdos são preparados de acordo com o edital de cada concurso, ou seja, você recebe um conteúdo customizado, direcionado para os seus estudos.

• Na folha de rosto, você pode conferir os nomes dos nossos autores. Dessa forma, comprovamos que os textos usa- dos em nossas apostilas são escritos exclusivamente para nós. Qualquer reprodução não autorizada desses textos é considerada cópia ilegal.

• O projeto gráfico foi elaborado tendo como objetivo a leitura confortável e a rápida localização dos temas tratados.

Além disso, criamos o selo Efetividade Comprovada, que sinaliza ferramenta exclusiva da engenharia didática da Vestcon Editora:

exclusiva da engenharia didática da Vestcon Editora: Com base em um moderno sistema de análise estatística,

Com base em um moderno sistema de análise estatística, nossas apostilas são organizadas de forma a atender ao edital e aos tópicos mais cobrados. Nossos autores recebem essa avaliação e, a partir dela, reformulam os conteúdos, aprofundam as abordagens, acrescentam exercícios. O resultado é um conteúdo “vivo”, constantemente atualizado e sintonizado com as principais bancas organizadoras.

Conheça, também, nosso catálogo completo de apostilas, nossos livros e cursos online no site www.vestcon.com.br.

Todas essas ferramentas estão a uma página de você. A Vestcon Editora deseja sucesso nos seus estudos.

de você. A Vestcon Editora deseja sucesso nos seus estudos. Participe do movimento que defende a

Participe do movimento que defende a simplificação da ortografia da língua portuguesa. Acesse o site www.simplificandoaortografia.com, informe-se e assine o abaixo-assinado.

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

SUMÁRIO

TERRACAP

Língua Portuguesa

Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados

3

Domínio da ortografia oficial

21

Reconhecimento de tipos e gêneros textuais

9

Domínio da estrutura morfossintática do período Emprego das classes de palavras

49

Relações de coordenação entre orações e entre termos da oração

30

Relações de subordinação entre orações e entre termos da oração

31

Emprego dos sinais de pontuação

76

Concordância verbal e nominal

83

Regência verbal e nominal

90

Emprego do sinal indicativo de crase

92

Colocação dos pronomes átonos

56

Domínio dos mecanismos de coesão textual Emprego de elementos de referenciação, substituição e repetição, de conectores e de outros elementos de sequenciação textual

10

Emprego de tempos e modos verbais

63

Reescrita de frases e parágrafos do texto Significação das palavras

98

Substituição de palavras ou de trechos de texto. Reorganização da estrutura de orações e de períodos do texto

9

Reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade

6/80

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

Este eBook foi adquirido por TIAGO JOSE DA SILVA - CPF: 020.508.981-00. A sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição é vedada, sujeitando-se aos infratores à responsabilidade civil e criminal.

Língua Portuguesa

L í n g u a P o r t u g u e s a

Ernani Pimentel / Márcio Wesley

Ernani Pimentel

COMPREEnSÃO E InTERPRETAÇÃO DE TEXTOS DE gÊnEROS VARIADOS

Textum, em latim, particípio do verbo tecer, significa

tecido. Dessa palavra originou-se textus, que gerou, em português, “texto”. Portanto, está-se falando de “tecido” de

frases, orações, períodos, parágrafos

ideias, de argumentos, de fatos, de relatos

Uma “tessitura” de

INTELECÇÃO (OU COMPREENSÃO)

Intelecção significa entendimento, compreensão. Os testes de intelecção exigem do candidato uma postura muito voltada para o que realmente está escrito.

Comandos para Questão de Compreensão

O

narrador do texto diz que

O

texto informa que

Segundo o texto, é correto ou errado dizer que De acordo com as ideias do texto

Questão

1.

Assinale a opção correta em relação ao texto.

O Programa Nacional de Desenvolvimento dos Recur- sos Hídricos – PROÁGUA Nacional é um programa do Governo Brasileiro financiado pelo Banco Mundial. O Programa originou-se da exitosa experiência do PRO-

ÁGUA / Semiárido e mantém sua missão estruturante, com ênfase no fortalecimento institucional de todos os atores envolvidos com a gestão dos recursos hídricos no Brasil e na implantação de infraestruturas hídricas viáveis do ponto de vista técnico, financeiro, econômico,

10 ambiental e social, promovendo, assim, o uso racional dos recursos hídricos.

5

(http://proagua.ana.gov.br/proagua)

a) O PROÁGUA / Semiárido é um dos subprojetos de- rivados do PROÁGUA/Nacional.

b) A expressão “sua missão estruturante” (l. 5) refere- -se a “Banco Mundial” (l. 3).

c) A ênfase no fortalecimento institucional de todos os atores envolvidos com a gestão de recursos hídricos é exclusiva do PROÁGUA/Semiárido.

d) Tanto o PROÁGUA/Semiárido como o PROÁGUA/ Nacional promovem o uso racional dos recursos hídricos.

e) A implantação de infraestruturas hídricas viáveis do ponto de vista técnico, financeiro, econômico, am- biental e social é exclusiva do PROÁGUA/Nacional.

gabarito

d

InTERPRETAÇÃO

Interpretação significa dedução, inferência, conclusão, ilação. As questões de interpretação não querem saber o que está escrito, mas o que se pode inferir, ou concluir, ou deduzir do que está escrito.

Comandos para Questão de Interpretação

Da leitura do texto, infere-se que O texto permite deduzir que Da fala do articulista pode-se concluir que Depreende-se do texto que Qual a intenção do narrador quando afirma que Pode-se extrair das ideias e informações do texto que

Questão

1. Observe a tirinha a seguir, da cartunista Rose Araújo:

1. Observe a tirinha a seguir, da cartunista Rose Araújo: (www.fotolog.com/rosearaujocartum) Infere-se que o humor da

(www.fotolog.com/rosearaujocartum)

Infere-se que o humor da tirinha se constrói:

a) pois a imagem resgata o valor original do radical que compõe a gíria bombar.

b) pois o vocábulo bombar foi dito equivocadamente no sentido de “bombear”.

c) pois reflete o problema da educação no país, em que os alunos só se comunicam por gírias, como é o caso de fessor.

d) porque a forma fessor é uma tentativa de incluir na norma culta o regionalismo fessô.

e) porque o vocábulo bombar não está dicionarizado.

gabarito

a

Preste, portanto, atenção aos comandos para não errar. Se o texto diz que o rapaz está cabisbaixo, você não pode “deduzir”, ou “inferir”, que ele está de cabeça baixa, porque isso já está dito no texto. Mas você pode interpretar ou con- cluir que, por exemplo, ele esteja preocupado, ou tímido, em função de estar de cabeça baixa.

Comandos para Medir Conhecimentos Gerais

Tendo o texto como referência inicial Considerando a amplitude do tema abordado no texto Enfocando o assunto abordado no texto

Nesses casos, o examinador não se apega ao ponto de vista do texto em relação ao assunto, mas quer testar o conhecimento do candidato a respeito daquela matéria.

Questões

Texto para os itens de 1 a 11.

5

10

15

Os oceanos ocupam 70% da superfície da Terra, mas até hoje se sabe muito pouco sobre a vida em suas regiões mais recônditas. Segundo estimativas de ocea- nógrafos, há ainda 2 milhões de espécies desconhecidas

nas profundezas dos mares. Por ironia, as notícias mais frequentes produzidas pelas pesquisas científicas relatam não a descoberta de novos seres ou fronteiras marinhas, mas a alarmante escalada das agressões impingidas aos oceanos pela ação humana. Um estudo recente do

Greenpeace mostra que a concentração de material plástico nas águas atingiu níveis inéditos na história. Se- gundo o Programa Ambiental das Nações Unidas, existem 46.000 fragmentos de plástico em cada 2,5 quilômetros quadrados da superfície dos oceanos. Isso significa que

a substância já responde por 70% da poluição marinha por resíduos sólidos.

Veja, 5/3/2008, p. 93 (com adaptações).

Tendo o texto acima como referência inicial e considerando a amplitude do tema por ele abordado, julgue os itens de 1 a 5.

1.

Ao citar o Greenpeace, o texto faz menção a uma das mais conhecidas organizações não governamentais cuja atuação, em escala mundial, está concentrada na melhoria das condições de vida das populações mais pobres do planeta, abrindo-lhes frentes de trabalho no setor secundário da economia.

2.

Por se decompor muito lentamente, o plástico pas- sa a ser visto como um dos principais responsáveis pela degradação ambiental, razão pela qual cresce o movimento de conscientização das pessoas para que reduzam o consumo desse material.

3.

Considerando o extraordinário desenvolvimento cien- tífico que caracteriza a civilização contemporânea, é correto afirmar que, na atualidade, pouco ou quase nada da natureza resta para ser desvendado.

4.

exploração científica da Antártida, que enfrenta enor- mes dificuldades naturais próprias da região, envolve

A

participação cooperativa de vários países, mas os elevados custos do empreendimento impedem que representantes sul-americanos atuem no projeto.

a

5.

Infere-se do texto que a Organização das Nações Unidas (ONU) amplia consideravelmente seu campo de atuação

e,

sem deixar de lado as questões cruciais da paz e da

segurança internacional, também se volta para temas que envolvem o cotidiano das sociedades, como o meio

ambiente.

gabarito

Itens 1, 3 e 4 errados; itens 2 e 5 certos.

Comandos para Medir Conhecimentos Linguísticos

Considerando as estruturas linguísticas do texto, julgue os itens. Assinale a alternativa que apresenta erro gramatical. Aponte do texto a construção que não foge aos preceitos

da norma culta.

Aqui a questão pretende medir o conhecimento grama- tical do candidato e pode abordar assuntos de morfologia, sintaxe, semântica, estilística, coesão e coerência

Questões

Considerando as estruturas linguísticas do texto, julgue os itens seguintes.

6.

No trecho “até hoje se sabe” (l.2), o elemento linguís- tico “se” tem valor condicional.

7.

O

trecho “muito pouco sobre a vida em suas regiões

mais recônditas” (ls.2-3) é complemento da forma

verbal “sabe” (l.2).

8.

A

palavra “recônditas” (l.3) pode, sem prejuízo para

informação original do período, ser substituída por profundas.

a

9.

O

termo “mas” (l.8) corresponde a qualquer um dos

seguintes: todavia, entretanto, no entanto, conquanto.

10.

Na linha 9, a presença de preposição em “aos oceanos” justifica-se pela regência do termo “impingidas”.

11.

O

termo “a substância” (l.15) refere-se ao antecedente

“plástico” (l.11).

gabarito

Itens 6, 7 e 9 errados; itens 8, 10 e 11 certos.

Erros Comuns de Leitura

Extrapolação ou ampliação

A

questão abrange mais do que o texto diz.

O

texto disse: Os alunos do Colégio Metropolitano es-

tavam felizes.

A questão diz: Os alunos estavam felizes.

Explicação: o significado de “alunos” é muito mais amplo que o de “alunos de um único colégio”.

Redução ou limitação

A

questão reduz a amplitude do que diz o texto.

O

texto disse: Muitos se predispuseram a participar do

jogo.

A questão diz: Alguns se predispuseram a participar do

jogo. Explicação: o sentido da palavra “alguns” é mais limitado que o de “muitos”.

Contradição

A

questão diz o contrário do que diz o texto.

O

texto disse: Maria é educada porque é inteligente.

A

questão diz: Maria é inteligente porque é educada.

Explicação: no texto, “inteligente” justifica “educada”; na

questão se inverteu a ordem e “educada” é que justifica “inteligente”.

Desvio ou Deturpação

O texto disse: A contratação da funcionária pode ser

considerada competente.

A questão diz: A funcionária contratada pode ser consi-

derada competente. Explicação: no texto, “competente” refere-se a “contra- tação” e não a “funcionária”.

Leia o Texto

Em vida, Gustav Mahler (1860-1911), tanto por sua per- sonalidade artística como por sua obra, foi alvo de intensas polêmicas – e de desprezo por boa parte da crítica. A incom- preensão estética e o preconceito antissemita também o acompanhariam postumamente e foram raros os maestros que, nas décadas que se seguiram à sua morte, se empe- nharam na apresentação de suas obras. [ ]

Julgue os itens a seguir.

1.

Deduz-se do texto que Gustav Mahler foi alvo de inten- sas polêmicas.

2.

Deduz-se do texto que o personagem central (Mahler) foi um compositor.

3.

Deduz-se do texto que o personagem central (Mahler) era de origem judaica.

4.

Pode-se deduzir do texto que o personagem central (Mahler) foi um compositor de músicas eruditas.

5.

Pode-se inferir do texto que só depois de se terem passado algumas ou várias décadas desde sua morte é que Mahler acabou por ser admirado artisticamente

e

deixou de ter sua obra segregada.

6.

Pode-se inferir do texto que hoje a avaliação positiva da

obra de Mahler constitui uma unanimidade nacional.

7.

Intelecção, ou entendimento do texto é a captação objetiva das informações que o texto traz abertamente, explicitamente.

8.

Interpretação, ilação, dedução, conclusão, percepção do texto é resultado de raciocínio aplicado, permitindo captar-lhe tanto as informações explícitas, quanto as

implícitas.

9.

A aplicação do raciocínio lógico às informações contidas no texto, expostas ou subentendidas, permite ao leitor tirar dele conclusões ou interpretá-lo corretamente.

10.

A

leitura de um texto deve levar em consideração o mo-

mento e as circunstâncias em que foi construído, bem

como à finalidade a que se propõe.

11.

Segundo opinião dedutível do texto, os críticos que desprezaram o compositor estavam errados.

gabarito Comentado

1. Errado.

Por quê? Esta informação – “foi alvo de in- tensas polêmicas” – não “se deduz” do tex- to, está claramente expressa nele.

2. Certo

Por quê? Esta dedução se origina da infor- mação de que “maestros” apresentaram obras dele.

3. Certo

Por quê? A informação de que ele foi alvo de ”preconceito antissemita” leva à conclu- são de que ele era “de origem judaica”.

4. Certo

Por quê? A palavra “maestro” tem uma co- notação diferente (sem vírgula) de “cantor”, “compositor”, “DJ”, “intérprete” etc. Maes- tro pressupõe erudição, por sua própria for- mação acadêmica; por isso, “pode-se dedu- zir que as músicas sejam eruditas, pois ‘eru- ditos’ se empenham na sua apresentação”. O “pode-se deduzir” é aceitável, porque não impõe que seja uma “dedução obrigatória”.

5. Certo

Por quê? Essa inferência (dedução) nasce da informação de que “foram raros os ma- estros que, nas décadas que se seguiram à sua morte, se empenharam na apresenta- ção de suas obras.

6. Errado

Por quê? Primeiro, o texto não abrange as- sunto nacional, mas internacional. Segun- do, não se pode deduzir que haja unanimi- dade, mas uma boa ou grande aceitação.

7. Certo

 

8. Certo

 

9. Certo

 

10. Certo

 

11. Certo

Por quê? Conforme o texto, tais críticos, além de não compreenderem o lado esté- tico do artista, incorreram em preconceito.

IDEIA PRInCIPAL E SECUnDÁRIA

Em vida, Gustav Mahler (1860-1911), tanto por sua per- sonalidade artística como por sua obra, foi alvo de intensas polêmicas – e de desprezo por boa parte da crítica. A incom- preensão estética e o preconceito antissemita também o acompanhariam postumamente e foram raros os maestros que, nas décadas que se seguiram à sua morte, se empenha- ram na apresentação de suas obras.

Julgue os itens.

12. O parágrafo lido constitui-se de dois períodos, residindo a ideia principal no segundo.

13. A ideia principal está contida no primeiro período, representando o segundo um desenvolvimento das ideias do primeiro.

14. Qual a ideia principal do texto?

a) Mahler foi um compositor.

b) Mahler tinha origem judaica.

c) Mahler compunha música erudita.

d)

O valor de Mahler só foi reconhecido devidamente

a partir de algumas décadas após seu falecimento.

A finalidade do texto é dizer que boa parte da críti-

ca foi contrária a Mahler.

e)

gabarito Comentado

12. Errado

A questão seguinte esclarece o assunto.

13. Certo

 

14. d

 

Nesta questão 14, todas as cinco alternativas exprimem informações contidas no texto dado. Contudo, entre as ideias lançadas em qualquer texto, existe uma hierarquia, uma gradação de importância. Daí os conceitos de IDEIA CENTRAL OU PRINCIPAL e IDEIAS SECUNDÁRIAS OU PERIFÉ- RICAS. A ideia central ou principal será a responsável pelo TEMA, que não se define por uma só palavra, mas por uma AFIRMAÇÃO. Pode-se dizer que o tema do trecho lido é a valorização póstuma da obra mahleriana. As demais ideias, secundárias, servem para dar maior compreensão ao texto e propiciar ao leitor uma visão mais detalhada do assunto.

COMO ACHAR A IDEIA PRInCIPAL OU O TEMA

Tratando-se de texto expositivo, argumentativo, os exa- minadores buscam avaliar no candidato a capacidade de captar o mais importante. Quando você tem pouco tempo na prova e precisa responder a uma questão que indaga sobre o tema ou a ideia central de um longo texto, ou de um texto completo, basta concentrar-se na leitura do último parágrafo. Necessariamente lá está a resposta da questão.

Normalmente, num parágrafo, a ideia principal se encon- tra na parte inicial sendo seguida de um desenvolvimento, em forma de explicação, detalhamento, exemplificação etc Essa ideia principal também é conhecida por TÓPICO FRASAL. Mais raramente, pode ser encontrada no final do parágrafo, sob a forma de conclusão das informações ou explanações que a antecedem. Repetindo: a ideia central ou principal de um parágrafo se situa no início ou no final. Nas outras partes, aparecem os argumentos. Quando a abordagem é não apenas de um parágrafo, mas de um texto completo, o tema ou ideia principal se encontra no último parágrafo, podendo também aparecer no primeiro, conhecido como parágrafo introdutório. Os parágrafos centrais são reservados às argumentações, que contribuem para dar suporte à principal ideia.

InTERTEXTUALIDADE

Chama-se intertextualidade a relação explícita ou implí- cita de um texto com outro. Quando Chico Buarque diz, na música Bom Conselho, “de- vagar é que não se vai longe”, “quem espera nunca alcança”, cria uma intertextualidade implícita com os ditos populares “devagar se vai ao longe” e “quem espera sempre alcança”.

Veja a estrofe seguinte:

Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá

(Oswald de Andrade)

E responda C (certo) ou E (errado):

(

) Esses versos lembram “Minha terra tem palmeiras, / Onde canta o sabiá; / As aves, que aqui gorjeiam, / Não gorjeiam como lá. /”, de Gonçalves Dias.

(

) A criação de Oswald de Andrade constitui um combate à estética romântica.

(

) trata-se de bom exemplo de intertextualidade.

gabarito

C, C, C

IMPLíCITOS: PRESSUPOSTOS E SUBEnTEnDIDOS

Implícitos

Implícitos constituem informações que não se encontram exteriorizadas (ou escritas ou pronunciadas) no texto, estando apenas sugeridas por um ou outro índice linguístico. É a leitura atenta e competente que permite ao leitor a percepção do que ficou implícito, ou se mostra apenas nas entrelinhas.

Pressupostos

Os pressupostos são identificados por estarem sugeridos por palavras ou outros elementos do texto, não são difíceis de encontrar-se e não podem ser desmentidos pelo uso do raciocínio lógico. Ex.: Teresa voltou da Índia.

Pressupostos: ela foi à Índia (indiscutível); a viagem teve

início há mais que dois dias (indiscutível).

Subentendidos

Os subentendidos se formam por dedução subjetiva do leitor, pois baseiam-se em sua visão de mundo, por isso são discutíveis. Ex.: Teresa voltou da Índia.

Subentendidos: Teresa gastou muito (discutível, pois pode alguém ter pago tudo); ela é uma felizarda, aproveitou bastante (discutível, porque pode ter ido a trabalho, com pouco dinheiro, e ter ficado hospitalizada o tempo todo).

Exercícios

Assinale C ou E nos parênteses.

Na frase Carlos mudará de profissão,

1. (

) tem-se como pressuposto que ele ganha pouco.

2. ) tem-se como pressuposto que ele tem profissão.

(

3. ) é possível que ele esteja contrariado.

(

4. ) é possível que ele tenha profissão.

(

gabarito

1. E

2. C

3. C

4. E

TIPOLOgIA TEXTUAL

Narração ou história

Texto que conta uma história, curtíssima ou longa, tendo personagem, ação, espaço e tempo, mas o tempo tem de estar em desenvolvimento. Ela chegou, abriu a porta, entrou e olhou para mim. (As ações acontecem em sequência)

Descrição ou retrato

1. Texto que mostra um ambiente. O Sol estava a pino, as portas trancadas, as janelas escancaradas, as ruas vazias, os carros estacionados, os galhos das árvores e o capim absolutamente parados.

2. Texto que mostra ações simultâneas. Enquanto ela falava, o cachorro latia, a criança cho- rava, o vizinho aplaudia. (As ações acontecem no mesmo momento, o tempo está parado)

Dissertação ou ideias

Texto construído não para contar história ou fazer um retrato, mas para desenvolver um raciocínio. É sábio dizer-se que o limite de um homem é o limite de seu próprio medo.

Na prática, um texto pode misturar as tipologias, por isso é comum classificá-lo com base em qual tipologia predomina, ou seja, para atender a qual tipologia o texto foi feito.

O tipo DISSERTAÇÃO modernamente vem sendo subs- tituído, conforme o caso, por Argumentação, Exposição, ou Injunção:

Argumentação: apresenta argumentos na defesa de um ponto de vista:

A sua expansão industrial e comercial ocorreu muito antes dos países vizinhos, não só porque dispunha de extensa rede de ferrovias, hidrovias e rodovias, mas também por- que detinha maiores recursos para investimento.

Exposição: apenas expõe as ideias, sem apresentar argumentos:

A Bulgária se tornou membro da União Europeia em

janeiro de 2007, após dez anos de negociação. • Injunção: orienta o comportamento do receptor:

Manuais de utilização de equipamentos. Orientações de como tomar um remédio. Como ligar e desligar a irrigação do jardim

Exercícios

Use as letras iniciais das cinco frases seguintes para identificar nos parênteses, os cinco textos que as acompanham.

N.

Constitui exemplo de narração.

D.

Predomina o caráter de descrição.

I. Tem como base um parágrafo injuntivo.

E. Exemplifica dissertação expositiva.

A. Classifica-se como dissertação argumentativa.

Atenção para as partes em itálico.

Texto 1 (EP).

( ) Quando Clarice se mostrou chateada com algumas es- trias no seio, Rogério prontamente informou:

– Tenho solução para isso.

– É verdade que você tem?

– Claro!

– Então me ensina.

– Ponha duas colheres de sopa de azeite numa frigi-

deira. Amasse três dentes de alho, depois de tirar a casca, e misture-os ao azeite. Deixe a mistura no fogo

médio por cinco minutos e apague o fogo. Aguarde que ela esfrie um pouco até a temperatura ficar suportável ao tato. Durante oito minutos, embeba quantas vezes necessárias um algodão naquele azeite, e passe-o su- avemente em movimentos circulares no seio estriado.

Vá ao espelho e veja o resultado.

– As estrias vão embora?

– Podem ir, mas se não forem, você pode estrear um peitinho a alho e óleo.

Texto 2 (EP).

( ) Paulo abriu a porta devagar, observou com calma o ambiente, caminhou pé ante pé até a janela, abriu a

cortina, esperou que os olhos se acostumassem à clari- dade que invadiu o quarto, só então deitou-se no chão

e vasculhou com os olhos a parte embaixo da cama. Teve certeza de que o bicho não estava lá.

Texto 3 (EP).

( ) Berenice percebeu que André não lhe estava sendo fiel porque ele dissera não conhecer Isaura, mesmo depois de ter dormido na casa dela. Além disso, as duas vezes que Berenice citou o nome de Isaura, André desviou primeiro o olhar, em seguida mudou de assunto. Sem falar no perfume que o acompanhava quando entrou em casa: o preferido de Isaura.

Texto 4.

( ) Para investigadores, há indícios de que parte do dinheiro desviado tenha sido usado por Collor para compra de carros de luxo em nome de empresas de fachada. Al- guns desses automóveis foram apreendidos pela Polícia Federal na Operação Politeia, um desdobramento da Lava Jato, realizada em 14 de julho.

Texto 5.

(

) A manhã estava radiosa e cálida. Sequer uma nuvem. As folhagens das árvores, dos arbustos e das gramíneas oscilavam suavemente. Juritis, sabiás e bemtevis har- monizavam seus cantares, vez por outra salpicados por latidos um tanto quanto lentos e preguiçosos. O perfu- me do jasmim ocupava a beira da piscina, envolvendo o tom rosado da pele de Janaína.

(

) Ponha nestes parênteses o número do texto que faz uso do diálogo em sua organização.

gabarito

Texto 1 (I) Texto 2 (N) Texto 3 (A) Texto 4 (E) Texto 5 (D) Texto 1

níVEIS DE FORMALIDADE/InFORMALIDADE

Níveis de Fala (Tipos de Norma)

Registro formal ou adloquial

No registro formal (adloquial, culto, padrão), as circuns- tâncias exigem do emissor postura concentrada e adequada a um grupo sofisticado de falantes. Tende ao uso da norma culta (também chamada de padrão, ou erudita), que se estuda nas gramáticas normativas. Por favor, entenda que seria importante para nós sua presença.

Registro informal ou coloquial

A informalidade ou coloquialismo acontece quando o

ambiente permite ao emissor uma postura mais à vontade, sem preocupações gramaticais. Vem, que sua presença é importante. (A gramática orien-

ta: Vem, que tua presença

)

Na informalidade, a língua é usada na forma de cada região, profissão, esporte, gíria, internet

ou Venha, que sua presença

Registro vulgar

Normalmente envolve uso de calão ou gíria. Oi, cara, pinta lá no pedaço.

Registro de baixo calão

É o nível das gírias pesadas e dos palavrões. Naquele cafofo só vai ter piranha e Zé-mané, porra. Cada texto deve obedecer a um nível de formalidade ou informalidade, com a escolha do vocabulário e de cons- truções frásicas adequada ao público e ao ambiente a que se destina.

Variação linguística

Uma língua se realiza na fala de grupos diferentes, no tempo (compare os escritos da carta de Caminha, de José de Alencar e de hoje), no espaço (veja as diferenças de ex- pressão das várias regiões brasileiras), nas profissões (atente para seus jargões ou expressões características), em grupos de relacionamentos (cada um com suas gírias e constru-

ções frásicas identificadoras: DJs, políticos, cantores de rap,

religiosos, surfistas, tatuadores, traficantes, escaladores

)

Já houve o tempo em que se considerava certo apenas o uso da norma então conhecida como culta ou erudita, porém a sociolinguística substituiu o conceito de certo/errado pelo de adequado/inadequado. Em termos de comunicação, fala-se em o emissor adequar seu código ao do receptor para se fazer entender bem. Por isso, tanto o “nós vai”, como o “nós vamos” podem ou não estar adequados, dependendo do ambiente ou do grupo de falantes a que se destine, bem como da intenção do comunicador, que pode justamente pretender comunicar que pertence a outro grupo.

FUnÇÕES DA LIngUAgEM

Todo emissor, no momento em que realiza um ato de fala, atribui, consciente ou inconscientemente, maior importância a um dos seis elementos da comunicação (emissor, recep- tor, referente, canal, código ou mensagem). Descobrir qual elemento está em destaque é definir a função da linguagem.

Função Emotiva (ou Expressiva)

Predomina em importância o emissor e é muito usada em textos líricos, amorosos, autobiográficos, testemunhais Constitui uma característica de subjetividade.

Emissor: aquele que fala, representado por eu, nós, a gente (no sentido de “nós”).

São índices desta função:

1. sujeito emissor – Eu vi Mariana chegar. A gente viu Mariana chegar. Nós vimos Mariana chegar.

2. uso de exclamação – Mariana chegou!

3. uso de interjeição – Ih! Mariana chegou.

Função Conativa (ou Apelativa)

Predomina em importância o receptor e é frequente em linguagem de publicidade e de oratória.

Receptor: com quem se fala, representado por tu, vós, você(s), Vossa Senhoria, Vossa Alteza, Vossa São índices desta função:

1. sujeito receptor – Você sabia que Mariana chegou?

2. vocativo – Paulo, tu estás correto.

3. imperativo – Por favor, venha cá. Beba guaraná.

Função Referencial (ou Informativa)

Predomina em importância o referente e é empregada

nos textos científicos, jornalísticos, profissionais – correspon-

É uma característica de objetividade.

dências oficiais, atas

Referente: de que ou de quem se fala, representado por

, quer substantivo ou pronome substantivo de terceira pessoa.

ele(s), ela(s), Sua Excelência, Sua Majestade, Sua

ou por qual-

É índice desta função:

1. sujeito referente – Mariana chegou. Ele chegou. Sua Senhoria chegou. Quem chegou?

Função Fática

Predomina em importância o canal e normalmente aparece em trechos pequenos, dentro de outras funções.

Canal: meio físico (ar, luz, telefone atenção) que interliga emissor e receptor.

)

e psicológico (a

Usa-se a função fática para:

1. testar o funcionamento do canal – Um, dois, três

Alô, alô

2. prender a atenção do receptor – Bom dia. Como vai? Até logo. Certo ou errado?

3. distrair a atenção do receptor – Ele: Onde você estava até esta hora? Ela: Por favor, ligue agora para o José e lhe deseje sorte. (Ela desviou a atenção do assunto dele)

Função Metalinguística

Predomina o assunto “língua”, é o uso da língua para falar da própria língua.

Língua: tipo de código usado na comunicação.

Os dicionários, as gramáticas, os livros de texto, de re- dação, as críticas literárias são exemplos de metalinguagem.

Função Poética (ou Estética)

Predomina em importância a elaboração da mensagem.

Mensagem, fala ou discurso: é o como se diz e não o que se diz.

As frases “Você roubou minha caneta” e “Você achou

minha caneta antes de eu a perder”, embora tenham o mes- mo assunto ou referente, são mensagens, falas ou discursos diferentes, tanto é que provocam sensações diferentes no receptor.

A função poética valoriza a escolha das palavras, ora pela

sonoridade, ora pelo ritmo (Quem casa quer casa. Quem tudo quer tudo perde. Quem com ferro fere com ferro será ferido), ora pelo significado inusitado (Penso, logo desisto), ora por mais de uma dessas ou outras características.

Obs.: todas essas funções podem interpenetrar-se no texto, mas uma (qualquer uma) tenderá a ser predominante. No caso de um texto poético ou estético, as demais funções ocupam o segundo plano.

TIPOS DE DISCURSO

Discurso Direto

Reprodução exata da fala do personagem. Julieta respondeu: Estou satisfeita com sua resposta. Pode vir entre aspas: “Estou satisfeita com sua resposta.” Pode vir após travessão: – Estou satisfeita com sua resposta.

Discurso Indireto

O narrador traduz a fala do personagem.

Julieta respondeu que estava satisfeita com a resposta dele. Julieta respondeu estar satisfeita com a resposta dele.

Discurso Indireto Livre

A fala do personagem se confunde com a do narrador. Mariana sentou-se em frente ao guri, o que se passava naquela cabecinha? Que sorrisinho maroto

Discurso do Narrador

É a fala de quem conta a história.

Julieta respondeu: Estou satisfeita com sua resposta.

Monólogo

Fala de um personagem consigo mesmo. Paulo atravessou o bar, resmungando: “Não acredito no que acabei de ver”.

Diálogo

Conversa entre dois ou mais personagens. – Você devia ser mais suave na sua fala. – Vou tentar.

RECOnHECIMEnTO DE TIPOS E gÊnEROS TEXTUAIS

Desde os estudos de Bakhtin até os de Koch, chegou-se à percepção de certas sequências relativamente estáveis de enunciados, voltadas a atender necessidades diferentes da vida social, sequências essas definidoras do que se conven- cionou chamar Gêneros do Discurso, adaptáveis à sociedade e seus comportamentos.

Gêneros primários

São os que se desenvolvem primeiro, realizados em situa- ções de comunicação, no âmbito social cotidiano das relações humanas: diálogo, telefonema, bilhete, carta, piada, oração, comando militar rápido, situações de interação face a face

Gêneros secundários

Referentes a circunstâncias mais complexas, públicas, de

interação social, muitas vezes escritas, monologadas, capazes de incorporar e transmutar os gêneros primários. Necessitam de instrução formal e aparecem sob a forma de 1. Gêneros literários: provérbios, crônicas, contos, novelas, romances,

2. Gêneros oficiais: cartas, ofícios, memorandos,

anais, tratados, textos de lei, documentos de escritório

; 3.

dramas

;

Gêneros científicos: pesquisas, relatórios, críticas, análises,

4. Gêneros Jornalísticos: notícia, matéria,

5. Gêneros outros como dos círculos

artísticos, sócio-políticos, retóricos, jurídicos, políticos, publicísticos, esportivos

teses, ensaios

entrevista, charge

Eis alguns tipos explorados em provas elaboradas pelo Cespe:

Crônica

Texto curto dissertativo, comentando fato ou situação do momento.

Conto

História curta com poucos personagens em torno de um núcleo de ação.

Novela

História mais longa que o conto e que também envolve só um núcleo de ação.

Romance

História longa e complexa em que os personagens atuam em torno de vários núcleos de ação. As chamadas novelas de televisão literariamente são romances porque revezam vários núcleos temáticos, revezando também como protagonistas grupos diferentes de personagens.

Parábola

Narrativa que transmite uma mensagem indireta, geral- mente de cunho moral, por meio de comparação ou analogia. Cristo falava por parábolas, como a do Filho Pródigo e a do Joio e do Trigo.

Fábula

Tipo de parábola curta, em prosa ou verso, que apresenta animais como personagens e que ilustra um ensinamento

moral. Famosas são as fábulas de Esopo, como A Raposa e as Uvas, O Lobo e o Cordeiro.

Sátira

Texto crítico, picante, sarcástico, maledicente, irônico, zombeteiro para criticar instituições, costumes ou ideias.

Apólogo

Narrativa didática, em prosa ou verso, em que se animam e dialogam seres inanimados. Um bom exemplo é o texto de Machado de Assis intitulado A Agulha e a Linha.

Lenda

História com base em informações imaginárias. São len- dários o saci-pererê, a boiuna, a mula sem cabeça

Anedota

História curta engraçada ou picante.

Paródia

Imitação artística, jocosa, satírica, bufa; arremedo de outro texto. Vejam-se os segundos textos. Quem com ferro fere com ferro será ferido. Quem confere ferro, com ferro Penso, logo existo. Penso, logo desisto.

Paráfrase ou frase paralela

É um texto criado na tentativa de reproduzir o sentido

de outro. É um texto sinônimo, de sentido semelhante. Veja o segundo texto. Todo dia ela faz tudo sempre igual / Me sacode às três horas da manhã / Me sorri um sorriso pontual / E me beija

com a boca de hortelã

Dia após dia ela faz as mesmas coisas. Me tira da cama às três da madrugada. Me dá um sorriso rotineiro e um beijo com gosto de pasta de dente Obs.: a paráfrase sempre altera algo no sentido subjetivo do texto.

(Chico Buarque)

Epígrafe

Inscrição que antecede um texto (no frontispício de um livro, no início de um capítulo, de um poema, de uma crô- nica

Título:

EPICÉDIO III

Epígrafe:

À morte apressada de um amigo

Texto:

Comigo falas; eu te escuto; eu vejo Quanto apesar de meu letargo, e pejo, Me intentas persuadir, ó sombra muda, Que tudo ignora quem te não estuda.

(Cláudio Manuel da Costa)

Significação das palavras. Substituição de palavras ou de trechos de texto. Reorganização da estrutura de orações e de períodos do texto

Semântica

Sema é unidade de significado. A palavra “garotas” tem três semas:

1. garot é o radical e significa ser humano em formação;

2. a é desinência e significa feminino;

3. s é desinência e significa plural.

Monossemia ou unissignificação

É o fato de uma expressão ter no texto apenas um sig- nificado.

Polissemia ou plurissignificação

É o fato de uma expressão, no texto, ter múltiplos sig- nificados.

Ambiguidade ou anfibologia

Significa duplo sentido.

Denotação

Sentido objetivo da palavra – Teresa é agressiva.

Conotação

Sentido figurado da palavra – Teresa é um espinho.

Campo Semântico

Área de abrangência ou de interpenetração de significado(s).

Chuteira, pênalti, drible, estádio semântico do futebol.

Oboé, melodia, contralto tico da música. Aeromoça, aterrissar, taxiar mântico da aviação.

pertencem ao campo

pertencem ao campo semân-

pertencem ao campo se-

Contexto

As palavras ou signos podem estar soltos ou contextua- lizados. O contexto é a frase, o texto, o ambiente em que a palavra ou signo se insere. Normalmente, uma palavra solta, fora de um contexto, desperta vários sentidos (polissemia) e os dicionários tentam relacioná-los, apresentando cada um dos sentidos (monossemia) ligado a um determinado contexto. No Dicionário Houaiss, a palavra ponto tem 62 significa- dos e contextos; linha tem outros 58, sendo que, em cada um desses contextos, a monossemia prevalece. Nos textos literários ou artísticos, ambiguidade e po- lissemia são valores positivos. O texto artístico pode ser

considerado tão mais valioso quanto mais plurissignificativo. Nos textos informativos (jornalísticos, históricos, cien-

tíficos

), a monossemia é valor positivo, enquanto a ambi-

guidade e a polissemia devem ser evitadas.

Sinonímia

Existência de palavras ou termos com significados con- vergentes, semelhantes: vermelho e encarnado, brilho e luminosidade, branquear e alvejar

Antonímia

Existência de palavras ou termos de sentidos opostos:

claro e escuro, branco e negro, alto e baixo, belo e feio

Homonímia

Palavras iguais na escrita ou no som com sentidos dife- rentes: cassa e caça, cardeal (religioso), cardeal (pássaro), cardeal (principal)

Paronímia

Palavras parecidas: eminência e iminência, vultoso e

vultuoso

QUALIDADES DO TEXTO

Um texto bem redigido deve ter algumas qualidades.

A seguir, cada tópico apresenta uma dessas qualidades e,

também, seu defeito, o oposto.

Clareza

Clareza é a qualidade que faz um texto ser facilmente entendido. Obscuridade é o seu antônimo.

Questões

O

menino e seu pai foram hospedados em prédios diferentes

o

que o fez ficar triste.

Assinale C para certo e E para errado.

1. ) A estruturação da frase se dá de maneira clara e objetiva.

A leitura desse trecho se torna ambígua em virtude do mau uso do pronome oblíquo “o”.

3. ) Colocando-se o oblíquo “o” no plural, caberia plu- ralizar “ficar triste” (o que os fez ficarem tristes) e a clareza se restaura porque o “triste” passa a se referir a ambos, “o menino” e “seu pai”.

Substituindo-se o oblíquo “o” por “este” (o que fez este ficar triste ), também se elimina a ambiguidade, passando a significar que só o pai ficou triste.

5. ) Substituindo-se o oblíquo “o” por “aquele” (o que fez aquele ficar triste) comete-se uma incorreção gramatical.

6. ) Substituindo-se o oblíquo “o” por “aquele” (o que fez aquele ficar triste) resolve-se também a obscu- ridade, pois afirma-se que só o menino ficou triste, porque o demonstrativo “aquele” refere-se ao subs- tantivo mais distante.

4. (

2. (

(

(

)

)

(

(

gabarito

Itens 2, 3, 4 e 6 certos; itens 1 e 5 errados.

Coerência

Se as ideias estão entrelaçadas harmoniosamente em termos lógicos, encontra-se no texto coerência. O seu an- tônimo é ilogicidade, incoerência.

Questões

I – Toda mulher gosta de ser elogiada. Se queres agradar a uma, mostra-lhe suas qualidades.

II – Toda mulher gosta de ser elogiada. Se queres agradar a uma, mostra-lhe seus defeitos.

Assinale C para certo e E para errado.

1. O texto I exemplifica raciocínio incoerente.

2.

3.

4. Os dois parágrafos são perfeitamente coerentes.

(

(

(

(

)

)

)

)

O texto II desenvolve raciocínio coerente. A incoerência se faz presente em ambos os parágrafos.

5. O raciocínio do texto I é perfeitamente lógico e coerente.

6. O desenvolvimento racional do texto II peca por incoerência.

(

(

)

)

gabarito

Itens 1, 2, 3 e 4 errados; itens 5 e 6 certos.

Concisão

Concisão é a capacidade de se falar com poucas palavras.

O seu oposto é prolixidade.

Questões

I – Andresa trouxe Ramiro e Osvaldo à minha presença, no meu escritório e me apresentou essas duas pessoas.

II – Andresa trouxe-me ao escritório Ramiro e Osvaldo e mos apresentou.

Assinale C para certo e E para errado.

1. Os dois textos apresentam o mesmo teor informativo.

(

)

2. O primeiro é mais prolixo (dezessete palavras, uma vírgula e um ponto final).

3. O segundo é mais conciso (onze palavras e um ponto final).

4. A última oração da frase II deve ser corrigida para “e nos apresentou”.

5. No período II, “mos” funciona como objeto indireto e direto, porque representa a fusão de dois pronomes oblíquos átonos (me + os).

(

(

(

(

)

)

)

)

gabarito

Itens 1, 2, 3 e 5 certos; item 4 errado.

Correção Gramatical

Correção é o ajuste do texto a um determinado padrão gramatical. Tradicionalmente as provas sempre visaram a medir o conhecimento da norma culta (também chamada de erudita ou padrão), por isso, quando simplesmente pedem para apontar o que está certo ou errado gramaticalmente, estão-se referindo à adequação ou inadequação do texto a essa norma culta.

Questões

I – Nóis num é loco, nóis só véve ansim pruquê nóis qué.

II – Não somos loucos, só vivemos assim porque queremos.

Assinale C ou E, conforme julgue a afirmação certa ou errada.

a) O texto I está correto em relação ao padrão popular regional e errado relativamente ao culto.

b) O texto II está certo de acordo com o padrão culto e errado se a referência for o popular regional.

gabarito

Ambas as afirmações estão corretas.

Coesão

Coesão é a inter-relação bem construída entre as partes de um texto. Seu antônimo é a incoesão ou desconexão.

COESÃO E COnECTORES

Coesão é a inter-relação bem construída entre as partes de um texto e se faz com o uso de conectores ou elementos coesivos.

Coesão gramatical (ou coesão referencial endofórica)

Os componentes de um texto se inter-relacionam, referin- do-se uns aos outros, evidenciando o que se chama coesão referencial endofórica, ou coesão gramatical. Além do uso das preposições e conjunções, eis alguns recursos de coesão refe- rencial endofórica e seus elementos coesivos ou conectores:

Nominalização

Substantivo que retoma ideia de verbo anteriormente expresso. Os alunos esforçados foram aprovados e a aprovação lhes trouxe euforia. Elemento coesivo: “aprovação” retoma “foram apro- vados”.

Pronominalização

Pronome retomando ou antecipando substantivo. Conector: na frase anterior, “lhes” retoma “alunos”.

Repetição vocabular

Repetição de palavra. A mulher se apoia no homem e o homem na mulher. Elemento coesivo: na segunda oração repetem-se os substantivos “homem” e “mulher”.

Sintetização

Uso de expressão sintetizadora. Viagens, passeios, teatros, espetáculos tra o mundo.

Tudo nos mos-

Conector: na segunda oração, a expressão “tudo” sinte-

tiza “Viagens, passeios, teatros, espetáculos

Uso de numerais

”.

São possíveis três situações. A primeira é ela estar sendo

sincera. A segunda é estar mentindo. A terceira é não saber

o que fala. Elemento coesivo: os ordinais, “primeira”, “segunda” e “terceira” retomam o cardinal “três”.

Uso de advérbios

Hesitando, entrou no quarto de Raquel. Ali deveria estar escondida a resposta. Conector: o advérbio “Ali” recupera a expressão “quarto de Raquel”.

Elipse

Omissão de termo facilmente identificável. Nós chegamos ao jardim. Estávamos sedentos. Elemento coesivo: a desinência verbal “mos” retoma o sujeito “nós” expresso na primeira oração.

Sinonímia

Palavras ou expressões de sentidos semelhantes. O extenso discurso se prolongou por mais de duas horas.

A peça de oratória cansativa foi responsável pelo desinte- resse geral. Conector: o sinônimo “peça de oratória” retoma a ex- pressão “discurso”.

Hiperonímia

Hiperônimo é palavra cujo sentido abrange o de outra(s). Roupa constitui hiperônimo em relação a calça, vestido, paletó, camisa, pijama, saia

Ela escolheu a saia, a blusa, o cinto, o sapato e as meias Aquele conjunto estaria, sim, adequado ao ambiente. Elemento coesivo: o hiperônimo “conjunto” retoma os substantivos anteriores.

Hiponímia

Hipônimo é palavra de sentido incluído no sentido de outra. Boneca, pião, pipa, bambolê, carrinho, bola de gude são hipônimos de brinquedo. Naquela disputa havia cinco times, contudo apenas o Flamengo se pronunciou. Conector: o hipônimo “Flamengo” cria coesão com a palavra “times”.

Anáfora

chama-se anafórico ao elemento de coesão que retoma algo já dito.

ao elemento de coesão que retoma algo já dito. O lobo e o cordeiro se olharam;

O lobo e o cordeiro se olharam; aquele, com fome; este, com temor.

se olharam; aquele , com fome; este , com temor. Coesivos anafóricos: “aquele” e “este” retomam

Coesivos anafóricos: “aquele” e “este” retomam “lobo” e “cordeiro”.

Catáfora

Palavra ou expressão que antecipa o que vai ser dito.

Palavra ou expressão que antecipa o que vai ser dito. Não se esqueça disto : já

Não se esqueça disto: já estamos comprometidos. Conector catafórico: “disto” antecipa a oração “já esta- mos comprometidos”.

Obs.: a coesão é uma qualidade do texto e sua falta cons- titui erro. Desconexo ou incoeso é o texto a que falta coesão.

DOMínIO DOS MECAnISMOS DE COESÃO TEXTUAL

Emprego de Elementos de Referenciação, Substituição e Repetição, de Conectores e de Outros Elementos de Sequenciação Textual

Os mecanismos de coesão textual exigem conhecimentos outros, como uso dos pronomes, regência, concordância, colocação

Resolva as questões seguintes, onde aparecem 10 co- esões bem feitas e 10 imperfeitas, com relação à norma padrão oficial.

Qual dos dois textos está mais bem escrito, levando em con- sideração os mecanismos de coesão textual?

1.

a) O cavalo, o ganso e a ovelha andavam lado a lado; enquanto este relinchava, aquele grasnava e ela balia.

b) O cavalo, o ganso e a ovelha andavam lado a lado; en- quanto aquele relinchava, esse grasnava e esta balia.

2.

a) Atenção a este aviso: “Piso Escorregadio”.

b) Atenção a esse aviso: “Piso Escorregadio”.

3.

a) Silêncio e respeito. Essas palavras se viam por toda parte.

b) Silêncio e respeito. Estas palavras se viam por toda parte.

4.

a) Encontrei o artigo que você falou.

b) Encontrei o artigo de que você falou.

5.

a) Foi essa a frase que você falou.

b) Foi essa a frase de que você falou.

6.

a) Era uma situação que ele fugia.

b) Era uma situação de que ele fugia.

7.

a) Estamos diante de um texto que falta coesão.

b) Estamos diante de um texto a que falta coesão.

8.

a) Finalmente chegou ao quarto onde estava escondido o dinheiro.

b) Finalmente chegou ao quarto aonde estava escon- dido o dinheiro.

9.

a) Veja o local onde você chegou.

b) Veja o local aonde você chegou.

10.

a) Convide para a mesa as senhoras cujos os maridos estão presentes.

b) Convide para a mesa as senhoras cujos maridos estão presentes.

gabarito

1.

b. Uso dos demonstrativos: aquele, para o mais dis- tante; esse, para o intermediário; este, para o mais próximo.

2.

a. Uso dos demonstrativos: este refere-se ao que se vai falar; esse, ao que já foi dito.

3.

a. Uso dos demonstrativos: este refere-se ao que se vai falar; esse, ao que já foi dito.

4.

b (falar de um artigo).

5.

a (falar uma frase).

6.

b (fugir de algo).

7.

b (falta coesão a algo).

8.

a (o dinheiro estava escondido no quarto).

9.

b (você chegou a um local).

10.

b (cujo não vem seguido de artigo).

OUTROS COnCEITOS

Barbarismo

Erro no uso de uma palavra.

1. Erro de pronúncia ou grafia: Ele é adevogado e co- nhece o pograma.

2. Erro de flexão: Eu reavi os leitães. (O certo é reouve os leitões)

3. Troca de sentido: tráfico x tráfego, estrutura x esta- tura, ascendente x descendente

Cacofonia

Som desagradável ou ambíguo. Meus afetos por ti são (tição). Louca dela (cadela), por não perceber que dedico a ti (quati) o meu amor.

Eco ou Colisão

Rima na prosa. Depois da primeira porteira, encontrou a costureira descendo a ladeira da goiabeira.

Estrangeirismo

Uso de palavras ou expressões estrangeiras. Internet, slow motion, pick-up, abat-jour, débauche, front-light

Solecismo

Erro sintático.

1. De regência: Emprestei de você um calção. Ele obede- ceu o pai.

2. De concordância: Nós vai menina

Arcaísmo

A gente pensamos

As

Uso de palavras ou expressões antigas. Palavras adrede escolhidas (especialmente). Brincavam de trocar piparotes (petelecos).

Neologismo

Palavra recém-inventada. – O que ele está fazendo? Ah! Deve estar internetando.

Preciosismo

Preocupação exagerada com a construção do texto.

FIgURAS DE LIngUAgEM

Podem-se subdividir em Figuras de Pensamento, Figuras de Sintaxe, Figuras de Sonoridade, e ainda Tropos (Uso de Sentido Figurado ou Conotação).

Figuras de Pensamento

São as figuras que atuam no campo do significado.

Antítese

Aproximação de ideias opostas – O belo e o feio podem ser agressivos ou não.

Paradoxo

Aparente contradição – Esta sua tia é uma beleza de feiura.

Ironia

Afirmação do contrário – O animal estava limpo, com

os cascos reluzentes, firme, saudável

Eufemismo

Muito maltratado!

Suavização do desagradável – Passou desta para a me- lhor (= morreu).

Hipérbole

Exagero – Já repeti cem mil vezes.

Perífrase

Substituição de uma expressão mais curta por uma mais longa e pode ser estilisticamente negativa ou positiva, de- pendendo do contexto.

Texto: Apoio sinceramente sua decisão. Perífrase: Antes de mais nada, é importante que você me permita neste momento comunicar-lhe meus sinceros sentimentos de apoio ao resultado de suas meditações.

Também constitui perífrase o uso de duas ou mais pala- vras em vez de uma:

titular da presidência (= presidente); a região das mil e uma noites (= Arábia)

Figuras de Sintaxe

São as figuras relacionadas à construção da frase.

Elipse

Omissão de termo facilmente identificável – (eu) cheguei, (nós) chegamos.

Zeugma

Elipse de termo já dito.

– Comprei dois presentes; ela, três.

– José chegou cedo; Maria, não.

Hipérbato

Inversão da frase – Para o pátio correram todos.

Pleonasmo vicioso

Repetição desnecessária de ideia – Chutou com o pé, roeu com os dentes, saiu para fora, lustro de cinco anos

Pleonasmo estilístico

A mim, não me falaste. Aos pais, lhes respondi que

Assíndeto

Ausência de conjunção coordenativa – Chegou, olhou, sorriu, sentou.

Polissíndeto

Repetição de conjunção coordenativa – Chegou, e olhou, e sorriu, e sentou.

gradação

Sequência de dados em crescendo – Balbuciou, sussur- rou, falou, gritou

Paralelismo Sintático

Obediência a um mesmo padrão. Sem paralelismo: Quero de você admiração, honestidade

e

que me obedeça. Ela é alta, inteligente e tem beleza. Com paralelismo: Quero de você admiração, honestidade

e

obediência. (todos, substantivos) Ela é alta, inteligente e bela. (todos, adjetivos)

Silepse

Concordância com a ideia, não com a palavra.

Silepse de Gênero: Vossa Senhoria está cansado?

Silepse de Número: E o casal de garças pousaram tran- quilamente.

Silepse de Pessoa: Todos deveis estar atentos.

Figuras de Sonoridade

São as figuras relacionadas ao trabalho com os sons das palavras.

Aliteração

Repetição de sons consonantais próximos – Gil engendra em Gil rouxinol” (Caetano Veloso).

Assonância

Repetição de sons vocálicos próximos – Cunhã poranga na manhã louçã.

Onomatopeia

Tentativa de imitação do som – coxixo, tique-taque, zum- -zum, miau

Paronomásia ou trocadilho

Contudo

ele está com tudo.

Tropos (Uso do Sentido Figurado ou Conotação)

Comparação ou Analogia

Relação de semelhança explícita sintaticamente. Ele voltou da praia parecendo um peru assado. Teresa está para você, assim como Júlia, para mim. Corria qual uma lebre assustada. Sua voz é igual ao som de panela rachada.

Metáfora

Relação de semelhança subentendida, sem conjunção ou palavra comparativa. Voltou da praia um peru assado.

A sua Tereza é a minha Júlia.

Correndo, ele era uma lebre assustada. Sua voz era uma panela rachada.

Metonímia

Relação de extensão de significado, não de semelhança. Continente x conteúdo Só bebi um copo. (Bebeu o conteúdo e não o copo)

Origem x produto Comeu um bauru. (Bauru é a origem do sanduíche)

Causa x efeito Cigarro incomoda os vizinhos. (A fumaça é que incomoda)

Autor x obra Vamos curtir um Gilberto Gil? (Curtir a música)

Abstrato x concreto Estou com a cabeça em Veneza. (O pensamento em Veneza)

Símbolo x simbolizado

A balança impôs-se à espada. (Justiça

Forças Armadas)

Instrumento x artista

O cavaquinho foi a grande atração. (O artista)

Parte x todo Havia mais de cem cabeças no pasto. (Cem reses)

Catacrese

Metáfora estratificada, que já faz parte do uso comum. Asa da xícara, asa do avião, barriga da perna, bico de bule, de limão

Prosopopeia ou Personificação

O céu sorria aberto e cintilante

As folhas das palmeiras

sussurravam aos nossos ouvidos.

POnTO DE VISTA DO AUTOR

Todo e qualquer autor, ao produzir um texto, falado, cantado ou escrito, seja para descrever uma cena, narrar um fato, ou desenvolver um raciocínio, coloca nesse texto, mesmo que não o perceba, sua visão de mundo, sua posição política, religiosa, artística, econômica, social etc., além de sua preferência por este ou aquele assunto, este ou aquele personagem. A linguística textual levanta com base nos vo- cábulos escolhidos e na organização dos enunciados, o que se denomina Ponto de Vista do Autor.

InTEnCIOnALIDADE

Paralelamente ao ponto de vista, o autor também mani- festa uma intencionalidade, ou tendência psicológica, a favor ou contra determinada realidade, personalidade ou atitude, o que se pode deduzir, também, das palavras utilizadas e/ou da organização das frases. Nos cartazes das ruas e da im- prensa, duas frases usando as palavras “impeachment” e “golpe” se opuseram insistentemente: 1) Impeachment sem crime é golpe e 2) Impeachment não é golpe. Por trás de cada uma está a intencionalidade do emissor. A intenção da frase 1 é impedir o impeachment, enquanto a frase 2 tem como propósito a sua aprovação.

Leia com atenção o depoimento de duas testemunhas sobre o fato que presenciaram. Testemunha A: o irmão Antônio, com frieza, gestos con- trolados, voz macia e baixa, olhar de Madalena arrependida, consciente da importância de sua postura no convencimento dos irmãos, desfiava um rosário de mentiras que convencia os presentes. Em dado momento, deixou escapar, numa fração de segundo, um esboço de sorriso vitorioso que fez o irmão Lauro levantar-se e se aproximar dele. De repente estavam os dois no chão, irmão Antônio por cima, irmão Lauro por baixo e com dificuldade foram separados pelos outros. Testemunha B: Seu Antônio estava falando, Seu Lauro voou pra cima dele com um soco armado que passou no vazio. Seu Antônio, mais forte e mais pesado, atracou-se ao agressor, derrubou-o no chão e o dominou completamente, segurando-lhe ambos os punhos, numa montada completa, sem desferir um golpe sequer, mas incapaz de impedir que o subjugado lhe mandasse, de baixo para cima, uma cusparada no rosto. Eu e um colega caímos sobre eles, seguramos os dois e os separamos.

Exercícios

Veja agora como os pontos de vista das duas testemunhas são

diferentes, respondendo C ou E para as afirmações seguintes e conferindo suas respostas com as do gabarito.

1

(

)

O fato motivador de ambas as narrativas foi o mes- mo: uma briga entre dois indivíduos.

2

(

)

Ambas as narrativas indicam que as duas testemu- nhas demonstram bom nível de escolaridade pelo domínio do padrão linguístico apresentado.

3

(

)

No trecho “o irmão Antônio, com frieza, gestos con- trolados, voz macia e baixa, olhar de Madalena arre- pendida, consciente da importância de sua postura no convencimento dos irmãos, desfiava um rosário de mentiras”, a testemunha A descreve psicologica- mente Antônio como frio, calculista e mentiroso.

4

(

)

as expressões “o irmão”, “Madalena arrependida”, “dos irmãos”, ”rosário”, “o irmão”, “outros irmãos” e a própria repetitividade, refletem repertório reli- gioso e caracterizam o autor do texto como conviva do mesmo grupo dos demais personagens.

5

( ) No segundo período a testemunha A indica que Antônio agrediu moralmente com “um esboço de sorriso vitorioso” a Lauro, tendo provocado a briga.

6

(

) A testemunha A se mostrou imparcial.

7

( ) Com a descrição psicológica (item 3) e a agressão moral (item 5), pode-se perceber, na testemunha A, a tendência para construir a culpabilidade de Antônio.

8

(

) A testemunha A narra em 3ª pessoa, como obser- vadora dos acontecimentos.

9

(

)

O tratamento “Seu” usado em “Seu Antônio” e “Seu Lauro” indica pouca intimidade e distanciamento respeitoso da testemunha B.

10.

(

)

A linguagem da testemunha B não indica ponto de vista religioso, mas de quem entende ou convive com ambiente de luta (“voou pra cima dele com um soco armado que passou no vazio”, “mais forte

 

mais pesado, atracou-se ao agressor, derrubou”,

“dominou completamente”, “montada completa”, “desferir golpe” , “subjugado” ).

e

11.

(

)

Segundo a testemunha B, “Seu Lauro” agrediu duas vezes “Seu Antônio”: uma fisicamente (“voou pra cima dele com um soco armado”) e outra física e moralmente (“uma cusparada no rosto”).

12.

(

)

A testemunha B mostrou-se imparcial.

13.

(

)

Pode-se perceber na testemunha B a intencionali- dade de culpar “seu Lauro”.

14.

(

)

A testemunha B, como narrador de 1ª pessoa (Eu e um colega caímos sobre eles, seguramos os dois

e os separamos), coloca-se na cena como um dos

personagens, ou seja, como narrador participante.

gabarito

1. V 4. V 7. V 10. V 13. V 2. V 5. V 8.
1. V
4. V
7. V
10. V
13. V
2. V
5. V
8. V
11. V
14. V
3. 6. F
V
9. 12. F
V
Conclusão:
Pela leitura dos dois textos, percebem-se pontos de vis-
ta diferentes dos dois autores, no caso os dois narradores.
Ponto de vista do narrador A: usa a 3ª pessoa, fala
como observador, visão de fora; demonstra bom domínio
linguístico; posta-se como integrante de uma irmandade;
considera agressor e provocador o “irmão Antônio””.
Ponto de vista do narrador B: usa a 1ª pessoa, fala como
um dos personagens; demonstra bom domínio linguístico;
posta-se como entendedor de luta; mostra distanciamento
e pouca intimidade com os envolvidos na briga; considera
agressor e provocador o “Seu Lauro”.

Exercícios

Uma das formas de se cobrar paráfrase e conhecimentos de redação nas provas são exercícios de reescrita de textos ou trechos, que adaptamos de prova para Auditor-Fiscal da Re- ceita Federal do Brasil – AFRFB, com base no seguinte texto:

A demanda doméstica depende de vários fatores, e da perspectiva do seu aumento depende a produção industrial.

É normal, então, dar atenção especial ao nível do emprego e

à evolução da massa salarial real, sem deixar de acompanhar

as receitas e despesas do governo federal. Enquanto a ligeira

retomada da economia norte-americana é acompanhada por aumento do desemprego, no Brasil o quadro é diferente. Os dados de julho, nas seis principais regiões do País, mostram redução do desemprego de 8,1% para 8%, o que significa

a geração de 185 mil postos de trabalho. Essa taxa de de-

semprego, em julho, é a menor da série desde 2002. Para-

lelamente, houve melhora na qualidade do emprego, e 142 mil postos foram criados com carteira de trabalho assinada.

(O Estado de S. Paulo, Editorial, 21/8/2009)

Assinale a opção em que a reescrita de segmento do texto não mantém as informações originais.

1. A demanda doméstica depende de vários fatores, e a produção industrial depende da perspectiva do aumen- to dessa demanda.

2. Essa taxa de desemprego é a menor em julho de 2002. Paralelamente, em 142 mil postos, a carteira de trabalho assinada melhorou a qualidade do emprego já existente.

3. O aumento do desemprego acompanha a ligeira re- tomada da economia norte-americana, enquanto no Brasil o quadro é diferente.

4. Nas seis principais regiões do País, os dados de julho mostram a geração de 185 mil postos de trabalho, o que significa redução do desemprego de 8,1% para 8%.

5. É normal, então, dar atenção especial tanto ao nível do emprego e à evolução da massa salarial real quanto às receitas e despesas do governo federal.

Texto 1 (extraído de Natália Petrin in www.estudopratico. com.br/satira-literatura-ant)

Petrin in www.estudopratico. com.br/satira-literatura-ant) Assinale C ou E: 6. ) O texto mistura linguagem escrita e

Assinale C ou E:

6. ) O texto mistura linguagem escrita e icônica (letra e imagem visual).

Trata-se de um banner divulgado por meio eletrônico.

8. ) Pode-se ver ironia e sátira na mensagem.

(

7. (

(

)

Texto 2 (Propaganda da BomBril, baseada na Monalisa de Leonardo Da Vinci)

da BomBril, baseada na Monalisa de Leonardo Da Vinci) 15 Este eBook foi adquirido por TIAGO
da BomBril, baseada na Monalisa de Leonardo Da Vinci) 15 Este eBook foi adquirido por TIAGO

Assinale C ou E:

9. ) A propaganda é só o quadro maior, pois o menor, com finalidade didática, mostra como é a Mona Lisa,

(

de Miguel Ângelo.

10. ) Trata-se de propaganda bimidiática, pois usa duas linguagens, ou dois meios de comunicação: um ver- bal e um não verbal.

(

11. ) A sugestão base dessa mensagem propagandística

(

é a comparação.

Texto 3 (Trabalho de Ziraldo, colhido na internet)

Texto 3 (Trabalho de Ziraldo, colhido na internet) Assinale C ou E: 12. ( ) Podem-se

Assinale C ou E:

12. ( ) Podem-se atribuir ao trabalho do Ziraldo caracte- rísticas de charge.

13. Trata-se de texto bimidiático, pois usa duas lingua-

gens, ou dois meios de comunicação: um verbal e um não verbal.

14. O recurso comunicativo em que se baseia o texto é

(

)

(

)

o diálogo.

Preencha os parênteses das afirmações a seguir, relacionan- do-as aos três últimos textos. (Dilma, Monalisa e Ziraldo)

15. Assim como Manuel Bandeira, quando disse ”O sapo-

-tanoeiro,/Parnasiano aguado,/ Diz: - ‘meu cancioneiro/É

satirizou os poetas tradicionais, nota-

bem martelado

’,

-se um exemplo de sátira no texto número ( ).

16. Muito frequente na imprensa, a charge constitui um tipo de ilustração em traços de caricatura, geralmente para criticar ou satirizar personagens ou fatos do cotidiano. Pode-se ver exemplo de charge no texto número ( ).

17. Paródia, tipo de criação muito frequente não só na lite- ratura, mas também na internet e na televisão, vem a ser uma releitura irônica, debochada, cômica de outro texto. Pode-se apontar exemplo de paródia no texto número ( )

Estamos no trânsito de São Paulo, ano 2030. E não é preciso apertar os cintos: nosso carro agora trafega sozinho pelas ruas, salvo de acidentes, graças a um sistema que o mantém em sincronia com os demais veículos lá fora. O vo-

lante, item de uso opcional, inclina-se de um lado para outro como se fosse manuseado por um fantasma. Mas ninguém liga pra ele - até porque o carro do futuro está cheio de novidades bem mais legais. Em vez dos tradicionais quatro assentos, o que temos agora é uma verdadeira sala de estar, com poltronas reclináveis, mesa no centro e telas de LED. As velhas carrocerias de aço foram substituídas por redomas translúcidas, com visibilidade total para o ambiente externo. Se você preferir, é possível torná-la opaca e transformar o

carro em um ambiente privado, quase como um quarto

ambulante. Como o sistema de navegação é autônomo, basta informar ao computador aonde você quer ir e ele faz

o resto. Resta passar o tempo da forma que lhe der na telha:

lendo, trabalhando, assistindo ao seu seriado preferido ou até dormindo. A viagem é agradável e silenciosa. (Superin- teressante, novembro de 2014).

18. (FGV/TJ-RJ/Analista Judiciário/2014) O texto deve ser incluído, por suas marcas predominantes, entre o se- guinte modo de organização discursiva:

a) narrativo.

b) dissertativo-expositivo.

c) dissertativo-argumentativo.

d) dissertativo-informativo.

e) descritivo.

Julgue o próximo item, como C ou E, em relação ao texto que o segue.

19. (Cespe/Polícia Federal/Agente de Polícia Federal/2014) O texto, que se classifica como dissertativo, expõe a articulação entre o tráfico internacional de drogas e o sistema financeiro mundial.

Otráficointernacionaldedrogascomeçouadesenvolver-

se em meados da década de 70, tendo tido o seu boom na década de 80. Esse desenvolvimento está estreitamente ligado à crise econômica mundial. O narcotráfico determina as economias dos países produtores de coca e, ao mesmo tempo, favorece principalmente o sistema financeiro

mundial. O dinheiro oriundo da droga corresponde à lógica do sistema financeiro, que é eminentemente especulativo. Este necessita, cada vez mais, de capital “livre” para girar,

e o tráfico de drogas promove o “aparecimento mágico”

desse capital que se acumula de modo rápido e se move velozmente. A América Latina participa do narcotráfico na qualidade de maior produtora mundial de cocaína, e um de seus paí- ses, a Colômbia, detém o controle da maior parte do tráfi- co internacional. A cocaína gera “dependência” em grupos econômicos e até mesmo nas economias de alguns países, como nos bancos da Flórida, em algumas ilhas do Caribe ou nos principais países produtores – Peru, Bolívia e Colômbia, para citar apenas os casos de maior destaque. Na Bolívia, os lucros com o narcotráfico chegam a US$ 1,5 bilhão contra US$ 2,5 bilhões das exportações legais. Na Colômbia, o narcotráfico gera de US$ 2 a 4 bilhões, enquanto as exportações oficiais geram US$ 5,25 bilhões. Nesses países, a corrupção é generalizada. Os narcotra- ficantes controlam o governo, as forças armadas, o corpo diplomático e até as unidades encarregadas do combate ao tráfico. Não há setor da sociedade que não tenha ligação com os traficantes e até mesmo a Igreja recebe contribui- ções destes.

Osvaldo Coggiola. O comércio de drogas hoje. In: Olho de História, nº 4. Internet: < www.oolhodahistoria.ufba.br> (com adaptações).

As Árvores Mais Incríveis do Mundo

As árvores sempre exerceram grande fascínio nas pessoas. Uma das explicações para o interesse que elas despertam é sua incrível longevidade. Algumas têm mais de 4.000 anos, o que as torna os seres mais antigos

5 do planeta. Para entender o que isso significa, basta

10

15

20

imaginar que elas nasceram muito antes de Cristo e do Império Romano. As árvores também surpreendem pelo gigantismo. Segundo os cientistas, apenas um fungo que se esconde sob uma floresta em Oregon, nos Estados

Unidos da América, as supera em tamanho. As árvores ocupam uma posição de destaque na literatura. Foi o fruto de uma macieira que provocou a expulsão de Adão

e Eva do paraíso. Muitos autores acreditam que Buda

recebeu sua iluminação sob uma figueira. No teatro

moderno de Tchecov, a destruição das cerejeiras da casa de uma abastada família russa simboliza a queda final da aristocracia. Há uma lenda que afirma que o baobá brasileiro serviu de inspiração para o escritor francês Antonie de Saint-Exupéry, autor do clássico O

Pequeno Príncipe.

VIELIZKO, Miguel. O Ambiente. In: Veja 30/4/2003, p.71.

20. (Cespe) Julgue os itens a seguir quanto à correção gramatical da reescritura apresentada e à manutenção das ideias gerais do texto.

“As árvores (

cações para o interesse que as árvores que sempre exerceram grande fascínio nas pessoas despertam

é sua incrível longevidade.

“Algumas (

árvores, os seres mais antigos do planeta é o fato delas terem mais de 4.000 anos.

“Para entender (

elas nasceram muito antes de Cristo e do Império Romano, é o bastante para entender a afirmativa, de que são os seres mais antigos do planeta.

“Foi o fruto (

para comprovar sua posição de destaque na litera- tura são: o episódio da expulsão de Adão e Eva do paraíso; as histórias sobre o local da iluminação de Buda; a lenda de um baobá brasileiro que teria ins- pirado Saint-Exupéry, autor de O Pequeno Príncipe.

Príncipe.” (ls.11-20): Os argumentos

Romano” (ls.5-7): Imaginar que

planeta” (ls.3-5): O que torna algumas

longevidade” (ls. 1-3): Uma das expli-

a)

b)

c)

d)

)

)

)

)

A Arte de Ser Feliz

5

10

15

Com a força das palavras, poetas e escritores

sempre tentaram definir a tal felicidade. Cientistas e pesquisadores, há muito, também procuram desvendar

o segredo deste sentimento. Para alguns a capacidade

de ser feliz poderia até ser herança genética. Vai saber

A felicidade, buscada com insistência pelo ser humano

durante a vida inteira, ainda é uma incógnita e segundo especialistas, advém de uma mistura de fatores. Nem todos estão de acordo com a explicação ba-

seada no DNA. Para estes, não se pode reduzir o ser humano ao aspecto genético ou ao psíquico, muito menos colocar mais peso em um dos lados. Ambos são somados quando o saldo é a felicidade. O ser humano é biopsicossocial e a felicidade é uma interação complexa

desses fatores.

Correio Braziliense, 5/6/202 In: Coisas da Vida, com adaptações.

21. (Cespe) Em cada um dos itens a seguir, julgue se a re- escrita destacada em negrito mantém o sentido geral do trecho indicado do texto e a correção gramatical.

a) (ls.1-2): Por meio da força das palavras, poetas

escritores tentam todos os dias definir o que seja

a felicidade.

b) (ls.4-5): Alguns estudiosos creem que a felicidade

pode, entre outras coisas, ser herança genética. Quem sabe?

c) (ls.10-15): Tanto o lado genético quanto o psíquico são responsáveis pela felicidade, por isso pode-se dizer, que o ser humano é biopsicossocial e a feli- cidade uma fusão desses fatores.

(Cespe) Desde a chegada dos portugueses até as últimas décadas do século XIX, foi aberta uma infinidade de caminhos terrestres e rotas fluviais de circulação

22. ( ) Diminuindo-se a ênfase, o desenvolvimento das ideias do texto permite substituir o termo “uma infinidade” por inúmeros, sem prejuízo da corre- ção gramatical.

(Cespe) Os oceanos ocupam 70% da superfície da Terra, mas até hoje se sabe muito pouco da vida em suas regiões mais recônditas.

23. ( ) A palavra “recônditas” pode, sem prejuízo para a informação original do período, ser substituída por profundas.

(Cespe) Por ironia, as pesquisas mais frequentes produzidas pelas pesquisas científicas relatam não a descoberta de no- vos seres ou fronteiras marinhas, mas a alarmante escalada das agressões impingidas aos oceanos pela ação humana.

24. O termo “mas” corresponde a qualquer um dos se- guintes: todavia, entretanto, no entanto, conquanto.

25. Na mesma frase, seria possível em linguagem co- loquial substituir “alarmante” por baita.

(

(

)

)

(Cespe) Alívio dos que, tendo a intenção de viver irregu- larmente na Espanha, conseguem passar pelo controle de imigração do Aeroporto Internacional de Barajas não dura muito tempo.

26. ( ) No trecho “Alívio dos que”, a substituição de “dos” por daqueles prejudica a correção gramatical do período.

(Cespe) Foram expedidas cerca de 7 mil cartas de expulsão de brasileiros no ano passado.

27. (

A substituição de “cerca de” por acerca de man- tém a correção gramatical do período.

)

(Cespe) O investidor tem o direito de ser informado sobre a composição do produto que estiver comprando e o grau de risco que está assumindo.

28. O termo “o investidor” pode ser substituído por Qualquer investidor ou por Os investidores, sem prejuízo para o sentido e para a correção grama- tical do período.

29. Na mesma frase, a substituição de “estiver” por está provocaria incoerência textual e incorreção gramatical.

(

(

)

)

(Cespe) Em 2007, 36,1% delas (mulheres) trabalhavam no campo, ante 46,3% em serviços.

30. ( ) Devido à função que exerce na organização das ideias, a preposição “ante” pode ser substituída por frente à, preservando-se a coerência e a cor- reção gramatical do texto.

Os oito exercícios a seguir são itens de provas do Cespe, adaptados a múltipla escolha.

1 O respeito às diferentes manifestações culturais é fundamental, ainda mais em um país como o Brasil,

que apresenta tradições e costumes muito variados em

4

todo o seu território. Essa diversidade é valorizada e preservada por ações da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID), criada em 2003 e ligada ao

7

Ministério da Cultura. Cidadãos de áreas rurais que estejam ligados a ati- vidades culturais e estudantes universitários de todas

10

as

regiões do Brasil, por exemplo, são beneficiados por

um dos projetos da SID: as Redes Culturais. Essas redes abrangem associações e grupos culturais para divulgar

13

e

preservar suas manifestações de cunho artístico. O

projeto é guiado por parcerias entre órgãos represen- tativos do Estado brasileiro e as entidades culturais.

16

A Rede Cultural da Terra realiza oficinas de capacita- ção, cultura digital e atividades ligadas às artes plásticas, cênicas e visuais, à literatura, à música e ao artesanato.

19

Além disso, mapeia a memória cultural dos trabalhado- res do campo. A Rede Cultural dos Estudantes promove eventos e mostras culturais e artísticas e apoia a criação

22

de Centros Universitários de Cultura e Arte. Culturas populares e indígenas são outro foco de atenção das políticas de diversidade, havendo editais

25

públicos de premiação de atividades realizadas ou em andamento, o que democratiza o acesso a recursos pú- blicos.

28

O papel da cultura na humanização do tratamen- to psiquiátrico no Brasil é discutido em seminários da SID. Além disso, iniciativas artísticas inovadoras nesse

31

segmento são premiadas com recursos do Edital Loucos pela Diversidade. Tais ações contribuem para a inclusão

e

socializam o direito à criação e à produção cultural.

34

A participação de toda a sociedade civil na discus- são de qualquer política cultural se dá em reuniões da SID com grupos de trabalho e em seminários, oficinas

37

e

fóruns, nos quais são apresentadas as demandas da

população. Com base nesses encontros é que podem ser planejadas e desenvolvidas ações que permitam o

40

acesso dos cidadãos à cultura e a promoção de suas manifestações, independentemente de cor, sexo, idade, etnia e orientação sexual.

Identidade e diversidade. Internet: <www.brasil. gov.br/sobre/cultura/> (com adaptações).

31. Com base no texto, julgue cada item numerado como certo(C) ou errado(E) e, a seguir, escolha a alternativa mais adequada.

I – Mantêm-se as informações originais e a correção

gramatical do texto caso o primeiro parágrafo seja assim reescrito: Em 2003, ligada ao Ministério da Cultura, com

a finalidade de preservar e de valorizar as diferentes

manifestações culturais, principalmente no Brasil, que têm tradições e costumes diversos, foi criada a Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID).

II – A retirada da expressão de realce “é que” (l.38) e a colocação de vírgula após o segmento “Com base nesses

encontros” (l.38) não acarretariam prejuízo gramatical

ao período.

III – Depreende-se do texto que a finalidade específica

da SID é reservar espaços para debates sobre política cultural com determinados grupos da sociedade: os indí- genas e as comunidades negras, embora essa secretaria também promova outros projetos culturais.

a) E, E, C

b) E, C, E

c) E, C, C

d) C, E, C

e) C, C, C

32. Com base no texto, julgue cada item numerado como certo(C) ou errado(E) e, a seguir, escolha a alternativa mais adequada.

I – O emprego do sinal indicativo de crase é obrigató-

rio em “às diferentes manifestações” (l.1) e facultativo em “às artes plásticas” (l.17), “à literatura” (l.18) e “à música” (l.18).

II – A expressão “Tais ações” (l.32) está empregada em

referência à discussão acerca do papel da cultura na humanização do tratamento psiquiátrico e à premiação

a

iniciativas artísticas inovadoras nesse segmento.

III

– O termo “nesse”, em “iniciativas artísticas inova-

doras nesse segmento” (l.30), refere-se à Secretaria da

Identidade e da Diversidade Cultural.

a) E, E, C

b) C, C, C

c) E, E, E

d) E, C, E

e) E, C, C

33. Com base no texto, julgue cada item numerado como

certo(C) ou errado(E) e, a seguir, escolha a alternativa mais adequada.

I – A substituição do segmento “de toda a” (l.34) por da não causaria prejuízo semântico ao texto.

II – A retirada da vírgula após “Brasil” (l.2) manteria a

correção gramatical e os sentidos do texto, visto que, nesse caso, o emprego desse sinal de pontuação é fa- cultativo.

III – No período “Essas redes abrangem associações e

grupos culturais para divulgar e preservar suas mani-

festações de cunho artístico.” (l.11-12), duas orações expressam finalidades das “Redes Culturais” (l.10).

a) C, E, C

b) E, C, E

c) E, E, C

d) C, E, E

e) E, C, C

Pavio do destino

Sérgio Sampaio

1

O bandido e o mocinho São os dois do mesmo ninho Correm nos estreitos trilhos

4

Lá no morro dos aflitos Na Favela do Esqueleto São filhos do primo pobre

7

A parcela do silêncio Que encobre todos os gritos

E

vão caminhando juntos

10

O mocinho e o bandido De revólver de brinquedo Porque ainda são meninos

13

Quem viu o pavio aceso do destino?

Com um pouco mais de idade

E

já não são como antes

16

Depois que uma autoridade Inventou-lhes um flagrante Quanto mais escapa o tempo

19

Dos falsos educandários Mais a dor é o documento Que os agride e os separa

22

Não são mais dois inocentes Não se falam cara a cara Quem pode escapar ileso

25

Do medo e do desatino

Quem viu o pavio aceso do destino?

O

tempo é pai de tudo

28

E

surpresa não tem dia

Pode ser que haja no mundo Outra maior ironia

31

O

bandido veste a farda

Da suprema segurança

O

mocinho agora amarga

34

Um bando, uma quadrilha São os dois da mesma safra Os dois são da mesma ilha

37

Dois meninos pelo avesso Dois perdidos Valentinos

Quem viu o pavio aceso do destino?

34. Com base no texto, julgue cada item numerado como certo(C) ou errado(E) e, a seguir, escolha a alternativa mais adequada.

I – O trecho “Quanto mais escapa o tempo / Dos falsos

educandários / Mais a dor é o documento / Que os agri- de e os separa” (v.18-21) poderia, sem prejuízo para a

correção gramatical, ser reescrito da seguinte forma: À medida que escapa o tempo dos falsos educandários,

a dor vai se tornando o documento que os agride e os separa.

II – O termo “ileso” (v.24) está empregado como sinô- nimo de incólume.

III – Infere-se da leitura dos versos “O bandido veste a

farda / Da suprema segurança / O mocinho agora amarga

/ Um bando, uma quadrilha” (v.31-34) que houve uma

inversão: o menino que fazia o papel de mocinho na brincadeira virou bandido quando adulto, e o que fazia o papel de bandido se tornou policial. Na mesma estrofe, os termos “surpresa” (v.28), “ironia” (v.30) e “avesso” (v.37) ratificam essa interpretação.

a) E, E, C

b) E, C, C

c) E, C, E

d) E, E, E

e) C, C, C

35. Com base no texto, julgue cada item numerado como

certo(C) ou errado(E) e, a seguir, escolha a alternativa mais adequada.

I – O texto, pertencente a um gênero poético, faz um

relato biográfico sobre duas crianças em uma localida-

de periférica, contrastando a inocência e o ludismo da infância com a aspereza e a ironia do destino na vida adulta.

II – Os termos “ninho” (v.2) e “safra” (v.35) foram em- pregados em sentido denotativo e correspondem, res- pectivamente, ao local e à época de nascimento dos meninos.

III – O termo “amarga” (v.33) corresponde a uma carac-

terística que, no texto, qualifica “quadrilha” (v