Sei sulla pagina 1di 23

'

' SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CADASTJ CPROD, PROCE~ Cuujur/M ;'\linistério do Trabalho c Emprego- MTE Controle de
' SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CADASTJ CPROD, PROCE~ Cuujur/M ;'\linistério do Trabalho c Emprego- MTE Controle de
' SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CADASTJ CPROD, PROCE~ Cuujur/M ;'\linistério do Trabalho c Emprego- MTE Controle de

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

CADASTJ

CPROD,

PROCE~

Cuujur/M

;'\linistério do Trabalho c Emprego- MTE Controle de Processos c Documentos- CPRODWEB

IIIIIIIIJIIIIIIIIIIIIIIIIIHllllllllllllllllllllllllllllllll·

N". I'IWCESSO:

I="TERESSADO: 24' PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE CAMPINAS f SP I'ROCEDÊ:-ICIA: 24' PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE CAMPINAS f SP ASSU1'iTO: Políticas Públicas de Emprego c Renda f f Assunto Complemento: Encaminha cop1a do Oficio 2129/15-24 do Ministeric Público de São Paulo. em face do parecer emitido pelo Advocacia Geral da Uniao, Consultoria Juridíca do MTPS, no entendimento da necessidade dos jornalistas e profissionais de :mprensa obter regime profissional junto ao 1\.ITPS

46010.0026771:!015-59

DATA/HORA Abertura:

29fl21:!015 13:20:25

MOVIMENTAÇOES

 

SIGLA

CÓDIGO

 

DATA

_,

SIGLA

CÓDIGO

DAT

01

   

I

I

15

     
           

j_

02

   

I

I

16

   

j_

03

   

I

I

17

   

I

04

I

I

18

J

05

 

19

     
     

I

I

I

06

 

I

I

20

   

I

07

I

I

21

I

08

 

22

     
     

I

I

j_

09

   

I

I

23

   

I

10

   

f

I

24

   

I

11

   

I

I

25

   

I

I

12

   

f

I

26

   

j_

J.

13

             

27

   

I

I

I

J.

14

   

I

I

28

   

I

I

 

AS MOVIMENTAÇÕES DEVERÃO SER REGISTRADAS NO CPROD_WEB

 

ANEXO:

1

Campinas-SP

11

Ao

Excelentíssimo

Senhor

Trabalho

e

Emprego

-

MTE

Ministro

REF. Peça de Informação 10620/15-PP.

de

Dezembro

Estado

de

2015. 0

~

.t611 I!).Ull2677/211 I S-SIJ d-Y l/ ,;:} 12lllS

.t611 I!).Ull2677/211 IS-SIJ

d-Y l/ ,;:} 12lllS

Encaminho oficio 2129/ 15-24-PP oriundo do Ministério Público de São Paulo.

Trata-se da insubordinação da Procuradoria Geral do Estado de São

Paulo, em face do parecer emitido pela Advocacia Geral da União,

consultoria jurídica do Ministério do Trabalho, no entendimento da

necessidade dos jornalistas e profissionais de imprensa obter registro

junto ao Mtb.

Inicialmente a representação foi protocolada no Ministério Público

Federal, por envolver entes da república, seja o Ministério do Trabalho c

Emprego c Advocacia Geral da União, em fase do entendimento

equivocado do Governo de São Paulo, no trato com a

profissão

de

:

jornalista, regulamentada por lei.

:

~~

!!

i

'

:: ·:

::·

,-:·,

.::!

•.

~?

.I

~-~{

:; i

!-•r:

:

d

;

:

.

'

.• i

l:

"

~<

I ~,I

~.!:

!!!

2.

Considerando

que

ao

Ministério

Público

é

o

guardião

da

lei.

Conforme

disposto:

Constituição

Público:

Federal ill assim

define

o

Ministério

n''

t;;o{

C' v-

"Art. 127 - O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis"

1. Inicialmente verificou-se que os órgãos públicos do estado de São Paulo, que detém jornalistas profissionais, não tem atendido ao disposto nas orientações do MINISTÉRIO do Trabalho, que entende que a profissão de jornalismo, embora o diploma para o exerctcto profissional não seja obrigatório, ainda restou a necessidade desses profissionais obter o registro no Mtb.

2. No pedido de acesso a informação endereçado a UNICAMP, e a Fundação Padre Anchieta, ambos órgãos do estado de São Paulo, alegou-se que os jornalistas e profissionais de imprensa desses estabelecimentos não eram registrados e tão pouco possuía o documento Mtb, por entendimento que não seriam obrigados, mencionaram a decisão do STF, sobre o diploma.

consulta jurídica emitida pela Advocacia Geral da União, e os consultores do Ministério, entendendo que a decisão do STF, somente liberou os profissionais da necessidade do diploma universitário, porem ainda resta a necessidade do registro junto as delegacias do trabalho, chamado de Mtb.

4. Foi novamente após as reposta do Ministério do Trabalho,

encaminhado a corregedoria geral da administração de são Paulo,

Imprensa deter do

registro no Mtb, conforme mensagem da servidora CACILDA LANUZA

CGA/ SP, sobre a necessidade dos profissionais de

DA ROCHA DUQUE orientando a Corregedora Cinthia Beo.

5. A Fundação Padre Anchieta (TV Cultura), respostou no pedido de acesso a informação, novamente negando que existe dos profissionais tal registro no Mtb, c entende não ser necessário. Contrariando entendimento do Ministério do Trabalho, parecer da AGU, e FENAJ, e demais sindicatos que alinham com o parecer da egrégia Advocacia Geral da União.

6. Mensagem

Trabalho:

da

Consultoria

Prezado Senhor.

Juridica

do

Ministério

do

Inicialmente peço-lhe desculpas pela demora em responder a sua solicitação objeto da mensagem abaixo. Ocorre que, em função de divergências quanto ú decisão c:"\arada pelo Supremo Tribunal Federal nos autos do RE 11° 51 1.961 /SP. optei por promover uma pesquisa mais acurada em relaçüo ú matéria. Nesse passo. a par de encaminhar o arquivo contendo o mais

recente entendimento desta Pasta Ministerial, consubstanciado no PARECER N° 456/20 13/CONJUR-MTE/CGU/AGU, infonno que

recente entendimento desta Pasta Ministerial, consubstanciado no PARECER N° 456/20 13/CONJUR-MTE/CGU/AGU, infonno que

rcmanesce a obrigatoriedade da manutenção do registro de jornalista nos órgãos r·egionais do 1\'Iinistério do Trabalho e Emprego e que

providenciei envio de mensagem à Corregedoria-Geral da Administração de São Paulo, no mesmo sentido.

CACILDA LANUZA DA ROCHA DUQUE

Consultora Jurídica/MTE

(61) 2031.6411 - 6412

ROCHA DUQUE Consultora Jurídica/MTE (61) 2031.6411 - 6412 1. Foi notiíicada a Corregedoria Geral da Administração,

1. Foi notiíicada a Corregedoria Geral da Administração, que persistiu insistindo que não acataria as orientações advindas do Ministério do Trabalho, ConÍorme seque em 09/02/2015:

Em resposta à mensagem abaixo informamos que, conforme anteriormente esclarecido, diante do posicionamento do Supremo Tribunal Federal sobre o tema, nada mais há a complementar dentro da

atribuição correcional deste órgão em relação aos registros dos profissionais. Ressaltamos, outrossim, que o parecer da Advocacia Geral da União não se aplica a esta Corregedoria Geral da Administração, submetida aos entendimentos de seu órgão jurídico, a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo

Atenciosamente,

([{
5

2.

A

Procuradoria

Geral

do

Estado

se

manifestou

no

SIC.

SP

62960151853

··or:sul:_-!'1--j

- ':-·.

se; c:_,

'

Requer informação do entendimento desta PGE/SP, conforme alegado pela Corregedoria, no caso da inscrição de jornalistas junto ao MTb Ressaltamos, outrossim, que o parecer da Advocacia Geral da União não se aplica a esta Corregedoria Geral da Administração, submetida aos entendimentos de seu órgão jurídico, a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo.

Resposta: A matéria não foi submetida à análise desta Subprocuradoria Geral do Estado.

Ressalto

Paulo,

ainda

como

bem

que

a

o

Sindicato

FENAJ,

também

dos

Jornalistas

alinham-se

ao

de

São

entendimento

dado

pela

consultoria

da

AGU,

na

efetiva

necessidade

de

registro

dos

jornalistas

junto

ao

Mtb,

sendo

somente

o

diploma

que

foi

retirado

a

necessidade.

 

conforme

o

mais

recente

entendimento

desta

Pasta

Ministerial,

consubstanciado

no

PARECER

 

456/2013/CONJUR-

MTE/CGU/AGU, informo

que

remanesce

a

obrigatoriedade

da

manutenção do registro de jornalista nos órgãos regionais do Ministério

do Trabalho e Emprego.

Ao longo desse relato, tentei corno cidadão, defender as ideias do Ministério do Trabalho e da AGU, vejamos que os esforços foram todos em vão, pois o governo do estado de São Paulo, demonstrou total descrédito com os pareceres emitidos pelo Ministério do Trabalho, e o MPSP, que é o fiscal da lei, se eximiu da responsabilidade de contribuir com a matéria.

Diante

do

Exposto

Requer

1. Seja dada vista a equipe de Consultoria Jurídica do Ministério do

Trabalho;

1. Sejam providenciados mecanismos para solução do caso;

2. Seja proposta envio de oficio ao Governador do Estado de São Paulo, sobre a postura das instituições estaduais que negam seguir e ou relevar as orientações ministeriais.

Rua Alba xoz

65-

CEP:

13061-371-

Bloco

N3-AP22

Campinas-SP

-

Atenciosamente,

Vila Manoel Nóbrega-

o~ I

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

24' PRO:O.IOTORL\ DE .JLSTIÇA DE CA.\Il'l:'<AS

Av. Fran.:i,.:o Xavier d~ AmHil Camargo. n° 340. 2° andar. Cidad.: JuJi.:iária

. C.:p.: 13088-901- Campin;L' Fone-s: (019) 3578-8352

SP

Jardim Santana

Ofício

n°

2129/15-24PJ

 

Campinas,

27

de

novembro

de

2015

Ref.:

Peça

de

Informação

10620/15-PP

 

Ao

Ilustríssimo ·senhor

 

DOUGLAS

FABIANO

DE

MELO

Rua

João

Batista

Alves

da

Silva

Teles

151

Jardim

Indianópolis

 

Campinas/SP

 

1305 0-211

Senhor

Representante,

 
 

Notifico

Vossa

Senhoria

acerca

do

indeferimento

da

.~.

representação.

Atenciosamente,

CRISTIANE

&7

:,u

'/J

iviiNISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PI 10620/2015

Representante: Douglas Fabiano ele Melo Assunto: Qu~stionamcnto sobre a política estadual ele regulamentação ela atividade ele jornalismo.

Trata-se ele representação do cidadão Douglas Fabiano de

l'vlelo na qual questiona o fato ele o Estado ele São Paulo nüo exigir que os jornalistas tenham registro nas Delegacias ele Trabalho, o que estaria

afrontando a profissional" Procuradoria (ns. 041 12 l.

"soberania elo Ministério do Trabalho na regulamentação c estaria sinalizando uma ·'insubordinação ela Geral elo Estado ao parecer ela Advocacia Geral ela União"

Público

Federal que declinou ele sua competência apús entender que "pareceres

exarados pelu Advocacia Geral da Uniclo são tJinculantes openos paro a administração pública federal, nâo para os Estudos" (fls. 33).

A representaçüo

foi encaminhada pelo Ministério

Com todo respeito ao l'vlinisténo Público Federal, nào era o caso ele ter enviado este procedimento.

Com

efeito,

o

referido

órgüo

-

ele

mesmo

-

selou

a

questão ao conluir que nüo existe, aos órgüos estaduais, qualquer

obrigação de su bordinaçào a parecer ele órgüo jurídico federal.

Assim, esvaziou-se por completo a questão apresentada a qual, certarncnte, se guarda alguma omissão, sena em ãmbito legislati,·o.

Não hú, a evidência, por parte deste úrgiio estadual, qualquer ato de improbidad~ a ser analisado nos fatos apresentados, mas diversidade de entendimentos a serem, a critério elos Poderes legitimamente constituídos, mais bem discutidos em âmbito normativo e regulamentador ela atividade profissional do jornalista.

A representação merece, pois, ser arquivada.

ela

instauração ele inquérito civil c. por conscqul:ncia, a propositura ele ação civil pública na defesa cios interesses difusos, coletivos ou

Ante

o

exposto,

por

restar

afastada

a

utilidade

!VIII\JISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO individuais homogêneos, INDEFIRO a rcprcscntaçúo inicial, nos termos
!VIII\JISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO individuais homogêneos, INDEFIRO a rcprcscntaçúo inicial, nos termos

!VIII\JISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

individuais homogêneos, INDEFIRO a rcprcscntaçúo inicial, nos termos elo Art. 15, incisos I e li, elo Ato Normativo n" 4R4-CPJ, ele OS ele outubro ele 2006 (PT. n". 123.515 I 06).

Notifique-se o representante e comumquc-se o Ministério Público Federal.

Com o recurso elo rep;esentante, apos eventual juizo ele rcconsieleração, os autos dcverüo ser remetidos ao E:grcgio Conselho Superior do Ministério Público.

Campinas, 23 ele novembro ele 2015.

i/

I

'

'

I

'lt'

. , ~.,,,.jL~t~.-~.\,

(k'

I

.1

~."~'- ~Gr:tJ:-·-~

I

CRISTIANE CORREA DE SOUZA-JiiLLAL

Promotora d~ Jus~iça

/

--

Coordenação-Geral do Gabinete do Ministro

DESPACHO

Referência:

46010.002677/2015-59

Interessado:

24 3 Promotoria de .Justiça Cível de Campinas/SP

Assunto: Encaminha cópia do Ofício n" 2129/15-24 do Ministério Público de São Paulo, em face do parecer emitido pela Advocacia Geral da União, Consultoria .Jurídica do MTPS, no entendimento da necessidade dos jornalistas c profissionais de imprensa obter registro profissional junto ao MTPS.

De ordem do Senhor Chefe de Gabinete, encaminhe-se à Secretaria Especial do Tntbalho, para conhecimento e providências pertinentes.

~,

ES LARANJA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA ESPECIAL DO TRABALHO

Esplanada dos Ministérios, Bloco F, sala 400 - Brasilia- DF CEP 70059-900

Telefone- 61 20131-6561

DESPACHO

Referência:

Documento no 460 I 0.002677/2015-59

Interessado:

24° Promotoria de Justiça Civil de Campinas/SP

Assunto:

Obtenção de registro profissional junto ao MTPS.

Encaminhe-se o presente documento à Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), para conhecimento e providências.

~/

Brasília-DF.

de dezembro de 2015.

E~SSIASNASCl~iiNTOMELO

ecretário Especial do Trabalho- Substituto

·-

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego

Gabinete do Secretário

REFERÊNCIA DOC:

PROCEDÊNCIA:

ASSUNTO:

De

ordem

DESPACHO

46010.002677/2015-59

24a Promotoria de Justiça Cível de Campinas/SP

Encaminha cópia do Ofício n° 2129/15-24 do Ministério Público de São Paulo, em face do parecer emitido pela Advocacia Geral da União, Consultoria Jurídica do MTPS, no entendimento da necessidade dos jornalistas e profissionais de imprensa obter registro profissional junto ao MTPS.

do

Senhor

Secretário

-

Substituto

desta

SPPE,

encaminhe-se ao DES para conhecimento e providências cabíveis.

Brasília, 06 de janeiro de 2016.

(~12§1

-~

RONÀt:ÔC5 FERREIRA

Chefe de Gabinete SPPE/MTE

PM

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego c Sahírio

DESPACHO

Referência:

Documento n° -t6010.002677/2015-59

Interessado:

24a Promotor·ia de .Justiça Cível de Campinas

Assunto:

Registro Profissional

Encaminhe-se

à

CIRP

para

conhecimento

c

manifestação,

com

resposta

diretamente ao interessado. Após, restitua-se a este Gabinete do DES.

Brasília, 06 de janeiro de 2016.

Agen c administrativo DES/SPPE

.

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de· Emprego c Salário Coordcnação-Gcr~l do Seguro-Desemprego, Abono Salarial c Identificação Profissional. Coordenação de Identificação e Registro Profissional

NOTA TÉCNICA N~ 08/2016 I CIRP/ CGSAP/ DES/ SPPE/ l\ITE

N!! do Processo:

Documento de Referência:

Interessado:

N!.! de Referência:

Assunto:

46010.002677/2015-59

Despacho do DES à folha 13 Douglas Fabiano de Melo Sem número Informa a ausência de registro de jornalista em órgãos do '

Estado de São Paulo.

I- Introd~ção

O presente processo trata de documento encaminhado pelo senhor Douglas Fabiano de Melo, cidadão, que informa haver insubordinação da Procuradoria Geral do Estad~ de São Paulo em relação ao Parecer n° 456/2013/CONJUR-MTE/CGU/AGU, que compreende P,ela obrigatoriedade de emissão de registro de jornalista pelos órgãos regionais desta Pasta Ministerial.

.

.

.

Segundo o Reclamante, a Procuradoria Geral do Estado de.São Paulo compreende nã_o mais haver obrigação de registro profissional para o exercício da profissão de jor:nalista após a deci.são do·Supremo Tribunal Federal- STF no Recurso Extraordinário 511.961-SP.

Essa é a síntese do necessário.

11 - Da análise

h1icialmente, cabe mencionar que não compete a este Ministério do Trabalho e Previdência Social - MTPS opinar sobre a sub~rdinação dos órgãos jurídicos envolvidos no assunto, e, portanto, não será apresentado nessa Nota Técnica qualquer posicionamento quanto ao tema.

\

.

Agora, com referência ao registro profissional . de jornalista, esclareço que a emissão do. respectivo rc~istro tem sido realizada pelas Unidades administrativas desta Pasta Ministerial, em conformidade com o Parecer n" 485 da Consultoria Jurídica deste Ministério.

De acordo com o Parecer n" ·485 do Órgão jurídico deste MTPS, a emissão do registro profissional déve ser mantida em respeito ao princípio da legalidade, nos termos abaixo transcritos do documento em referência:

)

21. Quanto à indagação sobre a manutençiio ou não do registro profissional de

jornalista pelo Ministério do Trabalho e Emprego, tem-se a observar que a Administração Pública deve observar o princípio da legalidade (art. 37, caput, da Constituição).

22. Isso sign(fica que, enquanto em vigor os di.\positivos legais concernentes ao

registro profissional realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE,

à exceção do

Decreto-Lei

Administração negar o registro profissional a quem o pretenda, observados os ·

demais requisitos legais.

art.

4':

do

n" 972,

de

1969,

mio

cabe

à

1~

)"

Dessa forma, verifica-se que a análise do tema em questão não deve se limitar a mera discussão da subordinação entre os órgãos jurídicos e a consequente observância do Parecer nó 485 da Conjur-MTE, mas sim, ao cumprimento de preceito constitucional que obriga todos os órgãos da administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios a obedecer ao princípio de legalidade,. conforme disposto no artigo 37, da Constituição F.ederal de 1988.

.

.

.

.

Nesse sentido, ressalto que o Parecer n" 485 da Conjur-MTE apenas chamou a atenção da administraçãÓ pública para o fato de que o STF, embora tenha discutido a continuidade da obrigação de registro profissional para exercício da profissão de jornalista, decidiu pela não recepção apenas do inciso V, do artigo 4", do Decreto-lei n" 972/1969, que tratava sobre a necessidade de diploma para exercer a atividade, mantendo em vigor o caput do artigo 4° que institui a obrigação dos profissionais se r~gistr~em nos órgãos regionais do MTE, conforme Acórdão da decisão.

111 - Conclusão

Diante do exposto, submeto a presente Nota Técnica à {;Onsideração ·superior e caso venha a ser aprovada, sugiro· o seu envio, acompanhada de cópia cio Parecer n" 485 da Conjur-MTE, ao Gabinete do Ministro para que. avalie a possibilidade de encaminhamento do referido documento a Casa Civil do Estado de São Paulo, com vistas a subsidiar o réspectivo Órgão estadual com informações que possam auxiliá-lo a adotar as medidas que el)tender cabíveis.

Continuação da Nota Técnica n" 08/2016 I CJRPI CGSAPI DESI SPPEI MTE

Brasília, 7 de janeiro de 2016.

2

db

Joicy Mirelly tl~ouzaMatos Agente Al1íÚinistrativo

·

Aprovo. Encaminhe-se ao senhor Diretor do Departamento de Emprego e Salário.

Brasília, _

,/_---'/20 16.

f

cação e Registro Profissional

'

.SECRETAIUA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

NORMA OPERACIONAL N~ 3 DE 6 DE OUTUBRO DE 2014.

Dispõe sobre os procedimentos para registro dos instrumentos · contratuais celebrados com os Artistas c Técnicos em Espetáculos de Diversões e os Músicos estrangeiros.

O SECRETÁRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO- SUBSTITUTO,·no uso das atribuições que lhe conferem os artigos IO e 28 do Anexo I ao Decreto n° 5.063, de 3 de mafo de 2004, com as redações dadas pelo Decreto n° 6.34"1 ;de 3 de janeiro de 2008 e Decreto n° 7.0 15, de 24 de novembro de 2009 e considerando o disposto nos artigos e 48 do Anexo V à Portària n° 483, de 15 de sete~bro de 2004, e

CONSIDERANDO o disposto no artigo 25 da Lei n° 6:533, de 24 de maio de 1978, que dispõe sobre a regulamentação das profissões de Artistas e de Técnicos em Espetáculos de Diversões; e no artigo 53 do Decreto no 82.385, de 5 de outubro de 1978, que regulamenta a Lei n° 6.533, de 24 de ·

maio de 1978;

·

·

- CONSIDERANDO ó disposto no artigo 53 da Lei n° 3.857, de 22 de dezembro de 1960, que cria a Ordem dos Músicos no Brasil c dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Músico;

I

. CONSIDERANDO o disposto na Portaria n° 3.346, de 30 de setembro de 1986, que dispõe

sobre a fiscalização do trabalho de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões e Músicos, na Portaria no 3.347, de 30 de setembro de 1986, que aprova modelos de contrato de trabalho c nota . . contratual para os músicos profissionais, e na Portaria n° 3.384,, de 5 de dezembro de 1987, que dispõe

sobre o trabalho de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões e Músicos estrangeiros; e

CONSIDERANDO o disposto na Resolução Normativa n° 69. de 7 de março de 2006, do Conselho Nacional de Imigração. que dispõe sobre a concessão de autorização de trabalho a estrangeiro, na condiçãq de artista o,u desportist~, sem vínculo empregatício;

. RESOLVE:

Art. 1o O instrumento contratuàl celebrado entre pessoas· fis'icas ou jurídicas e Artistas e Téçnicos em Espetáculos de Diversões e Músicos estrangeiros, domiciliados no .exterior e com permanência legal no País, será registrado nos Setores ou Núcleos de Identificação e Registro Profissional das Superintendências. Regionais do Trabalho e Emprego até a véspera da apresentação artística ou musical a que se § Io O requerimento do registro do instrumento contratual deverá ser realizado pelo contratante ou por procurador habilitado. § zo O instrumento contratual deverá ser. registrado junto à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de cada Estado onde o contratado estrangeiro for se àpresentar. Art. 2° Os Setores ou Núcleos de Identificação e Registro Profissional das Superintendências Regionais do. Trabalho e Emprego somente efetuarão o registro do \instrumento contratual mediante comprovação do recolhimento da importância equivalente a 10% (dez por cento) do

valor total

I - pela Coordenação-Geral de Imigração, deste Ministério do Trabalho e E·mprego; 11 -pelo· Sindicato tocai representativo da categoria. no caso do contratado estrangeiro ser Artista e Técnico em Espetáculos de Diversões; 111 -pela Ordem dos Músicos do Brasil, quando o contratado estrangeiro for Músico. · §· I o' Para contratação de Artistas e 'Técnicos em Espetáculos de Diversões estrangeiros ·exigir-se-á o recolhimento do valor previsto no caput à Caixa Econômica Federal em nome da entidade sindical !i que pertencer o 'contratad.o, com base territorial abrangendo o local da apresentação.

do ajuste e após todas as vias terem sido visadas:

· § 2° Para contratação de Músicos estrangeiros exigir-se-á o recolhimento do valor previsto

· no caput ao Banco do Brasil em nome da Ordem dos Músicos do Brasil Ç! do sindicato a que pertencer o contratado, com base territorial abrangendo o local da apresentação, em partes iguais. · · Art. 3° As suspeitas de irregularidades nos instrumentós .contratuais poderão ser encaminhadas aos Setores ou Núcleos de Fiscalização do Trabalho da respectiva Superintendência Regional do Trabalho c Emprego, nos casos de irregularidadés trabalhistas; ou à repartição pública competente para investigar irregularidades de outras naturezas.

Art

4° Esta Norma Operacional entrará em vigor na data da sua publicação:

SILVANl ALVES PEREIRA

lfj

SECRETARIA I> E POLÍTICAS PÚBLICAS DE El\1 PIU:GO I>EPARL\l\IEi\TO DE 1·::\JPJU:GO E S:\1.:\RIO

Memorando n." 99 /20 16/DES/SPPE/MTE

ASecretária de Políticas Públicas de Emprego

Brasília, 07 de Janeiro de 2016.

Assunto: Informa ausência de registro de jornalista em órgãos do Estado de São

Paulo.

Peça

manifestação da Coordenação Geral de Identificação c Registro Profissional

(rvfemorando no 96/CIRP/DES/SPPE, de 07/01/2016). Após. propõe-se

10620/15-pp, segue

Em

atenção

a

REF.

de

Informação

encaminhamento à douta CONJURJMTPS.

f)·

tJ~o,-

filrc·<'·~-~-

.A~t:~RANEVES FERREIRA

Diretora do Departamento de Emprego e Salário - Substituta

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego

Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Sala 300 CEP 70056-900- Brasilla/DF Fone (61) 2031-6264

DESPACHO

REFERÊNCIA DOC:

PROCEDÊNCIA:

ASSUNTO:

46010.002677/2015-59

24 o Promotoria de Justiça Cível de Campinas/SP

Encaminha cópia do Oficio 2129/15-24 do Ministério Público de São Paulo

De ordem do Senhor Secretário-Substituto desta SPPE,

encaminhe-se ao Gabinete do Senhor Secretario Especial do Trabalho,

após manifestação da área Técnica desta Secretaria, com a sugestão de

envio dos presentes feitos à CONJUR/MTPS para as apreciações

necessárias.

Brasília, 11 de Janeiro de 2016.

- ~~ v~1\ - --~

c::.::>~ -\_

RONALDO FERREIRA

Chefe de Gabinete SPPE/MTE

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA ESPECIAL DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F,

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA ESPECIAL DO TRABALHO

Esplanada dos Ministérios, Bloco F, sala 400- Brasilia- DF CEP 70059-900 Telefone - 61 3031-6561

DESPACHO

DF CEP 70059-900 Telefone - 61 3031-6561 DESPACHO Referência: Documento no 460 I 0.002677/2015-59

Referência:

Documento no 460 I 0.002677/2015-59

Interessado:

24° Promotoria de Justiça Cível de Campinas/SP

Assunto:

Obtenção de registro profissional junto ao MTPS.

Considerando os termos da Portaria n° 220, de 11112/2015, publicada na pag. 46. seção 11. do Diário Oficial da União de 14/12/2015, encaminhe-se o presente documento à Consultoria Jurídica (CON.JUR) para conhecimento da Nota Técnica n° 08/20 16/CIRP/CGSAP/DES/SPPE/MTPS, às f1s.14 a 16, e adoção das providências cabíveis.

Brasília-DF, ./ :) dcjaneirodc2016.

cabíveis. Brasília-DF, ./ :) dcjaneirodc2016. -'~/ MESSIAS NASCIM~O MELO tário Especial do Trabalho

-'~/

MESSIAS NASCIM~OMELO

tário Especial do Trabalho - Substituto

·

NUP: L/f t?(r-·

on

1

.f ~--;/.

~-. 1_"

.

,

:

Y

·ç: ç;>

~/

ln~··i"o no Sislima Saptens ~elo

Serviço de Apoio AdministratiVO·

SAAJCONJUR-MTE

_{

l).f::LIJL

Às

1/ _

em

f-5 ?Horas

.~/~í?I

Saptens ~elo Serviço de Apoio AdministratiVO· SAAJCONJUR-MTE _{ l).f::LIJL Às 1/ _ em f-5 ?Horas .~/~í?
----
----

i

'

r-.

i ' r-. Distribuo o presente processo à Coordenação- Geral de Assuntos de Direito Trabalhista -

Distribuo o presente processo à Coordenação- Geral de Assuntos de Direito Trabalhista - CGADT, para análise e manifestação.

Brasília,

---'-----'

F. iVJo,Kir Barros Consultor Jurídico - Substituto