Sei sulla pagina 1di 41
Curso de Dinâmicas de Grupo MÓDULO IV Atenção: O material deste módulo está disponível apenas
Curso de Dinâmicas de Grupo MÓDULO IV Atenção: O material deste módulo está disponível apenas
Curso de Dinâmicas de Grupo MÓDULO IV Atenção: O material deste módulo está disponível apenas
Curso de Dinâmicas de Grupo MÓDULO IV Atenção: O material deste módulo está disponível apenas
Curso de Dinâmicas de Grupo MÓDULO IV Atenção: O material deste módulo está disponível apenas
Curso de
Dinâmicas de Grupo
MÓDULO IV
Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para
este Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização do
mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores
descritos nas Referências Bibliográficas.
Módulo IV Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de
Módulo IV Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de
Módulo IV Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de
Módulo IV Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de
Módulo IV Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de

Módulo IV

Objetivo do Módulo IV Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de acordo com
Objetivo do Módulo IV
Disponibilizar distintas modalidades de dinâmicas para serem praticadas de
acordo com o contexto e objetivos.

4. DINÂMICAS DE GRUPO PARA APLICAÇÃO NA PRÁTICA

As dinâmicas aqui descritas são utilizadas em grupos de treinamento,

sensibilização interpessoal, workshop, reuniões, seleção, cursos, entre outros. Em

sua maioria não há referências, são de uso público por profissionais que trabalham

com dinâmicas de grupo ou sofreram adaptações para atender a outros objetivos. Ao

final do módulo indicaremos algumas referências para quem deseja mais opções de

dinâmicas de grupo.

4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação Título: Passa a bola Objetivo: socialização, apresentação;
4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação Título: Passa a bola Objetivo: socialização, apresentação;
4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação Título: Passa a bola Objetivo: socialização, apresentação;
4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação Título: Passa a bola Objetivo: socialização, apresentação;
4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação Título: Passa a bola Objetivo: socialização, apresentação;

4.1. Dinâmicas para Socialização e Apresentação

Título: Passa a bola

Objetivo: socialização, apresentação;

Material Utilizado: uma bola grande de borracha leve.

Procedimentos:

Solicitar que os participantes formem um círculo em pé. O facilitador oferece a bola a um dos participantes. O facilitador descreve que a pessoa deve dizer o seu nome, profissão e expectativa do encontro, em seguida jogar a bola para outra pessoa qualquer do grupo até todos se apresentarem. Após certificar-se do entendimento de todos, dar o comando para início da dinâmica.

Observações:

É uma boa dinâmica para grupos que ainda não se conhecem, e conforme o objetivo do encontro é possível formular as perguntas já direcionando para o assunto desejado.

Titulo: Apresentação com Balões

Objetivo: socialização, apresentação;

Material Utilizado: Balão para cada participante.

Procedimentos:

Preparar os balões antecipadamente recortando uma figura e colocando a metade da figura dentro de cada balão, guardar separadamente cada dupla de balões. Preparar um trio de balões (recortar a figura em três e guardar os três balões juntos) esse trio é para o caso de o grupo ser em número ímpar. Verificar o tamanho

do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão
do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão
do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão
do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão
do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão

do grupo e distribuir as duplas de balões para todos. Pedir que encham o balão (caso alguém não consiga encher oferecer ajuda). Cada um com seu balão, em silêncio, deve caminhar pela sala ocupando todos os espaços tocando de leve no balão. Quando as pessoas estiverem mais à vontade, colocar uma música infantil animada e solicitar que brinquem com os balões, a princípio apenas com o seu balão, logo após podem todos jogar os balões para o alto sem deixar cair no chão, brincando juntos. Após alguns momentos de brincadeira, verificar o movimento do grupo e paralisar a atividade. Solicitar que cada um pegue qualquer balão e fure com cuidado para pegar uma figura que tem dentro. Com a figura em mãos solicitar que busquem a outra metade da figura e formem uma dupla. O facilitador deve fornecer umas três perguntas para que a dupla estabeleça um diálogo.

Por exemplo:

1. Apresentar-se dizendo nome, onde mora, trabalho, família, etc;

2. Falar sobre as expectativas do encontro;

3. Contar um sonho que ainda não realizou.

Determinar um tempo de 3 minutos para cada componente da dupla, totalizando em 6 minutos para cada dupla. Após as duplas conversarem sobre as perguntas solicitadas pelo facilitador, formar um círculo e convidar a todos para compartilhar com o grande grupo se apresentando.

Observações:

O facilitador deve observar o movimento do grupo, e também de cada participante individualmente, verificando o quanto interagem e têm iniciativa. Uma variação desta dinâmica pode ser feita na hora da apresentação: solicitar que as pessoas invertam a apresentação, um apresenta o outro. É uma forma muito intensa de se trabalhar o saber ouvir e a compreensão empática colocando-se no lugar do outro. Pode ser questionado como foi se colocar no lugar do outro e como se sentiu ao ser ouvido.

Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,
Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,
Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,
Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,
Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,
Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office Titulo: Apresentação Objetivo: socialização,

Figura 31: Balões coloridos. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office

Titulo: Apresentação

Objetivo: socialização, apresentação;

Material Utilizado: não há materiais.

Procedimentos:

Solicitar que os participantes formem um círculo, pode ser sentados, e que cada um diga seu nome e uma característica sua que inicie com a mesma letra do seu nome. Por exemplo: Vitoria – valente. A pessoa seguinte repete a apresentação do colega de grupo e verbaliza a sua. Por exemplo: Vitória /Valente e Ana/Amável e assim sucessivamente até todos se apresentarem. Conforme a quantidade de apresentados for ficando maior, fica mais difícil de memorizar. Assim, o grupo pode servir de apoio às pessoas que não conseguirem memorizar e verbalizar o nome e a qualidade de toda a lista.

Observações: É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.
Observações: É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.
Observações: É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.
Observações: É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.
Observações: É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.

Observações:

É uma boa dinâmica para participantes de um grupo que ainda não se conhecem.

Título: Aprendendo juntos

Objetivo: apresentação e socialização;

Material Utilizado: um objeto pequeno ( pode ser uma flor).

Procedimentos:

Solicitar que os participantes formem um círculo. O facilitador propõe ao grupo uma dinâmica para que se conheça um pouco mais de cada um dos participantes. Entrega o objeto a um dos membros, verbalizando ao grupo: quem estiver com o objeto deve passá-lo adiante dizendo àquela pessoa o seu nome e algo sobre si próprio que provavelmente o grupo ainda não conheça. Por exemplo:

“Meu nome é Eduardo e gosto e sei tocar guitarra”; “Meu nome é Vitória e tenho dois gatos”; “Me chamo Alexandre e meu prato preferido é panquecas”.

Assim que todos tiveram a oportunidade de falar, o facilitador deve descrever que a dinâmica tem um segundo momento. Agora a pessoa que estiver com o objeto deve passar o objeto para a outra pessoa dizendo o nome dela e o que ela havia dito sobre si mesma. Caso não lembre a pessoa pode ajudar.

Observações:

Além da apresentação é possível fazer uma reflexão sobre o saber ouvir.

Título: Corrida muito especial Objetivo: descontração; Material Utilizado: não necessita de materiais. Procedimentos:
Título: Corrida muito especial Objetivo: descontração; Material Utilizado: não necessita de materiais. Procedimentos:
Título: Corrida muito especial Objetivo: descontração; Material Utilizado: não necessita de materiais. Procedimentos:
Título: Corrida muito especial Objetivo: descontração; Material Utilizado: não necessita de materiais. Procedimentos:
Título: Corrida muito especial Objetivo: descontração; Material Utilizado: não necessita de materiais. Procedimentos:

Título: Corrida muito especial

Objetivo: descontração;

Material Utilizado: não necessita de materiais.

Procedimentos:

Conforme o número de participantes e tamanho do local, formar de duas até 4 filas paralelas com um espaço de 2 metros entre si. Determinar um ponto adiante onde será a chegada (pode deixar uma pessoa com a mão estendida). Ao sinal do facilitador a primeira pessoa da fila deve correr e tocar no ponto pré-estabelecido. Vence aquele que chegar primeiro. Após todos da fila correrem explicar a segunda etapa. O facilitador deve explicar que neste segundo momento todos devem tomar as mesmas posições na fila e a corrida terá o mesmo procedimento, contudo, a corrida deverá ser realizada em câmera lenta. Durante a corrida não será permitido parar e quando um pé encostar-se ao chão o outro deverá levantar. Ganha o participante que chegar por último.

Observações: é uma dinâmica que provoca muitos risos. O facilitador atua como juiz, porém, o objetivo maior não é a competitividade e sim a descontração. Se desejar é possível premiar, porém indica-se premiar todos os participantes com salva de palmas, balas ou outro pequeno mimo.

com salva de palmas, balas ou outro pequeno mimo. Figura 32: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts

Figura 32: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office

Título: Cara a cara / Costas a costas Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair; Material
Título: Cara a cara / Costas a costas Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair; Material
Título: Cara a cara / Costas a costas Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair; Material
Título: Cara a cara / Costas a costas Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair; Material
Título: Cara a cara / Costas a costas Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair; Material

Título: Cara a cara / Costas a costas

Objetivo: baixar a ansiedade e descontrair;

Material Utilizado: não necessita de materiais.

Procedimentos:

O facilitador deve solicitar que os participantes formem um círculo, em seguida explicar que a dinâmica possui diversos comandos.

Primeiro comando: em todas as vezes que o facilitador disser “formar dupla” os participantes devem procurar um companheiro para formar uma dupla.

Segundo

Comando:

quando

o

facilitador

disser

cara

a

cara”

os

participantes devem ficar frente a frente com o seu parceiro de dupla.

Terceiro comando: quando o facilitador disser “costas a costas” as duplas deverão ficar com as costas juntas.

Quarto Comando: assim que o facilitador disser “Mudar dupla”, participantes devem formar dupla com outra pessoa.

os

Quinto comando: o facilitador diz “círculo” e todos formam um grande

círculo.

Observações:

Nesta dinâmica é importante verificar se há número par de participantes, caso seja ímpar a pessoa que fica sem par vai ao centro do círculo e dá os comandos e na próxima formação de duplas tenta formar dupla com alguém. A pessoa que fica sem dupla toma seu lugar.

Título: Contando 1, 2 e 3. Objetivo: descontrair, exercitar o corpo; Material Utilizado: não necessita
Título: Contando 1, 2 e 3. Objetivo: descontrair, exercitar o corpo; Material Utilizado: não necessita
Título: Contando 1, 2 e 3. Objetivo: descontrair, exercitar o corpo; Material Utilizado: não necessita
Título: Contando 1, 2 e 3. Objetivo: descontrair, exercitar o corpo; Material Utilizado: não necessita
Título: Contando 1, 2 e 3. Objetivo: descontrair, exercitar o corpo; Material Utilizado: não necessita

Título: Contando 1, 2 e 3.

Objetivo: descontrair, exercitar o corpo;

Material Utilizado: não necessita de materiais.

Procedimentos:

O facilitador solicita um voluntário e faz uma demonstração com ele para o grande grupo. Deve ser contado da seguinte forma:

Facilitador: 1 (bater uma palma)

Voluntário: 2 (fazer uma flexão)

Facilitador: 3 (mexer a cintura)

Voluntário: 1 (bater uma palma) e continua

Observações:

A dinâmica pode ser realizada com uma dupla ao centro e o grupo acompanhando nos exercícios ou em duplas. É interessante propor ao grupo o desafio de fazer 3 ou 4 vezes a contagem de 1 a 3 sem errar.

4.2. Dinâmicas de Comunicação

Título: A grande notícia

Objetivo: verificar a distorção na comunicação;

Material Utilizado: uma noticia de jornal rica em detalhes.

Procedimentos: Solicitar 5 (cinco) voluntários que dev em deixar a sala. Sentados em forma de
Procedimentos: Solicitar 5 (cinco) voluntários que dev em deixar a sala. Sentados em forma de
Procedimentos: Solicitar 5 (cinco) voluntários que dev em deixar a sala. Sentados em forma de
Procedimentos: Solicitar 5 (cinco) voluntários que dev em deixar a sala. Sentados em forma de
Procedimentos: Solicitar 5 (cinco) voluntários que dev em deixar a sala. Sentados em forma de

Procedimentos:

Solicitar 5 (cinco) voluntários que devem deixar a sala. Sentados em forma de círculo, solicitar um voluntário para ler a notícia aos demais. Após a leitura solicitar que um dos voluntários que havia deixado a sala adentre e um dos participantes que ouviu a leitura da notícia conte a ele o que entendeu da notícia lida. Os demais participantes devem ficar em silêncio. Em seguida solicitar que outro voluntário que estava fora da sala entre e o voluntário anterior irá contar o que entendeu da notícia. O último voluntário entra na sala e o segundo voluntário irá contar a ele o seu entendimento da notícia. O último voluntário irá contar ao grupo o que entendeu da notícia. Para finalizar, reler a noticia e fazer uma comparação. Solicitar ao grupo o que foi possível compreender com a dinâmica.

Observações:

Refletir sobre a distorção da comunicação, mencionar a importância da comunicação e o quanto ela pode ser prejudicial quando não compreendida.

Título: A folha em branco

Objetivo: diferentes percepções;

Material Utilizado: uma folha de papel sulfite em branco.

Procedimentos:

Sentados em forma de círculo, distribuir uma folha em branco para cada participante. Solicitar que segurem a folha com as duas mãos e fechem os olhos, seguindo as instruções do facilitador sempre de olhos fechados.

1. Dobre a folha ao meio;

2. Dobre a folha ao meio novamente;

3. Rasgue um pedaço do canto superior direito.

4. Rasgue um pedaço do canto inferior esquerdo.

Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra
Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra
Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra
Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra
Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra

Solicitar que todos abram os olhos e verifiquem como ficou a folha. Dificilmente se encontra uma folha semelhante à outra, os formatos ficam muito variados.

Observações:

Refletir sobre a diferença de percepção de cada um, todos receberam uma folha e instruções iguais, porém, mesmo seguindo as recomendações cada um rasgou à sua maneira.

Título: Quero sentar em seu lugar

Objetivo: comunicação, argumentação e gestão de conflitos;

Material Utilizado: papel com as situações diversas.

Procedimentos:

O facilitador solicita aos membros do grupo que formem duplas. Solicita uma

dupla de voluntários para dar início à tarefa, coloca-se uma cadeira ao centro da sala onde o voluntário irá sentar. O segundo voluntário tem por objetivo persuadir o

que está sentado a levantar e ceder o seu lugar. O facilitador deve estipular um determinado tempo para a atuação e cada uma das duplas terá a oportunidade de representar para o grande grupo.

O facilitador deverá passar em cada dupla e dar o papel com as instruções

da situação que será apresentada.

Exemplos de situações:

Encontrar alguém sentado em seu lugar na mesa do restaurante;

Um namorado querendo sentar para assistir ao jogo;

O atendente tentando fechar o bar;

• Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama; • Pessoa idosa querendo sentar no
• Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama; • Pessoa idosa querendo sentar no
• Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama; • Pessoa idosa querendo sentar no
• Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama; • Pessoa idosa querendo sentar no
• Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama; • Pessoa idosa querendo sentar no

Enfermeiro querendo levar o paciente para a cama;

Pessoa idosa querendo sentar no ônibus;

Grávida querendo a melhor mesa do restaurante panorâmico;

O lugar ao lado de seu chefe num jantar;

Uma mãe convencendo o filho a ir estudar;

Garçom desastrado;

O operador de uma cadeira elétrica;

Evacuar o prédio por ameaça de bomba;

A primeira fila de uma palestra sensacional;

Lugar ao lado da noiva no dia do casamento.

Observações:

É uma dinâmica bastante apropriada para treinar equipes de vendas, as

situações podem ser alteradas fazendo uso de muita criatividade.

4.3. Dinâmicas de Trabalho em Grupo

Título: Os sonhos

Objetivo: sensibilidade, respeito ao outro, cooperação;

Material Utilizado: balões coloridos, caneta, papel sulfite e palitos de dente.

Procedimentos:

O participante deverá escrever em um pedaço de papel seu sonho, dobrar e

colocá-lo dentro do balão, que deve ser inflado. Cada um fica com um balão e um palito de dente na mão. O orientador dá a seguinte ordem: defendam seu sonho!

Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões
Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões
Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões
Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões
Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões

Todos devem estar juntos em um lugar espaçoso. A tendência é todos estourarem os balões uns dos outros. Quando fizerem isto o orientador pergunta: – Por que destruíram os sonhos dos outros?

Observações:

Deixe o grupo expressar seus sentimentos. Essa dinâmica proporciona a reflexão sobre valores que para defender o seu sonho você não precisa destruir os sonhos dos outros, basta que cada um fique parado e nenhum sonho será destruído! Refletir com o grupo sobre a existência de respeito mútuo na sociedade, comunidade, escola, etc. Essa dinâmica é muito conveniente para grupos imaturos. Grupos já desenvolvidos tendem a não estourar os balões e sonhos dos outros.

Titulo: O coqueiro

Objetivo: cooperação e criatividade;

Material Utilizado: texto de apoio.

Procedimentos:

O facilitador necessita dividir o grande grupo em grupos menores de no máximo 7 (sete) pessoas. Distribuir o texto de apoio sobre o coqueiro. O facilitador deve iniciar a dinâmica descrevendo a utilidade do coqueiro enquanto distribui o texto de apoio. Dá 3 minutos para o grupo ler o texto de apoio. Em seguida deve dar ao grupo 5 minutos para escolher um líder e apresentar ao grande grupo um coqueiro completo, feito apenas com o corpo dos participantes. É interessante premiar todos os participantes.

Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e
Texto de apoio: O coqueiro
O côco, fruto do coqueiro, é rico em vitaminas e serve de alimento como polpa ou
depois de seco com o tão conhecido côco ralado ou farinha de côco.
A água de côco, encontrada dentro da fruta, é um energético natural rico em sais
minerais, diurético e tenífuga. Da fruta também é extraído o óleo de côco, utilizado
como alimento e também para fazer sabonetes finos, cremes e velas. Além disso,
também do coqueiro é extraído o leite-de-côco por meio do albúmen ralado.
O endocarpo, que é a casca dura do coco, é de fácil polimento e com ela produz-se
copos, colheres, conchas, cuias, entre outros. O palmito é outra parte comestível do
coqueiro; é bastante grande, carnudo e saboroso. As raízes, quando novas, além de
medicinais, servem para fazer balaios.
As folhas, além de forrageiras, servem para obras trançadas e quando adultas, para
cobrir ranchos, cabanas e ainda para fazer chapéus, esteiras, peneiras, etc. E as flores
do coqueiro são melíferas.
E para finalizar, o pedúnculo floral que resulta da inflorescência propriamente dita e faz
parte do cabo do coqueiro, é amplamente utilizado na indústria do artesanato. Ou seja,
o coqueiro é considerado pelos botânicos como uma das plantas mais importantes e
úteis para o ser humano.

Observações:

Nesta dinâmica é possível verificar a criatividade dos grupos que se deitam ao chão para fazer as raízes, fazem dos braços folhas balançando ao vento, além do grupo divertir-se muito com a dinâmica.

Título: As varas Objetivo: refletir a impo rtância da união do grupo; Material Utilizado :
Título: As varas Objetivo: refletir a impo rtância da união do grupo; Material Utilizado :
Título: As varas Objetivo: refletir a impo rtância da união do grupo; Material Utilizado :
Título: As varas Objetivo: refletir a impo rtância da união do grupo; Material Utilizado :
Título: As varas Objetivo: refletir a impo rtância da união do grupo; Material Utilizado :

Título: As varas

Objetivo: refletir a importância da união do grupo;

Material Utilizado: 20 espetinhos de churrasco de madeira.

Procedimentos:

Sentados em círculo, colocar o feixe de varas no centro da sala. O facilitador solicita a colaboração de 3 voluntários. O facilitador convida o primeiro voluntário a pegar 1 das varinhas e deve quebrá-la ao meio (o que deverá fazer com grande facilidade). O facilitador pede ao segundo voluntário que pegue 5 varas juntas, as quais deve quebrar ao meio (deve quebrar com um pouco mais de dificuldade). Ao terceiro voluntário, o facilitador deve solicitar que pegue as demais varas e deve tentar quebrá-las, caso não consiga deve pedir auxílio a outros membros do grupo. Convidar os participantes a descreverem o que observaram e as conclusões às quais chegaram.

Observações: esta dinâmica oportuniza a reflexão sobre as dificuldades que grupos normalmente atravessam e o quanto é importante a união do grupo para superar. Refletir sobre a força da união.

Título: Auxílio Mútuo

Objetivo: refletir a importância do outro em nossa vida, trabalho em grupo;

Material Utilizado: um pirulito ou bala para cada participante.

Procedimentos:

Todos em círculo, de pé. É dado um pirulito para cada participante, e os seguintes comandos: todos devem segurar o pirulito com a mão direita, com o braço

estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo.
estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo.
estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo.
estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo.
estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo.

estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo. A mão esquerda fica livre. Primeiro solicita-se que desembrulhem o pirulito, já na posição correta (braço estendido, segurando o pirulito e de pé, em círculo). Para isso, pode-se utilizar a mão esquerda. O mediador da dinâmica recolhe os papéis e em seguida, dá a seguinte orientação: sem sair do lugar em que estão todos devem chupar o pirulito! Aguardar até que alguém tenha a iniciativa de imaginar como executar esta tarefa. A forma mais fácil é oferecer o pirulito para a pessoa ao lado! Assim, automaticamente, os demais irão oferecer e todos poderão chupar o pirulito.

Observações: refletir sobre iniciativa, sobre pedir ajuda e ajudar o outro. Essa dinâmica também pode ser realizada formando duplas e cada um dos participantes segura uma bala com as mãos juntas para trás, apoiada nas costas. As duplas devem chupar a bala sem tirar as mãos das costa. As duplas fazem as maiores acrobacias na tentativa de tirar o papel e colocar a bala na boca, porém, a forma mais rápida e eficiente é cada um descascar a sua bala e o companheiro de dupla apanhá-la com a boca. O tema para reflexão é o mesmo, como nos comportamos quando precisamos de ajuda? Sabemos trabalhar em conjunto? As duplas que não conseguiram como se sentiram?

Observações:

Pode ser feito com

balas

ou

pirulito e

se

quiser, após a reflexão, é

apropriado repetir a dinâmica e todos podem saborear a guloseima.

Título: Vence quem tem o balão cheio

Objetivo: espírito de grupo;

Material Utilizado: 1 balão, 1 metro de cada participante.

barbante e 1 palito de dentes

para

Procedimentos: Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada
Procedimentos: Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada
Procedimentos: Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada
Procedimentos: Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada
Procedimentos: Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada

Procedimentos:

Em círculo distribuir 1 balão, o barbante e o palito de dentes para cada participante. Solicitar que cada participante encha seu balão amarre com o barbante e amarre o barbante em sua cintura. O facilitador deve dizer: ganha aquele que me trouxer o balão cheio dentro de 1 minuto contando de agora!

Normalmente

após

essa

verbalização

todos

os

componentes

saem

defendendo seu balão ou furando os demais. Parar ao final de 1 minuto.

Observações:

Caso todos os balões sejam furados refletir o porquê de ninguém ter ganho. Por que uns furaram os balões dos outros? Todos poderiam ter ganho. Por que cada um pensou apenas em si e não coletivamente? É uma dinâmica bastante adequada para adolescentes ou grupos competitivos entre si.

adequada para adolescentes ou grupos competitivos entre si. Figura 33: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do

Figura 33: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office

Título: Conduzindo o cego Objetivo: autoconfiança, confiança no outro; Material Utilizado : vendas para os
Título: Conduzindo o cego Objetivo: autoconfiança, confiança no outro; Material Utilizado : vendas para os
Título: Conduzindo o cego Objetivo: autoconfiança, confiança no outro; Material Utilizado : vendas para os
Título: Conduzindo o cego Objetivo: autoconfiança, confiança no outro; Material Utilizado : vendas para os
Título: Conduzindo o cego Objetivo: autoconfiança, confiança no outro; Material Utilizado : vendas para os

Título: Conduzindo o cego

Objetivo: autoconfiança, confiança no outro;

Material Utilizado: vendas para os olhos.

Procedimentos:

Formar duplas. Uma das pessoas da dupla deve ser vendada. O outro participante o conduz por todos os espaços disponíveis na sala, é conveniente colocar alguns obstáculo (cadeiras) dos quais os participantes devem ser desviados. A princípio caminhar devagar, mas logo aumentar a velocidade da caminhada. O facilitador deve observar os comportamentos individuais de resistência e medo de andar de olhos vendados e ser conduzido, e também o inverso, para ser pontuado posteriormente. Depois de alguns minutos, inverter; o outro membro será vendado. Na discussão em grupo dar a oportunidade de todos verbalizarem a experiência e verificar como foi ser conduzido e conduzir. O que foi mais fácil ou difícil, explorar as diferenças individuais.

4.4. Dinâmicas de expressão Emocional

Título: Conheço meu filho

Objetivo: sensibilização, interação;

Material Utilizado: papel e caneta.

Procedimentos:

Pedir para que os alunos escrevam em um papel pequeno a seguinte frase:

“eu amo a minha família”. Não pode ser assinado. Todos os pedaços de papel deverão ter um número que corresponda a um aluno. Esse número será mantido em

segredo pela professora que coordena a reuni ão. No dia da reuniã o, todos os
segredo pela professora que coordena a reuni ão. No dia da reuniã o, todos os
segredo pela professora que coordena a reuni ão. No dia da reuniã o, todos os
segredo pela professora que coordena a reuni ão. No dia da reuniã o, todos os
segredo pela professora que coordena a reuni ão. No dia da reuniã o, todos os

segredo pela professora que coordena a reunião. No dia da reunião, todos os papéis serão colocados espalhados em uma mesa e os pais deverão reconhecer a letra do filho e pegar um papel. Depois a coordenadora irá verificar se os pais acertaram e se conhecem a letra de seus filhos.

Observações:

Solicitar aos pais que falem como foi a experiência, como se sentiram quando reconheceram ou não reconheceram a letra do filho.

Título: O leque

Objetivo: expressar sentimentos em relação ao outro;

Material Utilizado: uma folha de papel em branco e 1 caneta para cada participante.

Procedimentos:

Solicitar que os participantes sentem-se em círculo, bem próximos uns dos outros. É importante que tenham um apoio para escrever. O facilitador inicia dizendo que iremos construir um leque com a folha de papel. Pedir que a dobra do leque seja de mais ou menos 1 cm. Após todos terminarem o leque, o facilitador solicita que escrevam o seu nome na frente, na primeira dobra. Em seguida o facilitador descreve que ira dizer “passa” e todos deverão passar o seu leque para a pessoa que está a sua esquerda e receber o leque da pessoa que está à direita. Cada um deve olhar o nome do dono do leque abrir um dobradura e escrever uma palavra sobre aquela pessoa, por exemplo carinhoso, alegre, tímido, etc. Assim que o grupo termina de escrever o facilitador diz novamente “ passa” e assim sucessivamente até o seu leque retornar para suas mãos.

Ao final cada participante irá compartilhar o que foi escrito em seu leque com o grupo.

Observações: É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta
Observações: É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta
Observações: É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta
Observações: É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta
Observações: É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta

Observações:

É importante que as pessoas já tenham um conhecimento entre si para que esta dinâmica possa ser realizada. É muito adequada para finalizar um treinamento ou dia de curso. Em grupos grandes é conveniente dividir em no máximo 12 pessoas por grupo. Também pode ser sugerido que se escreva uma característica positiva da pessoa, é bastante motivador.

Título: Quem é você?

Objetivo: sensibilização, interação ;

Material Utilizado: nenhum.

Procedimentos:

Pedir que os participantes formem duplas um de frente para o outro. Um questiona e o outro deve responder rapidamente. A Pergunta é sempre a mesma quem é você? Em seguida compartilhar no grande grupo como foi a experiência.

Observações:

Refletir sobre o autoconhecimento e discorrer sobre os papéis que representamos no dia a dia e não nos damos conta. Sou filha, sou mãe, sou profissional, sou aluna, sou carinhosa, tranquila, amorosa, irritada, ansiosa, etc.

Título: O meu sonho Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes; Material Utilizado: folha
Título: O meu sonho Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes; Material Utilizado: folha
Título: O meu sonho Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes; Material Utilizado: folha
Título: O meu sonho Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes; Material Utilizado: folha
Título: O meu sonho Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes; Material Utilizado: folha

Título: O meu sonho

Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos, atendimento a clientes;

Material Utilizado: folha em branco e lápis de cor em número suficiente para

o grupo desenhar.

Procedimentos:

Distribuir as folhas e disponibilizar ao grupo os lápis de cor, solicitando que desenhem o seu sonho de vida, de consumo, enfim, um sonho que desejam realizar. Assim que terminarem, recolher os desenhos dos sonhos de cada um. O facilitador deve pegar um dos sonhos, perguntar de quem é e pedir que o participante explique do que se trata. Assim que a pessoa começar a falar dizer que não é interessante, amassar e jogar em uma lixeira ou ao chão. E fazer o mesmo procedimento com o seguinte.

O comportamento do grupo será de protesto. Perguntar como o grupo se sentiu quando o facilitador amassou o sonho do companheiro, e a pessoa que teve

seu sonho desprezado? Então, o facilitador deve fazer uma analogia do sonho com

o atendimento ao cliente. Quando o cliente chega até nós traz consigo seu sonho,

que quer ver realizado. Ao atendermos esse cliente que vai à nossa procura, como

nós recebemos e lidamos com o sonho desse cliente?

Ao final, o facilitador pede desculpas por ter amassado o sonho dos participantes devolvendo-os aos seus respectivos donos.

Observações:

É preciso ter muito cuidado com essa dinâmica, porque ela aborda conteúdos íntimos das pessoas e pode causar mágoas e ressentimentos. É necessário que os membros já se conheçam entre si, seja um grupo já conhecido do facilitador e de preferência, que já possuam um vínculo estabelecido.

Título: A música desperta em mim Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos; Material Utilizado: música sobre
Título: A música desperta em mim Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos; Material Utilizado: música sobre
Título: A música desperta em mim Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos; Material Utilizado: música sobre
Título: A música desperta em mim Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos; Material Utilizado: música sobre
Título: A música desperta em mim Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos; Material Utilizado: música sobre

Título: A música desperta em mim

Objetivo: sensibilidade, expressão de sentimentos;

Material Utilizado: música sobre o tema escolhido.

Procedimentos:

Colocar os participantes do grupo em círculo, sentados. Pedir que relaxem e se concentrem na letra da música (que deve ser escolhida antecipadamente sobre o tema que deseja trabalhar). Ao término da música solicitar que expressem o sentimento que a música despertou.

Observações:

A música deve ser escolhida de acordo com os objetivos do facilitador. Segue algumas sugestões de músicas que proporcionam reflexão e expressão de sentimentos.

Exemplos de músicas que podem ser utilizadas:

Epitáfio: Titãs

Faça uma lista : Osvaldo Monte Negro

Ando devagar: Almir Sater

Título: O barbante

Objetivo: autoestima, diferenças individuais;

Material Utilizado: pedaço de barbante de 12 cm para cada participante.

Procedimentos:

As pessoas podem ficar sentadas em círculo, distribuir um pedaço de barbante para cada pessoa. Solicitar que segurem uma das pontas do barbante com

a mão esquerda e o braço esticado para fr ente. Solicitar que façam três nós
a mão esquerda e o braço esticado para fr ente. Solicitar que façam três nós
a mão esquerda e o braço esticado para fr ente. Solicitar que façam três nós
a mão esquerda e o braço esticado para fr ente. Solicitar que façam três nós
a mão esquerda e o braço esticado para fr ente. Solicitar que façam três nós

a mão esquerda e o braço esticado para frente. Solicitar que façam três nós no barbante com o espaço entre os nós de mais ou menos 2 cm, segurando apenas com a mão esquerda. Dar um tempo de 3 minutos para cumprir a tarefa. Ao final do tempo solicitar que falem sobre a experiência.

Observações:

Muitos dos participantes vão logo dizendo que é impossível, verbalizam que não vão conseguir e alguns nem tentam. Outros tentam e vão observar que conseguirão, em seguida outros também irão tentar. Refletir sobre as diferenças individuais, sobre o tempo de cada um, sobre a importância de confiar em seu potencial, não desistir antes de tentar.

Título: Como estou me sentindo

Objetivo: expressar sentimentos antes de apresentação de trabalhos;

Material Utilizado: papel e caneta.

Procedimentos:

É uma dinâmica excelente para ser utilizadas em grupos que irão apresentar trabalhos. Solicitar que peguem uma caneta e papel e escrevam como estão se sentindo ante a perspectiva de apresentarem o trabalho para o grupo. Não precisam assinar, todos devem colocar numa caixa o papel com as suas considerações. O facilitador deve solicitar a um voluntário que leia para turma cada um dos bilhetes. O facilitador vai anotando no quadro. O grupo irá perceber que muitos dos sentimentos são semelhantes. Solicitar que expressem o que perceberam com a dinâmica.

Observações: Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente a
Observações: Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente a
Observações: Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente a
Observações: Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente a
Observações: Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente a

Observações:

Refletir com o grupo o quanto é comum as pessoas ficarem ansiosas frente

a uma apresentação pública. Solicitar que descrevam como estão se sentindo agora, sabendo que diversas pessoas compartilham do mesmo sentimento.

Título: Bicho de Pelúcia

Objetivo: projetar sentimentos;

Material Utilizado: um bicho de pelúcia, pode ser urso, cachorro ou outro. Evitar utilizar bonecas.

Procedimentos:

Solicitar que o grupo levante e ande pela sala ocupando todos os espaços, solicite que olhe os demais componentes do grupo em silêncio. Solicitar que formem

um círculo. Soltem as mãos e lado a lado o facilitador oferece a um dos participantes

o bicho de pelúcia e descreve que ele deve fazer o que quiser com o bicho. Pode

apertar, beliscar, puxar orelhas, abraçar

esquecer o que fez com o bicho. Logo que fizer a ação deve-se passar o bicho de pelúcia para a pessoa ao seu lado e assim sucessivamente até todos completarem a tarefa. Assim que o último componente terminar a tarefa, o facilitador pergunta se todos se lembram do ato praticado com o bicho de pelúcia , este ato deve ser repetido, porém, com o colega da sua direita.

É importante ressaltar que ninguém deve

Observações:

É uma dinâmica que gera muita descontração.

Título: Cartões coloridos Objetivo: expressar sentimentos; Material Utilizado: cartões coloridos (t amanho de um
Título: Cartões coloridos Objetivo: expressar sentimentos; Material Utilizado: cartões coloridos (t amanho de um
Título: Cartões coloridos Objetivo: expressar sentimentos; Material Utilizado: cartões coloridos (t amanho de um
Título: Cartões coloridos Objetivo: expressar sentimentos; Material Utilizado: cartões coloridos (t amanho de um
Título: Cartões coloridos Objetivo: expressar sentimentos; Material Utilizado: cartões coloridos (t amanho de um

Título: Cartões coloridos

Objetivo: expressar sentimentos;

Material Utilizado: cartões coloridos (tamanho de um cartão de visitas) em cores variadas: vermelho, amarelo, azul escuro e claro, verde, marrom, preto, violeta, amarelo. É importante disponibilizar diversos da mesma cor.

Procedimentos:

Espalhar os cartões coloridos no chão, colocar uma música suave e pedir que os participantes olhem e toquem os cartões. Solicitar que peguem um ou mais cartões que lhe despertem algum sentimento. Em seguida, solicitar que compartilhem com o grupo o porquê da escolha, dar oportunidade de todos falarem. É uma dinâmica indicada para grupos que já estão familiarizados entre si.

Título: Um presente para o companheiro

Objetivo: expressar sentimentos, estimular o toque;

Material Utilizado: nenhum.

Procedimentos:

O grupo deve ficar em pé em forma de círculo. O facilitador deve solicitar que as pessoas coloquem as mãos sobre os ombros do companheiro da frente, fechando mais o círculo (como se fosse um trem, porém fechando o círculo). Após todos caminharem com as mãos sobre os ombros solicitar que dêem um presente ao companheiro da frente fazendo uma massagem. É natural surgirem muitos risos. Observar as pessoas que têm dificuldade em tocar o outro, às vezes o riso é sinal do constrangimento. Depois de algum tempo solicitar que agradeçam o presente recebido virando e retribuindo a massagem no companheiro de trás.

Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular
Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular
Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular
Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular
Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular

Observações: esta dinâmica estimula a discussão sobre a dificuldade em tocar as outras pessoas, estimular que todos verbalizem como foi a experiência.

estimular que todos verbalizem como foi a experiência. Figura 34: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do

Figura 34: Dinâmica. Fonte: Biblioteca de Clip-arts do Office

Título: Minha frase preferida

Objetivo: compreender a importância da entonação da voz;

Material Utilizado: nenhum.

Procedimentos:

Sentados em forma de círculo solicitar que os participantes pensem em uma frase que apreciam, também pode ser uma frase de uma música que gostem. Após todos pensarem em uma frase solicitar que cada um compartilhe com o grupo pronunciando em voz alta a sua frase. Após todos os componentes expressarem a frase solicitar que repitam, porém, o facilitador descreve um sentimento ou atitude que deve ser acrescentado a verbalização da frase.

Assim, deve ser solicitado que repita sua frase: 1. Chorando; 2. Com raiva; 3. Rindo;
Assim, deve ser solicitado que repita sua frase: 1. Chorando; 2. Com raiva; 3. Rindo;
Assim, deve ser solicitado que repita sua frase: 1. Chorando; 2. Com raiva; 3. Rindo;
Assim, deve ser solicitado que repita sua frase: 1. Chorando; 2. Com raiva; 3. Rindo;
Assim, deve ser solicitado que repita sua frase: 1. Chorando; 2. Com raiva; 3. Rindo;

Assim, deve ser solicitado que repita sua frase:

1. Chorando;

2. Com raiva;

3. Rindo;

4. Soluçando;

5. Distraído;

6. Gritando;

7. Desanimado;

8. Com medo;

9. Sussurrando;

10. Formalmente;

11. Declamando;

12. Cantando;

13. Pausadamente, entre outros.

Observações:

Podem-se incluir outros sentimentos e atitudes que o facilitador considerar pertinente. Após todos repetirem suas frases, solicitar que expressem como se sentiram, refletindo sobre o tom de voz e se este altera o conteúdo do que foi verbalizado.

4.5. Dinâmicas Didáticas

Título: O corpo humano

Objetivo: interação e trabalho em grupo;

Material Utilizado: folha sulfite, lápis de cor, fita crepe.

Procedimentos : separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá As equipes deverão desenhar
Procedimentos : separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá As equipes deverão desenhar
Procedimentos : separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá As equipes deverão desenhar
Procedimentos : separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá As equipes deverão desenhar
Procedimentos : separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá As equipes deverão desenhar

Procedimentos: separar a classe em seis equipes, cada equipe deverá

As equipes deverão

desenhar em apenas 10 minutos uma das partes do corpo humano indicadas a seguir:

receber de seu professor uma folha sulfite e lápis de cor.

1º grupo: cabeça e pescoço;

2º grupo: tronco;

3º grupo: braço direito;

4º grupo: braço esquerdo;

5º grupo: perna direita;

6º grupo: perna esquerda.

Finalizada a tarefa, um representante de cada grupo deverá se levantar e colar com fita crepe num painel as partes desenhadas compondo o corpo humano num todo. Em debate coletivo argumentem sobre o resultado do trabalho que as equipes elaboram individualmente. Pensem em estratégias que facilitem o trabalho coletivo. Se a classe for numerosa pode-se fazer mais equipes. É possível utilizar massa de modelar ao invés de papel sulfite.

Título: Imagem mental

Objetivo:

(adolescentes);

conscientização

sobre

mudanças

físicas

no

próprio

corpo

Material Utilizado: papel sulfite, lápis, som com música calma, sala ampla.

Procedimentos:

Solicitar que os participantes tirem os sapatos e andem pela sala, procurando conhecer todos os espaços, acompanhando o som da música. Combinar que não devem tocar um no corpo dos outros. Em seguida o facilitador solicita que

prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que
prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que
prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que
prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que
prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que

prestem atenção e sigam as instruções que serão dadas em seguida. O facilitador solicita que todos andem na ponta dos pés, dar um tempo para essa atividade. Em seguida solicita que andem apoiando o corpo no calcanhar. Logo após solicita que andem como se estivessem caminhando na chuva. Após solicitar que andem como se estivem sobre uma superfície bem quente. O facilitador, então sugere que andem como se estivessem passando por uma porta muito estreita. Em seguida, solicita que caminhem em câmera lenta, e logo após, em marcha ré. Em seguida todos devem se sentar pegando o papel e lápis e façam um desenho do próprio corpo, de como se vêem. Depois solicitar que escrevam no desenho as partes do corpo que mais apreciam e aquelas com as quais não estão satisfeitos. Compartilhar com o grupo as experiências.

Observações:

Refletir sobre o quanto os jovens têm em comum quando o assunto é a satisfação e insatisfação com o corpo. O facilitador pode fazer o fechamento da dinâmica verbalizando sobre as transformações características da faixa etária dos participantes.

Título: Roda viva

Objetivo: Debate de determinado Assunto, saber expor e saber ouvir.

Procedimentos:

É uma dinâmica apropriada para discutir um tema de forma espontânea e participativa, envolvendo todos os componentes do grupo no debate. Formar dois círculos, um de frente para o outro, em pé. O círculo de dentro deve permanecer parado enquanto o círculo de fora roda para a esquerda, seguindo o comando do orientador. Os participantes que ficam uns de frente para o outro formam uma dupla e devem falar o que sabem sobre o assunto. O tempo é determinado pelo facilitador.

Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minut o para cada um dos participantes. A atividade deve
Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minut o para cada um dos participantes. A atividade deve
Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minut o para cada um dos participantes. A atividade deve
Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minut o para cada um dos participantes. A atividade deve
Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minut o para cada um dos participantes. A atividade deve

Recomenda-se 2 minutos, sendo 1 minuto para cada um dos participantes. A atividade deve continuar até chegar ao par inicial. Após essa primeira etapa compartilhar com o grande grupo apresentando conclusões, tirando dúvidas e

aprimorando o conhecimento adquirido, é o momento do coordenador complementar

o assunto fazendo um fechamento da dinâmica.

Observações:

É importante que o facilitador prepare o assunto com antecedência, dando

oportunidade aos participantes de se prepararem para a discussão fazendo pesquisas e leituras sobre o tema. Para finalizar pode ser jogado ao grupo questionamentos sobre como foi a experiência, o que conheceu de novo sobre o assunto, como é falar apenas por um tempo curto e pré-determinado e se conseguiu ouvir o outro.

Título: Balão Questionador

Objetivo: revisar assunto discutido;

Material Utilizado: balões com perguntas.

Procedimentos:

O facilitador deve preparar os balões antecipadamente colocando perguntas em um papelzinho dentro do balão. O facilitador coloca uma música animada e solicita que brinquem com os balões, em seguida solicita que todos peguem um balão, um a um devem estourar os balões e responder a pergunta, caso não saiba solicitar ajuda da turma.

Observações:

É uma dinâmica adequada para jovens visando revisar algum assunto, ou

matéria que já foi explanado.

Título: História em quadrinhos com balões Objetivo: passar ou revisar conteúdos; Material Utilizado: balões com
Título: História em quadrinhos com balões Objetivo: passar ou revisar conteúdos; Material Utilizado: balões com
Título: História em quadrinhos com balões Objetivo: passar ou revisar conteúdos; Material Utilizado: balões com
Título: História em quadrinhos com balões Objetivo: passar ou revisar conteúdos; Material Utilizado: balões com
Título: História em quadrinhos com balões Objetivo: passar ou revisar conteúdos; Material Utilizado: balões com

Título: História em quadrinhos com balões

Objetivo: passar ou revisar conteúdos;

Material Utilizado: balões com perguntas.

Procedimentos:

O facilitador deve preparar os balões antecipadamente colocando perguntas

ou pequenos textos em um papelzinho dentro do balão. Os balões devem ser pendurados na parede, próxima aos participantes. O facilitador deve descrever que os balões são como histórias em quadrinhos e cada balão possui uma mensagem e cada um dos participantes será um personagem. O professor solicita que cada personagem vá buscar sua fala e compartilhe com o grupo.

Observações:

É uma dinâmica adequada para jovens, porem também é utilizada para

adultos em situações de feedback, proporcionando momentos de reflexão e oportunizando crescimento pessoal.

Título: Troca de sapatos

Objetivo: empatia, respeito ao outro;

Material Utilizado: Sapatos dos participantes. Música: “Meu sapato é 36”, de Raul Seixas.

Procedimentos:

O facilitador deve solicitar que todos tirem os sapatos e coloquem no centro

da sala, convidar a todos os participantes para caminharem pela sala observando todos os detalhes. Em seguida, peça que se concentrem na letra da música. Solicitar

que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de
que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de
que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de
que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de
que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de

que todos fechem os olhos e se aproximem dos sapatos e calcem um par de sapato em seguida podem abrir os olhos. Os sapatos já devem estar bem embaralhados para que os participantes não peguem o próprio calçado. Solicitar que descrevam como é usar o sapato do outro. Refletir sobre a compreensão empática colocando-se no lugar do outro, respeito a dor do outro.

Observações:

É uma dinâmica interessante para ser aplicada no momento do intervalo ou coffee break, assim a dificuldade aumenta. Contudo, é importante verificar a distância do sanitário e coffee break do local onde o grupo efetuou a dinâmica. Caso seja distante, é melhor evitar a saída com os calçados para não danificar os sapatos que comumente não possuem o tamanho adequado para o participante.

4.6. Dinâmicas de Integração

Título: O meu Escudo

Objetivo: reflexão pessoal, explanação de sonhos, integração, diferenças individuais;

Material Utilizado: desenho do escudo numa folha de papel previamente preparado, lápis de cor ou giz de cera.

Procedimentos:

Iniciar a dinâmica discorrendo sobre a importância de outros símbolos além da fala para comunicar algo ou situação. Distribuir uma folha de papel, em que está desenhado um escudo, para cada participante. Falar que no escudo, por exemplo, de futebol colocam os fatos mais significativos que marcaram sua historia. O escudo

será construído por cada um também coloc ando os fatos mais significativos de sua vida
será construído por cada um também coloc ando os fatos mais significativos de sua vida
será construído por cada um também coloc ando os fatos mais significativos de sua vida
será construído por cada um também coloc ando os fatos mais significativos de sua vida
será construído por cada um também coloc ando os fatos mais significativos de sua vida

será construído por cada um também colocando os fatos mais significativos de sua vida distribuídos em quatro etapas.

1. No primeiro quadrante superior a primeira metade de sua vida;

2. No segundo quadrante superior a segunda metade de sua vida até o último ano;

3. No primeiro quadrante inferior o tempo presente;

4. No segundo quadrante inferior o futuro.

Solicitar que reflitam e desenhem imagens que representem sua vida nos 4 quadrantes. Acima do escudo, escrever uma frase ou palavra que indique seu lema de vida. Determinar um tempo de 10 minutos para o desenho (o tempo deve ser adequado à maturidade do grupo). Após o término da tarefa, dividir em grupos de 4 ou 5 pessoas e solicitar que cada um fale sobre a sua vida nas quatro etapas, conforme seus desenhos. Ao final, reunir o grande grupo e comentar sobre as dificuldades e/ou o que mais cada um gostou da tarefa.

Observações: esta dinâmica é adequada para grupos que já se conheçam entre si e que não tenham situações conflitantes emergentes. Segue modelo de escudo:

Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50
Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50
Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50
Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50
Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50

Lema:

Lema: Título: Minha Máscara Objetivo: integração, feedback ; Material Utilizado: 1 folha em branco, 50 cm

Título: Minha Máscara

Objetivo: integração, feedback;

Material Utilizado: 1 folha em branco, 50 cm de barbante ou elástico fino para cada participante, lápis de cor ou giz de cera o suficiente para o grupo desenhar e algumas tesouras.

Procedimentos:

O facilitador distribui o material ou disponibiliza o mesmo no centro da sala. Solicitar que cada um dos participantes pegue uma folha em branco e desenhe uma máscara na frente da folha (lado A) e outra no verso (lado B).

Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como
Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como
Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como
Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como
Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como

Devem ser escritas no lado A características de como a pessoa acha que é (como eu me vejo). Por exemplo: calma, feia, simpática, etc.

Devem ser escritas no lado B características de como a pessoa acha que os outros a veem (como os outros me veem). Por exemplo: sorridente, antipático, orgulhoso, etc. Deve constar no mínimo 3 aspectos de cada lado.

O facilitador solicita que todos coloquem a máscara ficando visível o lado A. Pede que circulem pelos espaços da sala lendo as características dos demais membros do grupo e permitindo que leiam a sua. Após verificar que de uma forma geral já compartilharam as características, solicitar que virem a máscara ficando visível o lado B. Solicitar que façam o mesmo procedimento realizado no lado A. Finalizar compartilhando a experiência com o grande grupo e cada um pode verbalizar o que acha que é e o que pensa que os outros acham.

Observações: é importante verificar o grau de maturidade do grupo para aplicar esta dinâmica. Em grupos mais maduros é possível a troca de feedback, inclusive clarificando percepções equivocadas que as pessoas têm de si.

4.7. Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão Título: O barco à deriva
4.7. Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão Título: O barco à deriva
4.7. Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão Título: O barco à deriva
4.7. Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão Título: O barco à deriva
4.7. Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão Título: O barco à deriva

4.7.

Dinâmicas de resolução de problemas e tomada de decisão

Título: O barco à deriva

Objetivo: argumentação, persuasão, decisão e resolução de problemas em

grupo.

Procedimentos:

Dividir o grande grupo em 5 ou 7 participantes. Descrever que o grupo estava em uma viagem de barco e este teve um problema de rachadura no casco, por onde está entrando água. Já foi jogado ao mar tudo o que era possível, agora só restaram as pessoas, porém ainda vai ser necessário diminuir o peso para que o barco não afunde. O socorro não vai chegar a tempo, a região é infestada por tubarões e a terra mais próxima está muito longe para se chegar a nado. Não há botes, coletes ou outro modo de sobreviver a não ser ficar no barco. A equipe vai ter que tirar 2 pessoas do barco para que este não afunde. Cada participante vai ter que justificar e argumentar o porquê de permanecer no barco. Dar de 5 a 7 minutos para que cada equipe tome uma decisão. Após o término do tempo cada equipe dá seu veredicto.

Observações:

Explorar como foi tomada a decisão, como foi a justificativa, o que foi fácil ou foi difícil. Também pode ser trabalhada nesta dinâmica a liderança, alguém se destacou como líder mesmo sem ser instituído líder formalmente? Todos participaram da decisão ou a decisão foi unilateral? Como foi a experiência para cada um?

Título: O Cavalo mais lento Objetivo: percepção, raciocínio ló gico, liderança e comunicação; Material Utilizado:
Título: O Cavalo mais lento Objetivo: percepção, raciocínio ló gico, liderança e comunicação; Material Utilizado:
Título: O Cavalo mais lento Objetivo: percepção, raciocínio ló gico, liderança e comunicação; Material Utilizado:
Título: O Cavalo mais lento Objetivo: percepção, raciocínio ló gico, liderança e comunicação; Material Utilizado:
Título: O Cavalo mais lento Objetivo: percepção, raciocínio ló gico, liderança e comunicação; Material Utilizado:

Título: O Cavalo mais lento

Objetivo: percepção, raciocínio lógico, liderança e comunicação;

Material Utilizado: desenho do escudo numa folha de papel previamente preparado, lápis de cor ou giz de cera.

Procedimentos:

Dividir o grande grupo em grupos menores de 4 a 7 pessoas. Distribuir o enunciado e dar poucos minutos para o grupo chegar a uma conclusão.

Enunciado: Um empresário de sucesso chamou seus dois filhos, ambos maiores de idade e bons motoristas, e lhes fez o seguinte desafio: “Darei um prêmio àquele cujo carro der uma volta mais lenta em torno de nossa mansão”.

Os dois jovens pensaram por alguns instantes, em seguida correram em direção à garagem, pegaram os carros e saíram em disparada para dar a volta na estrada que circundava a mansão.

Questão que o grupo deve responder: Por quê?

Resposta: um pegou o carro do outro.

Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:
Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:
Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:
Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:
Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:

Título: Os soldados enfileirados

Título: Os soldados enfileirados Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere Objetivo:

Figura 35: Dinâmica de Resolução de Problema. Fonte: Marilda Ghellere

Objetivo: percepção, raciocínio lógico, liderança e comunicação;

Material Utilizado: 10 pinos de plástico de boliche para cada grupo.

Procedimentos:

Dividir o grande grupo em pequenos grupos de no máximo 7 pessoas, dar para cada grupo 10 pinos de boliche e apresentar a seguinte situação:

O Sargento Alexandre, para testar o grau de conhecimento do capitão Inácio, deu a seguinte ordem:

– Pegue 10 soldados e faça 5 fileiras de 4 homens.

Desafio ao grupo: Como o sargento conseguiu realizar a tarefa? O grupo deve simular a situação com os pinos de boliche.

Solução: coloca-se um soldado em c ada ponta e nos pontos de intersecção de modo
Solução: coloca-se um soldado em c ada ponta e nos pontos de intersecção de modo
Solução: coloca-se um soldado em c ada ponta e nos pontos de intersecção de modo
Solução: coloca-se um soldado em c ada ponta e nos pontos de intersecção de modo
Solução: coloca-se um soldado em c ada ponta e nos pontos de intersecção de modo

Solução: coloca-se um soldado em cada ponta e nos pontos de intersecção de modo que eles formem uma estrela de cinco pontas.

de modo que eles formem uma estrela de cinco pontas. Observações: ao final da dinâmica mostrar

Observações: ao final da dinâmica mostrar a solução, caso seja necessário. Explorar a comunicação dentro do grupo, a liderança, todos participaram? Deram sugestões, houve trabalho em grupo? São temas que merecem reflexão por parte do grupo. Também é possível deixar um espião em cada grupo para que ele possa explanar como foi a atuação do grupo frente ao desafio.

●●●

Enquanto educador, o facilitador deve conduzir o grupo, Buscando possibilitar uma ação construtiva de aprendizagem.

Abigenor & Rose Militão

●●●

Referências Bibliográficas ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal . São Paulo: Casa
Referências Bibliográficas ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal . São Paulo: Casa
Referências Bibliográficas ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal . São Paulo: Casa
Referências Bibliográficas ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal . São Paulo: Casa
Referências Bibliográficas ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal . São Paulo: Casa

Referências Bibliográficas

ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: imaginário grupal. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1990.

BEE, Roland; BEE, Frances. Feedback. São Paulo: Nobel, 2000.

BORGES, Giovana Leal. Dinâmicas de Grupo: Crescimento e integração. Petrópolis: Vozes, 2005.

BOYATZIS, Richard; MCKEE, Annie. O poder da Liderança emocional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

DEL PRETTE, Almir; DEL PRETE, Zilda A. P. Psicologia das relações interpessoais: vivências para trabalho em grupo. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

FRITZEN, José Silvino. Janela de Johari. Exercícios vivenciais de dinâmicas de grupo, relações humanas e de sensibilidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

GAYOTTO, Maria L. Cunha. Liderança: aprenda a mudar em grupo. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

GOBBI, Sérgio Leonardo; MISSEL, Sinara T. Vocabulário e noções básicas da abordagem centrada na pessoa. São Paulo: Vetor, 2002.

HUNTER, James C. O monge e o executivo: uma história sobre a essência da liderança. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

LEWIN, Kurt. Problemas de Dinâmica de Grupo. São Paulo: Cultrix, 1973.

MACEDO. S. M. Grupo e instituição: relações de poder na dialética de um processo grupal de aprendizagem. Estudos de Psicologia. Revista quatrimestral do Instituo de Psicologia- vol 15 n2- Maio-Ago:PUCCAMP, 1998.

MILITÃO, Abigenor; MILITÂO, Rose. Jogos, dinâmicas e vivências grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.

SOS Dinâmica de Grupo. Rio de Janeiro. Qualitymark, 1999.

MINICUCCI, Agostinho. Dinâmica de grupo: teoria e sistemas. São Paulo: Atlas,

2002.

MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários .
MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários .
MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários .
MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários .
MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários .

MIRANDA, Simão de. Oficina de dinâmicas de grupos para empresas, escolas e grupos comunitários. Campinas, SP: Papirus, 2001.

Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Atlas, 1995.

MORAIS, Maria de Lourdes Cysneiros. Relações interpessoais na formação do educador: uma visão psicopedagógica. Rio de Janeiro: Editora, 2007.

MOSCOVICI, Fela. Desenvolvimento Interpessoal. Rio de Janeiro: LTC, 1985.

Equipes dão certo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

Renascença Organizacional. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

PRIOTTO, Elis Palma. Dinâmica de Grupos para Adolescentes. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2008.

ROGERS, C. R. Grupos de encontro. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

Tornar-se Pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SANTOS, Antonio Monteiro dos et al. Quando fala o coração: a essência da psicoterapia centrada na pessoa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

STREY, Marlene Neves et al. Psicologia Social Contemporânea. Petrópolis:

Vozes, 2002.

TAMBARA, Nilton. Um caminho sem volta. Porto Alegre: Delphos, 1999.

ZIMERMAN, David. Fundamentos Básicos das Grupoterapias. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

---------- FIM DO CURSO! ----------