Sei sulla pagina 1di 931
Revelagao Messianica no Velho Testamento Gerard Van Groningen Luz Para o Caminho Campinas, SP 1995 Revelacao Messianica no Velho Testamento Gerard Van Groningen ©1990 Baker Book House Company. Titulo do original em inglés: Messianic Revelation in the Old Testament. ©1995 Luz Para o Caminho (LPC PublicagSes). Todos os direitos reservados em lingua portuguesa. Nenhuma parte desta publicagao poderé ser reprodu- zida ou transmitida por qualquer modo ou meio, seja este eletrénico, fotogré- fico, mecAnico, ou outros, sem autorizagSo prévia da editora. 876 Groningen, Gerard Van m _Revelagdio Messianica no Velho Testamento/ Gerard Van Groningen. Trad. de Claudio Wagner. Campinas: Luz Para 0 Caminho (LPC Publicagées), 1995. 942 paginas. Indi Bibliografia. 1. Messias—Profecias. 2.Revelagéo—Ensino Biblico. 3. Biblia V.T.—Criticismo, interpretagao etc. I Titulo. CDD-221.6 Ris 224 T* edico em portugués: 1995 - 3000 exemplares Tradugdo: Claudio Wagner Revisdo: Rubens Castilho; Waldyr C. Luz; Elione Gama; Edson P. Ramos Fone: (0192) 41-2977 Fax: (0192) 41-8648 Sumario Quadros Iustrativos. . ee ee ee eee 7 Preface ses ee ei ti testes cob bas ateb sb fete ta lated totais eh tata tabi 9 Parte 1: Introdugdo ao Conceito Messianico 1,OConceito Messianic 2... ee 17 2. A Fonte do Conceito Messifnico 6... ee eee eee eee 53 Parte 2: O Conceito Messianico no Pentateuco: Génesis 3. A Revelagéio Messianica no Tempo de Adio . . 4. A Revelagaio Messianica no Tempo de Noé 5. A Revelagiio Messianica no Tempo de AbraioeIsaque ... 6. A Revelagaio Messidnica no Tempo de Jacé6.... . tefaeto ot itatea Parte 3: O Conceito Messianico no Pentateuco: Exodo, Levitico, Nimeros e Deuterondmio 7. A Revelagio Messianica no Tempo de Moisés-1 .......... 175 8, A Revelagiio Messianica no Tempo de Moisés-2 .........5 196 9. A Revelacio Messianiea deJosuéaSamuel............. 10. A Revelacio Messianiea no Reinado de DavieSalomao ..... Bi 5: O Conceito M nos Livros Poéticos 11. Elaboragio Po@tica do Conceito Messianico-1. . 12. Elaboracao Poética do Conceito Messianico=20955)....... Sumério e Prehidio a . ..... Parte 6: O Conceito Messi nos Profetas Posterio: 13. O Conceito Messianico nos Profetas Nao- s 14, A Mensagem Messianiea dos Profetas Para as Nagoes 15, A Mensagem Messianica dos Profetas para Israel ... . 16. A Mensagem Messifnica dos Profetas para Juda no Oitavo Séculgf............0. 0 de Isafas, 2: O Filho que Governa . . « de Isafas, 3: O Filho-Servo .......+ de Isafas, 4: O Filho Sofredor e 20. O Messias no Lit Ministrante 21. A Mensagem Me para Juda no 22. A Revelagio Messi nica dos Profetas Wo VIL... . . oak ica Durante o Exilio- 1: Ezequiel . 23. A Revelagao Messi Durante o Exilio - 2: Daniel 24. A Revelag&io Messifi Depois do Exilio-1; Ageu .. « 25. A Revelagaio Messianica Depois do Exilio - 2: Zacarias |. 26. A Revelagio Messiamica Depois do Exilio-3 Epilogo a . Apéndice A _ Bibliografia Selecionada Sobre o Filho do 1 Homem (a) |. LF = aa) Apéndice B _ Bibliografia Selecionada Sobre as Sete . | Semanas de Daniel... .9.. 008 .-..... Lista de Abreviaturas Transliterag&o dos Caracteres Hebraicos . Transliteragaio dos Caracteres rea soe Bibliografia - - Indice de Textos Biblicos . « Indice de Autores... 145 5 oa Indice de Assuntos . . Jue Quadros Ilustrativos . Estruturado Salmo 110 6.1... eee eee eee . Estrutura do Salmo118 .......... : Principais Temas no Livrode Naum .. Principais Temas na Visio de Obadias . . Principais Temas no Livro de Amés . . . O Pacto de Yahwéh com Seu Povo ... oe . Aspectos Pactuais no Livro de Miquéias ........ : . Principais Temas em Isaias1-6 6.1... eee ee ee eens . Caracteristicas do Rei Universal .. 1... pee eee eee 10. Principais Temas em Isafas 40.1-5212...... 11, Estrutura Gramatical de Isafas 52.14,15b .... 12. Principais Temas em Isaias54-61 ..........05 13. Principais Temas em Jeremias 3.6-6.30 14. Estrutura de Jeremias 23.1-8 ....... 15. Estrutura de Ezequiel 1.24-28...... 16. Temas Pactuais em Ezequiel 16.53-63 17. Estrutura de Ezequiel 17.22-24 ... 0... . sees 18. Principais Temas em Ezequiel 21.25-27 . 19. Principais Temas em Ezequiel 34.1-31.......... epee 20. Estruturade Daniel7 0... 0. e eee eee eee 21. Principais Temas em Zacarias4.1-14 2... 6... ee ee eee 22. Temas Messianicos em Zacarias 9-14 ...... 23, Principais Temas em Zacarias 10.1-11.17 .... 24. Principais Temas em Malaquias 2.17-3.6 wPeONaakone Prefacio A. palavras de Jesus em Le 24.2744 intrigaram-me e inspiraram-me desde que comecei a ler e estudar a Biblia para meu beneffcio pessoal. Lembro-me de ter ouvido, quando menino, sermées e ligdes de classes biblicas sobre as palavras de Jesus a respeito de como falaram sobre Ele Moisés, os Profetas e os Salmos. Essas referéncias néo me causaram nenhuma impressdo duradoura. Fui desafiado, entretanto, a considerar as palavras de Jesus mais cuidadosa- mente, 4 medida que amadurecia espiritualmente e estudava mais profunda- mente o que o Velho Testamento de fato dizia a respeito dele. Meu estudo tornou-se uma fonte de profunda admiragio e de um crescente interesse pelo que Deus revelou ao longo dos séculos, antes de Jesus aparecer na terra. Este livro € 0 resultado de quarenta anos de leitura, meditagio, estudo e ensino. O Propésito deste Estudo A justificativa para este estudo apdia-se pelo menos em cinco motivos: Primeiro, o material produzido por eruditos evangélicos conservadores sobre o messianismo no Velho Testamento é ou muito antigo, ou breve demais, ou tem falta de equilibrio. Por exemplo, o volumoso tomo de Emst W. Hengs- * tenberg sobre a Cristologia do AntigoTestamento traz demasiadas marcas de uma teologia sistematica, em detrimento de um método teolégico exegético e biblico.1 Ele omite muita coisa dos aspectos histéricos da exegese. Isto pode ser devido ao fato de ter sido escrito antes de uma apropriada apreciagdo da énfase 1. __Emst W. Hengstenberg, Christology of the Old Testament and a Canmentary on the Messianic Predictions, tradugdo de R. Keith (Grand Rapids: Kregel, 1970). 10 Prefacio hist6rico-critica e, como resultado, seu trabalho é histérica e culturalmente abstrato. O livro de A. H. Edelkoort, De Christusverwachting in het oude Testa- ament, caracteriza-se por uma abordagem excessivamente antropocéntrica, como o termo “Verwachting” (expectagao) claramente sugere. As obras de H. L. Ellison, W. F. Greidanus e B. B. Warfield sio demasiadamente breves e ultrapassadas? Oconciso estudo de W. H. Gispen sobre os tipos e as previsSes messianicas € util como uma introdugao a um estudo mais compreensivo do assunto.t Segundo, a énfase atual sobre a tradig&o oral, forma e critica redacional deve ser seriamente avaliada A luz dos materiais biblicos reais, bem como da evidéncia extrabiblica do conceito messianico. As obras de Hermann Gunkel, Sigmund Mowinckel, Helmer Ringgren, Aage Bentzen, Aubrey Johnson, e outros, mostram que uma énfase muito grande, senao exclusiva, tem sido dada ao tema divino-real-sagrado. Estes eruditos alegam que Israel adotou elemen- tos especificos das atividades politico-religiosas do culto pagao e as incorporow aos supostos festivais israelitas de entronizagao. Os hinos (salmos) de entroni- zagio s&o considerados o material bdsico para este presumido fato histérico. Segue-se, ent&o, que os salmos representam a expresso original do conceito messianico no Velho Testamento. Mais ainda, a idéia messianica é limitada a pessoa do rei e as suas funges. Outros eruditos, como Trygve Mettinger, focalizaram o ambiente da corte de Davi e Salomao. Antes de Mettinger, R. N. Whybray estudou a questiio da sucessao real e opinou que as singelas narrativas da corte de Davi e Salomao foram os primeiros registros confidveis da Historia de Israel.§ A idéia de um rei salvador e restaurador surgiu, argumenta ele, quando, nos séculos poste- riores, Davi e Salomao foram idealizados e divinizados. Terceiro, este estudo representa uma séria tentativa de avaliar os estudos recentes. Um esfor¢o especifico foi feito para determinar se os salmos refletem fontes extrabiblicas ou revelacdo anterior no préprio Velho Testamento. A conclusao bésica deste estudo é que os salmos, embora apresentem alguma evidéncia de terem feito empréstimos formais das culturas vizinhas, expres- sam concepgées messianicas que foram inicialmente reveladas por Deus antes do tempo de Moisés, a ele Moisés, bem como por meio dele e dos Profetas 2. Albertus H. Edelkoort, De Christusverwachting in het aude Testament (Wageningen: H. Veenman, 1941). 3. Henry L. Ellison, The Centrality of the Messianic Idea fer the Old Testament (London: Tyndale, 1957); W. F. Greidanus, Qtristus de Heland (Kampen: Kok, 1948) exp. pp. 7-38 e B. B. Warfield, “The Divine Messiah in the Old Testament”, in Biblical and Theological Studies, ed. Samuel Graig (Philadelphia: Presbyterian and Reformed, 1952), pp. 79-126. 4. W.H, Gispen, “De Christus in het oude Testament”, Zvegetica (Delft van Keulen, 1952). 5. Herman Gunkel, Genesis (Géttingen: Vandenhoeck und Ruprecht, 1966); Sigmund Mowinckel, He That Careth trad. G. W. Anderson (Oxford: Blackwell, 1959); Helmer Ringgren, The Messiah in the Old Testament (Londres: SCM, 1956); Aage Bentzen, King and Messiah( Oxford: Blackwell, 1970); Aubrey Johnson, Sacral Kingship in Ancient laraal (Cardiff: University of Wales Press, 1967). 6. TrygveN.D.Mettinger, King and Messialv The Civil and Sacral Legitimation of the Israelite King (Lund: Wallin and Dalholm, 1976); Roger N. Whybray, The Succasion Narrative London: SCM, 1968). Prefacio 1 Anteriores, Daf decorre que a ordem histérica da apresentagao escritural é a Lei,” os Profetas Anteriores, os Salmos e os Profetas Posteriores.8 Quarto, a idéia de revelagio divina nao tem recebido atengo suficiente. E imperativo que se destaque a revelagdo divina quando se lida com as passagens messianicas do Velho Testamento. A idéia bfblica de revelagao é 0 conceito basico que permeia e colore todas as passagens messianicas. Por esta razio, 0 titulo deste estudo traz de forma notéria o termo revelagia. Quinto, tendo em vista que pouco ou nenhum trabalho ha disponjvel sobre este assunto nas tiltimas décadas, é importante que algo seja feito. Este livro é o resultado de tal propésito. A esséncia de cada capitulo foi apresentada segundo 0 método da exegese e da teologia biblica, no Reformed Theological College, Geelong, Victoria, Austrélia; no Reformed Theological Seminary, em Jackson, Mississipi; e no Semindrio Presbiteriano José Manoel da Conceigio, em Sao Paulo, Brasil, Muitos dos estudantes pediram-me publicasse este estudo. Reescrevi exausti- vamente minhas anotagdes e procurei eliminar o estilo eo método de prelecéo usado em sala de aula. O Procedimento Usado neste Estudo Diante do problema de adotar um ponto de partida e um procedimento, cumpre responder a varias perguntas. Deve um estudo do conceito ou idéia messianica comegar com: — festas anuais ndo-israelitas, em que havia uma realeza que morria e ressurgia? — os salmos e canticos de Israel que reflitam o empréstimo de um tema divino-real-sagrado de antigas fontes das culturas vizinhas? — acorte real no tempo de Saul, Davi e Salomao e os desenvolvimentos subseqiientes? — a situagiio pés-exilica, em que se afirma que muitos dos materiais messianicos receberam sua forma literéria? Oestudo da concepgiio messianica é basicamente um exercicio historico ou um estudo da profecia? Ou ha outras opinides? Ronald E. Clements parece sugerir que o que temos realmente diante de nés nao énem profecia messiancia anica (eventos que resultam na vinda e obra do Messias), ica formulada de tal maneira que da origem tanto a esperanca messifnica judaica quanto A cristé Ele propde um novo esforgo critico-histérico por meio do qual todo o ambiente histérico dos tempos 7. Quanto a origem dos escritos mosaicos, ver cap. 4, & Procuramos cobrir praticamente o campo inteiro do Velho Testamento, incluindo material exflico e pés-exflico. 9. R.E.Clements, “Messianic Prophecy or Messianic History?" Horiaans in Bittical Theology 1 (1979): 87-104. n Prefacio pds-exilicos seja posto A mostra. Deste ambiente reconstitufdo sera possivel determinar o ambiente histdrico teologizado pelos escritores pés-exilicos. A prépria Escritura requer que, coordenadamente, fagamos exegese do texto, estudemos histéria, interpretemos profecia e facamos teologia. Omitir qualquer um destes aspectos é fazer injustica ao Velho Testamento — Palavra de Deus que é, ao mesmo tempo, palavra profética, palavra histérica e palavra inscriturada. Nenhum desses aspectos é tio dominante que se sobreponha aos demais. A tendéncia dos criticos é absolutizar a Histéria e, em estreita correlagao com isto, colocar énfase indevida no texto. Como resultado, nao se dé a devida consideragao ao contetido teolégico. Nenhum dos aspectos deve ser absoluti- zado ou ter um papel ditatorial. Pelo contrério, cada faceta da exegese deve merecer séria atengdo. O Método Exegético Empregado neste Estudo O problema do uso da Escritura, bem como de sua interpretagao, continua a desafiar os estudiosos, Este desafio é grandemente intensificado pela extensa variedade das opinides existentes.° A abordagem da Escritura feita neste estudo ser sumarizada no cap. 2. O método geral seguido na exegese de passagens messianicas espectficas pede a consideragio tradicional de seus aspectos gramaticais, histéricos e teolégicos. Entretanto, um aspecto adicional ser& empregado: o método revelagio-resposta, O texto é estudado para verifi- car a revelagio de Deus ao homem, por palavra ou ato; isto é seguido pelo estudo da resposta humana. Em outras palavras, quando o Senhor falou 4 humanidade, qual foi a resposta ou reagao histérica? Desta maneira, o Sitz im Leben é mantido diante de nés quando lidamos com tal passagem. A Selegao de Passagens Varios critérios podem ser usados para determinar que passagens sio messianicas. Por exemplo, se alguém est4 convencido de que somente aquelas passagens que tratam de uma figura real divino-humana, no ambiente de um festival de entronizacio, sao messianicas, entio muito poucas passagens po- deriam ser assim qualificadas. Além disso, se somente as passagens que tratam de uma pessoa real (e nao de sua obra) s40 consideradas messianicas, a selegio seria ainda mais limitada. Neste estudo o conceito messiinico refere-se a uma pessoa real-sacerdotal-profética e A sua obra. Passagens que tratam da dimen- sao mais estreita (pessoa) e mais ampla (obra) foram selecionadas para serem submetidas a cuidadoso exame e avaliagiio, Esta selecdo inclui as passagens 10, Oproblema da hermenéutica bblica desafia qualquer estudante da Escritura. Num livro como eate ndo se pode dedicar muito espago ao problema, pois isto tornaria qualquer outro estudo virtualmente imposstvel, em razdo do volume de material envolvido e do tempo requerido para dele tratar. Uma tentativa de sumarizar os principais usos da Escritura foi feita por David H. Kelsey em The Uses of Scripture in Recent Thealogy (Filadélfia: Fortress, 1975). A andlise e avaliagéo de Kelsey mostra claramente a escolha que fez de um método que nao tem sua origem e orientagSo na propria Escritura. Prefacio 13 tradicionalmente conhecidas como profecias messianicas, mas outras passa- gens também mereceram atengio.'! Umas poucas passagens, consideradas messianicas por alguns estudiosos, serao rejeitadas como tais. O Uso de Fontes e Referéncias Finalmente, uma palavra deve ser dita sobrea selegao de fontes e referéncias, Nenhuma tentativa foi feita para exaustivamente colecionar e indicar todos os materiais disponiveis sobre o assunto geral do messianismo. Pelo contrario, este estudo é restrito ao Pentateuco, aos Profetas Anteriores e Posteriores e aos Salmos, Como reforgo, algumas vozes representativas foram selecionadas, quando possivel. Muitas obras em outras linguas, que ndo o inglés, ndo foram consultadas ou utilizadas com muita assiduidade. A bibliografia, entretanto, inclui a maio- ria dos livros e artigos escritos sobre o messianismo biblico. Fizemos uma tentativa de incluir os titulos que representam escolas especificas de pensamen- to e trazem contribuigées significativas ao assunto em discussio. A inclusdo de titulos adicionais visa ajudar os leitores que desejem consultar outras fontes, além daquelas que o autor usou. Quero expressar minha gratidao aos muitos amigos que estiveram envol- vidos comigo na produgio deste livro, A meus colegas em Victoria, Australia (especialmente aos professores do Reformed Theological College); em Sao Paulo, Brasil (especialmente ao pessoal do Semin4rio Presbiteriano José Ma- noel da Conceigéio); em Jackson, Mississipi (especialmente a meus colegas do Reformed Theological Seminary); em Palos Heights, Illinois (especialmente ao pessoal do Trinity Christian College); em French Camp, Mississipi (especial- mente ao pessoal da French Camp Academy); em Potchefstroom, Africa do Sul (especialmente a faculdade teolégica da University for Christian Higher Edu- cation); e em St. Louis, Missouri (especialmente ao Covenant Theologial Semi- nary), meus agradecimentos por sua assist@ncia e apoio. Muitos nomes pode- riam ser mencionados, pois muitas pessoas estiveram profundamente envol- vidas em minha vida enquanto estava trabalhando neste projeto, o qual con- sumiu muito tempo e energia, Embora nao tenha tentado preparar uma lista completa de nomes, tenho o dever de mencionar Mary Louise Hutton, May- nard Koerner, Brian Nicholson, Pieter Tuit, Mark Seeley e Jerry Van Groningen em me ajudarem a colocar o projeto em andamento. Eles me auxiliaram na pesquisa inicial, datilografia, editorag&o e execugio de outras tarefas semelhan- tes. Agradeco-lhes de coragao. Também agradego a assisténcia e encorajamento recebidos do pessoal da Baker Book House. 11. O material produzido pelo Concflio Internacional sobre Inerrancia Biblica evidencia um estudo sério sobre hermenéutica biblica, Varios aspectos do assunto tém sido amplamente discutidos nas publicagées do coneflio, Osimptsio Hermeneutics, Inerrancy and the Bible ed. por Earl D. Radmacher e Robert D. Preus, contém trabalhos apresentados na reunido de 1982 (Grand Rapids: Zondervan, 1984). Ver eapecialmente “The Chicago Statement on Biblical Hermeneutics” (pp. 881-887).