Sei sulla pagina 1di 212

Matemática

básica

Francisco Magalhães Gomes IMECC – UNICAMP

Campinas, 5 de fevereiro de 2017

Sumário Sumário   i 1 Números reais 1 1.1 Conjuntos de números . . .

Sumário

Sumário

 

i

1

Números reais

1

1.1

Conjuntos de números

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1

1.2

Soma, subtração e multiplicação de números reais

 

4

A

precedência das operações e o uso de parênteses

 

5

Propriedades da soma e multiplicação

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

Números negativos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

8

1.3

Divisão e frações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

A

divisão como um produto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

Soma e subtração de frações com denominadores iguais

Frações equivalentes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

15

. Simplificação de frações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

Divisores, múltiplos e números primos

 

16

. Simplificação de frações usando o mdc

Máximo divisor comum

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

21

Multiplicação de frações .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

Simplificação de frações durante o cálculo do produto

 

23

Soma e subtração de frações com denominadores diferentes .

.

.

.

.

.

.

25

Mínimo múltiplo comum

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

O

uso do mmc na soma e subtração de frações

 

30

Divisão de frações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

Resumo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

1.4

A

reta real

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

1.5

Razões e taxas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

Razão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

Taxa

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

43

1.6

Porcentagem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

1.7

Crescimento e decrescimento percentual

.

Potências

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

49

53

. Expoentes negativos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

Simplificação de expressões com potências

 

57

Notação científica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

59

Operações com números em notação científica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

1.8

Raízes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

66

Quadrados perfeitos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

67

. Propriedades das raízes

Raiz enésima

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

69

Raízes como potências

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

Racionalização de denominadores

 

74

1.9

Operações com horas, minutos e segundos

 

76

Mudança de unidade de tempo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

76

 

i

ii Sumário

2 Equações e inequações

81

2.1 Equações

. Solução de equações

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

81

82

Formas abreviadas de aplicação das propriedades das equações

 

85

2.2 Proporções e a regra de três

. Grandezas diretamente proporcionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

88

Grandezas inversamente proporcionais

89

Regra de três para grandezas diretamente proporcionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

91

Regra de três para grandezas inversamente proporcionais

95

Problemas complexos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

97

2.3 Regra de três composta

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 101

2.4 Equações lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. Resolução de problemas com o uso de equações lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 106

107

2.5 Sistemas de equações lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 111

O método da substituição

.

.

.

.

.

.

.

.

. 112

2.6 Conjuntos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 118

União e interseção de conjuntos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 119

2.7 Intervalos

. União e interseção de intervalos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 126

. 127

2.8 Inequações

. Análise das regras do produto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 129

130

Subtração de uma expressão

.

.

.

.

.

.

.

.

. 130

Divisão por uma expressão

Inequações do tipo “maior ou igual”

.

.

.

.

.

.

.

.

. 130

130

Inequações lineares .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 131

Resolução de problemas com o uso de inequações lineares .

.

.

.

.

.

.

. 135

2.9 Polinômios e expressões algébricas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 139

Soma e subtração de expressões algébricas

140

Produto de expressões algébricas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 141

Produtos notáveis

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 142

Fatoração

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 144

Reconhecendo produtos notáveis

146

2.10 Equações quadráticas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 150

Equações com polinômios na forma fatorada

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 151

Equações com c = 0

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 152

Equações com b = 0

.

.

.

.

.

.

.

.

. 153

Equações com todos os coeficientes não nulos

156

2.11 Inequações quadráticas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 162

Conversão de um polinômio quadrático à forma fatorada

162

Solução de inequações do segundo grau

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 164

2.12 Equações racionais e irracionais

. Domínio de uma expressão algébrica

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 171

171

Operações com expressões fracionárias

173

Equações racionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 178

Equações irracionais

.

.

.

.

.

.

.

.

. 180

2.13 Inequações e inequações racionais e irracionais

184

Inequações racionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 184

Inequações irracionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 190

2.14 Valor absoluto

. Distância na reta real

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 196

. 199

Equações com valor absoluto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

200

Inequações modulares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 202

Números reais 1 Antes de ler o capítulo Sugerimos ao leitor que revise • as

Números reais

1

Antes de ler o capítulo

Sugerimos ao leitor que revise

as quatro operações aritméti- cas elementares: soma, sub- tração, multiplicação e divi- são;

os números negativos;

a representação decimal dos números.

Nesse capítulo, revisamos alguns conceitos fundamentais da aritmética e álgebra, com

o propósito preparar o leitor para os capítulos que estão por vir. Os tópicos aqui abordados são aqueles indispensáveis para que se possa compreender a matemática

cotidiana, ou seja, aquela que usamos quando vamos ao supermercado ou ao banco,

ou quando lemos um jornal, por exemplo.

A aritmética elementar é o ramo da matemática que trata dos números e de suas

operações. Por ser a base sobre a qual são erguidos os demais ramos, seu conheci-

mento é imprescindível para a compreensão da maioria dos tópicos da matemática.

Já na álgebra elementar, uma parte dos números é representada por outros símbolos,

geralmente letras do alfabeto romano ou grego.

É provável que você já domine grande parte dos conceitos aritméticos e algébricos

aqui apresentados. Ainda que seja esse o caso, não deixe de fazer uma leitura rápida das seções, para refrescar sua memória. Ao final da revisão, você deve estar preparado para trabalhar com números reais, frações, potências e raízes.

1.1 Conjuntos de números

Deixamos para o próximo capítulo a apresentação dos principais conceitos associados a conjuntos. Por hora, é suficiente conhecer os principais con- juntos numéricos.

Os números usados rotineiramente em nossas vidas são chamados números reais. Esses números são divididos em diversos conjuntos, cada qual com uma origem e um emprego específico. Ao homo sapiens de épocas remotas, por exemplo, os números serviam apenas para contar aquilo que era caçado, ou coletado como alimento. Assim, para esse homem rudimentar, bastavam os números naturais:

1;

2;

3;

4;

5;

.

.

.

Em muitas culturas antigas, inclusive, só os números 1, 2 e 3 possuíam nomes espe- cíficos. Qualquer quantidade acima de três era tratada genericamente como “muitos”.

Mas os egípcios, há milhares de anos, já possuíam hieroglifos particulares para repre- sentar números entre 1 e 9.999.999 na forma decimal. Os números naturais também estão associados ao conceito de números ordinais,

que denotam ordem ou posição (primeiro, segundo, terceiro,

).

O conjunto dos números naturais é representado pelo símbolo N.

Um membro de um conjunto de números é chamado elemento do conjunto. Di-

zemos, portanto, que o número 27 é um elemento do conjunto de números naturais.

A Tabela 1.1 fornece a notação usada para indicar a relação de pertinência entre um

número a qualquer e um conjunto numérico S. Alguns autores consideram o zero um número natural, enquanto outros preferem não incluí-lo nesse conjunto. Esse livro segue a segunda vertente, considerando que

0N.

2

Capítulo 1. Números reais

Tabela 1.1: Notação de pertinência a conjunto.

Notação Significado

Exemplos

a é um elemento de S.

S

a

132 N

a

pertence a S.

9756431210874 N

a a não é um elemento de S.

S

12,5 N

a

não

pertence a S.

1 N

Quando aplicadas a números naturais, algumas operações geram números natu- rais. Assim, por exemplo, quando somamos ou multiplicamos dois números naturais, sempre obtemos outro número natural. Entretanto, isso não ocorre com a subtração. Para que essa operação sempre possa ser feita, precisamos dos números negativos – que representam, por exemplo, uma dívida – e do zero – que é usado como referên- cia (como quando nos referimos à temperatura de congelamento da água na escala Celsius). Considerando todos os números que podem ser gerados pela subtração de números naturais, obtemos o conjunto dos números inteiros

Observe que todo número inteiro é também racional, pois pode ser es- crito como uma fração na qual o de- nominador é igual a 1. Se você não está familiarizado com a manipulação de frações, não se pre- ocupe, pois retornaremos ao assunto ainda nesse capítulo.

.

.

.

;

4; 3; 2; 1; 0; 1; 2; 3; 4;

.

.

.

O conjunto dos números inteiros é representado pelo símbolo Z.

Note que todo número natural é também um número inteiro, mas o contrário não é verdade. Apesar de serem suficientes para que efetuemos a subtração de números naturais, os números inteiros ainda não permitem que definamos outras operações, como a divisão. Para que mais essa operação seja feita com quaisquer números inteiros, definimos outro conjunto, composto pelos números racionais. O termo “racional” deriva da palavra “razão” que, em matemática, denota o quo- ciente entre dois números. Assim, todo número racional pode ser representado pela divisão de dois números inteiros, ou seja, por uma fração na qual o numerador e o denominador são inteiros. Alguns números racionais são dados a seguir.

1

5 =0,2

4

3

= 1,333

3

10 =0,3

3 = 0,375

8

6 =6

1

1 7 = 0,142857142857

Os exemplos acima ilustram outra característica dos números racionais: a possi-

bilidade de representá-los na forma decimal, que pode ser finita – como observamos

e 8 3 – ou periódica – como aquelas exibidas para 4 e 7 . Lembre-se,

para 5 ,

também, de que a divisão de um número por zero não está definida, de modo que não

podemos escrever 5 0 , por exemplo.

1

10 , 6

1

3

1

3

O conjunto dos números racionais é representado pelo símbolo Q.

Infelizmente, os números racionais ainda não são suficientes para representar al-

Trataremos com maior detalhe as raí-

zes como 2 e 3 na Seção 1.8.

guns números com os quais trabalhamos com frequência, como 2 ou π. Números como esses são chamados irracionais, pois não podem ser escritos como a razão de dois números inteiros. A representação decimal dos irracionais é infinita e não é perió- dica. Números irracionais populares, acompanhados de algumas de suas aproximações decimais, são apresentados abaixo.

2 1,41421356 π 3,14159265

3 1,7320508 e 2,7182818

Seção 1.1. Conjuntos de números 3

No computador

O Wolfram Alpha (disponível em www.wolframalpha.com) é um mecanismo gratuito que

nos permite encontrar respos- tas para vários problemas ma- temáticos. Usando o Alpha, podemos determinar uma aproximação para π com qualquer precisão (finita). Adotando, por exem- plo, uma aproximação com 100 algarismos, obtemos o valor

3,1415926535897932384626433

832795028841971693993751058

209749445923078164062862089

98628034825342117068.

Exemplo 1. O número π

Quando dividimos o comprimento de uma circunferência pela medida de seu diâ- metro, obtemos um número constante (ou seja, um valor que não depende da circun- ferência em questão), representado pela letra grega π (lê-se “pi”).

π = comprimento da circunferência

diâmetro da circunferência .

da circunferência diâmetro da circunferência . Figura 1.1: Uma circunferência e seu diâmetro. Exemplo 2.

Figura 1.1: Uma circunferência e seu diâmetro.

Exemplo 2. Diagonal de um quadrado de lado inteiro

Suponha que um quadrado tenha lados com 1 m de comprimento. Nesse caso, sua

tenha lados com 1 m de comprimento. Nesse caso, sua Figura 1.3: O conjunto dos núme-

Figura 1.3: O conjunto dos núme- ros reais e seus subconjuntos.

diagonal mede 2 m, um número irracional. Além disso, como veremos posterior- mente, todo quadrado com lado inteiro tem diagonal de medida irracional (a medida

da diagonal será sempre o produto do lado por 2).

da diagonal será sempre o produto do lado por √ 2 ). Figura 1.2: Um quadrado

Figura 1.2: Um quadrado cujo lado mede 1 m.

Unindo o conjunto dos números racionais ao conjunto dos números irracionais, obtemos o conjunto dos números reais.

O conjunto dos números reais é representado pelo símbolo R.

A Figura 1.3 mostra os números reais e os conjuntos que o formam (que são

chamados subconjuntos de R).

É possível realizar qualquer operação de adição, subtração e multiplicação entre