Sei sulla pagina 1di 10

EXAMES RADIOGRÁFICOS EXTRABUCAIS E INTRABUCAIS

Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1

1 Considerações Iniciais

Os exames radiográficos realizados em odontologia são divididos em exames extrabucais

e intrabucais. Esses exames podem ser realizados por dentistas ou por profissionais

técnicos em radiologia em serviços de documentação odontológica e clínicas radiológicas especializadas, que possuam os equipamentos necessários para execução deles.

Para um correto posicionamento o profissional técnico em radiologia deve centralizar e alinhar o usuário conforme a recomendação fornecida em cada uma das incidências e posicionar o centro geométrico do feixe colimado (ou ponto central) coincidindo com o centro do receptor de imagens (RI)

2 Abordagem ao Usuário

Após receber a requisição do exame, o técnico em radiologia deverá organizar a sala e todos os objetos que serão utilizados para execução do referido exame. Em seguida ele deverá chamar o usuário, pelo nome completo e certificar-se de que ele é realmente a pessoa que irá sofrer tal procedimento, pois, ainda é relativamente comum, situações de homônimos e trocas de exames. Todos os usuários devem ser tratados de forma cordial e serem informados sobre os procedimentos que serão realizados. A anamnese faz parte do processo inicial. Ela consiste em um conjunto de perguntas predefinidas que permitirão ao técnico saber o motivo do exame, se o paciente já sofreu alguma cirurgia na região de interesse, se teve alguma queda recente ou algum trauma, entre outras questões relevantes para o exame que irão gerar informações importantes para os profissionais envolvidos na execução do exame e laudo do mesmo.

A próxima etapa é orientar o usuário a retirar quaisquer objetos radiopacos que possam

formar artefatos na imagem, como por exemplo, correntes, piercings e brincos e remover

aparelhos e próteses moveis do interior da boca.

1 Tecnóloga em Radiologia e Mestre em Engenharia Biomédica, ambos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Professora e Coordenadora do Curso Técnico em Radiologia do Instituto Federal do Paraná.

Em seguida, é obrigação do profissional técnico em radiologia, oferecer ao usuário e acompanhantes todos os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários, que não interfiram na formação da imagem.

3 Exames Radiográficos em Odontologia As radiografias apresentam informações de objetos tridimensionais em um plano bidimensional, Para formar imagens de qualidade é fundamental que o técnico em radiologia instrua corretamente o usuário sobre a sua movimentação durante a exposição aos Raios X. Cada posicionamento/incidência a seguir descreve o método correto de posicionamento a ser usado para a formação da imagem odontológica.

Exames Radiográficos Odontológicos Os exames radiográficos mais realizados em um serviço de radiologia odontológica estão divididos em exames extrabucais e intabucais:

Radiografias extrabucais:

- Radiografia panorâmica;

- Radiografia das ATMs.

- Telerradiografia em lateral e frontal;

Radiografias intrabucais:

- Radiografia interproximal;

- Radiografia oclusal;

- . Radiografia periapical.

Exames radiográficos extrabucais Os exames radiográficos extrabucais usam filmes da radiologia convencional para sua execução. Caracterizam-se por serem posicionados no equipamento de Raios X, fora da boca do usuário.

Radiografia panorâmica A radiografia panorâmica é realizada em um equipamento chamado ortopantomógrafo e é um dos exames mais realizados em radiologia odontológica. Ela oferece uma visão geral de todos os dentes e das regiões anatômicas de maxilas, mandíbula e ATMs.

Condução do exame:

O usuário deve permanecer em posição ortostática, pés paralelos aos ombros, a uma

distância correta do apoio bucal. As mãos devem ficam no apoio destinado a elas para

garantir conforto e um correto posicionamento. O usuário irá cerrar os dentes no apoio de oclusão para que a mordida seja de topo entre as arcadas dentais superior e inferior. Apoiar mento e testa do usuário nos locais destinados para essa finalidade.

O equipamento conta com posicionador luminoso e espelho de posicionamento para que

a linha médio sagital permaneça centralizada com o equipamento e o posicionamento da

cabeça do usuário é auxiliado por um posicionador temporal que é utilizada para firmar a

cabeça na região dos ossos temporais. O plano de Frankfurt (LIOM) deve estar corretamente marcado com o posicionador luminoso e localizado horizontalmente,

paralelo ao chão. Para auxiliar a marcação deste ponto, o plano oclusal que deve estar levemente ascendente (Figura 1). Instruir o usuário a:

- posicionar a toda a extensão da língua em contato com o palato duro, para que ela apareça o mínimo possível na imagem; - Interromper a respiração durante a exposição aos Raios X.

a respiração durante a exposição aos Raios X. Figura 1 – Posicionamento para radiografia panorâmica

Figura 1 Posicionamento para radiografia panorâmica

Radiografia das ATMs

Os posicionamentos para realização das radiografias de ATMs estão descritos na parte de crânio e face que compõe essa obra.

Telerradiografias São exames radiográficos de crânio e face executadas no ortopantomógrafo. Podem ser obtidas imagens em lateral e em AP. São bastante utilizadas para elaboração de traçados cefalométricos.

Telerradiografia frontal

É um exame de ossos da face em AP. Usa posicionadores nos MAEs e no osso frontal

para garantir o correto posicionamento.

Condução do exame:

O usuário deve permanecer em posição ortostática com os pés paralelos aos ombros, em

AP em relação ao receptor de imagem. As mãos devem ficar ao lado do corpo. Posicionar as olivas nos meatos acústicos externos do usuário, centralizá-lo em relação à linha médio sagital e posicionar a LIOM paralela ao chão. Ajustar o posicionador no osso frontal e certificar-se de que o posicionamento está correto (Figura 2). Instruir o usuário a interromper a respiração durante a exposição aos Raios X.

a respiração durante a exposição aos Raios X. Figura 2 – Posicionamento para telerradiografia frontal

Figura 2 Posicionamento para telerradiografia frontal

Telerradiografia lateral

Um correto posicionamento para a telerradiografia lateral é conseguido quando há a superposição dos ângulos da mandíbula.

Condução do exame:

O usuário deve permanecer em posição ortostática com os pés paralelos aos ombros e em lateral em relação ao receptor de imagem. As mãos devem ficar ao lado do corpo. Posicionar as olivas nos meatos acústicos externos do usuário, centralizá-lo em relação à linha médio sagital e posicionar a LIOM paralela ao chão. Ajustar o posicionado no osso frontal e certificar-se de que o posicionamento está correto (Figura 3). Instruir o usuário a interromper a respiração durante a exposição aos Raios X.

a respiração durante a exposição aos Raios X. Figura 3 – Posicionamento para telerradiografia lateral.

Figura 3 Posicionamento para telerradiografia lateral.

Exames radiográficos intrabucais Os exames radiográficos intrabucais usam receptor de imagem da radiologia odontológica específicos para essa finalidade. Eles possuem como principais características serem de tamanho reduzido para poderem ser acondicionados dentro da boca do usuário e também por serem sensíveis aos Raios X, isto é, sem a necessidade de telas intensificadora (ècran) por isso são denominados de no screen. Diferentes dos RI extrabucais que são sensíveis à luz visível e por isso necessitam de tela intensificadora (chamados de screen).

Radiografias Interproximais (bitewing )

As radiografias interproximais são geralmente solicitadas para o estudo de cáries entre os

dentes. São realizados para dentes pré-molares e molares. É possível observar nesse exame as coroas dos dentes e as regiões proximais de dentes molares e pré-molares.

O exame completo é composto por quatro radiografias do tamanho das periapicais ou

apenas duas radiografias quando utilizados RI mais alongados, especiais para esta

técnica.

Condução do exame:

A correta condução desse exame é feita utilizando um posicionador de receptor de

imagem para radiografias interproximais, não sendo necessário nenhum posicionamento especifico do usuário, mas somente posicionar o receptor de imagem na região de

interesse e ajustar o distanciador do equipamento de Raios X perpendicularmente e a 1

cm de distância da pele do usuário, centralizado em relação ao receptor de imagem.

Estes posicionadores são compostos por um bloco de mordida, uma haste e um anel, de forma que, o primeiro deve ser inserido na boca do paciente e o anel acoplado ao

aparelho de Raios X de tubo longo. O uso correto destes posicionadores faz com que o dente fique praticamente paralelo ao receptor de imagem e aos feixes de Raios X

O

receptor de imagem deve ser inserido ao posicionador e colocado ao lado dos dentes

do

usuário, por dentro da arcada dentária. Os feixes de Raios X devem incidir paralelo

aos dentes. São comumente executadas duas radiografias de cada lado, uma dos dentes pré-molares e outra dos molares. Os feixes de Raios X devem incidir perpendiculares ao receptor de imagem e o

distanciador deve ser posicionado centralizado em relação ao receptor de imagem a 1 cm

de distância da pele do usuário (Figura 4).

Figura 4 – Posicionamento para radiografia intrabucal de molares. Radiografias oclusais A radiografia oclusal tem

Figura 4 Posicionamento para radiografia intrabucal de molares.

Radiografias oclusais

A radiografia oclusal tem como finalidade à localização de dentes supranumerários e

inclusos, avaliação de lesões nas maxilas ou mandíbula, utilização para cálculos de implante, entre outros. Pode ser tomada de forma total ou parcial, na segunda só expondo a região de interesse.

Condução do exame:

O usuário deve estar sentado confortavelmente em uma cadeira. O receptor de imagem

deve ser posicionado transversalmente na boca do usuário tendo a região mais rugosa da embalagem voltada para a região a ser radiografada. Posicionar a saliência arredondada para o lado de fora da boca do paciente. Os feixes de Raios X devem incidir perpendiculares ao receptor de imagem e o distanciador deve ser posicionado centralizado em relação ao receptor de imagem a 1 cm de distância da pele do usuário (Figura 5).

Figura 5 – Posicionamento para radiografia oclusal Radiografias periapicais São radiografias intrabucais de regiões

Figura 5 Posicionamento para radiografia oclusal

Radiografias periapicais São radiografias intrabucais de regiões específicas da arcada dentária. Podem ser pedidas individualmente, como complementação de outros exames, ou em um conjunto de 14 exames, abrangendo assim todos os dentes, chamado de levantamento periapiacal. Essas radiografias têm uma vantagem, pois, o RI é posicionado muito próximo ao dente tornando seu tamanho quase real, diferenciando-se assim da panorâmica que não apresenta o tamanho real da estrutura. Sua finalidade é geralmente para tratamentos periodontais como tratamentos pré e pós- cirúrgicos, acompanhamento de dentes inclusos, extrações dentárias, verificação de cistos, visibilização de dentes supranumerários e análise de patologias em geral. Essa técnica permite a visibilização de toda a estrutura dentária e suas adjacências.

A radiografia periapical abrange duas técnicas diferentes, a técnica da bissetriz, mais

utilizada em consultórios odontologicos e a técnica do paralelismo utilizada

freqüentemente em clínicas de radiologia odontológica por sua praticidade.

Condução do exame:

O usuário deve sentar em uma cadeira de dentista para a execução do exame e sua

cabeça deve estar na posição apropriada para o tipo de incidência a ser feita. A radiografia de dentes da região da maxila deve levar em consideração o plano acântio- meatal, que deve estar paralela ao solo. Já radiografias da região da mandíbula levam

como base à linha lábio-meatal que deve estar paralela ao solo. Essas angulações realizadas com a cabeça facilitam na hora da realização das duas técnicas

Técnica da bissetriz A técnica da bissetriz tem como base à lei isométrica de Cieszinski: “A imagem projetada tem o mesmo comprimento e as mesmas proporções do objeto, desde que o ponto central seja perpendicular à bissetriz do ângulo formado entre o RI e objeto.” Para obter uma radiografia dentária correta deve-se conhecer e obedecer algumas linhas básicas formadas por esta regra: o plano médio do dente, a linha do filme e a bissetriz formada entre eles.

Técnica do paralelismo A correta condução desse exame é feita utilizando um posicionador de receptor de imagem para radiografias periapicais, não sendo necessário nenhum posicionamento especifico do usuário, mas somente posicionar o receptor de imagem na região de interesse e ajustar o distanciador do equipamento de Raios X perpendicularmente e a 1 cm de distância da pele do usuário, centralizado em relação ao receptor de imagem. O receptor de imagem deve ser inserido ao posicionador e colocado atrás dos dentes do usuário, por dentro da arcada dentária, com o auxilio do bloco de mordida do posicionador. Os feixes de Raios X devem incidir paralelo aos dentes (Figura 6).

de Raios X devem incidir paralelo aos dentes (Figura 6). Figura 6 – Posicionamento para radiografia

Figura 6 Posicionamento para radiografia periapical paralelismo

REFERÊNCIAS

ALVARES, L.C. & TAVANO O. Curso de Radiologia em Odontologia. São Paulo, Editora Santos, 1999.

FREITAS, A. - Radiologia Odontológica, São Paulo, Artes Médicas, 1998.

WHAITES, E.- Princípios de Radiologia Odontológica-3 a . ed, Artmed-2003.