Sei sulla pagina 1di 220

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Materiais de Construção II Engenharia Civil Universidade do Estado de Minas

Materiais de Construção II

Engenharia Civil

CONSTRUÇÃO Materiais de Construção II Engenharia Civil Universidade do Estado de Minas Gerais Universidade do

Universidade do Estado de Minas Gerais

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Introdução

Materiais metálicos: são combinações de elementos metálicos

São bons condutores de calor e eletricidade

Não são transparentes à luz visível (superfície de aparência lustrosa)

São fortes, podem ser deformáveis ou não:

diversas aplicações

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Introdução

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Introdução Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Introdução Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Introdução Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Introdução

São exemplos de alta resistência que podem ser encontrados livremente na natureza na forma de jazidas ou na apresentação de minério.

Sobre minérios: espécies de compostos químicos que em sua constituição apresentam íons metálicos estruturais (Mirtura de metal, compostos de metal e impurezas). Ex: Minério de ferro. (Fe 3 O 4 , Fe 2 O 3 )

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Processo de obtenção

Obtenção de metal:

mineração (extração do minério)

metalurgia (metal puro – composto portador).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Processo de obtenção

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Processo de obtenção Fonte: BAUER, 1994, p. 585 Universidade do Estado

Fonte: BAUER, 1994, p. 585

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Processo de obtenção - Metalurgia

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Processo de obtenção - Metalurgia Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela
MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Processo de obtenção - Metalurgia Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Principais minérios

Principais minérios e ocorrência dos metais não siderurgicos

Alumínio: difícil soldagem, excelente condutbilidade térmica e elétrica • Chumbo: maleável, macio, mas pouco dúctil • Cobre: muito duro e maleável, embora dúctil e tenaz • Estanho: estável – usado para formar ligas ou proteção • Zinco: baixa resistência elétrica

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

1. METAIS FERROSOS

Principais minérios - siderúrgico

Ferro

Não é encontrado puro na natureza. Encontra-se geralmente combinado com outros elementos formando rochas as quais dá-se o nome de MINÉRIO.

Retirado do subsolo, porém muitas vezes é encontrado exposto formando verdadeiras montanhas.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Principais minérios - siderúrgico

Principais minérios: Hematita e Magnetita.

Para retirar as impurezas, o minério é lavado, partido em pedaços menores e em seguida levados para a usina siderúrgica.

A obtenção do ferro a partir de seus minérios ocorre nos alto-fornos, em presença de carbono (carvão).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Ligas metálicas

Ligas :

“mistura, de aspecto metálico e homogêneo, de um ou mais metais entre si ou com outros elementos. Deve ter constituição cristalina e comportamento como metal” (BAUER, 1994, p. 589).

Processos de obtenção: fusão, pressão, aglutinação, eletrólise e metalurgia associada.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Ligas metálicas

Ligas: misturas sólidas de metais – suprir necessidades específicas • Propriedades das ligas: afetadas pela composição e pela estrutura • Algumas ligas não ferrosas: composições homogêneas de uma única fase: latão (Cu- Zn), bronze (Cu-Sn, Al, Si, Ni), alumínio (Mg, Ti- transportes), (Li-aeronáutica, aeroespacial)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Ligas Metálicas METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Ferrosas Não Ferrosas Aços Alumínio Ferros Fundidos Cobre
Ligas Metálicas
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
Ferrosas
Não Ferrosas
Aços
Alumínio
Ferros Fundidos
Cobre
Ferro Cinzento
Baixo Teor
Médio Teor
Alto Teor
Aço
de Carbono
de Carbono
de Carbono
Inoxidável
Níquel
Ferro DúcIl
(nodular)
Chumbo
Ferramentas
Rodas e
de corte,
Ferro Branco
trilhos de
molas,
trem,
arames de
engrenagens
alta
Ferro Maleável
resistência
Perfis
estruturais I e
H, pontes,
tubulações,
cantoneiras e
chapas em
edificações
Utensílios
domésIcos,
equipamentos
industriais e
em edificações

Universidade do Estado de Minas Gerais

Fonte: Adaptado de Pannomi (2007)

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante para a escolha do material para uma determinada aplicação, bem como para o projeto e fabricação do componente.

As propriedades mecânicas definem o comportamento do material quando sujeitos à esforços mecânicos , pois estas estão relacionadas à capacidade do material de resisIr ou transmiIr estes esforços aplicados sem romper e sem se deformar de forma incontrolável.

Universidade do Estado de Minas Gerais

14

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Principais propriedades mecânicas:

Resistência à tração ElasIcidade DucIlidade Fluência Fadiga Dureza

Tenacidade,

Cada uma dessas propriedades está associada à habilidade do material de resis4r às forças mecânicas e/ou de transmi4-las

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Como determinar as propriedades mecânicas?

A determinação das propriedades mecânicas é feita através de ensaios mecânicos. UIliza-se normalmente corpos de prova (amostra representaIva do material) para o ensaio mecânico, já que por razões técnicas e econômicas não é praIcável realizar o ensaio na própria peça, que seria o ideal. Geralmente, usa-se normas técnicas para o procedimento das medidas e confecção do corpo de prova para garanIr que os resultados sejam comparáveis.

Universidade do Estado de Minas Gerais

16

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

PropriedadesPropriedades mecânicasmecânicas dosdos metaismetais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

É medida submetendo-se o material à uma carga ou força de tração, paulaInamente crescente, que promove uma deformação progressiva de aumento de comprimento NBR-6152 para metais

progressiva de aumento de comprimento NBR-6152 para metais Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

RESITÊNCIA À TRAÇÃO - Tensão ( σ ) X Deformação ( ε)

σ = F/Ao

σ = F/A o Kgf/cm 2 ou Kgf/mm 2 ou N/ mm 2 Área inicial da

Kgf/cm 2 ou Kgf/mm 2 ou N/ mm 2

σ = F/A o Kgf/cm 2 ou Kgf/mm 2 ou N/ mm 2 Área inicial da
σ = F/A o Kgf/cm 2 ou Kgf/mm 2 ou N/ mm 2 Área inicial da

Área inicial da seção reta transversal

Força ou carga

Como efeito da aplicação de uma tensão tem-se a deformação ( variação dimensional).

A deformação pode ser expressa:

O número de milímetros de deformação por milímetros de comprimento

O comprimento deformado como uma percentagem do comprimento original

deformado como uma percentagem do comprimento original Deformação( ε)= l f -l o /l o =
Deformação( ε)= l f -l o /l o = Δl/l o
Deformação( ε)= l f -l o /l o = Δl/l o

lo = comprimento inicial lf = comprimento final

Universidade do Estado de Minas Gerais

18

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Comportamento dos metais quando submeIdos à tração

Resistência à tração

Dentro de certos limites, a deformação é proporcional

à tensão (a lei de Hooke é obedecida)

Lei de Hooke: σ = E ε
Lei de Hooke: σ = E ε
Dentro de certos limites, a deformação é proporcional à tensão (a lei de Hooke é obedecida)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

A deformação pode ser :

DEFORMAÇÃO ELÁSTICA

DEFORMAÇÃO PLÁSTICA

É provocada por tensões que ultrapassam o limite de elasIcidade É irreversível porque é resultado do deslocamento permanente dos átomos e portanto não desaparece quando a tensão é removida

Prescede à deformação plásIca É reversível Desaparece quando a tensão é removida É praIcamente proporcional à tensão

aplicada ( obedece a lei de Hooke)

ElásUca

tensão aplicada ( obedece a lei de Hooke) ElásUca PlásUca Universidade do Estado de Minas Gerais
PlásUca
PlásUca

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Módulo de elasIcidade ou Módulo de Young
Módulo de elasIcidade ou Módulo de Young
E= σ / ε = Kgf /mm 2
E= σ / ε = Kgf /mm 2
de elasIcidade ou Módulo de Young E= σ / ε = Kgf /mm 2 •  

É o quociente entre a tensão aplicada e a deformação elásIca resultante.

Está relacionado com a rigidez do material ou à resist. à deformação elásIca

P Tg α= E α
P
Tg α= E
α

A lei de Hooke só é válida até este ponto

Lei de Hooke: σ = E ε
Lei de Hooke: σ = E ε

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Módulo de ElasIcidade para alguns metais

 

MÓDULO DE ELASTICIDADE

[E]

GPa

10 6 Psi

Magnésio

45

6.5

AlumÍnio

69

10

Latão

97

14

Titânio

107

15.5

Cobre

110

16

Níquel

207

30

Aço

207

30

Tungstênio

407

59

Quanto maior o módulo de elasIcidade mais rígido é o material ou menor é a
Quanto maior o
módulo de elasIcidade
mais rígido é o material
ou menor é a sua
deformação elásIca
quando aplicada uma
dada tensão

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Comportamento não -linear

Alguns metais , como ferro fundido cinzento, apresentam um comportamento não linear na parte elásUca da curva tensão x deformação

na parte elásUca da curva tensão x deformação Universidade do Estado de Minas Gerais 23 Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

23

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

COEFICIENTE DE POISSON

z
z
Propriedades mecânicas dos metais COEFICIENTE DE POISSON z x •   Qualquer elongação ou compressão de

x

Qualquer elongação ou compressão de uma estrutura cristalina em uma direção, causada por uma força uniaxial, produz um ajustamento nas dimensões perpendiculares à direção da força

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

coeficiente de poisson para tensões de cisalhamento

•   Tensões de cisalhamento produzem deslocamento de um plano de átomos em relação ao
•   Tensões de
cisalhamento
produzem
deslocamento de
um plano de
átomos em relação
ao plano adjacente
•  A deformação
elásIca de
cisalhamento é dada
( γ ):
γ = tgα

Módulo de Cisalhamento ou de rigidez

( γ ): γ = tgα Módulo de Cisalhamento ou de rigidez Universidade do Estado de
( γ ): γ = tgα Módulo de Cisalhamento ou de rigidez Universidade do Estado de
( γ ): γ = tgα Módulo de Cisalhamento ou de rigidez Universidade do Estado de

Universidade do Estado de Minas Gerais

25

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA Consiste na separação do material em 2 ou mais partes

FRATURA

Consiste na separação do material em 2 ou mais partes devido à aplicação de uma carga estática à temperaturas relativamente baixas em relação ao ponto de fusão do material

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA •   Dúctil redução na área a deformação plástica continua

FRATURA

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA •   Dúctil redução na área a deformação plástica continua

Dúctil redução na área

a deformação plástica continua até uma

na área a deformação plástica continua até uma •   Frágil não ocorre deformação plástica,

Frágil não ocorre deformação plástica, requerendo menos energia que a fratura dúctil que consome energia para o movimento de discordâncias e imperfeições no material

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA Fraturas dúcteis Fratura frágil Universidade do Estado de Minas Gerais

FRATURA

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA Fraturas dúcteis Fratura frágil Universidade do Estado de Minas Gerais
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA Fraturas dúcteis Fratura frágil Universidade do Estado de Minas Gerais
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FRATURA Fraturas dúcteis Fratura frágil Universidade do Estado de Minas Gerais

Fraturas dúcteis

Fratura frágil

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Mecanismo da fratura dúctil a- formação do pescoço b- formação de

Mecanismo da fratura dúctil

COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Mecanismo da fratura dúctil a- formação do pescoço b- formação de cavidades

a- formação do pescoço b- formação de cavidades c- coalescimento das cavidades para promover uma trinca ou fissura d- formação e propagação da trinca em um ângulo de 45 graus em relação à tensão aplicada e- rompimento do material por propagação da trinca

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

O FENÔMENO DE ESCOAMENTO

Esse fenômeno é niIdamente observado em alguns metais de natureza dúcIl, como aços baixo teor de carbono. Caracteriza-se por um grande alongamento sem acréscimo de carga.

Universidade do Estado de Minas Gerais

30

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

informações obIdas das curvas tensãoxdeformação

Não ocorre escoamento propriamente dito

Não ocorre escoamento propriamente dito Tensão de escoamento σ y= tensão de escoamento
Tensão de escoamento
Tensão de escoamento

σ y= tensão de escoamento (corresponde a tensão máxima relacionada com o fenômeno de escoamento)

De acordo com a curva “a”, onde não observa-se niIdamente o fenômeno de escoamento

Alguns aços e outros materiais exibem o comportamento da curva “ b ”, ou seja, o limite de escoamento é bem definido (o material escoa- deforma-se plasIcamente-sem praIcamente aumento da tensão). Neste caso, geralmente a tensão de escoamento corresponde à tensão máxima verificada durante a fase de escoamento

Escoamento

Universidade do Estado de Minas Gerais

31

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Escoamento

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Escoamento Não ocorre escoamento propriamente dito Universidade do Estado de Minas
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Escoamento Não ocorre escoamento propriamente dito Universidade do Estado de Minas

Não ocorre escoamento propriamente dito

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Limite de Escoamento

quando não observa-se niIdamente o fenômeno de escoamento, a tensão de escoamento corresponde à tensão necessária para promover uma deformação permanente de 0,2% para aços ou entre 0,1 a 0,5% para outros metais (obIdo pelo método gráfico indicado na fig. Ao lado)

Fonte figura: Prof. Sidnei Paciornik do Departamento de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio

de Ciência dos Materiais e Metalurgia da PUC-Rio Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Propriedades mecânicas dos metais Universidade do Estado de Minas Gerais 34 Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

34

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

informações obIdas das curvas tensãoxdeformação

Resistência à Tração ( Kgf /mm 2 )
Resistência à Tração ( Kgf /mm 2 )

Corresponde à tensão máxima aplicada ao material antes da ruptura

É calculada dividindo-se a carga máxima suportada pelo material pela área de seção reta inicial

pelo material pela área de seção reta inicial Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

informações obIdas das curvas tensãoxdeformação Tensão de Ruptura (Kgf/mm 2 )

tensãoxdeformação Tensão de Ruptura (Kgf/mm 2 ) •   Corresponde à tensão que promove a ruptura

Corresponde à tensão que promove a ruptura do material O limite de ruptura é geralmente inferior ao limite de resistência em virtude de que a área da seção reta para um material dúcIl reduz-se antes da ruptura

reta para um material dúcIl reduz-se antes da ruptura Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Outras informações que podem ser obIdas das curvas tensãoxdeformação

Propriedades mecânicas dos metais

DucIlidade em termos de alongamento
DucIlidade em termos de alongamento

nCorresponde ao alongamento total do material devido à deformação plásIca

%alongamento =

(l f -l o /l o )x100

onde l o e l f correspondem ao comprimento inicial e final ( após a ruptura ), respecIvamente

ducUlidade
ducUlidade

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

DucIlidade expressa como alongamento

nComo a deformação final é localizada, o valor da elongação só tem significado se indicado o comprimento de medida nEx: Alongamento: 30% em 50mm

comprimento de medida n   Ex: Alongamento: 30% em 50mm Universidade do Estado de Minas Gerais

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

DucIlidade expressa como estricção

nCorresponde à redução na área da seção reta do corpo, imediatamente antes da ruptura nOs materiais dúcteis sofrem grande redução na área da seção reta antes da ruptura

Estricção = área inicial-área final

área inicial

Universidade do Estado de Minas Gerais

39

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

informações obIdas das curvas tensãoxdeformação Resiliência

obIdas das curvas tensãoxdeformação Resiliência •   Corresponde à capacidade do material de

Corresponde à capacidade do material de absorver energia quando este é deformado elasIcamente A propriedade associada é dada pelo módulo de resiliência (U r )

U r = σ esc 2 /2E

Materiais resilientes são aqueles que têm alto limite de elasIcidade e baixo módulo de elasIcidade ( como os materiais uIlizados para molas )

σ esc
σ esc

Universidade do Estado de Minas Gerais

40

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

informações obIdas das curvas tensãoxdeformação

Tenacidade
Tenacidade

nCorresponde à capacidade do material de absorver energia até sua ruptura

tenacidade
tenacidade

Universidade do Estado de Minas Gerais

41

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

Algumas propriedades mecânicas para alguns metais

metais Algumas propriedades mecânicas para alguns metais Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

variação da propriedades mecânicas com a temperatura

variação da propriedades mecânicas com a temperatura Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves
variação da propriedades mecânicas com a temperatura Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades mecânicas dos metais

TENSÃO E DEFORMAÇÃO REAIS OU VERDADEIRAS

A curva de tensão x deformação

c o n v e n c i o n a l , e s t u d a d a anteriormente, não apresenta um a i n f o rm a ç ã o r e a l d a s

c a r a c t e r í s I c a s t e n s ã o e deformação porque se baseia somente nas caracterísIcas dimensionais originais do corpo de prova ou amostra e que na verdade são conInuamente alteradas durante o ensaio.

que na verdade são conInuamente alteradas durante o ensaio. Universidade do Estado de Minas Gerais 44

Universidade do Estado de Minas Gerais

44

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO FLUÊNCIA (CREEP) Quando um metal é solicitado por uma carga, imediatamente

FLUÊNCIA (CREEP)

Quando um metal é solicitado por uma carga, imediatamente sofre uma deformação elástica. Com a aplicação de uma carga constante, a deformação plástica progride lentamente com o tempo (fluência) até haver um estrangulamento e ruptura do material

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades

Propriedades importantes para a construção

Aparência • Densidade • Resistência à tração • Dureza • Dilatação e Condutibilidade térmica • Condutibilidade elétrica • Duração • Resistência ao choque • Fadiga oxidação

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades

Aparência: apresentam brilho característico, que pode ser aumentado por polimento ou tratamentos químicos

Densidade: varia 2,56 e 11,45. Variação em função das ligas

Dilatação: 0,10 – 0,03 mm/m/ºC

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades

Condutibilidade térmica: 1,006 – 0,080 calorias gramas/s/cm 2 /cm/ºC

Condutibilidade elétrica : bons condutores de eletricidade

Dureza

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades

Resistência ao choque: resistência que o metal opõe à ruptura sob a ação de uma carga considerada instantânea

Fadiga: ocorre quando o metal é solicitado repetidas vezes por cargas menores ou em sentidos variáveis. Nessas situações o material rompe com tensões muito inferiores à correspondente à resistência à tração (determinada para cargas estáticas)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades

Duração: depende, primordialmente, de sua resistência e proteção contra corrosão. Depnde também de outros fatores:

resistência à fadiga, esforços que recebe, ação do fogo, variações de temperatura a que é submetido, etc.

Corrosão (ou oxidação) – Corrosão química – Corrosão eletroquímica

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Formas de Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Formas de Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Formas de Corrosão

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Formas de Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Formas de Corrosão Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Proteção contra a Corrosão

a. Ecolha do metal ou liga adequada ao meio

em que vai atuar: formação imediata de

camada protetora firme e inibidora de

corresão.

b. Meio não corrosivo em que o metal vai atuar

c. Recobrimento do metal por um óxido ou sal

insolúvel e resistente, que impeça a troca

eletrolítica

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Proteção contra a Corrosão

d. Capeamento metálico

e. Proteção catódica: consiste em transformar

a estrutura que se quer proteger em cátodo, adicionando um ânodo conveniente.

f. Adoção de cuidados especiais na construção

g. Pintura superficial

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – conceitos importantes

Minério de ferro: presente em aproximadamente 5% da crosta terrestre. O ferro não é encontrado em estado puro na natureza mas em combinações químicas de metais contidos nas rochas. Essas combinações químicas ocorrem misturadas com as gangas, compostas de silício, alumínio, cal e magnésio.

Principais Constituintes: magnetita (Fe 3 O 4 ) com cerca de 60% de ferro; hematita vermelha (Fe 2 O 3 ) com cerca de 65% de ferro; ferro oolítico; siderita ou ferro espático (FeCO 3 ) com alto teor de manganês; FeS 2 .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – conceitos importantes

Basicamente uma liga ferro-carbono com teor de carbono inferior a 1,8% em massa e susceptível de adquirir, por meio de tratamento mecânico e térmico, variadas propriedades, podendo conter em sua composição outros elementos como níquel, manganês, tungstênio, vanádio, cromo, silício, etc.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Histórico

Um dos primitivos métodos de obtenção do aço foi o a forja catalã, onde o minério de ferro era reduzido pelo carvão em uma instalação de pedra onde incidia um sopro de ar – obtenção de uma mistura pastosa com metal e impurezas.

A partir do século XV surgiram os primeiros altos- fornos, onde através do aumento da quantidade de

ar soprado foi possível o aumento da temperatura e

a conseqüente obtenção da mistura em estado

líquido.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço Forja Catalã Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Forja Catalã

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço Forja Catalã Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço Forja Catalã Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

A obtenção do ferro a partir de seus minérios ocorre nos alto-fornos, em presença de carbono (carvão).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Processo de obtenção do aço, desde a chegada do minério de ferro até o produto final a ser utilizado no mercado. Aço: liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (0,002% até 2,00%), com propriedades específicas, sobretudo de resistência e ductilidade. Obtenção do aço: chapas, perfis e bobinas Minério de ferro + carvão mineral; Transformação metalúrgica e conformação mecânica.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Fabricação:

Aproveitamento do ferro contido no minério de ferro (eliminação das impurezas); Na forma líquida: adição de elementos visando atingir as propriedades desejadas; Solidificação e forma requerida.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Ferro

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Ferro Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Ferro Primário
Ferro Primário
CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Ferro Primário 5mm<Pelotas<18mm 5mm<Sinter<50mm 6mm<
CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Ferro Primário 5mm<Pelotas<18mm 5mm<Sinter<50mm 6mm<
5mm<Pelotas<18mm
5mm<Pelotas<18mm
5mm<Sinter<50mm 6mm< Minério <40mm granulado
5mm<Sinter<50mm
6mm< Minério <40mm
granulado

Em detalhe

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Processo consiste de 4 etapas principais:

Preparo das matérias primas (Coqueria e sinterização); Produção de gusa (Alto-forno); Produção de aço (Aciaria); Conformação mecânica (Laminação).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

coqueria
coqueria

Matéria

prima

Aço – Processo siderúrgico coqueria Matéria prima lingotamento Alto-forno Aciaria sinterização Universidade

lingotamento

Processo siderúrgico coqueria Matéria prima lingotamento Alto-forno Aciaria sinterização Universidade do Estado de

Alto-forno

siderúrgico coqueria Matéria prima lingotamento Alto-forno Aciaria sinterização Universidade do Estado de Minas

Aciaria

coqueria Matéria prima lingotamento Alto-forno Aciaria sinterização Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

sinterização

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Definições:

Aço: liga metálica constituída basicamente de ferro e carbono obtida pelo refino de ferro-gusa (refino do ferro-gusa: diminuição dos teores de carbono, silício e enxofre); Ferro-gusa: produto da primeira fusão do minério de ferro contendo de 3,5 a 4,0% de carbono; Ferro fundido: produto da segunda fusão do gusa, em que são feitas adições de outros materiais até atingir um teor de carbono entre 2,5 e 3,0%, conferindo propriedades diferentes da do aço.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Na construção civil:

Teor de carbono entre 0,18 e 0,25%; Presença de elementos residuais (enxofre, silício, fósforo, etc.); Elementos de liga (cromo, manganês, níquel, etc.) adicionados para se atingir certas propriedades Propriedades do aço dependem de:

Composição química; Tratamento térmico, deformação mecânica e velocidade de solidificação (características microestruturais).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Produção do aço:

Matérias-primas:

Minério de ferro + carvão mineral

•   Minério de ferro + carvão mineral Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela
•   Minério de ferro + carvão mineral Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Coqueria e sinterização:

a) Coqueria:

Carvão mineral deve fornecer energia térmica e química para o desenvolvimento do processo de redução (produção de gusa);

do processo de redução (produção de gusa); Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves
do processo de redução (produção de gusa); Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Coqueria e sinterização:

a) Coqueria:

Coqueificação:

» Eliminação de impurezas; » Destilação do carvão em ausência de ar; » T=1300º por 18 horas; » Resulta o coque metalúrgico, composto basicamente de carbono, com elevada resistência mecânica e alto ponto de fusão, o qual é encaminhado ao alto-forno.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Coqueria •   Detalhes do processo Típica Bateria de

Coqueria Detalhes do processo

siderúrgico Coqueria •   Detalhes do processo Típica Bateria de coqueificação Coque incandescente
siderúrgico Coqueria •   Detalhes do processo Típica Bateria de coqueificação Coque incandescente
siderúrgico Coqueria •   Detalhes do processo Típica Bateria de coqueificação Coque incandescente
Típica Bateria de coqueificação
Típica Bateria de coqueificação
Detalhes do processo Típica Bateria de coqueificação Coque incandescente pronto para ser descarregado
Detalhes do processo Típica Bateria de coqueificação Coque incandescente pronto para ser descarregado

Coque incandescente pronto para ser descarregado

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

Coque: desempenha uma dupla função na elaboração da gusa: a de combustível e a de redutor.

Origem: provém da destilação do carvão, que deve ser o mais puro possível para evitar resíduos como enxofre e fósforo. Como redutor absorve o oxigênio combinado com outros elementos. Carvão livre de S minimiza as emissões de gases que na atmosfera podem se combinar formando a chuva ácida.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

b) Sinterização:

Preparação do minério de ferro para a produção do gusa; Correta granulometria para proporcionar permeabilidade do ar para a combustão no alto-forno; Finos de minério: adiciona-se fundentes (calcário, sílica) e o novo composto é britado na granulometria desejada.

e o novo composto é britado na granulometria desejada. Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

c) Alto-forno:

Cuba com 50 a 100 m de altura; Minério de ferro em gusa: coque metalúrgico e fundentes; Princípio básico: retirada do oxigênio do minério que se reduz a ferro; Redução: combinação do carbono presente no coque com o oxigênio do minério; Combustão do carvão com o oxigênio do ar fornece calor para fundir o metal .

com o oxigênio do ar fornece calor para fundir o metal . Universidade do Estado de

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

c) Alto-forno:

Minério de ferro (sínter) + coque + fundentes; Ar quente entra pela parte inferior (ventaneiras); Coque + ar quente = combustão; Resultado: ferro gusa e escória (fabricação de cimento).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Ferro
Ferro
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Ferro Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

c) Alto-forno:

Carro torpedo:

» Revestido internamente com material refratário; » Dessulfuração: redução do teor de enxofre a níveis aceitáveis; » Análise química: composição da liga (carbono, silício, enxofre e manganês); » Próxima etapa: aciaria.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

c) Alto-forno:

Carro torpedo:

siderúrgico c) Alto-forno: –   Carro torpedo: Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves
siderúrgico c) Alto-forno: –   Carro torpedo: Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

d) Aciaria:

Refino (ferro gusa em aço): ajuste do teor dos elementos; Conversor: injeção de oxigênio puro (processo Linz-Donawitz LD); Pode-se adicionar sucata de aço para auxiliar no controle da composição da liga metálica; Eliminação dos produtos indesejáveis pela escória; Uma vez obtida a composição desejada o material é transferido para o lingotamento contínuo.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico * Metalurgia de panela Universidade do Estado de Minas

* Metalurgia de panela

Aço – Processo siderúrgico * Metalurgia de panela Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

e) Lingotamento contínuo:

Aço transferido do conversor ou panela para o distribuídor e depois para o molde; Solidificação do aço; Corte em maçarico e transformado em esboço de placa.

  Corte em maçarico e transformado em esboço de placa. Universidade do Estado de Minas Gerais
  Corte em maçarico e transformado em esboço de placa. Universidade do Estado de Minas Gerais

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

f) Laminação a quente:

Redução da área da seção transversal até conformá-lo na apresentação desejada (chapas grossas ou finas, perfis, etc.);

Pré-aquecimento e posterior deformação sob pressão em cilindros (laminadores);

Chapa: placa que sofreu redução de espessura por laminação;

Em função da espessura podem ser acondicionadas em bobinas.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves
MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Aço – Processo siderúrgico Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

f) Laminação a quente:

Laminador de chapas grossas:

» Espessuras: 6 a 200 mm; » Largura: 1000 a 3800 mm; » Comprimento: 5000 a 18000 mm.

1000 a 3800 mm; »   Comprimento: 5000 a 18000 mm. Universidade do Estado de Minas
1000 a 3800 mm; »   Comprimento: 5000 a 18000 mm. Universidade do Estado de Minas

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

f) Laminação a quente:

Laminador de tiras a quente:

» Espessuras: 1,2 a 12,5 mm; » Largura: 800 a 1800 mm;

Espessuras: 1,2 a 12,5 mm; »   Largura: 800 a 1800 mm; Universidade do Estado de
Espessuras: 1,2 a 12,5 mm; »   Largura: 800 a 1800 mm; Universidade do Estado de

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Aço – Processo siderúrgico

g) Laminação a frio:

Laminador de tiras a frio:

» Espessuras: 0,3 a 3,0 mm; » Largura: 800 a 1600 mm; » Característica principal: melhor acabamento.

mm; »   Característica principal: melhor acabamento. Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves
mm; »   Característica principal: melhor acabamento. Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço

Diagrama tensão-deformação

Propriedades do Aço •   Diagrama tensão-deformação Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço

Diagrama tensão-deformação

Propriedades do Aço •   Diagrama tensão-deformação Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço

Elasticidade:

Capacidade de voltar à forma original; Deformação elástica é reversível; Relação entre deformação e tensão: Módulo de Elasticidade (E); Eaço=210.000 MPa; Eferro=190.000 MPa.

Plasticidade:

Deformação permanente provocada por tensão igual ou superior ao limite de escoamento; Alteração interna da estrutura.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço

Ductilidade:

Deformar plasticamente sem se romper; Quanto mais dúctil maior redução da área (estricção) ou o alongamento antes da ruptura.

Tenacidade:

Absorver energia quando submetido a carga de impacto; Material dúctil é mais tenaz que um material frágil, requerendo com isso, mais energia para ser rompido.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

Alterar as propriedades mecânicas Aumentar a usinabilidade Aumentar a temperabilidade Conferir dureza a quente Aumentar a capacidade de corte Conferir resistência à corrosão

Conferir resistência ao desgaste Conferir resistência a oxidação Modificar as características elétricas e magnéticas.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

Níquel (Ni):

Aumenta a resistência a abrasão e à corrosão; Diminui a soldabilidade. de 0,5% a 5% melhora a temperabilidade e aumenta a resistência mecânica. Com 50% aumenta a resistência à corrosão. Cromo (Cr):

Aumenta a resistência a abrasão e à corrosão; Diminui a soldabilidade; Melhora o desempenho a temperaturas elevadas. de 1% a 6% aumenta a temperabilidade e resistência mecânica. De 10% a 20% torna-o inoxidável. Com 25% torna o aço refratário. Tungstênio:

até 18% favorece a resistência Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

Carbono (C):

Melhora a resistência mecânica; Prejudica a ductilidade (dobramento) e tenacidade; A cada 0,01% de aumento do teor de carbono o limite de escoamento aumenta em ~ 0,35MPa. Manganês (Mn):

Melhora a resistência mecânica; Prejudica a soldabilidade (menos que o C); a 13% aumenta a resistência ao impacto e ao desgaste. Silício (Si):

Aumenta a resistência mecânica e à corrosão; Diminui a soldabilidade; até 2% aumenta a elasticidade e diminui as perdas magnética

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

Fósforo (P):

Melhora a resistência mecânica e à corrosão; Prejudica a ductilidade (dobramento) e soldabilidade; Pode tornar o aço quebradiço.

Cobre (Cu):

Aumenta a resistência à corrosão. Melhora o desempenho a temperaturas elevadas.

Nióbio (Nb):

Consegue-se boa resistência mecânica com boa soldabilidade.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

Titânio (Ti):

Aumenta resistência mecânica e à abrasão; Bom desempenho sob temperatura elevada.

Enxofre (S):

Muito prejudicial; Desfavorece a ductilidade e diminui a soldabilidade; Teor limitado a 0,05%.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Efeito dos elementos de liga nos Aços

DE CONSTRUÇÃO Efeito dos elementos de liga nos Aços Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Produtos

Chapas finas a frio:

Larguras padrão: 1000 mm, 1200 mm e 1500 mm Comprimentos padrão: 2000 mm e 3000 mm (também sob a forma de bobinas)

Espessuras padrão

Peso

(mm)

(kg/m 2 )

0,30

2,36

0,38

2,98

0,45

3,53

0,60

4,71

0,75

5,89

0,85

6,67

0,90

7,06

1,06

8,32

1,20

9,42

1,50

11,78

1,70

13,35

1,90

14,92

2,25

17,66

2,65

20,80

São uIlizadas nas construções como complementos (esquadrias, dobradiças,

portas, batentes, calhas e rufos)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Produtos

Chapas finas a quente

Larguras padrão: 1000 mm, 1100 mm, 1200 mm, 1500 mm, 1800 mm Comprimentos: 2000 mm, 3000 mm, 6000 mm e em bobinas

Espessuras padrão

Peso

(mm)

(kg/m 2 )

1,20 (18)

9,4

1,50 (16)

11,8

2,00 (14)

15,7

2,25 (13)

17,7

2,65 (12)

20,8

3,00 (11)

23,6

3,35 (10)

26,3

3,75 (9)

29,4

4,25 (8)

33,4

4,50

35,3

4,75 (3/16)

37,3

5,00

39,2

São uIlizadas em perfis de chapa dobradas, para construção em estruturas metálicas leves e, principalmente, como terças e vigas de tapamento.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Produtos

Chapas zincadas

Largura padrão: 1000 mm Comprimentos padrão: 2000 mm, 3000 mm, e também em bobinas

Espessuras padrão

Peso

(mm)

(kg/m 2 )

0,25

1,96

0,30

2,36

0,35

2,75

0,43

3,38

0,50

3,93

0,65

5,10

0,80

6,28

0,95

7,46

1,11

8,71

1,25

9,81

1,55

12,17

1,95

15,31

São uIlizadas como elementos complementares nas construções, como telhas, calhas, rufos, caixilhos, dutos de ar-condicionado, divisórias.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Produtos

Chapas grossas

Larguras padrão: 1000 mm a 3800 mm Comprimentos padrão: 6000 mm e 12000 mm

Espessuras padrão

Peso

(mm)

(kg/m 2 )

6,3 (1/4)

49,46

8,0 (5/16)

62,80

9,5 (3/8)

74,58

12,5 (1/2)

98,13

16,0 (5/8)

125,60

19,0 (3/4)

149,15

22,4 (7/8)

175,84

25,0 (1)

196,25

37,5 (1 1/6)

294,38

45,0 ()

353,25

50,0 (2)

392,50

57,0 ()

447,44

63,0 (2 ½ )

494,55

75,0 (3)

588,75

102,0 ()

800,70

UIlizadas para construção de estruturas metálicas, principalmente em perfis soldados para trabalhar como vigas, colunas e estacas.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quanIdades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). Os aços estruturais para construção civil possuem teores de carbono da ordem de 0,18% a 0,25%. Entre outras propriedades, o aço apresenta resistência e ducIlidade, muito importantes para a Engenharia Civil. Como o concreto simples apresenta pequena resistência à tração e é frágil , é altamente conveniente a associação do aço ao concreto, obtendo-se o concreto armado. Este material, adequadamente dimensionado e detalhado, resiste muito bem à maioria dos Ipos de solicitação . Mesmo em peças comprimidas, além de fornecer ducIlidade, o aço aumenta a resistência à compressão .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Flexão - carregamento transversal entre os apoios. Fonte: Sistemas Estruturais em
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Flexão - carregamento transversal entre os apoios. Fonte: Sistemas Estruturais em

Flexão - carregamento transversal entre os apoios. Fonte: Sistemas Estruturais em Aço – Yopanan Rebello.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Viga com carregamento distribuído : Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D. K
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Viga com carregamento distribuído : Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D. K

Viga com carregamento distribuído : Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D. K. Ching

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Viga com carregamento distribuído. Livro: Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D.
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Viga com carregamento distribuído. Livro: Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D.

Viga com carregamento distribuído. Livro: Sistemas Estruturais Ilustrados, Francis D. K. Ching

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Modelo de Ensaio

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Modelo de Ensaio Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Vista da viga fissurada

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vista da viga fissurada Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO •   Comportamento Vigas de Alma Cheia –   Ao longo

Comportamento

Vigas de Alma Cheia

DE CONSTRUÇÃO •   Comportamento Vigas de Alma Cheia –   Ao longo das linhas localizam-se

Ao longo das linhas localizam-se as tensões de intensidades iguais (linhas isostáIcas).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO •   Comportamento Vigas de Alma Cheia Imagem p. 187 –

Comportamento

Vigas de Alma Cheia

Imagem p. 187
Imagem p. 187

Armação segundo comportamento real à barras de aço acompanham as isostáIcas de tração à diÄcil execução

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vigas de Alma Cheia •   Modelo simplificado: esforços –  

Vigas de Alma Cheia

Modelo simplificado: esforços

Momento fletor: provoca tração e compressão

Tração nas fibras inferiores – posiIvo à armadura posiIva Tração nas fibras superiores – negaIvo à armadura negaIva

nas fibras superiores – negaIvo à armadura negaIva Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo Universidade do Estado
Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo
Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Universidade do Estado de Minas Gerais

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vigas de Alma Cheia •   Modelo simplificado: esforços –  

Vigas de Alma Cheia

Modelo simplificado: esforços

Força cortante: deslizamentos longitudinais e verIcais (simultâneos)

deslizamentos longitudinais e verIcais (simultâneos) composição em forças de tração e compressão Imagem p.
composição em forças de tração e compressão Imagem p. 188 – 2 inclinadas a 45º
composição em forças de tração e compressão
Imagem p.
188 – 2
inclinadas a 45º

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vigas de Alma Cheia –   Forças de tração: absorvidas pelas

Vigas de Alma Cheia

Forças de tração: absorvidas pelas barras dobradas a 45º (cavaletes) ou pelas barras verIcais (estribos)

a 45º (cavaletes) ou pelas barras verIcais (estribos) –   Barras a 45º: mais eficientes na

Barras a 45º: mais eficientes na absorção das tensões de cisalhamento (provocadas pela cortante)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO •   Modelo Simplificado: –   Execução comum Vigas de Alma

Modelo Simplificado:

Execução comum

Vigas de Alma Cheia

Barras à tração à face inferior da viga Tensões inclinadas à barras dobradas a 45º / estribos

Tensões inclinadas à barras dobradas a 45º / estribos Universidade do Estado de Minas Gerais Profª

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vigas de Alma Cheia –   Armadura (aço) à forças de

Vigas de Alma Cheia

Armadura (aço) à forças de tração Área de concreto à forças de compressão

Viga submeIda a tensões que superem a resistência à compressão, associada à impossibilidade de aumento da seção (ou seja, impossibilidade de aumento da área de compressão):

uso de armadura para ajudar aliviar as tensões no concreto

uso de armadura para ajudar aliviar as tensões no concreto viga duplamente armada Universidade do Estado

viga duplamente armada

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Vigas de Alma Cheia Imagem p. 189 Universidade do Estado de

Vigas de Alma Cheia

Imagem p.

189

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo
METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Universidade do Estado de Minas Gerais Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

O aço obIdo nas aciarias apresenta granulação grosseira, é quebradiço e de baixa resistência. Para aplicações estruturais, ele precisa sofrer modificações , o que é feito basicamente por dois Ipos de tratamento:

Tratamento a quente (Tipo A) Tratamento a frio (Tipo B)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

Tratamento a quente

consiste na laminação , forjamento ou esIramento do aço , realizado em temperaturas acima de 720°C (zona críIca). Nessas temperaturas há uma modificação da estrutura interna do aço , ocorrendo homogeneização e recristalização com redução do tamanho dos grãos , melhorando as caracterísIcas mecânicas do material. apresenta melhor trabalhabilidade, aceita solda comum, possui diagrama tensão-deformação com patamar de escoamento, e resiste a incêndios moderados, perdendo resistência, apenas, com temperaturas acima de 1150 °C. Estão incluídos neste grupo os aços CA-25 e CA-50.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

do Aço para armadura TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS Diagrama tensão-deformação de aços tratados a quente P

Diagrama tensão-deformação de aços tratados a quente

P: força aplicada; A: área da seção em cada instante; A0: área inicial da seção ; a: ponto da curva correspondente à resistência convencional; b : ponto da curva correspondente à resistência aparente; c: ponto da curva correspondente à resistência real.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

Tratamento a frio ou encruamento

ocorre uma deformação dos grãos por meio de tração , compressão ou torção , e resulta no aumento da resistência mecânica e da dureza, e diminuição da resistência à corrosão e da ducIlidade, ou seja, decréscimo do alongamento e da estricção . O processo é realizado abaixo da zona de temperatura críIca (720 °C). Os grãos permanecem deformados e diz-se que o aço está encruado. Nesta situação , os diagramas de tensão-deformação dos aços não apresentam patamar de escoamento definido, torna-se mais diÄcil a solda e, à temperatura da ordem de 600°C, o encruamento é perdido. Está incluído neste grupo o aço CA-60.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS

do Aço para armadura TRATAMENTO MECÂNICO DOS AÇOS Diagrama tensão-deformação de aços tratados a frio P

Diagrama tensão-deformação de aços tratados a frio

P: força aplicada;

A: área da seção em cada instante;

A0: área inicial da seção ;

a: ponto da curva correspondente

à resistência convencional;

b : ponto da curva correspondente

à resistência aparente;

c: ponto da curva correspondente

à resistência real.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

BARRAS E FIOS

AÇOS PARA ARMADURAS

O item 8.3.1 da NBR 6118 estabelece: "Nos projetos de estruturas de concreto armado deve ser uIlizado aço classificado pela NBR 7480, com o valor caracterísIco da resistência de escoamento nas categorias CA-25, CA-50 e

CA-60".

NBR 7480 (1996): fixa as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço desInados a armaduras para concreto armado.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

AÇOS PARA ARMADURAS

BARRAS E FIOS A norma citada (NBR 7480:1996 - Barras e fios de aço des4nados a armaduras para concreto armado- especificação ) apresenta a seguinte classificação quanto ao processo de fabricação e o valor caracterísIco da resistência de escoamento ( f yk ):

Barras: produtos de diâmetro nominal 5 ou superior, obIdos exclusivamente por laminação a quente

F ios: aqueles de diâmetro nominal 10 ou inferior, obIdos por trefilação ou processo equivalente, como por exemplo esIramento.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

AÇOS PARA ARMADURAS

Barras produtos de diâmetro nominal ou bitola > 5mm, obIdos exclusivamente por laminação a quente. As propriedades Äsicas são introduzidas no processo de laminação , em decorrência da composição química (teor de ferro e carbono). São denominados aços de dureza natural ou doces e considerados de alta ducIlidade. Categorias CA-25 (f yk = 250 MPa) e CA-50 ( f yk = 500 MPa).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

AÇOS PARA ARMADURAS

Fios produtos de diâmetro nominal < 10 mm, obIdos por treÄlaçao ou processo equivalente. As propriedades Äsicas são resultantes do processo de laminação do aço e de sua composição química e de um posterior tratamento mecânico , a baixas temperaturas ( torção , trefilação , etc.). São denominados aços encruados e de ducIlidade normal. Categoria CA-60 (f yk = 600 MPa).

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

AÇOS PARA ARMADURAS

BARRAS E FIOS Diâmetros nominais conforme a NBR 7480

(1996)

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

As caracterísIcas mecânicas mais importantes para a definição de um aço são :

limite elásUco

resistência

alongamento na ruptura.

Essas caracterísIcas são determinadas através de ensaios de tração .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

Limite elásIco : é a máxima tensão que o material pode suportar sem que se produzam deformações plásIcas ou remanescentes, além de certos limites.

Resistência: é a máxima força de tração que a barra suporta, dividida pela área de seção transversal inicial do corpo-de- prova.

Alongamento na ruptura: é o aumento do comprimento do corpo-de-prova correspondente à ruptura, expresso em porcentagem.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

Os aços para concreto armado devem obedecer aos requisitos:

DucIlidade e homogeneidade; Valor elevado da relação entre limite de resistência e limite de escoamento; Soldabilidade; Resistência razoável a corrosão .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

D ucIlidade: a capacidade do material de se deformar plasIcamente sem romper.

Pode ser medida por meio do alongamento ( ε) ou da estricção . Quanto mais dúcIl o aço , maior é a redução de área ou o alongamento antes da ruptura. Um material não dúcIl , como por exemplo o ferro fundido, não se deforma plasIcamente antes da ruptura. Diz-se, então , que o material possui comportamento frágil .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

Aço para armadura passiva:

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS

massa específica = 7850 kg/m3 (qualquer categoria)

coeficiente de dilatação térmica

α = 10 -5 /°C para intervalos de temperatura entre 20 e 150 °C

módulo de elasIcidade de 210 GPa. (2.100.000 Kgf/ cm2 )

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

ADERÊNCIA

A própria existência do material concreto armado decorre da solidariedade existente entre o concreto simples e as barras de aço . QualitaIvamente, a aderência pode ser dividida em:

aderência por adesão aderência por atrito aderência mecânica.

A adesão resulta das ligações Äsico-químicas que se estabelecem na interface dos dois materiais, durante as reações de pega do cimento. As nervuras e os entalhes têm como função aumentar a aderência da barra ao concreto, proporcionando a atuação conjunta do aço e do concreto.

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

ADERÊNCIA

A influência desse comportamento solidário entre o concreto simples e as barras de aço é medida quanItaIvamente através do coeficiente de conformação superficial das barras ( η ).

A NBR 7480 (1996) estabelece os valores mínimos para η1, apresentados na Tabela:

os valores mínimos para η1, apresentados na Tabela: Valores mínimos de η para φ ≥ 10mm

Valores mínimos de η para φ ≥ 10mm

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Propriedades do Aço para armadura

ADERÊNCIA

As barras da categoria CA–50 são obrigatoriamente providas de nervuras transversais ou oblíquas . Os fios de diâmetro nominal inferior a 10mm (CA–60) podem ser lisos ( η = 1,0), mas os fios de diâmetro nominal igual a 10mm ou superior devem ter obrigatoriamente entalhes ou nervuras, de forma a atender o coeficiente de conformação superficial η .

Universidade do Estado de Minas Gerais

Profª Izabela Naves Coelho Teobaldo

METAL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO