Sei sulla pagina 1di 3
Instituto Federal De Ciências E Tecnologia Do Espirito Santo – Campus Santa Teresa Agronomia -

Instituto Federal De Ciências E Tecnologia Do Espirito Santo Campus

Santa Teresa

Agronomia - Fisiologia Vegetal

PRÁTICA 1 - FOTOTROPISMO EM PLÂNTULAS

Natália Gramelisch Silvestre

Trabalho apresentado como parte das exigências da disciplina Fisiologia Vegetal ministrada pelo professor Hediberto Nei Matiello.

SANTA TERESA

2015

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Na planta de feijão (Phaseolus vulgaris) ocorreu o estiolamento, que basicamente é quando o caule cresce mais em altura do que em diâmetro. Segundo Taiz & Zeiger, 2009, descobriu-se que para as chamadas plantas de sol (que geralmente crescem em campo aberto), as taxas de extensão do caule aumentaram quando as plantas eram expostas a um conteúdo maior de vermelho distante (menor razão Pfr : P total ). Em outras palavras o sombreamento simulado induziu as plantas a alocar uma maior parte dos seus recursos para crescimento em altura. A planta de chuchu (Sechium adule) teve um estiolamento inferior ao do feijão, provavelmente por ser uma planta de sombra. As plantas de sombra mostram uma menor redução na taxa de alongamento de seus caules a medida em que eram expostas a valores de R : FR mais altos (TAIZ, ZEIGER, 2009) Houve uma curvatura em direção a entrada de luz, o chamado fototropismo, tanto na planta de feijão, quanto na planta de chuchu. Essa curvatura ocorre devido a presença de um hormônio conhecido como auxina, que está relacionado com rápida divisão celular e crescimento, principalmente na parte aérea (meristemas apicais de caules e folhas jovens). Em resposta ao estímulo direcional da luz, a auxina é transportada para a lateral do lado sombreado, seguindo para a zona de alongamento, onde estimula o crescimento celular do lado sombreado e retarda o crescimento do lado iluminado produzindo assim a curvatura em direção a luz. O feijão, por ser uma planta de sol e estar recebendo uma baixa incidência luminosa ficou aclorofilado, e por ter pouca reserva disponível já estava morrendo. Enquanto o chuchu, por ser uma planta que se adapta melhor ao sombreamento ainda possuía muita clorofila e resistiria por mais tempo as condições em que foi submetido por possuir maior reserva disponível.

QUESTIONAMENTO

1 No primeiro momento o feijão (Phaseolus vulgaris) cresceu mais rápido, já que o chuchu (Sechium adule) apresentou crescimento mais lento por ter sua semente dentro do fruto. A planta de chuchu por ter maior reserva disponível iria aguentar mais tempo que planta de feijão naquelas condições, o chuchu também apresentou

maior teor de clorofila, pois precisa de menor intensidade luminosa do que o feijão

para sintetiza-la.

2 Sim. A planta faz uma espécie de leitura do comprimento de onda da luz, se

chegar um comprimento de onda pobre na cor vermelha a planta aumenta a síntese

de auxinas (estica suas células) em busca de luz, caso acumule luz vermelha esta

será transformada no outro fitocromo, vermelho distante. O fitocromo, um pigmento

comumente presente nos tecidos das plantas, é o fotorreceptor que detecta as

transmissões entre a luz e o escuro.

CONCLUSÃO

A luz determina a direção do movimento da parte aérea de plantas.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

TAIZ, Lincoln; ZEIGER, Eduardo. Fisiologia Vegetal. Artmed, 4.ed., Porto Alegre,

2009.