Sei sulla pagina 1di 51
CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - FACECAP ADMINISTRAÇÃO A ÉTICA

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE

FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - FACECAP

ADMINISTRAÇÃO

A ÉTICA COMO DIFERENCIAL NO MERCADO

GRAZIELA APARECIDA VAZ

MELINE APARECIDA MONEGATTO

Capivari-SP

2010

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - FACECAP ADMINISTRAÇÃO A ÉTICA

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE

FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - FACECAP

ADMINISTRAÇÃO

A ÉTICA COMO DIFERENCIAL NO MERCADO

Monografia apresentada ao Curso de Administração da Faculdade Cenecista de Capivari/CNEC Capivari, para Obtenção do título de Bacharel, sob a Orientação da Professora Ms. Andréa Baggio Amaral.

GRAZIELA APARECIDA VAZ

MELINE APARECIDA MONEGATTO

Capivari-SP

2010

Monografia defendida e aprovada em 22 de novembro de 2010, pela Banca examinadora constituída pelos seguintes professores:

Orientadora Prof ª Ms Andréa Baggio Amaral

Corretor Profº Ms

Coordenador de TCC – Profº Marco A Armelin

AGRADECIMENTOS

Eu, Graziela Aparecida Vaz agradeço

Primeiramente a Deus, pois sem ele em minha vida, nada seria possível;

aos meus pais por terem acreditado no meu sonho, e sempre terem me apoiado;

ao meu noivo pelo companheirismo, compreensão, paciência e amor;

aos meus irmãos e a toda minha família, meu alicerce e base para tudo em minha vida,

e, em especial, a nossa orientadora professora Ms. Andréa Baggio Amaral, pessoa fundamental para a realização deste trabalho.

Enfim, a todos que direta ou indiretamente, contribuíram para que a realização deste trabalho fosse possível.

AGRADECIMENTOS

Eu, Meline Aparecida Monegatto agradeço

pela

páginas

mais

leve

gota de

suor

e lágrima derramados

nestas intensas

a nossos pais, irmãos, professores, e amigos por esta breve e valiosa obra,

a Deus, pela vida e por nos permitir realizar este trabalho,

mundo, pelo despertar de novas idéias e fontes de pesquisa, meu namorado que sempre me deu forças

ao

a

Enfim, a toda minha família, a minha mãe, e meus irmãos que muito

contribuíram.

“Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado”

Roberto Shinyashik

MONEGATTO, Meline Aparecida; VAZ, Graziela Aparecida. A ética como diferencial no mercado. Monografia de Conclusão do Curso de Administração da Faculdade Cenecista de Capivari – FACECAP. 48p. 2010.

RESUMO

Este estudo tem como objetivo identificar o que é ética e moral, desde seu surgimento até os dias atuais, enfatizando como ela pode ser aplicada dentro das organizações, e em nossa vida em sociedade. Contudo, o propósito deste estudo visa apresentar a importância do agir eticamente dentro das organizações, proporcionando um ambiente melhor para os funcionários e satisfação para os clientes, podendo com isso gerar um diferencial competitivo para a empresa que age eticamente em seus negócios. Dessa forma, para a elaboração deste trabalho utilizamos de pesquisas teóricas de vários autores que tratam do tema referente ao assunto abordado, a partir disso, utilizamos como metodologia o estudo de caso em uma empresa do ramo bancário e para realizarmos tal estudo fez se necessário a elaboração e aplicação de questionários aos membros envolvidos da empresa estudada, a fim de que e as respostas pudessem ser tratadas estatisticamente.

Palavras-chave: 1. Ética. 2. Moral. 3. Organização

SUMÁRIO

LISTA DE QUADROS

08

LISTA DE GRÁFICOS

09

INTRODUÇÃO

10

CAPÍTULO I – APRESENTAÇÃO DO TRABALHO

11

1.2 APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVA

12

1.3 RELEVÂNCIA DO TRABALHO

12

1.4 OBJETIVOS DESTE ESTUDO

13

1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO

13

CAPÍTULO II - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

15

2.1 CONCEITOS DA ÉTICA E MORAL

15

2.2 SURGIMENTO DA ÉTICA E MORAL

16

2.3 ÉTICA E AS RELAÇÕES DE TRABALHO

16

2.4 PRINCÍPIOS DA ÉTICA E MORAL

17

2.5 DESENVOLVIMENTO DA ÉTICA EMPRESARIAL

20

2.6 ÉTICA E MORAL NA POLÍTICA

21

2.7 ÉTICA E MORAL NA RELIGIÃO

21

2.8 PORQUE SER ÉTICO

24

2.9 SUBORNO

25

2.10 CÓDIGO DE ÉTICA

25

2.11 PORQUE IMPLANTAR UM CÓDIGO DE ÉTICA

26

CAPÍTULO III – METODOLOGIA

29

3.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS

29

3.2 PROCEDIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DADOS

29

CAPÍTULO IV – APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ALVO

30

4.1 EMPRESA ALVO

30

4.2 HISTÓRICO

30

4.3 MISSÃO E VISÃO

31

4.4 PRINCÍPIOS

31

4.5 PRINCIPAIS PRODUTOS E SERVIÇOS

32

4.6 RELAÇÃO COM O CLIENTE

33

4.7 SUSTENTABILIDADE

33

4.8 RESPONSABILIDADE SOCIAL

34

CAPÍTULO V – ESTUDO DE CASO

36

5.1 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS DADOS

36

5.2 PERGUNTAS RESPONDIDAS PELOS GERENTES

36

5.3 PERGUNTAS RESPONDIDAS PELOS COLABORADORES

37

CAPÍTULO VI – CONSIDERAÇÕES FINAIS

43

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

44

APÊNDICES

46

APÊNDICE 1 – QUESTIONÁRIO GERENTE

46

APÊNDICE 2 – QUESTIONÁRIO COLABORADOR

48

LISTA DE QUADROS

QUADRO 1 - FILÓSOFOS GREGOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES

17

QUADRO 2 - FILÓSOFOS MODERNOS – A PARTIR DO SÉCULO XVI

19

QUADRO 3 - ÉTICA E RELIGIÃO

23

LISTA DE GRÁFICOS

Gráficos referentes às repostas das perguntas feitas aos colaboradores da empresa estudada.

GRÁFICO 1 - FAIXA

38

GRÁFICO 2 – GRAU DE INSTRUÇÃO

38

GRÁFICO 3 – TEMPO NA EMPRESA

39

GRÁFICO 4 - TREINAMENTO SOBRE CÓDIGO DE CONDUTA

40

GRÁFICO 5 – PRESENÇA DE ATITUDES

41

INTRODUÇÃO

Ética e moral existem desde o início da vida em sociedade, e estão relacionadas diretamente ao comportamento humano. Nossa sociedade vive na atualidade uma redescoberta da ética, obtendo mais exigências de valores morais em todas as instâncias sociais, passando por graves crises de valores, identificada por alguns como falta de respeito. Para a elaboração desta pesquisa, fizemos um estudo de caso, em uma empresa do ramo bancário, que não iremos citar o nome, por termos assumido um compromisso com a empresa, e por questões de ética. Segundo algumas literaturas, encontramos a definição de ética como sendo o ramo da filosofia que lida com o que é moralmente bom ou mau, justo ou injusto, certo ou errado perante uma ação de conduta humana. Porém, o valor de uma conduta ética não é só esperado e exigido pela sociedade em que vivemos, mas também pelas organizações, onde a falta de ética muitas vezes se faz presente. A ética dentro das organizações vem para nortear ações na condução de seus negócios, levando as empresas a excelência de produtos e serviços oferecidos a sociedade. A partir disso, este estudo pretende explanar o conceito de ética dentro das organizações, visto ser a falta de ética um dos grandes problemas no cotidiano pessoal e profissional; enfocar as ações éticas dentro das organizações; enfatizar a importância de condutas éticas do profissional para a imagem da empresa e, também, para o bom relacionamento e desempenho das equipes envolvidas na execução das tarefas do dia-a-dia da organização. Desta forma, mostraremos os pontos fortes de se manter uma postura ética com gerentes, colaboradores, fornecedores e clientes; discutiremos, também, a importância da ética nas organizações, de maneira a contribuir para a reflexão das práticas administrativas atuais.

CAPÍTULO I – APRESENTAÇÃO DO TRABALHO

1.1 CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA

Nos dias atuais, com um mundo tão globalizado e cheio de informações e tecnologias cada vez mais sofisticadas, as empresas foram obrigadas a mudar suas estratégias de negócios e investir cada vez mais para se manter competitiva no mercado, com isso, a exigência de conduta e princípios éticos para com seus clientes, fornecedores e até mesmo com seus colaboradores tornou se um fator importantíssimo para que as empresas consigam sobreviver.

O agir com ética, neste contexto, significa agir com determinadas regras e

preceitos. Porém, muitas empresas divulgam regras, e código de éticas e não as praticam no seu dia-a-dia. Agindo assim, de maneiras antiéticas, desonestas e

injustas.

O

que poucos sabem é que os princípios e valores éticos fazem parte da

nossa sociedade há mais de 2.500 anos. Sendo, assim, sua presença nas organizações se faz essencial e inquestionável, pois propicia a valorização do ser humano tanto na vida em sociedade como dentro das organizações. Segundo Vásquez (2008, p.23), “A ética é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em sociedade. Ou seja, é ciência de uma forma específica de comportamento humano”. Até hoje muitos filósofos e pesquisadores procuram descrever o comportamento e os costumes do ser humano na sociedade. E se confrontam ao tentar disseminar ética de moral. O que encontrarmos em diversas literaturas é que ética é sinônimo de moral. Contudo, segundo Stukart (2003, p.14), a ética é uma palavra que vem do grego ETHOS, que significa estudo de caráter, juízo do ser humano e reflete sobre a situação vivida, para ele, “A ética não analisa o que o homem faz, como a psicologia e a sociologia, mas o que ele deveria fazer. É um juízo de valores, como virtude, justiça, felicidade, e não um julgamento da realidade”. Já a moral é normativa e, ainda de acordo com este autor, teve origem na Idade Média, originou-se do latim MORES. E significa o “conjunto de costumes,

normas e regras de uma sociedade”. Contudo, a confecção deste trabalho irá abordar a necessidade de ações éticas dentro das organizações, entre os gerentes, colaboradores, fornecedores e, principalmente, para a fidelização dos clientes já existentes e para a conquista de novos clientes. Segundo Marques (2002, p.1), “É fundamental que os administradores conheçam a organização por inteira para compreenderem o impacto que suas decisões e ações podem provocar”. De maneira que isso possa garantir que todos conheçam a organização como um todo, e consigam gerar um diferencial competitivo.

1.2 APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVA

Este trabalho tem como tema principal a ética nas organizações e com isso visa responder a seguinte pergunta: Vendo a ética como um diferencial no mercado de trabalho, as empresas estão implantando e divulgando o seu código de ética, bem como treinando seus colaboradores? Assim, esta pesquisa visa fazer com que as pessoas reflitam sobre o que julga ser ético e, acima de tudo, conscientizá-las para agir de maneira ética, respeitando o próximo. Assim, pensamos ser possível viabilizar a satisfação dos gestores, dos colaboradores e de todos os envolvidos dentro e fora da organização e acima de tudo conseguir a fidelização dos seus clientes. Para elucidar a mencionada pergunta se faz necessário à elaboração de pesquisas, a saber.

1.3 RELEVÂNCIA DO TRABALHO

A definição deste estudo teve base tanto na relevância do tema ética e moral, como o interesse acadêmico-científico, visando com isso conscientizar as empresas a adotarem condutas éticas, assim como a implantação de um código de ética interno. Visto que a ética nos dias atuais passou a ser um diferencial para a

organização e um fator de competitividade e permanecia no mercado. Entretanto, esse estudo é muito significativo para o setor administrativo das organizações, pois irá salientar a importância de condutas éticas para manter e fidelizar clientes, proporcionar um ambiente mais agradável para seus colaboradores e fortalecer a imagem da empresa.

1.4 OBJETIVOS DESTE ESTUDO

Partindo da pergunta-problema como fonte de estudos, sobre a melhor forma de motivar ações, mudanças de conduta e uma reavaliação do código de Ética

aplicado pelas empresas, desenvolvemos um estudo de caso, em uma empresa do município de Capivari, SP. Sendo assim, os objetivos deste estudo são:

Apresentar os princípios da ética e moral, e dessa forma apresentar os principais filósofos e suas teorias sobre ética e moral; Mostrar a importância do desenvolvimento da ética e moral nas organizações; Apontar se as empresas estão implantando um Código de Ética.

Refletir sobre os conceitos de ética e moral;

1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO

Este trabalho está estruturado em cinco capítulos e mais a conclusão. O

primeiro capítulo aborda a caracterização do problema, a apresentação e justificativa deste trabalho, a relevância do trabalho, o objetivo deste estudo e a estrutura de todo o trabalho.

O segundo capítulo a revisão bibliográfica dos principais autores, que tratam

do tema pesquisado – a Ética, bem como seu conceito, principio e surgimento. Incluiremos também alguns temas relacionados, tais como: ética e as relações de trabalho, desenvolvimento da ética empresarial, ética e moral na política, ética e moral na religião, motivos para ser ético, suborno, código de ética, e os motivos para

se implantar um código de ética.

O terceiro capítulo a metodologia utilizada para a realização desta pesquisa.

O quarto capítulo abordar um breve histórico da empresa estudada, bem como seus princípios, sua missão e valor e seus principais produtos e serviços. O quinto capítulo está composto pelos dados obtidos através da pesquisa aplicada na empresa alvo e pela sua análise.

CAPÍTULO II - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 CONCEITOS DA ÉTICA E MORAL

Segundo o dicionário Aurélio (1999), a ética é o “estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo

absoluto”. Para alguns autores, a Ética é o conjunto de valores na concepção de um indivíduo, ou seja, a maneira como os seres humanos vivem e se relacionam, e dessa forma buscam justificar seus costumes e preceitos perante uma determinada sociedade. Ainda seguindo o pensamento desses autores, encontramos a definição de moral como sendo o conjunto de regras que fixam condições equitativas de convivência com respeito e liberdade, onde indivíduos se relacionam, e se respeitam, de forma que os valores morais norteiam o comportamento humano diante da sociedade em que vivemos.

A ética e a moral historicamente são constituídas pelo processo de mudança

as doutrinas éticas fundamentais nascem e se

entre as sociedades e as épocas. “[

desenvolvem em diferentes épocas e sociedades como respostas aos problemas básicos apresentados pelas relações entre os homens, e, em particular pelo seu comportamento moral efetivo”. (VÁZQUEZ, 2008, p. 267). Ética e moral são expressões, que por muitas vezes chegam a nos confundir, todavia se analisarmos com maior atenção pode-se fazer uma distinção entre as duas.

A ética é sinônimo da moral, porém, a ética é reflexiva e analisa não o que o

ser humano faz, mas o que ele deveria fazer. Já a moral é normativa e fixa regras e

costumes adquiridos ao longo da vida. Segundo Lisboa (2009, p.24), “A moral, como sinônimo de ética, pode ser conceituada como o conjunto das normas que, em determinado meio, granjeiam a

]

aprovação para o comportamento dos homens”. Assim, ainda seguindo o pensamento do autor, podemos dizer que “A ética, como expressão única do pensamento correto, conduz a idéia da universalidade moral”.

2.2. SURGIMENTO DA ÉTICA E MORAL

A Ética possui uma origem específica, nasceu na Grécia, no século V a.C, com o surgimento dos sofistas, que aparecem num momento cultural e político específico da cultura e história grega, e com a reação contra por parte de Sócrates. Ao nascer, já encontramos regras de conduta moral às quais nos adequamos por meio da educação. Normalmente não avaliamos essas regras, simplesmente, as aceitamos ou recusamos. É muito complexo falar de ética e moral, o que para muitas pessoas podem ser imoral e antiético, para outras não faz diferença. É engraçado perceber que depois de tantos avanços científicos e conquistas tecnológicas que a ética ainda se revela em ser um tema atual e intrigante.

2.3. ÉTICA E AS RELAÇÕES DE TRABALHO

Para entendermos mais o surgimento da ética e moral em nossa sociedade, vamos buscar no passado como eram as relações de trabalho para refletirmos no hoje.

Desde seu nascimento, e ao longo de sua vida, o homem vive e aprende viver em sociedade, e com isso surgem às relações de trabalho, porém, antigamente só se trabalhava pelo alimento e, somente o mais forte sobrevivia. Mas o tempo foi passando e os conflitos e as lutas marcavam as relações de trabalho, até o período da Revolução Industrial. Neste período marcado pela chegada das máquinas, o desemprego aumenta e os conflitos também, com isso a igreja, os intelectuais e os trabalhadores fazem o Estado, que antes era só um espectador, a intervir para manter a paz social. A partir desse momento começam a surgir as primeiras normas e leis do trabalhador. Tais como: igualdade de oportunidades no trabalho e o combate a discriminação, fundamentada na raça, cor,

sexo, religião, opinião pública; outras discriminações também como, idade, orientação sexual, estado de saúde, deficiência, obesidade, entre outras. A ética profissional constitui-se de premissas da ética geral que se volta para a regulação do comportamento dos membros da associação na qual são aplicadas. Além de membros da sociedade, o ser humano está ligado a grupos, associações, conselhos profissionais. É comum que se estabeleçam, nessas células sociais, regras a serem obedecidas por seus membros.

2.4. PRINCÍPIOS DA ÉTICA E MORAL

No quadro abaixo, podemos destacar três importantes filósofos gregos e suas contribuições para os princípios éticos.

QUADRO 1 - FILÓSOFOS GREGOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES

FILÓSOFOS

CONTRIBUIÇÕES

SÓCRATES

Não deixou livros, seus diálogos foram eternizados por Platão (seu aluno). Dizia que a principal característica humana é a razão. Seus provérbios “Conhece-te a ti mesmo” e, “Sei que nada sei” são célebres. Para ele o saber era fundamental. O vício, a ignorância do bem. Para ensinar ele usou o diálogo e criou a Academia, que hoje é a Universidade. Ele criou uma nova lógica. Para os filósofos gregos, o mal era somente uma falta, uma ausência do bem. Foi reconhecido como o homem mais sábio de Atenas, mas ele disse: Eu sei que nada sei.

(470–399 a.C)

PLATÃO

Discípulo de Sócrates e mestre de Aristóteles. Para ele, a alma era imortal, separada do corpo. O lugar da razão é a cabeça, a medula faz a ligação da cabeça e do corpo. Segundo ele, a idéias existem apenas quando são percebidas pela razão. Exemplo: Um círculo feito a lápis pode ser apagado com a borracha, mas a idéia do círculo perdura para sempre. Para Platão, Deus é a idéia do bem, a idéia mais alta a que todas as outras se subordinam como meios.

(427–347 a.C)

ARISTÓTELES

Foi aluno de Platão e o primeiro a criar uma profunda lógica e uma sistemática ética orientada para razão, diferentemente da de Platão, orientada para o bem. Aristóteles criou também silogismo, que é o conjunto de três proposições nas quais a terceira é a conclusão verdadeira desde que a primeira e a segunda sejam também verdadeiras. Por exemplo: 1ª Ricardo é jogador de futebol; 2ª Todo jogador é ser humano; 3ª Ricardo é humano.

(384 – 322 a. C)

Fonte: Quadro elaborado pela Profª Ms. Andréa Baggio Amaral, baseado em STUKART (2003).

Com base no quadro, vimos que Sócrates não deixou nada escrito, mas seus

pensamentos foram retransmitidos pelos discípulos das escolas socráticas entre eles Platão e Aristóteles. Sócrates nasceu em Atenas em 470 a.C e morre condenado em 399 a .C. Mesmo sem haver nada escrito, Sócrates emitia frases de

homem sábio que se conservaram na memória popular. “[

bondade, conhecimento e felicidade se entrelaçam estreitamente”. (VÁZQUEZ, 2008, p.270). Platão nasce em Atenas em 427 e morre em 347 a.C, como discípulo de Sócrates foi o que mais retransmitiu seu pensamento, e passou a defender e seguir as doutrinas de seu mestre. Aristóteles nasceu em 384 a.C em Estagira, cidade grega, e foi aluno de Platão, mesmo pertencente a uma nova geração, ele seguiu as doutrinas de Sócrates seguindo as com inovações de Platão. Em seguida, temos um quadro que expõe os filósofos modernos e suas contribuições com a ética.

]

para Sócrates,

QUADRO 2 - FILÓSOFOS MODERNOS – A PARTIR DO SÉCULO XVI

FILÓSOFOS

 

CONTRIBUIÇÕES

THOMAS HOBBES (1588 - 1679)

Filósofo e político inglês acreditava que, entre a anarquia e despotismo, a monarquia era

a

melhor organização do Estado. Ele pontificou: “O método dedutivo com premissas

verdadeiras leva conclusões indiscutíveis, o método indutivo só dá probabilidades”.

RENNÉ DESCARTES (1596 - 1650)

Foi o fundador do racionalismo francês. Conciliou religião e ciência, é autor da frase “Cogito, ergo sun” (penso, logo existo). Era matemático e físico. Sua principal obra, Discurso do método, definiu quatro regras aplicáveis também às pesquisas sobre ética e outros aspectos: 1ª Jamais acolher algo como verdadeiro, que não se conheça como tal. 2ª Dividir cada uma das dificuldades em tantas parcelas quantas forem possíveis e necessárias para melhor resolvê-las. 3ª Conduzir os pensamentos por ordem, começando pelos objetos mais simples até atingir os mais complexos. 4ª Fazer enumerações tão completas até ter certeza de nada omitir.

BARUCH DE SPINOZA (1632 - 1677)

Judeu holandês de origem portuguesa. Foi expulso como ateu porque considerava Deus

e

a Natureza, a mesma realidade. Ele acreditava que tudo estava em Deus, tudo vive e

se move em Deus. Uma paixão sem razão é cega, e uma razão sem paixão é morta. Suas obras são: Ética em forma de geometria e Princípios da filosofia de Descartes.

 

Pertenceu ao movimento iluminista e era muito liberal. Introduziu a mecânica de Newton

e

a Psicologia de Locke, dando início ao Iluminismo (movimento filosófico do século XVII

VOLTAIRE (1694 – 1778)

que se caracterizava pela confiança no progresso e na razão, pelo desafio à tradição e à autoridade e pelo incentivo à liberdade de pensamento). Escreveu 99 volumes e erigiu uma capela em Farney, de acordo com sua fé em Deus (uma divindade).

EMANUEL KANT (1724 – 1804)

Foi o primeiro a separar a fé da ciência, exaltando a razão em si mesmo. Seu pensamento é o começo da filosofia moderna. “Só podemos conhecer a matéria pelo pensamento e pelos sentidos. A matéria é uma forma do espírito. A primazia do espírito restaura as bases religiosas. Viver com base na fé”. O bem maior deve ser criado pelo nosso livre arbítrio. Nossa felicidade é o bem, que necessariamente está ligado à virtude e à felicidade.

JOHN STUART MILL (1806 – 1873)

Acreditava que ética deveria se harmonizar com a liberdade de cada um. A influência que as ações exercem sobre a felicidade é o que constitui o princípio da moral e da responsabilidade ética.

SOREN KIERKEGAARD (1813 – 1855)

Foi ele quem deu início à moderna filosofia existencialista e pensava que medo e solidão faziam parte da religião. Afirmou: “Fazer o bem pelo próprio bem e não por orgulho, recompensa ou premiação”.

 

Escreveu incansavelmente sobre a imoralidade. Achava absurdo que pudéssemos saber

o

que é bom e o que é mau. Considerava o cristianismo a religião dos fracos e sua

FRIEDRICH NIETZSCHE (1844 – 1900)

moralidade, dos escravos. Defendia a existência do super-homem, livre de convenções do bem e do mal. Mas criativo. Ele foi também filósofo dos nazistas, defendeu que “Aos opressores pertence o mundo”. As conseqüências dessa antiética e corrupção dos

costumes resultaram na destruição da sociedade durante a 2ª guerra mundial. A sociedade que não observa um código de ética e tolera a corrupção fatalmente desmorona.

JEAN PAUL SARTRE (1905 – 1980)

Sua tentativa foi a de inculcar nos homens um novo humanismo, sem Deus. A humanidade pode decidir livremente. A liberdade é a única fonte de valor. Cada um deve criar livremente suas normas de comportamento. Criou o existencialismo, que durou por 15 a 20 anos e foi superado pelo estruturalismo e pelo pós-modernismo.

Fonte: Quadro elaborado pela Profª Ms.Andréa Baggio Amaral, baseado em STUKART (2003).

2.5. DESENVOLVIMENTO DA ÉTICA EMPRESARIAL

A ética empresarial teve sua evolução com o próprio desenvolvimento econômico e só começou a ganhar maior relevância na segunda metade do século XX. Inicialmente, na sociedade primitiva a ética era limitada, hoje a ética nas empresas é agir de conformidade com os princípios morais e as regras do bem pela coletividade. O agir com ética dentro das organizações passou a ser a chave do

negócio, garantia de lucro e respeito entre os colaboradores e, acima de tudo, credibilidade perante seus clientes. As empresas que agem de maneira antiética podem comprometer consideravelmente seu desempenho e, ainda, incorrem de custos maiores, do que aquelas que adotaram condutas éticas. Além de custos maiores, a falta de ética nas organizações ainda causa:

Falta de confiança;

Falta de credibilidade;

Falta de estímulos;

Falta de comprometimento;

Falta de trabalho em equipe.

Segundo Moreira (2002, p.31), “Os procedimentos éticos facilitam e solidificam os laços de parceria empresarial, quer com clientes, quer com fornecedores, quer, ainda, com sócios efetivos ou potenciais”. Podemos nesse caso citar como exemplo uma empresa muito conceituada no

ramo de perfumaria e cosmético, que além de tratar com respeito seus funcionários

e clientes, investe na preservação do meio ambiente. Neste mesmo intuito está uma empresa no ramo de computadores, também muito conceituada e respeitada, que faz doações de seus computadores em escolas públicas. Essas são algumas das inúmeras empresas que ajudam a sociedade e a humanidade praticando, com isso,

a ética empresarial. Nos dias atuais, a ética empresarial vem assumindo crescente importância,

pois fortalece a imagem da empresa perante seus clientes, acionistas, fornecedores

e toda a comunidade. Além disso, a empresa que age com ética tem um ambiente de trabalho mais agradável e mantém seus funcionários mais satisfeitos.

2.6.

ÉTICA E MORAL NA POLÍTICA

Primeiro vamos entender de uma forma simplificada o que é política. Falar de política não é difícil, mas difícil é dar uma resposta clara e objetiva sobre ela, devido ser muito abrangente. Segundo Vázquez (2008, p.93)

A atividade política implica, também, participação consciente e organizada de amplos setores da sociedade; disto decorre a existência de projetos e programas que fixam os objetivos mediatos e imediatos, bem como os meios ou métodos para realizá-los. Desta maneira, sem excluir que ocorram também atos espontâneos dos indivíduos ou dos grupos sociais, a política é uma forma de atividade prática, organizada e consciente.

Para entender mais sobre a política vamos buscar um pouco no passado suas definições. O termo política é derivado do grego refere-se a todos os procedimentos relativos a polis, ou a Cidade-Estado, referindo tanto à sociedade, comunidade e definições que se referem à vida humana. Segundo Vázquez (2008, p.94), “Política e Moral são formas de comportamento que não podem identificar-se. Nem a política pode absorver a moral, nem esta pode ser reduzida a política. A moral possui um âmbito especifico no qual a política não pode interferir”. A política tem campos específicos maiores, que não se limitam pela moral, pelo contrário, algumas vezes a política pode ser até imoral. É válido acreditar que a política e muitos políticos são éticos cumprindo com seus deveres e obrigações, mantendo a sociedade organizada e o bem social da população.

2.7. ÉTICA E MORAL NA RELIGIÃO

Pois bem, como demonstra a própria história da humanidade, a moral não somente se originada religião, mas também é anterior a ela. Durante milênios, o homem primitivo viveu sem religião, mas não sem certas normas consuetudinárias que regulamentavam as relações entre os indivíduos e a comunidade e, ainda que em forma embrionária, já tinham caráter moral. (VÁZQUEZ, 2008, p.91).

A religião é uma das mais antigas instituições humanas. Tempos atrás já existiam as práticas religiosas, nos seus costumes, hábitos, tradições de cada

cultura. Mas como citado em Vázquez (2008), a religião não teve tanta influência na ética e moral, já que ela existia antes mesmo de qualquer religião. Segundo Lisboa (2009, p.131), “Para ser ético, pois, é necessário ter algum tipo de fé. Isso não significa que se deve, necessariamente, possuir fé religiosa, mas que se deve acreditar em algum valor intangível, de alto significado moral, como bondade, caridade, sinceridade, honestidade”.

A religião também é uma forma de instrumento de conformismo, apegamo-

nos a ela para enfrentarmos dificuldades proporcionadas ao longo da vida, não deixando nos enfraquecer. Em uma sociedade onde existem várias religiões e vários pontos de vista, é difícil vincular a ética exclusivamente à religião.

A religião envolve emoções, que são essenciais na vida humana quanto o

intelecto e a capacidade de pensar. Com isso podemos citar alguns religiosos e suas

contribuições na ética e moral religiosa:

QUADRO 3 - ÉTICA E RELIGIÃO

   

Código de Ética

Religiões

 

Crenças e Valores

( Mandamentos)

HINDUÍSMO

 

Os Vedas, livros sagrados, ensinam que toda existência é o sofrimento e conforme nossa atitude, pelo ciclo do renascimento, podemos facilmente alcançar o Brahma. Para isso precisamos de pureza, autocontrole, serenidade, não violência, misericórdia e ascetismo. Os dez mandamentos de Manu, autor de Vedas, são: 1º Força da alma, 2º

paciência, 3º autocontrole, 4º respeito pela propriedade alheia, 5º pureza, 6º domínio dos sentidos, 7º inteligência compreensivo, 8º sabedoria, 9º verdade, 10º controle da raiva.

Originou-se aproximadamente em 1500 a.C. Não há dogmas nem fundador.

Acredita em Brahma, principio absoluto e único, lei que rege o mundo, Shiva e Vishnu, a trindade hindu.

BUDISMO

A

vida é sofrimento, a causa do

Buda deixou cinco mandamentos: 1º não mate nenhum ser vivo, 2º não pegue o que não lhe

sofrimento é o desejo, a eliminação

Fundado por Siddhart Gautama, o Buda ( o iluminado ), por volta do ano 500 a.C., e é uma religião sem Deus.

do

desejo acaba com o sofrimento

deram, 3º não minta, 4º não tome bebidas que

e

assim a pessoa alcança o

embriagam e 5º seja casto.

Nirvana, libertando-se do ciclo perpétuo do nascimento, sofrimento, morte e renascimento.

 

Bem diferente do politeísmo reinante na época. Enquanto os gregos tinham uma moral naturalista, o Antigo Testamento não se identificava com a natureza, mas com o que Deus ordenava. A unicidade de Deus reflete-se no homem, que deve viver de acordo com os mandamentos Dele.

Os mandamentos são a base ética:

MOSAÍSMO

( conforme Êxodo 20:3-17)

Fundado por Moisés no ano 1200 a.C., foi a primeira religião a adotar um Deus único.

1º Amar a Deus sobre todas as coisas; 2º Não falar seu santo nome em vão; 3º Guardar os dias santificados; 4º Honrar pai e mãe; 5º Não matar; 6º Não cometer adultérios; 7º Não furtar; 8º Não levantar falso testemunho; 9º Não desejar a mulher do próximo; 10º Não cobiçar as coisas alheias.

 

Todos são iguais perante Deus.

Os mandamentos são os mesmos do Mosaísmo, dando ênfase a dois: 1º Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu

CRISTIANISMO

Escravos e ignorantes vão alcançar a justiça num mundo sobrenatural.

A

felicidade suprema e o êxtase

coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força; 2º Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Teve início com Jesus Cristo e deu origem ao nosso calendário.

místico, só podem ser alcançados no outro mundo. Sem o cumprimento dos dez mandamentos não há salvação.

ISLAMISMO

Os cinco deveres básicos dos muçulmanos são: preces, abluções, esmola; jejum no Ramadã e peregrinação a Meca uma vez na vida.

Baseia-se nos dez mandamentos do Cristianismo, todavia permite até quatro esposas, e ao ladrão corta-se o braço.

Fundado por Maomé, o profeta, no ano 600 de nossa era. Pregando um único deus, Alá.

Fonte: Quadro elaborado pela Profª Ms.Andréa Baggio Amaral, baseado em STUKART (2003).

Como nota-se no quadro, que mesmo com diversos “Deus”, toda religião segue mandamentos básicos, com princípios voltados para o bem individual e coletivo.

2.8. PORQUE SER ÉTICO

Ao falarmos sobre ética estamos falando sobre as normas que norteiam o comportamento humano, o comportamento dos indivíduos de uma sociedade, e até mesmo o comportamento dos membros de uma organização. Toda organização é uma entidade que produz um bem e/ou um serviço, para a obtenção de lucro. Segundo Moreira (2002, p.31), o comportamento ético é “a única forma de obtenção de lucro com respaldo da moral”. Mediante a isso, o agir com ética dentro das organizações, nada mais é do

que buscar manter a reputação de integridade, honestidade e lealdade em suas atividades desenvolvidas, seja com seus funcionários, clientes, fornecedores e/ou concorrentes. Sendo assim, a ética empresarial passou a ser exigida pela sociedade, que passou a observar as condutas e os comportamentos empresariais. Algumas questões básicas como:

Cumprir seus compromissos e/ou acordos;

Ser competente no que faz;

Se comprometer com seus funcionários;

Ser comprometido com a sociedade;

Respeitar o meio ambiente entre outros.

Estas são questões importantes para manter a ética empresarial e que fazem toda a diferença, na hora do cliente optar por um determinado produto e/ou serviço. Além do mais, empresas que agem de maneira ética e legal adquirem vantagem perante as outras, pois conseguem manter seus funcionários, aumentam suas vendas, fidelizam seus clientes e reduzem custos. Uma organização deve ter claramente definido no seu código de ética, seus propósitos e critérios éticos. Keneth Blanchard apud Stukart (2003, p.73) “cita 5 pontos para o poder ético

numa empresa (5pês): Propósito, pundonor (brio, decoro), paciência, persistência e perspectiva.

2.9. SUBORNO

Segundo o dicionário Michaelis, “suborno é um delito de funcionário, que, no exercício de suas funções ou em razão delas, recebe recompensa ou vantagens para omitir-se na prática de seus deveres funcionais, com prejuízo de terceiros”. Stukart (2003, p.102) define suborno como sendo:

O suborno (crimen repetundarum) é um ato delituoso de quem, no exercício da função ou em razão dela, exige ou aceita qualquer vantagem ou recompensa para faltar ao cumprimento do seu dever, praticando ou se obstendo de praticar certo ato, em prejuízo de terceiros.

Dessa forma, a empresa deve impedir quaisquer manifestações de suborno, entre seus funcionários, clientes e fornecedores, assim como a proibição de oferta e recebimento de brindes, presentes entre outros. A pessoa subornada se sente mais valorizada e orgulhosa por aquilo que está recebendo, muitas vezes recebe mais do que as empresas possam lhe oferecer. Tornando com isso um círculo vicioso. Mas, quando o suborno é descoberto, a pessoa subornada se sente envergonhada, o medo e o remorso passam a fazer parte de seu cotidiano. E a empresa deve agir tomando uma atitude em relação a tal ato. Contudo, essa proibição e conduta por parte da empresa perante um suborno, devem estar claramente definidas em seu condigo de ética. mo com a sociedade e seus ve a falta de ética e respeito para

2.10. CÓDIGO DE ÉTICA

Os primeiros códigos de ética começaram a ser implantados pelas empresas brasileiras a partir dos anos 1970, e passaram a ser a forma que as empresas encontraram de formalizar suas decisões para assim poder segui-las. Segundo Lisboa (2009, p.59) “o código de ética varia de organização para organização. Ele difere quanto conteúdo, extensão e formato”, além disso, uma das características importantes do código de ética é que ele é um instrumento da

realização da empresa com base em seus princípios de missão, visão e valores. Dessa forma, o código de ética tem, cada vez mais, se tornado essencial para uma organização, que busca agir de maneira ética. Segundo Moreira (2002, p.33), “O Código de Ética, quando adotado, implantado de forma correta e regularmente obedecido, pode constituir uma prova legal da determinação da administração da empresa, de seguir os preceitos nele refletidos”. As empresas precisam ter a consciência que ao implantar o código de ética, todos os membros da organização, partindo dos administradores até o mais novo funcionário precisam segui-lo, adotando, assim, posturas de condutas éticas e seguindo os procedimentos nele estabelecidos. Uma das vantagens de sua implantação é o fortalecimento da imagem da empresa, a integração entre colaboradores e gerentes, estimulação do comprometimento de todos os membros da organização, a solução de conflitos entre outros. O objetivo do código de ética é expressar um entendimento sobre as condutas da empresa, frente as seus relacionamentos e negócios e dessa forma coibir os atos antiéticos. Deve haver, também, coerência entre os princípios do código de ética e as ações da empresa, pois de nada adianta formalizar o código de ética através de um relatório e guardá-lo na gaveta sem que suas ações estabelecidas não sejam praticadas. A organização deve ter como compromisso fazer valer os princípios estabelecidos em práticas concretas em seu cotidiano empresarial, profissional e social.

2.11. PORQUE IMPLANTAR UM CÓDIGO DE ÉTICA

Para a implantação de um código de ética as empresas precisam, primeiramente, saber identificar e definir os princípios que irá adotar. Só após passar a formalizá-los em relatórios. Para o código de ética ser implantado, precisa haver o envolvimento de toda organização. E deve ser reconhecido pelos membros da organização como expressão de cultura e não uma imposição. As habilidades e competências específicas para ter um programa de ética na empresa, são:

Envolvimento de todos colaboradores no processo;

Manter condições favoráveis para a prática desde o início do processo;

Confiar e apoiar os colaboradores no caso de dilemas éticos;

Ser coerente em situações de adversidade;

Aceitar os colaboradores com suas virtudes, características e seus pontos fracos. Desta forma, o relatório do código de ética empresarial servirá de parâmetro para os comportamentos éticos de todos os envolvidos. Com isso, a implantação do código de ética servirá como um horizonte para a empresa, pois através dele será possível a busca pela realização de seus princípios de visão, missão e valor. Segundo Whitaker (2006), as empresas implantam códigos de ética por ser um documento com a finalidade de:

Fornecer critérios ou diretrizes para que as pessoas se sintam seguras ao adotarem formas éticas de se conduzir.

Garantir homogeneidade na forma de encaminhar questões específicas.

Aumentar a integração entre os funcionários da empresa.

Favorecer ótimo ambiente de trabalho que desencadeia a boa qualidade da produção, alto rendimento e, por via de consequência, ampliação dos negócios e maior lucro.

Criar nos colaboradores maior sensibilidade que lhes permita procurar o bem- estar dos clientes e fornecedores e, em consequência, sua satisfação.

Estimular o comprometimento de todos os envolvidos na elaboração do documento.

Proteger interesses públicos e de profissionais que contribuem para a organização.

Facilitar o desenvolvimento da competitividade saudável entre concorrentes.

Consolidar a lealdade e a fidelidade do cliente.

Atrair clientes, fornecedores, colaboradores e parceiros que se conduzem dentro de elevados padrões éticos.

Agregar valor e fortalecer a imagem da empresa.

Garantir a sustentabilidade da empresa.

O código de ética, além de ser um documento com as finalidades apresentadas, ainda pode ajudar a organização nas soluções de questões corriqueiras antes que se tornem grandes problemas organizacionais, mas desde que sejam elaborados e implantados corretamente.

CAPÍTULO III – METODOLOGIA

3.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Define-se metodologia como o tipo de processo adotado para a elaboração e um maior aprofundamento sobre determinado assunto, procurando sempre de forma clara e objetiva solucionar os problemas mencionados no assunto e, também, alcançar os objetivos estipulados nesse assunto em destaque. Através desta pesquisa percebemos, de acordo com Gil (1991), “[ ] controvérsias entre diferentes autores, identificar abordagens teóricas relevantes para o estudo do fenômeno e também, optar por uma abordagem teórica capaz de fundamentar o trabalho” (p.63). Segundo Marconi e Lakatos (2000, p.253), “O método consiste em uma série de regras com a finalidade de resolver determinado problema ou explicar um fato por meio de hipóteses ou teorias que devem ser testadas experimentalmente e podem ser comprovadas ou não”. Assim sendo, nosso trabalho foi realizado através de uma pesquisa bibliográfica, desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente por livros e alguns sites pesquisados relacionados ao tema – a Ética. Em seguida, foi aplicado um questionário referente ao tema abordado, que foi respondido pelos gerentes e colaboradores da empresa estudada. Dessa forma, com os dados coletados será possível fazer uma comparação entre as respostas e também com os autores, que tratam do tema estudado.

3.2. PROCEDIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DADOS

Para a obtenção de dados para a realização deste trabalho, foi aplicado, na empresa alvo em agosto de 2010, um questionário com 9 perguntas respondido pelos dois gerentes, sendo um gerente administrativo e um gerente geral e 12 perguntas respondidas pelos quinze colaboradores. O questionário foi realizado com base no tema em estudo. Os resultados obtidos foram demonstrados através de gráficos percentuais e analisados.

CAPÍTULO IV – APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ALVO

4.1. EMPRESA ALVO

A empresa a ser estudada é do ramo bancário privado. Ela não será

divulgada devido o compromisso assumido com esta empresa e, também, devido o estudo do presente trabalho ser ética. A empresa estudada é um banco nacional que possui diversas agências em todo o Brasil. Especificamente iremos ressaltar a agência localizada no município de Capivari-SP.

4.2. HISTÓRICO

A empresa bancária abordada no estudo de caso foi criada em 1943, na

cidade de Marília. Sua estratégia era atrair os pequenos comerciantes, funcionários públicos e pessoas de posses modestas. Em 1946, a matriz é transferida para a capital paulista. Já em 1951 torna-se o maior Banco Privado do Brasil, e em 1956 é criada a sua fundação para levar a educação para as crianças e jovens carentes. Em 1962 foi o primeiro banco a implantar o computador nas agências, e já engaja outra inovação em 1968, criando o cartão de crédito. E com a época do milagre econômico brasileiro, o país em alta econômica o banco em estudo inaugura diversas agências. Buscando sempre inovar e atender melhor seus clientes, a agência lança em 1980 uma empresa de seguros, com negócios no segmento de previdência privada, capitalização. Populariza também o cartão magnético, auto-atendimento e o TeleComércio, e em 1986 o serviço de telesaldo, hoje é o Fone Fácil.

O Banco estudado é uma pioneira em inovações do setor bancário, desde

1990 as agências são sistemas on-line, com diversas máquinas automáticas que emitem cheques, fazem saques, depósitos a partir da leitura das mãos. Como um dos maiores bancos privados do Brasil, sempre se mantendo a frente do mercado de varejo. Hoje esta entre os líderes em diferentes segmentos, como Corporate, Private e no atendimento de micro, pequenas e medias empresas.

4.3.

MISSÃO E VISÃO

A organização alvo tem como missão fornecer soluções, produtos, serviços

financeiros e de seguros com agilidade e competência, contribuindo também para desenvolvimento sustentável, construindo um relacionamento duradouro para a criação de valor aos acionistas e a toda sociedade. Ele declara seu compromisso com a satisfação do cliente, com a eficiência empresarial e com a qualidade de seus

produtos e serviços.

O banco alvo busca sempre adotar as melhores práticas, uma forte política de

divulgação de informações na procura de transparência no trabalho que se executa, inclui um trabalho de segmentação do público, visando oferecer o atendimento adequado a cada cliente, é sempre aberto a estudar oportunidades, para se manter líder no mercado.

4.4. PRINCÍPIOS

Todos os Colaboradores desta Organização devem seguir os padrões éticos pelos quais são incentivados e responsabilizados, zelando para que toda a forma de relacionamento enalteça a dignidade, a lealdade e assegure transparência. A partir disso ressaltemos alguns desses princípios abaixo:

1. Cliente como razão da existência da Organização.

2. Transparência em todos os relacionamentos internos e externos.

3. Respeito à concorrência.

4. Crença no valor e na capacidade de desenvolvimento das pessoas.

5. Respeito à dignidade e diversidade do ser humano.

6. Responsabilidade socioambiental, com promoção e incentivo de ações para o desenvolvimento sustentável.

7. Compromisso com a melhoria contínua da qualidade do atendimento, de produtos e de serviços.

Para a organização a integridade significa a qualidade no atendimento, cujo reflexo é a imagem de honestidade, onde também há o respeito integral às leis do

país e às normas que regem as atividades de nosso setor. O princípio da organização é possuir uma conduta ética em relação ao cliente e a empresa, pois uma empresa com credibilidade é um grande diferencial num mercado competitivo, com isso tem o dever de identificar as necessidades dos clientes, para poder satisfazê-los, em consonância com os objetivos de segurança, qualidade e rentabilidade, usando, além da cortesia e presteza.

4.5. PRINCIPAIS PRODUTOS E SERVIÇOS

O Banco estudado vem buscando investir sempre em qualidade e excelência

no atendimento, colocando a disposição de seus clientes uma variedade de produtos e serviços, são eles:

Arrecadações Auto-atendimento

Net Express Net Empresa Internet Banking

Atendimento para sugestões e reclamações

BDN - Banco Dia e Noite

Internet para Deficientes Visuais

Título de Capitalização

Cartão de Débito

Cartão de Crédito

Cartão Salário

Cartão Funcionário Viajante

Cartão Vale Pedágio

Cobrança

Conta Corrente

Conta Poupança

CTF - Controle de Telefrotas

Fax Fácil

Empréstimos e Financiamentos

Folha de Pagamento

Fone Fácil

Investimentos Infocelular

Infomail

Ordem de Pagamentos

Vida e Previdência

Remessa de Recolhimento de Numerário

Seguros de Vida

Seguro Automóvel

Shopfácil

Shopinvest

Talão de Cheques

Visa Electron

Débito Automático

4.6. RELAÇÃO COM O CLIENTE

A empresa tem um código de ética para conhecimento de seus colaboradores, que iremos fazer um breve relato, pois por questões de ética não iremos anexá-lo para preservar a identidade da mesma. Na organização estudada há um Código de Conduta Ética que é um Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, para ser utilizado por todos os colaboradores em suas interações e decisões diárias, tornando explícitos os princípios da Organização e firmando valores. A prática dessas orientações é decisiva para o êxito na condução das atividades da organização.

4.7. SUSTENTABILIDADE

A empresa alvo está voltada para pessoas que se importam e se mobilizam em salvar o mundo, e por consequência trás a redução do aquecimento global. A agência listou uma série de iniciativas socioambientais, tais como: linhas de

capital de giro ambiental e florestal; leasing ambiental; inclusão de critérios

socioambientais na seleção de fornecedores, entre outros diversos financiamentos de projetos já existentes voltados no melhoramento do meio ambiente.

A Fundação Amazonas Sustentáveis, tem a empresa estudada como uma

das mantedoras cujo, principal objetivo é preservar uma área de 17 milhões de hectares de floresta no estado do Amazonas, envolvendo também inicialmente 4 mil famílias. Com essas novas iniciativas, o banco terá aportes obtidos com a venda de novos produtos como: cartões de crédito, títulos de capitalização, fundo de investimentos, seguros e planos de previdência privada que poderão utilizar o nome da fundação. Por fim, o banco acredita que aliar sustentabilidade à sua missão é um fator de alavancagem de negócios e, compatível com as metas econômico-financeiras.

4.8. RESPONSABILIDADE SOCIAL

A Responsabilidade Social da empresa estudada existe desde 1956, criada

para desfazer o rótulo de “vilão” atribuído às empresas do sistema financeiro, e também o mito que essas empresas carregam que só se faz a responsabilidade social para se promover, sendo uma boa oportunidade de marketing. Mas para a empresa estudada, a responsabilidade social é um vínculo com a cultura, a origem e identidade, firmando a convicção de que a educação esta na origem da igualdade de

oportunidades e da realização pessoal e coletiva. Com isso criou a Instituição que leva o nome da organização alvo, onde proporciona a formação educacional de crianças, jovens e adultos menos favorecidos economicamente.

A Fundação oferece Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio,

Educação Profissionalizante em níveis Básicos e Técnicos, Inclusão Digital, Capacitação para Portadores de Deficiências, entre outros. É válido salientar que muitos destes jovens estudantes são aproveitados para o quadro de funcionários da agência, fazendo assim uma brilhante carreira.

A empresa estudada ressalta a importância de que os investidores sociais

tenham clareza do que deseja, e que cobrem e acompanhem seus resultados para que não tenha desperdícios de esforços, esvaziamento da pratica da responsabilidade social, como um “modismo”.

CAPÍTULO V – ESTUDO DE CASO

5.1. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS DADOS

Neste capítulo descreveremos os resultados obtidos através da aplicação de dois questionários na empresa estudada. Sendo que um questionário foi destinado aos gerentes e o outro aos colaboradores da empresa estudada, como o objetivo de conhecer a postura dos gerentes e colaboradores sobre o tema abordado – Ética.

5.2. PERGUNTAS RESPONDIDAS PELOS GERENTES

1 – Qual é a sua idade?

Os gerentes da empresa estudada encontram-se na faixa etária de 36 a 45 anos.

2 – Qual seu grau de instrução?

50% possuem ensino superior completo e 50% mestrado.

3 – Há quanto tempo você trabalha na empresa?

50% responderam que trabalha de 6 a 10 anos e 50% de 11 a 15 anos.

4 – Há quanto tempo você exerce a função de gerente na empresa?

50% exerce a função de gerente entre 11 a 15 anos e 50% entre 1 a 5 anos.

5 - Você conhece o Código de Conduta Ética da empresa?

Os entrevistados responderam que conhecem o código de conduta ética, o que vem a ser muito importante para a empresa, pois esse é o primeiro passo para que todos

da empresa possam igualmente conhecer o código de conduta ética.

6 - Você concorda com as regras do Código de Conduta Ética?

Todos responderam que sim.

7- Você julga importante a empresa ter um Código de Conduta Ética?

Todos julgam importante para a empresa ter um Código de Conduta Ética.

8- Você segue as regras do Código de Conduta Ética?

Todos os entrevistados afirmaram seguir o Código de Conduta Ética da empresa.

9- Você acredita que através do código de conduta ética a empresa terá mais sucesso?

Todos os entrevistados responderam que sim.

5.3. PERGUNTAS RESPONDIDAS PELOS COLABORADORES

A

seguir,

apresentaremos

os

gráficos

demonstrando

as

respostas

que

obtivemos

com

a

aplicação

do

questionário

aos

colaboradores

da

empresa

estudada.

1- Qual é a sua idade?

20% 40%
20%
40%
20% 40% 18 a 25 anos 26 a 35 anos 36 a 45 anos 40%

18 a 25 anos

20% 40% 18 a 25 anos 26 a 35 anos 36 a 45 anos 40%

26 a 35 anos

20% 40% 18 a 25 anos 26 a 35 anos 36 a 45 anos 40%

36 a 45 anos

40%

Gráfico 1 - Faixa etária. Fonte: Dados da pesquisa

Como podemos visualizar no gráfico 1, muitos jovens fazem parte do quadro de funcionários desta empresa, representando 40 % entre 18 a 25 anos, 40% entre 26 a 35 anos, os demais somam 20% entre 36 a 45 anos.

2- Qual é o seu grau de instrução?

13%

19% 68% Cursando o superior Superior completo Superior incompleto
19%
68%
Cursando o superior
Superior completo
Superior incompleto

Gráfico 2 – Grau de instrução.

Fonte: Dados da pesquisa

O grau de instrução dos colaboradores da empresa alvo corresponde a 68% de colaboradores cursando o ensino superior, e 19% já concluiu alguma faculdade e apenas 13% não tem o ensino superior completo.

3- Há quanto tempo você trabalha na empresa?

6% 6% 19%
6%
6%
19%
6% 6% 19% 1 a 5 anos 6 a 10 anos 16 a 20 anos 69%

1 a 5 anos

6% 6% 19% 1 a 5 anos 6 a 10 anos 16 a 20 anos 69%

6 a 10 anos

6% 6% 19% 1 a 5 anos 6 a 10 anos 16 a 20 anos 69%

16 a 20 anos

6% 6% 19% 1 a 5 anos 6 a 10 anos 16 a 20 anos 69%

69%

acima de 20 anos

Gráfico 3 – Tempo na empresa. Fonte: Dados da pesquisa

Ao realizar essa pesquisa, obtivemos um resultado que 69% dos colaboradores trabalham na empresa entre 1 a 5 anos, 19% trabalha entre 6 a 10 anos e apenas 6% trabalha entre 16 a 20 anos.

4 – A empresa possui código de conduta ética?

Todos responderam que sim, isso demonstra que a empresa tem um compromisso de que seus funcionários tenham conhecimento da mesma.

5 – Você conhece o código de conduta ética da empresa?

100% dos seus colaboradores conhecem, assim fica mais fácil o cumprimento da

ética no seu dia-a-dia.

6 – A empresa fornece ou já forneceu treinamento sobre o código de conduta ética?

13% 6%
13%
6%
13% 6% Sim Não 81% Desconhece

Sim

13% 6% Sim Não 81% Desconhece

Não

13% 6% Sim Não 81% Desconhece

81%

Desconhece

Gráfico 4 - Treinamento sobre código de conduta ética. Fonte: Dados da pesquisa

81% já realizaram esse treinamento, 13% não realizaram e 6% não sabem sobre o treinamento, portanto a maioria já realizou esse treinamento.

7 – Você concorda com as regras do código de conduta ética?

Todos colaboradores concordaram com as regras do Código de Ética.

8 – Você julga importante a empresa ter um código de conduta ética?

100% concordam que uma empresa deve ter um Código de Conduta Ética.

9 – Você segue as regras do código de conduta ética?

Todos os entrevistados responderam que seguem as regras do código de conduta ética da empresa, isso demonstra que todos tem a consciência da importância de se

ter e manter uma conduta ética empresarial

10 – Você já presenciou atitudes antiéticas?

69%

69% 31% Sim Não

31%

69% 31% Sim Não

Sim

69% 31% Sim Não

Não

Gráfico 5 – Presença de atitudes antiéticas. Fonte: Dados da pesquisa

Dos entrevistados, 69 % responderam que não vivenciaram atitudes antiéticas na empresa e 31% responderam que sim, afirmando já terem presenciado atitudes antiéticas dentro da empresa.

11 – Na sua empresa é possível denunciar práticas antiéticas?

Todos os entrevistados responderam que é possível denunciar as praticas antiéticas presenciadas dentro da empresa.

12 – Você acredita que através do código de conduta ética a empresa terá mais

sucesso?

Todos os entrevistados responderam que acreditam que através do código de conduta ética a empresa terá mais sucesso. Isso demonstra que todos os membros envolvidos de uma organização, perceberam que o agir com ética dentro da empresa trará mais sucesso a organização como um todo. E fará com que a mesma

adquira um diferencial perante as outras.

CAPÍTULO VI – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Há muito tempo, as pessoas procuram incluir no ambiente de uma empresa um clima cordial e humanizado, repensar na ética atualmente é uma reflexão sobre um conjunto de valores que estão se perdendo em meio a uma sociedade individualista e intolerante, desta forma usar a ética em nossas ações requer pensamento, e reflexão continua sobre a nossa conduta.

Repensar na questão da ética dentro de uma empresa não se torna uma tarefa fácil, já que os envolvidos são pessoas e cada uma delas apresenta sua individualidade, uma especificidade, seus valores humanos que desde a infância trazem consigo. Por outro lado, conviver cordialmente sem ser ético torna-se superficial, e traz perturbações à moral do individuo. Apesar das pessoas reconhecerem a importância da ética no trabalho, ao mesmo tempo vivenciam inúmeras situações dentro das empresas de profissionais antiéticos se interagindo.

Há certo tempo a ética transformou-se em um conjunto de acordos entre as pessoas sobre questões com uma racionalidade razoável, não se leva em conta mais os princípios, por serem intangíveis num mundo onde o que mais vale é o que se tem, e muito pouco a conduta que se apresenta.

O resgate da ética deve preservar a moral, os bons princípios, as virtudes,

retomar regras, práticas, normas, e uma visão de mundo com um olhar voltado para

o bem, para o respeito mútuo, a boa convivência e o crescimento de uma cultura organizacional de caráter.

O presente trabalho pontua considerações importantes sobre a questão da

ética nas empresas, elucidando situações que envolvem ética e moral como um

diferencial de mercado. Desta forma, uma empresa que valoriza a ética e a moral entre seus funcionários, clientes e prestadores de serviço, mostra uma credibilidade

e confiança em seus diversos seguimentos de mercado. Zelar pela integridade ética da empresa torna os consumidores, em clientes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMARAL, Andréa Baggio. Quadro 1 - Filósofos gregos e suas contribuições. Apresentado em sala de aula. Capivari: Facecap, 2010;

AMARAL, Andréa Baggio. Quadro 2 - Filósofos modernos – a partir do século XVI. Apresentado em sala de aula. Capivari: Facecap, 2010;

AMARAL, Andréa Baggio. Quadro 3 – Ética e Religião. Apresentado em sala de aula. Capivari: Facecap, 2010;

DICIONÁRIO AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA FERREIRA. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1999;

DICIONÁRIO MICHAELIS, pequeno dicionário da língua portuguesa, São Paulo:

Companhia Melhoramento,1998.

GIL, Antonio Carlos – Como Elaborar Projetos de Pesquisa – 3º Edição. São Paulo - Editora Atlas – 1991;

LISBOA, Lázaro Plácido – Ética Geral e Profissional em Contabilidade – São Paulo - Editora Atlas S.A – 2009;

MARCONI, Mariana de A.; LAKATOS, Eva M Editora ATLAS S.A 2000;

Metodologia Cientifica. São Paulo:

MARQUES, Fânia Gonçalves dos Reis. Implicações da ética e responsabilidade social sobre o ambiente: um estudo de caso na industria textil, 2002. Faculdade Cenecista de Varginha;

MOREIRA, Joaquim Manhães – A ética empresarial no Brasil – São Paulo - Editora Pioneira Thomson Leatning, 2002;

STUKART, Herbert Lowe – Ética e Corrupção – Os benefícios da conduta ética na vida pessoal e empresarial – São Paulo - Editora Nobel – 2003;

VÁZQUEZ, Adolfo Sanchez – Ética – Rio de Janeiro - Editora Civilização Brasileira –

2008;

WHITAKER, Maria do Carmo, Por que as empresas estão implantando códigos de ética? 16/08/2006 - disponível no site http://www.idis.org.br consultado em 02/05/10;

http://www.bradesco.com.br/ , acessado em 03/06/10.

APÊNDICE

Apêndice 1 – Questionário Gerente

1- Qual é a sua idade?

(

) 18 à 25

(

) 26 à 35

(

) 36 à 45

(

) 46 à 55

(

) acima de 55

 

2-

Qual seu grau de instrução?

 
 

(

) Superior completo

(

) Mestrado

(

) Doutorado

 

3-

Há quanto tempo você trabalha na empresa?

 

(

) 1 a 5 anos

(

) 6 a 10 anos

(

) 11 a 15 anos

 

(

) 16 a 20 anos

(

)

acima de 20 anos

 

4-

Há quanto tempo você exerce a função de gerente na empresa?

 

(

) 1 a 5 anos

(

) 6 a 10 anos

(

) 11 a 15 anos

 

(

) 16 a 20 anos

(

)

acima de 20 anos

 

5-

Você conhece o Código de Conduta Ética da empresa?

(

) Sim

(

) Não

6-

Você concorda com as regras do Código de Conduta Ética?

(

) Sim

(

) Não

7-

Você julga importante a empresa ter um Código de Conduta Ética?

(

) Sim

(

) Não

8-

Você segue as regras do Código de Conduta Ética?

(

) Sim

(

) Não

9-

Você acredita que através do Código de Conduta Ética a empresa terá mais sucesso?

(

) Sim

(

) Não

Apêndice 2 – Questionário Colaborador

 

1-

Qual é a sua idade?

 

(

) 18 à 25

(

) 26 à 35

(

) 36 à 45

(

) 46 à 55

(

) acima de 55

2-

Qual é o seu grau de instrução?

 

(

) Cursando superior

(

) Superior completo

(

) Superior incompleto

3-

Há quanto tempo você trabalha na empresa?

(

) 1 a 5 anos

(

) 6 a 10 anos

 

(

) 11 a 15 anos

 

(

) 16 a 20 anos

(

) acima de 20 anos

 

4-

A empresa possui Código de Conduta Ética?

 

(

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

5-

Você conhece o Código de Conduta Ética da empresa?

 

(

) Sim

(

) Não

6-

A empresa fornece ou já forneceu treinamento sobre o Código de Conduta Ética?

(

) Sim

(

) Não

(

) Não sei

 

7-

Você concorda com as regras do Código de Conduta Ética?

 

(

) Sim

(

) Não

8-

Você julga importante a empresa ter um Código de Conduta Ética?

(

) Sim

(

) Não

9-

Você segue as regras do Código de Conduta Ética?

 

(

) Sim

(

) Não

10- Você já presenciou atitudes antiéticas?

(

) Sim

(

) Não

11- Na sua empresa é possível denunciar práticas antiéticas?

(

) Sim

(

) Não

12- Você acredita que através do Código de Conduta Ética a empresa terá mais sucesso?

(

) Sim

(

) Não