Sei sulla pagina 1di 3

Aula de FP 21.09.16

2016
2016

Continuação da Aula de 14.09.16

O pensamento socrático influenciou no surgimento de autores como Platão e Aristóteles.

Platão Filósofo grego fundador da escola académica e sofreu influência da comunidade dos hécenios, de Heráclito e de Sócrates. E a partir dessas influências Platão construiu a ideia do homem.

O Homem em Platão é essencialmente a sua alma, é na alma humana que encontramos três

dimensões: a Parte Racional responsável pelo pensamento e questionamento humano. A Parte irascível a parte pela qual o homem se ira. E a parte concupiscente parte dos sentimentos e paixões. No entanto em Platão, o corpo humano não faz parte da natureza humana visto que este filósofo valoriza o mundo das ideias, porque este intende que o corpo humano é uma miséria, prisão então a grandeza do homem está na alma, este pensamento deriva da influência que recebeu de Sócrates e dos hecénios.

Aristóteles (Sec IV A.C)

- O ponto de partida para a sua reflexão é o materialismo.

- Para este, o homem é uma entidade psicossomática, isto é, o homem é um ser que tem aspectos psicológicos mas tem aspectos materiais.

- O Homem tem é um Zoo-Logoi, isto é, é um animal racional.

Para Aristóteles a razão vista atingir 3 objectivos:

Contemplação A Partir desta, nascem as ciências teóricas (Física, Medicina e a Química);

Actividade Prática é o caso da ética e da política, isto é, a razão deve permitir o desenvolvimento da política e ao desenvolvimento da ética. O que quer dizer que o homem como um ser racional deve ser capaz de pensar com um animal político. O Homem como um ser racional deve ser capaz de ser uma animal da ethos (conduta) a partir da qual Kant construiu toda a sua Antropologia prática, onde define o homem como um ser da vontade, liberdade e ética.

Fabricação A partir daqui, o homem desenvolve questões da poesia e a estética As Questões do belo.

1
1

Aula de FP 21.09.16

2016
2016

Ainda em Aristóteles, a 3ª característica do homem é a ideia de que o homem é um animal político isto é o homem nasceu para viver na polis, isto é, o que não é da polis é Deus ou outra coisa que qualquer coisa mas não é homem.

A 4ª característica do homem é a questão do homem ser um ser das paixões e sentimentos.

Desta forma, em Aristóteles se um ser possui essas características é Homem.

Entre o Séc. III a.C. e o Séc. I da nossa era

A Grécia vive um período de crises e foram caracterizados pelo nascimento da filosofia helenística e não filosofia helénica.

A filosofia helenística é a filosofia dos epicuristas e dos estóicos. Para perceber é importante

remontar a Péricles, isto é, após a morte deste filósofo. Do ponto de vista social, houve desespero dos gregos então a polis deixou de ter valor e por consequência uns procuraram sair para outras partes do mundo, outros procuraram entrar/formar escolas de pensamento nomeadamente a escola de estóica epicurista e a escola céptica. Estas escolas surgiram para salvar, dar auto-estima ao cidadão grego que achava que não era possível viver fora das cidades-Estado gregas. Estas escolas afirmavam que o cidadão era capaz de viver fora das cidades-Estado grega, a única coisa que deviam fazer era buscar a tranquilidade da sua alma (Aquilo que dá prazer). Estas escolas enquadram-se nas ideias das

Teorias Anarquistas, visto que estes afirmam que que não há Estado, e o cidadão pode viver sem o Estado, basta que procure a paz da sua alma e isso só será possível se o homem fizer tudo o que dá prazer.

Para os Estóicos (que também tinham a mesma finalidade salvar os gregos, esta escola sofre influência dos sofistas e da medicina tradicional de Hipócrates). A partir destas

influências eles idealizaram que é o homem. Para estes, o homem é um ser sábio e desenvolver as suas habilidades de sabedoria, isto é, a sabedoria é aquela que é capaz de orientar o seu agir. A racionalidade humana como sabedoria é aquela que é capaz de desenvolver actividade operante, isto é criar e desenvolver as coisas. E a partir dessas habilidades de operar, o homem é capaz de viver.

A racionalidade também permite autarquia, isto é, o homem viver sobre o seu próprio poder,

mas aquilo que da a sua autonomia e a sua racionalidade.

2
2

Aula de FP 21.09.16

2016
2016

Desta forma todo o ser racional é autárquico, porque é capaz de elaborar suas próprias leis, agir de acordo com a sua própria consciência então a solução dos problemas está em ti. Hipócrates defende que em termos de constituição física os homens são iguais. A partir daqui constitui-se a ideia da universalidade, isto é, O homem é um ser universal e por isso é igual aos outros e por isso é cosmopolita (O homem é um ser do cosmo isto significa que as diferenças são contingenciais). Esta ideia de universalismo permitiu o surgimento do jusnaturalismo, isto é, direito natural. Com esta explanação termina a idade clássica e começa a época medieval.

Filosofia Medieval Séc. V depois de Cristo

A Filosofia Patrística é aquela que foi criada pelos padres da igreja (Santo Agostinho; Elemento de Alexandria). A patrística é a doutrina filosófica apologista da defesa da igreja pelos primeiros padres da igreja.

Nesta época toda a doutrina é passada por via de exemplos, mais concretamente, tudo gira em torno da vida do Padre, tudo é uma questão de seguir o padre, por exemplo: se ele acorda as 9H os seus seguidores o farão. Os principais precursores são: Santo Agostinho, Origines, Clemente e os principais temas eram Ressurreição de Jesus Cristo; a vida após a morte; sacramento.

Na visão patrística de Sto Agostinho que é o homem? É importante notar que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, o homem é um ser Errante (aquele que caminha, está de passagem) dentro de um quadro do projecto de Salvação de Deus (Ceterologia) por isso o homem nasce de Deus e Volta a Deus.

Escolástica

Esta filosofia é representada por autores como Tomás de Aquino, Sto Anselmo, Magno, etc. todos estes tem bases na filosofia de Aristóteles. Reconheciam que o homem é um ser racional, mas também um animal político.

3
3