Sei sulla pagina 1di 24

Introdução

Introdução Pela honra de Maioral de Todos os Infernos temos a satisfação de publicar um projeto
Introdução Pela honra de Maioral de Todos os Infernos temos a satisfação de publicar um projeto
Introdução Pela honra de Maioral de Todos os Infernos temos a satisfação de publicar um projeto

Pela honra de Maioral de Todos os Infernos temos a satisfação de publicar um projeto de tamanha responsabilidade. Foram dias difíceis, muito estudo e dedicação até alcançarmos a plenitude inserida em cada palavra de Exu. Nesse lapso, amigos-irmãos dedicados ao Combate contra as forças inertes do Sistema se

apresentaram e exteriorizaram seus dons. São pessoas que através das Asas negras de Exu Morcego, estabeleceram uma união e uma irmandade que transcende

a presença física. Apresentaremos os responsáveis pelo projeto através de uma

pequena ficha técnica e deixaremos seus links de trabalho para que os leitores

tenham boas referencias.

Dentro do trabalho do T.Q.M.B.E.P.N destacamos o trabalho gráfico de Francisco Facchiolo Lima. Além de adepto da Quimbanda Brasileira e outras formas de Magia Obscura por muitos anos, é um exímio designer profissional. Confiram parte de seus trabalhos em: valardesign.carbonmade.com

Bruno Neves Oliveira, estudante do T.Q.M.B.E.P.N, poeta e geólogo. Nesse projeto dedicou-se a tradução e correção dos textos.

Edgar Kerval, Colômbia - América do Sul. Mestre em diversas Artes Ocultas, escritor, músico e artista. Em sua jornada, apresenta um refinado dom de captar as forças Qliphoticas e produzir meios para expandir a mente de muitos adeptos.

Suas evocações, invocações, práticas de magia sexual, pinturas advindas de visões

e composições musicais ritualísticas visam a criação de vórtices mágicos a fim de

promover a expansão da consciência. Autor de diversas obras esotéricas, destaca-se “As Máscaras dos Deuses Vermelhos” (Aeon Sophia Press), onde o autor derrama luz sobre teorias e práticas com deidades africanas e brasileiras incluindo Exu e Pombagira. Além disso temos as publicações do Qliphoth Jornal e Sabbatica, ambos pela editora Nephilim Press. Atualmente sua parceria está com a editora Transmutação Publishing. Nesse projeto Kerval assina os sons usados para meditação e expansão. Confira parte de seus trabalhos:

2

Néstor Avalos, México - América do Norte. Artista obscuro que transforma conceitos em belíssimos desenhos e artes gráficas. Como conhecedor das arte noturnas, caóticas e qliphoticas, Néstor consegue captar e dar forma às forças acausais e amorfas. Assina ilustrações de diversas publicações em livros e cds obscuros. Nesse projeto forneceu a imagem principal, também usada na capa do Livro “Quimbanda- Fundamentos e Práticas Ocultas Vol. 01”. Essa imagem trouxe a abertura das portas para novas empreitadas, assim como foi um marco que diferenciará nosso trabalho. Conheçam parte de seus trabalhos em:

Pharzhuph.N.Azoth, Brasil – América do Sul. Profundo conhecedor dos caminhos L.H.P, praticante de diversas vertentes mágicas, destacando-se a Quimbanda, Pharzhuph assina a Revista Eletrônica “Lucifer Luciferax”, uma das melhores publicações obscuras brasileiras. Nesse projeto Pharzhuph corrobora com correções ortográficas e ideias que ajudaram estruturar o conteúdo. Confira a revista em:

Agradecimentos especiais: Humberto Maggi, Helgea Hekatae, Absentia, Adharma Music Project, Editora Capelobo e Quimbanda Store.

Dedicado aos verdadeiros adeptos do T.Q.M.B.E.P.N Força e Honra! Salve nossa amada Quimbanda Brasileira! Lucifer, dóminus illuminátio mea!

Danilo Coppini - T.Q.M.B.E.P.N

3

Vivendo a Morte através dos Espíritos da Quimbanda Projeto 001 – 2015

Vivendo a Morte através dos Espíritos da Quimbanda

Projeto 001 – 2015

Vivendo a Morte através dos Espíritos da Quimbanda Projeto 001 – 2015

Definições e Conceitos

Definições e Conceitos “Sereis assim e como sois então fomos nós!” Dentre as crenças que descrevem
Definições e Conceitos “Sereis assim e como sois então fomos nós!” Dentre as crenças que descrevem
Definições e Conceitos “Sereis assim e como sois então fomos nós!” Dentre as crenças que descrevem

“Sereis assim e como sois então fomos nós!”

Dentre as crenças que descrevem as mudanças sutis e drásticas dos estados de consciência destaca-se a Quimbanda Brasileira. Tais mudanças ocorrem

principalmente através do constante contato entre os vivos e os Poderosos Mortos

os quais nossa Tradição nomina como Exu e Pombagira. A ação desses espíritos,

por mais simples que sejam, produz uma alteração progressiva através dos aspectos experimentais e esses fenômenos produzem a quebra da previsibilidade causal e a expansão excepcional da mente dos adeptos.

Todos os rituais, repletos de “pontos-de-contato” simbólicos, tem por finalidade reproduzir uma determinada densidade energética existente em “Pontos-Estágios” materiais e astrais, ou seja, quando se evoca/invoca determinada força através de Pontos Riscados (Sigilos) e Cantados, rezas, uso dos quatro elementos, sacrifícios, dentre outras vias ritualísticas, desejamos modificar a estrutura do ambiente em que nos encontramos tornando-o compatível com a energia do espírito, Legião ou Reino que evocamos. Todo esse esforço visa proporcionar à força que desejamos contatar uma faixa vibratória compatível em amplos aspectos. Além desses aspectos, os rituais proporcionam a reunião, a atitude correta diante ao espiritual e uma forma incisiva de quebrar as correntes do “Eu” em busca do encontro com nossos ancestrais venerados ou poderosos espíritos.

O contato espiritual somado ao estudo, constante busca pluricultural e a uma

intensa dedicação à expansão da consciência visam ampliar as ‘encruzilhadas’ obsoletas desmistificando os tabus que envolvem o Culto da Quimbanda, em especial, as práticas mortuárias ou necromânticas. “Morrer tornou-se uma Arte muito mais bela e rica do que viver!”. Com essa afirmativa vinda através do contato com Exu Lúcifer, entendemos que a cartografia e a compreensão do mundo dos mortos são de extrema importância para os adeptos que desejam se aprofundar

5

nos Grandes Mistérios. Para isso é necessária uma preparação física, psicológica

e espiritual capaz de reproduzir a aniquilação biológica para posteriormente ser derramada a Luz Luciférica do renascimento espiritual. Estamos tratando de um processo iniciático gradual onde o feiticeiro se torna sua própria sombra.

NossoTemplo entende que a Quimbanda possui atributos muito similares a cultura hindu, principalmente no que tange à inversão dos valores atribuídos aos vivos e mortos. Morrer significa libertar-se da Ilusão (que no hinduísmo é representado pela Deusa Maya) e, para alguns, seguir adiante de forma evolucionista. Assim,

torna-se condição primordial a compreensão sobre a viagem póstuma e sobre a ação

e reação nos Campos Astrais de V.S Maioral. A consciência sobre a temporalidade age como inimiga do desconhecido e do escravismo linear.

Toda essa alquimia mortuária visa aliviar nosso sofrimento mental e deixar em

nossos subconscientes as “chaves” que abrirão comportas capazes de intensificar

e acelerar a mente para que nos encontros com a Morte e suas eventuais provas e

julgamentos pouco habituais não façam do adepto um joguete entre o “bem e o mal”. Também existe a preocupação em mostrar aos adeptos vivos que o primeiro contato com a Luz de Lúcifer pode ser a única maneira de iniciar o processo antiescravista.

A condução ao “mundo dos defuntos” de forma gradativa e estruturada permitirá

aos adeptos que tenham infinitas fontes de sabedoria, tanto ancestrais quanto não

humanas. Isso fará com que os envoltos na mortalha invisível do Rei da Kalunga tenham completo domínio da ‘Realidade Objetiva’ e do ‘Mundo Sobrenatural’.

O Reino dos Mortos – O Império da Kalunga

Kalunga é uma palavra de origem africana (Bantu) cuja tradução assemelha-se ao “Mundo dos Mortos”. Essa palavra é abrangente e também sinaliza as águas que dividem os mundos dos vivos e dos mortos. Acreditamos que ao atravessar o mar nos navios negreiros, os escravos africanos entendiam que estavam atravessando

a Kalunga e, em razão das viagens serem longas e de muitos morrerem vitimados por doenças e violência chamavam o mar de ‘Kalunga Grande’ (os corpos eram jogados ao mar). Devemos lembrar que milhares de negros jamais haviam visto

o mar o que tornou essa concepção muito mais marcante para a criação de novos conceitos.

O povo africano antigo professava a crença da sobrevivência da alma após a morte física. Os mortos, dependendo da forma ao qual faleciam, tinham força para intervirem na vida dos vivos. Da mesma forma, os ameríndios professavam

6

crenças similares. Se estudarmos ambas as culturas entenderemos que as causas

e consequências de diversas passagens estavam relacionadas aos antepassados. Diante a todas essas mudanças, um Deus Bantu, considerado o Senhor dos Mortos, em alguns lugares chamado de Kalunga-Ngombe possivelmente seja a

‘raiz’ que explica o uso da palavra Kalunga tanto para os cemitérios quanto para

o mar: A Terra de Kalunga-Ngombe , a morte, as pestes, o ceifador de rebanhos.

Um detalhe interessante de expormos também encontra explicação na cultura religiosa Bantu. Quando um espírito familiar desencarna torna-se um ancestral divinizado, considerado um fantasma familiar. Esses espíritos são nomeados de

Makungos . Ao longo das gerações esses espíritos perdem suas estruturas individuais

e passam compor outras classes de espíritos. Dentro do enredo da Quimbanda

praticada pelo T.Q.M.B.E.P.N, entendemos que essa descaracterização da individualidade é exatamente o processo pelo qual Exus e Pombagiras são submetidos antes de adentrarem a uma Legião/Povo. Segundo os Bantus, dentro dessas novas classes de espírito encontram-se os Mwene-Mbago , ou melhor, os espíritos masculinos e femininos que estão nos bosques e florestas. Isso ocorre porque os mortos eram enterrados no alto dos vales e as árvores desses locais são consideradas sagradas guardiãs, inclusive recebendo oferendas e orações. Os africanos acreditavam que nos troncos dessas árvores habitavam espíritos poderosos que guardavam os mortos e poderiam ser extremamente cruéis com aqueles que desrespeitassem esse espaço. Essa crença assemelha-se muito com a forma que os ameríndios celebravam seus mortos.

Em um relato histórico do Jesuíta J. Cabral (1713) encontramos um texto afirmando que em determinados locais próximos aos rios os índios teciam a crença que as figueiras eram o habitat de seus mortos e quando o vento as balançava era como se os mortos dançassem para os vivos.

Um dos principais “Pontos-de-Força” da Quimbanda Brasileira é o Cruzeiro das Almas. A palavra “Cruzeiro” remete-nos às cruzes de pedra ou de madeira erguidas nos adros das igrejas, nas praças, estradas e cemitérios. No Brasil, o culto à “Santa Cruz” teve início através do processo de colonização portuguesa. Na Europa antiga, as cruzes eram símbolos de proteção e foram largamente usadas como marco de divindade, pois assinalavam e santificavam os territórios dantes tidos como selvagens pelos cristitas. Todo processo de urbanização estava intrinsecamente conectado a elevação das cruzes. Segundo a pesquisadora Profa. Dra. Adalgisa Arantes Campos (Universidade Federal de Minas Gerais), o culto as Almas prestado diante das cruzes ocorreu no fim dos seiscentos da era cristã em Portugal. O início dessa Tradição nasceu justamente no alto das montanhas sagradas onde os mortos encontravam seus caminhos espirituais. Acreditamos que dentre as árvores, a mais frondosa era um grande portal e funcionava como um

7

Cruzeiro, afinal, as árvores são símbolos de evolução espiritual e continuidade, assim como as cruzes.

Muitas culturas antigas compartilham a crença de que os mortos deveriam escalar

a montanha para chegar ao Reino dos Deuses. Da mesma forma, acreditavam

que a ‘Terra dos Defuntos” poderia estar acima dos rios ou atrás das grandes montanhas. Podemos retratar isso através da lenda dos “Eternos Campos de Caça” onde os índios mortos, após escalarem uma montanha íngreme e cansativa, encontravam uma terra farta de caça, água pura e descanso. O cristianismo

usurpou de vários fundamentos pagãos – e isso não é novidade para os adeptos –

e dentre os mesmos encontra-se a ideia de que Deus (o Falso-Criador) habita no

Céu, também conhecido como paraíso. No culto hebreu (também retratado na Bíblia) temos a passagem onde Moisés sobe o monte para ter contato direto com Deus. O próprio Jesus também firmou seus pés na montanha para dar o sermão,

ou seja, as montanhas sempre foram lugares místicos e poderosos.

A

fusão cultural ocorrida através do sincretismo solidificou alguns desses aspectos.

O

primeiro é que a prima Kalunga estava localizada na mata, guardada pelos

espíritos poderosos que habitavam em árvores. Tanto para os índios, quanto

para os africanos esses locais eram sagrados e os espíritos residentes em tais locais poderiam ser uma fonte inesgotável de conhecimento e sabedoria. Por isso os líderes espirituais recorriam aos mesmos para a cura de doenças, quebra de feitiços, abertura de caminhos, dentre outras solicitações. Assim os mortos eram celebrados e recebiam muitas oferendas que lhes rendiam energia para prosseguir

o compartilhamento de sabedoria. Difere-se do conceito vindo dos europeus que

consideravam os cemitérios lugares mal-agourados, de tristeza e saudade, pois suas culturas não veneravam (pós-pagã) os mortos como se estivessem vivos. Os cemitérios eram lugares gélidos, escuros, repletos de lembranças onde figuras religiosas simbolizavam sentinelas nas tumbas. Os dois cenários se fundiram na Quimbanda Brasileira. Os cemitérios são chamados de Kalungas e, ao mesmo tempo em que existem ritos para celebrar os mortos, ocorrem ritualísticas para se evocar as forças obscuras e mortíferas para se atacar alguém em amplos aspectos.

Como já é sabido por muitos, nosso grupo (T.Q.M.B.E.P.N) possui uma Tradição moldada não só nos preceitos tradicionais da Quimbanda como em

fundamentos esotéricos de Tradições obscuras. Entendemos que os cemitérios são solos sagrados onde a carne se putrefaz e o espírito ascende. Nesse solo é que são separados os espíritos com essência ígnea daqueles desprovidos de força, cuja vida material foi cerceada pelo comportamento frio do barro. As tumbas

e sepulcros são aberturas para os reinos Ctônicos governados pelos Grandes

Mestres (as) Exus e Pombagiras. Cada pedaço desse solo é carregado de poder e possui uma gerência diferente; a Terra, a poeira, as lascas de sepulturas, os vasos,

8

cruzes, veleiros, flores e plantas que ali residem. Isso tudo tem um governo que na nossa Tradição é feito pelos Exus Reis da Kalunga (ou Exu Omulu Rei) e pelas Pombagiras Rainhas da Kalunga. Esses espíritos estão sob a graça da própria Morte, cujo entendimento se trata do Grande Ceifeiro ou o Primeiro Coveiro. Esse para nós chama-se Qayin, entretanto, não nos aprofundaremos nesse assunto.

Entendemos que o Reino dos Mortos é um local onde diversas energias se manifestam, mas em geral trata-se de um local com uma atmosfera mais silenciosa e densa. Existe movimentação, entretanto, a polaridade que governa esse Reino é mais receptiva (-). Vemos isso claramente quando estudamos os pontos riscados dos Exus. Na grande maioria possuem garfos arredondados o que demonstra seus domínios de drenagem energética. Os espíritos arrebanhados para o trabalho dentro do reino da Kalunga são mais sombrios que os demais, apesar de serem guerreiros e feiticeiros de grande conhecimento magístico. Tais espíritos dominam muitas artes proibidas e são exímios manipuladores de correntes energéticas. Conhecem as artes da cura e da doença e podem ser evocados e invocados em diversos casos. Alguns se apresentam astralmente como caveiras o que demonstra seus altos graus de desprendimento mundano e o governo de diversas etapas do processo de desprendimento material. Dentro desse Reino encontramos as conexões ancestrais com os espíritos similares e o trabalho magístico pode se tornar muito mais amplo e poderoso. Exigem respeito acima de tudo! Nada deve ser retirado da Kalunga sem a anuência desses guardiões, pois pode fazer com que os mesmos descarreguem suas iras na forma de emanações energéticas. Para isso usam de almas obsessivas, ameaçadoras e vingadoras. Esses são escravos dos Exus/ Pombagiras da Kalunga até que sua obsessão diminua de intensidade e o mesmo seja conduzido para um Mestre Preparador a fim de ascender como Exu.

9

Sobre o Projeto

Sobre o Projeto “Eke a pá eleké (A mentira matará o mentiroso) Odalê a pá Odalê!”
Sobre o Projeto “Eke a pá eleké (A mentira matará o mentiroso) Odalê a pá Odalê!”
Sobre o Projeto “Eke a pá eleké (A mentira matará o mentiroso) Odalê a pá Odalê!”

“Eke a pá eleké (A mentira matará o mentiroso) Odalê a pá Odalê!” (A traição matará o traidor!)“

Essa é a primeira parte de um grande projeto. Dentre nossas intensões se destacam alguns ideais:

Proporcionar conhecimento sobre as práticas necrosóficas e mortuárias contidas na Quimbanda Brasileira.

Apresentar aos adeptos formas reais de contato com sua ancestralidade divina.

Estimular a mente através de rituais e fórmulas sonoras para o contato com o “Vale dos Defuntos”.

Desmistificar um culto raso e com fundamentos incertos.

Despertar as fagulhas adormecidas de Exu e Pombagira em todos que rasgarem os véus, independente do país, origem e ancestralidade.

Recriar conceitos estagnados e findar todo tipo de descriminação demonstrando que os Poderosos Mortos transcendem nossas limitações.

Condições para as práticas

Acreditamos que todas as pessoas que tenham domínio sobre si podem participar

desse Projeto. Lembramos que não se tratam de práticas onerosas, mas envolverão certos gastos financeiros. O adepto deve focar principalmente na forte vontade

e convicção de atravessar as portas da Morte e sentir suas cinzas revoarem como

animais noturnos. O contato real com os Mestres Exus pode ser desconfortante em

certos momentos, portanto, deixamos como um alerta que bênçãos e maldições

estão implícitas nas energias motivadas. É um momento de agonia e êxtase, bem

e mal, beleza e fealdade, iluminação e trevas absolutas.

10

Todo aquele que reconhecer a veracidade dessa prática receberá ao longo do tempo sucessivas visões da amplitude e presença da Morte através de seus mensageiros. Aquele que sorver as “águas da morte” certamente irá ao encontro das piores incertezas que agem como um espelho negro refletindo iluminação e loucura.

Sobre a data escolhida

Varias Tradições antigas elegem um determinado dia sagrado para comemorar e venerar seus mortos. Assim como a Quimbanda Brasileira é um fruto alcançado

a partir da fusão de variados conceitos, certas datas comemorativas também o

são. Entre os dias 31 de Outubro e 02 de Novembro em certas partes do mundo, principalmente nas regiões de influencia católica, ocorrem as comemorações e venerações aos finados. Sabemos que essas datas são correspondentes às antigas Tradições Celtas que celebravam o Samhain – Dia dos Mortos e como a igreja católica já havia implementado o costume de comemorar vésperas, sincretizou a data como forma de expandir seus crescentes domínios na região. O mesmo tipo de sincretismo ocorreu nas celebrações do ‘Carnaval’.

Não adentraremos na história por trás dessas datas, mas acreditamos que a força desses dias, ao qual a Quimbanda também acredita que seja uma época propícia para celebrar nossos ancestrais divinos e poderosos, gera uma eletricidade muito benigna para os contatos com a Morte e seus mensageiros. Essa eletricidade

é gerada pela egrégora que milhares de pessoas produzem ao atrair seus entes

queridos para o plano material. Quem conduz parte dessa transição espiritual,

segundo a Quimbanda Brasileira, é o Povo do Cruzeiro; responsável pela abertura

e fechamento de certos Portais Astrais.

Para que os adeptos tenham nesse projeto uma forte fonte de informações apontamos que O Povo do Cruzeiro é executor e direcionador das almas que percorrerão o caminho que suas energias karmáticas construíram ao longo da existência material. Esotericamente, o Cruzeiro é o ponto de conjunção de opostos, um grande vórtice de energia, um portal que conecta os Reinos e Sub- Reinos da Quimbanda.

A natureza esotérica da cruz é muito similar a das encruzilhadas, entretanto, a cruz não é um ponto de cruzamento e sim de direcionamento. Entendemos que

a cruz é um símbolo que busca no interior dos vivos e dos mortos a quintessência

oculta e a verdadeira chama adormecida. Muitos povos antigos adotaram-na como símbolo religioso com múltiplos entendimentos, entretanto, a Quimbanda Brasileira entende que dentre a enorme gama de significados, a cruz denote o símbolo que melhor expressa a relação entre o astral e o material, como um eixo

11

que liga os planos e fornece entendimento acerca da prisão material e astral que

os espíritos são submetidos.

Baseado em tais premissas maiores, entendemos que entre os dias apontados o

Povo do Cruzeiro, na figura maior de Exu Rei e Pombagira Rainha do Cruzeiro e

de todas as Legiões desse Povo, permitem aos adeptos um contato mais profundo

com a espiritualidade de Exu e suas conexões mortíferas. Por isso a importância de um poderoso ritual que envolva uma Morte simbólica, pois dessa forma, o adepto percorrerá o mesmo caminho que seu Poderoso Mestre Ancestral percorreu

visando conhecer a verdadeira essência do Culto e dos Mortos.

O Ritual

Esse projeto se divide em três fases:

Iniciamos as atividades dia 02 de Novembro com a primeira parte da ritualística (aproveitando a egrégora dos dias 31 de Outubro e 01 de Novembro).

Permanecemos em orações e meditações ao longo de 13 dias seguidos.

Finalizamos a primeira parte do Projeto dia 15 de Novembro.

O

dia 15 de Novembro também é um dia onde algumas Tradições comemoram

seus mortos. A I.C.A.R celebra nessa data a “Penitencia pelos Mortos”, um dia destinado ao sacrifício em prol das Almas que estão em fase de Purgatório. O grande conceito esotérico que essa via religiosa escravista e estagnada impõe aos seus seguidores é que os mesmos devem simbolicamente agir como seu grande cordeiro Jesus Cristo em prol das Almas sofredoras e cegas. A Quimbanda Brasileira se apropria dessa energia para incendiar (dizimar) o fardo individual que nos conecta como elos de corrente aos vícios e comportamentos escravizadores. Nessa data o adepto deverá compreender que bem-aventurados não são aqueles que morrem pela passividade e sim os que enfrentam com Luz e Sabedoria o momento da vida para receber a primeira libertação depois de mortos. Essa máxima faz parte da Grande Essência de Exu, principalmente no que tange ao individualismo: “Sonsôobékolorieru”- entendemos como “Exu nasceu com uma lâmina afiada (oculta sob seu gorro fálico) justamente por não ter cabeça para carregar fardo!”.

Conforme dito anteriormente, o projeto se divide em três partes. Hoje estamos disponibilizando a primeira e a segunda parte, entretanto, o Rito do dia 15 de Novembro só será enviado àqueles que nos emitirem impressões sobre suas experiências.

12

Dia 02 de Novembro

Dia 02 de Novembro Nessa data iniciaremos nosso Projeto. Antes de descrevermos a parte prática, listaremos
Dia 02 de Novembro Nessa data iniciaremos nosso Projeto. Antes de descrevermos a parte prática, listaremos
Dia 02 de Novembro Nessa data iniciaremos nosso Projeto. Antes de descrevermos a parte prática, listaremos

Nessa data iniciaremos nosso Projeto. Antes de descrevermos a parte prática, listaremos os materiais necessários e alguns detalhes primordiais. Lembramos que esse ritual pode ser feito por adeptos e iniciantes, portanto, algumas adaptações podem ser feitas livremente de acordo com o grau e intensidade individual. Não precisa ser feito dentro de um cemitério, porém, para aqueles que sabem os Mistérios da Quimbanda referentes à Kalunga torna-se ainda mais poderoso.

Materiais necessários:

• 03 velas finas pretas;

• 03 velas finas metade vermelhas e metade pretas;

• 03 velas finas roxas;

• ½ litro de infusão de arruda ou um pequeno frasco de óleo de arruda;

• Incenso de Mirra;

• 04 metros de corrente (tamanho do elo é livre);

• 01 cadeado com chave (não necessita ser novo);

• Os Pontos Riscados da ‘Comunhão com os Mortos’ do Exu Rei da Kalunga e Pombagira Rainha da Kalunga impressos ou desenhados em um tamanho adequado para a visualização;

• 01 garrafa de bebida destilada (uísque, Gim ou aguardente);

• 01 garrafa de bebida alcoólica adocicada;

• 01 copo ou taça masculina;

• 01 copo ou taça feminina;

• 02 pedaços de fígado bovino cru;

• 03 pequenos pratos de barro ou terrina para acender as velas;

• 01 charuto;

• 01 cigarro normal com filtro branco;

• 01 pano preto de aproximadamente 01 metro;

• 01 reprodutor sonoro;

• Música apropriada para a meditação.

13

Observação: Esse ritual não foi criado com fundamentos exclusivos da Quimbanda Brasileira, porém, as energias bem como os espíritos evocados o são.

Início

Ao anoitecer (dia 02 de Novembro), o adepto deverá preparar todos os materiais. Lavar normalmente os pratos e copos, separar a carne, imprimir ou desenhar os Pontos Riscados (sigilos) e preparar previamente o local onde realizará essa prática. Essa preparação pode ser feita limpando o local através do uso da tintura de arruda e a queima de parte do incenso de mirra. Postaremos um banimento que deve ser recitado enquanto se limpa o ambiente, porém, pode ser adaptado conforme o conhecimento individual.

Banimento

“Eu conjuro as forças ancestrais da Quimbanda para adentrarem nesse recinto e através do poderoso garfo de Exu dizimarem as energias inertes e nocivas. Pelo fogo, ar, água e terra que cada pedaço, fresta, rachadura ou vão possa ser preparado para o chamado dos Reis! Laroyê Exu!”

Após a preparação dos materiais e do ambiente, o adepto iniciará a preparação individual. Deve tomar banho normalmente, porém, não deve usar perfume algum no corpo (apenas óleos mágicos se tiver), separar uma roupa negra simples (lavada) ou pode optar em realizar o rito completamente nu.

Grande Ritual

Pedimos que o ritual se inicie ao anoitecer, pois os Espíritos da Quimbanda são noturnos e respondem melhor sob a emissão lunar.

1. O adepto preparará as velas nos pratos específicos. Deverá ungi-las com tintura ou óleo de arruda e firma-las (prendê-las no prato) em forma triangular masculina.

Deverá ungi-las com tintura ou óleo de arruda e firma-las (prendê-las no prato) em forma triangular

14

2.

Para cada vela acesa o adepto exclama:

“Salve o Povo de Exu, Salve a Luz de Lúcifer! Oferto o fogo para que Exu me conduza pelos vales obscuros na Terra dos Defuntos. Que o lado sombrio desse elemento destrua minhas limitações e que as lágrimas dessas velas seja de júbilo pelo meu despertar!”

3. Após acender as velas nos respectivos pratos o adepto deverá dispor os três

pratos de forma triangular a sua frente.

40cm
40cm

40cm

4. Confortavelmente o adepto se senta diante às velas. Respira profundamente

e deixa o corpo e a mente entrarem em sintonia com as energias de Exu. Com as duas mãos pega a corrente e circularmente a passa por cima do triangulo de chamas enquanto exclama:

“Essas correntes não me prendem. Essas correntes me protegem enquanto minha consciência vaga entre o mundo dos vivos e dos mortos. Ativo a incandescência do aço para que repila toda forma nociva e prejudicial ao meu desligamento. Evoco nesses elos a força repulsiva e ígnea de Exu e Pombagira! Fecho com o Cadeado do Senhor Exu Tranca Tudo e sobre esse nome de poder inicio minha partida!”

15

5.

Pegar o cadeado e fechar a corrente em um círculo que envolve o adepto e o

triangulo de vela. Adepto
triangulo de vela.
Adepto

6. O adepto deverá iniciar a queima do incenso de Mirra. Enquanto a fumaça se

propaga no ambiente, inicia a seguinte evocação:

“Eu (dizer nome completo) evoco minha ancestralidade espiritual e me purifico com a Mirra, outrora usada para perfumar os cadáveres. Deixo meu corpo aberto para ser devorado em minha descida. Ó Sagrados e Poderosos Mortos, eis aqui a carne que deseja ser consumida e a alma que deseja ser conduzida ao labirinto das Almas. Peço que me iniciem nos Necro Mistérios e que ao término desse ritual eu volte ao mundano exalando força e poder e com a Luz de Exu entre meus olhos!”

16

7.

Descanse os sentidos, sinta o poder de Exu cada vez mais próximo. Suavemente

pegue o “Ponto Riscado da Comunhão com os Mortos” e visualize-o durante certo tempo. Procure deixar a mente absorver cada traço e figura. Quando se sentir apto, coloque o Ponto no meio do triangulo de velas, fure o dedo mínimo da mão esquerda e derrame sete gotas de sangue sobre o mesmo. Exclame:

e derrame sete gotas de sangue sobre o mesmo. Exclame: “Morte, invoco tua voracidade! Morte, clamo
e derrame sete gotas de sangue sobre o mesmo. Exclame: “Morte, invoco tua voracidade! Morte, clamo

“Morte, invoco tua voracidade! Morte, clamo pela tua presença! Que os Poderosos Mortos peguem minhas mãos e me levem aos domínios do Exu Rei e Pombagira Rainha da Kalunga!”

8. Certamente as corrente frias virão ao local e o adepto começará sentir determinados efeitos em seu corpo físico e astral. Nesse momento deverá pegar o Ponto com sangue e incinera-lo nas velas.

9. Após a queima, o adepto deverá pegar os pedaços de fígado bovino e esfregar

em seus corpos. Recomendamos que faça com movimentos em forma de cruz, como se estivesse preparando o corpo para ser devorado pelos mensageiros do Cruzeiro.

17

10.

Permaneça imóvel até sentir que o sangue dessa carne secar. Sinta como se

estivesse sendo devorado, que almas famintas despedaçassem seu corpo com dentadas vorazes e que dezenas de punhais perfurassem-no em busca de seu sangue. Nesse momento, a vista tende a turvar e sensações de medo e prazer preencherão os espaços vazios. Permaneça nessa meditação até que a mente produza imagens, símbolos, sons e lembranças de acontecimentos que não ocorreram. Tente visualizar caminhos e pontos de referencia que formarão a cartografia do mundo dos defuntos. Enfrente esse momento com resignação e força. Clame pela presença de seus Mestres Exus e avive os laços imortais.

11. Esse momento determina o ritual. Quando o adepto deixa de sentir a pressão

e volta ao seu estado inicial está pronto para continuar sua jornada.

12. Pegue a taça masculina e coloque bebida destilada dentro. Levante-a com as

duas mãos e oferte-a ao Exu Rei da Kalunga:

“Laroyê Exu Rei da Kalunga, Senhor dos Mortos e fagulha espiritual da própria Morte, a ti oferto essa bebida e a libação sagrada!”

13. O adepto colocará um pouco dessa bebida na boca e soprará em cima do

sigilo impresso ou desenhado. Colocará esse sigilo no chão, no espaço dentro do triangulo de velas. Por cima do sigilo colocará a taça ou copo com a bebida.

sigilo no chão, no espaço dentro do triangulo de velas. Por cima do sigilo colocará a

18

14.

O adepto acenderá o charuto e soprará a fumaça sete vezes em cima do sigilo.

Na sétima baforada exclamará:

“Ó Poderoso Rei da Kalunga, espírito coroado por Maioral de Todos os Infernos, a ti oferto o tabaco para que através de vossa energia, eu possa acender minha espiritualidade e conhecer meus mestres Exus. Ouça meu clamor Senhor dos Ossos!”

15. Colocará o charuto na boca do copo ou em um cinzeiro (opcional).

16. Pegue a taça feminina e coloque bebida destilada adocicada dentro. Levante-a

com as duas mãos e oferte-a Pombagira Rainha da Kalunga:

“Laroyê Pombagira da Kalunga, Senhora dos Mortos, temível feiticeira Mestra da Necromancia e fagulha espiritual da própria Morte, a ti oferto essa bebida e a libação sagrada!”

17. O adepto colocará um pouco dessa bebida na boca e soprará em cima do

sigilo impresso ou desenhado. Colocará esse sigilo no chão, ao lado esquerdo do Ponto do Exu Rei no mesmo espaço dentro do triangulo de velas. Por cima do sigilo colocará a taça ou copo com a bebida adocicada.

Rei no mesmo espaço dentro do triangulo de velas. Por cima do sigilo colocará a taça

19

18.

O adepto acenderá o cigarro de filtro branco e soprará a fumaça sete vezes em

cima do sigilo. Na sétima baforada exclamará:

“Ó Poderosa Rainha da Kalunga, espírito coroado por Maioral de Todos os Infernos, a ti oferto o tabaco para que através de vossa energia, eu possa acender minha espiritualidade e conhecer meus mestres Exus. Ouça meu clamor Senhora dos Ossos!”

19. Colocará o cigarro na boca do copo / taça ou em um cinzeiro (opcional).

20. Nesse momento do ritual o adepto inicia uma nova forma de meditação. Fará

um forte esforço para visualizar as correntes energéticas preenchendo seu corpo e destruindo fobias e entraves psicológicos. Sentirá força e poder exalando como se tivesse renascido. Permanecerá nesse estágio até que as energias se estacionem e sinta vontade de finalizar o ritual.

21. O término do ritual ocorre da seguinte maneira: O adepto fará uma oração

de agradecimento e recolherá todos os itens e apagará as velas. Por fim, abrirá o cadeado da corrente e embrulhará ambos em um pano preto.

“Glorioso Reino dos Mortos, Poderoso Trono da Kalunga, entreguei minha vida e meus passos nas mãos de meus Mestres Ancestrais e recebi o poder da ressurreição. Clamo para que nenhum dos meus atos tenham ofendido o Reino. Desejo fortemente que essa energia me diferencie do rebanho imundo que aguarda o aprisionamento eterno! Salve o Povo da Kalunga! Salve a Santidade Maioral! Salve meus Mestres Exus!”

22. Após o ritual, o adepto deverá tomar um banho convencional e retirar o

sangue do corpo. Acrescentamos que ungir o corpo com tintura e óleo de arruda fará grande diferença.

Observação: O uso do próprio sangue não é obrigatório! Sabemos que a construção de confiança entre nosso Templo e os novos adeptos deve ser feita de forma gradativa. Não usar não implica na diminuição da intensidade.

20

Dia 03 de Novembro

Dia 03 de Novembro No dia seguinte pós-ritual ao longo do dia o adepto se direcionará
Dia 03 de Novembro No dia seguinte pós-ritual ao longo do dia o adepto se direcionará
Dia 03 de Novembro No dia seguinte pós-ritual ao longo do dia o adepto se direcionará

No dia seguinte pós-ritual ao longo do dia o adepto se direcionará a um cemitério levando consigo os Pontos Riscados, o charuto apagado, os restos do cigarro, as garrafas de bebida e a corrente enrolada no pano. Também deverá levar 11 moedas de pequeno valor e uma pequena pá para abrir uma vala.

Observação: As taças deverão ser lavadas e guardadas para Rituais posteriores. Ao adentrar no cemitério, saldará a Porteira:

“Salve o Povo da Kalunga, Salve o Exu Sete Porteiras, Salve o Exu Tata Caveira e o próprio Exu Caveira. Entro no Campo Santo para desagregar meu velho eu e consagrar minha proteção. Laroyê Exu!”

Na porta o adepto bate o pé três vezes no chão como forma de fortalecer sua volta. Deve-se colocar uma moeda de pequeno valor em cada lado da porta para pagar a entrada.

Dentro do cemitério o adepto procurará um local isolado. Visualize se existem profanos ao redor e não cave até que estejas sozinho no local. Com palavras simples pedirá licença ao Exu Sete Catacumbas para cavar seu corpo e abrirá uma cova que caiba acomode a corrente dentro. Exclamará:

“Salve Exu e Pombagira, salve as Almas e todas as formas que guardam, carregam e descarregam esse campo, peço em nome de Exu Rei e Pombagira Rainha da Kalunga o direito de abrir as entranhas da terra e guardar minha corrente de fogo. Por 13 dias esse artefato permanecerá aqui guardado e após esse período virei busca-lo. Será intransponível como os Portões da Morte, carregado com os poderes ctônicos e abençoado pelo Exu Sete Correntes. Laroyê Exu! Laroyê Pombagira! Salve a Kalunga!”

Feita essa oração, o adepto colocará a corrente dentro da vala e por cima os Pontos, charutos e restos de cigarro (e as 7 moedas). Fechará a cova e por cima derramará

21

as bebidas destiladas. Jogará os vasilhames no lixo comum.

Sairá do cemitério preferencialmente por outra porta de aceso. Caso não tenha, pode sair pela mesma. Pagará para sair depositando uma moeda em cada canto da porta e agradecendo a proteção de Exu Tata Caveira, Exu Caveira e Exu Sete Porteiras. Ao sair baterá o pé esquerdo três vezes no chão e não olhará para trás.

Procedimento ao longo dos 13 dias.

Ainda no dia 03 de Novembro, ao anoitecer iniciará a trezena maldita. Sentará confortavelmente no mesmo ambiente que realizou o ritual, acenderá uma vela preta e fará a seguinte oração:

“Laroyê Exu! Laroyê Pombagira! Exu é Mojubá! Salve os Sete Reinos da Quimbanda! Salve meus Ancestrais de Poder! Nessa hora sagrada, evoco as forças que nunca adormecem para darem continuidade a minha alquimia mortal. Que essa vela seja meu guia pelos vastos campos astrais onde o Trono

e os Olhos Diamantes de Maioral governam. A cada dia a força renascerá

mais ascendente e a Glória de Lúcifer deverá ser exaltada. Fecho meus olhos

e conduzirei minha meditação para dar continuidade no que foi iniciado. Cobá Exu!”

Nesse instante iniciará uma meditação livre, deixando que as forças de Exu possam modelar e mostrar aquilo que a individualidade necessita sentir. Esse procedimento deve ser repetido sem falhas ao longo de 13 dias seguidos e, mesmo que o adepto esteja em locais diferentes, não pode ser quebrada a corrente.

Fim da primeira e segunda parte do Projeto.

22

Considerações finais

Considerações finais 1. Ao longo de toda parte ritualística o adepto deverá escutar a música ambiente
Considerações finais 1. Ao longo de toda parte ritualística o adepto deverá escutar a música ambiente
Considerações finais 1. Ao longo de toda parte ritualística o adepto deverá escutar a música ambiente

1. Ao longo de toda parte ritualística o adepto deverá escutar a música ambiente

que foi preparada para tal. Se necessário programe a repetição. Essa música ajudará criar um ambiente propício para a manifestação das forças, pois foi composta por

um Mestre nas Artes Negras.

forças, pois foi composta por um Mestre nas Artes Negras. Clique aqui para o download da
nas Artes Negras. Clique aqui para o download da música 2. Durante os 13 dias procure

2. Durante os 13 dias procure sintonizar-se continuadamente com a energia

evocada e invocada.

3. Dúvidas serão respondidas pelo corpo do Templo de Quimbanda Maioral

Beelzebuth e Exu Pantera Negra pelo email: quimbandabrasileira@gmail.com.

4. Enviando as considerações sobre a ritualística enviaremos a última parte desse

projeto.

Que Exu abençoe a todos os famintos e corajosos!

23