Sei sulla pagina 1di 52
U N I V E R S I DA D E CANDIDO MENDES CREDENCIADA JUNTO
U N I V E R S I DA D E
CANDIDO MENDES
CREDENCIADA JUNTO AO MEC PELA
PORTARIA Nº 1.282 DO DIA 26/10/2010
MATERIAL DIDÁTICO
PRODUÇÃO DE TEXTOS - APROPRIAÇÃO
DA ESCRITA
Impressão
e
Editoração
0800 283 8380
www.ucamprominas.com.br

2

APRESENTAÇÃO

Professor, bem-vindo à Disciplina Produção de Texto: Apropriação da Escrita. Você tem em suas mãos uma fonte de pesquisa que traz possibilidades de um estudo sistematizado, com reflexões sobre as multiplicidades que engendram a questão da produção e escrita de textos, levando em consideração o contexto escolar aliado às práticas sociais, históricas e culturais. Novas práticas pedagógicas reconhecem que a língua varia no tempo e no espaço e descartam as ideias ultrapassadas e reprodutivistas. Segundo Corrêa (2004) o professor conta com o auxílio de novas tecnologias anunciando novos rumos para o ensino da língua e para a produção de texto. Sabe-se que, há muito tempo, a língua não é um sistema pronto e acabado à disposição dos indivíduos. A linguística moderna já mostrou que uma mesma língua varia de acordo com os usuários e suas necessidades. Segundo Corrêa (2004) é importante mudar a concepção de língua, de ensino de língua e de texto subjacentes à prática da escrita em sala de aula, caso contrário, de nada vale mudar a nomenclatura. Como exemplo disso, pode-se citar a antiga “composição”, posteriormente substituído por “redação”, que até virou nome de disciplina, separada da aula de Português. Atualmente, os professores de Língua Portuguesa não dão mais composição ou redação, hoje pedem aos alunos que façam uma “produção de texto”. Embora os nomes sejam diferentes, eles configuram a mesma problemática:

qual é o objetivo?”. É preciso que o professor seja um profissional reflexivo e crítico para que possa despertar em seus alunos o gosto pela leitura e pela produção, e que eles percebam, através da práxis docente, a importância do domínio da língua para o pleno exercício da cidadania.

Prof

Estude bastante! Ms. Rosana Cristina Ferreira Silva

3

SUMÁRIO

UNIDADE 1: INTRODUÇÃO

4

UNIDADE 2: A HISTÓRIA DOS PROCESSOS DA APROPRIAÇÃO DA ESCRITA

6

UNIDADE 3: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

26

UNIDADE 4: CONSIDERAÇÕES FINAIS

47

REFERÊNCIAS

49

4

UNIDADE 1: INTRODUÇÃO

O ensino da Língua e da apropriação da escrita, bem como a produção textual deve acontecer no espaço em que as práticas de uso da linguagem sejam compreendidas em sua dimensão histórica, considerando que a necessidade de análise e sistematização teórica dos conhecimentos linguísticos decorra dessas mesmas práticas. Consequentemente, a análise da dimensão discursiva e pragmática da linguagem é privilegiada. Os conhecimentos sobre a língua com os quais se operam oferecem os suportes necessários para a compreensão dos fenômenos de interação. Desse modo, resulta da compreensão desse princípio, que pressupõe a percepção da unicidade do fenômeno linguístico: objetivamente, ao ouvir, ler, falar e escrever, o sujeito trabalha com procedimentos da mesma natureza, ainda que alguns fiquem em evidência. Nesse sentido, é preciso focalizar a necessidade de dar ao aluno condições de ampliar o domínio da língua e da linguagem como um todo, uma vez que a aprendizagem é de suma importância para o exercício pleno da cidadania. A apropriação da escrita mexe com a consciência do indivíduo, desenvolve habilidades e competências imprescindíveis para a inclusão social e a inserção em um mundo cada vez mais conectado às novas tecnologias. Além de tudo, é impossível dar aulas, principalmente de Português sem fazer política. Cada gesto e cada prática pedagógica trazem impactos positivos ou negativos em seus alunos, despertam o senso crítico, formam consciência dos direitos e deveres de cada cidadão e, sobretudo, ampliam uma visão de mundo, uma visão crítica da realidade e da possibilidade de mudá-la. É preciso pensar que a apropriação da linguagem e da escrita é como um instrumento de liberdade e não de escravidão, ressaltando que o ensino da Língua Portuguesa é, antes de tudo, o próprio instrumento para a conquista da liberdade, da conscientização e da transformação do ser humano em busca de um mundo mais humanizado.

5

Diante disso, o presente estudo busca uma fundamentação teórica que viabilize a prática docente em sala de aula no que diz respeito à apropriação da escrita, da prática de leitura e da produção textual.

O conhecimento de mundo é uma experiência político-social e não acontece

da mesma forma nos indivíduos, e isso influencia e diferencia o modo de pensar e de raciocinar de uma criança para um jovem e desse para um adulto.

Nesse sentido, a estipulação da leitura de um mesmo tipo de texto por alunos de séries diferentes não implica que o texto selecionado deva ser o mesmo ou, no caso de ser o mesmo, que a leitura se dê da mesma maneira.

O mesmo acontece na prática de produção de texto. A redação de um mesmo

gênero nas diferentes séries pressupõe níveis diferenciados de domínio nos diversos aspectos envolvidos, tanto no que se refere ao tratamento temático como aos recursos estilísticos ativados. As atividades de leitura e de produção de texto devem considerar a complexidade estrutural do texto, seu universo temático e sua densidade argumentativa, em função das características do aluno, incluindo a sua idade, maturidade afetiva e intelectual e o nível de escolaridade. Nessa perspectiva, o professor deve organizar um conjunto de atividades que possibilitem aos alunos desenvolver a apropriação da linguagem oral e escrita em situações de uso público, levando em consideração a situação de produção e de leitura de seu aluno. Dessa forma, exige-se do professor seriedade, comprometimento e uma reflexão crítica de sua prática e, a partir dessa reflexão, agir e estabelecer projetos para efetivar uma proposta de apropriação da escrita, da leitura e da produção de

maneira eficiente e prazerosa. Quando o aluno consegue alcançar o prazer, o gosto e o desejo de conhecer e dominar saberes necessários para o exercício de sua cidadania, trata-se de uma conquista quase que inexplicável para os professores, uma vez que essas habilidades trazem dificuldades, dúvidas e medos.

6

UNIDADE 2: A HISTÓRIA DOS PROCESSOS DA APROPRIAÇÃO DA ESCRITA

Entender os conceitos e as teorias é de suma importância, mas tão importante é conhecer os fatos históricos que determinaram o modo de pensar, de agir e de alfabetizar dos homens. A alfabetização é tão antiga quanto os sistemas de escrita.

Para que os sistemas de escrita continuem a ser usados, é preciso ensinar às novas gerações como fazê-lo. Quando esse elo se rompe, por abandono ou porque é trocado por outro modelo, a escrita antiga passa a ser um sistema sem decifração. Nesses casos, só com muito estudo, e também com um pouco de sorte da parte dos decifradores dessas escritas abandonadas, as regras que envolvem tais sistemas voltam a ser conhecidas, permitindo assim que os textos antigos sejam lidos e que a escrita possa ser novamente utilizada. (CAGLIARI, 1998, p.12).

Segundo Cagliari (1998), a alfabetização é muito antiga, pois era necessário que se ensinasse a escrita para que as futuras gerações pudessem ter acesso às informações de seus antepassados, assim como a sua cultura, valores, crenças religiosas e outros aspectos. Pelos estudos do autor, pode-se perceber que, quem inventou os sistemas de escrita sempre teve a preocupação de fornecer a chave da decifração juntamente com o próprio sistema. Os sistemas de escrita nunca tiveram nada de muito estranho ou misterioso em si, pelo contrário, sempre foram simples e práticos. Por essa razão, ensinar às novas gerações a usar o sistema de escrita sempre foi uma tarefa fácil e de certa forma banal. É preciso entender que nos dias de hoje, o sistema de escrita tem a sua decifração e muitos profissionais ainda não têm ou não sabem lidar bem com esse processo de decodificação do sistema pela criança, da mesma forma que o sistema na antiguidade era fácil, assim o sistema de hoje também pode ser fácil se o profissional tiver em suas mãos meios de tornar essa decodificação mais simples para a criança. Segundo Cagliari (1998), os sistemas de escrita estabelecidos na história dos povos nunca foram privilégio de ninguém. É falsa a ideia de que na Antiguidade somente os sacerdotes, os reis ou pessoas de grande poder dominassem a escrita e a usassem como segredo de Estado.

dominassem a escrita e a usassem como segredo de Estado. Site: www.ucamprominas.com.br E-mail :

Site: www.ucamprominas.com.br E-mail: ouvidoria@institutoprominas.com.br ou diretoria@institutoprominas.com.br Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15 as 18:00 horas

Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15
Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15

7

De acordo com os fatos contados e comprovados historicamente, a escrita surgiu do sistema de contagem feito com marcas de cajado ou ossos. Ser alfabetizado nessa época significava saber ler o que aqueles símbolos significavam e ser capaz de escrevê-los, repetindo um modelo mais ou menos padronizado, mesmo porque o que se escrevia era apenas um tipo de documento ou texto. O processo da invenção da escrita também incluiu a invenção das regras de alfabetização, ou seja, as regras que permitem ao leitor decifrar o que está escrito e saber como o sistema de escrita funciona para usá-lo e dele se apropriar.

Na Antiguidade, os alunos alfabetizavam-se aprendendo a ler algo já escrito e depois copiando. Começavam com palavras e depois passavam para textos famosos, que eram estudados exaustivamente. Finalmente, passavam a escrever seus próprios textos. O trabalho de leitura e cópia era o segredo da alfabetização. Note que essa atividade está diretamente ligada ao trabalho futuro que esses alunos irão desempenhar, escrevendo para a sociedade e a cultura da época. (CAGLIARI, 1998, p.15).

Ainda em épocas antigas, muitas pessoas aprendiam a ler sem ir à escola, já que não pretendiam ser escribas. A curiosidade, certamente, levava muita gente a aprender a ler para lidar com os negócios, comércio e até mesmo para ler obras religiosas ou obter informações culturais da época. Nesses casos, a alfabetização dava-se com a transmissão de conhecimentos relativos à escrita de quem os possuía para quem queria aprender. Aprender a decifrar e apropriar-se da escrita, ou seja, a ler, relacionando os caracteres às palavras da linguagem oral, devia ser o procedimento comum. Não era preciso fazer cópias nem escrever, bastava ler. Para quem sabe ler, escrever é algo que vem como consequência. (CAGLIARI, 1998). Com a Revolução Francesa houve muitas novidades na escola. Uma delas foi a responsabilidade com a educação das crianças, introduzindo a alfabetização como matéria escolar. A alfabetização popular nessa época significava a educação dos ricos que não tinham ligação com a nobreza.

A moda das escolas que ensinavam as crianças a ler e a escrever espalhou-se pelo mundo. Apesar de a escola se encarregar da alfabetização, os alunos que frequentavam essas escolas pertenciam a famílias com certo status na sociedade. O povo simples e pobre continuava fora da escola. No Brasil, até as primeiras décadas deste século, a escolarização da maioria das pessoas que iam à escola pública não passava do segundo ou do terceiro ano. Alguns documentos do final do Império mostram que as Escolas Normais não tinham alunos e o governo

8

era obrigado a dar vantagens extras àquelas pessoas que trabalhavam com alfabetização. Naquela época, os professores das escolas públicas eram em geral eleitos pela comunidade e tinham um mandato determinado. Muitos professores queixavam-se dos baixos salários, razão pela qual as poucas escolas públicas lutavam para conseguir quem daria aulas. (CAGLIARI, 2004, p.21).

As primeiras cartilhas escolares, até cerca de 1950, ainda davam ênfase à leitura. Achavam importante ensinar o abecedário, havia muito cuidado com a fala, sobretudo, com a pronúncia. Copiava-se muito, e os modelos eram sempre de bons autores, escrever bem significava imitar os bons autores. A partir da década de 50, houve uma mudança radical na cartilha. Passaram

a dar mais atenção à escrita e não à leitura. Os alunos tinham muita dificuldade no

processo de alfabetização e as reprovações na primeira série foram assustadoras. Na década de 80, o número de reprovação chegou a 50%. Diante dessa realidade muitos alunos abandonavam a escola. As cartilhas foram substituídas pelo manual do professor e muitas pesquisas sobre alfabetização foram iniciadas, mas não resolveram o problema da evasão escolar. Muitos pacotes de medidas foram colocados em prática. O problema disso é que muitos professores já estão cansados de tantas medidas e fracassos. Apesar de todas as pesquisas recentes no processo de alfabetização, hoje, a prática escolar mais comum nas escolas ainda se apóia na cartilha tradicional que muda de roupa todo ano. Há cada vez mais um número crescente de professores que estão conduzindo um processo de alfabetização diferente do método da cartilha, procurando equilibrar o processo de ensino com o de aprendizagem, apostando na capacidade de todos os alunos para aprender a ler e a escrever no primeiro ano escolar e desejando que essa habilidade se desenvolva nas séries seguintes, até se chegar ao amadurecimento da escola. Muitos professores estão se dedicando seriamente ao próprio objeto de estudo e ensino, que é a linguagem. As velhas ideias, porém, básicas, como ensinar

o alfabeto, as relações entre letras e sons, os diferentes sistemas de escrita que se têm no mundo, a ortografia, estão voltando a ter importância na alfabetização como um forte instrumento na apropriação da escrita.

9

A questão da apropriação da escrita

A apropriação da escrita é uma questão complexa e demanda discussão. Diante de tal fato, percebe-se a necessidade de recorrer à história da linguagem escrita. De acordo com Vygotsky (1984), a linguagem é todo gesto, desenho, o jogo de faz-de-conta e destaca as relações entre pensamento e linguagem. Vygotsky (1984) afirma que a construção de um dos instrumentos culturais mais complexos, constituído a partir das relações sociais, pode ser visualizada. Nesse sentido, ele enfatiza a necessidade do ensino da linguagem escrita e não apenas da escrita das letras. Para Vygotsky (1993) o desenvolvimento e a apropriação da escrita não se dá da mesma forma que o desenvolvimento da fala, uma vez que são consideradas habilidades diferentes. Segundo Vygotsky (1984), existe a fala oral que ele chamava de fala exterior

e a fala interior ou egocêntrica. A estrutura e a função da fala exterior e da fala

interior são diferentes, pois a primeira trata-se de um fenômeno social, predominando a fonética e o diálogo. Por outro lado, na fala interior o que predomina é a semântica, o significado, ou seja, o monólogo.

A complexidade da linguagem ultrapassa as possibilidades de análise morfossintática e semântica da frase e, sobretudo, o quanto é rica e necessária a abordagem da dimensão textual e discursiva dos fenômenos linguísticos, dimensão para a qual se voltam as disciplinas e teorias da área pragmática. (VAL, 1991, p. 25).

Desse modo, a fala oral deve ser entendida por outra pessoa, enquanto isso,

a escrita que é a fala sem interlocutor imediato, deve ser mais detalhada que a fala oral, para que possa ser compreendida, provando a sua complexidade, de acordo com Val (1991). Além disso a escrita é a simbolização de sons por meio de signos escritos, o que a torna, a princípio, um simbolismo de segunda ordem, e que, gradualmente, transforma-se em simbolismo direto. (VYGOTSKY, 1984). Nesse sentido, a escrita exige uma ação analítica deliberada da criança; diferentemente da fala, em que ela não tem consciência do som. Na escrita, a criança tem que tomar conhecimento da estrutura sonora de cada palavra, analisá-

10

la, reproduzi-la em símbolos alfabéticos, que já devem ter sido apropriados em situações anteriores.

A escrita exige um trabalho consciente porque a sua relação com a fala interior é diferente da relação com a fala oral. Esta última precede a fala interior no decorrer do desenvolvimento, ao passo que a escrita segue a fala interior e pressupõe a sua existência (o ato de escrever implica uma tradução a partir da fala interior). Mas a gramática do pensamento não é igual nos dois casos. Poder-se-ia até mesmo dizer que a sintaxe da fala interior é exatamente oposta à sintaxe da escrita, permanecendo a fala oral numa posição intermediária (VYGOTSKY, 1984. p. 85-86).

Dessa forma, a escrita decorre da fala, e pressupõe a existência da fala interior, pois quando se escreve, coloca-se no papel uma ideia que se mostra como uma ordenação de palavras, através do pensamento, que Vygotsky (1984) nomeia de fala interior. Essa passagem da fala interior para a escrita exige, portanto, uma estruturação intencional dos significados pela criança.

O pensamento não é algo acabado, pronto para ser expresso. O

pensamento precipita-se, realiza certa função, um certo trabalho. Esse trabalho do pensamento é a transição das sensações de tarefa através

da construção do significado ao desenvolvimento do próprio pensamento

(VYGOTSKY, 1984, p.182).

O pensamento e a linguagem são funções diferentes, com raízes genéticas diferentes, porém interligadas. Pensamento e fala se cruzam no pensamento verbal e a unidade é o sentido da palavra. Isso se desenvolve num processo histórico- cultural, ou seja, dois elementos que são o sentido - somatória dos eventos psicológicos que a palavra desperta na consciência; e o significado dicionarizado - uma das zonas do sentido e mais estável. (VYGOTSKY, 1984).

A escrita também exige uma ação analítica deliberada por parte da criança.

Na fala a criança mal tem consciência dos sons que emite e está bastante

inconsciente das operações mentais que executa. Na escrita ela tem que tomar conhecimento da estrutura sonora de cada palavra, dissecá-la e reproduzi-la em símbolos alfabéticos, que devem ser estudados e memorizados antes. Da mesma forma deliberada tem que pôr as palavras em uma certa sequência, para que possa formar uma frase (VYGOTSKY, 1983, p. 85).

A apropriação da escrita deve ser vista como um processo contínuo, de acordo com o desenvolvimento linguístico da criança. Essa se apropria de uma outra forma de organização das experiências e de interação com a sociedade a que pertence.

e de interação com a sociedade a que pertence. Site: www.ucamprominas.com.br E-mail :

Site: www.ucamprominas.com.br E-mail: ouvidoria@institutoprominas.com.br ou diretoria@institutoprominas.com.br Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15 as 18:00 horas

Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15
Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15

11

Pode-se considerar que o objetivo do ensino é a formação de cidadãos capazes de lidar produtiva e criticamente com o língua, nas modalidades escrita e falada, nos diferentes dialetos e registros requeridos pelas circunstancias da interação, de modo a atender seus objetivos e interesses, tanto na leitura quanto na produção de textos (LIMA & MENDES, 1995, p.

11).

De acordo com Franchi (1992), a linguagem é um trabalho coletivo em que cada um se identifica com os outros e a eles se contrapõe, seja assumindo a história

e a presença, seja exercendo suas opções solitárias. A linguagem é um sistema

simbólico mediante o qual se opera sobre a realidade, dado que organiza a realidade como um sistema de referências. Segundo Bourdieu (1982), além de instrumento de comunicação, a Língua é também sinal exterior de riqueza e um instrumento de poder. E a ciência social deve tentar dar conta disso, pois trata-se de um fato, pode-se agir com as palavras, dar

ordens, ou palavras de ordem.

A força que age através das palavras está nas palavras mesmas ou no porta-

voz? Franchi (1992) compreende que não há condições para uma linguagem se constituir fora da interação, pois está na atividade do sujeito com os outros, sobre os outros e com o mundo que a linguagem se constitui. As condições de produção da linguagem, em consequência, assumem papel relevante na sua constituição. Para Bourdieu (1982), é preciso tratar a linguagem como um terreno por excelência do poder simbólico, da política, lugar de poder, de ordem regionalista, econômica, cultural e social.

A fala interior pode ser abreviada, pois é possível compreendê-la. Quanto à

escrita, essa precisa ser bem detalhada, pois não estará presente o autor, quando alguém ler o que foi escrito. No caso da fala oral, essa é intermediária na medida em que posso dispensar alguns detalhes, porque a própria entonação, ou o contato próximo com o interlocutor, suprimiria tal necessidade. Outra questão importante a ser discutida é a questão da relação entre significado e sentido. Vygotsky (1984) destaca que uma das características dessa fala interior é o predomínio do sentido construído a partir das experiências pessoais

e refletindo um complexo de sensações sobre o evento ou objeto em questão. Sobre

o significado dicionarizado, o significado mais estável, o que há de comum entre os sentidos que permite que as pessoas se entendam o que está sendo conversado.

12

A língua é um sistema que conhece uma ordem própria. Uma comparação com o jogo de xadrez fará compreendê-lo melhor. Nesse jogo, é relativamente fácil o externo do interno. O fato de ele ter passado da Pérsia para a Europa é de ordem externa. Interno, ao contrário é tudo quanto concerne ao sistema e às regras. Se eu substituir as peças de madeira por peças de marfim, a troca será indiferente para o sistema, mas se eu reduzir ou aumentar o número de peças, essa mudança atingirá profundamente a “gramática” do jogo. Não é menos verdade que desta atenção se faz necessária para estabelecer distinções dessa espécie. Assim, em cada caso, formular-se á a questão da natureza do fenômeno, e para resolvê-la, observar-se-á esta regra: é interno tudo quanto provoca mudança do sistema em qualquer grau (SAUSSURE, 1969, p. 31-32).

Assim, na fala interior o sentido prevalece, mas na escrita ou na fala oral é importante permitir que o outro compreenda o que está sendo dito, portanto, os significados prevalecem. Mesmo que os sujeitos tenham recorrido ao sentido que aquela sentença lhes trazia (por exemplo os problemas da enchente lembrando-o de paredes quebradas; ou divertir-se com ausência de um professor pela presença de outro professor, o de educação física), tinham o trabalho de transformá-los ou priorizar o significado, tanto na fala quanto na escrita, para que o interlocutor, no caso o pesquisador, pudesse compreendê-lo. Em outras palavras, é preciso encarar a linguagem não apenas como representação do mundo e do pensamento ou como um instrumento de comunicação, mas sim, acima de tudo, como forma de inter-ação-social.

Etapas do processo de construção da escrita

Um dos problemas cognitivos que permeiam o processo de desenvolvimento da leitura e da escrita é a relação entre o todo e as partes que o constituem. A criança poderá fazer diferentes tipos de correspondência: uma letra para cada parte de uma oração, uma letra para cada sílaba, etc. (FERREIRO, 1987). As etapas do processo de construção da escrita foram elaboradas de acordo com pesquisas de Ferreiro (1987, p. 13-17), da seguinte forma:

Nível pré-silábico: no início dessas construções, as tentativas das crianças dão-se no sentido de reprodução dos traços básicos da escrita que elas se deparam no cotidiano. O que vale é a intenção, pois, embora o traçado seja

13

semelhante, cada um lê em seus rabiscos aquilo que quis escrever. Dessa maneira, cada um só pode interpretar a sua própria escrita, e não a dos outros. Nessa fase, a criança elabora a hipótese de que a escrita dos nomes é proporcional ao tamanho do objeto ou ser a que está se referindo.

Nível silábico: são construções cuja hipótese central é que para ler coisas diferentes é preciso usar formas diferentes. A criança procura combinar de várias maneiras as poucas formas de letras que é capaz de reproduzir. Nessa fase, ao tentar escrever, a criança respeita duas exigências básicas: a quantidade de letras, nunca inferior a três, e a variedade entre elas não podem ser repetidas. São feitas construções numa tentativa de dar um valor sonoro a cada uma das letras que compõem a palavra. Surge a chamada hipótese silábica, isto é, cada grafia traçada corresponde a uma sílaba pronunciada, podendo ser usadas letras ou outro tipo de grafia. Há, nesse momento, um conflito entre hipótese silábica e a quantidade mínima de letras exigidas para que a escrita possa ser lida. A criança, nesse nível, trabalhando com a hipótese silábica, precisa usar duas formas gráficas para escrever palavras com duas sílabas, o que vai de encontro às suas ideias iniciais de que são necessários pelo menos três caracteres. Esse conflito a faz caminhar em seu processo de alfabetização. Ainda nessa fase, a criança representa cada sílaba ou emissão oral por uma única letra, caminhando assim para outra fase.

Nível silábico-alfabético: aqui ocorre a transição da hipótese silábica para a alfabética. O conflito que se estabeleceu entre uma exigência interna da própria criança (o numero mínimo de grafias) e a realidade das formas que o meio lhe oferece faz com que ela procure soluções. Ela, então, começa a perceber que escrever é representar progressivamente as partes sonoras das palavras, ainda que não o faça corretamente.

Nível alfabético: finalmente atinge-se o estágio da escrita alfabética, pela compreensão de que cada um dos caracteres da escrita corresponde valores menores que a sílaba, e que uma palavra, se tiver duas sílabas, exigindo portanto, dois movimentos para ser pronunciadas, necessitará mais do que duas letras para ser escrita e a existência de uma regra produtiva que lhes permite, a partir desses elementos simples, formar uma representação de inúmeras sílabas.

14

Conceitos de Alfabetização

O conceito de alfabetização definia o ensino/aprendizado do sistema alfabético de escrita. Isso significava na leitura a capacidade de decodificar os sinais gráficos, transformando-os em sons, e na escrita, a capacidade de codificar os sons da língua, transformando-os em sinais gráficos.

A partir dos anos 80, o conceito de alfabetização foi ampliado graças às

contribuições dos estudos sobre a psicogênese da língua escrita. De acordo com esses estudos, o aprendizado do sistema de escrita não se reduziria ao domínio de correspondências grafo-fonêmicas (a decodificação e a codificação), mas se caracterizaria como um processo ativo no qual a criança, desde seus primeiros contatos com registros, constrói e reconstrói hipóteses sobre a natureza e o funcionamento de língua escrita como um sistema de representação. Entende-se que o construtivismo na Educação das crianças poderá ser a forma teórica ampla que consegue reunir as várias tendências atuais do pensamento educacional. Tais tendências têm em comum a insatisfação com um sistema educacional que continua com uma ideologia em perseverar essa forma particular de transmissão que acontece na Escola, que consiste em fazer repetir, recitar,

aprender, ensinar o que já está pronto, em vez de fazer agir, operar, criar, construir a partir da realidade vivida por alunos e professores.

A Educação deve e precisa ser um processo de produção de conhecimento

contínuo o qual ocorre, em condição de complementaridade: por um lado, os alunos e professores e, por outro, os problemas sociais atuais e o conhecimento já construído. Partindo-se desse princípio, desde que a criança começa a perceber o mundo, a fazer suas descobertas e a expressar suas vontades, ela inicia o seu processo de alfabetização, ou seja, a criança traz consigo um conhecimento prévio, anseios e expectativas que deverão ser levados em consideração para que se possa assim iniciar a construção do seu conhecimento. Sempre houve uma discussão polêmica a respeito de quando e como se deve alfabetizar e se a escola é o único e exclusivo local da construção desse processo. É necessário ressaltar que essa discussão não pode estar desvinculada de um

15

contexto, de um espaço e um tempo situados e muito menos desvinculados de parâmetros sociais do comportamento cultural da sociedade.

É nessa perspectiva que pretende-se analisar algumas ideias e pressupostos.

Um dos pressupostos discutidos é que a escola está diretamente ligada à alfabetização, e de forma automática torna-se pretensiosa e responsável pela alfabetização das crianças, uma vez que acredita-se que é na escola que a

alfabetização deve ocorrer.

Quero discutir esse pressuposto: se é na escola mesmo que alfabetiza. E só terá sentido a discussão sobre se alfabetiza na Escola ou na Pré-Escola, se estivermos convencidos de que quem alfabetiza é a Escola. Vou tentar mostrar que a Escola tem, sim, um papel nesse processo, mas não é a única responsável pela alfabetização da criança. (SOARES, 1986).

Quando se discute o espaço no processo de alfabetização, a ideia que vem à cabeça é que a escola é o único e exclusivo local para o desenvolvimento desse processo. Pensando assim, é descartada toda vivência e experiência que a criança já traz consigo quando ingressa à instituição escola.

É jogado fora a vivência e o conhecimento que a criança já possui sobre a

alfabetização. Fica desconsiderado que a criança, em seu cotidiano, seja ele familiar, religioso, lazer ou até mesmo na rua, tem acesso a várias modalidades

linguísticas, verbal e ou não verbal, desenvolvendo assim, um processo alfabético “inconsciente”.

É natural para a criança conviver com a linguagem, através de propagandas,

rótulos de produtos, programas de televisão, logomarcas e outras formas de linguagem. O maior problema é que há um forte vínculo entre a alfabetização e a escola entranhado na cultura da sociedade e que prevalece, muitas vezes, a ideia que o processo é apenas ler e escrever. Soares afirma:

É preciso entender alfabetização como um processo além da aquisição das

habilidades de ler e escrever. Mesmo porque a aquisição dessas habilidades não se inaugura na escola. Emília Ferreiro tem mostrado como

a criança vai construindo uma concepção da escrita, vai compreendendo a

natureza da escrita, como resultado de seu processo de desenvolvimento num mundo em que a escrita é presença constante. (SOARES, 1986).

Vivendo num mundo cheio de escritas, a escola não deve e não pode ter a pretensão de ser o local único e exclusivo de acesso à aprendizagem, ser o responsável único da alfabetização. Ela tem, sim, que dar continuidade a um

da alfabetização. Ela tem, sim, que dar continuidade a um Site: www.ucamprominas.com.br E-mail :

Site: www.ucamprominas.com.br E-mail: ouvidoria@institutoprominas.com.br ou diretoria@institutoprominas.com.br Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15 as 18:00 horas

Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15
Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15

16

processo de alfabetização e letramento que está em desenvolvimento, pois a criança chega à escola para alfabetizar-se quando esta já está alfabetizando-se através da convivência social e interação com um mundo globalizado em pleno século XXI. Muito se tem falado e discutido a respeito e atribuições de significados abrangentes à alfabetização. Considerando-a como um processo contínuo e permanente que faria parte do indivíduo por toda a vida sem esgotar-se na produção

e construção da aprendizagem da escrita e da leitura. No entanto, faz-se necessário distinguir um processo de aquisição da língua, seja oral ou escrita, afinal, são modalidades relacionadas e, ao mesmo tempo, distintas, pois muitas pessoas, crianças ou adultos, sabem ler e escrever, adquiriram estas habilidades, mas não apropriaram-se delas, ou seja, foram alfabetizados mas não são considerados letrados. Para melhor compreensão, faz-se necessário um conhecimento epistemológico do termo alfabetização além de conhecer a etimologia do termo ou fatores pedagógicos que o envolvem. Em seu sentido próprio e específico, segundo o Dicionário Aurélio, o termo alfabetizar significa “v. t. d. Ensinar a ler e a escrever.” Para Magda Soares (2002), se seguir ao pé da letra, alfabetizar é tornar o indivíduo capaz de ler e escrever, portanto, a alfabetização é a ação de alfabetizar, de tornar “alfabeto”.

Causa estranheza o uso dessa palavra “alfabeto”, na expressão “tornar-se alfabeto”. É que dispomos da palavra analfabeto, mas não temos o contrário dela: temos a palavra negativa, mas não temos a palavra positiva. (SOARES, 2002, p. 31).

Na verdade, essa discussão semântica traz estranheza quando se escuta “alfabeto” porque está enraizado na cultura da sociedade a familiarização com os termos analfabeto, analfabetismo, analfabetização e alfabetizar. No caso etimológico do termo analfabeto, segundo o Dicionário Aurélio “Analfabeto: adj. e s. m. 1. Que ou quem não sabe ler ou escrever. 2. Que ou quem

é muito ignorante”. E “Analfabetismo: S. m. Estado ou condição de analfabeto”. Em uma leitura de Magda Soares, tem-se uma reflexão do termo ao pé da letra: “Analfabeto, ao pé da letra, significa aquele que não sabe nem o alfa, nem o beta alfa e beta são as primeiras letras do alfabeto grego; em outras palavras:

aquele que não sabe o bê a – bá”. (SOARES, 2002, p. 30).

17

Com esses conceitos, toma-se como definição de alfabetização um processo de aquisição do código escrito, das habilidades de leitura e de escrita, do ler e de escrever. Mas até que ponto o ato de ler e escrever, segundo o campo semântico, apresenta significados diferentes e pontos de vistas diferenciados? Ler e escrever podem ser habilidades meramente mecânicas da língua, sendo assim, essas habilidades não passam de alfabetizar-se no sentido apenas da aquisição da codificação da língua oral em língua escrita e de decodificação da língua escrita em língua oral. Seria apenas uma representação de fonemas. Ainda na discussão das definições do termo alfabetização, para Emília Ferreiro (1979), a alfabetização é a apropriação de um objeto, conceitual. Ela elaborou a psicogênese da leitura e da escrita-estudo sobre como uma criança aprende a ler e a escrever através de processos cognitivos e etapas, sua construção é longa e complexa. A ideia de alfabetização deve ir além da etimologia do termo.

A ideia de alfabetização emancipadora sugere duas dimensões da alfabetização. Por um lado, os alunos devem alfabetizar-se quanto às próprias historias, a experiência e à cultura de seu meio ambiente imediato. Por outro lado, devem também apropriar-se dos códigos e culturas das esferas dominantes, de modo que possam transcender ao seu próprio meio ambiente. (MACEDO, 1990).

Ao buscar conceitos que fortalecem e oferecem subsídios para melhor compreender o processo de alfabetização, o educador possibilita às crianças um desenvolvimento linguístico crítico: “A alfabetização e a educação, de modo geral, são expressões culturais. Não se pode desenvolver um trabalho de alfabetização fora do mundo da cultura, porque a educação é, por si mesma, uma dimensão da cultura. (FREIRE, 1990). Quase todas as abordagens tradicionais da alfabetização estiveram profundamente arraigadas num método positivista de pesquisa e investigação. Isso resultou numa postura epistemológica em que exalta o rigor metodológico enquanto reduzia a importância dos contextos histórico, cultural, religioso, político, ideológico e social que implicam o processo de alfabetização que a criança já possui ao chegar à escola. Finalmente, o que foi discutido até aqui permite refletir sobre a formação do professor alfabetizador, que ainda não está bem sistematizado no Brasil, que exige

18

uma preparação do professor levando a compreender todos os aspectos que envolvem o processo de alfabetização da criança.

Conceitos de Letramento

A natureza complexa do processo de alfabetização, ao longo das discussões

e debates que suscitaram até o atual momento levaram estudiosos e pesquisadores

a investigar uma “nova” especialidade que, sob diferentes condições de produção,

procura analisar e explorar eixos que apoiavam a alfabetização, mas que até então não era a alfabetização propriamente dita. Através dos tempos, surgiu um modo de pensar sobre as habilidades e competências e, de acordo com um espaço ainda a ser ocupado, apareceu um pouco tímida a palavra “letramento” que será discutida a partir de agora.

O termo letramento pode ser considerado novo no vocabulário das Ciências

da Educação. É a partir da década de 80 que essa palavra surge nos discursos educacionais, pode-se citar a exemplo, o livro de Mary Kato, no ano de 1986, (No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística, Editora Ática). Nessa obra, a

autora diz que acredita que a língua falada culta é “consequência do letramento”. Em 1995, Ângela Kleiman publica: Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita, Editora Mercado de letras.

O surgimento dessa palavra emergiu da necessidade de entender novos fatos

e ideias, novas maneiras de compreender os fenômenos. Até o presente momento, o dicionário Aurélio não tem registrado a palavra “letramento”, ela aparece porém, em um dicionário da língua portuguesa editado há mais de um século, o Dicionário da Língua Portuguesa, de Caldas Aulete, em sua 3ª edição brasileira. Nesse dicionário, o verbete “letramento” é caracterizado como uma palavra antiquada e é lhe atribuída o significado de “escrita”, o verbete ainda remete

para o verbo “letrar” a que atribui a acepção de “investigar soletrando” ou letrar-se” com o sentido de “adquirir letras ou conhecimentos literários”. Esses são significados bem diferentes e distantes do significado que se atribui atualmente a “letramento”.

A palavra letramento ainda não é dicionarizada, porém, tornou-se bastante

fluente em livros e em discursos educacionais, talvez seja por isso que é de fundamental importância esclarecer por que surgiu essa palavra se, até a década de 80, pôde-se viver sem ela. Por que surgiu? Por que foi inventada?

viver sem ela. Por que surgiu? Por que foi inventada? Site: www.ucamprominas.com.br E-mail :

Site: www.ucamprominas.com.br E-mail: ouvidoria@institutoprominas.com.br ou diretoria@institutoprominas.com.br Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15 as 18:00 horas

Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15
Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15

19

Sempre aparecem palavras novas em nossa língua quando fenômenos novos ocorrem, ou quando fatos, ideias ou objetos surgem ou são criados. A partir dessas premissas nasce a necessidade de nomear, de denominar aquilo. Para a cultura humana, tudo tem um nome e enquanto as coisas não têm nome, parece que elas não existem. Portanto, a palavra “letramento” nasceu porque surgiu um fato novo que precisava ser nomeado, um fenômeno que antes não existia, ou se existia, alguns estudiosos ou leigos não tinham nome para ele. Em um antigo livro de Paulo Freire, ele falava de um processo de alfabetização crítica, em que crianças e adultos precisavam alfabetizar-se não apenas para aprender a ler e a escrever, mas para lerem o mundo, ampliarem sua visão local, para transcenderem universalmente. É possível que Paulo Freire estava se referindo a “letramento”, mas até aquele presente momento essa nova palavra ainda não existia para nomear os fenômenos a que Freire já tratava. A palavra “letramento”, ao que nos parece, foi buscada literalmente de uma tradução para o português da palavra inglesa “literacy”, que é definida como: “é a condição de ser letrado”, dando à palavra letrado um novo significado que “letrado é a pessoa versado em letras, erudito” e “Iletrado: que não tem conhecimentos literários, que não é erudito, analfabeto ou quase analfabeto”. Existe, ainda em inglês, o sentido de literate que é: “educado, especificamente, que tem a habilidade de ler e escrever”, é portanto, o adjetivo que caracteriza a pessoa que domina a leitura e a escrita, que é aquele que não só sabe

ler e escrever, mas também faz uso competente e frequente da leitura e da escrita. Segundo Soares (2002), a pessoa letrada aprende a ler e a escrever e passa

a usar a leitura e a escrita plenamente, tornando-se um indivíduo diferente

socialmente e culturalmente. Não se trata, porém, de mudança de nível ou de classe, mas de mudar seu lugar social e cultural de viver em sociedade, de ingressar

na cultura, melhorar sua relação com o outro em todos os contextos.

Alguns estudos mostram que a pessoa letrada fala de modo diferente, sua linguagem oral, após aprender a ler e a escrever deixa evidente a apropriação da língua e, como consequência, causa mudanças nas estruturas linguísticas e no vocabulário. Letramento é, portanto, o resultado de “letrar-se”, tornar-se “letrado”. É ter se apropriado da escrita e da leitura, o que é diferente de aprender a ler e a escrever. É tornar a escrita “própria”, ou melhor, é assumi-la como “propriedade”.

20

O letramento não é alfabetização. É prazer, é lazer, é ler em diferentes lugares e sob diferentes condições, não na instituição escolar, mas em todo e qualquer lugar. Letramento é informar-se através de leituras diversas, é ato de busca de assuntos diferentes, é produzir uma interação com os assuntos encontrados e fazer uso deles. Selecionar notícias que despertam interesse e curiosidade. E divertir-se com um gibi ou uma charge. Letramento é usar a leitura para seguir instruções técnicas ou receitas de bolo, rótulos de produtos, bilhetes, cartas, convites e outros mais. É ler e interpretar histórias que levam a um mundo desconhecido para tornar-se algo conhecido. É emocionar-se, sorrir ou entristecer-se com o lido, enfim, letramento é usar a escrita e a leitura para não ficar perdido e sozinho no mundo e é descobrir pela escrita e pela leitura a si mesmo e o mundo que o cerca.

Reflexão sobre a prática pedagógica docente

O mundo educacional está em constante mutação e as novidades tecnológicas, pedagógicas, lideranças, gestão e gerências já fazem parte da rotina de muitas instituições. Todas essas novidades se devem principalmente a globalização que resultou em uma intensa corrida atrás de uma formação continuada, pois o mercado de trabalho está cada vez mais selecionando aqueles profissionais que são capazes de visualizar esse fenômeno e se preparar eficientemente para encarar os seus desafios. Com isso, novos conhecimentos tornaram-se ferramentas de valor para o mercado educacional. Nesse novo contexto, percebe-se uma valorização de pesquisas no ensino ligado à prática pedagógica do ensino de língua materna, da apropriação da escrita, da motivação em ler e escrever. Acredita-se que a reflexão sobre ações, o pensamento crítico e um espírito pesquisador leva os sujeitos à pesquisa de sua prática relacionando-a à teoria. Isso significa uma contribuição para uma melhora efetiva do ensino de língua materna na escola.

A escola tem como função primordial preparar os indivíduos para entender dados, informações e inovações dentro de seus respectivos contextos, mas

21

sem perder de vista suas ligações com um todo maior que se apresenta como um sistema de vasos comunicantes (SILVA, 2006, p. 14).

Nesse sentido, há um problema que decorre do esquema de prática pedagógica, pesquisa e novamente prática transformada, que esbarra numa situação bastante séria que é o incentivo à pesquisa que pode melhorar a qualidade do trabalho do professor. Uma das melhores formas de o professor poder alcançar a qualidade de sua práxis, de se desenvolver e de maximizar as suas atividades é através da pesquisa e da reflexão de sua prática.

Desta forma, o ambiente de trabalho do professor pode oferecer condições de formação continuada em um processo dialético, através da reflexão constante do professor e da análise de sua prática na sala de aula. A partir desta análise da realidade do cotidiano escolar, o professor tem condições de redirecionar, melhorar, transformar e aperfeiçoar a sua práxis tornando- se um professor reflexivo (SILVA, 2006, p. 30).

De acordo com Silva (2006), o ato de ensinar exige que o professor possua o conhecimento básico do conteúdo que se propõe a ensinar sem autoritarismo, mas com sabedoria, sem o dogmatismo que é o próprio retrocesso da educação. Ensinar exige que o professor respeite os seus alunos e os saberes e experiências que trazem de casa e, a partir dessas experiências, discutir e refletir sobre a realidade concreta desses. Demo (1977) afirma que a prática não é um ato isolado, intermitente, especial, mas atitude processual de investigação diante do desconhecido e dos limites que a natureza e sociedade impõem. Nessa perspectiva, pode-se dizer que o professor deve ter como uma constante o hábito da pesquisa, da capacidade de elaboração própria, ter uma atitude investigativa diária, ter a pesquisa como fonte de reflexão-ação-reflexão. (ALARCÃO, 2003). A posição de um professor reflexivo, atuante e inovador, não permite que esse seja um mero ministrador de aulas, reprodutivista, cristalizado e engessado, ele deve estar em constante atualização, sobretudo ser um exemplo de leitor e produtor de textos para que a sua postura e atuação sejam coerentes com a sua realidade dentro da sala de aula.

22

De acordo com Silva (2006), compreende-se que o professor pesquisador torna sua formação sempre atualizada. Dessa forma, pode-se notar que esse tipo de professor incentiva os outros professores da sua instituição a pesquisar sobre os problemas que enfrentam em sala de aula, como indisciplina, métodos de avaliação, dentre outros. Uma vez que essa atividade por contribuir com o entendimento acerca da realidade, tanto do aluno como do professor, promove uma emancipação intelectual e política de ambos envolvidos, entendendo-se essa emancipação como meio de recuperar o espaço próprio que outros usurparam. No que se diz respeito à produção textual e à leitura, percebe-se que os professores que mais pesquisam e refletem a sua prática são àqueles que alcançam bons resultados com a sua turma, encontram subsídios e alternativas para que os seus alunos estejam estimulados a escrever. Segundo Silva (2006), o professor é um sujeito mediador do processo de aprendizagem, contextualizador de sua prática de ensino, instigador e provocador dos estímulos da alegria de aprender.

Sendo assim, todo o trabalho que o professor desenvolve no cotidiano da sala de aula demonstra algum saber pedagógico possuído por ele, ou adquirido em sua formação inicial ou em torno de seu espaço de trabalho:

a escola. Este último representa boa parte de conhecimento que vai se consolidando com a prática em seu cotidiano (SILVA, 2006, p. 30).

Dessa maneira, percebe-se que para que o professor possa motivar o seu aluno a produzir, a ler e apropriar-se desses conhecimentos, é necessário que antes ele procure se motivar, ter auto-estima, ter prazer em ser professor, pois muitos alunos percebem esse entusiasmo e animo. E essa pode ser uma forma eficaz de se trabalhar a produção de texto, tornar a leitura prazerosa e, sobretudo, criar a consciência da realidade e da condição de poder modificá-la. (SILVA, 2006).

A competência do professor

Nietzsche (1983) aconselhava a fazer do conhecimento a mais potente das paixões. Ele acreditava, ainda, na construção de um conhecimento que renova e cria, liberta e faz com que o homem supere seus conflitos pessoais e sociais. Diante dessa premissa, faz-se necessário que o professor busque ampliar os seus conhecimentos, pois a sociedade é dinâmica e exigente. Essa sofreu muitas alterações no decorrer do tempo que se converteram numa manifestação externa.

23

A mudança de comportamento da sociedade exige profissionais com atitudes inovadoras, com a capacidade para adaptar-se às mudanças, desempenhar o seu papel na sociedade com vivacidade, liderança, reflexão, criticidade e, sobretudo, com competência. Sendo assim, muitos professores estão em conflito com o atual cenário e estão à procura de uma nova relação que implique a redefinição de sua missão na sala de aula, uma vez que o professor não é apenas “o professor”, mas sim a mãe, o pai, psicólogo, entre outros profissionais. Isso significa dizer que em muitas situações eles praticam atividades e têm atitudes que não estão de acordo e nem estavam previstas durante a sua formação. Em primeiro lugar, há a necessidade de construir um novo conceito de professor. Vale salientar, porém, que a pressão da realidade pode provocar a reflexão ou o estresse, essa é uma escolha o professor deve fazer. Em outra proposta, observa-se que mesmo com a modificação do conceito de professor, esse vai sempre se alterar, sempre metamorfosear-se de diferentes formas, em diferentes situações, com sujeitos e contextos diferentes. Mas uma coisa é certa, sempre exigirão professores competentes. Faz-se necessário que professor esteja engajado no cotidiano, pois ele deve ser um sujeito produtor da sua própria história, tornando-se um ser histórico, político, cultural e competente. Como todo ser humano, o professor é um ser de conhecimento. Nisso está implicado o fato de que quase toda a sua atividade é voltada para a pesquisa, para a mediação do conhecimento e, sobretudo, para a instigação de objetivos na vida. Segundo Cunha (1989), estudar o cotidiano do professor é um meio para a compreensão dos fenômenos sociais que o cercam e, com essa compreensão, entender o próprio professor nesse contexto. Os “bons professores” manifestam inúmeras habilidades de ensino e competências. De acordo com Cunha (1989), tais competências podem ser reunidas em cinco grupos:

Organização do contexto da aula;

Incentivo à participação do aluno;

Trato da matéria de ensino;

Variação de estímulo;

24

Uso da linguagem.

Dentro de cada grupo, ainda pode-se encontrar certas habilidades e competências, (CUNHA, 1989, p 164-166):

A habilidade de organização do contexto da aula inclui os seguintes indicadores de competência:

Explicitar o objetivo do estudo;

Localizar historicamente o conteúdo;

Estabelecer relações do conteúdo com outras áreas do saber;

Usar artifícios verbais para apontar questões fundamentais;

Apresentar ou escrever o roteiro da aula;

Apontar referências para materiais de consulta. A habilidade de incentivo à participação do aluno inclui indicadores como :

Formular perguntas

Valorizar o diálogo;

Provocar o aluno para realizar as próprias perguntas;

Transferir indagações de um aluno para outro ou para toda a classe;

Usar palavras de reforço positivo;

Aproveitar as respostas dos alunos para dar continuidade à aula;

Ouvir as experiências cotidianas dos alunos. A habilidade de tratar a matéria de ensino aparece da seguinte forma:

Esforçar-se para tornar a linguagem acadêmica acessível :

Tornar os conceitos claros;

Fazer analogias;

Estabelecer relação entre causa e efeito;

Vincular teoria e prática;

Usar exemplos;

Utilizar resultados de pesquisas. O grupo de indicadores da habilidade de variação de estímulos constitui-

se de:

Uso adequado de recursos audiovisuais;

Movimentação no espaço de ensino;

25

Estimulação de divergência e de criatividade;

Preocupar-se em instalar a dúvida. Por fim, a habilidade do uso da linguagem reúne aspectos como :

Ter clareza nas explicações através de:

Uso de terminologia adequada;

Emprego de voz audível;

Uso de pausas e silêncios;

Adoção de entonação de voz variada;

Senso de humor no trato com os alunos. De acordo com Cunha (1989), esse mapeamento das habilidades e competências foram organizadas a partir da análise de dados de sua pesquisa, concluindo que é necessário a existência de uma coerência entre a representação que o professor faz de sua prática pedagógica e o que realmente acontece na sala de aula.

26

UNIDADE 3: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

O professor precisa desenvolver a capacidade de interpretação própria da

realidade para que possa apreendê-la e compreendê-la. Dessa forma, ele estará contribuindo com a construção de uma prática pedagógica competente no ensino de produção de texto. Faz-se necessário que o docente seja um pesquisador sobre abordagens da linguagem para ampliar a compreensão da produção de texto de seus alunos. Além disso, percebe-se que há novas interpretações acerca dessas realidades sendo

necessário se criar novos métodos acerca da produção textual nesse novo contexto:

avanços tecnológicos, linguagem virtual - “vc”, “adc”, entre outras.

O professor deve entender essa nova realidade educacional avaliando sua

própria ação dentro da sala de aula e a partir de sua análise buscar soluções para

lidar com os desafios.

A prática docente para o ensino da produção textual deve identificar a

experiência vivida pelos alunos na sala de aula, buscando dar sentido ao que se pede a eles. Um dos grandes problemas vividos pelos docentes em sala de aula, dentre tantos outros, é a dificuldade nas suas produções escritas, mas quando esses encontram um suporte, conseguem aprender e compreender os mecanismos que auxiliem na produção textual. A partir daí, os alunos sentem prazer em escrever e ler os seus textos. Para tanto, é preciso que o professor identifique na sua realidade a curiosidade dos alunos, o que eles têm vontade de escrever, o que eles enxergam

no mundo. É comum observar que ainda existem professores de regiões periféricas no sentido social e não geográfico que pedem aos seus alunos que produzam um texto contando como foram as suas férias. Se esses professores conhecessem a realidade de seus alunos, certamente

pediria outro tipo de texto englobando o mesmo tema, como por exemplo,”As férias

dos meus sonhos” ou ainda “Imagine-se de férias em lugar

Há inúmeras maneiras de focar o mesmo tema adequando-o à realidade de seus alunos. Vale lembrar que quando se pede uma produção textual ao aluno sem encher a sua bagagem de conhecimento, sem fazer analogias, sem que ele não tenha informação sobre o tema, possivelmente esse aluno não fará a produção

”.

27

textual, se o fizer é bem possível que ele não saiba o que está dizendo. Dessa forma, o aluno poderá ficar cada vez mais desestimulado, apático e, na maioria das vezes, ser ele mesmo o culpado pelo seu fracasso. Não há meios de se desenvolver uma motivação nos alunos sem a necessária relação entre teoria e prática do professor, e uma das coisas que muitos professores criticam é a teoria. Muitos profissionais afirmam que a teoria não dá conta de realidade, mas fazer uso da prática sem fundamentação teórica é o mesmo que andar no escuro.

Todo trabalho docente é uma práxis dialética entre a teoria e a prática que se caracteriza pela ação/reflexão/ação. Muitas vezes, porém, uma situação problemática ou conflituosa na sala de aula apresenta-se como um caso único, e não é possível encontrar este caso no “manual”, se o professor quiser tratá-lo de forma competente precisa usar de improvisação, inventando, refletindo, investigando e buscando estratégias situacionais que ele mesmo produz de acordo com a sua necessidade. (SILVA, 2006, p.

35).

É fundamental defender a necessidade de relacionar teoria e prática, pois é de suma importância uma prática que se suporte numa teoria e vice-versa. (DEMO, 1997). E considerando a atividade de leitura e produção de texto, visualizar o lugar que essas atividades ocupam no contexto educacional significa perceber o projeto político e teórico que a fundamenta. Primeiramente, constata-se que a leitura depende da instituição escolar, que é responsável pela sistematização e organização do saber, pela promoção e divulgação da cultura e também pela manutenção da tradição do povo a quem serve.

No entanto, o sistema educacional é seletivo e imbuído de ideologia. Dessa forma, a leitura sofre influências desse mesmo processo e até pode se tornar colaboradora em fomentar e reproduzir elementos que divergem e ao mesmo tempo se repelem, dependendo da política que a orienta. (SOARES, 2002). Resgatar, pois, o verdadeiro sentido de uma educação voltada para a recuperação dos direitos de cidadania de todos os indivíduos, exige vencer a bonomia desigualdade-exclusão, característica marcante do sistema educacional brasileiro. A alfabetização seguida do letramento é um elemento importante não só na produção de um texto como também na solidificação da democracia. Para se

28

caminhar nessa direção, é preciso que se saiba onde se pisa, o que se quer construir e os meios que se deve usar, pois, como diz Freire:

O ato de alfabetizar é muito mais que o ato de ensinar a ler, sendo que o alfabetizador vai enchendo com suas palavras as cabeças supostamente vazias dos alfabetizandos. Pelo contrário, enquanto ato de conhecimento e ato criador, o processo da alfabetização tem, no alfabetizando, o seu sujeito (FREIRE, 1997, p. 21).

Desse modo, a leitura e a produção de texto implicam na participação livre do sujeito, realizando uma ação ativa e democrática entre alfabetizador e alfabetizando. É desse modo que o professor alcançará sua meta singular: ajudar a despertar em cada pessoa a consciência de sua própria dignidade, formando pessoas livres, responsáveis e solidárias. As características de um educador democrático são fundamentais no processo educativo porque permite ao alfabetizando inserir-se num processo criador, do qual o próprio alfabetizando é criador e sujeito ao mesmo tempo. Num processo democrático, educador e educando se enriquecem mutuamente. O que torna possível a construção de uma sociedade democrática e justa. Sabe-se que a escrita tem diversos usos, está presente na maior parte das atividades do cotidiano das pessoas e dela se lança mão para dar conta de grande parte das ações humanas. Imaginar a presença da leitura no cotidiano do homem atual é notá-la no momento em que ele se levanta, faz a leitura do jornal e se atém a alguns títulos que chamam mais a atenção e, então, os lê detalhadamente. E essa atividade se repete em outras atividades: ao passar pela caixa de correspondência, seleciona as que mais o interessam. (VIÉGAS, 1997). Pode-se observar que a leitura e as formas variadas de produção textual estão presentes no cotidiano dos alunos constantemente como nas listas de compras, na observação dos preços no supermercado, no caderno de receitas, nas bulas de remédios, na novela, nos desenhos, nos rótulos, nos panfletos, entre outros. A presença da escrita está em várias situações e de diferentes maneiras e fontes sejam elas pequenas, grandes, coloridas, pretas, letras impressas, letras manuscritas, com funções as mais diversas. Essa escrita em que o sujeito está

29

inserido no cotidiano é chamada de escrita social, e dever ser considerada em sua expansão e importância. Esse tipo de escrita social possibilita leituras diversificadas, pois não se lê da mesma maneira um folheto de divulgação da mesma forma que se lê uma receita culinária ou um livro de literatura. Para tanto, é preciso estratégias de leitura diferenciadas para apreender as informações contidas nos diferentes gêneros textuais, e o interesse nas informações e o objetivo desejado vai determinar o tipo de leitura a ser feito. Essa flexibilidade de atenção, as várias formas de ler para apreender o sentido dos textos, é fundamental para o homem e sua adaptação ao mundo moderno, e é o que caracteriza o leitor moderno. (VIÉGAS, 1997). A instituição escolar deve levar em consideração que a existência dessa escrita diversificada é em decorrência da evolução das diversas modalidades de leitura e da produção. É necessário refletir que a leitura e a produção textual constituem atos sociais, sendo assim, é de fundamental importância que o profissional docente explore mais essas modalidades com gêneros textuais diversificados no contexto escolar e, sobretudo, que não desconsidere a vivência e a realidade de seus alunos.

O educador da pós-modernidade

Essa parte tenta conceituar e analisar o que se entende por pós-moderno. Para considerar esse tópico deve-se situá-lo no plano da historicidade das ideias, no contexto educacional, na ideia de poder que está camuflado e do plano da política para poder entender o perfil do educador nesse novo tempo. Segundo estudos de Gadotti (1996), desde os anos 50 década em que por convenção se encerra o modernismo (1.900-1.950) fala-se em pós-modernismo, nome aplicado às mudanças ocorridas nas ciências, nas artes e nas sociedades avançadas. Hoje não é considerado um modismo, mas sim uma indagação sobre o futuro e uma negação à modernidade, o que causou uma certa perda de identidade nos indivíduos, principalmente por esse período caracterizar-se pela perda de paradigmas e referenciais.

30

Em síntese, com a Revolução Científica, a natureza passou a ser controlada, novas visões de mundo foram surgindo a partir de Descartes, depois por Isaac Newton, que amplia as teorias de Descartes, e ainda por Francis Bacon e outros que impulsionaram a ciência e a tecnologia a mudar o mundo, obsessivamente para o progresso, nascendo assim o modernismo. Nesse momento histórico acontece o declínio da importância da religião e espiritualidade, laços familiares são rompidos à medida que os compromissos e interesses capitalistas aumentam. O mundo é racional. Isso tudo afetou os aspectos da vida ocidental, as instituições e a identidade dos sujeitos, nesse caso a do professor. Esse desconforto em todos os segmentos sociais trouxe uma preocupação com a situação social e refletiu em uma busca de novos caminhos e paradigmas. (KINCHELOE, 1997). Segundo Hall (2003), esta nova concepção de mundo está fragmentando as paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade, que no passado, nos tinham fornecido sólidas localizações como indivíduos sociais. Essas transformações estão também mudando as identidades pessoais. Todas essas análises servem de fundamentação para refletirmos o tópico polêmico da pós-modernidade e a sua relação com a educação, especificamente, na identidade do professor que, como qualquer ser humano, vivencia todas essas crises de ausência de paradigma, o que, consequentemente, reflete em sua crise identitária, em sua prática pedagógica e no cotidiano educacional, e no que se diz respeito à produção textual em sala de aula. Com o pressuposto de que essa crise de identidade é um processo dialético, como ressignificar a identidade docente nesse contexto? Para Gadotti (1996), a educação da pós-modernidade tem o objetivo de trabalhar mais com o significado do que o conteúdo, busca trabalhar com a pluralidade e com as mudanças. Além de apresentar perspectivas voltadas para o resgate da afetividade, do envolvimento, da solidariedade e da alegria na escola. (SNYDER, 1998). Nesse sentido, o professor depara-se com o grande desafio, de buscar e manter o equilíbrio, resgatar e fortalecer sua identidade de forma crítica, reflexiva e libertadora, o que Freire realça muito bem:

31

No fundo, mulheres e homens nos tornamos seres especiais e singulares. Conseguimos, ao longo de uma longa história deslocar da espécie o ponto de decisão de muito do que somos e do que fazemos para nós mesmos individualmente, mas na engrenagem social sem a qual não seriamos também o que estamos sendo. No fundo, nem somos só o que herdamos nem apenas o que adquirimos, mas a relação dinâmica, processual do que herdamos e do que adquirimos. (FREIRE, 1998, p. 93).

Na concepção de Paulo Freire, o ideal seria que o professor tomasse consciência de sua identidade e de sua missão, não uma missão neutra, mas uma missão com autonomia, sistematizada, libertadora e com o gosto da liberdade, amorosidade e esperança naquilo que faz. Essa missão libertadora do professor pode ser percebida quando muitos professores, mesmo após muitos anos na docência, ainda revestem-se de orgulho da sua profissão e acreditam que têm uma missão a cumprir e que, cada vez que reflete criticamente sobre sua identidade e sobre a sua prática, busca a ressignificação de sua missão docente, embora o contexto educacional tem passado por crises infindáveis, e além de tudo, a mídia, um dos pontos cruciais do pós- modernismo, expõe o professor como um indivíduo estressado e desequilibrado com ideias abstratas e ambíguas . O depoimento de muitos professores revela um aspecto positivo da identidade e da prática docente, percebe-se uma relação estreita entre a missão docente com a metáfora da visão do semeador. Isso mostra que, apesar do professor estar vivenciando muitas crises sociais, culturais e históricas, com ausência de paradigmas, estigmas degradantes e um modelo econômico crucial, ele busca ressignificar a sua profissão, reafirmar a importância de sua missão e o compromisso social e político que tem com o outro, demonstrando sua afetividade e antes de tudo, sua esperança. Nesse sentido, o professor que ensina a prática da produção textual tem pela frente um grande desafio que depende de conhecimentos, demanda tempo e, sobretudo, tem a função de despertar a consciência cidadã em seus alunos. (SILVA,

2005).

Os desafios da docência diante às propostas neoliberais

As propostas neoliberais, presentes no marco de mudanças dos sistemas educacionais, caracterizam-se por um modelo político hegemônico com propostas

32

de privatização da educação pública e a redução de gastos públicos, ou seja, a estratégia desse modelo político é crucial e tem como finalidade enxugar os gastos

com a educação promovendo uma descentralização da educação pública através da privatização. Isso pode ser um perigo e uma estratégia para despolitizar educadores

e educandos. O modelo neoliberal em relação aos docentes, que afinal é o eixo que centraliza este estudo, mostra que eles são excluídos no processo atual de tomada de decisões sobre as políticas educativas, e segundo esse modelo atual, os professores não constituem um fator importante no processo de aprendizagem, o que indica nitidamente a (des)profissionalização, com uma redução de salários e perda de autonomia. Essas reformas educativas inspiradas pelo neoliberalismo vão de encontro às perspectivas dos professores, o que pode ser notado através de aspectos negativos da educação com uma política governamental que retira a cada dia a autonomia, gerando um descompromisso de alguns alunos. Os salários baixíssimos contribuem com a crescente desvalorização profissional docente. A ausência de investimentos financeiros para a formação continuada do professor é um descaso. Nesse sentido, pode-se perceber que o professor está informado sobre as propostas econômicas e políticas que o envolvem e comprometem a educação. A discussão sobre o papel do Estado é antiga, e a maioria dos profissionais da Educação sentem-se angustiados com esse descaso, mas o que é interessante notar é que mesmo diante desses desafios cruciais, muitos docentes ainda buscam ressignificar sua identidade e sua prática, na tentativa de vencer na vida sendo professor. (WERNECK, 2001).

Muitos professores têm consciência da realidade e procuram resgatar sua identidade e fortalecer sua missão, ainda muitos sonham e acreditam que a educação é a base para se ter um país mais justo e mais humano. Segundo Werneck (2001), todos os profissionais precisam ser assíduos e perseverantes na busca de melhores situações para si mesmos e para os demais que dependem dos professores, com a certeza de que, com essa atitude positiva em relação ao trabalho e à vida, está se fazendo o melhor para as comunidades e para

o futuro dos alunos, em relação à cidadania. As condições cruciais e desafios as quais os professores estão inseridos fazem como que eles desenvolvam a capacidade de estar sempre refletindo sua

33

prática com a intenção de ressignificar sua identidade e resgatar a valorização de sua missão. Evidentemente, realçar a identidade e a missão docente compreende um desafio e se o professor neutralizar-se e ficar a espera de que tudo se resolva por si só, tudo se complicará ainda mais. É preciso que o professor envolva-se e deseje que sua prática seja reflexiva, no sentido de que ela pode ser entusiasmante e com prazerosidade, e essa dimensão da alegria de ser professor é uma ação transformadora:

O descaso da educação transformou-se no Brasil, numa causa mortis

indisfarçável. E isto tem dois sentidos: em primeiro lugar, porque no mundo

de hoje a privação da Educação impossibilita até a simples sobrevivência; e

em algum lugar, porque sem a qualidade cognitiva e social das experiências

de conhecimento não existem vivências da esperança. E a escola deveria

ser uma organizadora da esperança em vidas humanas concretas.

(ASSMANN, P. 206).

E é com essa perspectiva que a maioria dos professores enxergam a educação.

A produção de texto na escola

A instituição escolar não se apresenta como o único espaço para manifestar tal atividade, mas é um lugar privilegiado e delegado pela sociedade para realizar a difícil tarefa de formar cidadãos leitores e produtores. Nesse sentido, a escola precisa ultrapassar, transcender o modelo tradicional de somente ser transmissora e reprodutora do saber culturalmente acumulado para, de fato, exercer sua função de promotora de uma educação que constrói a democracia ao propiciar situações para transformar informações em conhecimentos, não formando, assim, meros receptores de mensagens. (MARTINS,

1994).

Escola, na medida mesma em que trabalha com indivíduos diferentes, com valores, crenças, hábitos linguísticos e comportamentais diferentes, é também um campo de batalha luta de ideias e de linguagens, como expressão da luta de classes. (ZIBERMAN, 1982, p.43).

34

Na contramão dessa visão democrática, está um sistema educacional condizente com uma sociedade desigual e classista.

Do ponto de vista crítico, não é possível pensar sequer a educação sem que se pense a questão do poder; se não é possível compreender a educação como uma prática autônoma ou neutra, isto não significa, de modo algum, que a educação sistemática seja uma pura reprodutora da ideologia, dominante. As relações entre a educação enquanto subsistema e o sistema maior são relações dinâmicas, contraditórias, e não mecânicas (FREIRE, 1987, p.28 ).

É necessário que o educador seja reflexivo e esteja consciente de sua

influência ideológica e política.

É preciso que assuma uma postura que busque a democracia, bem como

seja coerente com ela na prática diária. Dessa forma, é importante rever a história,

pois se poderão constatar os efeitos de uma política que manipula o saber e que repercute ainda hoje no ato de ler e de escrever. Nessa perspectiva, a produção textual na sala de aula envolve conhecimentos específicos como compreensão, o contexto de produção, circulação e recepção. De acordo com François (1996), o contexto é a situação histórico-social de um texto, envolvendo não somente as instituições humanas, mas outros textos que sejam produzidos em volta e com ele se relacionem. O contexto é a moldura de um texto, ele envolve elementos que ajudam a entender o sentido. A linguagem é um fenômeno complexo, fundamentado em um tipo de discurso e do tipo de interlocutores. A comunicação é uma forma de agir sobre o mundo. Na ação comunicativa há um jogo de interação entre os envolvidos. Existe uma relação dialógica entre eu/outro com o texto.

Diante disso, devem-se observar os elementos do processo como:

Aspectos linguísticos;

Sócio-histórico;

Cultural;

Variedades de gêneros textuais;

Observar os sujeitos do discurso;

A multiplicidade de sentidos;

A interpretação como um espaço imaginário;

 A interpretação como um espaço imaginário; Site: www.ucamprominas.com.br E-mail :

Site: www.ucamprominas.com.br E-mail: ouvidoria@institutoprominas.com.br ou diretoria@institutoprominas.com.br Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15 as 18:00 horas

Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15
Telefone: (0xx31) 3865-1400 Horários de Atendimento: manhã - 08:00 as 12:00 horas / tarde - 13:15

35

O leitor e sua interação com o texto;

Habilidade do aluno e o aspecto social

Muitas pesquisas e estudos vêm sendo desenvolvidos sobre a questão do ler e escrever, pois pode-se perceber a existência de uma necessidade de mudança, de transformação e de conscientização do papel da escola, do papel do professor e do papel dos pais frente ao ler e escrever. Várias teorias relativas à leitura e à emancipação do leitor e sua responsabilidade na construção textual do aluno ampliam, inicialmente, o significado de ler dentro da sociologia da leitura. Desse modo, aprende-se que, muito antes das crianças lerem a palavra escrita, elas já mantêm uma relação ativa com as letras e palavras, embora eles próprios não admitam que já lêem dando destaque aos saberes já construídos pelo contato com os vários objetos portadores de texto, tais como as propagandas, rótulos de produtos, receitas, convites e leituras informais.

A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa prescindir da continuidade da leitura daquele. Leitura e realidade se prendem dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto. (FREIRE, 1997, p.11).

À medida em que crianças, jovens e adultos, em situação de escolarização ou não, lêem mais do que a escola propõe mais eles estarão entrando para o mundo da escrita sem mesmo perceber esse fenômeno. As revistas, as propagandas da televisão, o anúncio de outdoor, o endereçamento da correspondência carregam textos consigo e são capazes de orientar quanto a atitudes, escolhas e preferências, adquirindo valor no espaço social, o que é de imediato percebido pelo aluno. Sendo assim, a função da educação formal se altera e impõe-se a necessidade de professores mais reflexivos para uma sociedade impregnada de palavra escrita. Acredita-se que a democratização da leitura, bem como a produção textual, e dos seus suportes é verificável, na medida em que diferentes classes sociais têm

36

acesso a um jornal popular, vêem televisão, lêem a oração dos cultos religiosos, poemas nos ônibus, em camisetas, recebem propagandas nas calçadas. Essa democratização rumo à cidadania pode auxiliar bastante o domínio do código e, se por um lado, supre uma função inicialmente desempenhada pela escola, por outro lado, amplia a responsabilidade da escola em formar leitores capazes de ler compreensiva e criticamente os diferentes textos que transitam nas mais variadas mídias, e não apenas decodificar tais leituras de forma acrítica. Pode-se salientar que cabe então ao profissional docente alfabetizar mais pelo lado crítico e social, considerando-se que esse tipo de alfabetização refere-se a realização do letramento de seus alunos, isto é, é o que os habilita a exercer amplamente a condição que decorre do fato de terem se apropriado da leitura e da escrita. Face à pluralidade de estímulos escritos, o professor precisa instigar o estudante a explorar as diferentes possibilidades de dialogar com os textos, o que implica utilizar a palavra lida/escrita para refletir e interagir com diferentes práticas sociais de cultura, entre as quais se insere a leitura. As crianças que não partilham da leitura e da produção efetivamente, como valor de seu grupo social, demandam uma atuação mais incisiva, que as insira num mundo em que elas possam atribuir significado ao ler e ao escrever, compreendendo a função emancipatória que tal domínio propicia. Isso porque a leitura alarga os conhecimentos e capacita o ser humano a interagir no mundo de modo criativo e transformador. Pela leitura e produção de textos, a pessoa consegue adquirir maior habilidade para exercer os conhecimentos culturalmente construídos, e, desse modo, escala com facilidade os novos graus de ensino, e, em consequência, atinge também sua realização pessoal, favorecendo a compreensão das informações que a rodeiam e transformá-las em conhecimentos. Portanto, hoje se impõe à Educação o dever de formar uma geração do conhecimento. É através do investimento na educação que se poderá superar os obstáculos que impedem o cidadão de transpor novos rumos na construção de uma sociedade igualitária, inclusiva, justa e democrática.

37

A emancipação da identidade intelectual e política do aluno

Entender o que é estável e o que é circunstancial em uma pessoa, conhecer suas características e potencialidades e reconhecer seus limites é central para o desenvolvimento da identidade e para a conquista da autonomia. A capacidade das crianças de ter confiança em si próprias e o fato de se sentirem aceitas, ouvidas, cuidadas e amadas oferece segurança para a sua formação pessoal e social.

A possibilidade de desde muito cedo efetuarem escolhas e assumirem

pequenas responsabilidades favorece o desenvolvimento da auto-estima, essencial para que as crianças se sintam confiantes e felizes, especialmente no espaço escolar durante a educação infantil. O desenvolvimento da identidade e da autonomia estão intimamente relacionados com os processos de socialização e emancipação intelectual. Nas interações sociais se dá a ampliação dos laços afetivos que as crianças podem estabelecer com as outras crianças e com os adultos, contribuindo para que o reconhecimento do outro e a constatação das diferenças entre as pessoas sejam valorizadas e aproveitadas para seu enriquecimento pessoal. O processo de alfabetização e a apropriação desse processo oferece muitas possibilidades interacionais que contribuem com a constituição da identidade e para o desenvolvimento do senso crítico e da visão de mundo das crianças. As instituições de educação infantil que se constituem, por excelência, em espaços de socialização, propiciam o contato e o confronto com adultos e crianças de várias origens socioculturais, de diferentes religiões, etnias, costumes, hábitos e valores, fazendo dessa diversidade um campo privilegiado da experiência educativa.

A prática educativa pode criar condições para as crianças conhecerem,

descobrirem e ressignificarem novos sentimentos, valores, ideias, costumes e

papéis sociais. O processo de alfabetização e letramento possibilita que a criança se reconheça como um ser histórico, que possui uma identidade.

A construção da identidade e da autonomia da criança relaciona-se ao

conhecimento, desenvolvimento e uso dos recursos pessoais para fazer frente às diferentes situações que a vida a expõe. A identidade é um conceito do qual faz parte a ideia de distinção, de uma marca de diferença entre as pessoas, a começar pelo nome, seguido de todas as características físicas, de modos de agir e de pensar e da história pessoal. Sua

38

construção é gradativa e se dá por meio de interações sociais estabelecidas pela criança, nas quais ela, alternadamente, imita e se funde com o outro para diferenciar-se dele em seguida.

A criança participa, também, de outros universos sociais, como festas

populares de sua cidade ou bairro, igreja, feira ou clube, ou seja, pode ter as mais diversas vivências, das quais resultam um repertório de valores, crenças e

conhecimentos, desenvolvendo inconscientemente um nível de letramento, de acordo com sua experiência pessoal e coletiva. Desse modo, o letramento envolve mais do que meramente ler e escrever. Letramento não é simplesmente um conjunto de habilidades de leitura e escrita, é muito mais que isso, é o uso dessas habilidades para atender às exigências do mundo. Acredita-se no poder do letramento para conduzir ao progresso social e individual, para atingir objetivos próprios e desenvolver conhecimentos e potencialidades por toda uma vida.

Relação entre a oralidade e a escrita

A relação entre a oralidade e a escrita são estreitas, uma vez que é

impossível investigar alguma delas sem uma referência ao papel dessas duas práticas na civilização contemporânea. (MARCUSCHI, 2000). A escrita é usada em contextos sociais básicos da vida cotidiana, em paralelo direto com a oralidade. Segundo Marcuschi (2000, p. 19), esses contextos são, entre outros:

O trabalho;

A escola;

O dia-a-dia;

A família;

A vida burocrática;

A atividade intelectual.

Fávero (2002), também tratando das relações entre fala e escrita, afirma que existem muitos trabalhos de pesquisadores que se preocupam em fazer a distinção

39

entre a linguagem falada e a escrita observando a escolha do vocábulo e do léxico como método. E, ainda segundo Fávero, a interferência da língua falada no texto escrito é um dos maiores problemas no ensino de língua e da apropriação da escrita, pois nesse processo estão presentes polissemias, ou seja, vários efeitos de sentidos, que geram dificuldades na compreensão do texto escrito. Nesse caso, os efeitos de sentido podem ter conotações que diferem da análise feita pelo professor, percebe-se então a importância da análise da produção escrita, levando-se em consideração todas as possibilidades de efeito de sentido que algumas palavras desempenham dentro da produção escrita. Dessa forma, tem- se que o ideal nesse campo de ensino seria a retomada da leitura do texto pelo próprio aluno, tendo esse a oportunidade de comentar sua produção e fazer as alterações pertinentes para o entendimento do sentido que os enunciados têm dentro do texto. Segundo Koch (2003), quando se trata de produção textual, torna-se importante esclarecer a influência e/ou interferência da oralidade nos textos dos alunos, pois os efeitos de sentido que os léxicos empregados têm e suas especificações sintáticas e semânticas dentro da proposta do texto, no momento em que a produção é escrita pelo aluno, podem ser diferentes, e na verdade devem ser diversificadas. De acordo com Marcuschi (2000), as relações de fala e escrita são tendenciosas a estarem no campo das comparações, já que os objetos de análise são bastante variados e podem levar em conta as variações de dialetos que têm outros parâmetros de análise, mas que interferem na situação de comunicação. Segundo Cavalcanti & Lombello (1987), qualquer atividade com a palavra escrita envolve a seleção de textos levando-se em consideração a faixa etária e com atividades de ensino que se limitam a responder perguntas previamente formuladas com a finalidade de interpretação e entendimento de textos em exercícios de completar espaços. Já as atividades de produção de texto escolar são utilizadas como pretexto para a prática ortográfica e o uso adequado da pontuação. Nesse sentido, faz-se necessário que o professor esteja atento à utilização que ele faz do texto na sala de aula. Para Ludke (1995), não existem receitas prontas para desenvolvê-la e também não existem receitas ou normas pré-estabelecidas que possam orientar

40

seguramente o trabalho com o texto, pois as decisões têm mesmo de ser tomadas com muito cuidado na medida em que cada problema vai se apresentando dentro da sala de aula.

A interação verbal, os gêneros e as produções textuais

A conversação é antes de tudo um ato social, uma atividade que ocorre no interior de situações sociais que são modificadas ou mesmo constituídas através desse ato. Essa interação pode ser denominada de processos de figuração, isto é, processos por meio dos quais os interlocutores se representam uns diante dos outros de determinada maneira. (KOCH, 2003). Diante disso, percebe-se que para se produzir um texto é necessário ter por finalidade a interação verbal, os gêneros e as produções textuais independentes, pois uma coisa é o estudo da gramática e outra é o domínio da língua, da interação entre os sujeitos e, sobretudo, do contexto. (POSSENTI, 2002). Um dos problemas encontrados na produção de texto dentro da sala de aula é a questão do certo ou errado, a variação linguística e a desconsideração da diversidade da Língua. Sendo assim, é necessário que o professor trace metas a serem seguidas frente à realidade da variação linguística, como:

Superar a visão da língua como um sistema homogêneo, e da gramática como descrição e julgamento definitivo sobre ela;

Entender a dimensão social e cotidiana da prática linguística;

Compreender as condições sócio-históricas de constituição de variedades;

Expor-se aos mais diferentes tipos de manifestação linguística;

Apreciar criticamente os diversos usos da linguagem e seus efeitos;

Viver experiências que ampliem as competências na manipulação das variedades;

Fazer opções e seleções diante do conjunto do sistema linguístico, em função dos contextos de interação;

Expressar-se através dos mais diferentes registros.

Acredita-se que a instituição escolar poderia acrescentar em seu planejamento atividades que proporcionassem esse tipo de reflexão com relação à

41

linguagem, pois a sistematização de algo que não se tem domínio é plenamente ineficaz. Vêem-se nos documentos oficiais para o ensino de língua portuguesa, orientações para a prática de análises linguísticas a partir do conhecimento epilinguístico e de práticas que tenham o texto como elemento de pretexto para o ensino dessa prática. Algumas palavras usadas na modalidade oral e empregadas na modalidade escrita, apresentam efeitos de sentidos pragmático-discursivos na produção de texto escolar, portanto, devem ser levadas em consideração. O outro fator importante quando se fala de produção textual na escola é a importância do domínio dos diversos gêneros do discurso presente na vida diária do educando. De acordo com Miller (1994), o gênero é um constituinte específico e importante da estrutura comunicativa da sociedade, de modo a constituir relações de poder bastante marcadas, em especial dentro das instituições. O gênero reflete estruturas de autoridade e relações de poder muito claras. Os gêneros são formas de organização social e expressões típicas da vida cultural. Contudo, vale também lembrar que os gêneros não são categorias taxionômicas para identificar realidades estanques. Quanto aos critérios para a seleção de gêneros, o professor e a escola como um todo devem adotar àqueles que estão de acordo com cada ciclo em que o aluno esteja cursando. Pode-se escolher gêneros orais e escritos que os compõem:

Agrupamento do narrar: conto, fabula, romance, advinha, piada;

Agrupamento do relatar: relato histórico, notícia, reportagem, crônica esportiva;

Agrupamento do argumentar: texto de opinião, carta ao leitor, editorial, resenha;

Agrupamento do expor: resenha, relato científico, artigo enciclopédico, resumo;

Agrupamento do descrever ações: instruções de uso, receita, regulamento. A seleção de gêneros deve favorecer a prática de escuta, leitura de textos e produção oral e escrita levando em consideração critérios de agrupamento de circulação social, de instâncias públicas que são fundamentais para a efetiva participação social. (RODRIGUES, 1999).

42

Para a prática de escuta e leitura de textos, pode se considerar os textos:

Literários: cordel, canção, romance, crônica;

De imprensas: comentário radiofônico, entrevista, editorial,reportagem, artigo;

De divulgação científica: exposição, seminário, verbete, relatório, artigo;

Publicidade: propaganda;

Para a prática de produção de textos orais e escritos:

Literários: canção, texto dramático, crônica, conto, poema;

De imprensa: entrevista, debate, notícia, artigo, carta ao leitor;

De divulgação científica: exposição seminário, relatório, esquema, resumo

Deve-se levar em consideração que, mesmo escolhendo um gênero textual, ainda é necessário observar as esferas sociais e quais os gêneros se encaixam melhor nelas (RODRIGUES, 1999):

Esfera dos negócios: contrato, ofício;

Esfera cotidiana: conversa familiar, cumprimento, bilhete;

Esfera religiosa: sermão, encíclica;

Esfera científica: tese, palestra, ensaio;

Esfera jurídica: petição, decreto;

Esfera jornalística: editorial, notícia, artigo;

Esfera escolar: texto didático, seminário, resumo;

Esfera artística: conto, romance, novela.

Diante do exposto, percebe-se a complexidade da produção textual na sala de aula e, ao mesmo tempo, a riqueza e as possibilidades de interação e participação social das crianças.

A leitura e a produção frente às novas tecnologias

Pode-se perceber que o impacto das tecnologias digitais na vida contemporânea já se mostrou com muita força e, sobretudo que tem poder tanto para construir como para devastar. (MARCUSCHI, 2002).

43

As expressões como “e-mail”, “bate-papo virtual” (chat), “aula virtual”, “listas de discussão” e outras já não são estranhas, mas qual a originalidade desses gêneros em relação ao que existe? De acordo com Marcuschi (2002), esse fascínio traz divertimento, veicula informação, permiti participações interativas. Pode-se dizer que parte do sucesso da nova tecnologia deve-se ao fato de reunir num só meio várias formas de expressão, tais como texto, som e imagem, o que lhe dá maleabilidade para a incorporação simultânea de múltiplas semioses, interferindo, assim, na natureza dos recursos linguísticos utilizados. Nesse sentido, pode-se apontar três aspectos para a análise desses gêneros relevantes:

Seu desenvolvimento e um uso cada vez mais generalizado;

Suas peculiaridades formais e funcionais, não obstante terem eles contrapartes em gêneros prévios;

A possibilidade que oferecem de se rever conceitos tradicionais, permitindo repensar a relação com a oralidade e a escrita. Para Marcuschi (2002), o discurso eletrônico constitui um bom momento para se analisar o efeito de novas tecnologias na linguagem e o papel da linguagem nessas tecnologias, o que indica a necessidade de algumas reflexões de caráter epistemológico e metodológico para uma melhor compreensão do tema na perspectiva da teoria dos gêneros. Para Crystal (2001), a ideia de que o mundo todo se renova por completo é uma ilusão que logo desaparece. Novidades podem até acontecer, mas com o tempo percebe-se que não era tão novo aquilo que foi tido como tal. E, particularmente suas influências não foram tão devastadoras ou tão espetaculares como se imaginava. Daí a pergunta: quanto de novo vem por aí com a Internet em relação aos gêneros textuais?

O papel da escola na formação de leitores

A aquisição da leitura e da escrita é para todas as crianças. É direito e aspiração de todos os cidadãos. Para muitos, saber ler e escrever significa dispor do veículo fundamental de acesso aos conhecimentos da língua nacional, da

44

Matemática, e de todas as ciências, além de ser um instrumento de expressão e de compreensão da realidade. Pensando assim é que a instituição escolar é, por excelência, um espaço social, cultural e histórico que se diferencia de todos os outros espaços, mesmo do espaço familiar e de outros espaços sociais em que o indivíduo possa estar inserido. Entende-se que toda criança possui uma convivência com o seu mundo, com seus pais, com sua família, com vizinhos e outros. Isso indica que a criança ao vivenciar e participar de outros fatores e grupos diferentes adquiri conhecimentos relacionados à alfabetização e ao letramento que chegam à escola junto com ela. Sabe-se que mesmo sem ter a noção do que significa alfabetização e letramento, as crianças vêm de casa trazendo consigo saberes que precisam, então, ser sistematizados no espaço escolar. É preciso compreender que a criança não chega à escola sem saber nada, vazia, muito pelo contrário, ela traz de sua casa sua experiência de vida, uma vez que ela convive diariamente com a fala e com a escrita. Por isso, todo educador e toda instituição escolar precisa entender esse processo. A escola pode contribuir muito, junto com as demais instâncias da sociedade, para a construção de uma sociedade democrática e a alfabetização das crianças é fundamental nesse processo. No entanto, a partir de pesquisas, de avaliação institucional percebe-se que alguns educadores têm pouco acesso a teorias e pesquisas sobre a alfabetização e letramento, são poucos os educadores que se interessam pelas leituras, novos conhecimentos e novas tecnologias para alfabetizar. Vários educadores ou pessoas ligadas à Educação acabam distorcendo o

conceito central do assunto, de forma que correm o risco de perderem a essência dos aspectos pedagógicos, culturais, sociais, psicológicos, políticos e históricos ligados à alfabetização e ao letramento e centralizarem a sua preocupação a uma metodologia única para todos e, por isso, podem deixar de desenvolver um trabalho sistematizado, reflexivo, libertador e crítico. A leitura e a produção de texto são consideradas como uma atividade que consiste em construir e reconstruir, através do objeto lido e escrito, sentidos, ideias e sensações. Essa construção e reconstrução só é possível devido a alguns elementos que podem ser definidos como o conhecimento da linguagem específica

do objeto lido (desenhos, cores, expressões anatômicas, signos linguísticos

o

),

45

conhecimento prévio, conhecimento partilhado, sustentado pela ideologia e historicidade que permeiam no texto e pela ideologia e historicidade do leitor. A leitura e a produção de textos não podem ser vistas apenas como a decodificação e escrita mecânica, mas como uma busca de sentidos e compreensão, o que requer a interação entre conhecimentos linguísticos e conhecimentos prévios do leitor e do autor. (SILVEIRA, 2003).

O ato de ler como prática social e da cidadania

Alguns estudiosos dos processos de alfabetização acham difícil medir o nível de letramento quando as crianças saem de uma fase escolar para ingressarem em outra. Enfrenta-se a falta de uma condição essencial para sua avaliação e medição:

uma definição precisa que permita determinar os critérios a serem utilizados para distinguir crianças letradas de iletradas, ou para estabelecer diferentes níveis de letramento entre elas, na educação infantil ou em séries iniciais, e isso dificulta também a avaliação das habilidades desses sujeitos na prática social da cidadania. De acordo com pesquisas educacionais, tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento, um número alarmante de crianças não alcança o letramento nos primeiros anos do ensino fundamental, o que dificulta o exercício da sua cidadania. Se o letramento é um ato contínuo que representa diferentes tipos e níveis de habilidades e conhecimentos, e é um conjunto de práticas sociais que envolvem usos de leitura e escrita com diferentes finalidades, em que ponto, desse contínuo, deve-se separar crianças letrada de iletradas? Ou crianças bem sucedidas de crianças mal sucedidas na aquisição do letramento, em contextos escolares, na leitura e na produção de textos? O que não se pode ser perdido de vista, por educadores e pela escola, é que cada criança encontra-se em uma fase de aprendizagem e maturidade que lhe permite compreender, discutir e reformular o seu conhecimento. Portanto, não é possível que todas as crianças de um mesmo grupo saiam de uma fase com o mesmo nível de alfabetização e letramento, sobretudo com a consciência da importância da leitura e da produção para a sua vida social. Mesmo porque cada criança tem seu tempo, sua experiência de vida e interesses individuais.

46

É preciso, então, que o educador conheça seus alunos e não olhe apenas o resultado final, mas todo o processo de como esses chegaram à escola, seu desenvolvimento e sua evolução, evitando comparações, respeitando as limitações e estimulando as possibilidades de cada criança que está sob sua responsabilidade.

47

UNIDADE 4: CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao refletir sobre os aspectos abordados, pode-se tirar conclusões bastante válidas para uma proposta pedagógica mais coerente com a gênese de evolução da criança. Dentro dessa perspectiva, a criança passaria a ser o sujeito de sua aprendizagem e da construção do seu conhecimento, abrindo espaço simultaneamente para a apropriação da escrita, da leitura e da produção de texto. O professor deve, então, colocar em primeiro plano o sujeito que aprende, procurando conhecer melhor o aluno com o qual trabalha, as suas características, e também o estágio de evolução de suas capacidades, para não subestimá-lo e provocar seu desenvolvimento, aguçar sua curiosidade e desejo de conhecer, de fazer uma leitura prazerosa e ter sensibilidade para a escrita. Infelizmente, pode-se perceber que muitos professores na tentativa de aproximarem os avanços teóricos e reconhecidos às práticas tradicionais, como proposta de mudança, não fogem do padrão normal, que para eles é o de querer que os alunos mostrem, através das produções escritas, apenas no domínio da norma culta. Diante disso, é preciso compreender que certos tipos de conhecimento não são ensinados. O docente precisa saber que, em vez de ensinar tudo, deve munir o meio ambiente de materiais variados e adequados, dando aos alunos as oportunidades de que precisam para construir estruturas cognitivas, mediante uma interação efetiva no processo de alfabetização, letramento, oralidade e escrita. Sendo assim, é necessário um plano de ensino que privilegie, na produção escrita, gêneros do discurso com os quais a criança se interesse como bilhete, cartas, histórias em quadrinhos e recortes de revistas e jornais e a narração, como tipologia textual. Conhecer as etapas de evolução, os estágios de desenvolvimento da criança, para saber situar em que nível cada uma se encontra ao chegar à escola e programar uma ação didática adequada. Dessa forma, evita-se a grande distância que se observa entre a proposta metodológica e as concepções infantis; entre o que a escola pretende ensinar e o que a criança é capaz de aprender, além do nível de letramento necessário à atuação nas várias esferas sociais.

48

É importante considerar, na medida certa, os aspectos metodológicos e psicológicos, dando-se ênfase ao que é mais importante no processo o sujeito que aprende, buscando despertar sempre a autonomia, a sua emancipação como sujeito e não como objeto do processo de produção do conhecimento. Nesse sentido, no que se refere à produção escrita, não há uma previsão óbvia e procedimento específico para o posicionamento do estudo de língua- estrutura, uma vez que é claro e evidente o posicionamento apresentado da gramática normativa indicado no livro didático, que muitas vezes podem reduzir o senso de criatividade e de imaginação do aluno. Saber que a grande dificuldade das crianças de classes menos favorecidas está ligada, principalmente, à quase inexistência, em seu meio, de material gráfico livros, jornais, revistas, etc. O papel da educação, que atende à classe popular, no que diz respeito à alfabetização, à apropriação da escrita, à produção textual e ao letramento seria, sobretudo, o de favorecer o convívio da criança com um farto e variado material gráfico, além de outras atividades específicas a fim de que ela possa chegar a um nível desejável de conceituação. Para tanto, é relevante que os professores trabalhem alguns gêneros do discurso procurando seguir o documento oficial que elegeram como referência, e que se tenham um conjunto de atividades cujo o Plano de Ensino não prevê. A produção de textos escritos tem como procedimento uma complexidade de ações que devem ser adotadas pelo professor de acordo com seu contexto de trabalho, levando em consideração a vivência de seus alunos, bem como suas habilidades e competências. Por fim, é necessário enfatizar que, se a escola existe em função da criança, não deverá ser esta que deve adaptar-se à escola, mas a escola adequar-se ao tipo de crianças que a compõem e respeitar seu tempo e suas diferenças.

49

REFERÊNCIAS

ALARCAO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo:

Cortez, 2003.

BRASIL. Parâmetros Curriculares nacionais: Língua Portuguesa de 1ª a 4ª séries do Ensino Fundamental. Distrito Federal: Mec/SEF, 1998.

Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental. Distrito Federal: Mec/SEF, 1998.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 2004.

Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O que falar e o que dizer: economia das variedades linguísticas. Paris: Fayard, 1982.

CASTILHO, A .T. de. A cadeira de Linguística no curso de Letras. São Paulo: ALFA,

1989.

CAVALCANTI, M.C. & LOMBELLO, L.C. As atividades de leitura e produção de textos e o livro didático. Campinas: Mimeo, 1987.

CRYSTAL, David. Language and the Internet. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

DEMO, Pedro. O desafio de educar pela pesquisa na educação básica. In: Educar pela pesquisa. 2ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

FAVA, Gilmar J. A influência da oralidade na produção escrita do aluno. Dissertação (mestrado em linguística). Florianópolis: UFSC, 2005. Dissertação defendida em fevereiro de 2005.

FÁVERO, Leonor Lopes; ANDRADE, Maria Lúcia C.V.D.; AQUINO, G.O. Oralidade e escrita: perspectivas para o ensino de língua materna. 3.ed. São Paulo: Cortez,

2002.

FRANCHI, E. A redação na escola. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FERREIRA, A B. H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1986.

FERREIRO, Emília. Reflexão sobre a alfabetização. 24 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE & MACEDO. Alfabetização crítica. São Paulo: Paz e Terra. 1990

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1998.

50

Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. 3.ed. São Paulo: Ática, 2003.

KATO, Mary A. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo:

Ática, 1995.

KINCHELOE, José L. A formação do professor como compromisso político:

mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 99-101, 1997.

KLEIMAN, Ângela. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a práticas social da escrita. São Paulo: Mercado das Letras, 1996.

KOCK, Ingedore Grunfeld Villaça. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto,

2003.

KRAMER, Sonia. Alfabetização: dilemas da prática. Rio de Janeiro: Dois Pontos,

1986.

LUDKE, Menga. A pesquisa na formação do professor. In: FAZENDA, Ivani (Org.).A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus,

1995.

MARCUSCHI, Luis Antonio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. Rio de Janeiro: Lucerna, 1993.

Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2. ed. São Paulo:

Cortez, 2000.

Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. Texto da Conferência pronunciada na 50ª Reunião do GEL Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo, USP, São Paulo, 23-25 de maio de 2002.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

MILLER, Carolyn R. 1994. Rhetorical Community: The Cultural Basis of Genre. In:

Aviva FREEDMAN & Peter MEDWAY (eds.). 1994. Genre and the New Rhetoric. London, Taylos & Fracis, pp. 67-78.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm, 1844-1900- Obras incompletas. Seleção de textos de Gerard Lebrun. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, São Paulo:

mercado das Letras, 8ª reimpressão, 2002.

RODRIGUES, R. H. As diferentes esferas sócio-discursivas como critério para construção de currículos. Intercambio, v. VIII, pp. 93-100. São Paulo: LAEL, PUC,

1999.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1969.

51

SILVA, Rosana Cristina Ferreira. A dialética do prazer na profissão docente. Dissertação (Mestrado em Educação defendida em 28/fev/2006). Três Corações:

UNINCOR 2006.

O professor pós-moderno: aspectos re-significativos da identidade e as políticas educacionais. Artigo. Três Corações: UNINCOR 2005.

SILVA, Tadeu Thomaz da. (org.); HALL, Stuart e WOODWARD, Katheryn. Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. 2.ed. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2003.

SILVEIRA, Valéria Rodrigues Hora. A palavraimagem nos gestos de leitura os quadrinhos em discussão. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) Programa de Pós-graduação em Língua Portuguesa, PUC/SP. 2003

SNYDER, Georges. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1998.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte:

Autentica, 2002.

Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2003.

VAL, Maria da Graça Costa. Entre a oralidade e a escrita: o desenvolvimento da representação de discurso narrativo escrito em crianças em fase de alfabetização. Tese (Doutorado em educação). Belo Horizonte: UFMG, 1999 - [obra cedida pela própria autora via e-mail eletrônico]

Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VIÉGAS, Karla Vignoli. Ler para gostar de ler. Revista do Professor. (s.l), n. 52. p.13- 14, dezembro/97.

VYGOTSKY, L. S., Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

WERNECK, Hamilton. Como vencer na vida como professor. 10 ed. Petrópolis-RJ:

Vozes, 2001

ZIBERMAN, Regina (org). Leitura em crise na escola: As alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto. 1982.

LEITURA COMPLEMENTAR

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. 3.ed. São Paulo: Ática, 2003.

MARCUSCHI, Luis Antonio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. Rio de Janeiro: Lucerna, 1993.

52

Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 2. ed. São Paulo:

Cortez,2000.