Sei sulla pagina 1di 48
ESTUFAGEM DE CONTÊINERES

ESTUFAGEM DE CONTÊINERES

ESTUFAGEM DE CONTÊINERES

1. Introdução

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4

2. Tensões causadas durante o transporte em contêineres

 

6

2.1. Tensões mecânicas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

2.2. Tensões climáticas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

2.3. Tensões

biológicas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

2.4. Tensões químicas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

9

3. Preparações para o transporte em contêineres

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

3.1. Limites e distribuição de peso de contêineres padrão

 

10

3.2. Plano de estufagem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

3.3. Funções das embalagens

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

3.4. Regras gerais de estufagem de contêineres

 

.13

3.5. Dispositivos de amarração de cargas em contêineres

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.14

3.6. Regras gerais de amarração de carga

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.15

3.7. Inspeção do contêiner antes da estufagem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.17

3.8. Inspeção do contêiner após a estufagem

 

.18

3.9. Devolução do contêiner

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.19

4. Proteção climática

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

4.1. Proteção contra umidade

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.20

4.2. Carga em contêineres de temperatura controlada

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

4.3. Carga sob atmosfera controlada

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

5. Materiais de amarração de carga

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.1. Comentários gerais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.2. Materiais para colocação em baixo da carga (suporte)

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.3. Materiais de cintagem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

5.4. Materiais de preenchimento

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

6. Estufagem e amarração de vários tipos de cargas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

6.1. Caixas e caixotes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

6.2. Cargas paletizadas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

6.3. Tambores e baldes plásticos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

Sacos e fardos

6.4. .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

Rolos e bobinas

6.5. .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

6.6. Placas de aço

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

6.7. Veículos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

6.8. Chapas de vidro

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

6.9. Couro úmido e peles

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

6.10. Líquidos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

6.11. Carga a granel .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

6.12. Cargas longas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

Animais vivos .

6.13. .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

7. Carga com excesso de dimensões e pesada

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

7.1. Comentários gerais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

7.2. Cargas pré-cintadas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

7.3. Carga convencional

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

8. Informações adicionais e endereços para contatos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

47

1.
1.

Introdução

O transporte tem importante papel na nossa era globalizada, e toda empresa que deseja desenvolver novos mercados, ou implantar locais de produção, depende de prestadores de serviços e canais de distribuição confiáveis. A Hapag-Lloyd está presente nos cinco continentes. Nossos escritórios estão conectados mundialmente através do sistema padronizado IT, o qual é líder na indústria. Temos sido parceiros do segmento de comércio exterior há mais de 160 anos. Atualmente, estamos entre os cinco maiores armadores em transporte de contêineres. Nossa abrangente rede de serviços fornece mais de 80 linhas para os principais portos do mundo. Estamos constantemente aumentando a nossa frota para suprir as crescentes exigências dos nossos clientes. Temos aproximadamente 115 navios modernos de contêineres com capacidades entre 1.000 e 9.000 contêineres padrões, portanto oferecemos maior capacidade de carga para as rotas principais, assim como serviços especializados. Estamos constantemente aumentando as nossas frotas de navios e contêineres, mantendo a vida média dos nossos contêineres em apenas seis anos, para assim atender a futura demanda e acompanhar o crescimento do mercado.

dos nossos contêineres em apenas seis anos, para assim atender a futura demanda e acompanhar o
dos nossos contêineres em apenas seis anos, para assim atender a futura demanda e acompanhar o

Além dos contêineres padrões, oferecemos uma larga escala de unidades, incluindo

contêineres refrigerados (reefers) para mercadorias sensíveis à temperatura, contêine- res abertos (open-tops) ou de teto-removivel (hard-tops) para cargas com excesso de altura ou que requerem o uso de guindastes, contêineres com altura extra (high-cube) para caixas leves e mercadorias volumosas e também os flat-racks (plataformas) para cargas que, devido às suas dimensões ou peso, não cabem num contêiner fechado. Todos os contêineres são inspecionados antes da entrega para assegurar que funcio- nem eficientemente e estejam limpos. A Hapag-Lloyd também garante que os seus prestadores de serviços estejam dentro dos padrões de sua gestão interna de qualida- de, a qual é certificada de acordo com a norma ISO 9002.

A Hapag-Lloyd busca ajudar a garantir que os produtos de seus clientes cheguem a

seus respectivos destinos rapidamente e, sobretudo, de forma confiável. As cargas

estão sujeitas às influências climáticas, e algumas vezes às tensões mecânicas, enquanto estão sendo transportadas pelas rodovias, ferrovias e oceanos do mundo inteiro.

Este catálogo foi elaborado para lhe ajudar a estufar e amarrar sua carga adequada- mente, e assim evitar avarias. Ele é baseado na experiência de nossos especialistas em carregamentos e tripulações de navios, assim como nas análises de avarias de carga que aconteceram no passado.

A estufagem segura de carga em contêineres envolve gastos, porém o retorno vale a

pena. Pois se a carga for danificada, os custos geralmente são bem mais elevados. Este catálogo não pode, logicamente, mencionar todos os aspectos relacionados

à amarração de carga em contêineres. Os nossos peritos em nossos escritórios de vendas perto de você terão o prazer em lhe ajudar com informação detalhadas. Favor nos contatar. Os endereços estão no site www.hapag-lloyd.com

2.
2.

Tensões causadas durante o transporte em contêineres

2.1. Tensões mecânicas As amarrações de carga devem suportar as tensões resultantes do transporte maríti- mo e terrestre, e também das movimentações de contêineres. Os contêineres fechados não podem ser inspecionados durante o transporte. As amarrações não podem ser melhoradas ou alteradas depois que o contêiner foi fechado. Sendo assim,

a empresa de estufagem tem que conhecer os tipos de tensões que ocorrem durante

o transporte marítimo. Basicamente, diferenciamos entre dois tipos de tensões mecânicas.

As forças estáticas são causadas pelo empilhamento e permanência da carga sobre

o piso do contêiner. O principal fator é a pressão de empilhamento, que causa o dob- ramento e a torção, principalmente nas camadas inferiores. A pressão de empilhamen-

to

depende da dimensão, peso, forma e altura das unidades empilhadas.

As

forças dinâmicas ocorrem durante o carregamento, transporte terrestre ou marí-

timo e operações de movimentação. Existem diferenças entre as forças de aceleração, impacto e vibração. Aceleração e solavancos ocorrem durante o carregamento, frena- gem, desvios, movimentações, levantamentos, abaixamentos e curvas. No mar, a ace- leração constante é causada pela navegação, balanço e movimentação vertical. As vibrações são causadas, por exemplo, pelos motores dos navios, caixas de câmbio, hélices, suspensões dos caminhões e superfícies das rodovias e ferrovias e ocorrem em ampla escala de freqüências e amplitudes.

g u p t o 0 , 6 g u p t o 0 ,
g
u p t o 0 , 6
g
u p t o 0 , 6
g
1,5
to
up
Aceleração potencial durante
o transporte rodoviário
u p t o 1 , 0 g
u p t o 1 , 0 g
u p t o 1 , 5 g

As forças de aceleração que se espera ocorrer sobre o contêiner são geralmente co- nhecidas antecipadamente e podem ser previstas apenas com base na experiência. Estes níveis são dados abaixo. A letra “g” significa a aceleração gravitacional (g=9,81 m/s 2 ). A aceleração pode ser maior que o indicado durante pequenos impactos e vibrações.

u p t o 0 , 4 g g to 0,4 up u p t
u p t o 0 , 4 g
g
to
0,4
up
u p t o 0 , 4 g
u p t o 4 , 0 g
u p t o 4 , 0 g

Aceleração potencial durante

o transporte ferroviário

Aceleração potencial durante

g 0 , 8 u p t o 0 , 8 g u p t
g
0
, 8
u p t o 0 , 8 g
u p t o
u p t o 1 , 0 g
u p t o 1 , 0 g
u p t o
0
,
5
g
u p t o
0
,
4
g
u p t o 0 , 4 g
u p t o
2
,
0
g
u
p
t o 0 ,
5 g
u p t o 1 , 0 g

o transporte marítimo

2.2. Tensões climáticas As cargas estão frequentemente sujeitas às tensões climáticas enquanto estão sendo transportadas. Elas acontecem até mesmo durante a armazenagem e enquanto os contêineres estão sendo estufados. As tensões climáticas são causadas por alterações nas condições climáticas durante do transporte rodoviário, marítimo ou

ferroviário e especialmente, quando a carga a bordo de navios transoceânicos passa através de várias zonas climáticas.

Tensões climáticas extremas podem ocorrer no inverno sob temperaturas negativas, em zonas tropicais, durante a travessia através de zonas de clima tropical ou durante

a passagem de uma zona tropical para uma de clima temperado.

Os contêineres completamente fechados protegem a carga em seu interior das

influências climáticas externas, tais como: chuva, neve, água do mar, maresia, neblina

e radiação ultravioleta (UV).

Mesmo com a carga protegida das influências externas, a condensação pode ocorrer

dentro do contêiner. A umidade relativa dentro do contêiner é determinada pela umida- de do ar na ocasião da estufagem e pela temperatura atual. São fontes de umidade: o ar dentro do contêiner, a própria carga, sua embalagem e os materiais de amarração. Algumas cargas emitem uma quantidade considerável de umidade durante um longo período, enquanto a maioria das embalagens, materiais de amarração e algumas cargas absorvem umidade. A maior parte do ar condensa quando a temperatura ambiente cai abaixo do ponto de orvalho, a condensação se forma primeiro nas embalagens, paredes e/ou teto do contêiner. Daí, a condensação goteja do telhado sobre a carga, causando danos, tais como: oxidação, manchas, marcas, mofo, des- coloração, colagem de caixas molhadas, descolagem de etiquetas ou queda da pilha.

A temperatura dentro do contêiner depende da temperatura exterior e da posição do

mesmo no navio. O contêiner pode ser aquecido pela radiação solar que incide direta- mente sobre o convés ou pelos tanques de combustível aquecidos próximos ao porão.

pelos tanques de combustível aquecidos próximos ao porão. Água condensada no teto (a bolsa absorvente está

Água condensada no teto (a bolsa absorvente está completamente encharcada)

A

temperatura no interior do contêiner pode divergir do ambiente em 20 a 30°C.

Portanto, temperaturas de até 60°C são possíveis dentro do contêiner. A temperatura pode também variar devido ao calor espontâneo da carga.

2.3. Tensões biológicas

Altas temperaturas, umidade e baixa ventilação dentro do contêiner podem levar a carga ou embalagens a serem atacadas por insetos, fungo, mofo, bactérias e micro- organismos. Na maioria das vezes, a carga está contaminada antes de ser carregada no contêiner. A infestação por insetos do exterior para dentro de um contêiner fecha- do é quase impossível. Consequentemente, a carga deve ser carregada com o maior cuidado possível. Alguns países regulam legalmente a fumigação de embalagens e amarrações. O cliente deve então exigir um certificado dizendo que a madeira utilizada está livre de insetos.

2.4. Tensões químicas

As tensões químicas dependem da temperatura, umidade e movimentação da embar- cação. Alguns produtos químicos podem sofrer auto-aquecimento. Materiais perigosos devem ser transportados de acordo com os regulamentos de carga perigosa, basea-

do no Código Marítimo Internacional de Mercadorias Perigosas (IMDG Code), publica- do pela Organização Marítima Internacional (IMO).

A Hapag-Lloyd possui seu próprio departamento para mercadorias perigosas, o qual

terá o prazer em responder qualquer pergunta.

3.
3.

Preparações para o transporte em contêineres

3.1. Limites e distribuição de peso de contêineres padrão Os limites de peso dos contêineres da Hapag-Lloyd correspondem ao padrão 668 da ISO internacional. O peso bruto permitido na maioria dos contêineres padrão de 20 e 40 pés é de 30.480 kg. Alguns contêineres mais modernos permitem pesos brutos mais elevados. Dependendo do modelo, a carga máxima permitida é igual ao peso bruto menos o peso do contêiner vazio, o qual varia. Detalhes são dados no catálogo “Container Specification” da Hapag-Lloyd www.hapag-lloyd.com Além do limite máximo de carga para cada modelo de contêiner, os limites de peso para o transporte rodoviário e ferroviário de cada país devem ser observados. Detalhes sobre tais restrições estão disponíveis em todos os escritórios da Hapag-Lloyd. As barras transversais inferiores dos contêineres são os elementos de sustentação da carga e que suportam o peso da mesma. Se o peso permitido for totalmente utilizado, todas as barras transversais devem ser carregadas por igual. Portanto, o peso da carga tem que ser distribuído sobre todo o comprimento do contêiner. Os pisos dos contêineres não são construídos para suportar pesos elevados em área concentrada. Se a carga é curta ou ocupa um pequeno comprimento do piso, a carga de piso permitida será reduzida. Para contêineres de 20 pés, a carga máxima é de 4,5 ton- eladas por metro linear e 3 toneladas por metro linear para os contêineres de 40 pés. Para calcular a carga de piso, divide-se o peso da carga (t) pelo comprimento da carga (m). Exemplo: peso da carga de 10 t e comprimento de sustentação de 4m: 10/4=2,5 t/m.

Estrutura de um contêiner padrão e vigas de madeira necessárias para sustentação de cargas pesadas

B A
B
A

Vigas de madeira podem ser colocadas longitudinalmente para a distribuição de pesos elevados. Elas devem ter tamanho determinado e uma distância mínima do centro do contêiner.

Tipo de contêiner

20'

40'

A Largura mínima da viga de madeira

10 cm

15 cm

B Distância transversal mínima entre o centro 40 cm do container e a viga de madeira

40 cm

Uma carga relativamente pesada e com pequena área de apoio deve ser colocada no piso do contêiner, de tal maneira que a carga máxima de piso não seja excedida. O comprimento de sustentação poderá ser prolongado, caso seja necessário. Isto pode ser feito através da colocação de vigas de madeira (suportes) no sentido longitudinal do contêiner e depois colocando a carga sobre eles ou, caso a carga exija, colocando uma outra camada de vigas de madeira no sentido transversal. Caso o comprimento dos suportes seja longo, as extremidades livres de cada lado, sobre as quais não há peso apoiado, não deverá ser maior do que 1 metro.

Suporte prolongado para maior distribuição de peso

metro. Suporte prolongado para maior distribuição de peso Se uma carga exceder os limites de peso,

Se uma carga exceder os limites de peso, deve ser carregada em contêineres flat-racks (plataformas), os quais têm o piso reforçado. Nossos especialistas podem dar maiores detalhes sobre o uso de flat-racks. Todos os contêineres da Hapag-Lloyd seguem as recomendações ISO 1496/1, as quais incluem regras, por exemplo, sobre o uso de empilhadeiras. Uma empilhadeira pode entrar num contêiner quando não exceder os seguintes limites:

Item

Limite

Peso do eixo dianteiro (empilhadeira + tara)

max. 5.460 kg

Área de contato por pneu

min. 142 cm 2

Largura do pneu

min. 18 cm

Espaço entre os pneus (em um eixo)

min. 76 cm

O peso da carga deve estar igualmente distribuído dentro do contêiner. O centro de gravidade da carga deve permanecer dentro dos seguintes limites:

Tipo de contêiner

20'

40'

Sentido longitudinal

max. 60 cm do centro do contêiner

max. 90 cm

Sentido transversal

no centro do contêiner

Altura

abaixo ou na meia altura do contêiner

Todos os contêineres de Hapag-Lloyd estão de acordo com as seguintes exigências da ISO 1496/1 para os testes de resistência das paredes laterais, paredes de extre- midades e teto:

Elemento estrutural

Teste de peso

Paredes laterais

0,6 vezes a carga permitida

Parede frontal e porta

0,4 vezes a carga permitida

Teto

300 kg em uma área de 60 x 30 cm

3.2. Plano de estufagem Há três razões principais para preparar um plano de estufagem antes de carregar um contêiner:

Para alcançar a utilização da capacidade máxima do contêinerum plano de estufagem antes de carregar um contêiner: Para simplificar e agilizar a estufagem e

Para simplificar e agilizar a estufagem e desovaalcançar a utilização da capacidade máxima do contêiner Para previamente calcular os dispositivos de amarração

Para previamente calcular os dispositivos de amarração necessárioscontêiner Para simplificar e agilizar a estufagem e desova Antes da elaboração do plano de estufagem,

Antes da elaboração do plano de estufagem, é necessário tomar em consideração detalhes precisos sobre a embalagem, pesos e medidas da carga, assim como as dimensões internas e restrições de peso do contêiner.

Detalhes sobre os contêineres da Hapag-Lloyd são dados no catálogo “Container Specification” ou no site www.hapag-lloyd.com

Antes de preparar o plano de estufagem, o contêiner compatível tem que ser escolhi- do levando em conta os seguintes fatores:

Os limites de carga e a distribuição de peso permitida do contêinerque ser escolhi- do levando em conta os seguintes fatores: As restrições de peso para o

As restrições de peso para o transporte terrestre nos países do remetente e do destinatáriode carga e a distribuição de peso permitida do contêiner As instalações do destinatário para a

As instalações do destinatário para a retirada da carga do contêinerpermitida do contêiner As restrições de peso para o transporte terrestre nos países do remetente e

O plano de estufagem pode ser feito de várias maneiras. Programas de computador

(softwares) podem ser utilizados para fazer desenhos em escala de vários ângulos, ou pode-se fazer uma pré-estufagem em uma área livre e demarcada no tamanho do contêiner. Deve-se observar que a porta e o teto são geralmente menores do que as dimensões internas do contêiner.

3.3. Funções das embalagens

A

embalagem deve:

Proteger a cargaA embalagem deve: Permitir que a carga seja empilhada Permitir que a carga seja levantada, movimentada

Permitir que a carga seja empilhadaA embalagem deve: Proteger a carga Permitir que a carga seja levantada, movimentada e amarrada Fornecer

Permitir que a carga seja levantada, movimentada e amarradadeve: Proteger a carga Permitir que a carga seja empilhada Fornecer informações sobre as características e

Fornecer informações sobre as características e manuseio da cargaPermitir que a carga seja levantada, movimentada e amarrada O contêiner é um meio de transporte.

O

contêiner é um meio de transporte. Portanto, a carga deve ser geralmente embala-

da para o transporte em contêineres. O tipo e quantidade de embalagem necessária dependem do tipo de contêiner e do meio de transporte utilizado. Se mercadorias de vários tamanhos e pesos forem estufadas juntas, embalagens mais estáveis são necessárias.

Se caixas ou caixotes forem empilhados em diversas camadas, uns sobre os outros, a camada mais inferior deve ser capaz de suportar as superiores.

A necessária resistência ao empilhamento depende do material da embalagem, da

duração do transporte e da umidade. Os contêineres padrão podem ser equipados com forros para o transporte de granel seco, varais para roupas ou materiais absor- ventes. Se a carga for carregada em contêineres open-tops (teto-aberto) ou em flat-racks (pla- taformas), a embalagem deve suportar os efeitos do clima, do tempo e da travessia durante todo processo do transporte.

3.4. Regras gerais de estufagem de contêineres

As seguintes cargas não podem ser estufadas juntas:

Cargas empoeiradas junto com cargas sensíveis à poeiraAs seguintes cargas não podem ser estufadas juntas: Cargas que emitem odor (cheiro) junto com cargas

Cargas que emitem odor (cheiro) junto com cargas sensíveis ao odorCargas empoeiradas junto com cargas sensíveis à poeira Mercadorias ou embalagens que soltem umidade com cargas

Mercadorias ou embalagens que soltem umidade com cargas ou embalagens sensíveis à umidadeque emitem odor (cheiro) junto com cargas sensíveis ao odor Itens com pontas perfurantes (quinas e

Itens com pontas perfurantes (quinas e beiradas cortantes) com mercadorias em embalagens frágeis e sensíveis (exemplo: sacos ou fardos)umidade com cargas ou embalagens sensíveis à umidade Mercadorias úmidas com mercadorias secas Pacotes pesados

Mercadorias úmidas com mercadorias secasembalagens frágeis e sensíveis (exemplo: sacos ou fardos) Pacotes pesados não devem ser colocados em cima

Pacotes pesados não devem ser colocados em cima de pacotes levesmercadorias em embalagens frágeis e sensíveis (exemplo: sacos ou fardos) Mercadorias úmidas com mercadorias secas 13

Caso a estufagem combinada não possa ser evitada, a carga úmida deve ser coloca- da embaixo da carga seca e os dois tipos de mercadorias devem ser separados com tábuas finas ou materiais de estufagem. Tábuas ou pó-de-serra devem ser colocados debaixo da carga úmida. Para as cargas perigosas, as regras relevantes do Código IMO (IMDG-Code) e da Hapag-Lloyd devem ser seguidas. Os tipos diferentes de embalagem devem ser efetivamente separados um dos outros (exemplo: caixas de papelão e caixotes de madeira). Cargas com embalagens danifi- cadas não devem ser embarcadas, a não ser que as embalagens sejam cuidadosa- mente reparadas antes do carregamento. Folhas de papel e lonas plásticas devem ser usadas para forrar contêineres que carreguem mercadorias frágeis. Os contêineres utilizados para transportar mercadorias sensíveis ao cheiro devem estar limpos, caso contrário devem ser limpos antes da estufagem. Os contêineres usados para transportar cargas que emitem odor (cheiro), ou cargas que possam contaminar o contêiner no caso de vazamentos, devem ser forrados com lonas plásticas e materiais absorventes (tais como: pó-de-serra ou gel de sílica), os quais devem ser colocados para evitar desnecessários custos de limpeza. A Hapag-Lloyd não transporta minério em contêineres.

3.5. Dispositivos de amarração de cargas em contêineres Há muitas maneiras de amarrar (fixar) a carga em um contêiner padrão. Existem pon- tos de cintagem ao longo dos trilhos longitudinais no piso, no teto e perto das colunas de canto. Cada ponto de cintagem tem Carga Segura de Trabalho de 1 tonelada. As ondulações nas paredes laterais podem ser usadas para calçar a carga no sentido longitudinal, através de vigas de madeira colocadas transversalmente. Tenha em mente que as paredes laterais e das extremidades podem suportar somen- te grandes superfícies de carga e não são feitas para suportar pesos em pontos concentrados. A seguinte tabela fornece uma explicação geral dos dispositivos de amarração dos contêineres e de seus usos.

Elemento estrutural

Amarração de carga

Pontos de cintagem nas colunas de canto, nos trilhos longitudinais do teto e do piso, ou anéis nos pisos

Para amarração de cordas, cintas plásticas, ganchos de metais, travas, etc. (para restrições de cargas, vide as “Container Specification”).

Ondulações nas paredes laterais

Para a sustentação de carga no sentido longitudinal. Madeiramento colocado transversalmente pode ser encaixado nas ondulações.

Colunas de canto

Para calçar cargas pesadas e evitar deslizamento horizontal.

Pontos de cintagem em um contêiner padrão na beirada do teto, nas colunas de canto

Pontos de cintagem em um contêiner padrão na beirada do teto, nas colunas de canto e pequenos orifícios para a compensação da pressão de ar

3.6. Regras gerais de amarração de carga Durante a estufagem de um contêiner ou amarração de carga, as Normas de Estufagem e Amarração de Cargas em Contêineres para Transporte Terrestre e Marítimo (Normas de Estufagem de Contêineres), emitido pela Organização Internacional Marítima (IMO – International Maritime Organization) e pela Organização

de Trabalho Internacional (ILO – International Labour Organization) devem ser seguidas. Ao contrário das amarrações de carga normais para o transporte terrestre, a carga transportada no mar deve ser também amarrada dentro do contêiner para estar prote- gida dos movimentos do navio, tais como, balanços, inércia e mudanças de rumo. A melhor maneira de proteger a carga é distribuí-la sobre toda a área do piso, sem deixar nenhum espaço. Caso isto não seja possível, os espaços entre as embalagens

e as paredes do contêiner devem ser preenchidos com sacos infláveis, tábuas ou

outros materiais de amarração. Cargas individuais que não enchem o contêiner devem ser amarradas por apoios e cintas. Pontos de cintagem estão disponíveis nos trilhos longitudinais no piso, no teto

e nas colunas de canto.

A carga é protegida contra a movimentação longitudinal através de vigas de madeira encaixadas nas

A carga é protegida contra a movimentação

longitudinal através de vigas de madeira encaixadas nas ondulações das paredes laterais. As extremidades quadradas da viga de madeira devem encaixar na forma da parede lateral

da viga de madeira devem encaixar na forma da parede lateral A carga é protegida contra

A carga é protegida contra a movimentação

longitudinal através de vigas de madeira, as quais são encaixadas nos vãos das colunas de canto.

O espaço livre é então preenchido com outras vigas

canto. O espaço livre é então preenchido com outras vigas A caixa é calçada contra as

A caixa é calçada contra as paredes laterais por

uma grande área de apoio, na esquerda por tábuas

e na direita por sacos infláveis

3.7. Inspeção do contêiner antes da estufagem Todo contêiner utilizado em rotas internacionais deve ter uma placa CSC de Aprovação de Segurança válida, conforme acordado na Convenção Internacional para Segurança de Contêineres de 02-12-1972. Todos os contêineres da Hapag-Lloyd possuem esta placa.

Todos os contêineres da Hapag-Lloyd possuem esta placa. Placa CSC de contêiner padrão de 20 pés.

Placa CSC de contêiner padrão de 20 pés.

Os contêineres são inspecionados após cada uso. Além desta inspeção, nós recomen- damos que o cliente faça sempre uma inspeção cuidadosa dos seguintes itens após receber o contêiner:

Lista de inspeção externa:

Sem furos ou rachaduras nas paredes e no tetoapós receber o contêiner: Lista de inspeção externa: As portas podem ser abertas e fechadas facilmente

As portas podem ser abertas e fechadas facilmenteexterna: Sem furos ou rachaduras nas paredes e no teto As travas e alavancas funcionam corretamente

As travas e alavancas funcionam corretamentee no teto As portas podem ser abertas e fechadas facilmente Sem etiquetas adesivas da carga

Sem etiquetas adesivas da carga anterior (exemplo: etiquetas de IMDG); as etiquetas de materiais perigosos são permitidas somente quando há materiais perigosos no contêinerfacilmente As travas e alavancas funcionam corretamente Itens adicionais a ser observados para os contêineres

Itens adicionais a ser observados para os contêineres especiais:

Flat-rack (plataforma): as paredes das extremidades devem estar levantadas e firmemente travadasadicionais a ser observados para os contêineres especiais: Open-top (teto-aberto): a lona não deve estar danificada,

Open-top (teto-aberto): a lona não deve estar danificada, deve ter o tamanho correto, e suas cordas não devem estar danificadas.especiais: Flat-rack (plataforma): as paredes das extremidades devem estar levantadas e firmemente travadas 17

Hard-top (teto removível): o teto não deve estar danificado, as travas do teto encaixam e

Hard-top (teto removível): o teto não deve estar danificado, as travas do teto encaixam e funcionam corretamente.

Nos contêineres com conexões elétricas, as condições dos equipamentos elétricos (ex. cabos e tomadas) devem

Nos contêineres com conexões elétricas, as condições dos equipamentos elétricos (ex. cabos e tomadas) devem ser inspecionadas antes da unidade ser conectada à fonte de eletricidade.

O contêiner é á prova de água. Método de teste: entre dentro do contêiner,

O

contêiner é á prova de água. Método de teste: entre dentro do contêiner,

feche bem ambas as portas e verifique se passa alguma luz através de rachaduras, furos ou da vedação da porta.

O interior do contêiner deve estar completamente seco. Retire toda

O

interior do contêiner deve estar completamente seco. Retire toda

condensação ou cristais de gelo para evitar corrosão e danos à carga

causados pela umidade.

O contêiner deve estar livre de sujeira e resíduos de carga, limpo e sem cheiro.

O

contêiner deve estar livre de sujeira e resíduos de carga, limpo e sem cheiro.

Sem pregos ou qualquer objeto perfurante que possa danificar a carga.

Sem pregos ou qualquer objeto perfurante que possa danificar a carga.

Se a carga for estufada dentro do contêiner do próprio cliente, deve certificar-se de que

Se a carga for estufada dentro do contêiner do próprio cliente, deve certificar-se de que a placa CSC está válida. A regra da Hapag-Lloyd é que a inspeção tenha sido efetuada dentro de um prazo de 18 meses. Caso contrário, o contêiner deve ser carregado convencionalmente.

Caso haja quaisquer irregularidades, os escritórios da Hapag-Lloyd devem ser imedi- atamente informados, para que um contêiner não danificado possa ser fornecido.

3.8. Inspeção do contêiner após a estufagem Os seguintes itens devem ser inspecionados após a estufagem:

O contêiner deve estar carregado de acordo com as exigências da carga, para