Sei sulla pagina 1di 140

Álgebra Linear

Victor Gonçalves Elias

3 de março de 2012

SUMÁRIO

3

Sumário

1 Introdução

 

7

1.1

Exercícios de Revisão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

2 Espaços Vetoriais

 

11

2.1 Subespaços Vetoriais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

 

2.1.1

Soma de Subespaços

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

15

2.2 Combinações Lineares

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

2.3 Espaços Vetoriais Finitamente Gerados

 

18

2.4 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

2.5 Dependência Linear .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

 

2.5.1

Propriedades da Dependência Linear

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

2.6 Base de um Espaço Vetorial Finitamente Gerado

 

23

2.7 Dimensão de um Espaço Vetorial

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

 

2.7.1

Dimensão da soma de subespaços

 

26

2.8 Coordenadas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.9 Mudança de Base

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

2.10 Lista de Exercícios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

3 Produto Interno

 

33

3.1 Definição e primeiras propriedades

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

3.2 Norma e Distância

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

3.3 Lista de Exercícios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

3.4 Ortogonalidade

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

 

3.4.1 Complemento Ortogonal

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

3.4.2 Teorema da Projeção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

3.5 Produto Interno para Espaços Vetoriais Complexos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

3.6 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

45

4 Transformações Lineares

 

49

4.1 A Imagem e o Núcleo .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

50

4.2 Isomorfismos e Automorfismos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

53

4.3 Espaço das Transformações Lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

4.4 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

56

4.5 Matriz de uma Transformação Linear

 

59

4.6 Espaço Dual

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

Victor Gonçalves Elias

4

SUMÁRIO

4.7 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

65

4.8 Isometria

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

67

4.9 Operadores adjuntos e auto-adjuntos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

69

4.10 Mudança de base e semelhança de matrizes

 

71

4.11 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

5 Autovalores e Autovetores

 

77

5.1 Definição e primeiras propriedades

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

77

5.2 Polinômio Característico

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

79

5.3 Diagonalização de Operadores

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

81

5.3.1 Diagonalização de Operadores Auto-adjuntos

 

84

5.3.2 Diagonalização de Operadores Ortogonais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

85

5.4 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

5.5 Aplicações da Diagonalização

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

5.5.1 Potências de uma Matriz .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

5.5.2 Diagonalização e Cônicas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

5.5.3 Exponencial de Matrizes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

90

5.6 Forma Canônica de Jordan

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

92

5.6.1 Obtenção da Forma Canônica de Jordan

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

94

5.6.2 Polinômio Mínimo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

96

5.6.3 Aplicações da Forma Canônica de Jordan

 

97

5.7 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

98

6 Equações Diferenciais Ordinárias

 

105

6.1 Classificação de Equações Diferenciais

 

105

6.1.1

Solução de uma EDO .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

107

6.2 Primeiras Propriedades das EDOL’s

 

107

6.3 EDOL de Primeira Ordem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

108

6.4 EDOLH de Segunda Ordem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

109

6.4.1 Wronskiano e Propriedades

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 109

6.4.2 Médoto de Redução de Ordem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

111

6.4.3 Coeficientes Constantes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

111

6.5 EDOLH de Ordem n

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

113

6.5.1 Método de Redução de Ordem

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

114

6.5.2 Coeficientes Constantes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

114

6.6 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

115

6.7 SEDOLH de Primeira Ordem

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 119

6.7.1 Matriz Fundamental

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

121

6.7.2 Coeficientes Constantes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

123

6.8 Lista de Exercícios

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

125

7 Respostas aos exercícios

 

131

7.1 Introdução

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

131

7.2 Espaços Vetoriais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

132

7.3 Produto Interno

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

135

Victor Gonçalves Elias

SUMÁRIO

5

7.4 Transformações Lineares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

136

7.5 Autovalores e Autovetores

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

137

7.6 Equações Diferenciais Ordinárias

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

140

Victor Gonçalves Elias

7

Capítulo 1 Introdução

1.1 Exercícios de Revisão

Exercício 1.1 Verificar quais das seguintes matrizes são inversíveis e determinar as inversas respectivas:

A = 2 1

2

2

,

1

B = 1

0

0

1

1

1

0

1

,

C =

0

1

1

0

0

0

1

2

1

0

1

0

1

1

1

3

 

.

Exercício 1.2 Existe alguma matriz inversível A tal que A 2 = O (matriz nula)? Justi- fique.

Exercício 1.3 Determinar x, y e z de modo que a matriz

seja ortogonal.

1

0

x

0

1

2

y

0

1

2

z

Exercício 1.4 Considere a matriz:

A =

1

2

2

1

.

Sendo X uma matriz real 2 × 1, quais os valores de λ tal que existe X não nulo que satisfaz a

AX = λX?

Exercício 1.5 Seja A a seguinte matriz (complexa)

A =

0

0

i

0

1

0

i

0

0

,

Victor Gonçalves Elias

8

CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO

onde i 2 = 1.

1. A é uma matriz hermitiana? 1

2. Obtenha A 1 .

3.

Calcule A 2 .

4. Deduza uma expressão para A 2n e A 2n+1 , sendo n um natural.

5. Sabendo que, para um certo x R, e xA é a matriz dada pela série (que pode se mostrar ser convergente):

n=0

(xA) n

n!

= I + xA + x 2 A 2

2

+

x 3 A 3

3!

+

.

.

.

obtenha e xA . Aqui, por convenção, A 0 = I.

Exercício 1.6 Considere {v 1 , v 2 ,

seja M = [v 1 matrizes v 1 , v 2 ,

, v n } um conjunto de matrizes coluna de ordem n e

v n ] a matriz n × n cujas colunas são dadas justamente pelas , v n . Mostre que:

v 2

.

.

.

1. [λ 1 v 1

λ 2 v 2

.

.

.

λ n v n ] = MD, onde D = diag(λ 1 , λ 2 ,

cujos elementos são λ 1 , λ 2 ,

, λ n (nesta ordem).

, λ n ) é a matriz diagonal

2. AM = [Av 1

Av 2

.

.

.

Av n ], onde A é uma matriz n × n.

Exercício 1.7 Mostre que não existem matrizes A e B quadradas de ordem n de modo que AB BA seja a matriz identidade.

Exercício 1.8 Seja A uma matriz quadrada cujos elementos são funções deriváveis na variável real t. Se A é inversível (para um certo t), então mostre que:

dA 1

dt

= A 1 dA dt

A 1

Exercício 1.9 Pode-se definir a convergência de uma sequência de matrizes analisando a convergência elemento por elemento. Da mesma forma, pode-se definir a convergência de uma série de matrizes. Supondo que a série de Neumann para uma certa matriz quadrada A:

n=0

(I A) n ,

seja convergente, mostre que ela converge para A 1 . Numericamente, pode-se obter uma aproximação para a inversa da matriz truncando a série acima.

1 Uma matriz é hermitiana quando A = A , sendo A a matriz complexo-conjugada da transposta de

A.

Victor Gonçalves Elias

1.1.

EXERCÍCIOS DE REVISÃO

9

Exercício 1.10 O traço de uma matriz quadrada P é definido como a soma dos elementos da diagonal principal de P e denotado por tr(P ).

1. Sendo A e B matrizes de ordem m × n e n × m, respectivamente, mostre que tr(AB) = tr(BA) (mesmo quando as matrizes AB e BA são diferentes).

2. Sendo A e B matrizes ambas de ordem m × n, mostre que tr(AB T ) = tr(A T B) = tr(B T A) = tr(BA T ).

3. Se A, B e C são matrizes quadradas de mesma ordem, então mostre a propriedade cíclica do traço: tr(ABC) = tr(BCA) = tr(CAB).

Exercício 1.11 Sejam A, U , B e

respectivamente. Se A e B + BV A 1 UB são não singulares, mostre o teorema binomial da inversa:

V matrizes reais de ordem

p × p, p × q, q × q e q × p,

(A + UBV ) 1

= A 1 A 1 UB(B + BV A 1 UB) 1