Sei sulla pagina 1di 44

A BIOMECÂNICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Prof. Dr. Luiz Alberto Batista

Doutor em Ciências do Desporto

Instituto de Educação Física e Desportos Universidade do Estado do Rio de Janeiro RESUMO. O professor de Educação

Keywords:

§ Physical Educa-

Física recebe durante sua educação pro-

tion

fissional, uma grande quantidade de

§ School

distintos conhecimentos. É fato conhe-

cido que este conhecimento deve ser

§ Biomechanics

utilizado no momento em que ele está

§ Applied knowledge

diante de seus alunos. Contudo, nem

sempre essa aplicação ocorre. Em mui-

tos casos o que acontece não é uma ina-

bilidade do professor, mas sim, as carac-

terísticas do conhecimento produzido.

Diante dessa realidade, o principal obje-1. Introdução

tivo desse artigo é discutir a possibilida-Introdução

de de aplicar conhecimentos de Biome-

cânica em aulas de Educação Física Es-

colar. Para isso, procuramos demonstrar Atuando profissionalmente como

os reais propósitos da Biomecânica utili-professor de Biomecânica em Licencia-

zada nos cursos de formação de profes-

turas de Educação Física e coordenador

sores e, finalmente, mostramos as estra-de estágios profissionais, sempre sou

tégias para trabalhar com esse conheci-confrontado por um questionamento,

mento.

expresso por meus alunos e estagiários, Palavras-

§ Educação Física

que procuram saber “Para que serve o chaves:

§ Escola

conhecimento científico recebido du-

§ Biomecânica

rante a graduação na prática profis-

§ Conhecimento apli-

sional?” A resposta parece obvia, porém cado

se analisarmos detidamente a questão

veremos que não é.

ABSTRACT. The Physical Education

Para alguns casos, em contextos de-

teacher achieves during his professional terminados, é possível, com relativa

education a great amount of distinct

facilidade, responder a essa pergunta e knowledge. Its known that this knowledge has to be used right in the moment até fazer demonstrações. Já para outros, that he is ‘in front his classes’. How-por mais que se tente, estabelecer a rela-ever, not always this application occurs.

ção entre conhecimento produzido e

In most cases what happens it is not an prática profissional efetiva é uma tarefa inability’s teacher,

but the characteris-difícil. Tal dificuldade leva as pessoas a tics of the main purpose of this paper is

to discuss the possibility to apply Bio-concluírem simplesmente que muitas

mechanics knowledge in elementary

das informações científicas provenientes Physical Education classes. For this, we desses setores não apresentam utilidade tried to demonstrate the real Biomechan-prática. Pode ser que algumas realmente ics purposes, the kind of biomechanics

não sejam tão importante como se julga, used in undergraduate courses, and finally showed the strategy for working

mas com certeza isso não deve ser regra with this knowledge.

geral.

36

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 - 2001

O fato de acreditar que a Biomecâni-

ca pode ser extremamente útil ao profes-Biomecânica aplicada à Educação

sor de Educação Física e que isso pode-

Física

ria não estar sendo visto com clareza em decorrência do valor do campo de co-A presença da disciplina acadêmica

nhecimento em foco estar sendo questi-

Biomecânica na formação de professores

onado a partir de algumas pistas falsas, de Educação Física é um fato muito re-passou a ser uma de nossas principais

cente, o que faz com que a grande maio-

preocupações. Muito embora acredite-

ria dos profissionais que estão atuando mos que esse campo de conhecimento

hoje no mercado de trabalho não possu-

tenha um papel a ser cumprido no con-

am conhecimentos de tal campo de co-

texto da Educação Física, estamos con-

nhecimento.

victos de que a simples manifestação

Além da recentidade cronológica, e

pública dessa crença não é o suficiente em decorrência da mesma, é preciso que

para provar que haja uma verdade cientí-

levemos em conta o fato de um campo

fica contida nessa perspectiva.

de conhecimento científico precisar de

Diante dessa motivação desenvolve-

um certo tempo para amadurecer, de

mos uma série de investigações com o

forma a melhor cumprir seu papel curri-

propósito de examinar a aplicabilidade

cular como disciplina acadêmica. No

dos conhecimentos produzidos em de-

caso em foco, os fatos demonstram, o

corrência de pesquisas em Biomecânica

tempo transcorrido ainda não foi sufici-no universo de exercício profissional da ente para a consolidação dessa maturi-Educação Física.

dade. Em outras palavras, não se pode

Nesse artigo introduzimos a discus-

afirmar nos dias de hoje que a Biomecâ-

são sobre o uso da Biomecânica em E-

nica encontra-se organicamente integra-

ducação Física Escolar. Questionamos

da às perspectivas curriculares. Isso a-se ela realmente possui algum conteúdo

grava a situação comentada no parágrafo que possa ser útil a esse contexto e apon-anterior, visto que mesmo aqueles que

tamos para cuidados metodológicos,

tiveram contato com essa disciplina na

fundamentais, a serem considerados nas

graduação, receberam informações ainda

fases iniciais de pesquisas que procuram imaturas e, sendo assim, pouco eficien-estudar essa possibilidade de aplicação.

tes no que diz respeito à sua capacidade Assim, o presente texto constitui uma

de instrumentalizar procedimentos didá-

singela introdução a uma proposta me-

tico pedagógicos.

todológica para o estudo da aplicabilida-Como se não bastasse essa sua evi-

de do conhecimento científico no con-

dente juventude epistemológica, a Bio-

texto da Educação Física Escolar, com

mecânica adentrou em Educação Física

enfoque na Biomecânica como campo

perpassada por um acentuado conteúdo

gerador de informações.

folclórico, principalmente no que diz

Acreditamos que tal abordagem seja

respeito aos seus propósitos. Isso tudo importante visto a necessidade que te-somado a uma boa quantidade de inter-

mos, na atualidade, de melhor utilizar o pretações simplistas. É comum escutar-tempo acadêmico, o que pode envolve,

mos, por exemplo, a afirmação de que

também, trabalhar com conhecimentos

ela é um ramo do conhecimento científi-

que realmente sejam adequados e ao

co que tem atendido somente ao esporte

fazê-lo tomar o cuidado com a qualidade de alto rendimento e que por isso ela não do processo de transmissão e utilização teria um papel relevante a ser exercido dos saberes.

no contexto da Educação Física Esco-

lar.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

37

Objetamos tal tipo de declaração

uma epistemologia histórica, forma eles tendo em vista a noção de incapacidade

que estabeleceram os consensos que

que ela transmite. Uma coisa é dizer que efetivaram a estruturação dessa região

a Biomecânica não tem procurado aten-

do saber2.

der a outros setores que não o do esporte

de alto rendimento, outra, completamen-

te diferente, é atribuir-lhe total incapaci-O que é a Biomecânica e para o que

dade para fazê-lo, o que não é o caso do serve?

campo de conhecimento em foco.

É típico de indivíduos que conhecem

Gerhard Hochmuth esclarece que

muito pouco, quando nada, do ramo ci-

" a

Biomecânica estuda os movimentos entífico que criticam afirmarem que o

do homem e do animal a partir do ponto mesmo só se presta a um determinado

de vista das leis mecânicas

".

Com-fim. Afirmações como essa, se tomadas

plementa dizendo que, por conseguinte,

como verdade, dificultam sobremaneira

o objeto de sua investigação "

é

o mo-uma exata compreensão das reais possi-

vimento mecânico (mudança de lugar de bilidades de aplicação das informações

uma parte da massa) do homem e do

oriundas de qualquer campo de conhe-

animal, considerando as propriedades e cimento científico. Por isso é de funda-pressupostos mecânicos do aparato do mental importância que argumentações

movimento os quais, por sua vez, depen-simplistas sejam examinadas quanto ao

dem funcionalmente das condições bio-seu grau de veracidade, antes de serem

lógicas do organismo” 3.

adotadas como válidas de formas a evi-

Hochmuth leva-nos a inferir, moti-

tar tanto uma adoção precoce quanto

vados por suas declarações, que esse

uma rejeição incondicional.

campo de conhecimentos faz parte de

Podemos começar o exercício de um

um "

movimento

complexo científico de investiga-exame crítico esclarecendo o que é esse ção do "

, que tem como ramo da Ciência, que competências lhe

objetivo fornecer informações que de-

são atribuídas e o que ele tem feito efeti-vem ajudar na compreensão de certos

vamente no contexto prático real. No

elementos do ato motor, tais como: deta-universo científico como um todo a Bi-

lhes acerca do ciclo de movimentos mais omecânica é considerada " ”

detalhes acerca de resultado mecânica de coisas vivas motriz,

o

estudo da eficientes;

1. Porém, obtidos a partir do exercício

quando nos inserimos no contexto espe-

transformado em parâmetros mensurável

cífico dessa disciplina científica, perce-e o esclarecimento dos pressupostos

bemos que esse conceito é, no sentido

físicos e psíquicos do indivíduo assim

operacional, muito pobre. Ele não nós

como de sua capacidade de aprender e

informa, sequer aproximadamente, acer-

de assimilar.

ca das reais características do campo de Doris I. Miller e Richard C. Nelson

conhecimento.

conceituam Biomecânica como sendo

Não há dúvida de que a situação si-

" a

ciência que investiga os efeitos de naliza à prudência, sendo necessário

forças internas e externas sobre os cor-desenvolver um exame mais apurado.

pos vivos

4. Os autores defendem a Façamos isso iniciando por compilar a

posição de alguns pesquisadores e/ou

2

BATISTA, Luiz Alberto. Aplicabilidade do Co-usuários confessos de Biomecânica pois

nhecimento Científico. Rio de Janeiro: (no prelo).

que, tendo em vista o ponto de vista de 3 HOCHMUTH, Gerard. Biomecanica de los Movimientos Deportivos. Madrid, Doncel, 1973, p.9.

4 MILLER, Doris I., NELSON, Richard C. Bio-1 LAPEDES, Daniel N. Dictionary of Scientific

mechanics of Sport - A Research Approach. Philadel-and Techical terms. England, McGraw-Hill,

1993

phia, Lea & Febiger, 1976, p.1

38

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

idéia de que esta disciplina deve possibi-leis Biomecânicas e que estas se apro-litar, através das estratégias metodológi-veitam em maior ou menor proporção

cas que congrega, a realização de

da capacidade do desportista

” 9. Ele

" precisas

avaliações quantitativas do admite, para o desenvolvimento do seu

desempenho humano

” 5.

trabalho, que a "

a

Biomecânica pode

Para Wolfang Baumann a

ser definida, então, como a aplicação

" Biomecânica

é uma matéria das

das leis físicas ao estudo dos seres vi-

ciências naturais que se preocupa com

vos

10.

a análise física dos sistemas biológicos,

James G. Hay, em uma dissertação

examinando, entre outros, os efeitos de

de nove parágrafos os quais precedem a

forças mecânicas sobre o corpo huma-

uma discussão sobre a tarefa da Biome-

no em movimentos cotidianos, de tra-

cânica, aborda o tema melhor técnica do

balho e de esporte

".

movimento desportivo estabelecendo Para o autor estando revestida deste

relações com o processo pedagógico11.

arcabouço conceptual, essa ciência deve Está contida nos escritos de Rolf Wi-preocupar-se com a

" medição

técnica e rhed a crença de que as informações

de descrição quantitativa do desenrolar procedentes de uma descrição biomecâ-

de movimentos por meio de grandezas

nica permitem ao professor entender

mecânicas, a explicação mecânica dos

melhor "

como

e porque um exercício movimentos assim como, baseado nisso,

deve ser executado de uma determinada a perfeição da técnica do movimento

maneira

"

. 12

com vistas à performance motora e à

Jürgen Weineck faz uso de uma pro-

solicitação mecânica do aparelho loco-

posta de D. Martin na qual é defendida a motor

".6

idéia de que o "

o

primeiro passo para Assim conceituada, a Biomecânica,

estabelecer um modelo técnico ideal-na visão do autor, deve cumprir diversas típico é uma análise científica da estru-tarefas, dentre as quais ele destaca a

tura física do desenvolvimento motor de

"

" modelagem

descrição

quantitativa dos movimen-conjunto

"

. Após essa consideração tos

"

, a

"

da estrutura e inicial o autor defende a competência da função do aparelho e a Biomecânica para cumprir tal tarefa ar-

locomotor

" modelagem

da estrutura do movimen-gumentando que tal ramo científico

to

"

7

contribui

bastante para captar obje-Apesar de não apresentarem uma

tivamente os aspectos, sobretudo quanti-conceituação explícita, os escritos de

tativos, dos caracteres do movimento

" .

José Luiz Fraccaroli nos levam a acredi-Diz ainda que ela " Biomecânica é uma disciplina

permite

a objetiva-tar que a

ção da técnica, a descrição dos caracte-voltada ao estudo da " "

dinâmicos

máquina

huma-res cinemáticos e

do mo-na

"

através da utilização das "

leis

da vimento corporal13.

física

"

8.

Luiz Irineu Cibilis Settineri esclarece Jorge de Hegedus ao apresentar as

que a Biomecânica pode ser considerada

considerações acerca da técnica despor-

como uma disciplina preocupada com o

tiva destaca que ela está "

baseada em

"

estudo

anatomofisiológico e mecâni-5 Idem, p.6.

9

HEGEDUS, Jorge. La ciencia del entrenamiento 6 BAUMANN, Wolfang, SCHONMETZLER,

deportivo. Buenos Aires, Stadium, 1984, p.139.

Sepp. Curso de Biomecânica. Santa Maria ,Rio Gran-10 Idem.

de do Sul, Brasil: Universidade de Santa Maria, 1980, 11 HAY, James G. The Biomechanics of Sports p.1

Techiniques. New Jersey, Prentice-Hall, 1985, p.2.

7 Op.cit, p. 8.

12 WIRHED, Rolf. Atlas de Anatomia do Movi-8 FRACCAROLI, José Luiz. Biomecânica - análi- mento. São Paulo, Manole, 1986, p.94.

se dos movimentos . (Introdução).Rio de Janeiro, 13 WINECK, Jurgen. Manual de treinamento es- Cultura Médica, 1981.

portivo. 2ª ed. São Paulo, Manole, 1986, p. 196.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

39

co do movimento do homem e dos seus ato que carreia consigo, no mínimo, dois segmentos ”

corporais

14.

grandes equívocos que devem ser, de

Harold M. Barrow e Janie P. Brown

imediato, esclarecidos.

procuram, com o objetivo de esclarecer a Em primeiro lugar a Biomecânica

terminologia utilizada em seu livro, tra-não serve apenas para a discussão do

çar o perfil das relações existentes entre movimento corporal esportivo, como é

cinesiologia mecânica e Biomecânica.

comum alguns afirmarem, e o segundo é

Na consecução de tal tarefa eles conceique, mesmo quando ela está voltada para tuam essa última

como "

a

ciência de o esporte, o alto rendimento não é a úni-movimento humano que descreve o

mo-

ca possibilidade, não obstante o fato de vimento do corpo humano utilizando os ser esse o universo mais explorado.

métodos da Mecânica

” 15.

De saída podemos constatar que, em

Fernando Vizcaíno argumenta que

verdade, estamos lidando com uma ciên-

" a

Biomecânica joga um papel funda-cia voltada ao estudo dos comportamen-

mental na busca da melhor solução: a tos Físico-mecânicos de corpo humano,

tarefa motora

"

e que ela "

se

ocupa dentre os quais o movimento corporal,

do estudo dos movimentos humanos a

segundo um ponto de vista claramente

partir do ponto de vista das leis da físi-definido. No caso do movimento, por

ca

"

.16

exemplo, não é examinado um tipo es-

Jaune A. Mirallas Sariola traz-nos

pecífico e sim de qualquer comporta-

a interessante visão de um especialista

mento motor. Quem irá definir o tipo de

no desporto judo.

motricidade a ser estudada será o inves-Em seu modo de entender a

tigador. O fato de se ter investigado

" importância

das ciências de suporte massivamente o desporto de alto rendi-ao treinamento dos

desportos de elite é mento está fundado em razões históricas indiscutível Bi-e não significa, de forma alguma, que

". Esclarece que a "

omecânica ocupa, nesse sentido, um

essa seja a única ou mesmo a principal

nível destacado, como ajuda ao ensino aplicação. Voltaremos a isso mais adian-da técnica desportiva” 17.

te.

Essa seqüência de declarações permi-

O outro ponto importante diz respei-

te-nos tirar algumas ilações acerca do

to a inexistência de um enunciado que

que seja Biomecânica e para que ela

defina o que seja a Biomecânica. Pelo

serve.

que é dito por especialistas e usuários, Como se pode concluir, a partir do

ainda hoje, não é possível apresentar

que é dito por esses autores, pesquisado-uma definição clara e inequívoca deste

res ou usuários, considerar que o conhe-campo de conhecimento. O desvelamen-

cimento produzido por essa ciência está to de tal fato vem reforçar a veracidade relacionado, única e exclusivamente

da proposição de que estamos lidando

com o esporte de alto rendimento é um

com uma ciência ainda em intenso pro-

cesso de retificação, em outras palavras, 14 SETTINERI, Luiz Irineu Cibilis. Biomecânica -

uma ciência que ainda não atingiu seu

Noções gerais. Rio de Janeiro, Livraria Atheneu, melhor estágio de desenvolvimento epis-1988, p.

1

15

BARROW, Harold M.; BROWN, Janie P. Bio-temológico ou, como referimos anteri-

mechanics of Human Movement. Man and Move-ormente, sua maturidade final.

ment: principles of Physical Education. Fourth edi-De certa forma isso é extremamente

tion. Philadel phia, Lea & Febiger, 1988, p.249.

16 VIZCAÍNO, Fernando. LÁNÀLISE BIOME-

saudável pois é no decurso de constru-

CÀNIQUE DES LES TÈCNIQUES SPORTIVES.

ção de sua estrutura epistemológica que Apunts. nº 7-8, juny, 1987, p. 6.

uma ciência vai sendo moldada, dentre

17 SARIOLA, Jaume A. Mirallas. Bases

Biomecánicas para una Didáctica del Judo. Apunts.

outras coisas, para apresentar uma de-

n.21, septiembre, 1990, p.68.

40

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

terminado nível de aplicabilidade a seto-de “Princípio da Identificação dos Objeres específicos.

tos de Conhecimento”.

Porém, se por um lado não é possível

Tal comportamento metodológico

defini-la, por outro abundam-lhe concei-não deve ser desprezado em nenhuma

tos. Isso também é muito importante

situação na qual é discutida a possibili-pois que a presença de diferentes concei-dade de efetiva aplicação de saberes. Por tos nos indica a grande gama de possibi-isso essa orientação vale também para o lidades operacionais de um ramo da ci-estudo acerca da utilização da Biomecâ-

ência.

nica no contexto da Educação Física

No caso da Biomecânica pode ser

Escolar, que é claramente uma questão

que seja possível delinear um conceito, a de aplicabilidade de conhecimento cien-partir de suas características particulares, tífico.

que denote a pertinência de sua efetiva Infelizmente, temos percebido que o

utilização como instrumento pedagógi-

não cumprimento dessa etapa constitui

co. Essa possibilidade, por si só, de-

um dos erros mais freqüentes na obten-

monstra uma certa qualidade imanente, a ção das informações que posteriormente

qual denota alguma possibilidade de que são utilizadas na fundamentação de ar-ela venha a ser utilizada dentro da Edu-gumentações ponderativas acerca da

cação Física Escolar com resultados po-

efetiva utilização da Biomecânica na

sitivos.

Educação Física, seja no sentido de de-

O fato de podermos admitir uma

fendê-la ou rejeitá-la. A conseqüência

grande quantidade de conceitos para

disso é o que já sabemos. Uma série de

Biomecânica significa que ela prova-

críticas, positivas ou negativas, fundadas velmente trabalha com diferentes obje-em folclore e senso-comum, as quais só

tos, além de abordá-los orientada por,

contribuem com a construção de uma

também, distintos objetivos. Sendo as-

estrutura de conhecimento mais velada e sim não há como considerar a possibili-inconsistente.

dade de aplicação concreta desse ramo

Por tudo isso, reafirmamos, que do

do conhecimento a um universo qual-

ponto de vista metodológico a imple-

quer sem, a prior, esclarecer, com preci-mentação desse primeiro procedimento é

são científica, os objetos sobre os quais de fundamental importância. Ele não

ela deverá se debruçar e com que propó-

pode ser negligenciado quando exami-

sito deve fazê-lo.

namos a aplicabilidade de conhecimen-

Alias essa não é uma prática exclusi-

tos científicos. Se a estratégia é correta-va desse caso. Sempre que pretendemos

mente implementada e executada, os

examinar a aplicabilidade de conheci-

resultados obtidos permitiram, com uma

mento científico a um contexto qual-

boa margem de certeza científica, dizer quer, o desvelamento dos detalhes das

por quê e para que um determinado a-

estruturas epistemológicas envolvidas

cervo de conhecimento foi construído.

deve ser admitido como ação primordial

Temos demonstrado que “

é epis-

do fluxo investigatório18. Dentro dessa temologicamente contraproducente co-ação a identificação dos elementos acer-brar de um campo de conhecimento ci-ca dos quais se conheceu ou se deseja

entífico mais do que aquilo que sua his-conhecer algo é um passo fundamental.

tória gênica lhe deu condições de ofere-Visto como princípio fundamental essa

cer

19 , em outras palavras, não adian-tarefa virá cumprir o que denominamos

ta esperar que a Biomecânica proporcio-

ne mais do aquilo para o quê ela tem

sido epistemologicamente estruturada

18 BATISTA, Luiz Alberto. Aplicabilidade do Conhecimento Científico. Rio de Janeiro: (no prelo).

19 BATISTA. L. A., op.cit.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

41

para fazer. Qualquer aplicação de co-

gera conhecimento a partir de questões

nhecimento que não leve em considera-

do tipo: Como obter o melhor rendimen-

ção esse compromisso, estará tendendo

to técnico? Como examinar determinada

ao insucesso, ou, no melhor dos resulta-técnica esportiva? Como avaliar biome-

dos, ao sucesso casual, para o que não é canicamente a execução dessa ou daque-preciso utilizar ciência sendo suficiente, la técnica esportiva? Quanto mede essa

e menos trabalhoso, o uso do senso-

ou aquela técnica desportiva? Como

comum.

realizar esta ou aquela técnica desportiva de forma mais eficiente e com menor

Biomecânica e Educação Física Es-

gasto energético? Porque uma determi-

colar: o objeto de conhecimento

nada técnica desportiva possui uma de-

terminada forma?

Com base no exposto anteriormente

Diante de tal problemática podemos

façamos algumas reflexões acerca da

inferir quais são os compromissos do

aplicabilidade da Biomecânica à Educa-

setor de conhecimento utilizado, cum-

ção Física, considerando essa última a prindo um primeiro passo no sentido de

parte do currículo escolar que ajuda a

examinarmos se eles estão de acordo

educar pessoas.

com as necessidades em foco ou não,

Veja-se a complexidade da situação.

tendo em vista o fato do nível de compa-Mesmo com as delimitações estabeleci-

tibilidade entre as necessidades da Edudas no parágrafo acima, havemos de

cação Física Escolar e as questões a par-considerar que o ato educativo, admitido tir das quais as investigações têm se de-como principal ação da Educação Física

senvolvido, ser uma importante variável dentro do contexto escolar, determina

interveniente no estabelecimento do ní-

um ainda amplo universo de possibilida-

vel de aplicabilidade.

des. O ser humano congrega em si uma

Como se pode perceber, no raciocí-

série de necessidades educacionais dos

nio conduzido nos parágrafos anteriores mais diferentes tipos. Isso nos remete a realizamos uma análise perfazendo um

tarefa de identificar as necessidades edu-caminho no sentido de fora para dentro

cativas para as quais o campo de conhe-

do universo de aplicação, ou seja, pri-

cimento em questão pode gerar respostas meiro identificamos o que a Biomecâni-culturais20. Para que conjunto delas es-ca do Esporte tem feito, para depois, de tamos preconizando a utilização de co-posse dessa informação, propormos o

nhecimentos de Biomecânica, quando

questionamento de sua aplicabilidade à

falamos de sua aplicabilidade.

Educação Física Escolar. Façamos agora

De imediato deparamo-nos com

o fluxo contrário. Tomemos um objeto

uma situação digna de nota. Os cursos

da Educação Física Escolar e conside-

de licenciatura adotaram a denomina-

remos o que a Biomecânica tem produ-

da “Biomecânica do Desporto” como

zido para tal.

sendo a disciplina a ser implementada

Para tal façamos uma análise da situ-

na formação do professor de Educação

ação assumindo o ensino de habilidade

Física.

motoras esportivas pode ser “um dos”

Este setor da Biomecânica, segundo

propósitos educativos da Educação Físi-

dados obtidos em nossas pesquisas21,

ca escolar. A primeira vista tudo estaria perfeito, dado que estaríamos lidando

20 MALINOWSKI, B. A Scientific Theory of Culture and other essays. New York: The University of dades motoras desportivas. (Dissertação de doutora-North Carolina Press, 1976, p. 70.

mento) Porto: UP, 1996.22 BEYER, E. F. Gymnastic 21 BATISTA, L. A. O conhecimento aplicado:

A Gimmicks: Another Gimmick for Quick Learning of efetiva utilização do conhecimento contido no campo Gymnastics - Use of Physics. Modern Gymnast. v. 3, da Biomecânica, nos processos de ensino de habili-v. 1, 1960, p. 20-21.

42

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

com uma competência da Educação Fí-

cuparam especificamente com o fato do

sica escolar e com um fenômeno ligado

indivíduo ter que aprender uma determi-

ao universo do esporte, adequado ao

nada habilidade motora esportiva. Dis-

campo da Biomecânica do Esporte. Infe-

cutiram, baseados em conhecimentos da

lizmente essa primeira impressão não

Física, formas de movimentos corporais resistiria ao menor exercício de crítica, catalisadores, ou seja, movimentos que

como veremos logo a seguir.

levassem a um aprendizado mais rápi-

Tendo como base nossas argumenta-

do(22)(23); procuraram verificar em que ções anteriores, sabemos que a Biome-medida as diferenças antropométricas24

cânica do Esporte, para fornecer infor-

ou a capacidade de flutuação em meio

mações a serem utilizadas em processos

líquido25 dos indivíduos influenciam no de ensino de habilidade motoras, preci-sucesso do aprendizado de habilidades

sa, necessariamente, ter promovido in-

motoras da natação. Também aparece a

vestigações tendo como objetos de estu-

preocupação em desenvolver tecnologia

do fenômenos pertinentes a esse contex-

que permitisse ao professor realizar uma to. Com o objetivo de qualificar o co-melhor observação dos gestos e, conse-

nhecimento, quanto ao seu nível de apli-quentemente, ajudasse a melhorar a qua-

cabilidade nessa situação, examinamos a lidade do ensino26.

produção relativa à criança e ao ensino, No que diz respeito ao iniciante co-investigando os títulos pertinentes ao

meçamos por apontar os casos nos quais

campo de estudo da Biomecânica do

o binômio iniciante aprendizado é

Esporte veiculados entre 1893 até 1980.

textualmente referido pelos autores.

No período estudado a produção de

Nesses procurou-se estudar a correlação conhecimentos voltados à discussão da

entre o quadro antropométrico do inici-

criança e/ou do aprendizado básico de

ante na natação com a velocidade de seu habilidades esportivas foi encontrada em aprendizado27 ou o das mudanças na

17 dos 1731 títulos examinados, consti-

mecânica do comportamento motor de

tuindo, como se vê, 0,98% da amostra.

crianças iniciantes no waterpolo, induzi-Em termos quantitativos tal produção é

das pela introdução de uma bola com

insignificante dada a quantidade de dife-características físicas diferentes das que rentes questões que permeiam o universo e o considerável intervalo de tempo, 87 anos, durante o qual se deu a

produ-

ção. Há muito tempo de estudos para tão poucos problemas científicos resolvidos.

23

Quick Learning of Gymnastics - The Use of Mechanics. Modern Gymnast. v. 3, n. 2, 1960, p.

Gymnastic Gimnicks: Another No entanto a superficialidade não pa-Gimnick for

ra por ai, estendo-se também aos aspec-

22-23.

tos quantitativos. Levando-se em conta

24 ROZIN, E. U. The Influence of Anthropometric os interesses, que moveram os autores

Parameters on Sucessful Learning in Gymnastics.

Theory and Practice of Physical Culture. N. 3, 1973, destes 17 artigos, vemos que o conheci-p. 50-

52.

mento veiculado foi estruturado a partir 25 CAMPBELL, W. A., Jr. Relationship Between da exploração de três temas diferentes, a Buoyancy of the Black Male and Learning the Crawl Stroke. Biomechanics of Sport and Kineantropometry.

saber: O aprendizado de habilidades

P. 149-206. Miami, Symposia Specialist, 1978.

motoras esportivas; O iniciante na práti-26 HOECKE, G.; GUENDLER, G. Use of Light ca esportiva e A Criança. Em alguns

Trace Photography in Teaching Swimming. Swimming II. P. Baltimore, University Park Press, 1975, p.

casos estas três temáticas foram combi-

194-206.

nadas em único estudo.

27 GRAY, R. K.; WHEELER, D. K. The Relation-No item “aprendizado de habilidades

ship of Measures of Body Size and Density of Beginning Swimmers to Their Rate of Learning to Swim.

motoras esportivas” os autores se preo-

Astraliaj Journal of Physical Education. N. 19, p. 16-19, june/july, 1960.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

43

normalmente são utilizadas naquela prá-

como o comportamento cinematográfico

tica28.

e/ou eletromiográfico na execução de

Outros trabalhos preocuparam-se em

habilidades motoras da natação(35) (36).

apresentar as melhores técnicas motoras Dois estudos nos chamaram a aten-a serem utilizadas por iniciantes na prá-

ção pelo fato de neles o autor ter procu-tica do esqui29 e do atletismo30 ou mes-rado trabalhar com a perspectiva de lidar mo a descrição do quadro Biomecânico

com a complexidade típica do mundo

que se apresenta quando um iniciante

real do ensino do desporto. Não procu-

executa uma habilidade31.

rou fugir dela e nem mesmo utilizou

Em outro caso o autor procurou e-

como argumento para justificar a delimi-xaminar as diferenças entre a expressão tação de seu estudo.

de uma mesma técnica motora quando

Nestes dois casos o investigador bus-

executada por um iniciante e um atleta

cou descrever não só as características de alto rendimento32.

dos movimentos de corridas de crianças

Note-se que muito embora o enfoque

em idade pré-escolar37 e escolar38, como desses estudos tenha sido sobre o apren-também, para além disso, procurou de-

dizado nenhum deles preocupou-se em

monstrar as variações que denotam a

estudar o processo. Quando muito men-

evolução destes indivíduos ao final de

surou variação no estado motor compa-

um determinado período. Desta forma o

rando os resultados de um pré-teste com autor realiza um tipo de trabalho que se aqueles obtidos após o desenvolvimento

aproxima da investigação voltada para o do programa de ensino. Assim sendo as

processo de desenvolvimento da criança

mudanças comportamentais motoras

e não simplesmente a um momento des-

inerentes ao decurso do processo de a-

te processo.

prendizagem não foram enfaticamente

Nesse ponto de nossas apreciações é

examinadas.

preciso deixar claro que ao admitirmos

Os trabalhos que tiveram a criança

como verdadeiro o fato da Biomecânica

como seu principal objeto de conheci-

não estar, em termos quantitativos e qua-mento voltaram-se à descrição. Seja a

litativos, atendendo as necessidades do descrição de características extrínsecas, universo do ensino de habilidades moto-como a flutuabilidade em meio líqui-

ras esportivas, de forma alguma preten-

do33, as características cinemáticas da demos estabelecer um juízo de valor.

corrida34, ou características intrínsecas Queremos demonstrar que os interesses

norteadores das investigações estão fin-cados muito mais na Biomecânica do

28 PITTUCK, D. E.; DAINTY, D. A. Effects of a que no universo do ensino. Nossa pro-Modified Ball on the Mechanics of Selected Water Polo Skills in Novice Children. Swimming III. Baltimore, University Park Press, p. 338-345, 1979.

Pre-School Age Children. Thory and Pratic of Physi-29 REILLY, A. M. Skiing: A Beginner’s Guide.

cal Culture. n. 2, p. 40-41, 1974.

London, Lutterworth Press, 1970.

35

OKA, H.; OKAMOTO, T.; YOSHIZAWA, M.; 30 POWERS, S. K. Standing or Crouch Start for

TOKUYAMA, H.; KUMAMOTO, M. Eletromyog-Beginners?. Track Technique. n. 67, 2126, 1977.

raphic and Cinematographic Study of the Flutter kick 31 McFARLANE, B. Biomechanics of Beginning in Infants and Children. Swimming III. Baltimor, Pole Vaulting. Track and Field Quarterly Review. v.

University Park Press, p. 167-172, 1979.

80, n. 4, p. 38-40, 1980.

36

TOKUYAMA, .; OKAMOTO, T.; KUMA-

32

FLEISS, O.; FLEISS, H.; RUCKENBAUER, MOTO, M. Electromyographic Study of Swimming

in K. The Technique of the Diagonal Step of the Begin-Infants and Children. Biomechanics V-B.

Baltimore, ner and of the Skilled Athlete. Leistungssport. v. 9, University Park Press, p. 215-221,

1976.

n.6, p. 488-496, 1979.

37 WINTER, R. On the level of Development of 33 COTTON, C. E.; NEWMAN, J. A. Buyoncy

Running Movements at the End of the Preschool Characteristics of Children. Journal of Human Move-Period. Leipzig. v.8, n.2, p. 65-67, 1966.

ment Studies. n.4, p. 129-143, 1978.

38 WINTER, R. The Development of Running 34 VILCHKOVSK, E. S.; ORESHCHUK, S. A.;

Movements in Boys and Girls of School Age. Leipzig.

SHPIIALNY, V. B. Investigation of th Running of v.8, n. 2, 1966.

44

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

posta é que esse fluxo seja invertido no de estudo que viabilizarão essa trans-sentido de que as problemáticas imanen-

cendência ainda não estão plenamente

tes ao processo de ensino desencadeiem

identificados. Assim sendo o momento

as investigações.

é de cumprirmos, na prática, o princípio Voltando ao fato de ter sido escolhi-da identificação dos

objetos de conhe-

da a Biomecânica do Esporte para com-

cimento.

por os currículos das Escolas de Educa-

Diante de tais fatos, adotar a Biome-

ção Física, cabe fazer uma ressalva. Fa-cânica do Esporte como campo de co-

zendo a devida contextualização essa

nhecimento absoluto naquele momento

escolha não era de todo injustificável.

histórico não pode, sequer, ser conside-Durante um certo período histórico-

rada uma atitude incoerente. Por outro

temporal os cursos de formação de pro-

lado, diante do atual estado da arte no fessores foram intensa e extensamente

campo da Educação Física, não evoluir

carregados com elementos do universo

para uma Biomecânica mais abrangente

esportivo, pois entendia-se que esse era constitui, no mínimo, assumir um total

o principal objeto de trabalho do profis-desconhecimento das necessidades atu-

sional do setor. Sendo assim durante

ais que demandam do setor de aplicação.

aquela fase a escolha não foi tão desca-bida.

Por outro lado é preciso ter claro que

Possibilidade concreta

ao escolhermos um setor específico de

conhecimento restringimos o universo

Entrementes, como já assumimos an-

de informações disponíveis. A Biome-

teriormente, não estamos aqui pregando

cânica, nessas condições, só teria a obri-a tese da impossibilidade plena. Muito

gação de fornecer informações, ou ins-

embora não seja perceptível em uma

trumentalizar o exercício profissional, abordagem superficial, em verdade já há em questões relativas à prática esportiva espaço aberto para a criação de condi-e, ainda mais, dentro desse universo so-

ções que favorecem a efetiva aplicação

mente acerca dos fenômenos que esta-

da Biomecânica à Educação Física Esco-

vam sendo investigados.

lar.

Promovendo um outro enquadramen-

No decorrer da busca por soluções

to histórico verificamos, também, que a constatamos que um certo número de

Educação Física contemporânea trans-

objetos inerentes ao universo da Educa-

cende setores específicos do universo

ção Física, para além daqueles típicos do esportivo, como por exemplo o alto ren-ambiente esportivo, têm sido investiga-

dimento. Ela vai além disso e transcende dos pela Biomecânica, o que denota, já, o fenômeno esporte como um todo. Em

um certo grau de transcendência.

virtude dessa neo-amplitude muitas ou-

Dentre esses objetos materiais o

tras problemáticas possíveis de também

“Movimento Corporal” é um dos mais

serem examinadas pela ótica mecânico-

presentes nas investigações 39. Isto de biológica, ainda não o foram.

certa forma é um ponto positivo no sen-

Isso tudo tem feito com que o quadro

tido de estabelecermos uma conexão

geral se altere. Hoje temos claro que ao coerente com o universo da Educação

exercermos nossa prática pedagógica

Física escolar. Não há dúvidas de que,

precisamos utilizar conhecimentos Bio-

de um ponto de vista genérico, o movi-

mecânicos, assim como os de outros

mento corporal do ser humano faz parte

ramos instrumentalizadores, que trans-

do universo fenomenal da Educação

cendam à mera abordagem do fenômeno

Física como um todo.

esportivo. No entanto os novos objetos

39 BATISTA, L. A., 1996, op cit.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

45

Porém, antes de desencadearmos um

Conclusão

entusiasmo desenfreado e prosseguirmos

É certo que a Biomecânica constitui

em nossas argumentações defensivas,

uma ciência de reconhecido valor em

cabe apresentar algumas noções funda-

muitos setores de atividade profissio-

mentais acerca do conceito de “Objeto”

nais. No entanto ela pode criar uma série adotadas por nos de forma a deixarmos

de embaraços para aqueles que, acriti-

claro os limites de nossas considerações.

camente, fazem uso, ou recomendam a

Estamos partindo, nesse caso em parti-

utilização, de tudo o que dela provém,

cular, da possibilidade de existência de sem considerar o real valor do quê estão diferentes tipos de Objetos, dentre os

aplicando e para o quê estão aplicando.

quais dois serão utilizados por nos, a

Também podem cair no ridículo os que

saber: os materiais e os formais.

defendem a tese de que esse ramo da

“O objeto material é como objeto

ciência não apresenta nenhum tipo de

indeterminado; a sua determinação ope-conhecimento que possa ser utilizado em ra-se por meio

do objeto formal. A dife-uma determinado campo de trabalho.

rença entre objeto formal e objeto mate-Um fato interessante é que, a medida

rial funda-se na diferença entre o co-em que vamos ampliando o leque de

nhecido e o objeto do conhecimento.” 40

atuação profissional e adentramos em

Diante de tal premissa dizer que a

diferentes campos de trabalho, percebe-

Biomecânica estuda o “Movimento cor-

mos que muitos dos conhecimentos da

poral” não é delimitação suficiente, visto Biomecânica, os quais acreditávamos

ser esse um objeto material. Como tal

inúteis a princípio, se mostram, extre-

ele tem a capacidade de gerar uma gran-

mamente adequados ao entendimento de

de quantidade de diferenciados objetos

fenômenos que ali se apresentam.

formais, o que alias tem constituído uma Nesse sentido, é nossa posição que a

ocorrência concreta.41 O problema aqui é investigação acerca da possibilidade de que muitos dos objetos formalizados a

efetiva utilização do conteúdo epistêmi-partir do “Movimento Corporal” podem

co da Biomecânica nos processos educa-

não fazer parte do universo da Educação tivos deve, obrigatoriamente, avançar

Física Escolar, e é com base no objeto já para além do que hoje é ratificado com

formalizado que se determina a especifi-base no senso-comum e de forma folcló-

cidade do campo de conhecimento e,

rica. Dizer que várias partes do conteúdo consequentemente seu nível de aplicabi-de um livro de Biomecânica Básica

lidade a outros setores.

“ serão

eficazes no aprendizado e na Em decorrência de tais características

aplicação dos conceitos

” 42 é fácil. O

não basta defendermos a pertinência da

difícil é demonstrar cientificamente, e na aplicação de conhecimentos oriundos da

prática, que essa proposição é verdadei-Biomecânica no contexto da Educação

ra.

Física Escolar dizendo que ela investiga No presente estágio de desenvolvi-o movimento corporal. É de fundamental

mento de nossos estudos e, principal-

importância que ela investigue movi-

mente, dado ao presente estado da arte

mentos corporais pertinentes ao contexto do campo da Biomecânica, estamos

ao qual pretende-se ela seja aplicada.

convictos de que esse ramo do conheci-

mento reúne muitas das condições ne-

cessárias à geração de informações que

podem efetivamente ser aplicadas nos

processos educativos. Porém a precisa

40

MORA, J. F. Dicionário de Filosofia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1991, p. 67.

42

HALL, S. Basic Biomechanics. St. Louis, 41 BATISTA, L. A., ibidem.

Mosby-Year Book, preface, 1991.

46

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

determinação de como isso pode ser

Com base nas pesquisas realizadas

efetivado carece ainda de exame cientí-

até o momento conhecemos muito do

fico mais aprofundado.

que tem sido produzido pela Biomecâni-

Todo esse quadro não deve ser visto

ca do esporte, sendo esse o setor da Bi-de maneira diferente quando tratamos do omecânica que mais espaço ocupa den-caso específico da Educação Física Es-

tro do contexto epistêmico da Educação

colar. Como já aludimos, não temos

Física. Sabemos que esse conteúdo pro-

dúvidas de que a Biomecânica pode

vavelmente não aponta no sentido de um

contribuir com a efetivação de processos razoável grau de aplicabilidade ao uni-educativos, que envolvam comporta-

verso escolar.

mentos corporais motores, mais consci-

De qualquer forma, apesar do tema

entes, críticos e, consequentemente,

ainda merecer um maior aprofundamen-

marcados por concretas responsabilidade to, temos uma idéia razoável do que a

e intencionalidade pedagógica por parte Biomecânica tem produzido, e, mais

de que conduz o processo.

importante ainda, sabemos que ela está

Nesse ensaio partimos da premissa

habilitada para investigar o movimento

básica de que a preocupação do profes-

corporal.

sor com a qualidade do movimento cor-

Ao contrário, no que diz respeito às

poral constitui um elemento crítico no

informações necessárias ao processo

processo educativo influenciando, con-

crítica proposto, muito pouco, ou quase sequentemente, no tipo de resultado a

nada sabemos acerca do contexto da

ser produzido em decorrência do mes-

Educação Física Escolar, mais especifi-

mo43.

camente, não sabemos nem mesmo quais

são as formas de movimento corporal

Explicamos que, do ponto de vista da

que ela congrega.

Biomecânica, entender e aceitar que o

Como se vê, não está sendo defendi-

movimento corporal faz parte do univer-

da aqui a idéia de que a Biomecânica já so educativo da Educação Física Esco-tenha produzido o suficiente. Muito ao

lar, não delimita, de forma suficiente, contrário, parafraseando conceitos da

um objeto claro a partir do qual possa-

mecânica clássica, aqui identificamos

mos examinar, de uma maneira cientifi-

uma situação de equilíbrio instável. O

camente correta e precisa, se as informa-campo fornecedor de informações já

ções fornecidas por aquele campo de

possui, reconhecidamente, algum conte-

conhecimento podem ser aplicadas de

údo com o qual contribuir, seja sobre a forma proveitosa nesse contexto.

forma de informação, ou de acervo me-

Antes de qualquer coisa, é preciso

todológico para promover investigações

identificar os objetos formais gerados a adequadas. É preciso agora equilibrar a partir do objeto material “movimento

balança aumentando o lastro do lado da

corporal”, de forma que possamos veri-

Educação Física Escolar, a qual deve ser ficar se a Biomecânica os tem investiga-examinada afim de que sejam desvela-

do e, se o tem feito, com que propósitos.

dos os objetos formais passíveis se se-

Esse é o primeiro grande passo para que rem estudados pela Biomecânica.

possamos comparar o tipo de produção

Diante desses fatos, se queremos, e-

com o tipo de demanda, aquilatar o grau xaminar os conhecimentos existentes ou

de compatibilidade entre os dois e emitir mesmo estabelecer, através de investiga-um parecer acerca da aplicabilidade do

ções Biomecânicas, uma produção de

conhecimento científico nesse caso.

conhecimentos que sejam efetivamente

aplicáveis ao contexto da Educação Físi-43 GRAHAM, G., HEIMERE, E. Research on

teacher effectiveness: A summary with implications ca Escolar, a melhor orientação metodo-for teaching. Quest. n.3, v. 33, 1981.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

47

Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001 47 lógica para o momento
Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001 47 lógica para o momento

lógica para o momento é promover estu-

Modern Gymnast. v. 3, n. 2, 1960, p. 20-dos que busquem descrever o contexto

21.

da Educação Física Escolar com o pro-

Gymnastic Gimmicks: An-

pósito de identificar, de forma científica, other Gimmick for Quick Learning of

os objetos formais gerados a partir do

Gymnastics - Use of Physics. Modern movi44mento corporal.

Gymnast. v. 3, v. 1, 1960, p. 22-23.

Se já há conhecimento adequado passa-

CAMPBELL, W. A., Jr. Relationship

remos a trabalhar na operacionalização

Between Buoyancy of the Black Male

de seu uso prático. Se, por outro lado, and Learning the Crawl Stroke. Biome-não existirem ainda as informações, uti-chanics of Sport and Kineantropometry.

lizaremos os objetos desvelados para

P. 149-206. Miami, Symposia Specialist, que, a partir deles, desencadeemos uma

1978.

produção de conhecimento através de

investigações de Biomecânicas.

COTTON, C. E.; NEWMAN, J. A.

Buyoncy Characteristics of Children.

Journal of Human Movement Studies. n.4, p. 129-143, 1978.

FLEISS, O.; FLEISS, H.; RUCK-

ENBAUER, K. The Technique of the

Diagonal Step of the Beginner and of the 7. Referências Bibliográficas

Skilled Athlete. Leistungssport. v. 9, n.6, p. 488-496, 1979.

FRACCAROLI, José Luiz. Biomecânica

BARROW, Harold M.; BROWN, Janie

- análise dos movimentos . (Introdu-P. Biomechanics of Human Movement.

ção).Rio de Janeiro, Cultura Médica,

Man and Movement: principles of

1981.

Physical Education. Fourth edition.

Philadel phia, Lea & Febiger, 1988, GRAY, R. K.; WHEELER, D. K. The

p.249.

Relationship of Measures of Body Size

and Density of Beginning Swimmers to

BATISTA, Luiz Alberto. O conhecimen-Their Rate of Learning to Swim. Astra-to aplicado: A efetiva utilização do co-liaj Journal of Physical Education. N.

nhecimento contido no campo da Bio-

19, p. 16-19, june/july, 1960.

mecânica, nos processos de ensino de habilidades motoras desportivas. (Dis-HAY, James G. The Biomechanics of

sertação de doutoramento) Porto: UP,

Sports Techiniques. New Jersey, Pren-1996.

tice-Hall, 1985, p.2.

Aplicabilidade do Conheci-HEGEDUS, Jorge. La ciencia del

mento Científico. Rio de Janeiro: (no entrenamiento deportivo. Buenos Aires, prelo).

Stadium, 1984, p.139.

BAUMANN, Wolfang, SCHONMET-

HOCHMUTH, Gerard. Biomecanica de

ZLER, Sepp. Curso de Biomecânica.

los Movimientos Deportivos. Madrid, Santa Maria ,Rio Grande do Sul, Brasil : Doncel, 1973, p.9.

Universidade de Santa Maria, 1980, p.1

HOECKE, G.; GUENDLER, G. Use of

BEYER, E. F. Gymnastic Gimnicks:

Light Trace Photography in Teaching

Another Gimnick for Quick Learning of

Swimming. Swimming II. P. Baltimore, Gymnastics - The Use of Mechanics.

University Park Press, 1975, p. 194-206.

LAPEDES, Daniel N. Dictionary of

Scientific and Techical terms. England, McGraw-Hill, 1993

48

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p.36-49 – 2001

MALINOWSKI, B. A Scientific Theory

VILCHKOVSK, E. S.; ORESHCHUK,

of Culture and other essays. New York: S. A.; SHPIIALNY, V. B. Investigation

The University of North Carolina Press, of the Running of Pre-School Age Chil-1976, p. 70.

dren. Thory and Pratic of Physical Cul-McFARLANE, B. Biomechanics of

ture. n. 2, p. 40-41, 1974.

Beginning Pole Vaulting. Track and

VIZCAÍNO, Fernando. LÁNÀLISE

Field Quarterly Review. v. 80, n. 4, p.

BIOMECÀNIQUE DES LES TÈCNI-

38-40, 1980.

QUES SPORTIVES. Apunts. nº 7-8, MILLER, Doris I., NELSON, Richard

juny, 1987, p. 6.

C. Biomechanics of Sport - A Research WINECK, Jurgen. Manual de treina-Approach. Philadelphia, Lea & Febiger, mento esportivo. 2ª ed. São Paulo, Ma-1976, p.1

nole, 1986, p. 196.

OKA, H.; OKAMOTO, T.; YOSHI-

WINTER, R. On the level of Develop-

ZAWA, M.; TOKUYAMA, H.; KU-

ment of Running Movements at the End

MAMOTO, M. Eletromyographic and

of the Preschool Period. Leipzig. v.8, Cinematographic Study of the Flutter

n.2, p. 65-67, 1966.

kick in Infants and Children. Swimming University Park Press, p.

ning Movements in Boys and Girls of

The Development of Run-III. Baltimor,

167-172, 1979.

School Age. Leipzig. v.8, n. 2, 1966.

PITTUCK, D. E.; DAINTY, D. A. Ef-

WIRHED, Rolf. Atlas de Anatomia do

fects of a Modified Ball on the Mechanics Movimento. São Paulo, Manole, 1986, of Selected Water Polo Skills in Novice p.94.

Children. Swimming III. Baltimore, University Park Press, p. 338-345, 1979.

POWERS, S. K. Standing or Crouch

Start for Beginners?. Track Technique.

n. 67, 2126, 1977.

REILLY, A. M. Skiing: A Beginner’s

Guide. London, Lutterworth Press, 1970.

ROZIN, E. U. The Influence of Anthro-

pometric Parameters on Sucessful

Learning in Gymnastics. Theory and

Practice of Physical Culture. N. 3, 1973, p. 50-52.

SARIOLA, Jaume A. Mirallas. Bases

Biomecánicas para una Didáctica del

Judo. Apunts. n.21, septiembre, 1990, p.68.

SETTINERI, Luiz Irineu Cibilis. Biomecânica - Noções gerais. Rio de Janeiro, Livraria Atheneu, 1988, p. 1

TOKUYAMA, .; OKAMOTO, T.; KU-

MAMOTO, M. Electromyographic

Study of Swimming in Infants and Chil-

dren. Biomechanics V-B. Baltimore, University Park Press, p. 215-221, 1976.

Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1, p. 36-49 – 2001

49