Sei sulla pagina 1di 1

Quatro vínculos, Os - Amor, ódio, conhecimento e reconhecimento na

psicanálise e em nossas vidas.


O médico psiquiatra David Zimerman preparou um lançamento especial para a Feira do Livro de
Porto Alegre, "Os quatro vínculos na psicanálise e em nossas vidas: amor, ódio, conhecimento e
reconhecimento". O autor irá autografar a obra e conversar com o público no dia 10 de novembro, a
partir das 19h30, no pavilhão de autógrafos que fica próximo ao estande da editora, na Praça da
Alfândega.

O livro aborda os vínculos e como eles se relacionam entre si, internamente e externamente. Para
Zimerman, não existe um que funcione independente dos outros três. "Na verdade, os quatro estão
sempre presentes nos relacionamentos humanos e são inseparáveis e permanentes. O que acontece é
que um deles aparece com mais intensidade e caracteriza a modalidade, sadia ou patológica, do
vínculo predominante", explica. Para exemplificar, é possível fazer uma metáfora com a escala
musical. São sete as notas elementares, as quais quando combinadas, tanto podem resultar em
simples acordes, como também adquirir a configuração de belos e complexos concertos musicais.

Ainda, segundo o autor, as configurações vinculares no ser humano, ou em grupos, podem ser
explicadas com o Vínculo do Amor. Este, tanto pode ser sadio, quanto patológico e,
frequentemente, está interligado com o sentimento de ódio, que surge diante de frustrações,
decepções e desilusões. O Vínculo do Reconhecimento, também participa ativamente na qualidade
do amor porque todo ser humano sadio tem uma vital necessidade de se sentir reconhecido,
valorizado pelos seus pares, querido pelos demais com quem convive, desejado, respeitado e
admirado. "Quando esse reconhecimento não acontece adequadamente, a qualidade do amor vai
sofrer sérias rachaduras", diz.

Dessa forma, Zimerman afirma ser constante a interferência, inconsciente, do mecanismo de defesa
do psiquismo, chamado de "negação", no qual o sujeito tanto pode negar o fato de amar uma
pessoa, quanto também pode negar que também sente ódio. "A pessoa pode, ainda, negar que se
comporta como vítima e não se dá conta que é ele quem provoca os raivosos revides do outro, e,
assim, poderíamos descrever infinitas combinações entre os quatro vínculos em permanente
interação e que interferem na qualidade de nossas vidas", completa

O autor, um dos principais nomes da psicanálise brasileira e reconhecido internacionalmente,


desvenda os quatro vínculos que permeiam nossas vidas do ponto de vista da psicanálise, criando
um espaço potencial no qual o leitor pode emergir como pensador em seus referenciais teóricos
despertados pelo conteúdo e pelos movimentos do fio condutor da escrita.