Sei sulla pagina 1di 119

Fabio dos Santos Gonçalves Roberto Reis de Oliveira Rossi

Introdução ao Ensino de Grafos na Educação Básica

Barra Mansa - RJ, Brasil 07 de dezembro de 2007

Fabio dos Santos Gonçalves Roberto Reis de Oliveira Rossi

Introdução ao Ensino de Grafos na Educação Básica

Monografia apresentada para obtenção do Grau de Licenciatura em Matemática pelo Centro Universitário de Barra Mansa, UBM, do Rio de Janeiro.

Orientador:

Professor Dr. Ladário da Silva

CURSO DE MATEMÁTICA

UBM

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA

Barra Mansa - RJ, Brasil

07 de dezembro de 2007

Monografia do Curso de Matemática sob o título “Introdução ao Ensino de Grafos na Edu-

cação Básica”, defendida por Fabio dos Santos Gonçalves e Roberto Reis de Oliveira Rossi,

aprovada em 07 de dezembro de 2007, em Barra Mansa, Estado do Rio de Janeiro, pela banca

examinadora constituída pelos professores:

Prof. Dr. Ladário da Silva Orientador

Prof. Msc. Mauro César de Melo Baptista Centro Universitário de Barra Mansa

Prof. Msc. Laurentino Duodécimo Rosado Fernandes Centro Universitário de Barra Mansa

Dedicamos esse trabalho aos professores, pais e familia- res, pela credibilidade, paciência, confiança e, acima de tudo, o carinho que nos demonstraram ao longo dessa árdua caminhada.

Agradecimentos

Agradecemos a todos aqueles que estiveram ao nosso lado ao longo dessa caminhada.

A coordenadora do nosso curso, Jaqueline, por todos seus esforços para elevar o nível do

curso de Matemática.

Ao professor Ladário, pela grande amizade e por todo incentivo que nos deu ao logo do

curso.

Aos professores Carlos, Clayton, Luis Antônio, Lêda, Lúcia e André, por todos ensinamento

que nos transmitiram.

Aos professores Anísio e Gerônimo, e as professoras Beatriz, Evane, Florência, Danielle e

Flordélia, por sua significante passagem em nossas vidas.

Aos professores Mauro e Duó pelo interesse e participação em nossa banca de avaliação.

A professora Lurdinha, por toda a experiência de vida que nos passou, nos mostrando o

verdadeiro sentido da vida de um educador.

E, acima de tudo, a Deus que nos levantou em todos os momentos que caímos.

A preocupação com o próprio homem e seu destino deve constituir sempre o interesse principal de todos os esfor-

Nunca se esqueçam disso em seus diagra-

mas e equações.

Albert Einstein

ços técnicos

Resumo

GONÇALVES, Fabio dos Santos; ROSSI, Roberto Reis de Oliveira. Introdução ao Ensino de Grafos na Educação Básica. 2007, 117 páginas. Monografia (Licenciatura em Matemática):

Centro Universitário de Barra Mansa - UBM, Barra Mansa, 2007.

A

Teoria dos Grafos vem se mostrando, ao longo dos anos, como uma importante ferramenta

na

resolução de problemas, em diversas áreas do conhecimento como por exemplo Matemática,

Física, Biologia, Logística, Relações Humanas e Computação. Desde o Problema das Sete Pontes, muitas descobertas foram realizadas no âmbito da Teoria dos Grafos e, conseqüentemente, a cada dia surgem mais aplicações e problemas onde essa teoria pode ser utilizada. Apesar de não ser uma idéia nova, é relativamente novo o crescente interesse pela utilização da Teoria dos Grafos dentro da educação. Esse trabalho tem o objetivo de sugerir o uso da Teoria dos Grafos na Educação Básica, abran- gendo o Ensino Fundamental e Ensino Médio, como ferramenta de auxílio para o ensino da Matemática. Com esse intuito aplicamos oficinas no Ensino Fundamental e Ensino Médio e ve- rificamos alguns benefícios citados por outros autores, os quais mostram que a Teoria dos Grafos traz enormes vantagens para o ensino de matemática. A utilização da Teoria dos Grafos destaca a transversalidade e a valorização do cotidiano do aluno no ensino, requisitos básicos do PCN.

PALAVRAS CHAVE: Teoria dos Grafos. Matemática. Educação Básica.

Abstract

Introduction at Te-

aching of Graph in Basic Education. 2007, 117 pages. Monograph (Mathematic Licentiate):

Center University of Barra Mansa - UBM, Barra Mansa, 2007.

GONÇALVES, Fabio dos Santos; ROSSI, Roberto Reis de Oliveira.

The Graph Theory has been showing, along the years, as an important tool in problems reso- lution, in several areas of acknowledge as Mathematics, Physics, Biology, Logistics, Human Resources and Computer Science. Since the “Seven Bridges Problem”, many discoveries were achieved in the scope of the Graph Theory and, consequently, each day arise more applications and problems where this theory has been used. Despite of not being a new idea, it is relatively new the crescent interest by the utili- zation of the Graph Theory inside education. This work has the subject to suggest the use of the Graph Theory inside Basic Education, since the Fundamental School and High School, as an auxiliary tool for the teaching of Mathematics learning. With this intention we apply workshops in Basic Education and High School and verify some benefits cited for other authors, which they show that the Graph Theory brings enormous advantages for education of mathematics. The use of the Graph Theory detaches the transversa- lity and the valuation of the daily one of the pupil in education, basics requirements of the PCN.

KEYWORDS: Graph Teory. Mathematic. Basic Education.

Lista de Figuras

Sumário

1 Introdução

17

1.1 Objetivo deste trabalho

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

1.2 Estrutura da monografia .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

2 A História da Teoria dos Grafos

 

20

3 Grafos - Conceitos e Definições

24

3.1 O que é um grafo? .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

3.2 Grafo simples, não orientado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

3.2.1

Terminologia

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

3.3 Grafo Orientado ou Digrafo .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

3.4 Definições .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

3.5 Grafo Valorado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

3.6 Algumas Propriedades

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

3.6.1

Grau dos Vértices .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

 

3.6.2 Grafos Completo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

3.6.3 Circuitos e Ciclos em um Grafo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

4 Representação de Grafos

 

33

4.1 Representação Matricial

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

 

4.1.1 Matriz de Adjacência de um grafo simples .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

4.1.2 Matriz de Adjacência de um grafo direcionado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

35

4.1.3 Matriz de Incidência de um grafo simples

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

4.1.4 Matriz de Incidência de um grafo direcionado

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

4.2 Representação através de listas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

 

4.2.1 Lista de Adjacência para grafos simples

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

4.2.2 Lista de Adjacência para grafos orientados

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

5 Grafos na Educação

 

41

5.1 O que diz Piaget?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

 

5.1.1 Operacional-Concreto

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

43

5.1.2 Operacional-Abstrato .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

5.2 O que diz a Lei? .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

 

5.2.1

O PCN, a LDB e as Orientações Curriculares

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

6 Relato da pesquisa

 

50

6.1

Oficina no Ensino Médio

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

50

 

6.2

Oficina no Ensino Fundamental .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

7

Conclusão e Trabalhos Futuros

 

66

Referências Bibliográficas

 

68

Apêndice A -- Atividades para o ensino fundamental

 

70

 

A.1

Os três serviços

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

71

A.2

As sete pontes .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

A.3

Passando o lápis apenas uma vez

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

75

A.4

Viajando pelo mundo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

76

Apêndice B -- Atividades para o ensino médio

 

77

 

B.1

Caminho de custo mínimo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

78

B.2

Representação matricial .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

80

Apêndice C -- Oficinas

 

81

Apêndice D -- Testes Aplicados

 

98

Anexo A -- Questionários e Depoimentos

 

104

Anexo B -- Fotos das Oficinas

 

116

Lista de Figuras

2.1

Representação da cidade de Konigsberg e as

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

3.1

Grafo representando o problema das sete pontes.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

3.2

Uma representação do grafo G da definição.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

3.3

Exemplo do grafo não orientado da definição

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

3.4

Exemplo do grafo orientado da definição.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

28

3.5

Representação do

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

3.6

Exemplo de um grafo 2 regular: todos os vértices possuem grau

 

.

.

.

.

.

.

30

3.7

Exemplo de um grafo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

3.8

Exemplo de um grafo completo de grau 4, K 4 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

3.9

Exemplo de um grafo simples valorado.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

4.1

Grafo para representação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

4.2

Grafo orientado para representação matricial.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

35

4.3

Grafo simples para representação da Matriz de Incidência.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

4.4

Grafo orientado para representação da Matriz de Incidência.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

4.5

Grafo simples para representação da Lista de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

4.6

Grafo orientado para representação da Lista de Adjacência

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

6.1

Mapa utilizado na atividade: Buscando o Caminho de Custo Mínimo

 

51

6.2

Gráfico da 1 a questão pré-teste: Já estudou matriz em Matemática ou em outra

 

disciplina

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

6.3

Gráfico da 2 a questão pré-teste: Já ouviu falar sobre a Teoria dos Grafos

 

52

6.4

Gráfico da 3 a questão pré-teste: Conhece alguma função para matrizes

 

53

6.5

Gráfico da 4 a questão pré-teste: Já ouviu falar sobre algum dos assuntos

 

53

6.6

Gráfico da 5 a questão pré-teste: Quais dos assuntos estão relacionados com a

 

Matemática

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

6.7

Gráfico da 1 a questão pós-teste: Conhece pelo menos uma aplicação para a Teo-

 

ria dos Grafos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

6.8

Gráfico da 3 a questão pós-teste: A Teoria dos Grafos tem alguma relevância no

 

cotidiano

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

56

6.9

Gráfico da 4 a questão pós-teste: Gostou da oficina .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

56

6.10

Gráfico da 5 a questão pós-teste: Problema mais interessante

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

6.11

Oficina OEF001 - 6 a série do Ensino Fundamental

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

58

6.12

Oficinas OEF001 e OEF002 - aplicadas num evento livre

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

59

6.13

Gráfico da 1 a questão oficna em sala: Gostou da oficina

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

60

6.14

Gráfico da 2 a questão oficna em sala: Fez atividades semelhantes a essa oficina

.

60

6.15

Gráfico da 3 a questão oficna em sala: Atividade que mais gostou

.

.

.

.

.

.

.

.

.

61

6.17

Gráfico da 5 a questão oficna em sala: Mais oficinas como essa no ensino da

 

Matemática

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

62

6.18

Gráfico da 1 a questão evento livre: Gostou da oficina

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

62

6.19

Gráfico da 2 a questão evento livre: Fez atividades semelhantes a essa oficina

 

63

6.20

Gráfico da 3 a questão evento livre: Atividade que mais gostou

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

6.21

Gráfico da 4 a questão evento livre: Gosta das aulas tradicionais de Matemática

.

64

6.22

Gráfico da 5 a questão evento livre: Consegue ver relação do conteúdo no cotidiano 64

C.1

OEF001 - Pág. 01 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

83

C.2

OEF001 - Pág. 02 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

84

C.3

OEF001 - Pág. 03 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

85

C.4

OEF001 - Pág. 04 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

C.5

OEF002 - Pág. 01 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

C.6

OEF002 - Pág. 02 .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

C.7

OEM001 - Pág. 01

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.</