Sei sulla pagina 1di 49
Relatório de Estágio Cet – Manutenção Industrial Melhoramento de segurança Máquina Raio-X Viscom Realizado por:

Relatório de Estágio

Cet Manutenção Industrial

Melhoramento de segurança Máquina Raio-X Viscom

Industrial Melhoramento de segurança Máquina Raio-X Viscom Realizado por: João Miguel Louro Vieira Local: TE

Realizado por: João Miguel Louro Vieira

Local: TE Connectivity

Aluno: FC790

Supervisor Académico: Doutor Mouhaydine Tlemçani

Supervisor da Entidade: Eng. Carlos Oliveira

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Índice Geral

Resumo……………………………………………………………………….….2

1.Entidade Recetora……………………………………………………………3

2.Introdução………………….………………………………………………….4

3.A Máquina Viscom……………………………………………………………5

4.O Problema……………………………………………………………………7

5.Fotocelulas e Componentes……………………………………………

…8

6.Construção de Apoios………………………………………………………10

6.1 Ensaio e Montagem……………………………………………….12

6.2 Instalação Elétrica…………………………………………………14

7.Conclusão…………………………………………………………………….15

Anexos……………………… …………………………………………………16

- 1 -

Resumo Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut.

Resumo

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Este projeto tem como objetivo o estudo, construção e montagem um sistema de segurança para uma máquina de Raio-X Viscom, com o intuito de minimizar os custos de manutenção e paragem do equipamento evitando a colisão de órgãos da máquina, causados por uma deficiente utilização por parte do operador,

- 2 -

1 - Entidade Recetora de Estágio Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel.

1 - Entidade Recetora de Estágio

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

A TE Connectivity - Componentes Electromecânicos, Lda. está localizada em

Évora, na zona industrial, num espaço com uma dimensão de 80.000 m2, junto

à estrada de circunvalação.

A empresa fabrica principalmente relés para a indústria automóvel,

apresentando uma divisão funcional, de acordo com os processos produtivos

que estão implantados.

Esta é uma fábrica que não se limita a efetuar a montagem dos componentes a incluir nos relés, uma vez que transforma, nas suas instalações, uma parte importante das peças que fazem parte dos diferentes produtos que são aqui manufaturados.

Assim, pode dizer-se que tudo tem início nas secções de pré-fabricação que transformam as bandas de metal nas diferentes peças que compõem os relés,

através da utilização de várias prensas e de um variado conjunto de moldes e

de ferramentas, e o granulado de plástico em peças plásticas de diferentes

formas e feitios. Junto da pré-fabricação está instalada a unidade de galvânica onde as peças sofrem os necessários tratamentos químicos, para que

apresentem os níveis de qualidade exigidos.

Seguindo o processo produtivo, as linhas de montagem estão agrupadas de acordo com as principais famílias de produtos. As linhas mais recentes apresentam uma completa automatização, enquanto que as linhas mais antigas ainda revelam um conjunto de operações manuais que permitem uma grande flexibilidade.

Atualmente a empresa apresenta um conjunto de 40 linhas de montagem, com diferentes níveis de automatização com capacidade de produção até 300 milhões de relés por ano. Para além dos relés são também fabricados em Évora, conectores, sistemas indutivos e sensores de ângulos, que embora representando uma reduzida percentagem da produção total, não deixam de constituir um desafio.

Os produtos fabricados em Évora têm aplicação nos automóveis e são exportados a partir desta cidade para todo o mundo.

- 3 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

2 - Introdução

Neste projeto será construído um mecanismo de proteção para uma máquina Viscom de inspecção Raio-X, que evitará a colisão entre as peças que estão a ser observadas e a parte inferior do cabeçote da máquina que para além de ser bastante sensível, requer para o seu normal funcionamento que o interior esteja em pressão negativa, ou seja, em vácuo.

Na parte inferior do cabeçote existe um pequeno disco de alumínio e tungsténio chamado “target”, que com as repetidas colisões fica deformado começando assim a abrir orifícios que vão impedir que se mantenha todo o seu interior em vácuo, tornando assim impossível o funcionamento da máquina.

Serão utilizadas fotocélulas que estarão perfeitamente alinha das com a superfície inferior do cabeçote, detetando qualquer objeto que interrompa o feixe emissor/recetor.

Serão construídos suportes à medida, com diversas afinações, para que seja mais fácil o alinhamento das células.

Será implementada uma chave que descativará todo o sistema, estando acessível apenas aos técnicos que intervêm na máquina regularmente.

Com este projeto, evitar-se-á imobilizar a máquina indevidamente, reduzindo o erro humano, evitando assim gastos desnecessários, pois para a substituição do target é necessário desmontar e abrir o cabeçote implicado assim a substituição de inúmeros o-rings e vedantes e muito tempo em mão de obra. (Anexo nº 1)

- 4 -

3 - A Máquina Viscom Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de

3 - A Máquina Viscom

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.1) Maq. Raio-X Viscom X8050 Os Raios-X

(Fig.1) Maq. Raio-X Viscom X8050

Os Raios-X são uma forma de transferência de energia. Energia, que viaja à velocidade da luz no vácuo, pode penetrar em materiais que absorvem ou refletem a luz.

Na TE Connectivity a inspecção Raio-X é de uma elevada importância, pois sendo uma inspeção não destrutiva, permite a inspeção de produtos industriais ou processos sem danificar os componentes sob observação. É especialmente utilizado para a deteção de contaminantes, defeitos de fabrico e defeitos de montagem no interior dos produtos acabados.

de fabrico e defeitos de montagem no interior dos produtos acabados. (Fig.2) Cabeçote XT-9160 ( Anexo

(Fig.2) Cabeçote XT-9160 (Anexo nº 2)

- 5 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.3) Vista em corte cabeçote XT-9160 (Fig.4)

(Fig.3) Vista em corte cabeçote XT-9160

Manut. Industrial (Fig.3) Vista em corte cabeçote XT-9160 (Fig.4) Raio-X em inspeção com imagem no ecrã

(Fig.4) Raio-X em inspeção com imagem no ecrã de comandos

- 6 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

4 - O Problema

O principal problema causado por uma deficiente utilização do Raio-X existe quando se efetua “zoom” para observar alguns pormenores mais detalhados. Ao efetuar “zoom” a mesa onde está a peça a ser inspecionada aproximar-se-á do cabeçote não existindo nenhuma barreira física entre as mesmas.

Ao visualizar o ecrâ de comandos, tende a focar toda a sua atenção na imagem do objecto a inspeccionar, levando na maioria dos casos ao esquecimento da inexistência de uma barreira fisica, aproximando demasiado a mesa do cabeçote, provocando assim uma colisão, resultando na danificação e perfuração do “target” impedindo o normal funcionamento do equipamento.

impedindo o normal funcionamento do equipamento. (Fig.5) Funcionamento do “Zoom”. (Fig.6) Colisão do

(Fig.5) Funcionamento do “Zoom”.

do equipamento. (Fig.5) Funcionamento do “Zoom”. (Fig.6) Colisão do “target”. (Fig.7) “target”

(Fig.6) Colisão do “target”.

(Fig.5) Funcionamento do “Zoom”. (Fig.6) Colisão do “target”. (Fig.7) “target” danificado - 7 -

(Fig.7) “target” danificado

- 7 -

5 - Fotocelulas e componentes Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de

5 - Fotocelulas e componentes

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

As fotocélulas bem como todo os componentes utilizados, foram escolhidos através de diversos fatores, dos quais, a existência e utilização dos mesmos nas instalações da TE Connectivity, evitando assim gastos e demoras devido a pedidos de orçamento e encomendas, sendo todos os componentes utilizados, com artigos e stock criados, será muito mais rápido e económico a sua substituição em caso de avaria.

rápido e económico a sua substituição em caso de avaria. (Fig.8) Obto-bero Emissor: 3RG7122-3BG00 ( Anexo

(Fig.8) Obto-bero

Emissor: 3RG7122-3BG00

(Anexo nº3)

em caso de avaria. (Fig.8) Obto-bero Emissor: 3RG7122-3BG00 ( Anexo nº3 ) (Fig.9) Esquema fotocélula emissor
em caso de avaria. (Fig.8) Obto-bero Emissor: 3RG7122-3BG00 ( Anexo nº3 ) (Fig.9) Esquema fotocélula emissor

(Fig.9) Esquema fotocélula emissor

- 8 -

Receptor: 3RG7122-3AB00 ( Anexo nº3 ) Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel.

Receptor: 3RG7122-3AB00

(Anexo nº3)

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.10) Esquema fotocélula Recetor Relé: rt424024 (

(Fig.10) Esquema fotocélula Recetor

Relé: rt424024

(Anexo nº4 )

Base Relé: rt78725

(Anexo nº5)

Recetor Relé: rt424024 ( Anexo nº4 ) Base Relé: rt78725 ( Anexo nº5 ) (Fig.11) Montagem

(Fig.11) Montagem Relé com Base

- 9 -

6 - Construção de apoios Material: - Chapa de alumínio 5mm - Chapa de alumínio

6 - Construção de apoios

Material:

- Chapa de alumínio 5mm

- Chapa de alumínio 10mm

Centro de Maquinagem:

- Fresadora Deckel FP3A

- Nº 2206-08148

- Typ: CNC 2102

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Para construção dos apoios, foi escolhido alumínio por ser um material leve, resistente e bastante fácil de maquinar. Os apoios que suportarão as fotocélulas deverão ter diversas afinações, tendo em conta que as células deverão estar corretamente alinhadas uma com a outra e alinhadas com o centro do “target”. Serão também utilizados alguns materiais normalizados existentes em stock.

também utilizados alguns materiais normalizados existentes em stock. (Fig.12) Tipo de afinação para alinhamento - 10

(Fig.12) Tipo de afinação para alinhamento

- 10 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.13) Apoio Emissor ( Anexo nº6 )

(Fig.13) Apoio Emissor (Anexo nº6)

de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.13) Apoio Emissor ( Anexo nº6 ) (Fig.14) Apoio Recetor

(Fig.14) Apoio Recetor (Anexo nº7)

- 11 -

6.1 - Ensaio e Montagem. Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de

6.1 - Ensaio e Montagem.

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Previamente da montagem, todos os componentes foram ensaiados e testados

da montagem, todos os componentes foram ensaiados e testados (Fig.15) Teste das Fotocélulas. Foram efetuadas as

(Fig.15) Teste das Fotocélulas.

Foram efetuadas as furações para a fixação dos apoios. Todas as furações foram marcadas com o auxílio de um lazer rotativo, facilitando assim o alinhamento.

Os apoios foram fixos na estrutura da máquina e não no isolamento de chumbo, evitando a abertura de possíveis fugas de radiação com o funcionamento regular da máquina.

fugas de radiação com o funcionamento regular da máquina. (Fig.16) Marcação e furação da estrutura (Fig.17)

(Fig.16) Marcação e furação da estrutura

com o funcionamento regular da máquina. (Fig.16) Marcação e furação da estrutura (Fig.17) Fixação dos apoios

(Fig.17) Fixação dos apoios

- 12 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.18) Alinhamento das Fotocélulas (Fig.19) Alinhamento

(Fig.18) Alinhamento das Fotocélulas

Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.18) Alinhamento das Fotocélulas (Fig.19) Alinhamento com o “target” - 13

(Fig.19) Alinhamento com o “target”

- 13 -

6.2 – Instalação Elétrica Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio

6.2 Instalação Elétrica

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial (Fig.20) Esquema Elétrico ( Anexo nº 8

(Fig.20) Esquema Elétrico (Anexo nº 8)

F1 Fusível

B1 Emissor

B2 Recetor

K16 Relé

S6 Chave de Segurança

– Emissor B2 – Recetor K16 – Relé S6 – Chave de Segurança (Fig.21) Identificação dos

(Fig.21) Identificação dos componentes

- 14 -

7 – Conclusão Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

7 Conclusão

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Com a realização e implementação do projeto, verificar-se-á uma redução significativa de paragens tendo em conta que a probabilidade de existir falha humana durante o funcionamento e utilização da máquina foi bastante reduzida, minimizando assim os custos gastos relativamente a tempo de paragens, valor de mão-de-obra e peças de substituição. Com a redução de intervenções com a reparação da máquina o departamento de Manutenção Mecânica utilizará esse tempo para a realização importantes manutenções preventivas em outros equipamentos, contribuindo mais um pouco para o bom funcionamento de todos os equipamentos agregados ao plano de manutenções preventivas.

O departamento de Controlo de Qualidade da TE Conectivity, teve todo o interesse na realização deste projeto, pois sendo esta maquina utilizada 24h por dia e indispensável para a resolução de problemas de qualidade dos produtos e inspeção de produtos acabados, minimiza alguns fatores entre produtor e cliente.

- 15 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexos

- 16 -

Anexo nº 1 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 1

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 1 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 17 -

Anexo nº 2 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 2

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 2 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 18 -

Anexo nº 3 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 3

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 3 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 19 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 20 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 21 -

Anexo nº 4 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 4

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 4 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 22 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 23 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 24 -

Anexo nº 5 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 5

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 5 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 25 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 26 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 27 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 28 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 29 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 30 -

Anexo nº 6 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 6

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 6 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 31 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 32 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 33 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 34 -

Anexo nº 7 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 7

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 7 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 35 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 36 -

Anexo nº 8 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio –

Anexo nº 8

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Anexo nº 8 Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet

- 37 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 38 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 39 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 40 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 41 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 42 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 43 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 44 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 45 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 46 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial -

- 47 -

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio – Cet Manut. Industrial

Universidade de Évora 2011\2012 João Miguel Louro Vieira Rel. de Estagio Cet Manut. Industrial

- 48 -