Sei sulla pagina 1di 32
Apresentação do módulo Neste módulo você estudará:  O Número de Identificação do Veículo, de
Apresentação do módulo Neste módulo você estudará:  O Número de Identificação do Veículo, de

Apresentação do módulo

Neste módulo você estudará:

O Número de Identificação do Veículo, de acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT , que estabelece as orientações para sua padronização; e

Os pontos mais importantes da norma: a estrutura, o conteúdo, a localização e a fixação do número de identificação do veículo.

Objetivos do módulo

Ao final do estudo desse módulo, você será capaz de:

Analisar os principais fatos históricos da indústria automobilística no Brasil;

Compreender as orientações contidas na NBR 3 Nº 6066/80;

Conceituar VIN;

Extrair informações das tabelas gerais;

Identificar as possíveis localizações do VIN;

Descrever as formas de fixação do VIN;

Decodificar o VIN a partir das informações contidas nas tabelas gerais e específicas.

Estrutura do módulo

Aula 1 Breve histórico da indústria automobilística no Brasil

Aula 2 - A NBR 3 N° 6066/80

Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura

Aula 4 O conteúdo do VIN

Aula 5 A localização do VIN

Aula 6 A fixação do VIN

Aula 7 A decodificação do VIN

Aula 1 – Breve histórico da indústria automobilística no Brasil. Há registro que o primeiro

Aula 1 Breve histórico da indústria automobilística no Brasil.

Há registro que o primeiro veículo motorizado chegou ao Brasil em 1891 e que várias montadoras tentaram se estabelecer em solo brasileiro até 1956, época em que a indústria automobilística foi implantada oficialmente.

Datas e fatos nem sempre são exatos ou alcançam consenso entre os historiadores que apresentam matérias a respeito da história dos veículos em solo nacional; por isso, este curso não fecha questão: outras opiniões e contribuições sobre o assunto são respeitadas.

Sobre a implantação, a ANFAVEA (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PRODUTORES DE VEÍCULOS), criada em 15 de abril de 1956, expressou em seu site a respectiva opinião, por época do seu aniversário de 50 anos, em 2006:

A indústria automobilística brasileira foi implantada em 16 de agosto de 1956, quando o então presidente da República Juscelino Kubitschek de Oliveira formalizou a criação do GEIA, Grupo Executivo da Indústria Automobilística, com o objetivo de estimular a fabricação local e não somente a montagem de veículos no Brasil. Certamente não teria como imaginar o vulto que aquela sua iniciativa acabaria adquirindo. Hoje, passados 50 anos, o setor automotivo instalado no país festeja suas bodas de ouro, apresentando números de fato impressionantes: são 24 diferentes montadoras. Desde 1957 quando a primeira fábrica desta nova fase entrou em operação até dezembro de 2005, foram produzidos no Brasil 36,1 milhões de automóveis, 6,8 milhões de comerciais leves, 2,8 milhões de caminhões e 613 mil ônibus, totalizando 46,4 milhões de veículos.

Fonte: http://www.anfavea.com.br/50anos.html

de caminhões e 613 mil ônibus, totalizando 46,4 milhões de veículos. Fonte: http://www.anfavea.com.br/50anos.html
1.1. Um pouco mais sobre a Indústria Automobilística Brasileira O carro era um reluzente Peugeot,

1.1. Um pouco mais sobre a Indústria Automobilística Brasileira

Um pouco mais sobre a Indústria Automobilística Brasileira O carro era um reluzente Peugeot, com motor

O carro era um reluzente Peugeot, com motor Daimler a gasolina, de 3,5 cv e dois cilindros em V, conhecido pelos franceses como voiturette, por ser muito parecida com uma charrete. Seu proprietário o comprara por 6.200 francos, em Valentigney, cidade perto de Paris, e o trouxe diretamente para Santos. Mais tarde, o veículo foi levado a São Paulo, permanecendo na residência de Santos Dumont. Esse Peugeot foi o primeiro carro a chegar no Brasil, asseguram os historiadores. Dessa maneira, a cidade teve a primazia de ver circular por suas ruas o primeiro automóvel do País, como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011)

como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2
como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2
como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2
como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2
como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2
como confirmou a Câmara Municipal, um século depois. (Wikipédia. Acesso em 03 set 2011) Aula 2

Aula 2 - A NBR 3 N° 6066/80

A NBR 3 nº 6066/80 é uma norma técnica e não uma Lei, mas as

A NBR 3 nº 6066/80 é uma norma técnica e não uma Lei, mas as suas normatizações subsidiaram e continuam como base de toda a legislação referente à identificação veicular.

toda a legislação referente à identificação veicular. Importante! 2.1 Adequação das montadoras à NBR 3 n°
toda a legislação referente à identificação veicular. Importante! 2.1 Adequação das montadoras à NBR 3 n°

Importante!

Importante!

2.1 Adequação das montadoras à NBR 3 n° 6066/80

2.1 Adequação das montadoras à NBR 3 n° 6066/80  FIAT: iniciou a gravação com 17

FIAT: iniciou a gravação com 17 caracteres em 1981, mas sem designar o ano dos veículos no VIN. Corrigiu a codificação a partir de 1987, designando o ano na 10ª posição conforme determina a legislação (NBR 3 nº 6066/80 da ABNT).

Volkswagen: Em 1983 (ano-modelo) passou a gravar de acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT.

FORD: Iniciou a gravação de 17 caracteres com o ano-modelo 1984 (em julho de 1983), mas designou o ano do veículo na 11ª posição. Corrigiu a partir de março de 1987, designando o ano na 10ª posição conforme determina a legislação.

 GM: Em 1984 (ano-modelo) passou a gravar de acordo com a NBR 3 nº

GM: Em 1984 (ano-modelo) passou a gravar de acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT.

Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura

3.1. Considerações

3 nº 6066/80 da ABNT. Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura 3.1. Considerações 
3 nº 6066/80 da ABNT. Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura 3.1. Considerações 
 
3 nº 6066/80 da ABNT. Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura 3.1. Considerações 
3 nº 6066/80 da ABNT. Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura 3.1. Considerações 

3.2 A Estrutura do VIN

3 nº 6066/80 da ABNT. Aula 3 - O VIN: considerações e estrutura 3.1. Considerações 
Aula 4- O conteúdo do VIN 4.1. 1ª seção – WMI - Identificador Internacional do

Aula 4- O conteúdo do VIN

4.1. 1ª seção WMI - Identificador Internacional do Fabricante.

– WMI - Identificador Internacional do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1

4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN

do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1 É a pessoa, firma ou
do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1 É a pessoa, firma ou
do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1 É a pessoa, firma ou
do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1 É a pessoa, firma ou
do Fabricante. 4.1.1. Estudando a 1ª seção do código VIN 1 É a pessoa, firma ou

1 É a pessoa, firma ou corporação sob a responsabilidade de quem um veículo é montado para formar uma unidade em condições de operação.

     TABELA 1 – TABELA INTERNACIONAL DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO
     TABELA 1 – TABELA INTERNACIONAL DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO

     TABELA 1 – TABELA INTERNACIONAL DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO VIN
     TABELA 1 – TABELA INTERNACIONAL DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO VIN

TABELA 1

TABELA INTERNACIONAL DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO VIN

Esta tabela fornece os CÓDIGOS DAS DUAS PRIMEIRAS POSIÇÕES do VIN, conforme designação da SAE (Society of Automotive Engeneers), com autorização da ISO. (Traduzida para o português pelo EAD-SENASP.)

TABELA 3 – TABELA DAS TRÊS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO VIN Esta tabela apresenta a pertinência

TABELA 3

TABELA DAS TRÊS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO VIN

Esta tabela apresenta a pertinência da WMI do VIN dos veículos às montadoras apresentadas nos cursos de IDV1 e IDV2 + significado das 3 posições da WMI, com utilização da Tabela Internacional (Tabela 1).

a) Veículos tipos passeio, utilitário, caminhão e ônibus

 

Pertinência da WMI (pertence à)

Significado dos caracteres das 3 posições

WMI

(continente, país, fabricante/montadora)

9BW

VOLKSWAGEN DO BRASIL S.A.

América do Sul, Brasil, Volkswagen

9BG

GENERAL MOTORS DO BRASIL S.A.

América do Sul, Brasil, GM

9BF

FORD DO BRASIL S.A.

América do Sul, Brasil, Ford

9BD

FIAT Automóveis S.A.

América do Sul, Brasil, Fiat

9BS

SCANIA VABIS DO BRASIL

América do Sul, Brasil, Scania

9BS

SAAB SCANIA DO BRASIL

América do Sul, Brasil, Scania

9BM

MERCEDES BENZ DO BRASIL

América do Sul, Brasil, Mercedes

9BV

VOLVO DO BRASIL

América do Sul, Brasil, Volvo

93K

VOLVO DO BRASIL

América do Sul, Brasil, Volvo

9BY

AGRALE S. A.

América do Sul, Brasil, Agrale

93P

AGRALE S.A. (caminhões e ônibus Marcopolo-Agrale)

América do Sul, Brasil, Agrale

93H

Honda (nacional)

América do Sul, Brasil, Honda

JF1

Subaru (japonês)

Àsia, Japão, Subaru

JSA

Suzuki (japonês)

Àsia, Japão, Suzuki

2S3

Suzuki (canadense)

América do Norte, Canadá, Suzuki

931

Renault (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Renault

8AY

Renault (argentino)

América do Sul, Argentina, Renault

VF3

Peugeot (francês)

Europa, França, Peugeot

936

Peugeot (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Peugeot

8AD

Peugeot (argentino)

América do Sul, Argentina, Peugeot

9U7

Peugeot (uruguaio)

América do Sul, Uruguai, Peugeot

9BM

Mercedes Benz (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Mercedes

WDB

Mercedes Benz (alemão)

Europa, Alemanha, Mercedes

93U

Audi (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Audi

WAU

Audi (alemão)

Europa, Alemanha, Audi

9U7

Citroen (uruguaio)

América do Sul, Uruguai, Citroen

VF7 Citroen (francês) Europa, França, Citroen 9B5 Citroen (brasileiro) América do Sul, Brasil, Citroen

VF7

Citroen (francês)

Europa, França, Citroen

9B5

Citroen (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Citroen

JA3

Mitsubish (japonês)

Àsia, Japão, Mitsubish

4A3

Mitsubish (americano)

América do Norte, USA, Mitsubish

WBA

BMW (alemão)

Europa, Alemanha, BMW

WBS

BMW (idem, alemão)

Europa, Alemanha, BMW

4US

BMW (americano)

América do Norte, USA, BMW

WOL

GM/Adam Opel (alemão)

Europa, Alemanha, Adam Opel (GM)

94D

Nissan (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Nissan

JN1

Nissan (japonês)

Àsia, Japão, Nissan

93R

Land Rover (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Land Rover

SAL

Land Rover (inglês)

Europa, Inglaterra, Land Rover

9BR

Toyota (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Toyota

JTA

Toyota (japonês)

Àsia, Japão, Toyota

SB1

Toyota (inglês)

Europa, Inglaterra, Toyota

8AJ

Toyota (argentino)

América do Sul, Argentina, Toyota

9DY

Mitsubishi (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Mitsubish

93X

Mitsubish (idem, brasileiro)

América do Sul, Brasil, Mitsubish

JMA

Mitsubish (japonês)

Àsia, Japão, Mitsubish

94T ou 9BT

Troler (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Troler

1C4

Chrysler/Jeep (americano)

América do Norte (USA), USA Chrysler, Van Chrysler

934

Chrysler/Jeep (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Chrysler

8B7

Chrysler/Jeep (argentino)

América do Sul, Argentina, Chrysler

937

Dodge (brasileiro)

América do Sul, Brasil, Dodge

1AF ou 4AF

Ford (americana)

América do Norte, USA, Ford

3FA

Ford (mexicana)

América do Norte, México, Ford

7MP

Ford (australiana)

Oceania, Austrália, Ford

KNJ

Ford (coreana)

Ásia, Coréia do Sul, Ford

1G6

GM (americano)

América do Norte, EUA, GM (significado dos importados = EUA, GM, Versáo)

9BR

Toyota do Brasil S.A.

América do Sul, Brasil, Toyota

b) MOTOCICLETAS

 

9C2 ou 9CA

Motor Honda (motocicletas)

América do Sul, Brasil, Motor Honda ou Honda

9C6

Yamaha motos do Brasil.

América do Sul, Brasil, Yamaha

9C8

Agrale Amazônia S.A.

América do Sul, Brasil, Agrale Amazônia S.A.

9C5

Agrale S.A.

América do Sul, Brasil, Agrale S.A.

93F

Cofave (Aprilia/Yosung/Kasinski)

América do Sul, Brasil, Cofave

1HD

Harley Davidson (americana)

América do Norte, EUA, Harley

    Davidson 932 Harley Davidson (brasileira) América do Sul, Brasil, Harley Davidson JKA ou
   

Davidson

932

Harley Davidson (brasileira)

América do Sul, Brasil, Harley Davidson

JKA ou JKB

Kawasaki (japonesa)

Ásia, Japão, Kawasaki

93G

Kawasaki (brasileira)

América do Sul, Brasil, Kawasaki

JS1

Suzuki (japonesa)

Ásia, Japão, Suzuki

9CD

Suzuki (brasileira)

América do Sul, Brasil, Suzuki

94J

Sundown (brasileira)

América do Sul, Brasil, Sundown

4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN

América do Sul, Brasil, Sundown 4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN 4.3. Estudando a
América do Sul, Brasil, Sundown 4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN 4.3. Estudando a
América do Sul, Brasil, Sundown 4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN 4.3. Estudando a

4.3. Estudando a 3ª seção do código VIN

América do Sul, Brasil, Sundown 4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN 4.3. Estudando a
América do Sul, Brasil, Sundown 4.2. Estudando a 2ª seção do código VIN 4.3. Estudando a
      TABELA 4 – TABELA ANO/MODELO TABELA DE CÓDIGOS REFERENTES
      TABELA 4 – TABELA ANO/MODELO TABELA DE CÓDIGOS REFERENTES
  
  

TABELA 4 TABELA ANO/MODELO

TABELA DE CÓDIGOS REFERENTES AO ANO DE FABRICAÇÃO OU ANO-MODELO DO VEÍCULO (também conhecida como TABELA ANO/MODELO)

ANO

CÓDIGO

ANO

CÓDIGO

ANO

CÓDIGO

ANO

CÓDIGO

1981

B

1991

M

2001

1

2011

B

1982

C

1992

N

2002

2

2012

C

1983 D 1993 P 2003 3 2013 D 1984 E 1994 R 2004 4 2014

1983

D

1993

P

2003

3 2013

D

1984

E

1994

R

2004

4 2014

E

1985

F

1995

S

2005

5 2015

F

1986

G

1996

T

2006

6 2016

G

1987

H

1997

V

2007

7 2017

H

1988

J

1998

W

2008

8 2018

J

1989

K

1999

X

2009

9 2019

K

1990

L

2000

Y

2010

A 2020

L

Observação importante: Em decorrência das Resoluções 659/1985, 691/1988 e 24/1998, a 10ª Posição do VIN identifica:

a)

O ano de fabricação ou o ano modelo dos veículos gravados até 1988;

b)

Obrigatoriamente o ano de fabricação dos veículos gravados no período de 1988 a 1998;

c)

O modelo (ou ano-modelo) dos veículos gravados a partir de 1998 (modelo 1999).

d)

O ano de fabricação ou o ano-modelo, conforme o mês de fabricação (ano de transição).

 4.4. Resumo da constituição do VIN TABELA 2 – Tabela de seções do código
 4.4. Resumo da constituição do VIN TABELA 2 – Tabela de seções do código


4.4. Resumo da constituição do VIN

TABELA 2 Tabela de seções do código VIN

CONSTITUIÇÃO DO VIN (VIN = Vehicle Identification Number = Número de Identificação do Veículo.)

Observação: no Brasil usa-se também a sigla nacionalizada NIV = Número de Identificação do Veículo. Portanto, usaremos também VIN = NIV neste curso.

SEÇÕES DO CÓDIGO VIN (o VIN tem 3 seções)

CÓDIGO

 

VIN

 
 

1ª Seção =

WMI

=

   

WORLD MANUFACTURER IDENTIFIER = Identificador Internacional do Fabricante. Este código somente poderá ser designado a outro fabricante após 30 anos da última utilização do primeiro.

2ª Seção =

VDS
VDS

=

Vehicle Descriptor Section = Seção Descritiva do Veículo.

 

3ª Seção =

VIS
VIS

= Vehicle

SEÇÕES

Indicator Section = Seção Indicadora do Veículo.

POSIÇÕES

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10 11 12 13 14 15 16 17

Significado das posições do VIN

POSIÇÕES

OBSERVAÇÕES As posições 1 e 2 são dadas pela tabela 1 (tabela internacional),

das posições do VIN POSIÇÕES OBSERVAÇÕES As posições 1 e 2 são dadas pela tabela 1
1 3 = continente 2 = país = fabricante 4 a 9 = descrição do

1

1 3 = continente 2 = país = fabricante 4 a 9 = descrição do veículo

3

= continente

2 = país

= fabricante

4 a 9 = descrição do veículo

4 a 9 = descrição do veículo

10 = ano/modelo

10 = ano/modelo

11 = local da fábrica

11 = local da fábrica

12 a 17 = sequência numérica

12 a 17 = sequência numérica

designadas por uma Organização Internacional (atualmente a SAE) sob autorização da ISO. A posição 3 é designada por uma Organização Nacional (no caso do Brasil, a ABNT) e comunicada à SAE.

da ISO. A posição 3 é designada por uma Organização Nacional (no caso do Brasil, a

Obs.: A utilização do dígito 9 na terceira posição indica que seu fabricante produz menos de 500 veículos por ano. Sua designação no Brasil cabe à ABNT.

Os códigos das posições 4 a 9 são estabelecidos pelo fabricante. A descrição do veículo é de responsabilidade da respectiva fábrica ou montadora, podendo ela escolher as informações que deseja explicitar. A utilização do dígito 9 na terceira posição implica a identificação do fabricante na 6ª, 7ª e 8ª posições do VIN (também designadas pela ABNT).

A utilização de ano-modelo ou ano de fabricação depende do período em que foi fabricado o veículo, pois é regulamentada pelas Resoluções 659/85, 691/88 e 24/98. Antes das resoluções, a Norma NBR 6066/80 facultava a escolha ao fabricante. Veja a Tabela 4. O caractere da posição 11 indica o local de montagem do veículo, “se assim desejar o fabricante”, conforme item 5.4.b da NBR 6066/80 - não alterado pelas resoluções. Obs.: Como é opcional pela legislação, a fábrica pode escolher outro significado para esta posição. Os caracteres das posições 12 e 13 podem ser alfanuméricos. Os das posições 14 a 17 devem ser obrigatoriamente numéricos.

das posições 12 e 13 podem ser alfanuméricos. Os das posições 14 a 17 devem ser
das posições 12 e 13 podem ser alfanuméricos. Os das posições 14 a 17 devem ser

Aula 5 A localização do VIN

De acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT:

obrigatoriamente numéricos. Aula 5 – A localização do VIN De acordo com a NBR 3 nº





              

               
               
               

               
              

               
               

               
               

               
               

               
  Aula 6 – A fixação do VIN  

  Aula 6 – A fixação do VIN  
  Aula 6 – A fixação do VIN  

  Aula 6 – A fixação do VIN  

Aula 6 A fixação do VIN

  Aula 6 – A fixação do VIN  

  Aula 6 – A fixação do VIN  
  Aula 6 – A fixação do VIN  
Aula 7 – A decodificação do VIN 7.1. Codificação e Decodificação 
Aula 7 – A decodificação do VIN 7.1. Codificação e Decodificação 
Aula 7 – A decodificação do VIN 7.1. Codificação e Decodificação 

Aula 7 A decodificação do VIN

7.1. Codificação e Decodificação

Aula 7 – A decodificação do VIN 7.1. Codificação e Decodificação 
 7.2. Considerações sobre a decodificação Decodificar é uma tarefa relativamente fácil. Entretanto, a falta

 7.2. Considerações sobre a decodificação Decodificar é uma tarefa relativamente fácil. Entretanto, a falta de
 7.2. Considerações sobre a decodificação Decodificar é uma tarefa relativamente fácil. Entretanto, a falta de
 7.2. Considerações sobre a decodificação Decodificar é uma tarefa relativamente fácil. Entretanto, a falta de

7.2. Considerações sobre a decodificação

Decodificar é uma tarefa relativamente fácil. Entretanto, a falta de critérios pode dificultar ou mesmo levar a erro na decodificação. Por isso, nessa aula, você será conduzido a uma boa prática de decodificação, seguindo os critérios a seguir:

Gravação na velha nomenclatura - você deve comparar as fórmulas e a quantidade de caracteres. Esta quantidade é quase sempre diferente de 17. Como não havia regras preestabelecidas por norma ou pelo CONTRAN, as fábricas estabeleciam os próprios critérios de identificação, o que dificulta a criação de dicas de caráter geral para facilitar a decodificação. Assim, o melhor que se pode fazer é comparar o teor da gravação do VIN do veículo estudado com as tabelas do respectivo fabricante.

Gravação na nova nomenclatura - apresentará 17 caracteres, distribuídos em três seções, e conterá alguns significados obrigatórios, o que facilita a criação de dicas de caráter geral para facilitar a decodificação.

Assim, para decodificar um NIV de veículo gravado sob a égide da norma NBR 3

Assim, para decodificar um NIV de veículo gravado sob a égide da norma NBR 3 nº 6066 de 1980, da ABNT, é necessário que você tenha como acessar as tabelas GERAIS ou fundamentais, e também as tabelas ESPECÍFICAS de cada montadora.

Relação das Tabelas GERAIS para decodificação:

1.

Tabela internacional das duas primeiras Posições do VIN - (tab.1)

2.

Tabela de seções do código VIN Constituição do VIN (tab.2)

3.

Tabela das 3 primeiras posições do VIN (WMI) - (tab.3)

4.

Tabela ano ou modelo - (tab.4)

5.

Tabela de adesão das grandes montadoras à nova nomenclatura (tab. 5), com observação sobre as principais exceções à regra.

Observe que na lista acima aparece uma nova tabela: A tabela 5.

Veja o seu propósito!

aparece uma nova tabela: A tabela 5. Veja o seu propósito! TABELA 5 – Tabela de

TABELA 5 Tabela de adesão das grandes montadoras à nova nomenclatura

Esta tabela apresenta como e/ou quando foram gravados os NIVs das grandes montadoras de veículos a partir da época da adesão à nova nomenclatura.

a- Veículos Tipo Passeio

Observação: Na hora de decodificar, fique atento às informações das fábricas

tradicionais que não gravaram o ano do veículo na 10ª posição, no período anterior a

tradicionais que não gravaram o ano do veículo na 10ª posição, no período anterior a 1987, apesar de terem aderido à nova nomenclatura: FIAT e FORD (veículos tipo passeio), e SAAB-SCANIA (veículos pesados).

FIAT: iniciou a gravação com 17 caracteres em 1981, mas sem designar o ano dos veículos no VIN. Corrigiu a codificação a partir de 1987, designando o ano na 10ª posição conforme determina a legislação (NBR 3 nº 6066/80 da ABNT). Volkswagen: Em 1983 (ano-modelo) passou a gravar de acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT. FORD: Iniciou a gravação de 17 caracteres com o ano-modelo 1984 (em julho de 1983), mas designou o ano do veículo na 11ª posição. Corrigiu a partir de março de 1987, designando o ano na 10ª posição conforme determina a legislação. GM: Em 1984 (ano-modelo) passou a gravar de acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT.

b- Veículos Tipo Motocicleta

Honda: Adotou a nova nomenclatura em outubro de 1986. Yamaha: Adotou a nova nomenclatura em outubro de 1986. Agrale: Adotou a nova nomenclatura em 1988. Aprilia/ Hyosung/ Kasinski: Não informou a data de adoção da nova nomenclatura. Harley Davidson: Não informou a data de adoção da nova nomenclatura. Kawasaki: Não informou a data de adoção da nova nomenclatura no Brasil. No Japão, adotou-a desde 1986. Suzuki: Não informou a data de adoção da nova nomenclatura no Brasil. No Japão, adotou-a desde 1990. Sundown: Motocicletas fabricadas a partir de 2006.

c- Veículos Denominados os “Novos Nacionais”

Veículos denominados “os novos nacionais”, que já iniciaram sua produção no Brasil sob a égide da norma NBR 3 nº 6066/80 da ABNT, tiveram o VIN gravado com 17 caracteres, conforme exigido pela norma e pelas Resoluções 659/85, 691/88 e 24/98.

Vamos citar algumas marcas: D1) Veículos passeio: Honda, Peugeot, Renault, Mercedes Benz, Audi, Citröen. D2)

Vamos citar algumas marcas:

D1) Veículos passeio: Honda, Peugeot, Renault, Mercedes Benz, Audi, Citröen. D2) Motocicletas: Aprilia, Hyosung, Kasinski, Harley Davidson, Kawasaki, Suzuki, Sundown.

d- Veículos Importados

Veículos importados, de várias marcas (Audi, Mitsubishi, BMW, GM (Tigra, a partir de 1998), Subaru, Suzuki, Citröen, Ford americana, etc.), devem apresentar seu VIN gravado de acordo com a legislação brasileira. Caso seja incompatível, é necessário que recebam outra gravação, baseada na original, adaptada à legislação brasileira, para que sejam “nacionalizados”.

7.3. Dicas para facilitar a decodificação: teoria e prática

Dicas para facilitar a decodificação: teoria e prática a) Considerando um NIV da velha nomenclatura: Como

a) Considerando um NIV da velha nomenclatura:

Como a quantidade de caracteres varia conforme o fabricante e este estabelecia os próprios critérios de identificação, o melhor que se tem a fazer é comparar o teor da gravação do VIN do veículo estudado com as tabelas do respectivo fabricante.

b) Considerando um NIV da nova nomenclatura (com 17 caracteres):

1. Verifique em que continente o veículo foi fabricado. Consulte na tabela internacional o significado da primeira posição.

2. Veja em que país o veículo foi fabricado. Consulte na tabela internacional o

significado da segunda posição.

3. Agora veja a 3ª Posição do NIV e identifique a marca. Consulte a tabela

3.

Agora veja a 3ª Posição do NIV e identifique a marca. Consulte a tabela 3.

4.

Olhe para o veículo e identifique a categoria, se passeio ou utilitário, caminhão, ônibus, motocicleta, etc. Isto é importante porque as tabelas ESPECÍFICAS para veículos tipo passeio são diferentes das tabelas de outras categorias.

5.

Observe a 10ª Posição e defina o ano de fabricação ou ano-modelo do veículo. Consulte a tabela 4 (tabela ano/modelo).

6.

Agora é só procurar a fase. Para tanto, observe as tabelas específicas (no item 8) da marca (montadora ou fabricante) e os respectivos períodos de validade. Obs: se necessário, consulte a tabela 5 (veja ítem c).

7.

Encontrando a fase, é só continuar decodificando os caracteres das demais posições

dentro da respectiva tabela ESPECÍFICA. (Veja os quadros de links referentes a 23 marcas de veículos, após o item c que se segue.)

c) Exceções: (consulte a tabela 5, ou as dicas a seguir)

Se o veículo for Ford passeio produzido antes de março de 1987 o ano de fabricação estará na 11ª Posição;

Se o veículo for Fiat passeio produzido antes de 1987 não terá codificação de ano no NIV.

Observação:

No caso da Ford, a 4ª e a 5ª fases tem fórmulas de apresentação bem parecidas, mas com códigos diferentes. Na 4ª Fase (de julho de 1983 a março de 1987) o ano estará na 11ª Posição. Na 5ª Fase o ano de fabricação ou ano-modelo estará na 10ª Posição.

Dica especial 1: Na 5ª Fase a 11ª Posição deverá conter um dos seguintes caracteres: A, B ou C (local da linha de montagem). Isto facilitará a definição da Fase, pois na 4ª Fase estas letras não aparecerão já que o primeiro ano da nova nomenclatura da Ford equivale à letra D (a partir de julho de 1983).

Dica especial 2: na 4ª fase o caractere usado na 4ª posição se repete na 10ª, o que não acontece na 5ª fase.

8. Quadros de links das tabelas ESPECÍFICAS Observe as tabelas ESPECÍFICAS da marca (montadora/fabricante) e

8. Quadros de links das tabelas ESPECÍFICAS

Observe as tabelas ESPECÍFICAS da marca (montadora/fabricante) e os respectivos períodos de

validade. Com elas, conhecendo a fase, você poderá decodificar todos os caracteres do VIN

pesquisado.

Observação importante: Além dos links para as tabelas específicas das 23 marcas de

veículos, abrangendo modelos tipos passeio e motocicleta, que servirão para os

exercícios de decodificação e para facilitar o trabalho de identificação veicular que será

realizado pelos alunos e examinadores no ambiente da EAD, você encontrará todas as

tabelas no material complementar e/ou na versão impressa do curso de IDV1.

 

VEICULOS TIPO PASSEIO

 

AUDI

BMW

CITRÖEN

FIAT

FORD DO

BRASIL

GENERAL

 

HONDA

   

MOTORS

ADAM OPEL

GENERAL

MOTORS

PRODUÇÃO

NACIONAL

MERCEDEZ

BENZ

MITSUBISHI

PEUGEOT

RENAULT

SUBARU

SUZUKI

VOLKSWAGEN

 

VEICULOS TIPO MOTOCICLETA

 
 

APRILIA

   

AGRALE

HYOSUNG

KASINSKI

HALEY

DAVIDSON

HONDA DO

BRASIL

KAWASAKI

SUNDOWN

SUZUKI

YAMAHA

a) Para decodificar um VIN da velha nomenclatura compare o teor da gravação com o
a) Para decodificar um VIN da velha nomenclatura compare o teor da gravação com o

a) Para decodificar um VIN da velha nomenclatura compare o teor da gravação com o das fórmulas da respectiva marca, do mesmo tipo de veículo (no caso, passeio).

marca, do mesmo tipo de veículo (no caso, passeio). b) Para decodificar um VIN da nova

b) Para decodificar um VIN da nova nomenclatura, siga os passos já estudados Exemplo:

da nova nomenclatura, siga os passos já estudados Exemplo: A partir do exemplo abaixo, veja a
da nova nomenclatura, siga os passos já estudados Exemplo: A partir do exemplo abaixo, veja a

A partir do exemplo abaixo, veja a sequência indicada para a decodificação do VIN:

9 B W Z Z Z 3 2 Z F P 0 2 7 0
9
B
W Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8

Tabelas da Volkswagen

2

1. Usando a tabela internacional 3 , localize a região geográfica, na 1ª posição.

CARACTERES

     

9 B

W

Z

Z

Z

3

2

Z

F

P

0

2

7

0

0

8

POSIÇÕES

     

1 2

 

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

 

9 = América do Sul

= Continente em que o veículo foi fabricado.

 

2. Usando a tabela internacional (tabela 1), localize o país em que o veículo foi fabricado, na 2ª posição.

2 Acessar o arquivo em anexo VOLKSWAGEN.pdf 3 Acessar o arquivo em anexo TABELA 1.pdf

CARACTERES 9 B       W Z Z Z 3 2 Z F P

CARACTERES

9 B

     

W

Z

Z

Z

3

2

Z

F

P

0

2

7

0

0

8

POSIÇÕES

1 2

     

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

 

B

= Brasil

= País em que o veículo foi fabricado.

 

3. Verifique, na 3ª posição do VIN, a marca do veículo, consultando as tabelas dos fabricantes 4 . Como cada fabricante utiliza a sua própria codificação, estas tabelas devem ser usadas para identificar o restante da especificação do veículo. Neste exemplo o veículo foi fabricado pela Volkswagen.

CARACTERES

 

9 W

B

     

Z

Z

Z

3

2

Z

F

P

0

2

7

0

0

8

POSIÇÕES

 

1 3

2

     

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

 

W

= Volkswagen

= marca Volkswagen = fabricante Volkswagen

 

4. Verifique qual é o tipo do veículo: passeio, utilitário (caminhão, ônibus, camioneta) ou motocicleta e localize a tabela respectiva 5 . No presente caso o veículo é tipo passeio.

5. Na 10ª posição, verifique o ano ou modelo do veículo. Se tiver dificuldades procure a tabela de ano/modelo 6 . Lembre-se das exceções: veículos passeio FORD e FIAT até 1987;

CARACTERES

 

9 B

W

Z

Z

Z

3

2

Z

 

F

P

0

2

7

0

0

8

POSIÇÕES

 

1 2

3

4

5

6

7

8

9

 

10

11

12

13

14

15

16

17

 

F

= 1985

= ano de fabricação ou ano-modelo.

 

6. Procure a fase em que foi fabricado o veículo. Neste exemplo, a fase teve início

no ano/modelo 1983 e terminou em julho 1995.

Resultado da consulta na tabela específica da VW (tipo passeio) = (4ª fase)

4 Acessar o arquivo em anexo Tabela 3.pdf

5 Acessar o arquivo em anexo VOLKSWAGEN;pdf

6 Acessar o arquivo em anexo TABELA4.pdf

7. Continue a decodificação, utilizando a tabela específica, dentro da fase encontrada (4ª fase): CARACTERES
7.
7.

Continue a decodificação, utilizando a tabela específica, dentro da fase

encontrada (4ª fase): CARACTERES 9 B W Z Z Z 3 2 Z F P
encontrada
(4ª fase):
CARACTERES
9 B
W
Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8
POSIÇÕES
1 2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
4ª a 6ª posições:
ZZZ = caracteres não significativos.
CARACTERES
9 B
W
Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8
POSIÇÕES
1 2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
7ª e 8ª posições:
32 = Passat/Santana
= tipo do veículo
CARACTERES
9 B
W
Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8
POSIÇÕES
1 2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
9ª posição:
Z = caractere não significativo
.
CARACTERES
9 B
W
Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8
POSIÇÕES
1 2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
11ª posição = localização da fábrica
: P = São Bernardo do Campo
.
CARACTERES
9 B
W
Z
Z
Z
3
2
Z
F
P
0
2
7
0
0
8
POSIÇÕES
1 2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
12ª a 17ª posições:
027008 = número sequencial de montagem
.
3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 12ª
 Há registro que o primeiro veículo motorizado chegou ao Brasil em 1891 e que

Há registro que o primeiro veículo motorizado chegou ao Brasil em 1891 e que várias montadoras tentaram se estabelecer em solo brasileiro até 1956, época em que a indústria automobilística foi implantada oficialmente.

O objetivo da A NBR 3 N° 6066, de julho de 1980, é estabelecer um sistema de numeração para identificação dos veículos rodoviários, uniformizando as informações sobre a estrutura, o conteúdo, a localização e a fixação do número de identificação do veículo VIN.

O VIN é um código constituído por 17 caracteres alfabéticos ou numéricos, dividido em três seções: 1ª seção WMI - Identificador internacional do fabricante (World Manufacturer Identifier); 2ª seção - VDS - Seção descritiva do veículo (Vehicle Descriptor Section) e 3ª seção- VIS - Seção indicadora do veículo (Vehicle Indicator Section).

De acordo com a NBR 3 nº 6066/80 da ABNT, o número de identificação do veículo (VIN) deve estar localizado no lado direito do veículo e, se possível, na metade dianteira.

De acordo com a NBR 3 nº 6066/80, para a fixação do VIN no veículo há duas soluções que, a critério do fabricante, podem ser adotadas simultaneamente no veículo: o VIN é gravado diretamente numa peça integrada ao veículo ou O VIN é gravado numa plaqueta que é fixada permanentemente ao veículo.

Codificação é a sequência de caracteres que individualizam o veículo. Cada fabricante cria, dentro dos padrões legais exigidos, a própria codificação para o VIN dos veículos por ele produzidos.

Decodificação é o significado de cada caractere do VIN do veículo, de acordo com o respectivo fabricante, o qual deve seguir os padrões legais exigidos.

Exercícios

Os exercícios a seguir têm como objetivo auxiliá-lo a compreender o processo de

decodificação. Nos gabaritos eles aparecem resolvidos, por isto leia-os acompanhando o

raciocínio de resolução.

Exercícios - Considerando as tabelas da Ford para veículos tipo PASSEIO 7 , faça os

seguintes exercícios, utilizando as dicas dos conteudistas:

1. Extraia os períodos de todas as fases da FORD:

2. Siga passo a passo a decodificação dos seguintes NIVs:

7 Acessar o arquivo em anexo FORD DO BRASIL.pdf

a) 0B30D000456 b) 9BFCXXLB1CFM00500 c) 8AFCZZFFF1J000054 Veja o gabarito no arquivo em anexo gabaritoexercicio1modulo1.pdf

a) 0B30D000456

b) 9BFCXXLB1CFM00500

c) 8AFCZZFFF1J000054

Veja o gabarito no arquivo em anexo gabaritoexercicio1modulo1.pdf