Sei sulla pagina 1di 22
Externato Carvalho Araújo Geografia A Ano letivo 2011/2012 A população, utilizadora de recursos e organizadora

Externato Carvalho Araújo

Externato Carvalho Araújo Geografia A Ano letivo 2011/2012 A população, utilizadora de recursos e organizadora de

Geografia A

Ano letivo

2011/2012

A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços

I

1. Selecione a letra da chave que corresponde a cada uma das afirmações seguintes.

Afirmações

Chave

1. Saldo migratório por mil habitantes.

 

2. Relação entre a população jovem e idosa expressa,

geralmente, em percentagem.

3.

idosos) e a população em idade ativa.

4. Número médio de filhos por mulher em idade fértil.

5. Percentagem de população ativa desempregada.

6. Soma do saldo natural com o saldo migratório, por mil

Relação entre a população dependente (jovens e

A. Taxa de crescimento efetivo

B. Índice sintético de fecundidade

C. Taxa de saldo migratório

D. Índice de envelhecimento

E. Índice de dependência total

F. Taxa de desemprego

habitantes.

2. Classifique, como verdadeira ou falsa

afirmações consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.

conda uma das seguintes afirmações. Corrija as

a) A década de 60 caracterizou-se por um crescimento efetivo francamente positivo.

b) O declínio da fecundidade é uma das principais causas do envelhecimento demográfico.

c) O incremento da imigração permitiu o aumento da taxa de crescimento natural nos anos 90.

d) As regiões com maior envelhecimento demográfico são o Norte e o Algarve.

e) O sector terciário é o mais importante em todo o país, ocupando mais de metade da população ativa. f) A evolução dos índices de dependência evidencia claramente o envelhecimento demográfico.

3. Selecione a opção de resposta correta para as seguintes questões.

3.1. As regiões com mais jovens que idosos são:

A. Norte, Lisboa e Madeira.

C.

Norte, Açores e Madeira.

B. Norte, Centro e Açores.

D.

Norte, Centro e Madeira.

3.2.

O desemprego afeta mais:

A.

as mulheres e os jovens dos 15 aos 24 anos.

C.

as mulheres e os jovens dos 25 aos 34 anos.

B.

os adultos como mais de 45 anos.

D.

as pessoas com mais de 60 anos.

4.

Responda às perguntas que se seguem.

4.1.

Descreva a evolução da população residente em Portugal, na segunda metade do século

XX.

4.2.

Indique os fatores que influenciaram a evolução da população nas décadas de 60 e 70.

4.3.

Explique o facto de as regiões do Interior apresentarem as mais baixas taxas de crescimento

natural.

4.4. Apresente as principais razões que explicam o processo de envelhecimento demográfico em

Portugal.

4.5. Relacione a distribuição regional do índice de envelhecimento com a estrutura etária das NUTS II. 4.6. Comente a afirmação: “A imigração pode contribuir para atenuar o envelhecimento da população do país recetor”. 4.7. Descreva a evolução do emprego por sectores de atividade, em Portugal, nas últimas décadas, referindo os fatores que a influenciaram. 4.8. Refira os principais problemas sociodemográficos decorrentes do envelhecimento

demográfico.

II

1. Selecione a letra da chave que corresponde a cada uma das afirmações seguintes.

Afirmações

Chave

1. Características do relevo, do clima e dos solos.

 

2. Densidade populacional mais elevada em duas áreas Lisboa e

Porto.

A. Litoralização

3. Possibilidade de resposta às necessidades da população,

B. Bipolarização

mantendo a qualidade de vida.

C. Fatores humanos

4.

Concentração da população e das atividades económicas ao

D. Fatores físicos

longo do litoral. 5. Condições de vida e de desenvolvimento das atividades

E. Capacidade de carga

económicas.

2. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.

a) Em Portugal Continental, as áreas de maior densidade populacional encontram-se na faixa

litoral, desde o Algarve à Grande Lisboa.

b) Nas Regiões Autónomas, a densidade populacional é elevada na maioria dos concelhos,

exceto nos do Funchal e de Ponta Delgada. c) Verifica-se, atualmente, uma tendência para atenuar os contrastes na distribuição demográfica, pois as áreas urbanas, de modo geral, têm perdido população.

d) A conjugação de fatores físicos e humanos mais favoráveis no Litoral explicam o principal

contrastes na distribuição da população em Portugal.

e) As migrações contribuíram para acentuar o contraste entre o povoamento do Litoral e do

Interior.

3. Selecione a opção de resposta correta para as seguintes questões.

3.1. Os concelhos de maior densidade populacional são os das:

A. Áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e o Funchal.

B. regiões Norte, Centro e Algarve.

C. Áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

D. regiões Norte, Centro e Madeira.

3.2. De 2001 a 2007, perderam mais população as áreas que têm densidade populacional…

A. superior a 100 habitantes por km 2 .

B. inferior a 100 habitantes por km 2 .

C. superior a 50 habitantes por km 2 . D. inferior a 50 habitantes por km 2 .

4.

Responda às perguntas que se seguem.

4.1. Descreva a distribuição da população em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas.

4.2. Justifique os contrastes que descreveu na pergunta anterior.

4.3. Explique o efeito das migrações na distribuição da densidade populacional.

4.4. Avalie as consequências da desigual distribuição da população, nas regiões do Litoral e do

Interior.

4.5. Sugira duas medidas que possam contribuir para atenuar os contrastes na distribuição da

população.

III

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

Leia o texto seguinte e observe o gráfico.

inicial. Leia o texto seguinte e observe o gráfico. 1. O saldo migratório é: A. O

1. O saldo migratório é:

A. O total de emigrantes e imigrantes que atravessam as fronteiras de um país, registado num

dado período. B.A diferença entre o número de emigrantes e o número de imigrantes, registada num dado período de tempo.

C. A relação entre o número de emigrantes e o número de imigrantes, por cada mil habitantes,

registada num dado período de tempo.

D. A diferença entre o número de imigrantes e o número de emigrantes, registada num dado

período de tempo.

2.

Os valores mais baixos do saldo migratório registaram-se no período:

A.

1950-1959.

B. 1960-1974.

C. 1975-1979.

D. 1980-2002.

3.

A emigração portuguesa ao longo da segunda metade do século XX é responsável pelo:

A.

Aumento do crescimento efetivo da população portuguesa.

 

B.

Despovoamento do interior do país.

 

C. Fuga de “cérebros” para o estrangeiro.

D.

Atraso tecnológico das regiões de partida.

4.

O início dos movimentos imigratórios em Portugal:

A.

Relacionou-se com as alterações políticas registadas na Europa de leste.

B.

Teve lugar após a adesão à CEE.

C.

Decorreu do 25 de Abril e da abertura do país ao exterior.

D.

Coincidiu com a ocorrência de grandes eventos, exigentes em mão-de-obra, como a Expo 98

e o Euro 2004.

5. Atualmente, a entrada de milhares de estrangeiros em Portugal traduz-se:

A. Na diminuição do desemprego.

B. No rejuvenescimento da população.

C. No aumento de défice da Segurança Social.

D. No aumento da população ativa empregue no sector terciário.

IV

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

O gráfico representa o crescimento efetivo da população portuguesa entre 1950 e 2001.

1. Entende-se por crescimento efetivo:

A. A diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de

mortalidade.

B. O somatório entre a taxa de natalidade e a taxa de

mortalidade.

C. O somatório entre o crescimento natural e o saldo migratório.

D. O crescimento real da população por cada mil habitantes,

num ano.

2. O declínio verificado no crescimento efetivo da população

portuguesa no período de 1960-1970 resultou da:

população portuguesa no período de 1960-1970 resultou da: A. Guerra Colonial. C. Emigração para a Europa

A.

Guerra Colonial.

C. Emigração para a Europa ocidental.

B.

Redução da taxa de crescimento natural.

D. Imigração.

3.

O aumento verificado no crescimento efetivo da população portuguesa, na década de 70,

ficou a dever-se:

A. Ao regresso de milhares de portugueses das ex-colónias.

B. À entrada de milhares de imigrantes dos PALOP.

C. À diminuição da mortalidade infantil.

D. Ao aumento do crescimento natural.

4.

A tendência para o decréscimo do crescimento efetivo da população portuguesa previsto

para as próximas décadas:

A.

Resultará no aumento do desemprego.

B.

Conduzirá ao envelhecimento da população.

C.

Será responsável pelo aumento da emigração.

D.

Será contrária à que se verificará nos países mais desenvolvidos da UE.

5.

O crescimento efetivo da população portuguesa tem registado, de uma maneira geral:

A.

Os valores mais baixos nos concelhos do interior.

B. Os valores mais baixos nos concelhos do litoral norte.

C. Os valores mais altos nos concelhos do Porto e de Lisboa.

D. Os valores mais altos nos concelhos do litoral alentejano.

V

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial. Leia o seguinte texto e observe o mapa que evidencia as dinâmicas populacionais registadas em Portugal continental, entre 1950 e 2001.

1. A dinâmica demográfica no território nacional: A. Revela tendência para a concentração de população
1. A dinâmica demográfica no território nacional:
A. Revela tendência para a concentração de população nos
concelhos do interior.
B. Manifesta uma grande tendência para a concentração
populacional ao longo da faixa litoral.
C. Caracteriza-se pelo despovoamento crescente do litoral

algarvio.

D.

Regista uma crescente concentração populacional nos concelhos do Porto e de Lisboa.

2.

A bipolarização que caracteriza a repartição espacial da população portuguesa traduz-se na:

A.

Concentração da população na cidade de Lisboa e respetiva Área Metropolitana.

B.

Concentração populacional no litoral ocidental a norte do rio Sado e litoral algarvio.

C.

Capacidade de atração populacional exercida, atualmente, por algumas cidades médias do

interior.

D. Elevada concentração populacional observada nas Áreas Metropolitanas do Porto e de

Lisboa.

3. O processo de litoralização observado no nosso país:

A. É muito recente, tendo sido detetado no último período intercensitário.

B. Tem contribuído para o desenvolvimento do interior, na medida em que ajuda a “escoar” a mão--de-obra excedentária nessas regiões.

C. Traduz-se na diminuição da qualidade de vida da população residente na faixa litoral.

D. Promove um desenvolvimento mais harmonioso do país, contribuindo para o esbater das

assimetrias regionais.

4.

O despovoamento do interior:

A. Tem potenciado a perda de dinamismo económico dessas regiões.

B. Tem melhorado o nível e a qualidade de vida da população residente.

C. É um fenómeno demográfico recente, com tendência a perder significado.

D. Perdeu importância com os movimentos imigratórios entretanto registados.

5. As assimetrias regionais observadas na distribuição da população portuguesa podem ser minoradas:

A. Abandonando os projetos de construção de novas vias de comunicação ligando o litoral e o

interior, que incentivam ao êxodo rural.

B. Promovendo o desenvolvimento das cidades de média dimensão localizadas no interior.

C. Criando condições que permitam à população do litoral melhorar a sua qualidade de vida.

D. Criando escolas nas grandes cidades do país, destinadas a formar e qualificar mão-de-obra

especializada para o sector terciário.

VI

Portugal, país de emigrantes por tradição, passou a ser o destino preferido de muitos estrangeiros, principalmente a partir dos anos 80 do século XX.

1. Distinga emigração de imigração.

2. Explique, recorrendo a dois aspetos, por que motivo Portugal, de país de emigração, deu lugar

a um país de imigração.

3. Justifique as alterações que se têm vindo a registar nos últimos anos, relativamente à origem dos

imigrantes, comparativamente com a década de 80.

4. Elabore um texto focando os seguintes aspetos:

consequências positivas da imigração em Portugal;

consequências negativas da imigração em Portugal.

VII

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

O

envelhecimento, por NUT III, em 2001.

mapa

da

figura

representa

o

índice

de

1. O índice de envelhecimento é a:

A. Relação, expressa em percentagem, entre o grupo

etário dos idosos e o grupo etário dos jovens.

B. Relação, expressa em permilagem, entre o grupo

etário dos jovens e o grupo etário dos idosos.

C. Relação, expressa em percentagem, entre o grupo

etário dos idosos e o grupo etário dos adultos e dos

jovens.

D. Relação, expressa em permilagem, entre o grupo

etário dos idosos e a população absoluta.

e dos jovens. D. Relação, expressa em permilagem, entre o grupo etário dos idosos e a

2.

A principal causa do envelhecimento da população portuguesa é a(o):

A.

Adoção crescente de modos de vida saudáveis.

B.

Aumento da esperança média de vida.

C.

Aumento da taxa de fecundidade.

D.

Diminuição da sinistralidade rodoviária.

3.

O envelhecimento da população tem como principal consequência a(o):

A.

Aumento do desemprego.

B.

Aumento da produtividade nos vários sectores de atividade.

C.

Diminuição dos encargos com a Segurança Social.

D.

Diminuição da população ativa.

4.

O envelhecimento da população portuguesa pode ser travado através da(o):

A.

Adoção de medidas pró-natalistas.

B.

Incentivo à emigração.

C.

Aumento de impostos à população ativa.

D.

Promoção de políticas sociais de apoio à terceira idade.

5.

O envelhecimento da população portuguesa é um:

A.

Fenómeno que se verifica desde o início do século XX.

B.

Fenómeno comum aos países da União Europeia.

C.

Fenómeno exclusivo dos países mediterrâneos.

D.

Fenómeno em regressão.

VIII

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

O gráfico mostra a distribuição da população ativa portuguesa pelos três sectores de atividade:

primário, secundário e terciário.

1.

A taxa de atividade em Portugal:

A.

Tem registado tendência para diminuir em todos os grupos etários.

B.

Aumentou de forma significativa no grupo etário da população com idade superior a 60 anos.

C.

Diminuiu no grupo etário dos adultos.

D.

Aumentou progressivamente com a crescente participação da mulher no mundo do trabalho.

2.

A distribuição da população ativa pelos sectores de atividade:

A. Apresenta uma diminuição muito significativa do emprego no sector primário, como

consequência dos fortes movimentos imigratórios registados.

B. Revela uma diminuição do sector secundário, como resultado da crescente modernização

tecnológica das indústrias.

C.

Regista uma diminuição crescente da população empregue no comércio e nos serviços.

D.

Acompanha a tendência verificada nos países em desenvolvimento.

3.

A terciarização da economia portuguesa:

A.

Resulta da crescente melhoria do nível de vida da população, que permitiu o aparecimento de

novas atividades ligadas ao comércio e aos serviços.

B. É consequência do aparecimento de grandes superfícies comerciais.

C. Resulta da expansão dos subúrbios nas maiores cidades portuguesas.

D. Deve-se ao aumento do número de telefones ligados à rede móvel.

4.

A população empregue no sector secundário é particularmente significativa:

A.

No Norte.

C. No Algarve.

B.

Em Lisboa e Vale do Tejo.

D. No Centro.

5.

O fraco nível de qualificação profissional da mão-de-obra portuguesa:

A.

Deve-se ao predomínio do sector primário em muitas regiões.

B.

É idêntico à da maior parte dos países da UE que aderiram em 2004.

C.

Diminui os custos de produção, encorajando o investimento estrangeiro.

D.

Afeta a produtividade e diminui a competitividade empresarial.

IX

As pirâmides etárias da figura permitem caracterizar a estrutura etária da população das sub- regiões do Cávado e do Pinhal Interior Sul, cuja localização pode constatar no mapa de Portugal continental que se encontra em baixo.

no mapa de Portugal continental que se encontra em baixo. 1. Descreva a evolução da taxa

1. Descreva a evolução da taxa de natalidade registada nos últimos 15 anos, nas sub-regiões

consideradas.

2. Compare as duas pirâmides etárias e apresente as razões que permitem afirmar que a estrutura

etária da população do Pinhal Interior Sul é mais envelhecida do que a do Cávado.

3. Justifique o menor envelhecimento registado na estrutura etária da população do Cávado.

4. Explique o acentuado envelhecimento da população do Pinhal Interior Sul, relacionando-o com

a intensa corrente emigratória verificada na década de 60 e até meados da de 70 do século XX.

Ilustre a sua resposta com dados da figura.

X

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

O mapa e o gráfico representam, respetivamente, a distribuição da taxa de crescimento natural por NUT III, em 2001 e a evolução das taxas de natalidade e mortalidade entre 1950 e 2001.

1. A taxa de crescimento natural define-se como a: A. Soma entre a taxa de

1. A taxa de crescimento natural define-se como a:

A. Soma entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade, expressa em permilagem.

B. Diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade.

C. Relação entre a diferença da taxa de natalidade e da taxa de mortalidade e o saldo

migratório.

D.

Relação entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade, expressa em percentagem.

2.

O período em que se registaram os valores mais baixos da taxa de crescimento natural foi:

A.

1950-1960.

B. 1965-1970.

C. 1975-1980.

D.1990-2001.

3.

As sub-regiões que apresentam os valores mais elevados da taxa de crescimento natural são:

A.

Alentejo Litoral; Península de Setúbal; Oeste.

 

B.

Baixo Alentejo; Alto Alentejo; Beira Interior Sul.

C.

Cávado; Ave; Tâmega.

D.

Alto Trás-os-Montes; Douro; Dão-Lafões.

 

4.

Os baixos valores da taxa de crescimento natural registados em Portugal, na última década,

devem-se:

A.

Ao aumento da taxa de mortalidade.

B.

Ao aumento da emigração.

C.

À implementação de medidas antinatalistas.

D.

À diminuição da taxa de natalidade.

5.

O valor da taxa de crescimento natural registado em Portugal:

A.

É um dos mais baixos da União Europeia.

B.

É idêntico ao da média europeia.

C.

É semelhante ao dos países em desenvolvimento.

D.

Tem tendência a aumentar.

XI

Analise os dados do quadro referentes à distribuição da população residente portuguesa, por grandes grupos etários, em 31 de Dezembro de 2004 (estimativas fonte:

www.ine.pt/indicadores).

de 2004 (estimativas — fonte: www.ine.pt/indicadores). 1. Refira a importância de que se reveste o conhecimento

1. Refira a importância de que se reveste o conhecimento da estrutura etária de uma população.

2. Calcule o índice de envelhecimento da população portuguesa, com base nos dados do

quadro. 3. Apresente duas razões que justifiquem o valor calculado.

4. Equacione, em termos prospetivos, três consequências

do envelhecimento demográfico, capazes de condicionar o desenvolvimento do país.

capazes de condicionar o desenvolvimento do país. XII 1. Observe a figura. 1.1. Defina taxa de

XII

1. Observe a figura.

1.1. Defina taxa de urbanização.

1.2. Descreva a distribuição da taxa de urbanização em

Portugal continental. 1.3. Explique o aumento nos valores da taxa de urbanização, registado em Portugal, a partir de meados do século XX.

1.4. A figura põe em evidência o processo de litoralização

a que se assiste em Portugal.

1.4.1. Comente a afirmação.

XIII

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

cada item, completa de forma correta a afirmação inicial. O gráfico mostra a distribuição da população

O gráfico mostra a distribuição da população ativa portuguesa pelos três sectores de atividade: primário, secundário e terciário.

1. A taxa de atividade em Portugal:

A. Tem registado tendência para diminuir em todos os

grupos etários.

B. Aumentou de forma significativa no grupo etário da

população com idade superior a 60 anos.

C. Diminuiu no grupo etário dos adultos.

D. Aumentou progressivamente com a crescente

participação da mulher no mundo do trabalho.

2.

A distribuição da população ativa pelos sectores de atividade:

A. Apresenta uma diminuição muito significativa do emprego no sector primário, como consequência dos fortes movimentos imigratórios registados.

B. Revela uma diminuição do sector secundário, como resultado da crescente modernização

tecnológica das indústrias.

C.

Regista uma diminuição crescente da população empregue no comércio e nos serviços.

D.

Acompanha a tendência verificada nos países em desenvolvimento.

3.

A terciarização da economia portuguesa:

A.

Resulta da crescente melhoria do nível de vida da população, que permitiu o aparecimento de

novas atividades ligadas ao comércio e aos serviços.

B.

É consequência do aparecimento de grandes superfícies comerciais.

C.

Resulta da expansão dos subúrbios nas maiores cidades portuguesas.

D.

Deve-se ao aumento do número de telefones ligados à rede móvel.

4.

A população empregue no sector secundário é particularmente significativa:

A.

No Norte.

C. No Algarve.

B.

Em Lisboa e Vale do Tejo.

D. No Centro.

5.

O fraco nível de qualificação profissional da mão-de-obra portuguesa:

A.

Deve-se ao predomínio do sector primário em muitas regiões.

B.

É idêntico à da maior parte dos países da UE que aderiram em 2004.

C.

Diminui os custos de produção, encorajando o investimento estrangeiro.

D.

Afeta a produtividade e diminui a competitividade empresarial.

XIV

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

Leia com atenção o Quadro.

a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial. Leia com

1.

O crescimento efetivo de uma população resulta da(o)

A.

relação entre o saldo natural e o saldo migratório.

B.

soma entre a natalidade e a imigração.

C.

crescimento natural e do saldo migratório.

D.

equilíbrio entre o número de nascimentos e o número de óbitos.

2.

O saldo natural

A.

constitui o único fator que faz variar o crescimento efetivo da população.

B.

não interfere na variação do crescimento efetivo da população.

C. é uma das variáveis demográficas que interfere na variação do crescimento efetivo da

população.

D.

calcula-se pela soma entre a natalidade e a mortalidade.

3.

O crescimento efetivo da população portuguesa no período 2000-2005

A.

foi sempre positivo.

B.

dependeu exclusivamente do saldo natural.

C.

regista, atualmente, valores negativos.

D.

decorre dos valores negativos do saldo migratório.

4.

A evolução demográfica registada no período 2000-2005 resulta…

A.

do aumento do fluxo emigratório.

B.

da diminuição da taxa de mortalidade.

C.

dos valores positivos do saldo migratório.

D.

da implementação de medidas pró-natalistas.

5.

Os valores da taxa de crescimento natural, da taxa de crescimento migratório e da taxa de

crescimento efetivo, em falta no Quadro, são respetivamente

A. 0,4; 0,68; 0,6

B. 0,07; 6,1; 4,1

C. 0,8; 3,5; 4

XV

D. 4; 4,1; 0,2

Observe o gráfico da figura 1 que representa a população residente em Portugal, entre 1950 e

2001.

a população residente em Portugal, entre 1950 e 2001. 1. Descreva a evolução da população portuguesa

1. Descreva a evolução da população

portuguesa no período considerado. 2. Apresente duas causas explicativas da diminuição da população portuguesa na década de 60 do

século XX.

3. Relacione a evolução da população

portuguesa na década de 70 com a conjuntura nacional e internacional que acondicionou. 4. Explique a atual tendência da evolução da população portuguesa, considerando o crescimento natural e o saldo migratório.

XVI

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

Observe os gráficos das figuras 1 e 2.

afirmação inicial. Observe os gráficos das figuras 1 e 2. 1. A taxa de mortalidade infantil
afirmação inicial. Observe os gráficos das figuras 1 e 2. 1. A taxa de mortalidade infantil

1. A taxa de mortalidade infantil constitui um indicador demográfico que

A. relaciona o número de óbitos de indivíduos até um ano de vida com o número total de óbitos,

expresso em permilagem.

B. resulta da diferença entre os óbitos regista dos em indivíduos com menos de 5 anos de vida e a

população total, expresso em permilagem.

C. relaciona o número de óbitos em indivíduos até 1 ano de vida e o total de nados-vivos e expressa-se em permilagem.

D. contabiliza, por cada 1000 nascimentos, o número de nados-vivos, expresso em permilagem.

2.

Portugal, enquanto Estado-membro da União Europeia, destaca-se por

A. apresentar, no período considerado, a maior quebra na taxa de mortalidade infantil.

B. apresentar uma taxa de mortalidade infantil inferior à média comunitária.

C. ter registado na taxa de mortalidade infantil uma diminuição de cerca de 4%0.

D. apresentar valores da taxa de mortalidade infantil significativamente inferiores aos dos países

mais desenvolvidos.

3.

A evolução da taxa de mortalidade infantil teve como principal causa

A.

o aumento do número de partos em ambulância.

B.

a crescente realização dos partos em casa.

C.

a melhoria dos serviços prestados, no âmbito da Medicina preventiva.

D.

o incentivo à utilização de leite e farinhas artificiais.

4.

A taxa de mortalidade infantil apresenta

A.

valores iguais na região Centro e no Alentejo.

B.

valores inferiores à média nacional no Norte e no Algarve.

C.

o maior acréscimo no Norte e na Madeira.

D.

o menor decréscimo nos Açores e no Alentejo.

5.

A taxa de mortalidade infantil é vulgarmente utilizada como indicador de desenvolvimento,

pois

A. reflete o índice de envelhecimento de um país.

B. reflete as condições de inserção da mulher no mundo laboral.

C. é diretamente proporcional ao número de filhos por mulher.

D. traduz a qualidade dos serviços de saúde.

XVII

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

Observe atentamente a pirâmide etária da população portuguesa referente ao ano de 2007.

etária da população portuguesa referente ao ano de 2007. 1. A pirâmide etária evidencia o duplo

1. A pirâmide etária evidencia o duplo envelhecimento da população portuguesa pelo

A. alargamento do topo e da base.

B. alargamento do topo e estreitamento da base. C. estreitamento do meio e

alargamento do topo. D. estreitamento da base e do

topo.

2. No grupo etário dos jovens

A. todas as classes etárias são ocas.

B. só a classe etária dos 10-14 anos

é oca.

C. nenhuma classe etária é oca.

D. a classe etária dos 5-9 anos indicia pequeno aumento de natalidade.

3.

O alargamento do topo da pirâmide etária traduz

A.

a diminuição da taxa de mortalidade.

C. o declínio da natalidade.

B.

o aumento da esperança média de vida.

D. a diminuição da emigração.

4.

A tendência para a diminuição da taxa de natalidade, segundo os dados da pirâmide,

constitui um fenómeno

A.

que marca os últimos 30 anos.

C. registado nos últimos 10 anos.

B.

registado nos últimos 5 anos.

D. que sempre se verificou.

5.

O envelhecimento demográfico

A.

põe em risco a emancipação feminina.

C. ajuda a promover o país no estrangeiro.

B.

aumenta os encargos da Segurança Social.

D. promove o aumento da natalidade.

XVIII

Observe o gráfico da figura 1, que representa a evolução do fenómeno migratório em Portugal, entre 1950 e 2000.

1. Descreva a evolução do fenómeno

migratório em Portugal na última metade do século XX. 2. Refira três consequências sociodemográficas que decorrem da

emigração.

3. Compare, apresentando dois aspetos, as

características da emigração portuguesa até à década de 80 e as que se verificam

atualmente.

4. Justifique o início do fluxo imigratório em

Portugal na data referenciada no gráfico.

imigratório em Portugal na data referenciada no gráfico. XIX Selecione a única alínea que, em cada

XIX

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

cada item, completa de forma correta a afirmação inicial. Observe com atenção o gráfico da figura

Observe com atenção o gráfico da figura 1 que representa o número de nados-vivos e de óbitos ocorridos em Portugal entre 1990 e 2007.

1.

A análise do gráfico permite concluir que

A.

o crescimento natural da população registou um ritmo regular.

B.

se verifica uma diminuição do crescimento efetivo da população.

C.

se regista uma progressiva diminuição do saldo natural.

D.

o rejuvenescimento demográfico é a tendência mais marcante.

2.

Em 2007, o crescimento natural da população foi positivo. A afirmação é

A.

verdadeira, porque o número de óbitos supera o número de nascimentos vivos.

B.

verdadeira, porque a taxa de natalidade é inferior à taxa de mortalidade.

C.

falsa, porque o número de óbitos é superior ao número de nados-vivos.

D.

falsa, porque as taxas de natalidade e mortalidade apresentam valores muito próximos.

3.

A diminuição dos valores da natalidade deve-se

A.

à diminuição do índice de dependência dos jovens.

B.

à implementação de medidas de incentivo à política do filho único.

C.

ao aumento da imigração.

D.

ao aumento do índice de envelhecimento demográfico.

4.

As regiões portuguesas que mais contribuem para os recentes valores de crescimento natural

registados em Portugal são

A. Norte, Açores, Madeira.

B. Lisboa, Alentejo, Açores.

C. Centro, Algarve, Alentejo.

D. Norte, Lisboa, Madeira.

5. Os valores positivos que o crescimento efetivo da população portuguesa tem registado decorrem

efetivo da população portuguesa tem registado decorrem A. do saldo negativo dos movimentos

A.

do

saldo

negativo

dos

movimentos

migratórios.

 

B.

do

saldo

positivo

dos

movimentos

migratórios.

C. do aumento da emigração sazonal.

D. da intensificação do êxodo rural.

XX

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação

inicial.

Observe com atenção o mapa da figura 1.

1. A densidade populacional

A. relaciona o total de população com a

superfície habitada.

B. expressa a diferença entre o total de

residentes no país e o total de residentes por

NUTII.

C. regista o total de habitantes numa dada

superfície, expressa em percentagem. D. representa a real distribuição da população no território habitado.

16/22

2. Segundo

considerado, variou entre

a

legenda

do

mapa,

a

densidade

populacional

por

município,

no

período

A.

504 e 0.

B. 0 e - 676.

C. - 676 e 504.

D. I00 e - 15.

3.

Dois dos concelhos que, no período considerado, registaram uma variação da densidade

populacional entre - 15 e - 676 foram

A.

Sintra e Cascais.

B. Valongo e Maia.

C. Lisboa e Porto.

D. Aveiro e Coimbra.

4.

A variação da densidade populacional em Portugal evidencia um reforço do processo de

litoralização que

 

A.

tem contribuído para o desenvolvimento do interior.

 

B.

decorre das diferenças de desenvolvimento entre o litoral e o interior.

C.

é muito recente, tendo surgido na última década.

 

D.

promove o desenvolvimento harmonioso do país e a coesão social.

 

5.

A variação dos valores da densidade populacional registados na generalidade dos concelhos

do interior deve-se…

A. à implementação de serviços de saúde mais eficazes.

B. à crescente mecanização da agricultura.

C. aos fortes fluxos migratórios.

D. ao êxodo rural.

XXI

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

O gráfico seguinte representa a evolução da taxa de mortalidade infantil, no nosso país.

1. A taxa de mortalidade

infantil

de

crianças que morrem…

A. até aos 28 dias de vida.

é

o

número

B. até

1

ano,

por

1000

nados-vivos.

C.

até

1

ano,

por

1000

habitantes.

 

D.

até

5

anos,

por

1000

nascimentos.

2.

O valor da taxa

de

mortalidade

infantil,

em

1970, era semelhante…

de mortalidade infantil, em 1970, era semelhante… A. aos valores dos outros países que, hoje, constituem

A.

aos valores dos outros países que, hoje, constituem a União Europeia.

 

B.

aos atuais valores apresentados por muitos países em desenvolvimento.

C.

aos atuais valores apresentados pelos países ditos industrializados.

D.

aos valores apresentados por países industrializados, na mesma data.

3.

O período de 3 anos consecutivos em que a taxa de mortalidade infantil mais decaiu foi o de…

A.

1962-1964.

B. 1970-1972.

C. 1974-1976.

D. 1996-1998.

4.

As duas principais causas da mortalidade infantil, em Portugal, na atualidade, são…

A.

diarreias e doenças infecto-contagiosas.

B.

diarreias e problemas genéticos.

C.

problemas congénitos e acidentes.

D.

problemas cardiovasculares e tuberculose.

5.

Se não houver alterações significativas das condições socioeconómicas, a tendência mais

provável da evolução da taxa de mortalidade infantil, em Portugal, na primeira década do século XXI, será…

A. uma descida acentuada.

B. uma grande oscilação anual.

C. a manutenção dos atuais valores.

D. um grande aumento.

XXII

O gráfico da Fig. 5 representa a taxa de crescimento da população em Portugal e na UE.

1. Descreva a evolução da taxa de

crescimento da população em Portugal, comparando-a com a da UE.

2. Refira dois dos indicadores demográficos

que influenciam o crescimento

populacional.

3. Apresente dois fatores que justifiquem o

crescimento da população em Portugal.

4. Reflita sobre dois problemas que podem

decorrer da tendência atual da taxa de crescimento da população, apresentando

duas medidas para os solucionar.

XXIII

Selecione a única alínea que, em cada

item, completa de forma afirmação inicial.

correta a

cada item, completa de forma afirmação inicial. correta a O índice de envelhecimento em Portugal tem

O índice de envelhecimento em Portugal tem vindo a aumentar, sendo já preocupante em algumas regiões, como evidencia a Fig. 1.

envelhecimento em Portugal tem vindo a aumentar, sendo já preocupante em algumas regiões, como evidencia a

1.

O índice de envelhecimento relaciona

A. a população idosa e a população em idade ativa, definida habitualmente como o quociente

entre o número de pessoas com 65 ou mais anos e o de pessoas com idades entre os 15 e os 64

anos.

B. a população jovem e a população em idade ativa, definida habitualmente como o quociente

entre o número de pessoas entre os 0 e os 14 anos e o de pessoas entre os 15 e os 64 anos.

C. a população jovem e a população idosa, definida habitualmente como o quociente entre o

número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos e o de pessoas com 65 ou mais anos.

D. a população idosa e a população jovem, definida habitualmente como o quociente entre o

número de pessoas com 65 ou mais anos e o de pessoas com idades entre os 0 e os 14 anos.

2.

Em 2006 as regiões com índice de envelhecimento acima da média nacional eram

A.

o Alentejo, o Centro e o Algarve.

B.

Lisboa, o Norte e a Região Autónoma da Madeira.

C.

a Região Autónoma dos Açores, a Região Autónoma da Madeira e o Norte.

D.

o Alentejo, o Centro e o Norte.

3.

Em Portugal constata-se um duplo envelhecimento da população. Esta afirmação é verdadeira

porque

A.

o aumento da proporção de idosos ocorre em simultâneo com o da proporção de jovens.

B.

a diminuição da proporção de jovens é acompanhada da diminuição da proporção de idosos.

C.

verifica-se um aumento da proporção de jovens e uma diminuição da proporção de idosos.

D.

a diminuição da proporção de jovens é acompanhada do aumento da proporção de idosos.

4.

O envelhecimento demográfico resulta sobretudo

A.

da redução do índice sintético de fecundidade e do aumento da esperança média de vida.

B.

da generalização do planeamento familiar e da melhoria das condições de vida.

C.

do progressivo aumento do número de idosos devido à melhoria das condições de saúde.

D.

da redução da taxa de mortalidade bruta e da melhoria generalizada das condições de vida.

5.

Entre as principais consequências do envelhecimento demográfico no nosso País, encontram-

se

A.

o aumento do número de idosos e a diminuição do número de jovens.

B.

a redução da população ativa e o acréscimo dos encargos com os jovens.

C.

o acréscimo das despesas com os idosos e a diminuição das receitas dos contribuintes.

D.

o decréscimo da taxa de natalidade e o aumento da população em idade ativa.

XIV

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

Em Portugal, o povoamento apresenta um claro contraste entre o Litoral e o Interior, representado na Fig. 1.

1. Entre os concelhos com maior densidade populacional em 2005, encontravam-se

A. Lisboa, Oeiras, Almada, Porto, Maia, Matosinhos, Braga e Funchal.

B. Lisboa, Amadora, Cascais, Porto, Póvoa de Varzim, Braga, Faro e Funchal.

C. Lisboa, Setúbal, Mafra, Porto, Espinho, Maia, Faro e Funchal.

D. Lisboa, Amadora, Almada, Porto, Vila Nova de Gaia, Espinho, Matosinhos e Funchal.

2. A distribuição da população é influenciada por fatores humanos como A. o clima, o

2.

A distribuição da população é influenciada por fatores humanos como

A.

o clima, o relevo, a proximidade de água e a existência de boas vias de comunicação.

B.

a necessidade de mão-de-obra, a habitação e a existência de boas vias de comunicação.

C.

a oferta de emprego, o acesso a equipamentos e a existência de boas vias de comunicação.

D.

a atração urbana, a proximidade de água e a existência de boas vias de comunicação.

3.

Os movimentos migratórios têm contribuído para acentuar os contrastes de povoamento em

Portugal. Esta afirmação explica-se

A. pelo êxodo rural, pelos movimentos pendulares e pela imigração, que tende a fixar-se no

Litoral.

B. pelos movimentos diários, pelo êxodo rural e pela emigração, que afetou mais o Interior.

C. pela emigração que afetou mais o Interior, pelo êxodo rural e pela imigração, atraída pelo

Litoral.

D.

pelos movimentos externos, pelas migrações diárias, pela emigração e pelo êxodo rural.

4.

A forte pressão sobre as regiões do Litoral tem consequências como

A.

o desordenamento do território, a fraca oferta de bens e serviços e a degradação ambiental.

B.

a forte poluição atmosférica, a falta de espaços verdes e a recuperação do património.

C.

a melhoria das acessibilidades, o aparecimento de bairros de lata e a falta de emprego.

D.

o desemprego, o desordenamento do território, o congestionamento do trânsito e a poluição.

5.

O planeamento é um processo essencial no ordenamento do território pois

A.

promove o desenvolvimento sustentável.

B.

é necessário organizar as áreas urbanas.

C.

evita o envelhecimento demográfico.

D.

desenvolve as atividades económicas.

XV

Selecione a única alínea que, em cada item, completa de forma correta a afirmação inicial.

A Fig.1 representa a estrutura etária da população portuguesa em 1996 e em 2006.

etária da população portuguesa em 1996 e em 2006. 1. A análise da estrutura etária da

1. A análise da estrutura etária da população é fundamental para o processo de planeamento.

Esta afirmação é

A. falsa, porque a análise não permite prever a diminuição da taxa de natalidade e o

desemprego.

B. verdadeira, porque permite observar a diminuição de diversos indicadores demográficos.

C. verdadeira, porque permite prever as necessidades de emprego, habitação e vários

equipamentos.

D. falsa, porque dá apenas pistas e não permite prever a tendência de evolução futura da

população.

2.

De 1996 para 2006 verificou-se

A.

uma diminuição da população idosa e um aumento dos jovens.

B.

uma diminuição da população jovem e um aumento dos idosos.

C.

um aumento da população adulta e um aumento dos jovens.

D.

um aumento da população jovem e uma diminuição dos idosos.

3.

O estreitamento da base da pirâmide deve-se

A.

ao aumento da esperança média de vida e à diminuição da taxa de natalidade.

B.

ao aumento da taxa de natalidade e ao declínio do índice sintético de fecundidade.

C.

à diminuição da taxa de natalidade e ao aumento geral da taxa de fecundidade.

D.

à redução da taxa de natalidade e ao declínio do índice sintético de fecundidade.

4.

nomeadamente

A. dificuldade de acesso a habitação e reduzida utilização de métodos contracetivos.

B. aumento das despesas com a educação e diminuição do nível de instrução feminino.

C. generalização do planeamento familiar e aumento da taxa de atividade feminina.

D. diminuição da taxa de atividade feminina e das despesas com a educação.

A

redução

do

índice

sintético

de

fecundidade

é

explicada

por

diversos

fatores,

5. A maior esperança média de vida feminina reflete-se na pirâmide etária. Esta afirmação é verdadeira

A. porque as mulheres estão menos expostas a acidentes de trabalho e cuidam melhor da saúde.

B. porque o topo da pirâmide é sempre mais largo no sector feminino, em 1996 e em 2006.

C. devido ao aumento da esperança média de vida e à redução da taxa de mortalidade

feminina.

D. porque se verifica um progressivo envelhecimento da população, tanto em 1996 como em

2006.