Sei sulla pagina 1di 48

ELEVADOR DE CARGA

INTRODUÇÃO

Projetar um elevador de carga com o objetivo de levantar uma carga de 2 toneladas a uma altura de 6 metros e com piso 2x2 metros. O elevador é feito em aço pela sua boa resistência e melhor soldabilidade, tanto a estrutura quanto a cabine, com exceção do piso do elevador que é feito em liga de alumínio por ser mais leve e que não será soldado.

PROJETO DO ELEVADOR

1. CABINE DE CARGA

Toda a estrutura da cabine foi planejada de modo a reduzir ao máximo o peso total, já que foi proposto a elevação de 2 toneladas, por isso reduzimos ao máximo o peso da estrutura, utilizando barras preferencialmente tubulares que apresentam boa resistência e menor peso.

O material foi o aço 4140 (Catálogo AÇOTUBO) e uma chapa de liga de

alumínio. Com isso a massa total da cabine foi de 586 Kg. A cabine tem altura

de 2 metro e é cercado por um alambrado.

O alambrado escolhido foi o da empresa CATUMBI TELAS. Site http://www.catumbi.com.br/html/expandida.php?COD=3!chexpandida

1.1 PISO

O piso foi projetado na seguinte configuração:

Uma chapa de liga de alumínio 2x2m será sustentada por 5 barras tubulares quadrada para o apoio, e as 5 barras de apoio serão sustentadas por 2 barras tubulares. A figura abaixo mostra a configuração do piso:

1.1.1 CHAPA DE ALIMINIO

A escolha por uma liga de alumínio para o piso foi feita pelo fato de ela ser mais leve do que o aço. A liga escolhida foi a liga de alumínio forjada 2014-T6 encontrada no livro do hibbeler (o local de compra do material encontra-se no seguinte empresa:

Para os cálculos da chapa foi considerado a pior hipótese encontrada no piso do elevador, que seria as 2 toneladas de carga situada em um só ponto situado no meio da sessão 0,5x2m da chapa como a figura abaixo:

no meio da sessão 0,5x2m da chapa como a figura abaixo: CS=coeficiente de segurança RESULTADOS CS=2,813

CS=coeficiente de segurança

da chapa como a figura abaixo: CS=coeficiente de segurança RESULTADOS CS=2,813 d=0,5 [m] e=0,01 [m] I=1,667.10

RESULTADOS

CS=2,813

d=0,5 [m]

e=0,01 [m]

I=1,667.10 -7 [m4]

L=2 [m]

m=111,6 [Kg]

P_c=19620 [N]

Tf_c=147,1 [MPa] Tn_c=19620 [Pa] Y=0,004194 [m] m=111,6 [Kg] Em=73,10 [MPa] Foi escolhido a espessura de

Tf_c=147,1 [MPa]

Tn_c=19620 [Pa]

Y=0,004194 [m]

m=111,6 [Kg]

Em=73,10 [MPa]

Foi escolhido a espessura de 1 cm da chapa pois é o valor encontrado no mercado para uma chapa 2x2 m para essa liga. Com esse valor de espessura o Coeficiente de Segurança ficou igual a CS=2,813, o que é bem aceitável, já que foi considerada a pior situação, mas em uma situação normal de trabalho é praticamente impossível que isso aconteça, já que as normalmente o elevador será submetido a uma carga distribuída, onde a chapa resiste mais do que o carregamento pontual. O Valor da flecha máxima foi 4,194 mm, bastante aceitável em uma sessão de 0,5 metros, quase que imperceptível.

1.1.2 BARRAS DE APOIO

Foi escolhido para fazer o apoio da chapa do piso 5 barras tubulares quadradas de aço 4140. As 5 barras foram colocadas para evitar uma grande deflexão na chapa de liga de alumínio, e a escolha por barras tubulares foi por serem mais leves. Além disso o Aço 4140 é bastante resistente, mais leve do que outros aços normalmente utilizados, como o SAE 1020 por exemplo.

Para os cálculos foi considerada a pior situação, que é as 2 toneladas situadas no meio da barra. As dimensões utilizadas foi a que se pode encontrar no mercado e que atende ao nosso projeto, o catálogo escolhido foi o da empresa AÇOTUBO. A configuração de análise encontrasse na figura abaixo dos cálculos.

esp=espessura E=Módulo de elasticidade
esp=espessura
E=Módulo de elasticidade

RESULTADOS

Tesc= Tensão de escoamento

Tesc=655 [Mpa]

be=0,06 [m]

bi=0,0378 [m]

c=0,03 [m]

CS=2,003

dens=7850 [Kg/m³]

E=207 [GPa]

esp=0,0111 [m]

I=9,099 . 10 -7 [m4]

Ie=0,00000108 [m4]

Ii=1,701 . 10 -7 [m4]

L=2 [m]

[m4] Ie=0,00000108 [m4] Ii=1,701 . 10 - 7 [m4] L=2 [m] Mo=Momento m=34,09 [Kg] Mo=9919 [Nm]

Mo=Momento

m=34,09 [Kg]

Mo=9919 [Nm]

P=9919 [N]

Peso_das_5_barras=170,4 [Kg]

Tf_b=327,1 [MPa]

V=0,004342 [m3]

Y=0,008778 [m]

m=massa de 1 barra

V=volume de 1 barra

Os valores da espessura e largura utilizado nas contas é o que se encontra no

Os valores da espessura e largura utilizado nas contas é o que se encontra no mercado, com isso o escolhido o Coeficiente de segurança foi igual a CS=2,003, o que é bastante aceitável, já que assim como na chapa do piso, foi considerada a pior situação, mas em uma situação normal de trabalho é praticamente impossível que isso aconteça, já que as normalmente o elevador será submetido a uma carga distribuída, onde a barra resiste mais que o carregamento pontual. O Valor da flecha máxima foi 8,778 mm, bastante aceitável em uma barra de 2 metros, quase que imperceptível.

Cálculo de solda

As barras de apoio foram projetadas de maneira que elas resistam ao carregamento sem precisar estar fixa à barra de sustentação, desse modo a solda servirá para que as barras não escorreguem, então a solda foi calculada na condição de torção, como não sabemos ao certo a força de torção na barra, consideramos que a carga de ¼ de 2 toneladas está sendo empurrada contra o meio da barra, como mostra a figura abaixo.

Tap=tensão resultante aplicada na solda X=Distância até o centroide na direção x Y= Distância até
Tap=tensão resultante aplicada na solda
X=Distância até o centroide na direção x
Y= Distância até o centroide na direção y
J=momento polar de inercia
r=maior distancia do centroide até a solda
T1=tensão cisalhante na solda
T2=tensão de torção na solda
RESULTADOS b=0,06 [m] CS=1,735 d=0,06 [m] dis=0,94 [m] h=0,02 [m] J=0,000002036 [m3] Ju=0,000144 [m3] L=0,12

RESULTADOS

b=0,06 [m]

CS=1,735

d=0,06 [m]

dis=0,94 [m]

h=0,02 [m]

J=0,000002036 [m3]

Ju=0,000144 [m3]

L=0,12 [m]

M=5418 [Nm]

P=5764 [N]

r=0,04243 [m]

T1=3,397 [MPa]

T2=112,9 [MPa]

Tadm=200,1 [MPa]

Tap=115,3 [MPa]

X=0,03 [m]

Y=0,03 [m]

Só é necessário calcular a solda em uma sessão, pois as demais estão com as tensões igualmente distribuídas e seguem o mesmo padrão.

1.1.3 BARRAS SUSTENTAÇÃO INFERIOR

As 2 barras de sustentação inferior foram projetas sendo avaliada a pior situação, que seria 2 toneladas sobre o meio da barra de apoio central, o que gera a divisão de 1 tonelada para cada barra de sustentação, mais o peso do piso, mais o peso de cada barra de apoio, o que gera uma configuração de peso da seguinte maneira:

RESULTADOS Am=0,2211 [m2] Ang=0,008777 [m2] be=0,06 [m] bi=0,0378 [m] c=0,03 [m] CS=2,347 dens=7850 [Kg/m³] E=207
RESULTADOS Am=0,2211 [m2] Ang=0,008777 [m2] be=0,06 [m] bi=0,0378 [m] c=0,03 [m] CS=2,347 dens=7850 [Kg/m³] E=207

RESULTADOS

Am=0,2211 [m2]

Ang=0,008777 [m2]

be=0,06 [m]

bi=0,0378 [m]

c=0,03 [m]

CS=2,347

dens=7850 [Kg/m³]

E=207 [GPa]

esp=0,0111 [m]

F2=5458 [N]

F3=5458 [N]

F4=553,4 [N]

I=9,099 10 -7 [m4]

Ie=0,00000108 [m4]

Ii=1,701 10 -7 [m4]

L=2 [m]

m=34,09 [Kg]

M2=2729 [Nm]

M3=5458 [Nm]

M4=276,7 [Nm]

Massa_total_do_chão=2350 [Kg]

Mo=276,7 [Nm]

Mt=8464 [Nm]

Pba=334,4 [N]

Pbs=334,4 [N]

Pc=1095 [N] Pcarga=19620 [N] Peso_total_do_chão=23056 [N] T=1655 [N.m] Tc_b=337186 [Pa] Tf_b=279,1 [MPa] Tvon=279,1 [MPa]

Pc=1095 [N]

Pcarga=19620 [N]

Peso_total_do_chão=23056 [N]

T=1655 [N.m]

Tc_b=337186 [Pa]

Tf_b=279,1 [MPa]

Tvon=279,1 [MPa]

V=0,004342 [m3]

O valor do coeficiente de segurança foi igual a CS=2,347 o que é bastante aceitável já que essa é a pior situação posivel e em uma situação de trabalho o elevador estará sujeito a cargas mais distribuidas do que o situação em q ele foi projetado. As medidas da barra tubular foi escolhida pelo catálogo da empresa AÇOTUBO.

SOLDA DA BARRA DE SUSTENTAÇÃO INFERIOR COM BARRAS LATERAIS

A situação para o cálculo de solda foi considerada o cisalhamento direto, onde o carregamento estático de toda a estrutura do piso+carga está paralelo ao cordão de solda e essa força está dividida igualmente entre as 4 barras laterais. A configuraçao e os calculos de solda se encontra abaixo:

RESULTADOS CS=10 h=0.003397 [m] L=0.12 [m] P=5764 [N] Tesc=345 [MPa] O cálculo do h da
RESULTADOS CS=10 h=0.003397 [m] L=0.12 [m] P=5764 [N] Tesc=345 [MPa] O cálculo do h da

RESULTADOS

CS=10

h=0.003397 [m]

L=0.12 [m]

P=5764 [N]

Tesc=345 [MPa]

O cálculo do h da solda foi inicialmente feito com o CS=8 por ser uma solda importante para a segurança do projeto e evitar um prejuizo material elevado pelo desprendimento das barras, entretanto encontramos um valor de h igual a 2,7 mm, que é inferior ao valor mínimo recomendado (h=3 mm), logo o CS foi aumentado para 10, e assim conseguimos obter um valor de h=3,397 mm.

1.2 BARRAS LATERAIS

As 4 barras laterais foram projetadas para resistir a tração provocada pele força peso das Barras de sustentação+Barras de apoio+chapa de alumínio+carga. O valor desse peso foi dividido por 4 (Presultante=5764 N), pois foi considerado que esse peso será igualmente distribuído entre as 4 barras de aço. O aço escolhido para fazer barras tubulares retangulares foi aço 4140. Além disso o Aço 4140 é bastante resistente, mais leve do que outros aços normalmente utilizados, como o SAE 1020 por exemplo. A escolha por tubos retangulares, foi devido a uma melhor acomodação com o perfil escolhido para a estrutura externa, restringindo assim qualquer tipo de movimentação da cabine durante o seu movimento. As dimensões de arestas e espessuras foram escolhidas de forma a serem compatíveis com as encontradas no mercado. O catálogo utilizado para a escolha das barras foi o da empresa AÇOTUBO.

para a escolha das barras foi o da empresa AÇOTUBO. RESULTADOS A=0.0006682 [m²] Be1=0.06 [m] Be2=0.04

RESULTADOS

A=0.0006682 [m²]

Be1=0.06 [m]

Be2=0.04 [m]

Bi1=0.0528 [m]

Bi2=0.0328 [m]

Cs=75.93

dens=7850 [kg/m3]

L=2.21 [m]

m=11.59 [Kg]

Massa_das_4_barras=46.37 [Kg]

P=5764 [N]

Peso_das_4_barras=454.9 [N]

T=8.627 [MPa]

V=0.001477 [m3]

O coeficiente de segurança encontrado foi de CS=75,93, mais do que aceitável. Isso ocorreu devido o tipo de esforço que a barra está sendo submetida, pois é conhecido que a barra resiste muito mais a compresão e tração, que é o nosso caso. Além disso, com essas dimensões a barra aprensenta uma aparencia de segurança confiável para um leigo.

1.3 BARRAS SUSTENTAÇÃO SUPERIOR

As barras de sustentação foram projetadas levando em consideração que ela está submetida a esforços de flexão pura, o cisalhamento foi desconsiderando por apresentar um valor de tensão desprezível em relação à flexão, e onde ocorre a máxima flexão o cisalhamento é mínimo. O aço utilizado foi o 4140 tubular, o mesmo aço utilizado nas barras anteriores e escolhido pelos mesmos motivos.

O aço utilizado foi o 4140 tubular, o mesmo aço utilizado nas barras anteriores e escolhido
O aço utilizado foi o 4140 tubular, o mesmo aço utilizado nas barras anteriores e escolhido
RESULTADOS be=0.08 [m] bi=0.0578 [m] c=0.04 [m] CS=3.408 dens=7850 [Kg/m³] E=2.070E+11 [Pa] esp=0.0111 [m] I=0.000002483

RESULTADOS

be=0.08 [m]

bi=0.0578 [m]

c=0.04 [m]

CS=3.408

dens=7850 [Kg/m³]

E=2.070E+11 [Pa]

esp=0.0111 [m]

I=0.000002483

Ie=0.000003413 [m4]

Ii=9.301 .10 -7 [m4]

L=2 [m]

m=48.03 [Kg]

Massa_das_2_barras=96.06 [Kg]

Mt=11932 [Nm]

Mtotal=2529 [Kg]

P=23864 [N]

Pb=471.2 [N]

Peso_nas_2barras=942.3 [N]

Pf=11932 [N]

Ptotal=24806 [N]

P_i=23056 [N]

P_L=808.1 [N]

Tf_b=192,2 [MPa]

V=0.006118 [m3]

Y=0.003869 [m]

As dimensões de largura e espessura utilizadas foram as encontradas no mercado e que atenderam as especificações do projeto, largura 80x80 mm, espessura 11,1 mm, encontrado no catálogo da AÇOTUBO. Com esses valores o Coeficiente de Segurança foi igual a CS=3,408 que é um bom valor devido a situação de carregamento aplicada. O valor da flecha máxima foi igual a Y=3,869 mm considerando imperceptível para uma barra de comprimento de 2 metros.

SOLDA DA BARRA LATERAL COM A BARRA DE SUSTENTAÇÃO SUPERIOR

A solda das barras de sustentação superior deverá resistir a torção provocada pelas forças peso das barras laterais+barras de sustentação inferior+barras de apoio inferior+chapa+alambrado. A solda foi calculada para uma barra lateral, restante será o mesmo, já é consideramos que as forças estão igualmente distribuídas entre as 4 barras laterais.

estão igualmente distribuídas entre as 4 barras laterais. Tap=tensão resultante aplicada na solda X=Distância até o
estão igualmente distribuídas entre as 4 barras laterais. Tap=tensão resultante aplicada na solda X=Distância até o

Tap=tensão resultante aplicada na solda

X=Distância até o centroide na direção x

Y= Distância até o centroide na direção y

J=momento polar de inercia

r=maior distancia do centroide até a solda

T1=tensão cisalhante na solda

T2=tensão de torção na solda

RESULTADOS b=0,08 [m] CS=1,995 d=0,06 [m] dis=0,94 [m] h=0,02 [m] J=0,000002036 [m3] Ju=0,000144 [m3] L=0,12

RESULTADOS

b=0,08 [m]

CS=1,995

d=0,06 [m]

dis=0,94 [m]

h=0,02 [m]

J=0,000002036 [m3]

Ju=0,000144 [m3]

L=0,12 [m]

M=5525 [Nm]

P=5878 [N]

r=0,03606 [m]

T1=3,464 [MPa]

T2=97,847 [MPa]

Tadm=200,1 [MPa]

Tap=100,3 [MPa]

X=0,04 [m]

Y=0,03 [m]

Devido ao esforço de cisalhamento por torção na solda ser um dos maiores, com um h=2cm (relativamente alto) o coeficiente de segurança encontrado foi de =1,995 o que foi considerado satisfatório para o projeto.

1.4 BARRA DE APOIO DO MANCAL DA CABINE

As barras de apoio do mancal da cabine foram projetadas levando em consideração que ela está submetida a esforços de flexão pura, o cisalhamento foi desconsiderando por apresentar um valor de tensão desprezível em relação à flexão, e onde ocorre a máxima flexão o cisalhamento é mínimo. O aço utilizado foi o 4140 maciço, o mesmo aço utilizado nas barras anteriores e escolhido pelos mesmos motivos, com exceção de que essa barra não é vazada, facilita a fixação dos parafusos do mancal na mesma.

RESULTADOS b=0,07 [m] c=0,035 [m] CS=1,281 dens=7850 [Kg/m3] E=207 [GPa] I=0,000002001 [m4] L=2 [m] m=76,93
RESULTADOS b=0,07 [m] c=0,035 [m] CS=1,281 dens=7850 [Kg/m3] E=207 [GPa] I=0,000002001 [m4] L=2 [m] m=76,93

RESULTADOS

b=0,07 [m]

c=0,035 [m]

CS=1,281

dens=7850 [Kg/m3]

E=207 [GPa]

I=0,000002001 [m4]

L=2 [m]

m=76,93 [Kg]

Massa_das_2_barras=153,9 [Kg]

Mcabine=2586 [Kg]

Mt=11932 [Nm]

P=11932 [N]

Pcabine=25373 [N]

Pt=1509 [N]

Tf_b=511 [MN]

V=0,0098 [m3]

Y=0,004802 [m]

O coeficiente de segurança foi igual a CS=1,281 um valor relativamente baixo, entretanto não foi encontrado no mercado um barra maciça de aço 4140 que satisfizesse a situação apresentada, optamos pela barra quadrada 70x70 mm e a flecha máxima ficou igual Y=4,8 mm quase imperceptível para uma barra de 2 m de comprimento.

SOLDA BARRA DE APOIO DO MANCAL DA CABINE COM A BARRA DE SUSTENTAÇÃO SUPERIOR

A situação de esforços a qual a solda está submetida é de tração na qual o peso de toda a cabine foi considerado e dividido por 4, pois há 2 barra e 4 sessões de solda.

e dividido por 4, pois há 2 barra e 4 sessões de solda. RESULTADOS CS=8 F=5966
e dividido por 4, pois há 2 barra e 4 sessões de solda. RESULTADOS CS=8 F=5966

RESULTADOS

CS=8

F=5966 [N]

h=0,002795 [m]

L=0,07 [m]

Tesc=345 [MPa]

O cálculo do h da solda foi inicialmente feito com o CS=8 por ser uma solda importante para a segurança do projeto e evitar um prejuizo material elevado pelo desprendimento das barras, entretanto encontramos um valor de h igual a 2,7 mm, que é inferior ao valor mínimo recomendado (h=3 mm), logo utilizaremos h=3 mm.

PARAFUSO DO MANCAL DA CABINE

Analizando os esforços recebidos pelos parafusos do mancal, constou-se que os mesmos só sofriam tração

CS=4 k=0,9
CS=4
k=0,9

RESULTADOS

At=0,00003904 [m²]

Att=0,00005799 [m²]

d=0,01 [m]

F=6343 [N]

Fi=33924 [N]

SP=650,0 [MPa]

T=67,85 [N.M]

De acordo com o NORTON o Parafuso mais indicado e que vende no mercado para essa situação é o M10x1,5. O CS=4 foi selecionado pois consideramos um alto risco material caso um parafuso de baixo custo se rompa.

2. ESTRUTURA

Todos os aços utilizado na estrutura é do tipo 4140, encontrado no catálogo da empresa AÇOTUBO, com exceção da viga em L que é feita com um aço próprio da empresa GERDAU aço ASTM A 572 Grau 50. Todas as barras e perfis da estrutura são maciços prezando pela resistência, com exceção da barra se sustentação da estrutura, que é tubular. Ela tem 9 metros de altura, sendo que 0,5 metros deve fixado no solo para melhor estabilidade da estrutura.

é tubular. Ela tem 9 metros de altura, sendo que 0,5 metros deve fixado no solo

2.1 BARRA DO OLHAL

2.1 BARRA DO OLHAL RESULTADOS b=0,04 [m] c=0,02 [m] CS=8,081 Csc=81,82 dens=7850 [Kg/m3] dist=0,135 [m] E=2,070E+11

RESULTADOS

b=0,04 [m]

c=0,02 [m]

CS=8,081

Csc=81,82

dens=7850 [Kg/m3]

dist=0,135 [m]

E=2,070E+11 [Pa]

I=2,133E-07 [m4]

L=0,275 [m]

m=3,454 [Kg]

Mt=864,6 [Nm]

P=12809 [N]

Pbarra=33,88 [N]

Tc_b=8,006E+06 [Pa]

Tf_b=8,106E+07 [Pa]

V=0,00044 [m3]

Y=0,00001487 [m]

Csc=coeficiente de segurança do cisalhamento

A opção por uma barra maciça foi para facilitar a fixação do parafuso com olha, tal parafuso foi encontrado no catálogo da empresa VONDER e não precisou ser calculado pois continha todas as especificações necessárias. A barra foi calculada considerando os esforços sendo a flexão pura, pois a tensão devido ao cisalhamento é insignificante, como pode ser visualizando no valor do coeficiente de segurança devido ao cisalhamento Csc=81,02. Já o CS da Flexão foi igual a CS=8,081 que é bastante aceitável, sendo que essa foi a menor barra encontrada no catálogo utilizado. E a flecha máxima ficou igual a Y=0,01 mm praticamente nulo.

SOLDA DO BARRA COM OLHAL COM A BARRA DE SUSTENTAÇÃO DO MANCAL

flecha máxima ficou igual a Y=0,01 mm praticamente nulo. SOLDA DO BARRA COM OLHAL COM A
RESULTADOS b=0,04 [m] CS=3,496 d=0,04 [m] dis=0,1025 [m] h=0,01 [m] J=3,017E-07 [m3] Ju=0,00004267 [m3] L=0,08

RESULTADOS

b=0,04 [m]

CS=3,496

d=0,04 [m]

dis=0,1025 [m]

h=0,01 [m]

J=3,017E-07 [m3]

Ju=0,00004267 [m3]

L=0,08 [m]

M=515,1 [Nm]

P=5025 [N]

r=0,02828 [m]

T1=8,885 [MPa]

T2=48,30 [MPa]

Tadm=200,1 [MPa]

Tap=5,723E+07

X=0,02 [m]

Y=0,02 [m]

A solda da barra do olhal deverá resistir a torção provocada por um força hipotética pois não há esse valor de força nesta barra , consideramos essa força por uma eventual fatalidade com erro na angulação dos cabos ou rompimento dos mesmos. A solda apresentou um coeficiente de segurança bom devido ao grande comprimento da solda. A figura abaixo mostra a configuração.

um coeficiente de segurança bom devido ao grande comprimento da solda. A figura abaixo mostra a

2.2 BARRAS DE APOIO DO MANCAL NA ESTRUTURA

Essas barras foram dobradas em uma das extremidades para que o mancal que sustenta a polia do contra peso fique em uma altura que o cabo do elevador perfeitamente na horizontal.

Primeiro deve calcular a resultante das forças na barra para que posamos determinar onde fica a força e o momento máximo, e assim projetar a barra. Para os cálculos foi considerado uma barra sem a dobra.

onde fica a força e o momento máximo, e assim projetar a barra. Para os cálculos
onde fica a força e o momento máximo, e assim projetar a barra. Para os cálculos
RESULTADOS b=0,07 [m] c=0,035 [m] CS=2,647 dens=7850 [Kg/m3] diam=2667 [m] E=2,070E+11 [Pa] I=0,000002001 [m3] L=2,127

RESULTADOS

b=0,07 [m]

c=0,035 [m]

CS=2,647

dens=7850 [Kg/m3]

diam=2667 [m]

E=2,070E+11 [Pa]

I=0,000002001 [m3]

L=2,127 [m]

m=81,82 [Kg]

M1=14277 [Nm]

M2=-132,3 [Nm]

Massa_das_2_barras=163,6 [Kg]

Mcabine=2737 [Nm]

Mt=14145 [Nmm]

P=13425 [N]

P2b=1605 [N]

Pb=802,6 [N]

Tf_b=247 [MPa]

V=0,01042 [m3]

Y=0,006498 [m]

Os valores do CS=2,6 é aceitável levando em conta que as dimensões da barra foi a maior encontrada no mercado e a flecha máxima Y=6 mm é quase que imperceptível.

Agora iremos calcular a barra dobrada no sentido vertical para ver se ela resistirá ás tensões de tração e flexão que ela será submetida

ás tensões de tração e flexão que ela será submetida RESULTADOS b=0,07 [m] c=0,035 [m] Ce=0,06335

RESULTADOS

b=0,07 [m]

c=0,035 [m]

Ce=0,06335 [m]

CS=88,05

dens=7850 [Kg/m³]

diam=0,2667 [m]

E=207,0 [GPa]

I=0,000002001 [m4]

L=0,255 [m]

m=9,809 [Kg]

Massa_das_2_barras=19,62

[Kg]

Mcabine=2737 [Nm]

Mt=425,2 [m]

P=13425 [N]

P2b=192,4 [N]

Pb=96,22 [N]

Tf_b=7,439 [MPa]

V=0,00125 [m3]

Y=1,717E-07 [m]

O CS=88 foi bem mais do que o satisfatório e a flecha máxima foi mínima, quase

imperceptível.

SOLDA DA BARRA DE SUSTENTAÇÃO DO MANCAL COM A BARRA DE SUSTENTAÇÃO DA ESTRUTURA

A solda foi considerada levando em consideração que a solda está sendo submetida a

cisalhamento por torção

a solda está sendo submetida a cisalhamento por torção Tap=tensão resultante aplicada na solda X=Distância até

Tap=tensão resultante aplicada na solda

X=Distância até o centroide na direção x

Y= Distância até o centroide na direção y

J=momento polar de inercia

r=maior distancia do centroide até a solda

T1=tensão cisalhante na solda

RESULTADOS

b=0,07 [m]

CS=2,024

d=0,07 [m]

dis=1,064 [m]

h=0,02 [m]

J=0,000003233 [m3]

Ju=0,0002287 [m3]

L=0,14 [m]

M=6284 [Nm]

P=5909 [N]

r=0,0495 [m]

T1=2,985 [MPa]

T2=96,20 [MPa]

Tadm=200,1 [MPa]

Tap=98,85 [MPa} X=0,035 [m] Y=0,035 [m] Como o h foi relativamente alto, o valor do

Tap=98,85 [MPa}

X=0,035 [m]

Y=0,035 [m]

Como o h foi relativamente alto, o valor do CS=2,04 é aceitável, já que não precisaremos aumentar o h de solda para aparentar segurança

2.3 BARRA QUE SUSTENTA O MOTOR

As barras que foram utilizadas para sustentar o motor, foram as mesma barras due sustenta toda a cabine (BARRAS DE APOIO DO MANCAL NA ESTRUTURA). Utilizamos as mesmas dimensões de aresta e comprimento horizontal, só não foi colocado a dobra.

2.4 BARRA DE SUSTENTAÇÃO DA ESTRUTURA

colocado a dobra. 2.4 BARRA DE SUSTENTAÇÃO DA ESTRUTURA Para encontrar o valor da força F,

Para encontrar o valor da força F, primeiro teve que ser feito um calculo de momentos na Barra em L (BARRA DE SUSTENTAÇÃO DO MANCAL NA ESTRUTURA), e assim obtemos o valor máximo que utilizaremos para dimensionar a BARRA DE SUSTENTAÇÃO DA ESTRUTURA. Os cálculos se encontram abaixo:

RESULTADOS CP=5886 [N] d_cd=930.1 [mm] d_eb=930.1 [mm] d_p=266.7 [mm] Fd_v=8579 [N] Fe=9908 [N] Me=442813 [N.mm]

RESULTADOS

CP=5886 [N]

d_cd=930.1 [mm]

d_eb=930.1 [mm]

d_p=266.7 [mm]

Fd_v=8579 [N]

Fe=9908 [N]

Me=442813 [N.mm]

Mp=406686 [N.mm]

P=6405 [N]

Pb=5886 [N]

Apenas foi dimensionado a barra que recebia mais esforços, que é a barra situada mais

Apenas foi dimensionado a barra que recebia mais esforços, que é a barra situada mais próximo do contra peso, dai utilizamos a barra calculada para o lado oposto da estrutura.

A situação de esforços que ela recebe está representada na figura acima.

Obs.: para o próximo calculo o valor obtido do “Fe” será representado apenas como “F”

obtido do “Fe” será representado apenas como “F” Pm=peso do motor+barra que sustenta o motor Ff=força

Pm=peso do motor+barra que sustenta o motor

Ff=força resultante na parte do contra peso

Fa=força resultante na parte da estrutura oposta ao contra peso

Primeiro se calculou os momentos para poder calcular a flexão e dimensionar a peça. O Fa encontrado é usado para dimensionar a viga em L.

Resultados be=0.08 [m] bi=0.0546 c=0.04 CS=2.165 dens=7850 [Kg/m³] E=2.070E+11 [Pa] esp=0.0127 F=10405
Resultados be=0.08 [m] bi=0.0546 c=0.04 CS=2.165 dens=7850 [Kg/m³] E=2.070E+11 [Pa] esp=0.0127 F=10405

Resultados

be=0.08 [m]

bi=0.0546

c=0.04

CS=2.165

dens=7850 [Kg/m³]

E=2.070E+11 [Pa]

esp=0.0127

F=10405

Fa=10570

I=0.000002673

L=2.127 [m]

m=57.08 [Kg]

M1=9999

M2=121

Fa=10570 I=0.000002673 L=2.127 [m] m=57.08 [Kg] M1=9999 M2=121
Resultados b=0.05398 [m] CS=1.216 d=0.05398 [m] dis=1.063 [m] h=0.03 [m]
Resultados b=0.05398 [m] CS=1.216 d=0.05398 [m] dis=1.063 [m] h=0.03 [m]

Resultados

b=0.05398 [m]

CS=1.216

d=0.05398 [m]

dis=1.063 [m]

J=0.00000139 [m3]

Ju=0.00006554 [m3]

L=0.108 [m]

M=5913 [Nm]

P=5560 [N]

r=0.03817 [m]

T1=2.428 [MPa]

T2=162,4 [MPa]

Tadm=200,1 [MPa]

Tap=164,6 [Mpa]

X=0.02699 [m]

Y=0.02699 [m]

2.5 VIGA EM L

Na viga há apenas cargas de compressão, e consideramos que o peso total está igualmente dividido entre as 4 vigas

e consideramos que o peso total está igualmente dividido entre as 4 vigas Resultados CSv=54.99 Masaa_das_4_vigas=504
e consideramos que o peso total está igualmente dividido entre as 4 vigas Resultados CSv=54.99 Masaa_das_4_vigas=504

Resultados

CSv=54.99

Masaa_das_4_vigas=504 [Kg]

Massa=126 [Kg]

Peso=1236 [N]

Peso_das_4_vigas=4944 [N]

Como a viga segura uma carga aplicada verticalmente se faz necessário o cálculo de flambagem que se segue:

se faz necessário o cálculo de flambagem que se segue: Csf=1.904 Fcritico=216979N IE=87.34 Ls=2 m Lt=9

Csf=1.904

Fcritico=216979N

IE=87.34

Ls=2 m

Lt=9 m

r=0,0229

Tcritica=122,3 MPa

2.6 BARRAS DE FLAMBAGEM

As barras de contenção de flambagem não sofrem esforços, portanto não se fez necessário o cálculo das tensões. Elas foram colocadas a uma distância vertical igualmente espaçadas de 2m entre eleas

A barra tem comprimento de 2,127m e 2cm X 4cm de secção transversal, sendo fixada

por solda na sua secção maior. O material usado foi o aço da Gerdau ASTM A 572

Grau 50, por ser o mesmo das vigas em L.

Gerdau ASTM A 572 Grau 50, por ser o mesmo das vigas em L. V= 0,003403

V= 0,003403 m³

Ma= 26,72 Kg

O peso dessas barras foi desconsiderado do cálculo das vigas em L, se considera que a

tensão está inclusa no coeficiente de segurança, pois este é relativamente alto.

Para a solda se considera que uma determinada força é aplicada no centro da barra, essa força considera como o peso da própria barra somado com um peso semelhante a uma pessoa dependurada na barra.

A tensão de cisalhamento na solda foi T1= 1,406 Mpa T2= 59,9 Mpa
A tensão de cisalhamento na solda foi T1= 1,406 Mpa T2= 59,9 Mpa

A tensão de cisalhamento na solda foi

T1= 1,406 Mpa

T2= 59,9 Mpa

O coeficiente de segurança resultante foi 3,572, o é bastante aceitável, já que foi uma

O coeficiente de segurança resultante foi 3,572, o é bastante aceitável, já que foi uma situação hipotética onde foi considerado forças maiores do que ela está sendo submetida. A força hipotética aplicada foi considerado caso houvesse algum falha na estrutura que pudesse ocorrer tensões sobre a barra

2.7 VIGA GUIA DO CONTRAPESO

Usamos duas vigas para guiar com perfil em L de forma que o contrapeso passe entre elas conforme a figura. Por facilidade da compra usamos o mesmo tipo de vigas das vigas em L da estrutura. A viga não sofre esforços tem a mesma resistência da estrutura, por isso foi desnecessário os cálculos das tensões.

As soldas foram feitas com o menor diâmetro de uso, ou seja, 3 mm. O material da solda e da viga é o mesmo da estrutura.

feitas com o menor diâmetro de uso, ou seja, 3 mm. O material da solda e

VISTA SUPERIOR

2.8 CONTRAPESO Vista frontal O contrapeso foi projetado de forma a ter um peso semelhante

2.8 CONTRAPESO

Vista frontal

O contrapeso foi projetado de forma a ter um peso semelhante ao da cabina vazia.

Considerando o material usado sendo aço 1020, as dimensões do contrapeso foram 2m

de largura, 0,05m de espessura 0,7634m de altura. A massa total do contrapeso foi de

600 kg.

Como n está sujeito a esforços não foi feito o cálculo de tensões.

O contrapeso é suspenso por parafusos olhais DIN-580 M16, segundo o catálogo de

acessórios da empresa SILVA de comércio de artefatos de arames esse parafuso resiste

até uma carga de 700 Kg.

Para evitar movimentos que não sejam verticais, o contrapeso percorre por entre duas vigas em L soldadas na estrutura.

3 MOTOR, CABOS, EIXO, POLIAS E MANCAIS

3.1 MOTOR UTILIZADO

O motor foi encontrado no catálogo da WEG e o cálculo de potencia encontra-se abaixo. A velocidade utilizada foi a encontrada na média dos elevadores de carga.

RESULTADOS Cp=5886 [N] F=6923 [N] Pot=5500 [W] Pot1=4618 [W] Pot_CV1=6.19 [CV] Pt=25618 [N] V=0.7944 [m/s]
RESULTADOS
Cp=5886 [N]
F=6923 [N]
Pot=5500 [W]
Pot1=4618 [W]
Pot_CV1=6.19 [CV]
Pt=25618 [N]
V=0.7944 [m/s]
V1=0.667 [m/s]

3.1 CABOS

Os cabos utilizados para mover a cabine foram tirados dos slide do professor André Luiz , para o caso de elevado para transporte de carga o mais indicado é o Seale +AF ,torção regular 8x19.Os cálculos a seguir demonstram a orça mínima de ruptura. Logo o diâmetro do cabo de aço é o de ½’’.Foram necessários 12 grampos pesados para fixar os cabos de aço o olhal e no contra-peso seis para cada um. Foram utilizados também dois sapatilhos para segurar o contra peso e outros dois para fixar na barra do olhal. Os mesmo acessórios para fixação foram encontrados no catálogo da Siva de acessórios nas páginas 3 e 81. E foi utilizado também 2 parafusos olhais para a fixação na barra e 2 no contra peso.

O valor do coeficiente de segurança inicial que foi considerado inicialmente para os cálculos foi igual a 8, que é o recomendado para elevadores de carga, e o valor encontrado após os cálculos foi igual a CS=8,95 satisfazendo, assim o nosso projeto.

foi igual a CS=8,95 satisfazendo, assim o nosso projeto. RESULTADOS CP=5886 [N] CS=8.954 Cs1=8 D=266.7 [mm]

RESULTADOS

CP=5886 [N]

CS=8.954

Cs1=8

D=266.7 [mm]

Fc=9348 [N]

Fmin=83700 [N]

Fmin1=74781 [N]

Pc=12809 [N]

Pf=18695 [N]

Pt=25618 [N]

3.3 POLIAS

As polias são projetadas a partir do diâmetro do cabos ,para os cabos do tipo 8x9 Seale recomenda-se polias de diâmetro 21 a 25 vezes pelo Shigley .a mesma apresenta um diâmetro de eixo de 50 mm. O diâmetro da folia foi igual a 266,7 mm e utilizamos o valor de 21 vezes maior que o cabo para calcular.Como não foram encontradas no mercado com as especificações dimensionadas as polias devem ser usinadas.

3.4 EIXO DA POLIA

O eixo da polia foi projetado considerando as dimensões de encaixe nas polias e nos mancais, ou seja, um diâmetro de 50 mm. Ele também deve resistir a força cortante de cisalhamento. O material para a fabricação foi encontrado no catálogo da AÇOTUBO

RESULTADOS A=0.001963 [m2] CS=101.4 P=25373 [N] R=0.025 [m] Tadm=6.461 [MPa] Tesc=6.550 [MPa] V=12687 [N] 3.4

RESULTADOS

A=0.001963 [m2]

CS=101.4

P=25373 [N]

R=0.025 [m]

Tadm=6.461 [MPa]

Tesc=6.550 [MPa]

V=12687 [N]

3.4 MACAIS

Os

encontrados

mancais

foram

no

escolhidos

da

de

modo

a

atender

nossas

especificações,

foram

catálogo

empresa

SNR-indústria

BEARINGS

Segundo o catálogo, o mancal resiste perfeitamente aos esforços que ele será submetido.

A especificação dos mancais escolhidos segundo o catálogo usado foi MANCAL SNC 511 bi-partido

4 PORTA PANTOGRÁFICA

Duas portas pantográficas são fixadas na estrutura uma no nível do chão (0,5m da parte inferior da estrutura) e outra há uma altura de 6m do chão (6,5m da parte inferior da estrutura).

A solda utilizada na fixação é de 3 mm já que a porta não recebe esforços mecânicos e caso ela solte a perda em materiais e financeira é baixa. O modelo da porta se encontra abaixo. A porta tem comprimento de 2, 0635 m e altura de 2 m.

Essa porta não vende com dimensões especificas, ela deve ser encomenda e feita sobe medida, pode ser encontrada para encomenda na empresa AB PORTAS www.abportas.com.br

ela deve ser encomenda e feita sobe medida, pode ser encontrada para encomenda na empresa AB

5. BIBLIOGRAFIA

Norton, R.L.: Projeto de Máquinas: uma abordagem integrada. 2a edição. Porto Alegre:

Bookman, 2004.

Shigley, J.E. et al.: Projeto de Engenharia Mecânica. 7a edição. Porto Alegre: Bookman,

2005.

Beer, F.P.; Johnston Jr. E.R.: Resistência dos Materiais, Makron Books, 1995.

Hibbeller, R.C. Resistência dos Materiais, Editora Pearson / Prentice Hall, 2004.

CALLISTER Jr., W.D. - Ciência e Engenharia de Materiais uma Introdução, , LTC Ed. 7ª Ed., Rio de Janeiro.