Sei sulla pagina 1di 5

FUNÇÕES CONTÍNUAS

Podemos facilmente generalizar a real para funções de várias variáveis reais:

definição de função contínua a uma variável

Def. Seja f uma função das n variáveis reais x 1 ,x 2 ,x 3
Def.
Seja f uma
função das n variáveis reais x 1 ,x 2 ,x 3 ,
,x
[⇒ f(P)].
Se
n
(
0
0
0
)
P
=
x
0 , x
, x
,
,
x
é um ponto do domínio de f (⇒ P 0 ∈ D f ), sendo P 0 também um
0
1
2
3
n
um ponto de acumulação de D f , dizemos que f é contínua em P 0 se e sómente se:
1. lim
f
(P) existe;
P →
P 0
2. lim
f
(
P
)
= f
(
P
)
0
P →
P 0

A definição de continuidade estabelece que uma função é contínua em um ponto de acumulação de seu domínio quando o limite da função nele existir e for igual ao valor da função neste ponto. Como a definição de limite envolve a noção de vizinhança, se admitirmos que esta noção corresponde à idéia intuitiva de “proximidade”, podemos expressar a definição de continuidade de uma forma mais intuitiva, dizendo que f é contínua se f(P) se aproxima de f(P 0 ) tanto quanto se queira, sempre que se tome P suficientemente próximo de P 0 . Se f for contínua em todos os pontos de um sub-conjunto A do seu domínio [ A D f ], diremos que f é contínua em A. Uma função é contínua em um conjunto quando for, portanto, contínua em todos os pontos deste conjunto. Diz-se simplesmente que f é contínua quando for contínua em todos os pontos de seu domínio. Quando P 0 D f reconhecemos os seguintes casos:

a) existindo o

lim

P

P 0

f

(P) = b, então comparando b com f(P 0 ) temos:

a1) b = f(P 0 ) a2) b f(P 0 )

: significa que a função é contínua em P 0 ; : significa que a função não é contínua em P 0 .

b) se não existir

lim

P

P 0

f

(P) então f não será contínua em P 0 .

No caso a2) a descontinuidade de f é dita evitável (ou não essencial); neste caso é possível redefinir f em P 0 , de modo a obter uma função contínua em P 0 :

f (

P

)

=

f (

b

P

)

se

se

P

P

=

P

P

0

0

No caso b) a descontinuidade de f é dita essencial, não é possível redefinir f de modo a ela ser contínua em P 0.

Prof. Manoel de Campos Almeida

Propriedades das funções contínuas:

1)

Se f(P) e g(P) são duas funções contínuas f,g : D R n R 1 , contínuas no ponto

são

P 0 (P 0 D), então as funções f(P) + g(P) , f(P) - g(P), f(P) .g(P), e

f (

P

)

g(

P

)

contínuas em P 0 (desde que g(P 0 ) 0, no caso da função quociente). Então podemos afirmar que:

- a soma ou diferença de duas funções contínuas é uma função contínua; - o produto de duas funções contínuas é uma função contínua;

- o quociente de duas funções contínuas é uma função contínua (g(P 0 ) 0).

2) Se f(P) é contínua em P 0 D R n e g(z) , uma função a uma variável, é contínua em z 0 ∈ Α ⊂ R, sendo z 0 = f(P 0 ), então (gf)(P)=g(f(P)) é contínua em P 0 . Dizemos, então, que a composta de duas funções contínuas é uma função contínua.

Este resultado nos garante a continuidade de funções como F(x,y)=

2 2 x + y
2
2
x
+ y

ou

G(x,y)=cos (x 2 + y 2 ), uma vez estabelecida a continuidade das funções f(x,y)= (x 2 + y 2 ),

g(z) =

z
z

e h(z) = cos z, pois F(x,y) = g(f(x,y)) e G(x,y) = h(f(x,y)).

Funções uniformemente contínuas:

Uma função f(P) se diz uniformemente contínua se, para cada ∈ > 0, existe um δ > 0, tal que se d (P,P 0 ) < δ, implica em que d(f(P),f(P 0 )) < ε.

Uma função uniformemente contínua é sempre contínua, mas a recíproca nem sempre é verdadeira.

Exercícios:

Verificar se as funções dadas são contínuas nos pontos indicados:

1) f(x,y) =

4xy

x

0

2

+

y

2

se

se

(

x, y

(x, y)

)

=

(

0,0

(0,0)

)

, em (0,0).

a)

aproximação segundo o eixo X (y=0):

 
 

lim

f (x, y) =

lim

 

(x, y)

(0,0)

x

0

b)

aproximação segundo o eixo Y (x=0) :

 

0

x

2

=

lim

(x, y)

4xy

(0,0) x

2

+ y

2

=

y

lim

4.0.y

0 0

+

y

2

c) aproximação segundo a reta y = x

x

lim

0

0

=

0

=

y

lim

0

0 y

2

= 0

Prof. Manoel de Campos Almeida

lim

(x, y)

(0,0)

f(x, y) =

x

lim

4xx

0 x

2

+

x

2

=

x

lim

x

2

4

0 2x

2

= 2

Deste modo

lim

f (x, y)

não existe e a função f não é contínua em (0,0),

(0,0)

possuindo uma descontinuidade essencial neste ponto.

(x, y)

2)f(x,y) =

(x

0

+

y) sen

1

x

se

se

x

x

=

0

0

, em (0,0).

a)

lim

(x, y)

(0,0)

(x

+

y) sen

1

x

=

(0

+

0).[n

o

1]

=

0

, pois

sen

1 x
1
x

1

, para

x

0, é

uma função limitada; então o limite existe e é igual a zero.

b)

f(0,0) = 0, se

em (0,0).

x = 0, então

lim

(x, y)

f (x, y)

(0,0)

=f(0,0) = 0 e a função é contínua

2  7x y   x se (x, y) ≠ (0,0) 3) f(x,y) =
2
7x
y
 x
se
(x, y)
(0,0)
3)
f(x,y) =
2
2
,
em (0,0).
+
y
0 se
(x, y)
=
(0,0)
 
2
x
lim
o
1]
a)
lim
f (x, y) =
7y.
=
7.0.[n
=
0 ,
pois
2
2
x
+
y
(x, y)
→ (0,0)
(x, y)
(0,0)
2
x
≤ 1
é limitada.
2
2
x
+
y
b)
f(0,0) = 0,
lim
f (x, y)
=
f (0,0)
=
0
, a função é contínua em (0,0).
(x, y)
→ (0,0)
− xy
7)
4)
f(x,y) = e
ln(x
2 −
2y
+
,
em (0,0).
a)
1
− xy
2
0.0
lim
f (x, y) =
lim
e
ln(x
2y
+
7)
=
e
ln(0
2.0
+
7)
=
ln 7
=
0
e
(x, y)
→ (0,0)
(x, y)
(0,0)
0.0
b)f(0,0) = e
ln(0
2.0
+
7)
=
ln
7 ,
lim
f (x, y)
=
f (0,0)
=
ln 7 , a função é

contínua em (0,0).

(x, y)

(0,0)

Prof. Manoel de Campos Almeida

ln 7

5)

a)

b)

c)

6)

a)

b)

a)

b)

Mostrar que a função

z =

2xy

x

2

+

0

y

2

se

se

x

x

2

=

+

y

y

2

=

0

0

, é contínua com respeito a cada

uma das variáveis x e y separadamente, mas não é contínua no ponto (0,0) com respeito a estas variáveis juntas.

, que é contínua em qualquer ponto, pois devemos

fazendo x = k, vem

2ky

k

2

+

y

2

z =

ter x

fazendo y = k, vem

2

+

y

2

0 ;

z =

2ky

k

2

+

y

2

, que também é contínua em qualquer ponto, pois

deve atender a k

2

+

y

2

0 .

lim

=

2xy

2

+

y

2

(x, y)

y

(0,0) x

mx

=

x

lim

2xmx

0 x

2

+

m

2

x

2

=

x

lim

2

0 1

+

m

2

=

2

1

+

m

2

,

como

m

pode variar, o limite da função não existe e a função não é contínua em relação às variáveis x e y.

Dada a função f(x,y) =


(10

x

2y)

se

se

(x, y)

(x, y)

=

(0,0)

(1,2)

k

f (x, y) ;

 

,

=

f (1,2)

=

5 .

determine

lim

(x, y)

(1,2)

determine k para que f(x,y) seja contínua em (1,2).

lim

(x, y)

f (x, y)

(1,2)

=

10

1

2.2

k = 5 = f(1,2) ; deste modo temos

=

5 :

lim

(x, y)

(1,2)

f (x, y)

Justificar, com base nas propriedades das funções contínuas, a continuidade das seguintes funções:

a) 2

x

f(x,y) = sen (

é contínua em R 2 ; como g(z) = sen z é contínua em R 1 ,

temos que (gF)(x,y) = g(F(x,y)) = sen (x 2 +y 2 ) também é função contínua, pois a composição de funções contínuas fornece funções contínuas.

Como F(x,y) = (

2

) .

+ y

x

2

+ y

2

)

b) f(x,y) = ln (

x

c) f(x,y) =

x

3

4

y

+ y

+

x

2

+

y

2

2

)

cos(3x

+

d) sen ln x

f(x,y) =

3

3 ( ( 2 + 2y 2 ))

(

(

2

+ 2y

2

))

 

R. contínua

y)

R.contínua

R.contínua

Determine o conjunto dos pontos de continuidade das seguintes funções:

Prof. Manoel de Campos Almeida

2 a) f(x,y) = 3x y 2 − 6xy + 8 2 2 b) f(x,y)
2
a) f(x,y) = 3x y
2 −
6xy
+
8
2
2
b) f(x,y) =
6 − 2x
− 3y
x
− y
c) f(x,y) =
2
2
1
x
y
x
− y
d) f(x,y) =
ln
x
2 +
y

Prof. Manoel de Campos Almeida

R. R 2

R.{(x, y) / 2x

R.

{(x, y) /

x

2

2

+

3y

2

+

y

2

1}

R.

{(x, y) / xy}

6}