Sei sulla pagina 1di 7
Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 Recomendação de ingestão dos

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

Recomendação de ingestão dos

probióticos, prebióticos e simbióticos

Danielle Fontes de Almeida

A composição da microbiota intestinal é alterada por diversos fatores como:

idade, infecções recorrentes, tratamento com antibióticos, dieta pobre em fibras entre

outros. Diversas doenças tem profunda influência nos níveis de bactérias presentes na

microbiota humana. Doenças inflamatórias autoimunes crônicas, incluindo doença

celíaca, diabetes tipo 2 e obesidade são associados com a disbiose intestinal (ou seja,

desequilíbrio da microbiota inestinal). Doenças inflamatórias intestinais, em particular

doença de Crohn, diarréia crônica são condições reconhecidas por estarem associadas

com esse desequilibrio da microbiota intestinal. 1 A maior parte dos estudos se

concentram nessas doenças e muitos destes mostram efeito positivo da utilização dos

pré, pró e simbióticos. 1

Tipos de produtos

As formas mais comuns de probióticos são os produtos lácteos e alimentos

enriquecidos com probióticos e a variedade desses produtos continua em expansão.

Diversas pesquisas que envolvem os probióticos encontra-se voltada para produtos

como leites fermentados e iogurtes (veja Tabela 1) 3 . Outros produtos comerciais

contendo essas culturas incluem sobremesas à base de leite, leite em pó destinado a

recém nascidos, sorvetes, sorvetes de iogurte e diversos tipos de queijo. 2 No entanto,

comprimidos, cápsulas e sachês contendo a bactéria em forma liofilizada (dissolvidos

em bebidas frias) também estão disponíveis. 3 Os prebióticos podem ser encontrados

tanto em uma dieta saudável, na forma de fibras solúveis como em futas, legumes,

vegetais (um dos vegetais mais ricos em prebiótico é a raiz da chicória, por exemplo)

ou na forma de saches por exemplo. 4

1/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 Tabela 1. Tipos de

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

Tabela 1. Tipos de produtos de empresas específicas que contém probióticos 3

Probiótico (Cepa)

Nome do Produto

Empresa

Bifidobacterium animalis DN 173 010

Activia

Danone

Bifidobacterium breve Yakult

Bifiene

Yakult

Bifidobacterium lactis HN019 (DR10)

Howaru bifido

Danisco

Lactobacillus casei DN-114 001

Actimel

Danone

Lactobacillus casei Shirota

Yakult

Yakult

Lactobacillus johnsonii La1 (Lj1)

Lc1

Nestlé

Saccharomyces cerevisiae (boulardii)

Floratil

Merck

Aplicações clinicas

Diversos estudos controlados, clínicos e meta-análises têm mostrado resultados

sistemáticos, sugerindo que os probióticos são seguros e eficientes no tratamento de

diarréia aguda. 3

Tem sido confirmado que diferentes cepas probióticas, incluindo L. reuteri

ATCC 55730, L. rhamnosus GG, L. casei DN-114 001, e Saccharomyces cerevisiae

(boulardii) são úteis na redução da gravidade e duração de infecções agudas por

diarréia em crianças. Adicionalmente algumas cepas probióticas como Lactobacillus

GG, L. casei DN-114 001, e S. boulardii também exercem um efeito preventivo na

prevenção de diarréia aguda tanto em crianças como em adultos. 3 Em diarréia

associada à antibioticoterapia, existe uma forte evidência da eficácia com uso do S.

boulardii ou L. rhamnosus GG em adultos e crianças. Recentes estudos demonstraram

a eficiência na prevenção de diarréia associada a C. difficile em pacientes adultos

hospitalizados onde se utilizou o L. casei DN-114 001. Outra condição clínica que tem

forte evidência é a prevenção de Enterocolite Necrosante em neonatos pré-termos. 3

Doenças como Pouchite, Colite Ulcerativa, Doença de Crohn, Síndrome do Intestino

Irritável também tem evidências fortes na literatura do efeito benéfico dos probióticos

no entanto recomenda-se mais estudos. 3 Assim como nas doenças cardiovasculares,

2/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 doença hepática gordurosa não

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

doença hepática gordurosa não alcoólica, prevenção de infecções sistêmicas em

pacientes críticos e na prevenção de alergias. Na encefalopatia hepática, estudos

mostram que prebióticos como a lactulose são utilizados para prevenção e tratamento

de complicações (como a cirrose). 3 No câncer de cólon o estudo SYNCAN testou o

efeito de oligofrutose com duas cepas probióticas (ou seja, um simbiótico) em

pacientes com risco para o desenvolvimento de câncer de cólon. O estudo observou

que após a administração da preparação simbiótica houve diminuição da expressão de

biomarcadores para câncer de cólon. Recomenda-se também mais estudos nesta

situação clínica. 3

Dosagem

No momento não é possível generalizar com precisão uma dose mínima de

probióticos que seja necessária para o efeito benéfico. A dose necessária varia de

acordo com diferentes cepas e os efeitos específicos na saúde ainda em investigação 4 .

Estudos demonstraram alterações benéficas na composição da microbiota intestinal

com doses de 100g de produto alimentício contendo 109 unidades formadoras de

colônias (UFC) de microrganismos probióticos (107 UFC/g de produto) e com doses de

5 a 20 g de inulina e/ou oligofrutose, geralmente durante o período de 15 dias. 2 Dessa

maneira para obter um resultado fisiológico significante nos individuos, os probióticos

devem atingir populações acima de 106 a 107 ufc/g ou mL de produto. Porém, é

necessário ressaltar que a dose necessária para cada probióticos é variável porque

depende da cepa e do produto. 3 No caso dos prebióticos, para garantir o estímulo da

multiplicação de bifidobactérias no cólon, doses diárias de 4 a 5 g de inulina e/ou

oligofrutose se mostraram eficientes. 2 Entretanto para garantir um efeito benéfico dos

pré, pró e simbióticos eles devem ser ingeridos continuamente. 3

Apesar disso, a Organização Mundial de Gastroenterologia (World Gastroenterology

Organisation -WGO) em 2008 elaborou uma diretriz em relação aos Probióticos e

3/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 Prebióticos, onde traz um

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

Prebióticos, onde traz um resumo das recomendações mais utilizadas como

demontrado na Tabela 2. 3

Aplicações Clínicas

Cepas Probióticas

 

Dose

Ref.

 

L.

rhamnosus GG

10 10 10 11 ufc, 2x/dia

5

Diarreia infecciosa

L.

reuteri ATTC 55730

10 10 10 11 ufc, 2x/dia

5

aguda

L.

acidophilus + B. infantis

10 9 de cada cepa, 3x/dia

6

S.

cerevisiae (boulardii)

200mg, 3x/dia

5

 

S.

cerevisiae (boulardii)

250mg, 2x/dia

7

Diarreia associada à

L.

rhamnosus GG

10 10 1 ou 2x/dia

7

antibiótico-terapia

 

10 7 + 10 6 ufc/g de

 

B.

Lactis Bb12 + S. thermophilus

7

 

fórmula

Prevenção e

     

VSL#3

Manutenção de

4,5 x 10 11 ufc 2x/dia

8

(mistura de 8 cepas)

Pouchite

Prevenção de

L.

casei DN 114001

10 10 ufc 2x/ dia

9

diarreia por

L.

acidophilus + B. Bifidum

2

x 10 10 ufc 1x/ dia

10

C. difficile

S.

cerevisiae (boulardii)

2

x 10 10 ufc 1x/ dia

7

Oligofrutose

4g 3x/dia

11

Síndrome do

B.

infantis 35624

10 8 ufc 1x/ dia

12

Intestino Irritável

L.

rhamnosus GG

6x 10 9 ufc 2x/ dia

13

VSL# 3 mixture

4,5 x 10 11 ufc 2x/ dia

14

Prevenção de

B.

infantis, S. thermophilus, e B.

0,35 x10 9 de cada

 

Enterocolite

bifidum

cepa1x/dia

15

Necrosante em

L.

acidophilus + B. infantis (Infloran

   

neonatos

strains)

10 9 de cada cepa 2x/dia

15

Tratamento para

Lactulose

20-40g / dia

16

constipação em

     

adultos

Oligofrutose

> 20g/dia

17

4/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 Referências Bibliográficas 1- Gareau

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

Referências Bibliográficas

1- Gareau MG, Sherman PM, Walker WA. Probiotics and the gut microbiota in

intestinal health and disease. Nat Rev Gastroenterol Hepatol. 2010 Sep;7(9):503-14.

2- Saad SMI, Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Revista Brasileira de

Ciências Farmacêuticas. 2006; 42 (1): 1-16.

3-

prebiotics ;2008.

World

Gastroenterology

Organisation,

Practice

Guideline

Probiotics

and

4- Douglas LC, Sanders ME. Probiotics and prebiotics in dietetics practice. J Am

Diet Assoc. 2008 Mar;108(3):510-21.

5- Allen SJ, Okoko B, Martinez E, Gregorio G, Dans LF. Probiotics for treating

infectious diarrhoea. Cochrane Database Syst Rev 2004;(2):CD003048.

6- Lee MC, Lin LH, Hung KL, Wu HY. Oral bacterial therapy promotes recovery from

acute diarrhea in children. Acta Paediatr Taiwan 2001;42:3015.

7- Sazawal S, Hiremath G, Dhingra U, Malik P, Deb S, Black RE. Efficacy of

probiotics in prevention of acute diarrhoea: a meta-analysis of masked, randomised,

placebo-controlled trials. Lancet Infect Dis 2006;6:37482

8- Gionchetti P, Rizzello F, Helwig U, et al. Prophylaxis of pouchitis onset with

probiotic

2003;124:12029.

therapy:

a

double-blind,

placebo-controlled

trial.

Gastroenterology

5/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 9- Hickson M, D’Souza

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

9- Hickson M, D’Souza AL, Muthu N, et al. Use of probiotic Lactobacillus

preparation to prevent diarrhoea associated with antibiotics: randomised double blind

placebo controlled trial. BMJ 2007;335(7610):80.

10- Plummer S, Weaver MA, Harris JC, et al. Clostridium difficile pilot study: effects

of probiotic supplementation on the incidence of Clostridium difficile diarrhoea. Int

Microbiol 2004;7:5962.

11- Lewis S, Burmeister S, Brazier J. Effect of the prebiotic oligofructose on relapse

of Clostridium difficileassociated diarrhea: a randomized, controlled study. Clin

Gastroenterol Hepatol 2005;3:4428.

12- O’Mahony L, McCarthy J, Kelly P, et al. Lactobacillus and Bifidobacterium in

irritable bowel syndrome: symptom responses and relationship to cytokine profiles.

Gastroenterology 2005;128:54151.

13- Gawronska A, Dziechciarz P, Horvath A, Szajewska H. A randomized double-

blind placebo-controlled trial of Lactobacillus GG for abdominal pain disorders in

children. Aliment Pharmacol Ther 2007; 25: 17784.

14- Kim HJ, Vazquez Roque MI, Camilleri M, et al. A randomized controlled trial of a

probiotic combination VSL# 3 and placebo in irritable bowel syndrome with bloating.

Neurogastroenterol Motil 2005;17:68796.

15- Deshpande G, Rao S, Patole S. Probiotics for prevention of necrotising

enterocolitis in preterm neonates with very low birthweight: a systematic review of

randomised controlled trials. Lancet 2007;369:161420.

6/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.

Curso “ Uso clínico de Probióticos e Simbióticos ” Versão 1.0 16- Schumann C. Medical,

Curso “Uso clínico de Probióticos e SimbióticosVersão 1.0

16- Schumann C. Medical, nutritional and technological properties of lactulose. An

update. Eur J Nutr 2002;41(Suppl 1): 1725.

17- Nyman M. Fermentation and bulking capacity of indigestible carbohydrates: the

case of inulin and oligofructose. Br J Nutr 2002;87(Suppl 2):S1638.

7/7

© Ao aluno é permitido fazer uma cópia do material didático disponibilizado para uso próprio. De acordo com a Lei n o . 9.610 de 19/02/1998, que trata de direitos autorais, todo aluno fica proibido de propagar, distribuir e vender o material de qualquer forma, sob pena de responder civil e criminalmente por violação da propriedade material e intelectual.