Sei sulla pagina 1di 36

Ano II • Nº 16 • Outubro 2000 • R$ 5,00

www.embalagemmarca.com.br

novos equipamentos para embalagem • vida longa com dessecantes


outubro 2000
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

8
ENTREVISTA: Reportagem
FÁBIO FONSECA redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
Es­pe­cia­lis­ta em flavio@embalagemmarca.com.br
rótulos conta o que viu Guilherme Kamio
durante a Label Expo, guma@embalagemmarca.com.br
Lara Martins
em Chicago, e aponta lara@embalagemmarca.com.br
algumas tendências do Thays Freitas
mercado de decoração thays@embalagemmarca.com.br

24
SHELF LIFE Colaboradores
Dessecantes Josué Machado
Luiz Antonio Maciel
eliminam a umidade
e aumentam a Diretor de Arte
vida dos produtos Carlos Gustavo Curado

Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)

28
PRÊMIOS Eunice Fruet (Diretora Financeira)

14
CAPA: SORVETES Bracelpa, Sindusfarma Departamento Comercial
Empresas do setor e DuPont anunciam comercial@embalagemmarca.com.br
fazem ajuste fino vencedores de Antonio Carlos Perreto e Wagner Ferreira
nas estratégias de prêmios que aproximam Circulação e Assinaturas
marketing para os elos da cadeia de assinaturas@embalagemmarca.com.br
aproveitar o pico de embalagem Cesar Torres
vendas no verão
Assinatura anual (11 exemplares):
R$ 45,00

30
MATERIAIS
Alumínio e aço Público-Alvo
investem pesado Em­ba­la­gem­Mar­ca é di­ri­gi­da a pro­fis­sio­nais que
ocu­pam car­gos téc­ni­cos, de di­re­ção, ge­rên­cia
para tentar e su­per­vi­são em em­pre­sas for­ne­ce­do­ras, con­
conquistar o ver­te­do­ras e usuá­rias de em­ba­la­gens para
consumidor final alimentos, be­bi­das, cos­mé­ti­cos, me­di­ca­men­
tos, ma­te­riais de lim­pe­za e home ser­vi­ce, bem
como pres­ta­do­res de ser­vi­ços re­la­cio­na­dos
com a ca­deia de em­ba­la­gem.

20
RÓTULOS
Prosseguimento à
Tiragem desta edição
cobertura do setor, 7 500 exemplares
destacando
tampografia e in-mold Filiada ao

22 MARCAS
Estratégia da IRB com
a linha First One é
EmbalagemMarca
é uma publicação mensal da
Bloco de Comunicação Ltda.
atrair público jovem E MAIS Rua Arcílio Martins, 53 – Chácara Santo
CARTA DO EDITOR ........................ 4 Antonio - CEP 04718-040 - São Paulo, SP
das classes A e B com
foto de capa: aNdré godoy

Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463


produtos inovadores e ESPAÇO ABERTO ........................... 6
embalagens atraentes INVESTIMENTOS .......................... 36
www.embalagemmarca.com.br
PANORAMA ................................... 48 O con­teú­do edi­to­rial de Em­ba­la­gem­Mar­ca é
res­guar­da­do por di­rei­tos au­to­rais. Não é per­
DISPLAY ........................................ 50 mi­ti­da a re­pro­du­ção de ma­té­rias edi­to­riais
pu­bli­ca­das nes­ta re­vis­ta sem au­to­ri­za­ção da
EVENTOS ...................................... 56 Blo­co de Co­mu­ni­ca­ção Ltda. Opi­niões ex­pres­
COMO ENCONTRAR..................... 56 sas em ma­té­rias as­si­na­das não re­fle­tem
ne­ces­sa­ria­men­te a opi­nião da re­vis­ta.
ALMANAQUE................................. 58
Espaço aberto
jun­to àque­las em­pre­sas que, como a devo di­zer que esta pu­bli­ca­ção me
Em­pax Em­ba­la­gens, são as real­ sur­preen­deu. A qua­li­da­de edi­to­rial
men­te lí­de­res nes­te se­tor. A Em­pax, e grá­fi­ca é con­di­zen­te ao tema prin­
como um dos maio­res pro­du­to­res ci­pal da re­vis­ta. Afi­nal, não é a
de embalagens téc­ni­cas no Bra­sil, em­ba­la­gem um dos prin­ci­pais mo­ti­
não po­de­ria dei­xar de ser ou­vi­da va­do­res de ven­da do pro­du­to? Pa­ra­
nes­ta ma­té­ria. béns e con­ti­nuem as­sim.
An­to­nio Adão S. Par­ra, di­re­tor Síl­via de Cas­tro An­dra­de,
in­dus­trial da Em­pax Em­ba­la­gens su­per­vi­so­ra de mar­ke­ting da
São Pau­lo, SP Ga­le­na Quí­mi­ca e Far­ma­cêu­ti­ca
São Pau­lo, SP

R e­ce­bi Em­ba­la­gem­Mar­ca de
N.da R. – A Em­pax foi in­sis­ten­te­
men­te pro­cu­ra­da para par­ti­ci­par
da re­por­ta­gem, como ex­pli­ca­do em
L e­mos com cu­rio­si­da­de os ar­ti­
gos so­bre auto-ade­si­vos e so­bre a
se­tem­bro e, além de me sen­tir hon­ de­ta­lha­da res­pos­ta en­via­da ao sig­ Dru­pa na re­vis­ta de agos­to e fi­ca­
ra­do de fi­gu­rar na mes­ma, fi­quei na­tá­rio. A re­da­ção per­ma­ne­ce de mos fe­li­zes ao ver o en­tu­sias­mo
or­gu­lho­so de ver a qua­li­da­de grá­fi­ por­tas aber­tas a to­das as em­pre­sas com que é tra­ta­do o ramo de auto-
ca, con­teú­do, dia­gra­ma­ção e vi­sua­ que te­nham in­for­ma­ções im­por­tan­ ade­si­vos. Par­ti­ci­pa­mos des­se oti­
li­za­ção de ele­va­do ní­vel con­tri­buin­ tes a dar ao mercado, mas al­gu­mas mis­mo ao vi­ver­mos o dia-a-dia des­
do para o en­ri­que­ci­men­to dos pro­ vezes en­con­tra di­fi­cul­da­des em ser se ma­ra­vi­lho­so mercado. Seja em
fis­sio­nais e em­pre­sas. Pa­ra­béns. aten­di­da. A pro­pó­si­to, fica a su­ges­ ro­tu­la­gem, cada vez mais atraen­te e
José Sin­ke­vis­que, con­sul­tor tão de lei­tu­ra da Car­ta do Edi­tor da com re­cur­sos am­plos, seja em mar­
de pro­je­tos de embalagens pre­sen­te edi­ção. ca­ção de pre­ço, seja para pro­ces­sos

P
São Pau­lo, SP

a­ra­béns pela re­vis­ta Em­ba­la­


N a re­por­ta­gem “Des­ta­que du-
rante e após o con­su­mo”, na edi­ção
de au­to­ma­ção co­mer­cial e in­dus­
trial, o auto-ade­si­vo é in­subs­ti­tuí­
vel, lú­di­co e com forte ex­pan­são à
gem­Mar­ca, que sem­pre vem nº 15 de Em­ba­la­gem­Mar­ca, exis­ fren­te. Vo­cês es­tão de pa­ra­béns por
im­pres­sio­nan­do pela alta qua­li­da­de tem al­gu­mas in­for­ma­ções in­com­ tão bem te­rem ab­sor­vi­do o es­pí­ri­to
do ma­te­rial uti­li­za­do e pelo rico ple­tas ou omi­ti­das que pen­so se­rem do nos­so mercado.
con­teú­do. Em es­pe­cial, as ca­pas das im­por­tan­tes ex­pres­sar ao pú­bli­co de Myriam Gon­çal­ves, mar­ke­ting da
edi­ções de agos­to (nº 14) e se­tem­ qua­li­da­de que essa re­vis­ta con­quis­ Fi­ta­tex Eti­que­tas e Em­ba­la­gens
bro (nº 15) de­mons­tra­ram ex­tre­mo tou. Belo Ho­ri­zon­te, MG
bom gos­to e cria­ti­vi­da­de. Além dis­
so, a en­tre­vis­ta da edi­ção de se­tem­
bro com José Sin­ke­vis­que, nome
Jai­me G. de Arau­jo
Ge­ren­te de Marketing &
De­sen­vol­vi­men­to Téc­ni­co para
A ca­ba­men­to, apre­sen­ta­ção e
con­teú­do de alto pa­drão. Gos­ta­ria
que ouço há mais de 13 anos (tem­ Amé­ri­ca do Sul da AET Films de pa­ra­be­ni­zar a re­vis­ta Em­ba­la­
po que es­tou na Cis­per), está ex­ce­ São Pau­lo, SP gem­Marc ­ a e a srta. Tany­ze Mar­co­
len­te e fez com que eu res­pei­tas­se na­to, do mar­ke­ting da Vo­to­cel, pela
ainda mais esse pro­fis­sio­nal. N.da R. – As observações feitas pelo ex­ce­len­te com­bi­na­ção uti­li­za­da na
Plá­ci­da Ka­za­ma, ana­lis­ta sr. Araujo e a resposta estão publi­ ela­bo­ra­ção da capa da re­vis­ta nº 15
de mar­ke­ting da Cis­per cadas na página 21 desta edição, na (se­tem­bro). Acre­di­to que os pro­fis­
São Pau­lo, SP reportagem sobre rótulos. sio­nais do segmento de embalagens

G os­ta­ria ini­cial­men­te de pa­ra­be­


ni­zá-los pela ma­nei­ra pro­fis­sio­nal e
P a­ra­be­ni­zo a re­vis­ta pela pro­du­
ção e qua­li­da­de das ma­té­rias.
es­tão ba­ten­do pal­mas ao re­ce­be­rem
seus exem­pla­res. São estes tra­ba­
lhos que de­no­tam a ca­pa­ci­da­de e o
efi­cien­te com que têm con­du­zi­do Acho-a mui­to cria­ti­va e es­ti­mu­lan­ pre­pa­ro das nos­sas em­pre­sas e pro­
to­dos os as­sun­tos tra­ta­dos nes­ta já te. Todo mês é uma “cai­xi­nha de fis­sio­nais para aten­der as exi­gên­
con­cei­tua­da re­vis­ta. Dois as­sun­tos sur­pre­sas”. Ado­rei o Documento da cias do mercado.
na edi­ção de se­tem­bro 2000 me 2ª Se­ma­na do Design de Em­ba­la­ Erik Or­te­gal Ce­sar Can­ti­nho,
cha­ma­ram a aten­ção. Pri­mei­ro, a gem. ge­ren­te de con­tas da
en­tre­vis­ta com o “mes­tre” José Sin­ Ro­sa­na Sil­vei­ra, arte-fi­na­lis­ta da Flex­cell Poli Em­ba­la­gem Ltda
ke­vis­que, real­men­te um mito no Stra­té­gia Agên­cia de São Ber­nar­do do Cam­po, SP
mun­do das embalagens. De­pois, a
ma­té­ria so­bre snacks, mui­to boa,
Comunicação & Marketing
Bagé, RS T e­nho acom­pa­nha­do as edi­ções
mas se me per­mi­tem, gos­ta­ria de
su­ge­rir que pro­cu­ras­sem maior
apro­fun­da­men­to nestes as­sun­tos
T e­nho re­ce­bi­do a re­vis­ta Em­ba­
la­gem­Mar­ca há al­guns me­ses e
de Em­ba­la­gem­Mar­ca com en­tu­
sias­mo. Como es­tu­dio­so e afi­cio­
na­do por embalagens en­con­tro na

6 – embalagemmarca • out 2000


pu­bli­ca­ção o mun­do que me cer­ca. so­men­te a parte grá­fi­ca de­se­nha­da ex­pres­sa com cla­re­za e se­rie­da­de
Len­do o edi­to­rial da edi­ção nú­me­ pela agên­cia F/Naz­ca. Este pro­je­ te­mas re­le­van­tes para o con­tex­to
ro 14 (agos­to), en­con­trei a me­lhor to, de­sen­vol­vi­do e de­se­nha­do pela atual do mercado. O pro­fis­sio­na­
de­fi­ni­ção so­bre as fun­ções que hoje Mead, é pa­ten­tea­do e foi fei­to com lis­mo e a ex­pe­riên­cia dos pro­fis­
as embalagens cum­prem: con­ter, ex­clu­si­vi­da­de de lançamento para sio­nais en­vol­vi­dos na ma­té­ria são
trans­por­tar, pro­te­ger, con­ser­var, a Am­Bev no mercado brasileiro. fun­da­men­tais para que o lei­tor se
in­for­mar e agre­gar valor. Fal­tou, Ana Cris­ti­na Pupo, mar­ke­ting atua­li­ze, de uma forma prá­ti­ca e
po­rém, a fun­ção ven­der, tão e quão da Mead Em­ba­la­gens di­re­ta, so­bre as ten­dên­cias do mer­
im­por­tan­te, vis­to que o Bra­sil São Pau­lo, SP cado de de­sign e em­ba­la­gem no
de­tém o re­cor­de mun­dial (85%) de
de­ci­são de com­pra no pon­to-de-
ven­da.
O Documento Es­pe­cial da 2ª
Se­ma­na ABRE do Design de
Bra­sil. Os pon­tos des­ta­ca­dos e os
te­mas dis­cu­ti­dos no Documento
Es­pe­cial re­su­mem per­fei­ta­men­te o
Em tem­po: mui­to in­te­li­gen­te a idéia Em­ba­la­gem, que foi pu­bli­ca­do na con­teú­do do even­to. Pa­ra­béns de
da capa e da con­tra-capa da edi­ção edi­ção de se­tem­bro des­te veí­cu­lo, toda a equi­pe da TW Design.
14. fez uma ex­ce­len­te com­pi­la­ção das Eduar­do Bo­na­to
José Mil­ton Cas­tan Jr, ques­tões le­van­ta­das durante o TW Design, São Pau­lo, SP
di­re­tor da Pro­pag Em­ba­la­gens
Téc­ni­cas Fle­xí­veis
Gua­ru­lhos, SP
even­to e pro­por­cio­nou àque­les que
não pu­de­ram par­ti­ci­par o aces­so ao
de­poi­men­to e de­ba­te de gran­des
C omo novos in­te­gran­tes do
Co­mi­tê de Design, nós, da Pe­rez &

G os­ta­ría­mos de agra­de­cer a evi­


dên­cia do pro­du­to Café do Cer­ra­do
pro­fis­sio­nais da atua­li­da­de. Este
do­cu­men­to pro­pa­ga a im­por­tân­cia
e a cons­tan­te evo­lu­ção do de­sign
Da­mia­ni, gos­ta­ría­mos de agra­de­
cer e pa­ra­be­ni­zar a pu­bli­ca­ção do
Documento Es­pe­cial da Se­ma­na
3 Co­ra­ções na re­por­ta­gem da de em­ba­la­gem em nos­so país. do Design na re­vis­ta Emb ­ al
­ ag
­ em­
Re­v is­t a Em b ­ al
­ ag
­ em ­M ar c
­ a de Lu­cia­na Pel­le­gri­no, coor­de­na­do­ra Marc ­ a de se­tem­bro. Ini­cia­ti­vas
se­tem­bro. Es­ta­re­mos sem­pre à dis­ de Meio Am­bien­te e Co­mi­tês da como esta sem­pre co­la­bo­ram mui­
po­si­ção para aten­dê-los da me­lhor ABRE - Associação to para o pro­fis­sio­na­lis­mo e se­rie­
forma. Brasileira de Em­ba­la­gem da­de em nos­so mercado.
Ro­dri­go La­per­to­sa Quin­ti­no, São Pau­lo, SP João Da­mia­ni, di­re­tor da
ge­ren­te de mar­ke­ting
do Café 3 Co­ra­ções A Usi­na - Es­cri­tó­rio de De­se­
Pe­rez & Da­mia­ni
São Pau­lo, SP

S
San­ta Lu­zia, MG

ou as­s i­n an­t e de E m ­b a ­l a ­


nho vem agra­de­cer à Re­vis­ta
Emb ­ a­la­gem­Mar­ca o es­pa­ço de­di­
ca­do à co­ber­tu­ra da Se­ma­na do
S ou pu­bli­ci­tá­rio e co­nhe­ci Em­ba­
la­gemMar­ca através de um ami­
gemMar­ca e que­ro pa­ra­be­ni­zá-los Design pro­mo­vi­do pelo Co­mi­tê de go. Fi­quei con­ten­te em sa­ber que
pelo ex­ce­len­te tra­ba­lho de nos tra­ Design da ABRE. Emb ­ al
­ ag­ em­ ago­ra pos­so in­di­car uma re­vis­ta
ze­rem todo mês in­for­ma­ções re­le­ Marc ­ a fun­cio­na como ins­tru­men­ es­pe­cia­li­za­da em embalagens para
van­tes so­bre nos­so meio. Me cha­ to de fun­da­men­tal re­le­vân­cia na meus clien­tes.Vo­cês es­tão de pa­ra­
ma mui­to a aten­ção a cons­tan­te divulgação da im­por­tân­cia do tra­ béns.
preo­cu­pa­ção em di­fun­dir idéias de ba­lho dos es­cri­tó­rios de de­se­nho Pa­blo Adler Côr­tes dos San­tos,
res­pei­to ao con­su­mi­dor, ou seja: no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to di­re­tor de arte da
em­ba­la­gem tem que ser ven­de­do­ra, de pro­je­tos de embalagens. Pri­ma Comunicação
bo­ni­ta e ne­ces­sá­ria. Ma­rio Pal­la­res, di­re­tor de Sal­va­dor, BA
De­se­jo-lhes cada vez mais su­ces­so de­se­nho da Usi­na -
no es­for­ço de va­lo­ri­zar a em­ba­la­ Es­cri­tó­rio de De­se­nho Mensagens para EmbalagemMarca
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
gem bra­si­lei­ra. São Pau­lo, SP

G
CEP 04718-040 • São Paulo, SP
Ail­ton Mar­ques, di­re­tor de arte da
Tel: (11) 5181-6533
Nos­tra­da­mus Arte e Comunicação os­ta­ria de pa­ra­be­ni­zar o efi­ Fax: (11) 5182-9463
São José do Rio Pre­to, SP cien­te tra­ba­lho da re­vis­ta Em­ba­la­

G gem ­M ar ­c a na 2ª Se­m a­n a do redacao@embalagemmarca.com.br


os­ta­ría­mos de in­for­mar que na Design da ABRE. É mui­to im­por­ As men­sa­gens re­ce­bi­das por car­ta,
edi­ção nú­me­ro 15 (Se­tem­bro 2000) tan­te para o mercado de em­ba­la­ e-mail ou fax po­de­rão ter tre­chos não
de Em­ba­la­gem­Mar­ca ocor­reu um gem e sobretudo para as agên­cias es­sen­ciais eli­mi­na­dos, em fun­ção do
erro de in­for­ma­ção na se­ção Dis­ de de­sign, que bus­cam uma va­lo­ri­ es­pa­ço dis­po­ní­vel, de modo a dar o
play, pá­gi­na 52, no ar­ti­go “Mul­ti­ za­ção e cons­cien­ti­za­ção da im­por­ maior nú­me­ro pos­­sí­vel de opor­­tu­ni­da­
pack Ar­re­don­da­da”. Esta em­ba­la­ tân­cia de uma boa em­ba­la­gem para des aos lei­to­res. As men­sa­gens po­de­
gem foi de­sen­vol­vi­da para a Skol o pro­du­to, ter­mos par­cei­ros como rão tam­­bém ser in­se­ri­das no site da
(Am­Bev) pela Mead Em­ba­la­gens e Emb ­ al
­ ag­ em­Marc­ a, que di­vul­ga e revista (www.embalagemmarca.com.br)

out 2000 • embalagemmarca – 7


ENTREVISTA

“ O mercado está despertando” Mais tar­de, foi con­vi­da­do por ou­tra
gran­de mul­ti­na­cio­nal, atuan­te no
segmento de auto-ade­si­vos, para
as­su­mir a área de de­sen­vol­vi­men­to
de produtos. Nes­sa fun­ção ad­qui­riu
res­pei­tá­vel ba­ga­gem na área de
produtos, in­su­mos e re­cur­sos na área
de ro­tu­la­gem. Esse do­mí­nio de
co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos tan­to em
equi­pa­men­tos quan­to em produtos
va­leu-lhe um con­vi­te para tra­ba­lhar
na área de mar­ke­ting téc­ni­co da
mes­ma empresa e, pos­te­rior­men­te,
na Mo­bil Films, gi­gan­te no se­tor de
fil­mes plás­ti­cos para os mercados de
ro­tu­la­gem e em­ba­la­gem, hoje uni­da
in­ter­na­cio­nal­men­te à Ex­xon e re­ba­
ti­za­da, mun­dial­men­te, como Ex­xon­
Mo­bil Che­mi­cal, Films Bu­si­ness.
Atual­men­te, Fá­bio Fon­se­ca é ge­ren­
te de de­sen­vol­vi­men­to de mercado
para a Amé­ri­ca do Sul, ex­clu­si­va­
men­te de­di­ca­do ao se­tor de ro­tu­la­
gem, o que va­lo­ri­za seu sta­tus de
es­pe­cia­lis­ta nes­se mercado, con­di­
ção em que fala nes­ta en­tre­vis­ta.
divulgação

H
Qual a im­por­tân­cia da de­co­ra­ção
de uma em­ba­la­gem na con­quis­ta do
á mais de quin­ze anos, con­su­mi­dor?
fábio fonseca, Fá­bio Fon­se­ca ini­ciou No Bra­sil não che­ga ainda a ter a
um especialista em rot- sua car­rei­ra numa gran­ fun­ção al­ta­men­te mer­ca­do­ló­gi­ca que
de empresa mul­ti­na­cio­ po­de­ria ter e tem em ou­tros paí­ses,
ulagem, diz que as nal, na área de de­sen­vol­ mas as em­pre­sas es­tão des­per­tan­do
empresas vêem cada vi­men­to téc­ni­co de para a ten­dên­cia de uti­li­zar o ró­tu­lo
embalagens. De­pois de não só como um vi­lão do cus­to ou
vez mais o rótulo al­gum tem­po, de­vi­do a sua for­ma­ como uma exi­gên­cia le­gal de iden­ti­
como uma ferramenta ção téc­ni­ca, foi con­vi­da­do, na mes­ fi­car o pro­du­to, mas tam­bém como
ma empresa, para a área de pro­ces­ uma forte fer­ra­men­ta de mar­ke­ting
de marketing no sos e au­to­ma­ção, onde pas­sou a ser no pon­to-de-ven­da, um veí­cu­lo de
ponto-de-venda, e não res­pon­sá­vel por toda a parte de con­ divulgação do pro­du­to.
cei­tua­ção, pla­ne­ja­men­to de equi­pa­
mais como um vilão do men­tos e investimentos. Es­sas duas Essa per­cep­ção da im­por­tân­cia da
custo. E faz um alerta ex­pe­riên­cias ini­ciais ga­ran­ti­ram-lhe em­ba­la­gem está se ge­ne­ra­li­zan­do?
boa base de co­nhe­ci­men­to, tan­to Um pon­to mui­to po­si­ti­vo é que hoje
para a necessidade de tec­ni­ca­men­te em má­qui­nas di­re­cio­ se bus­ca di­fe­ren­ciar a em­ba­la­gem no
na­das ao se­tor quan­to nos in­su­mos pon­to-de-ven­da. Já foi o tem­po em
evitar a banalização
exis­ten­tes no mercado na­que­la oca­ que numa ca­te­go­ria de pro­du­to to­das
das embalagens sião. as mar­cas ti­nham a mes­ma cara. Hoje

8 – embalagemmarca • out 2000


o gran­de di­fe­ren­cial é cha­mar a aten­ ne­ces­si­da­de, e o ter­cei­ro a mar­ca. A fazer da mar­ca. Mes­mo a en­ge­nha­ria
ção do clien­te, pois mui­tas pes­qui­sas pa­la­vra é forte, mas pri­mei­ro o con­ de cus­tos que vem atrás de uma
de mercado mos­tram que, em mé­dia, su­mi­dor se “apai­xo­na” pelo pro­du­to, em­ba­la­gem é hoje mui­to mais com­
65% das de­ci­sões de com­pra são ana­li­san­do di­fe­ren­ciais como bri­lho, ple­ta do que no pas­sa­do, quan­do se
to­ma­das no pon­to-de-ven­da. Ain­da be­le­za, apa­rên­cia, en­fim, atra­ção apre­sen­ta­vam duas op­ções ao clien­te
as­sim, quan­do se ini­cia uma con­ver­sa visual. Tudo isso se dá in­cons­cien­te­ e ele di­zia: “Que­ro a mais ba­ra­ta”.
nesse sen­ti­do, co­me­ça-se a fa­lar de men­te e numa fra­ção de se­gun­dos. Se
ou­tros ti­pos de pu­bli­ci­da­de, jor­nais, fi­car in­de­ci­so en­tre dois produtos de Apesar dis­so, ago­ra mesmo vêem-se
re­vis­tas, TV, de divulgação da mar­ca, pre­ços si­mi­la­res, ele vai le­var aque­le gran­des mar­cas sen­do pre­ju­di­ca­das
etc. Se to­mar­mos es­ses nú­me­ros pelo qual se apai­xo­nou. Muitos pela uti­li­za­ção de embalagens
como base e de ma­nei­ra gros­sei­ra, poderão di­zer que es­tão preocupados pa­dro­ni­za­das, como no caso dos
po­de­mos di­zer que o in­ves­ti­men­to pri­mei­ro com pre­ço e de­pois com re­fri­ge­ran­tes, que ao fazer isso per­
em pu­bli­ci­da­de, que não no pon­to- qua­li­da­de, mas hoje o que real­men­te de­ram es­pa­ço para pe­que­nos pro­du­
de-ven­da, onde se in­clui for­te­men­te a to­res. En­trar na guer­ra de pre­ços
eti­que­ta, é res­pon­sá­vel por ape­nas não é meio ine­vi­tá­vel num mercado
A padronização
35% das de­ci­sões de com­pra. Hoje, pres­sio­na­do como o brasileiro?
no cus­to de um pro­du­to, ge­ne­ri­ca­ das garrafas de PET O fundamental é evi­tar a ba­na­li­za­ção
men­te, 3% é cus­to da eti­que­ta. Com­ des­de o co­me­ço. A in­tro­du­ção da gar­
para refrigerantes
pa­ran­do-se isso com as gi­gan­tes­cas ra­fa de PET para refrigerantes veio
ver­bas de pu­bli­ci­da­de tra­di­cio­nal nas levou o consumidor a muito rápido, não hou­ve tem­po es­tra­
em­pre­sas de produtos de alto con­su­ té­gi­co para pla­ne­jar. A in­dús­tria de
mo, ve­mos o quão pou­co ainda se
imaginar que todas embalagens de PET em ge­ral, mas
in­ves­te nes­ta efi­caz fer­ra­men­ta de as marcas eram prin­ci­pal­men­te para re­fri­ge­ran­te,
ven­das, ainda com toda a in­fluên­cia cresceu tre­men­da­men­te nos úl­ti­mos
que tem nas de­ci­sões de com­pra no
iguais: se anos e con­ti­nua cres­cen­do. De fato,
pon­to-de-ven­da. A con­clu­são que se comprasse uma com a bus­ca de redução de cus­to
tira é que o volume imen­so de di­nhei­ pa­dro­ni­zou-se o mo­de­lo de gar­ra­fa.
ro que está sen­do in­ves­ti­do em pu­bli­ ou outra teria To­das as gran­des mar­cas en­tra­ram
ci­da­de tra­di­cio­nal não está sen­do o mesmo padrão na­que­le mo­de­lo de tubo de en­saio,
res­pon­sá­vel pela maio­ria das ven­das con­ven­cio­nal, com os mes­mos
do pro­du­to. É in­ver­sa­men­te pro­por­ de qualidade pa­drões. Isso criou no ima­gi­ná­rio do
cio­nal. con­su­mi­dor a idéia de que a qua­li­da­
in­fluen­cia numa de­ci­são de com­pra é de era si­mi­lar, que os produtos eram
Pelo me­nos no Bra­sil, onde os sa­lá­ a ima­gem do pro­du­to e tam­bém a iguais, porque as gar­ra­fas eram iguais.
rios vêm sen­do com­pri­mi­dos, mais mar­ca. As em­pre­sas hoje es­tão se Ele en­ten­dia que se com­pras­se tan­to
do que o po­der do ró­tu­lo, mais do cons­cien­ti­zan­do e in­ves­tin­do mais na uma uma quan­to ou­tra te­ria o mesmo
que a for­ça da em­ba­la­gem no pon­ ques­tão da ima­gem, da atra­ção visual pa­drão de qua­li­da­de. Ao ana­li­sar um
to-de-ven­da, o que in­fluen­cia a de­ci­ que o pro­du­to cau­sa no con­su­mi­dor, pro­du­to do pon­to de vis­ta do mar­ke­
são de com­pra do con­su­mi­dor não e ne­nhu­ma fer­ra­men­ta é mais forte ting, ainda que seja na im­ple­men­ta­
será o pre­ço do pro­du­to? que o ró­tu­lo para isso. ção de uma nova em­ba­la­gem, é pre­
To­me­mos como exem­plo um con­su­ ci­so ava­liar mui­to bem seu de­sen­vol­
mi­dor co­mum, que vai ao su­per­mer­ Não sig­ni­fi­ca tam­bém que, as­sim, a vi­men­to, seu lançamento, a vida útil,
ca­do e pen­sa: “Pre­ci­so com­prar cer­ costumeira opção pelo pre­ço vai dar o pro­lon­ga­men­to da vida útil e o
ve­ja”. Ra­ros são os ca­sos em que se lu­gar à exigência de qua­li­da­de a de­clí­nio. Acho que no caso das gran­
vai com uma de­ter­mi­na­da mar­ca na qual­quer pre­ço? Para atender a des mar­cas de re­fri­ge­ran­te essa ação
ca­be­ça. Em fra­ções de segundo e uma expectativa de maior qua­li­da­de foi um pou­co tar­dia.
in­cons­cien­te­men­te ele com­pa­ra visual, os produtos não fi­carão mais
produtos, dis­po­ni­bi­li­da­de, va­rie­da­de, ca­ros e me­nos com­pe­ti­ti­vos? De cer­ta forma, a ba­na­li­za­ção de
aqui­lo que real­men­te quer e, fi­nal­ Uma mu­dan­ça drás­ti­ca é que o pa­drão ocor­re tam­bém no mercado
men­te, pre­ço. Pes­qui­sas mos­tram que “caro” está sen­do ava­lia­do no con­ de cer­ve­jas, não? Com o au­men­to
pre­ço, ao con­trá­rio do que mui­tos jun­to ge­ral. En­tão, o ró­tu­lo pas­sa a da ofer­ta e, ao mesmo tem­po, com a
pen­sam, é o quar­to item que o con­su­ ser ba­ra­to, quan­do se mede o retorno re­tra­ção da de­man­da, as cer­ve­ja­rias
mi­dor ava­lia. O segundo pon­to é a que vai dar, a pro­mo­ção que vai en­tra­ram em guer­ra de pre­ços, em

out 2000 • embalagemmarca – 9


pre­juí­zo de um bem pre­cio­so, que é ou Ap­plied Ce­ra­mic La­bel. Isso vi­dro. Aqui­lo cha­mou a aten­ção,
mar­ca. Mar­cas cen­te­ná­rias pas­sa­ acon­te­ce por­que a pro­du­ção de cer­ pois os de­sig­ners brin­ca­ram com
ram a con­cor­rer em pre­ço en­tre si e ve­ja lá é mui­to ver­ti­ca­li­za­da. O co­res, com ti­pos de le­tra di­fe­ren­tes,
com produtos novos, de mar­cas ini­ dono da cer­ve­ja­ria é dono tam­bém com ima­gens. Foi um su­ces­so.
cian­tes. Sem fa­lar de er­ros es­tra­té­ da vi­dra­ria, que por sua vez tem
gi­cos, o se­nhor não acha que uma equi­pa­men­tos de im­pres­são para No caso, a ro­tu­la­gem é fei­ta na
me­lho­ra da qua­li­da­de dos ró­tu­los ACL. E é as­sim há se­ten­ta anos. No linha de en­chi­men­to ou as gar­ra­fas
da­que­las mar­cas for­tes po­de­ria ter mercado me­xi­ca­no há cer­ve­jas de são for­ne­ci­das pré-ro­tu­la­das?
aju­da­do a im­pe­dir o que ocor­reu? mar­cas for­tes e embalagens de boa Nes­se caso es­pe­cí­fi­co não é fei­ta
Ao re­fe­rir-me à ba­na­li­za­ção da qua­li­da­de, como a Sol, mas há pela vi­dra­ria. As gar­ra­fas são ro­tu­la­
em­ba­la­gem não es­tou me re­fe­rin­do ou­tras em que a gar­ra­fa tem qua­li­ das no en­va­se. De­pois des­se pri­mei­
es­pe­ci­fi­ca­men­te ao for­ma­to pa­dro­ da­de de im­pres­são ruim. A Coors ro lançamento, a Coors tem hoje
ni­za­do que ela pos­sa ter, no caso com­pe­tia com aque­las cer­ve­jas com qua­tro mar­cas com auto-ade­si­vos. A
uma gar­ra­fa de vi­dro de 600ml, uma ten­dên­cia mun­dial é não haver mais
long neck ou uma lata. Aí pas­sa­mos embalagens pré-de­co­ra­das. Esse sis­
a de­sa­fiar a cria­ti­vi­da­de da empresa Mesmo com te­ma exi­ge manutenção de es­to­ques
que está lan­çan­do de­ter­mi­na­do pro­ da em­ba­la­gem do pro­du­to nú­me­ro
du­to. Esse de­sa­fio é mui­to sau­dá­vel, formato e aparência um, do nú­me­ro dois, do nú­me­ro
pois in­cen­ti­va pes­qui­sas para des­co­ similares, é possível três, do nú­me­ro qua­tro etc.
brir quais os re­cur­sos dis­po­ní­veis
para aju­dar a ti­rar aque­le pro­du­to da diferenciar os Pode ser per­fei­to para gar­ra­fas
ba­na­li­za­ção. Mes­mo com formato e produtos. Promoção one-way. Mas no Bra­sil 70% da cer­
apa­rên­cia si­mi­la­res é pos­sí­vel di­fe­ ve­ja pro­du­zi­da são acon­di­cio­na­dos
ren­ciar os produtos. É cla­ro que e anúncios sempre em gar­ra­fas de vi­dro re­tor­ná­veis,
pro­mo­ção, anún­cios, o mar­ke­ting que pas­sam por la­va­gens com
ajudarão a vender.
tra­di­cio­nal sem­pre aju­da­rão a ven­ produtos agres­si­vos. To­das uti­li­zam
der. Mas o que fun­cio­na mesmo é Mas o que funciona ró­tu­los de pa­pel, de cus­to in­sig­ni­fi­
di­fe­ren­ciar no pon­to-de-ven­da. Vol­ can­te no total. Usar auto-ade­si­vos
ta­mos en­tão ao ró­tu­lo, a ou­tras tec­
mesmo é diferenciar
cada vez que o re­ci­pien­te fos­se usa­
no­lo­gias que po­dem ser uti­li­za­das, os produtos no do não en­ca­re­ce­ria de­mais o pro­du­
como fa­zem mui­tas mar­cas mun­ to final?
diais. Exem­plo: em 1998, a Coors,
ponto-de-venda Há for­ne­ce­do­res que pos­suem ma­te­
uma mar­ca de cer­ve­ja mui­to forte riais auto-ade­si­vos com ade­si­vos
nos Es­ta­dos Uni­dos, con­se­guiu re­sis­ten­tes à la­va­gem e à pas­teu­ri­za­
au­men­tar suas ven­das sim­ples­men­te um visual não mui­to sa­lien­te, com ção por vá­rias vezes, sem per­da de
tro­can­do o ró­tu­lo de pa­pel com cola um ró­tu­lo que não se des­ta­ca­va. Era qua­li­da­de. São fei­tos jus­ta­men­te
por um auto-ade­si­vo trans­pa­ren­te e um ró­tu­lo de pa­pel pré-cor­ta­do, para gar­ra­fas re­tor­ná­veis. A ro­tu­la­
de forte ape­lo grá­fi­co. Num merca­ apli­ca­do com cola em gar­ra­fas one- gem auto-ade­si­va é mais cara, mas é
do que cres­ce de 2% a 4% ao ano, way, que é um mercado mui­to gran­ pre­ci­so considerar ou­tros re­cur­sos e
como o mercado nor­te-ame­ri­ca­no de lá. Pas­sou en­tão a usar um ade­si­ va­lo­res que ofe­re­ce. Ro­tu­lan­do a
de cer­ve­ja, em um ano a Coors vo al­ta­men­te trans­pa­ren­te, que em­ba­la­gem re­tor­ná­vel com auto-
au­men­tou em 9% as suas ven­das. É si­mu­la­va im­pres­são di­re­ta na gar­ra­ ade­si­vo, o cus­to fica in­fi­ni­ta­men­te
uma con­di­ção es­pe­ta­cu­lar para uma fa, uma ten­dên­cia mun­dial co­nhe­ci­ me­nor do que no sis­te­ma atual, em
mar­ca de cer­ve­ja es­pe­cí­fi­ca. da como no-la­bel look. O re­sul­ta­do que é pre­ci­so ro­tu­lar sem­pre.
grá­fi­co fi­cou su­pe­rior, com­bi­nou
Dá para des­cre­ver como o ró­tu­lo fle­xo­gra­fia com se­ri­gra­fia, que dá Du­ran­te a La­bel Expo, em Chi­ca­go,
era e como fi­cou? até uma no­ção de re­le­vo na ro­tu­la­ que o se­nhor vi­si­tou re­cen­te­men­te,
Na épo­ca, a Coors con­cor­ria com gem. Olhan­do a gar­ra­fa de per­to deu para ob­ser­var isso como ten­
mui­tas cer­ve­jas im­por­ta­das do per­ce­be-se que é um ró­tu­lo, pois dên­cia? Quais fo­ram as prin­ci­pais
Mé­xi­co. As cer­ve­jas me­xi­ca­nas têm no­tam-se as bor­das. Mas a meio ten­dên­cias, no­vi­da­des, opor­tu­ni­da­
uma par­ti­cu­la­ri­da­de: usam mui­to me­tro de dis­tân­cia, que é a dis­tân­cia des e amea­ças que o se­nhor no­tou?
em gar­ra­fas um sis­te­ma de de­co­ra­ de uma pra­te­lei­ra de su­per­mer­ca­do, Essa fei­ra é hoje a mais im­por­tan­te do
ção an­ti­go, pio­nei­ro, que é o ACL, a sen­sa­ção é de im­pres­são di­re­ta no mercado de ro­tu­la­gem mun­dial, mui­to

10 – embalagemmarca • out 2000


fo­ca­da no ramo de auto-ade­si­vo, mas no fu­tu­ro. Não acre­di­to. É cla­ro que bus­ca é bri­lho, apa­rên­cia, visual, alta
ha­via no­vi­da­des tam­bém em eti­que­ es­sas tec­no­lo­gias, que são di­fe­ren­ qua­li­da­de grá­fi­ca, per­de-se um pou­
tas em rolo e eti­que­tas pré-cor­ta­das. A tes e têm apli­ca­ções di­fe­ren­tes, vão co no sis­te­ma in-mold. O sis­te­ma
La­bel Expo é mui­to in­te­res­san­te para se cho­car em mui­tos pon­tos. Mas não é com­pe­ti­ti­vo com al­guns ou­tros
o con­ver­te­dor de eti­que­tas, pois as elas es­tão cres­cen­do em mercados sis­te­mas de ro­tu­la­gem, mas para as
gran­des em­pre­sas sem­pre apre­sen­tam que são cres­cen­tes e di­ver­gen­tes. embalagens ci­ta­das é mui­to ade­qua­
no­vi­da­des. To­dos os in­su­mos e equi­ Acre­di­to mui­to no alto crescimento, do.
pa­men­tos que um con­ver­te­dor uti­li­za nos pró­xi­mos cin­co anos, dos ró­tu­
es­tão lá, o que per­mi­te ver o que está los ter­mo-en­co­lhí­veis e ainda al­gu­ Na La­bel Expo hou­ve al­gu­ma ên­fa­
acon­te­cen­do em tec­no­lo­gia de pon­ta. ma coi­sa em in-mold, mas isto sem se em eti­que­tas de se­gu­ran­ça, seja
Dá para fazer com­pa­ra­ções. No Bra­ afe­tar de forma di­re­ta o crescimento para in­vio­la­bi­li­da­de da em­ba­la­
sil, o que o mercado de auto-ade­si­vos de auto-ade­si­vos, por exem­plo. gem, seja con­tra fur­to?
uti­li­za hoje em ter­mos de equi­pa­men­ Ba­si­ca­men­te, viu-se o de­sen­vol­vi­
tos são má­qui­nas fle­xo­grá­fi­cas de men­to de ade­si­vos es­pe­ciais que se
ban­da es­trei­ta, ge­ral­men­te de 10 po­le­ de­sin­te­gram ao ser sub­me­ti­dos a
ga­das de lar­gu­ra ou pró­xi­mas a isso, O consumidor de­ter­mi­na­dos am­bien­tes, ou en­tão
es­pe­cia­li­za­das em im­pres­são de auto- de fron­tais es­pe­ciais, de pa­pel ou
ade­si­vos, por exem­plo. Es­ses fa­bri­ passará com o fil­me, que mu­dam de cor se ex­pos­
can­tes, que tra­di­cio­nal­men­te for­ne­ carrinho de compras tos à luz ex­ter­na. Exis­te uma mo­bi­
cem para o mercado de auto-ade­si­vos, li­za­ção mui­to gran­de, mas cer­ta
es­tão lan­çan­do má­qui­nas di­fe­ren­cia­ sob um arco, com seu in­de­ci­são nes­se mercado. Es­tão
das, de lar­gu­ra um pou­co maior. cartão de crédito no ati­ran­do para mui­tos la­dos, sem ter
Como um chis­te es­tão sen­do cha­ma­ ainda uma so­lu­ção es­pe­cí­fi­ca. Mui­
das de má­qui­nas de ban­da mé­dia, bolso. Um chip na eti- tas em­pre­sas es­tão tra­ba­lhan­do na
in­ter­me­diá­ria en­tre o que exis­te hoje, queta dos produtos tec­no­lo­gia da ho­lo­gra­fia, que
que são a ban­da es­trei­ta e a ban­da lar­ deverá ter pa­pel im­por­tan­te. Uma
ga, de apro­xi­ma­da­men­te 1 me­tro. permitirá registrar ten­dên­cia que está se con­cre­ti­zan­
Uma ten­dên­cia que já ti­nha sido vis­ta do é a das eti­que­tas de rá­dio-fre­
tudo o que está no
an­tes, a com­bi­na­ção de fle­xo­gra­fia na qüên­cia, em­bo­ra ainda seja um
mes­ma má­qui­na com se­ri­gra­fia e off- carrinho e o número mercado a ser de­sen­vol­vi­do. As
set ro­ta­ti­vo, se evi­den­ciou mui­to nes­ eti­que­tas de rá­dio-fre­quên­cia são
do cartão
sa fei­ra. São má­qui­nas que po­dem im­por­tan­tes para mui­tas ou­tras coi­
im­pri­mir des­de car­tões ou auto-ade­si­ sas, não só para se­gu­ran­ça. Hoje há
vos já su­por­ta­dos até fil­mes fi­nos sem O in-mold não vai um pou­co con­tra a preo­cu­pa­ção de ro­tu­lar o pro­du­to
su­por­te para o mercado de wrap- a ten­dên­cia de não man­ter es­to­ques com o que vai “subs­ti­tuir” o có­di­go
around. A seg­men­ta­ção, em que de embalagens pré-ro­tu­la­das? de bar­ras ou adi­cio­nar ao có­di­go de
produtos de uma mes­ma ca­te­go­ria ou É ver­da­de, mas ele tem crescimento bar­ras in­for­ma­ções so­bre o pro­du­
mar­ca mul­ti­pli­cam sa­bo­res, co­res, em al­guns ni­chos es­pe­cí­fi­cos, em to. No fu­tu­ro o con­su­mi­dor vai
está exi­gin­do uma im­pres­são com mercados que não têm va­ria­ções pas­sar com o car­ri­nho de su­per­
mais jogo de cin­tu­ra, que pos­sa ter mui­to gran­des de em­ba­la­gem, como mer­ca­do em­bai­xo de um arco, com
ti­ra­gens me­no­res com a mes­ma qua­li­ o de óleos lu­bri­fi­can­tes, de con­su­ seu car­tão de cré­di­to no bol­so. Um
da­de, mas com cus­to mais com­pe­ti­ti­ mos al­tís­si­mos e pou­ca ne­ces­si­da­de chip na eti­que­ta dos produtos vai
www.embalagemmarca.com.br

vo. Creio que en­tra­rá essa ten­dên­cia e de mu­dan­ça na em­ba­la­gem. Os per­mi­tir que se re­gis­tre tudo o que
mo­di­fi­ca­rá al­guns ve­lhos con­cei­tos ma­nu­seios um pou­co vio­len­tos des­ está no car­ri­nho, o nú­me­ro do car­
do mercado. ses ma­te­riais con­tri­buem para re­for­ tão de cré­di­to, o dé­bi­to já es­ta­rá
çar o po­ten­cial de crescimento lo­ca­ fei­to. O crescimento mun­dial da
Que tec­no­lo­gias se fir­ma­rão mais? li­za­do do in-mold la­bel. Pro­du­tos de eti­que­ta, qual­quer que seja a tec­no­
Vejo um crescimento gran­de em lim­pe­za pe­sa­da tam­bém cons­ti­tuem lo­gia, se deve e se deverá ao fato
ró­tu­los ter­moen­co­lhí­veis, quer seja um mercado sem va­ria­ção mui­to de, além de ser um veí­cu­lo de mar­
de PVC slee­ve ou BOPP wrap- gran­de, com embalagens in­dus­triais. ke­ting, es­tar se trans­for­man­do, em
around, ou o que seja. Já me per­ Quan­do se fala em qua­li­da­de grá­fi­ca fu­tu­ro pró­xi­mo, num veí­cu­lo de
gun­ta­ram se acho que o ter­moen­co­ e em ape­lo visual se está fa­lan­do se­gu­ran­ça e de in­for­ma­ções con­so­
lhí­vel vai subs­ti­tuir o auto-ade­si­vo mais de in-mold la­bel. Se o que se li­da­das numa só fer­ra­men­ta.
12 – embalagemmarca • set 2000
CAPA

o sorveteiro
sumiu
Entre suas múltiplas funções, embalagens de sorvete são vendedoras

v
Guilherme Kamio

em che­gan­do o ve­rão. A pri­ma­ve­ra, pre­ “O se­tor está se mo­vi­men­tan­do mais do que nun­
nún­cio de que o ca­lor está por vir, ele­va ca para aca­bar com esse es­tig­ma”, con­ta Rei­nal­do
a adre­na­li­na das em­pre­sas que apos­tam Ma­lan­drin, di­re­tor de co­mu­ni­ca­ções do Sicongel,
tudo na es­ta­ção mais quente do ano para Sin­di­ca­to da In­dús­tria Ali­men­tar de Con­ge­la­dos,
fa­tu­rar alto. É hora de dar os re­to­ques fi­nais nas Su­per­con­ge­la­dos, Sor­ve­tes, Con­cen­tra­dos e Lio­fi­li­
estratégias tra­ça­das para al­can­çar me­tas num ar­di­lo­ za­dos no Es­ta­do de São Pau­lo. Mais ainda depois de
so jogo de tiro cur­to, a es­pe­ran­ça de pelo
que se evidencia me­nos che­gar per­to do
sobretudo no mais con­su­mo per ca­pi­ta de
em­ble­má­ti­co dos mer­ paí­ses como a Di­na­mar­
cados en­vol­vi­dos por ca, que ape­sar do cli­ma
esse boom sa­zo­nal, o de frio fica na casa dos 17
sor­ve­tes e pi­co­lés. li­tros anuais, con­tra
Para as em­pre­sas que in­sos­sos 2 li­tros consu­
atuam nessa categoria midos no Brasil, ter sido
de produtos, o mo­men­to aba­la­da por que­das no
é mais que crí­ti­co, já volume ven­di­do nos úl­ti­
que o faturamento obti­ mos dois anos. A cul­pa é
do no verão tem pra­ti­ca­ de­po­si­ta­da em fe­nô­me­
men­te a obri­ga­ção de nos como El Niño e La
sus­ten­tar o em­preen­di­ Niña, que nos pre­sen­tea­
men­to ao lon­go do ano. ram com chu­vas cons­
Passado o período de tan­tes em janeiro e fe­ve­
calor forte, as ven­das rei­ro de 1999 e de 2000,
des­pen­cam as­sus­ta­do­ra­ afu­gen­tan­do os consum­
men­te, pois, ao con­trá­ idores do pro­du­to.
rio de eu­ro­peus e nor­te- Mas como la­men­tar
ame­ri­ca­nos, os bra­si­lei­ não adian­ta, o im­por­tan­
ros não en­ca­ram o pro­ te é apro­vei­tar o mo­men­
du­to como alimento nu­tri­ti­vo, adequado a qual­quer to enquanto as trans­for­ma­ções não ocor­rem. E den­tro
si­tua­ção, e sim como gu­lo­sei­ma para re­fres­car os des­se segmento, de­pen­den­te da com­pra por im­pul­so,
qua­ren­ta graus à som­bra. A in­dús­tria do sor­ve­te fica a em­ba­la­gem cum­pre pa­pel de­ci­si­vo na ala­van­ca­gem
como o fo­lião de car­na­val: sabe que in­fe­liz­men­te a de ven­das, atrain­do o con­su­mi­dor. Além de des­per­tar
fes­ta tem data para aca­bar. a aten­ção e o appetite appeal, o pote, a flow-pack, o

14 – embalagemmarca • out 2000


Em picolés, predomínio
das embalagens flexíveis A mas­sa é do pa­pe­lão
do tipo flow-pack O segmento de sor­ve­tes a gra­nel, ou bulk, também pre­ci­
sa de embalagens ade­qua­das ao trans­por­te e à ex­po­si­ção
nos pon­tos-de-ven­da. A so­lu­ção para o se­tor vem sen­do
usar embalagens des­car­tá­veis de pa­pe­lão on­du­la­do, que
eli­mi­nam cus­tos com fre­te de retorno e são ex­tre­ma­men­te
prá­ti­cas. A Kpack, por exem­plo, for­ne­ce caixas com­pos­tas
de duas ca­pas de pa­pel kraft com mio­lo de onda bai­xa. O
re­fil é com­pos­to de uma capa de pa­pe­lão mi­croon­du­la­do e
uma capa bran­ca de pa­pel, mais uma ca­ma­da ex­tru­da­da
de fil­me de po­lie­ti­le­no de bai­xa den­si­da­de. Tais cai­xas
es­tão dis­po­ní­veis para os vo­lu­mes de 5 e 10 li­tros.
Se­gun­do Pau­lo Sér­gio de Chec­chi, ven­de­dor téc­ni­co da
car­tu­cho ou o copo de sor­ve­tes de mas­sa e pi­co­lés Kpack, uma gran­de van­ta­gem na uti­li­za­ção da em­ba­la­
tam­bém têm de pro­te­ger na dis­tri­bui­ção e no ca­mi­nho gem de pa­pe­lão é que é for­ne­ci­da des­mon­ta­da, de modo
até o lar. a otimizar o trans­por­te. Na uni­da­de do clien­te, ela é
Aci­ma de tudo, a em­ba­la­gem atraen­te e pro­te­to­ra ar­ma­da “com um leve to­que”, nas pa­la­vras de Chec­chi, e
é uma das fer­ra­men­tas mais im­por­tan­tes para dei­xar a tem­pe­ra­tu­ra do pro­du­to é man­ti­da pela ação do mio­lo
mi­croon­du­la­do. Mar­cas de sor­ve­tes como Tia Cida,
cla­ra a ex­ce­lên­cia do pro­du­to, num segmento em que
Ve­rão, Es­ki­mil-Es­ki­mo­ni, Buon Ge­la­to e SP Ice, já as uti­
mar­cas re­gio­nais – “e di­ver­sas in­for­mais, para não
li­zam. “Essas caixas são efi­cien­tes no em­pi­lha­men­to e
di­zer clan­des­ti­nas”, aler­ta Ma­lan­drin – abo­ca­nham nos tra­zem poucas per­das”, con­ta Re­gi­nal­do Mar­tins,
fa­tias pre­cio­sas de mercado. É o fe­nô­me­no da “tu­bai­ só­cio-ge­ren­te da Tia Cida.
ni­za­ção” presente mais uma vez. “Mon­tar uma linha Em­ba­la­gens si­mi­la­res são co­mer­cia­li­za­das com su­ces­so
de pro­du­ção de sor­ve­tes está cada vez mais fá­cil, até pela Li­po­quí­mi­ca, ba­sea­da em Nova Odes­sa (SP). Além
mesmo no que se re­fe­re a li­nhas de em­ba­la­gem”, afir­ dos ta­ma­nhos pa­drão, para 5 e 10 li­tros, a empresa for­
ma o di­re­tor de co­mu­ni­ca­ções do sin­di­ca­to. “Por isso, ne­ce cai­xas para 7 e 2 li­tros, ar­ma­das ma­nual­men­te.
embalagens mo­der­nas e di­fe­ren­cia­das são alia­das Au­to­ri­za­das pelos ór­gãos com­pe­ten­tes, as cai­xas são
im­por­tan­tes para o re­co­nhe­ci­men­to da mar­ca.” re­ves­ti­das in­ter­na­men­te com po­lie­ti­le­no ou pa­pel-car­tão
plas­ti­fi­ca­do, para acon­di­cio­na­men­to direto do pro­du­to.
Van­ta­gem visual e pro­du­ti­va – Além dos São con­su­mi­das pela La Bas­que e por ou­tros pro­du­to­
res de sor­ve­tes. “Elas aju­dam mui­to na con­ser­va­ção da
as­pec­tos de mar­ke­ting, as preo­cu­pa­ções com o pa­pel
tem­pe­ra­tu­ra do pro­du­to”, con­ta An­dréia Mar­qui­zet­ti,
da em­ba­la­gem de sor­ve­te na pro­te­ção e na dis­tri­bui­
ge­ren­te co­mer­cial da Li­po­quí­mi­ca.
ção vêm sen­do cres­cen­tes nos úl­ti­mos anos. “Hou­ve Já a Ri­ge­sa Wes­tva­co, um jo­ga­dor de grande por­te no
trans­for­ma­ções sen­sí­veis, como a pas­sa­gem dos po­tes mercado de embalagens de pa­pe­lão on­du­la­do e pa­pel-
car­tão, pre­ten­de am­pliar sua pe­ne­tra­ção nes­se mercado.
Quem toma mais sorvete Da­niel­le Pon­ter Sa­rai­va, da área de de­sen­vol­vi­men­to de
produtos fri­go­ri­fi­ca­dos da empresa, fri­sa que o ob­je­ti­vo é
(consumo per capita em litros por ano)
“aten­der esse mercado por meio
ESTADOS UNIDOS 22,0 de pro­je­tos cus­to­mi­zá­veis, de
DINAMARCA 17,0 acor­do com a ne­ces­si­da­de do
clien­te”. Há tam­bém pla­nos da
SUÉCIA 13,7 Ri­ge­sa para au­men­tar o for­ne­ci­
FINLÂNDIA 13,0 men­to de seu pa­pe­lão, que leva
ITÁLIA 13,6 mas­sa di­fe­ren­cia­da e tra­ta­men­tos
es­pe­ciais para atuar em am­bien­
NORUEGA 12,8 tes fri­go­ri­fi­ca­dos, jun­to a trans­for­
ESPANHA 6,0 ma­do­res es­pe­cia­li­za­dos em cai­
INGLATERRA 6,0 xas para sor­ve­tes. “Que­re­mos
ge­rar in­te­gra­ção para de­sen­vol­ver
CHILE 4,6 so­lu­ções pro­gres­si­va­men­te
ARGENTINA 4,1 me­lho­res em embalagens para
URUGUAI 3,3 con­ge­la­dos e fri­go­ri­fi­ca­dos”, con­
ta Fá­bio Pe­rei­ra, do de­par­ta­men­to
BRASIL 2,6 de mar­ke­ting da Ri­ge­sa Westvaco.
fonte: sicongel

out 2000 • embalagemmarca – 15


re­don­dos para os re­tan­gu­la­res e a in­tro­du­ção de tam­ Produto Kibon
pas au­to­la­cran­tes no segmento doméstico, a ado­ção direcionado a
das cai­xas de pa­pe­lão on­du­la­do para as ven­das a gra­ jovens (à esq.)
e linha de baix­
nel e a subs­ti­tui­ção do pa­pel re­ves­ti­do por fil­mes de as calorias da
po­li­pro­pi­le­no nos pi­co­lés”, enu­me­ra Ma­lan­drin. Nestlé
No caso dos pi­co­lés, a mu­dan­ça de­fi­ni­ti­va­men­te
pe­gou. “O po­li­pro­pi­le­no per­mi­tiu in­cre­men­to de ape­
lo visual da em­ba­la­gem através da uti­li­za­ção de fil­
mes pe­ro­li­za­dos com alto bri­lho, fil­mes me­ta­li­za­dos
e até mesmo fil­mes trans­pa­ren­tes”, co­men­ta Adria­na
Pe­rei­ra Col­la­res, con­sul­to­ra de mar­ke­ting da Vo­to­cel,
uma das prin­ci­pais for­ne­ce­do­ras de fil­mes para
embalagens de pi­co­lés. “Vale res­sal­tar a in­te­gri­da­de
da em­ba­la­gem de BOPP (po­li­pro­pi­le­no bi-orien­ta­do)
mesmo quando sub­me­ti­da por mais de doze me­ses a
tem­pe­ra­tu­ras bai­xís­si­mas, re­sul­ta­do de de­sen­vol­vi­ lés trou­xe van­ta­gens ine­gá­veis em cus­to ao lon­go do
men­tos de tin­tas e ver­ni­zes”, lem­bra Adria­na. pro­ces­so, as­pec­to es­sen­cial para a pro­du­ção de uma
“A em­ba­la­gem de pa­pel era sem vida, e a de po­li­ com­mo­dity”, ar­gu­men­ta.
pro­pi­le­no, além de ofe­re­cer uma es­tru­tu­ra me­lhor, Se­gun­do ele, uma ten­dên­cia in­ci­pien­te para os
trans­for­mou-se num veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção mui­to pi­co­lés é a se­la­gem a frio, que a Em­pax dis­po­ni­bi­li­za
forte, pe­las van­ta­gens vi­suais”, acre­di­ta José An­tô­nio sob a mar­ca Seal­pax. Parra con­ta que o pro­ces­so pode
Ru­fa­to, do mar­ke­ting da Vi­to­pel-Kop­pol, ou­tra for­ ge­rar ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de de até 30% nas li­nhas
ne­ce­do­ra de peso dos fil­mes de BOPP para pi­co­lés. de pro­du­ção de pi­co­lés. Como a se­la­gem da flow-
“Já é uma ten­dên­cia fir­me­men­te con­so­li­da­da”, ates­ta pack é pon­to crí­ti­co para o su­ces­so do pro­du­to no
An­tô­nio Adão Par­ra, di­re­tor in­dus­trial da con­ver­te­do­ mercado, os for­ne­ce­do­res de fil­mes es­tão de olho
ra Em­pax, que aten­de a Ki­bon, lí­der no segmento, nes­se as­pec­to. A Ex­xon­Mo­bil Films, que afirma li­de­
com 54% de sha­re, segundo da­dos AC Niel­sen. “A rar o for­ne­ci­men­to de es­tru­tu­ras fle­xí­veis para pi­co­lés
in­tro­du­ção do po­li­pro­pi­le­no para acondicionar pi­co­ no mercado nor­te-ame­ri­ca­no, de­sen­vol­veu o WOS-2,
fil­me de po­li­pro­pi­le­no com am­pla fai­xa de se­la­gem,
que com­preen­de tem­pe­ra­tu­ras a partir de 93º C, bai­xa
Mu­dan­ça es­tra­té­gi­ca para os pa­drões do mercado.
A Nes­tlé aca­ba de pro­mo­ver uma sen­sí­vel trans­for­ma­ção Esse fil­me oferece dois outros apelos. Um é a
na sua di­vi­são de sor­ve­tes, mu­dan­do a iden­ti­da­de da adap­ta­ção a li­nhas ve­lo­zes de pro­du­ção, em má­qui­nas
Yopa para Uni­da­de de Sor­ve­tes Nes­tlé. O lo­go­ti­po e as
embalagens de to­dos os produtos es­tão de cara nova,
com o ob­je­ti­vo de “de­sen­vol­ver uma per­cep­ção cla­ra da
mar­ca como um todo, trans­fe­rin­do os va­lo­res agre­ga­dos
da mar­ca-mãe Nes­tlé per­ce­bi­dos pelos consumidores –
qua­li­da­de, con­fian­ça e tra­di­ção – àqueles de que a Yopa
já des­fru­ta­va: ale­gria, jo­via­li­da­de e des­con­tra­ção”, diz o
in­for­me ofi­cial da empresa. Ou­tra meta da mu­dan­ça é
aten­der às de­man­das ge­ra­das pela glo­ba­li­za­ção. “Com a
pa­dro­ni­za­ção da mar­ca, os produtos po­de­rão ser ex­por­
ta­dos e im­por­ta­dos fa­cil­men­
te”, diz o ge­ren­te da Uni­da­de
de Sor­ve­tes Nes­tlé, Fer­nan­do
Fo­ron­da. “O lo­go­ti­po man­terá
o for­ma­to ori­gi­nal e as co­res
sím­bo­los da mar­ca, que são o
ver­me­lho e o azul”, ex­pli­ca o
ge­ren­te. As embalagens dos
23 novos produtos da empre­
sa para o ve­rão de 2001 já tra­ Potes rígidos
zem a nova mar­ca. da Poly-Vac

16 – embalagemmarca • out 2000


de em­ba­la­gem do tipo mul­ti-lane, que pro­ces­sam
vá­rias uni­da­des ao mesmo tem­po, Outro é o di­fe­ren­
cial em ren­di­men­to, pois é ca­vi­ta­do, ou seja, ob­ti­do a
partir de um pro­ces­so com so­pro de ar na for­ma­ção
do fil­me bran­co. “Isso per­mi­te uma es­tru­tu­ra mais
leve, ape­sar de a es­pes­su­ra ser a mes­ma uti­li­za­da
como pa­drão no mercado”, ex­pli­ca Ro­sia­ne Ba­si­le
Die­gues, es­pe­cia­lis­ta da Ex­xon­Mo­bil.

Rí­gi­dos tam­bém in­ves­tem – Ou­tro mercado


ape­ti­to­so para a linha de­di­ca­da ao va­re­jo de im­pul­so é

Es­pe­cial para co­di­fi­ca­ção a frio


Co­ber­tos por con­den­sa­ção de água durante o pro­ces­
so de co­di­fi­ca­ção, produtos con­ge­la­dos, como sor­ve­
tes, cos­tu­mam pro­por­cio­nar pro­ble­mas de ade­rên­cia
de tin­ta. Para aca­bar com esse tipo de trans­tor­no, a
bri­tâ­ni­ca Linx Prin­ting Tech­no­lo­gies, re­pre­sen­ta­da no
Bra­sil pela Nytek So­lu­ções, está apre­sen­tan­do a nova
Tin­ta Pre­ta para Pro­ces­sos Úmi­dos.
De­sen­vol­vi­da es­pe­cial­men­te para co­di­fi­car produtos
que ume­de­cem an­tes ou após o pro­ces­so de co­di­fi­ca­
ção, a tin­ta per­mi­te a im­pres­são por meio de uma fina
ca­ma­da de umi­da­de para pro­por­cio­nar men­sa­gens
le­gí­veis de até qua­tro li­nhas. Quan­do seca, re­sis­te a
re­mo­ções por fric­ção ou con­ta­to com água, mas pode
ser eli­mi­na­da por la­va­gem com ál­ca­li di­luí­do. O produ­
to fun­cio­na tan­to em pro­ces­sos de en­va­se a frio quan­
to a quen­te, para as in­dús­trias de alimentos e be­bi­das.
Caso haja ex­ces­so de umi­da­de no mo­men­to da co­di­fi­
ca­ção, um jato de ar se en­car­re­ga de ga­ran­tir apli­ca­ção
efi­cien­te. Tal tin­ta é for­mu­la­da para uso com o pa­drão
de im­pres­so­ras CIJ (jato con­tí­nuo de tin­ta) da Linx,
com ca­be­ço­te de im­pres­são MIDI.
o dos sor­ve­tes ven­di­dos em co­pos e po­tes. A Ki­bon,
tra­di­cio­nal fa­bri­can­te de sor­ve­tes con­tro­la­da pelo gru­
po an­glo-ho­lan­dês Uni­le­ver (Gessy Le­ver no Bra­sil),
quer ge­rar im­pac­to com a em­ba­la­gem do novo Big Cup
– um copo di­fe­ren­cia­do e ex­clu­si­vo, for­ne­ci­do pela
HVL Bras­ho­lan­da. “Ele é di­ri­gi­do ao pú­bli­co jo­vem,
que gos­ta de ‘co­mer mais por me­nos’, por isso a em­ba­
la­gem é maior, com de­sign ade­qua­do aos olhos des­sa
ge­ra­ção”, afir­ma Car­los Eduar­do Zi­ra­vel­lo, ge­ren­te de
de­sen­vol­vi­men­to de embalagens da Ki­bon.
Os sor­ve­tes em mas­sa ven­di­dos em por­ções in­di­
vi­duais com­preen­dem um se­tor es­tra­té­gi­co para a
Nes­tlé, que ob­te­ve mui­to su­ces­so com sua linha Sem
Pa­rar. A empresa, que é lí­der no segmento de sor­ve­
tes tipo copo, está lan­çan­do o Sem Pa­rar Cro­can­te e La Basque: embalagem para
o Copo Light, este úl­ti­mo para com­ple­men­tar a linha comunicar o posicionamento premium
de bai­xas calorias da empresa, que tam­bém con­ta
com po­tes de 450ml. de sua nova mar­ca Sor­ve­tes Nes­tlé (ver qua­dro), uti­
Aliás, os po­tes para gran­des vo­lu­mes, de­di­ca­dos li­za ex­clu­si­vos po­tes plás­ti­cos re­tan­gu­la­res fa­bri­ca­dos
ao con­su­mo no lar, que con­fi­gu­ram o mercado do pela Plás­ti­cos Re­gi­na, en­vol­tos com lu­vas de pa­pel-
Leve Para Casa, tam­bém me­re­cem aten­ção es­pe­cial car­tão, que di­fe­ren­ciam sa­bo­res e cum­prem o pa­pel de
dos prin­ci­pais fornecedores, de cujas fábricas pu­lu­ atrair pelo visual. Zi­ra­vel­lo, da Ki­bon, con­ta que a
lam no­vi­da­des nes­ta épo­ca. Não fal­tam op­ções em empresa con­so­me embalagens rí­gi­das da Di­xie-Toga,
embalagens para essa linha, que pre­co­ni­za pra­ti­ci­da­ da HVL Bras­ho­lan­da e da Door­mann. En­tre os des­ta­
de e pro­te­ção no trans­por­te do pro­du­to do pon­to-de- ques, há po­tes de sor­ve­tes Ki­bon que po­dem ir ao
ven­da até o free­zer do con­su­mi­dor. A Nes­tlé, através for­no mi­croon­das, na fun­ção des­con­ge­lar. “Os consu­
midores gos­tam de rea­pro­vei­tar as embalagens”,
Aço quer re­to­ma­da observa Zi­ra­vel­lo.
Ou­tro­ra pre­sen­ça cons­tan­te no segmento Leve Para
Casa, as embalagens de aço per­de­ram es­pa­ço para os Potes “telescopáveis” – Já a La Bas­que, que atua
po­tes plás­ti­cos, e hoje ra­ra­men­te são vis­tas acon­di­cio­ no segmento de sor­ve­tes pre­mium, opta pelos po­tes
nan­do sor­ve­tes. En­tre­tan­to, o se­tor que tra­ba­lha com o ter­mo­for­ma­dos da Poly-Vac, empresa que aten­de o
ma­te­rial es­pe­ra por uma re­to­ma­da, con­tan­do com uma mercado des­de o final da década de 1970. Com base
alia­da de­ci­si­va: a opi­nião do con­su­mi­dor. “Exis­te uma em po­li­pro­pi­le­no, os po­tes da Poly-Vac po­dem ter
iden­ti­fi­ca­ção mui­to gran­de do ma­te­rial com os sor­ve­tes, di­ver­sos for­ma­tos e se en­cai­xar em di­ver­sos vo­lu­mes.
segundo per­ce­be­mos em pes­qui­sas”, con­ta Adria­na “A par­ti­ci­pa­ção do mercado de sor­ve­tes em nos­sa pro­
Stec­ca, ge­ren­te de mar­ke­ting de embalagens da CSN – du­ção vem au­men­tan­do a cada ano, com a entrada de
Com­pa­nhia Si­de­rúr­gi­ca Na­cio­nal.
novos clien­tes e produtos”, con­ta Pau­lo Eduar­do Ber­
Se­gun­do Adria­na, o segmento de sor­ve­tes é mais um
nar­des Sil­va, ge­ren­te de mar­ke­ting da empresa. En­tre
ca­rac­te­ri­za­do pela “ge­ne­ra­li­za­ção de embalagens”, que
ge­rou per­da sig­ni­fi­ca­ti­va de valor de mar­ca. “Ao ras­trear
di­ver­sas van­ta­gens, como im­pres­são em até seis co­res,
esse mercado, num tra­ba­lho ini­cia­do no ano pas­sa­do, tam­pas co­lo­ri­das e a reciclabilidade do po­li­pro­pi­le­no,
sen­ti­mos que o con­su­mi­dor real­men­te acha­va que a Sil­va destaca o fato de os potes serem “telescopáveis”.
em­ba­la­gem me­tá­li­ca pas­sa­va a idéia de no­bre­za”, ela Isso, segundo ele, fa­vo­re­ce o trans­por­te e resulta em
co­men­ta. A ver­da­de é que os potes de de aço tra­ziam o significativa redução no es­pa­ço de es­to­ca­gem.
forte ape­lo da reu­ti­li­za­ção, fato evidente pela va­rie­da­de Para re­for­çar a per­cep­ção pre­mium de seu pro­du­
de te­mas que tra­ziam li­to­gra­fa­dos. Adriana Stecca obser­ to, a La Bas­que en­vol­ve os po­tes em car­tu­chos de
va que, além da ques­tão de cus­to, pro­ble­mas de oxi­da­ papel-car­tão. “Eles sal­tam aos olhos do con­su­mi­dor”,
ção de­vem ter sido fun­da­men­tais para o de­su­so do aço. diz o ge­ren­te da área de de­sen­vol­vi­men­to de produtos
Entretanto, lembra, hou­ve uma sé­rie de evo­lu­ções incor­ da La Bas­que, Car­los Al­ber­to Gua­dag­no­li. Ele adian­
poradas à cha­pa de aço que transformam a em­ba­la­gem
ta que o gran­de de­se­jo de seu de­par­ta­men­to é usar a
feita desse material numa op­ção viá­vel e atraen­te. “Há
ro­tu­la­gem in-mold para os po­tes rí­gi­dos, tec­no­lo­gia
re­ves­ti­men­tos e en­ver­ni­za­men­tos que tornam as embala­
gens to­tal­men­te ade­qua­das a sor­ve­tes”, diz Adriana.
que lhe cau­sou óti­ma impressão. “Mas por enquanto
é uma tec­no­lo­gia cara e de di­fí­cil aces­so”, la­men­ta.

18 – embalagemmarca • out 2000


An­tô­nio Par­ra, da Em­pax, tam­bém crê que o sis­te­ma,
que fun­de o ró­tu­lo ao pote no mo­men­to da for­ma­ção,
é uma ten­dên­cia for­tís­si­ma e “pode se di­fun­dir num
fu­tu­ro bre­ve” (ver reportagem na página 20).

Linha descartável – Ou­tra op­ção in­te­res­san­te em


po­tes para o lar é mos­tra­da pela Slim, que uti­li­za em
seus sor­ve­tes so­lu­ção for­ne­ci­da pela Ken­ti­nha, co­nhe­
ci­da fa­bri­can­te de embalagens para alimentos. Tra­ta-se
de uma linha de des­car­tá­veis, fa­bri­ca­da com car­tão fri­
go­ri­fi­ca­do da Ri­pa­sa, que re­sis­te a bai­xas tem­pe­ra­tu­ras.
“O car­tão é re­ves­ti­do in­ter­na e ex­ter­na­men­te com po­lie­
ti­le­no, per­mi­tin­do óti­ma qua­li­da­de de im­pres­são para
pro­ces­sos em off-set, ro­to­gra­vu­ra e fle­xo­gra­fia”, co­men­
ta Hen­ri­que Pe­rei­ra Ma­cha­do, do de­par­ta­men­to de mar­
ke­ting da Ken­ti­nha. Os po­tes po­dem ser la­cra­dos com
um selo de alu­mí­nio es­pe­cial, além de terem so­bre­tam­
pa plás­ti­ca ou de car­tão, ga­ran­tin­do a qua­li­da­de e pre­
ser­van­do as ca­rac­te­rís­ti­cas do pro­du­to. Tais po­tes
po­dem ser en­con­tra­dos nos ta­ma­nhos 500ml e 150ml.
“Mas há a pos­si­bi­li­da­de de tra­ba­lho com ou­tros for­ma­
tos e vo­lu­mes”, fri­sa Hen­ri­que.
Essa fre­né­ti­ca mo­vi­men­ta­ção de for­ne­ce­do­res e
con­ver­te­do­res para ga­ran­tir va­rie­da­de e ape­los van­ta­
jo­sos à in­dús­tria de sor­ve­tes só con­fir­ma a im­por­tân­
www.embalagemmarca.com.br

cia que o segmento vem atin­gin­do para a ca­deia de


embalagens. “O bi­nô­mio pro­du­to/em­ba­la­gem está
cada vez mais in­ter­li­ga­do”, in­ter­pre­ta Zi­ra­vel­lo, da
Ki­bon, que en­fa­ti­za a im­por­tân­cia do cen­tro de in­for­
ma­ções in­ter­no, encarregado de fazer ex­pe­riên­cias e
pes­qui­sas cons­tan­tes em embalagens. “Em to­das as
li­nhas, a em­ba­la­gem deve pre­ser­var o pro­du­to, ser
prá­ti­ca, hi­giê­ni­ca e re­ci­clá­vel”, pon­ti­fi­ca Zi­ra­vel­lo.
Ou seja, a em­ba­la­gem deve ser tudo, até mesmo as­su­
mir o pa­pel de sor­ve­tei­ro. Aliás, por onde eles
an­dam?

Potes em cartão frigorificado da Kentinha


etiqueta
RÓTULOS

além da

e
In mold e tampografia são boas alternativas para se diferenciar

xis­tem mui­to mais pos­ ofe­re­cer al­gum ser­vi­ço nes­se sen­


si­bi­li­da­des de de­co­ra­ ti­do, Em­ba­la­gem­Mar­ca dá pros­
ção do que faz su­por o se­gui­men­to à co­ber­tu­ra do seg­
uni­ver­so da ro­tu­la­gem. mento de ró­tu­los, que nas duas
Quem uti­li­za embalagens tem hoje edi­ções an­te­rio­res di­ri­giu o foco
à dis­po­si­ção um nú­me­ro bem maior para auto-ade­si­vos, pa­péis com e
de al­ter­na­ti­vas para tor­ná-las mais sem me­ta­li­za­ção e ter­moen­co­lhí­
atraen­tes do que ape­nas a apli­ca­ção veis de di­fe­ren­tes ma­te­riais. Nes­ta
de eti­que­tas, seja com cola, por edi­ção são abor­da­dos a tam­po­gra­
auto-ade­si­va­ção ou por en­vol­vi­ fia e o in mold.
men­to (slee­ves, ou man­gas).
O es­sen­cial, ao ele­ger-se qual­ Rótulo que não sai
quer das op­ções dis­po­ní­veis, é A de­co­ra­ção in mold, que con­sis­te
con­si­de­rar se ela con­tri­bui­rá para em in­se­rir um ró­tu­lo no mol­de no
que a em­ba­la­gem cum­pra suas mo­men­to da in­je­ção ou do so­pro
prin­ci­pais fun­ções mer­ca­do­ló­gi­ da em­ba­la­gem, é uma boa op­ção de
cas, que são ven­der o pro­du­to e de­co­ra­ção para gran­des vo-lumes
va­lo­ri­zar a mar­ca. Na ten­ta­ti­va de ou for­ma­tos ir­re­gu­lares. Nos paí­ Rótulos in mold da Multilabel

Auto-adesivos para tiragens médias e pequenas


Só não ex­pe­ri­men­ta usar ró­tu­lo seus ró­tu­los de­fi­ni­ti­vos, além de em mí­dia re­mo­ví­vel como um dis­
auto-ade­si­vo quem não quer. O via­bli­zar a ex­por­ta­ção com ró­tu­ co CD-R, pode ser pro­du­zi­do em
ve­lho pro­ble­ma das pe­que­nas pro­ los em idio­mas di­fe­ren­tes e pro­ até 24 ho­ras em vá­rios sis­te­mas
du­ções para tes­tes, com os al­tos mo­ções re­gio­nais”, con­si­de­ra. de aca­ba­men­to, como hot stam­
cus­tos que re­pre­sen­ta­vam, está Set­ton ga­ran­te que um pro­je­to de ping, ver­niz UV, su­per bri­lho e
su­pe­ra­do. A Set­Print, di­vi­são grá­fi­ ró­tu­lo em qua­dri­cro­mia, en­tre­gue re­le­vo.
ca da Pos­tNet, in­ves­tiu 2 milhões
de dó­la­res na im­por­ta­ção de
má­qui­nas de aca­ba­men­to de úl­ti­
ma ge­ra­ção que, com­bi­na­das com
equi­pa­men­tos di­gi­tais, per­mi­tem
ob­ter pe­que­nas e mé­dias ti­ra­gens
de ró­tu­los pré­cor­ta­dos ou em rolo.
Uma das van­ta­gens des­sa tec­no­lo­
gia, segundo Fa­bio Set­ton, di­re­tor
da Set­Print, é que as em­pre­sas
po­dem tra­ba­lhar com da­dos va­riá­
veis de tex­tos e ima­gens em qual­
quer ti­ra­gem, de 1 me­tro a 300
me­tros qua­dra­dos.
“Isso abre a pos­si­bi­li­da­de de tes­
tar e lan­çar novos produtos já com

20 – embalagemmarca • out 2000


ses vi­zi­nhos ga­nhou mercado za­das; a qua­li­da­de da ro­tu­la­ção, des ar­gu­men­tos a fle­xi­bi­li­da­de de
ex­pres­si­vo, mas no Bra­sil teve sua que pode ser fei­ta em vá­rias co­res, apli­ca­ção, per­mi­tin­do im­pres­sões
tra­je­tó­ria pre­ju­di­ca­da ao ter tido é su­pe­rior; o ró­tu­lo, de pa­pel sin­ pre­ci­sas até em su­per­fí­cies ir­re­gu­
um lançamento, cer­ca de ca­tor­ze té­ti­co, fun­de-se à em­ba­la­gem e la­res. Uti­li­zan­do um pro­ces­so
anos atrás, em que os pre­ços dos não sai; como a pro­du­ção da in­di­re­to de im­pres­são, a imagem é
ro­bôs de co­lo­ca­ção dos ró­tu­los nos em­ba­la­gem e a apli­ca­ção do ró­tu­ trans­fe­rida de um cli­chê gra­va­do
mol­des era in­viá­vel. Com a aber­ lo são fei­tos numa úni­ca ope­ra­ em baixo re­le­vo para um tam­pão
tu­ra, esse as­pec­to pa­re­ce es­tar se ção, os cus­tos di­mi­nuem, pois a (ca­rim­bo) de si­li­co­ne que, por sua
ame­ni­zan­do. Tan­to é as­sim que a mão-de-obra é menor. Po­rém, o in vez, a trans­fe­re ao pro­du­to.
ar­gen­ti­na Mul­ti­la­bel, que co­me­ça­ mold exi­ge es­to­ques de embala­ É hoje usa­da nos mais va­ria­
rá a pro­du­zir ró­tu­los auto-ade­si­vos gens, lem­bram os fa­bri­can­tes de dos cam­pos, indo des­de ele­tro­
em no­vem­bro pró­xi­mo no Bra­sil, ou­tros sis­te­mas. do­més­ti­cos e com­po­nen­tes ele­
terá o in mold como car­ro-che­fe, trô­ni­cos a cos­mé­ti­cos, me­di­ca­
segundo José Car­los Dra­ger, Impressão indireta men­tos e embalagens em ge­ral.
ge­ren­te co­mer­cial da empresa. A im­pres­são tam­po­grá­fi­ca, sis­te­ Pelas in­fi­ni­tas al­ter­na­ti­vas de
Os ro­bôs para ex­tra­ção das ma cria­do na Ale­ma­nha e tra­zi­do uso, o sis­te­ma me­re­ce atenção na
pe­ças nas in­je­to­ras se­rão pro­du­zi­ para o Bra­sil pela Os­car Flues em hora de de­sen­vol­ver um pro­je­to
dos no Bra­sil pela DM Ro­bó­ti­ca, 1911, tem como um de seus gran­ de em­ba­la­gem.
sub­si­diá­ria da ita­lia­na Dal Mas­
chio Au­to­ma­zio­ni In­dus­tria­li em
joint-ven­tu­re com a San­dret­to
Me­tal­me­câ­ni­ca do Bra­sil. En­tre
as van­ta­gens do sis­te­ma, José
Luiz Gal­vão Go­mes, che­fe do
de­par­ta­men­to in­dus­trial da DM
Ro­bó­ti­ca, cita as se­guin­tes: as
embalagens saem pron­tas das
má­qui­nas in­je­to­ras, sem ma­ni­pu­
la­ção ex­te­rior e, por­tan­to, es­te­ri­li­ Esquema mostra a ação do tampão (carimbo) no sistema tampográfico

Redação de portas abertas à cadeia de embalagem


Recebemos do sr. Jaime G. de par­ce­la do mercado mun­dial para esse Sin­ce­ra­men­te, es­pe­ro ter con­tri­buí­do
Araujo, gerente de marketing & tipo de apli­ca­ção. Isso trans­mi­te ao de ma­nei­ra in­for­ma­ti­va, em­bo­ra tal fei­to
desenvolvimento técnico para lei­tor a idéia de que essa empresa não te­nha ocor­ri­do após a edi­ção/dis­tri­bui­
América do Sul da AET Films, pos­sui con­cor­rên­cia. ção des­ta óti­ma re­vis­ta de em­ba­la­gem.
uma carta cuja essência é tran- 2. Fil­mes de BOPP para Ró­tu­los Pré-
scrita abaixo: Cor­ta­dos (“Cut & Stack La­bels”) – Na N. da R.: Em­ba­la­gem­Mar­ca tem o
re­por­ta­gem há uma afir­ma­ção, no mí­ni­ com­pro­mis­so de ja­mais omi­tir in­for­
Na re­por­ta­gem “Des­ta­que durante e mo, des­me­di­da: “Além dis­so, ofe­re­ce ma­ções que che­guem a seu co­nhe­ci­
após o con­su­mo” (edi­ção nº 15), há alta im­pri­mi­bi­li­da­de, sen­do o úni­co no men­to e, prin­ci­pal­men­te, de fa­vo­re­cer
al­gu­mas in­for­ma­ções in­com­ple­tas ou mercado que im­pri­me em qual­quer sis­ se­to­res, ma­te­riais, em­pre­sas, mar­cas
omi­ti­das que pen­so se­rem im­por­tan­ te­ma, in­cluin­do…”. Em nos­sa linha de ou pes­soas re­la­cio­na­das com seu
tes ex­pres­sar ao pú­bli­co de qua­li­da­de fil­mes para ró­tu­los pré-cor­ta­dos exis­ uni­ver­so de co­ber­tu­ra. In­fe­liz­men­te,
que essa re­vis­ta con­quis­tou. tem dois fil­mes AET com a mes­ma ver­ não há con­di­ções de co­nhe­cer to­das
1. Fil­mes de BOPP Ter­moen­co­lhí­veis sa­ti­li­da­de. Ou­tra in­for­ma­ção omi­ti­da na as pos­sí­veis fon­tes de in­for­ma­ção
– A AET Films tem 82% do mercado re­por­ta­gem re­fe­re-se ao fato de que exis­ten­tes. No caso da AET Films,
total de fil­mes ter­moen­co­lhí­veis em estes fil­mes são co­la­dos com cola como observa o signatário, as infor-
BOPP, trans­pa­ren­tes, me­ta­li­za­dos ou quen­te (hot melt), vis­to que BOPP não mações chegaram quando a edição
pe­ro­li­za­dos. Na re­por­ta­gem são ci­ta­ é um subs­tra­to po­ro­so. Po­rém, para o já circulara, aliás motivadas por isso.
dos dois fa­bri­can­tes de fil­mes de ró­tu­lo me­ta­li­za­do da cer­ve­ja Mil­ler, a Reiteramos que as notícias enviadas
PVC, po­rém ape­nas um para fil­mes AET Films de­sen­vol­veu um re­ves­ti­men­ à redação serão cuidadosamente
de BOPP ter­moen­co­lhí­vel, quan­do na to para que o fil­me pos­sa tra­ba­lhar analisadas e, se relevantes para
ver­da­de o en­tre­vis­ta­do tem a me­nor com cola de base aquo­sa. o mercado, divulgadas na revista.

out 2000 • embalagemmarca – 21


ousar
MARCAS

estratégia:
Inovação é arma da IRB para conquistar jovem das classes A e B

p ara am­pliar a atua­ção no mer­


cado e aten­der novos pú­bli­cos,
a Indústrias Reu­ni­das de Be­bi­
das Ta­tu­zi­nho – 3 Fa­zen­das
(IRB) op­tou pela es­tra­té­gia de
aden­trar seg­men­tos inex­plo­ra­dos. A
fa­bri­can­te da aguar­den­te Ve­lho Bar­rei­ro
tem, há no­ven­ta anos, sua pro­du­ção vol­ta­
Para Rosa, “a em­ba­

rar o pro­du­to”.
No entanto, em
Soda alcoólica
la­gem tem que des­ First One:
per­tar a von­ta­de de primeiro de
com­prar e o con­teú­ uma série de
produtos para
do deve fazer o conquistar
con­su­mi­dor na­mo­ público novo

da para os pú­bli­cos C, D e E e viu nos ca­ses como o do


jo­vens das clas­ses A e B uma oportunidade First One, quan­do o
de negócios. Es­ta­vam lan­ça­dos dois de­sa­ mar­ke­ting é iné­di­to
fios: co­lo­car no­vi­da­des nas pra­te­lei­ras e e há ino­va­ção na
con­quis­tar ou­tro pú­bli­co. Com essa mis­ em­ba­la­gem, são
são sur­giu a chan­ce­la First One. ine­vi­tá­veis as dú­vi­
Em maio de 1999 foi lan­ça­da a pri­ das no mercado. Esse es­tra­nha­men­to foi
mei­ra no­vi­da­de, a soda al­coó­li­ca First en­fren­ta­do pelo Ato­mic Energy Drink,
One, que hoje apre­sen­ta qua­tro sa­bo­res lan­ça­do com o de­sa­fio de po­si­cio­nar
sob o nome Ecs­tasy, acon­di­cio­na­dos em um pro­du­to na­cio­nal em um segmento
gar­ra­fas de vi­dro de 330ml, da Cisper (as do­mi­na­do pelos im­por­ta­dos e in­tro­du­zir
versões em gar­ra­fas de PET, fei­tas pela uma em­ba­la­gem com de­sign e ma­te­rial
Po­li­pet, são vendidas em ca­sas no­tur­nas). di­fe­ren­tes (PET). Hoje o pro­du­to re­pre­
De­pois, foi lan­ça­do o ener­gé­ti­co First One sen­ta 18% do volu-me de ne­gó­cios da
Ato­mic Energy Drink, que não foi pio­nei­ empresa. “A em­ba­la­gem, que po­de­ria
ro no mercado, mas que possui ou­tras ser um fa­tor com­pli­ca­dor, agre­gou
ca­rac­te­rís­ti­cas iné­di­tas. Foi o pri­mei­ro no valor”, ex­pli­ca o di­re­tor da IRB.
segmento a ser pro­du­zi­do na Amé­ri­ca La­ti­ Para as li­nhas de águas e chás, a
na, a ga­nhar a ver­são Light e a vir em gar­ gar­ra­fa PET po­de­ria, a prin­cí­pio, trans­
ra­fas PET, de 200ml, da Po­li­pet. Além mi­tir ao con­su­mi­dor a idéia de um pro­du­
dis­so, tem ró­tu­lo com de­ta­lhes fluo­res­cen­ to de me­nor valor. Rosa pen­sa di­fe­ren­te.
tes, for­ne­ci­do pela Her­vás. “In­de­pen­den­te do ma­te­rial usa­do, é a
Ou­tras li­nhas lan­ça­das fo­ram as de as­so­cia­ção en­tre o de­sign, o ró­tu­lo e a
águas aro­ma­ti­za­das e de chás ga­sei­fi­ca­ de­gus­ta­ção de um pro­du­to di­fe­ren­cia­do
dos. Am­bas vêm em gar­ra­fa PET de que o clas­si­fi­ca como pre­mium e con­quis­
330ml, tam­bém da Po­li­pet, e têm um ta o con­su­mi­dor”, ga­ran­te.
de­sign “que lem­bra as for­mas do cor­po Mes­mo re­pre­sen­tan­do seg­men­tos
fe­mi­ni­no”, como de­fi­ne Cé­sar Rosa, pre­ novos, os produtos su­pe­ra­ram as expecta­
si­den­te da empresa e res­pon­sá­vel pelo tivas de ven­das da empresa. A fór­mu­la é a
de­sign das embalagens. “ou­sa­dia na ino­va­ção e na em­ba­la­gem
bo­ni­ta, que fa­rão o con­su­mi­dor que­rer
En­can­tar o con­su­mi­dor – A ino­va­ de­gus­tar o pro­du­to de qua­li­da­de”, pon­ti­fi­
ção nas embalagens é res­pon­sá­vel por ca Rosa, adi­cio­nan­do que “o ne­ces­sá­rio é
parte do su­ces­so da chan­ce­la First One. en­can­tar os olhos”.

22 – embalagemmarca • out 2000


seca. e longa
shelf life

vida

n
Ao eli­mi­nar umi­da­de, des­se­can­tes au­men­tam vida de produtos

a ár­dua guer­ra para man­ter mar­cas com­pe­ti­ti­ Tampa pilfer-proof


vas no mercado, é im­pos­sí­vel ig­no­rar os com adaptador. No
be­ne­fí­cios pro­por­cio­na­dos por sis­te­mas que detalhe, o
dessecante
ga­ran­tam maior vida de pra­te­lei­ra e trans­por­
te ade­qua­do aos produtos. Prin­ci­pal­men­te quan­do há, nos
uni­ver­sos da em­ba­la­gem e da mo­vi­men­ta­ção e es­to­que de
produtos, ini­mi­gos po­ten­ciais da lu­cra­ti­vi­da­de.
Um de­les é a umi­da­de. Quan­do o va­por d’água em
sus­pen­são no in­te­rior de embalagens, con­têi­ne­res ou
de­pó­si­tos ex­ce­de o ní­vel de sa­tu­ra­ção e se con­den­sa, os
pre­juí­zos po­dem ser enor­mes, pelo com­pro­me­ti­men­to
da con­ser­va­ção, da apa­rên­cia e, por fim, da ima­gem do
pro­du­to. Em­ba­la­gens ina­de­qua­das, va­ria­ções bruscas de
tem­pe­ra­tu­ra e di­fe­ren­ças en­tre os am­bien­tes de pro­du­
ção, ar­ma­ze­na­gem e trans­por­te são fa­to­res que in­va­ria­
vel­men­te tor­nam a umi­da­de uma amea­ça cons­tan­te aos
mais di­ver­sos produtos.

Novas tecnologias – Me­di­ca­men­tos, cos­mé­ti­cos,


com­po­nen­tes ele­trô­ni­cos, pe­ças me­tá­li­cas, ar­ti­gos de cou­
ro e alimentos po­dem so­frer sé­rios da­nos. Aí, a mer­ca­do­
ria pode to­mar o in­de­se­já­vel ca­mi­nho de vol­ta ao pro­du­
tor, fa­zen­do cres­cer as es­ta­tís­ti­cas de per­das – e de in­sa­tis­
fa­ção do con­su­mi­dor com sua mar­ca. Para com­ba­ter os
efei­tos no­ci­vos da umi­da­de, novas tec­no­lo­gias vêm sen­do
aper­fei­çoa­das na ca­deia de embalagens. Ma­te­riais fotos: divulgação

es­pe­ciais, pro­ces­sos com at­mos­fe­ra mo­di­fi­ca­


da ou a vá­cuo e des­pa­cho com am­bien­te
con­tro­la­do são al­gu­mas de­las.
Uma saí­da, pou­co ex­plo­ra­da no ba­ta­lha para au­men­tar o cam­po de
Bra­sil, é o acon­di­cio­na­men­to e o pe­ne­tra­ção dos des­se­can­tes nos uni­
trans­por­te com o uso dos cha­ma­dos versos da em­ba­la­gem e da lo­gís­ti­ca,
des­se­can­tes, ma­te­riais que com­ba­ nos mais di­ver­sos se­to­res in­dus­triais.
tem a umi­da­de com seu alto po­der de A in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca é, por
ad­sor­ção, con­cei­to téc­ni­co-cien­tí­fi­co enquanto, a mais fa­mi­lia­ri­za­da com
di­fe­ren­te de absorção. “O pri­mei­ro é a ma­te­riais como o gel de sí­li­ca (sí­li­ca
re­ten­ção de uma subs­tân­cia no in­te­rior de gel), a ar­gi­la ati­va­da, a pe­nei­ra mo­le­cu­lar,
ou­tra por for­ça de afi­ni­da­des fí­si­cas, enquan­ a alu­mi­na e o óxi­do de cál­cio, prin­ci­pais
to a ab­sor­ção sig­ni­fi­ca a in­te­ra­ção quí­mi­ca de ti­pos de des­se­can­tes exis­ten­tes. Di­ver­sos la­bo­ra­
uma subs­tân­cia em ou­tra”, ex­pli­ca Ro­ber­to José Sa­pia, tó­rios va­lem-se das ca­rac­te­rís­ti­cas des­ses agen­tes ad­sor­
di­re­tor co­mer­cial da SPL Des­se­can­tes, for­ne­cedora de ven­tes nas embalagens de seus produtos, e essa ne­ces­
so­lu­ções prin­ci­pal­men­te à in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca e que si­da­de fez a SPL es­pe­cia­li­zar-se.

24 – embalagemmarca • out 2000


Os prin­ci­pais produtos for­ne­ci­dos para embalagens
de far­ma­cêu­ti­cos são as cáp­su­las e adap­ta­do­res com
Adeus, bactérias e outros
des­se­can­tes es­pe­cí­fi­cos ou mis­tu­ras ex­clu­si­vas des­ses bichos
ma­te­riais. As cáp­su­las, sob a mar­ca Des­se­cap, são in­se­ A nor­te-ame­ri­ca­na De­sic­ca­re, re­pre­sen­ta­da no país pela
ri­das sol­tas em embalagens e fras­cos ou aco­pla­das na SPL, tem ou­tra so­lu­ção in­te­res­san­te para pro­lon­gar a
parte in­te­rior de tam­pas plás­ti­cas com com­par­ti­men­to shelf-life dos mais va­ria­dos produtos. É o O-Bus­ters,
pró­prio, como acon­te­ce com os tu­bos de vi­ta­mi­na C sa­chê que, in­tro­du­zi­do em embalagens, ab­sor­ve até três
efer­ves­cen­te. Já os adap­ta­do­res De­sa­dap são cáp­su­las vezes seu peso em oxi­gê­nio, pre­ve­nin­do efei­tos no­ci­vos
como a apa­ri­ção de bac­té­rias e fun­gos, ação de in­se­tos
pre­sas a uma base, para en­cai­xe em tam­pas tipo pil­fer-
e al­te­ra­ções de cor e sabor dos produtos. Além dis­so,
proof, com diâ­me­tro de 28 mm.
pode eli­mi­nar a ne­ces­si­da­de de adi­ti­vos e con­ser­van­tes
Os des­se­can­tes tam­bém po­dem ser en­con­tra­dos na
na pro­du­ção e o uso de ga­ses iner­tes e pro­ces­sos a
forma de sa­chês, em­ba­la­dos pela SPL em pa­pel kraft, vá­cuo na fase de em­ba­la­gem.
não-te­ci­do ou Tyvek, ma­te­rial sin­té­ti­co da DuPont. For­ma­do por um blend es­pe­cial de ma­te­riais ab­sor­ven­
Equi­pa­men­tos para a in­tro­du­ção dos sa­chês nas embal­ tes, o O-Bus­ters pode ser usa­do com uma gama enor­me
agens po­dem ser nor­mal­men­te agre­ga­dos à linha de de produtos, desde pães, grãos, mas­sas, se­men­tes, pet
en­va­se de vá­rios produtos, com o su­por­te da SPL. food, tem­pe­ros e er­vas, até café, car­nes, vi­ta­mi­nas,
Ten­do como trun­fo o know-how ad­qui­ri­do ao lon­go re­mé­dios e apa­re­lhos me­di­ci­nais. Mais in­for­ma­ções
de vá­rios anos, Sa­pia quer ago­ra es­ten­der o co­nhe­ci­ so­bre o pro­du­to po­dem ser con­se­gui­das no site da
men­to des­sas so­lu­ções em des­se­can­tes a ou­tros se­to­res De­sic­ca­re (www.de­sic­ca­re.com) ou com a SPL Des­se­
in­dus­triais além dos la­bo­ra­tó­rios. “Em mercados ex­ter­ can­tes.
nos, a uti­li­za­ção de sa­chês de des­se­can­tes no in­te­rior de
embalagens de alimentos é bas­tan­te di­fun­di­da”, co­men­
ta. Para re­for­çar seu ar­gu­men­to foi bus­car na nor­te-
ame­ri­ca­na De­sic­ca­re, es­pe­cia­lis­ta em pro­ver so­lu­ções
em des­se­can­tes em seu país, uma alia­da de peso.

Apli­ca­ção per­so­na­li­za­da – A re­cen­te par­ce­ria


ga­ran­te o for­ne­ci­men­to de produtos como o Pil­low­Pak, o
Unit­Pak, o Car­go DryPak e o O-Bus­ters (ver qua­dro). O
pri­mei­ro, na forma de pe­que­nos sa­chês, de até 14 gra­mas,
é uti­li­za­do no in­te­rior de embalagens pe­que­nas. Já o Unit­ den­tro da em­ba­la­gem, o tem­po de­se­ja­do para ar­ma­ze­
Pak pres­ta-se mais à co­lo­ca­ção em mul­ti­packs, cai­xas de na­gem, a ca­pa­ci­da­de e a taxa de ad­sor­ção do ma­te­rial.
des­pa­cho, embalagens de ele­tro-ele­trô­ni­cos, má­qui­nas e Por isso, a es­co­lha do des­se­can­te mais apro­pria­do e o
fer­ra­men­tas, con­ser­va­ção de ma­té­ria-pri­ma, pe­ças e par­tes cál­cu­lo da quan­ti­da­de ne­ces­sá­ria são fei­tos de acor­do
me­tá­li­cas, se­men­tes e grãos. Para pro­ces­sos lo­gís­ti­cos, o com a es­pe­ci­fi­ci­da­de de cada apli­ca­ção, após es­tu­dos.
Car­go DryPak tem for­mu­la­ção es­pe­cial de des­se­can­tes e Po­rém, as­sim como acon­te­ce com a maio­ria das
con­ti­nua ati­vo por até cinqüenta dias den­tro de um con­têi­ no­vi­da­des no ter­ri­tó­rio da em­ba­la­gem, é pre­ci­so real­
ner pa­drão, o que pode aju­dar em ex­por­ta­ções e es­to­ques. men­te tor­nar no­tó­rias as van­ta­gens da apli­ca­ção às
O em­pre­go des­sas so­lu­ções de­pen­de da ava­lia­ção de em­pre­sas, guia­das pela di­re­triz da con­ten­ção de cus­tos a
uma sé­rie de fa­to­res, en­tre eles o volume do pro­du­to, a qual­quer pre­ço. “Ten­ta­mos cons­cien­ti­zar os pro­du­to­res
quan­ti­da­de de umi­da­de nele pre­sen­te quando em­ba­la­ que o pro­ces­so é van­ta­jo­so, con­si­de­ran­do os cus­tos ocul­
do, o tipo de ve­da­ção da em­ba­la­gem, a taxa de trans­ tos de per­das e de­vo­lu­ções pela umi­da­de”, afir­ma Lu­cia­
mis­são de va­por d’água do ma­te­rial da em­ba­la­gem, a no Vil­la­no Al­mei­da, da área de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­
umi­da­de re­la­ti­va ini­cial e o ní­vel má­xi­mo per­mi­ti­do men­to de ne­gó­cios da SPL.
estímulos
PRÊMIOS

três

e
Resultados dos prêmios Grand Prix Cyrel 2000 (DuPont), Bracelpa de Papel

m­pre­sas e entidades con­


cei­tua­das do se­tor de 1º PRÊMIO BRASILEIRO
embalagem vêm crian­do DE PAPELCARTÃO 2º lugar
prê­mios para in­te­grar e Sidnei Conradt e
in­cen­ti­var o de­sen­vol­vi­men­to do Eduardo Rodrigues
Embalagem fast
se­tor. As pre­mia­ções, que se fir­mam
food para viagem
pela se­rie­da­de e pela isen­ção na ava­
lia­ção, visam pres­ti­giar pro­fis­sio­nais
e in­dús­trias do meio.
O Prê­mio Tech­no Plus-Sin­dus­
far­ma de Ex­ce­lên­cia no For­ne­ci­men­
to e De­sen­vol­vi­men­to de Má­qui­nas
para a In­dús­tria Far­ma­cêu­ti­ca rea­li­ 1º lugar
zou sua quar­ta edi­ção em se­tem­bro. Adriana Fernandes Cury
Fo­ram pre­mia­das em­pre­sas mon­ta­ Embalagem Cachepô

do­ras de má­qui­nas, re­pre­sen­tan­tes EMBALAGENS QUE NÃO UTILIZAM PAPELCARTÃO


co­mer­ciais e equi­pes pres­ta­do­ras de
ser­vi­ço a partir de uma ava­lia­ção de 2º lugar
nove ca­te­go­rias rea­li­za­da pela Renata Costa Mendes
Embalagem para bolo
Fipfarma – Fun­da­ção Ins­ti­tu­to de
Pes­qui­sas Far­ma­cêu­ti­cas da USP.
No mesmo mês, tra­ba­lhos pro­du­
zi­dos com a cha­pa fle­xo­grá­fi­ca Cyrel
fo­ram pre­mia­dos pela DuPont, na
se­gun­da edi­ção do Grand Prix Cyrel,
que premia a excelência em qua­li­da­de 1º lugar
Ricardo A. Bohórquez
flexográfica e man­tém as em­pre­sas Lightbox
atua­li­za­das com as no­vi­da­des do mer­ EMBALAGENS QUE JÁ
cado. Nesta etapa, concorreram tra­ UTILIZAM PAPELCARTÃO
balhos do Brasil e do Paraguai. Os
ganhadores em cada categoria (ver
próxima página) disputaram com os
SINDUSFARMA Mis­tu­ra­dor de Cre­mes e Po­ma­das
Mo­de­lo: Ma­ces 1000 (Olsa SpA –
Blis­ta­dei­ra re­pr.: Due­tor­ri)
de ou­tras re­giões da Amé­ri­ca La­ti­na. Mo­de­lo: Uhl­mann UPS 1040 (Uhl­ En­che­do­ra de Cre­mes e Po­ma­das
Ain­da em se­tem­bro, o 1º Prê­mio mann Pac Syste­me GmbH & Co. – Mo­de­lo: C-155 (CO.MA/DIS – re­pr.: E.
Bra­si­lei­ro de Em­ba­la­gem Pa­pel­car­ re­pr.: E. H. Pac­king Tech­no­logy) H. Pac­ka­ging Tech­no­logy)
En­cai­xo­ta­dei­ra Ro­tu­la­dei­ra - Eti­que­tas Auto-ade­si­vas
tão, pro­mo­vi­do pela Bra­cel­pa –
Mo­de­lo: Pewo-Form UVP-2 (Emil Mo­de­lo: SL 400 TE (Néri S.r.I. – re­pr.:
Associação Brasileira de Ce­lu­lo­se e Pes­ter GmbH – re­pr.: E. H. Pac­king Bo­nam­pack)
Pa­pel e pela Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Tech­no­logy) En­che­do­ra de Lí­qui­dos
Mo­rum­bi, de São Paulo, premiou En­cap­su­la­dei­ra Mo­de­lo: F 573 (Far­mo­mac - IMA –
Mo­de­lo: MG Fu­tu­ra (MG2 S.r.I. – re­pr.: Ko­ri­na)
pro­pos­tas de estudantes para embala­ re­pr.: E. H. Pac­king Tech­no­logy) Má­qui­na de Com­pres­são
gens que já usam pa­pel­car­tão e para En­car­tu­cha­dei­ra Mo­de­lo: B3B Ro­ta­press (Ma­nesty –
as que ainda não o utilizam. Mo­de­lo: Fa­bri­ma VP 120 (Fa­bri­ma) re­pr.: Tho­mas Eder­li)

28 – embalagemmarca • out 2000


à integração
cartão e TechnoPlus-Sindusfarma de Excelência

GRAND PRIX
CYREL 2000
PAPELÃO ONDULADO PAPELÃO ONDULADO
(TRAÇO) (POLICROMIA)
1º lugar: Igaras Papéis 1º lugar: Orsa Celulose, Papel e Embalagens
e Embalagens Fundação Orsa
Chivas Regal 2º lugar: Igaras Papéis e Embalagens
2º lugar: Cartonagem Jauense – Black & Decker Furadeira Master Três Taças (Cereser)
3º lugar: Cartones Yaguareté S.A. – Caja para juguete 3º lugar: Igaras Papéis e Embalagens
Destaque especial: Rigesa Westvaco – Cesta de Natal Quinta das Videiras

BOLSA DE PAPEL PAPEL


(POLICROMIA) (TRAÇO)
1º lugar: Sacotem Embalagens 1º lugar: Papéis Amália
Julie & Burk Toalha Scooby
2º lugar: Sacotem Embalagens Doo
Feira de Londrina 2º lugar: Moschetti S.A.
3º lugar: Sacotem Embalagens Canarias
Silliax 3º lugar: Papéis Amália
Baby Looney
PAPEL (POLICROMIA) Tunes
1º lugar: Vetorpel
Bioleite
2º lugar: Vetorpel ETIQUETAS (TRAÇO)
Codornil 1º lugar: Iberograf (Hervás)
Atomic Light
2º lugar: Etiquetas Duloro
Lenços Clin Off
3º lugar: Prodesmaq
Lux Showergel
Destaque Especial: Moore
Ordem de produção
CARTÃO Hospital Pharma
(POLICROMIA)
1º lugar: Rigesa Westvaco
Caixa Bombom Garoto FILMES FLEXÍVEIS
2º lugar: Papéis Amália (POLICROMIA)
Black Jeans (Capa caderno) 1º lugar: Papéis Amália
3º lugar: Rigesa Westvaco Bavaria
Leve e Diet 2º lugar: Uniflexo
ETIQUETAS Santál Manga
FILMES FLEXÍVEIS (TRAÇO) (POLICROMIA) 3º lugar: Enduplar
1º lugar: Poligel Embalagens Plásticas 1º lugar: Uniflexo Bolo Juliana
Rótulo Guaraná Coroa Sucaryl Laranja
2º lugar: Copérnico Ind. de Embalagens 2º lugar: RR Ind. e
Salgadinho Mônica Com. de Etiq.
3º lugar: Skinpack Emb. Tec. Carnes Nobres LEGENDA
Natal Alegre Nissin 3º lugar: Iberograf (Hervás)
Limpeza 1º na América Latina
Pesada Floral 2º na América Latina

out 2000 • embalagemmarca – 29


tiros
MATERIAIS

sobram
para todos

a
Aço ata­ca o PET, alu­mí­nio ata­ca o vi­dro, que ata­ca o alu­mí­nio etc.

guer­ra das embalagens


li­m i­t a-se cada vez
me­n os ao con­f ron­t o
di­re­to no cam­po de
ba­ta­lha re­pre­sen­ta­do pe­las in­dús­
trias usuá­rias. A pa­la­vra de or­dem
ago­ra é con­quis­tar os co­ra­ções e
as men­t es dos consumidores,
fa­zen­do-os ren­der-se aos be­ne­fí­
cios e aos en­can­tos das ma­té­rias-
pri­mas que in­te­gram os re­ci­pien­
tes. Para isso, acham os fa­bri­can­
tes, nada me­lhor do que fa­lar
di­re­tamente com eles, por meio
de veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção de
mas­sa, sobretudo a te­le­vi­são.

Depois tem mais


Em­bo­ra a tese seja dis­cu­tí­vel, os
pro­du­to­res de cha­pas de aço e de
alu­mí­nio para embalagens, que a
ado­ta­ram, es­tão in­ves­tin­do gor­
das ver­bas em cam­pa­nhas pu­bli­ gens da CSN – Com­pa­nhia Si­de­ ca­das. É um mercado total de 8,7
ci­tá­rias des­ti­na­das a esse fim (ver rúr­gi­ca Na­cio­nal, a bri­ga será bilhões de uni­da­des em 1999.
o qua­dro). Num es­for­ço para pelo mercado de cer­ve­jas, no Des­sa forma, o alu­mí­nio en­fren­
re­con­quis­tar fa­tias de mercado qual o alu­mí­nio de­tém 20%, e o ta a um só tem­po o PET (que
per­di­das em anos re­cen­tes para o aço, 5%, ca­ben­do 73% ao vi­dro e hoje pre­do­mi­na em re­fri­ge­ran­
PET, o aço ten­ta con­ven­cer os 2% ao for­ne­ci­men­to ins­ti­tu­cio­ tes, com 78% do mercado,
bra­si­lei­ros de que óleo de co­zi­ nal, segundo o Da­ta­mark. enquanto ten­ta avan­çar so­bre as
nha é me­lhor quan­do vem em Por sua vez, o alu­mí­nio pro­ cer­ve­jas), o vi­dro (he­ge­mô­ni­co
embalagens de fo­lha-de-flan­dres. cu­ra mos­trar que a em­ba­la­gem nes­te úl­ti­mo segmento) e, de
É ape­nas a pri­mei­ra eta­pa. Na des­se ma­te­rial é in­su­pe­rá­vel para que­bra, a lata de aço de duas
se­gun­da, adian­ta Adria­na Stec­ca, su­cos, chás pron­tos para be­ber e, pe­ças, que pre­ten­de ga­nhar mais
ge­ren­te de mar­ke­ting de embala- prin­ci­pal­men­te, be­bi­das ga­sei­fi­ 15% do mercado de be­bi­das.

30 – embalagemmarca • out 2000


Como se vê, os ti­ros es­tão nha do aço nada to­ma­rá da fa­tia
sen­do dis­pa­ra­dos para to­dos os do PET em óleo co­mes­tí­vel, cujo Duas cam­pa­nhas
la­dos, mas João Bos­co Sil­va, percentual varia segundo o inter- mi­lio­ná­rias
pre­si­den­te da ABAL – Associação esse de cada fonte.
Brasileira do Alu­mí­nio, pre­vê Quan­to ao vi­dro, “a preo­cu­ A CSN – Com­pa­nhia Si­de­rúr­gi­ca
que nes­sa guer­ra “o gran­de pre­ pa­ção do se­tor está em for­ta­le­cer Na­cio­nal, úni­ca fa­bri­can­te de cha­
ju­di­ca­do será o vi­dro”, com base a par­ce­ria com os clien­tes, não pas de aço para re­ci­pien­tes de
no fato de que mais de 70% de com as cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­rias am­pla gama de produtos, in­ves­tiu
toda a cer­ve­ja con­su­mi­da no país pelo menos 4 milhões de reais
dos ma­t e­r iais con­c or­r en­t es”,
em anún­cios para re­vis­tas, out­
são hoje acon­di­cio­na­dos na­que­le afir­ma Lu­cien Bel­mon­te, su­pe­
doors e co­mer­ciais de televisão, a
ma­te­rial (79%, segundo o re­la­tó­ rin­ten­te da Abi­vi­dro – Associação
fim de pro­cla­mar as qua­li­da­des
rio Niel­sen de ju­nho/ju­lho úl­ti­ Brasileira da In­dús­tria do Vi­dro. da lata de fo­lha-de-flan­dres para
mo). A cres­c en­t e seg­m en­t a­ç ão do óleo co­mes­tí­vel, num pri­mei­ro
mercado e a con­se­qüen­te ne­ces­ mo­men­to de uma inédita partici­
Nem uma palha si­da­de de embalagens com de­sign pação na mídia de massa. Por
Tal­vez por isso, além de al­gum di­fe­ren­cia­do nos pon­tos-de-ven­ sua vez, pra­ti­ca­men­te na mes­ma
es­for­ço em as­ses­so­ria de im­pren­ da fa­vo­re­ce a opção dos usuários se­ma­na de se­tem­bro em que a
sa e rea­li­za­ção de pa­les­tras e pelo ma­te­rial, segundo ele. “Em cam­pa­nha foi ao ar, a ABAL –
even­tos, o PET não mo­ve­rá uma ter­mos de pos­si­bi­li­da­des de for­ Associação Brasileira do Alu­mí­
pa­lha em ter­mos de co­mu­ni­ca­ ma­to, ainda não sur­giu ma­te­rial nio ini­ciou a vei­cu­la­ção de dois
ção para apa­rar a in­ves­ti­da da fil­mes (de 30 e 60 se­gun­dos) nas
mais ver­sá­til do que o vi­dro”, ele
ci­da­des do Rio de Ja­nei­ro, São
CSN, segundo Her­mes Con­te­si­ con­si­de­ra.
Pau­lo e Bra­sí­lia. A cam­pa­nha
ni, as­s es­s or da Abe­p et – O re­pre­sen­tan­te do vi­dro diz
fi­cou em 1 mi­lhão de reais.
Associação Brasileira de que, além de de­ter qua­se 80% do O aço uti­li­za em sua cam­pa­nha
Embalagens de PET. “Nos­so úni­ mercado de cer­ve­jas, dos quais de­poi­men­tos de per­so­na­li­da­des
co te­mor era de que a cam­pa­nha 65% em gar­ra­fas re­tor­ná­veis de de di­fe­ren­tes áreas, como a atle­ta
fos­se pre­da­tó­ria, mas não che­ga 600ml, o uso do material vem Magic Pau­la e as atri­zes An­dréa
a ser agres­si­va a pon­to de criar cres­cen­do no segmento de gar- Bel­trão, Cláu­dia Abreu e Fer­nan­
uma rea­ção”, ele diz. Na opi­nião rafas long neck one-way, onde da Mon­te­ne­gro.
de Con­te­si­ni, “o pú­bli­co que te­ria ou­tros 15%. Esse cresci- A campanha do aço tem por eixo
com­pra óleo co­mes­tí­vel em PET mento, diz Lu­cien Bel­mon­te, testemunhos racionais daqueles
o faz de ma­nei­ra cons­cien­te”. A “vem sen­do con­se­gui­do jus­ta­ astros, na linha da defesa da
as­so­cia­ção en­ten­de que a cam­pa­ própria saúde e da de seus famil­
men­te so­bre o alu­mí­nio”.
iares. Para apoiar os comerciais
de televisão, a CSN de­sen­vol­veu
com sua agên­cia, a Light, um pro­
gra­ma de re­la­cio­na­men­to com
su­per­mer­ca­dis­tas e lan­çou o li­vro
Steel Cui­si­ne, com re­cei­tas à
base de in­gre­dien­tes acon­di­cio­
na­dos em embalagens de aço. Já
os co­mer­ciais do alu­mí­nio, de
res­pon­sa­bi­li­da­de da agên­cia QG
Comunicação, do Gru­po Ta­lent,
ape­lam para o emocional. Neles,
os integrantes da ban­da É o
Tchan interpretam uma música
exaltando os atributos da embala­
gem feita daquele material. As
in­te­gran­tes fe­mi­ni­nas do grupo,
obviamente, reforçam o mote da
cam­pa­nha (“La­ti­nha de alu­mí­nio.
É re­ci­clá­vel. É só ale­gria”).

out 2000 • embalagemmarca – 31


rumos
equipamentos

novos
Inovações em sistemas de envasamento para o mercado nacional

n o­vas al­ter­na­ti­vas de
embalagens, ca­pa­zes de
criar im­pac­to e até
mu­dar ru­mos tra­di­cio­
nais em sis­te­mas de en­va­sa­men­to,
sur­gem com cres­cen­te ra­pi­dez no
mercado brasileiro, vin­das de fora
na es­tei­ra da glo­ba­li­za­ção. So­men­
te em se­tem­bro úl­ti­mo, durante a
rea­li­za­ção da fei­ra Tech­no Plus em
São Pau­lo, pelo me­nos três em­pre­
sas mul­ti­na­cio­nais de gran­de por­te
apre­sen­ta­ram equi­pa­men­tos, sis­te­
mas de en­va­se e embalagens de
di­fe­ren­tes ti­pos que agre­gam
im­por­tan­tes di­fe­ren­ciais ao que já
está dis­po­ní­vel no mercado. To­das
afir­mam ter ser­vi­ço de as­sis­tên­cia
téc­ni­ca per­ma­nen­te e ágil, com
re­po­si­ções de pe­ças, quan­do ne­ces­
sá­rias, pra­ti­ca­men­te ime­dia­tas.

sextavados e quadrados
A
ale­mã Ro­ve­ma Ver­pac­ no mercado brasileiro a Má­qui­na de

fotos e imagens: divulgação


kungs­mas­chi­nen, que tem Pa­co­te Qua­dra­do SBS, para ope­ra­
fá­bri­ca tam­bém na Es­pa­ ção com fil­me mo­no­ca­ma­da, des­ti­
nha e afir­ma ser lí­der mun­dial em na­dos a produtos em pó ou gra­nu­la­
má­qui­nas de en­va­se, está fin­can­do dos, como ce­reais, es­pe­cia­rias e
pé no país por meio de par­ce­ria com mas­sas. Além do cus­to re­du­zi­do e
a Fer­ros­taal do Bra­sil. Se­gun­do da maior vi­si­bi­li­da­de do produto,
Ro­ber­to Pé­rez San Ro­mán, ge­ren­te que fica em pé, a má­qui­na pode
co­mer­cial da Ro­ve­ma Má­qui­nas zar a Flex­Can (foto acima), re­sul­ta­ fazer embalagens Sta­bi­lo Seal, com
En­va­sa­do­ras, de Bar­ce­lo­na, Es­pa­ do de par­ce­ria com a di­na­mar­que­sa for­ma­tos e fe­cha­men­tos variados.
nha, a empresa ofe­re­ce so­lu­ções Da­nis­co, que for­ne­ce o filme. Tra­ta- A Ro­ve­ma, de acor­do com Pé­rez
in­te­gra­das com­pac­tas em li­nhas de se de um stand-up pouch qe agre­ga San Ro­mán, “dis­po­ni­bi­li­za lan­ça­
en­chi­men­to nos se­tores alimentício, al­guns di­fe­ren­ciais a es­se tipo de men­tos mun­diais de final de li­nhas
quí­mi­co e far­ma­cêu­ti­co. re­ci­pien­te fle­xí­vel. Além de fi­car com­ple­tas de wrap around, dis­play
En­tre ou­tras ino­va­ções em em­ba­ em pé de­vi­do à base da bol­sa, esta packs e cai­xas de pa­pe­lão on­du­la­do
la­gem, a Ro­ve­ma pode dis­po­ni­bi­li­ tem o mesmo for­ma­to na parte e mi­croon­du­la­do. Ele destaca que
su­pe­rior, lembrando um pa­co­te sex­ “as má­qui­nas, de tec­no­lo­gia ale­mã,
ta­va­do de pa­pel-car­tão, ou uma lata. se des­ta­cam por sua qua­li­da­de,
Ou­tro destaque é um sis­te­ma de ro­bus­tez, con­fia­bi­li­da­de e pre­ço”.
re­fe­cha­men­to com cin­ta ade­si­va. Quan­to a este úl­ti­mo as­pec­to, a Fer­
De­vi­do às pos­si­bi­li­da­des que ros­taal apre­sen­ta um ar­gu­men­to
ofe­re­ce em for­ma­tos di­fe­ren­cia­dos, de­fi­ni­ti­vo: tem li­nhas pró­prias de
tam­bém deverá con­se­guir es­pa­ço fi­nan­cia­men­to.

O sistema de formatação dos pacotes quadrados


(ao lado) e as embalagens Stabilo Seal (acima)

32 – embalagemmarca • out 2000


do-it-yourself industrial
P
re­sen­te em mais de qua­ren­ta
paí­ses, nos quais já ope­ram
mais de 3 000 má­qui­nas de sua
fa­bri­ca­ção (oi­ten­ta só no Bra­sil), a
fran­co-es­pa­nho­la El­ton S. A. apre­
sen­ta-se no mercado de produtos
ali­men­tí­cios com uma in­te­res­san­te
al­ter­na­ti­va: a de que cada in­dús­tria
fa­bri­que sua pró­pria em­ba­la­gem
plás­ti­ca na linha de en­chi­men­to,
subs­ti­tuin­do a com­pra de po­tes e
gar­ra­fas pré-for­ma­das. Para isso,
ofe­re­ce aos in­te­res­sa­dos as má­qui­
nas El­ton­pack de sis­te­ma form-fill-
seal. Ho­rá­cio Ába­los, re­pre­sen­tan­te
da empresa no Bra­sil, ex­pli­ca que

divulgação
os equi­pa­men­tos pneu­má­ti­cos, de
tec­no­lo­gia fran­ce­sa, for­ma­tam,
en­chem e selam, na linha de envase,
po­tes de produtos se­mi­lí­qüi­dos e
pas­to­sos, como io­gur­te, man­tei­ga e
mar­ga­ri­na, entre outros.
Se­gun­do ele, o sis­te­ma abre a
pe­que­nos la­ti­cí­nios a opor­tu­ni­da­de
de in­gres­sar no atraen­te fi­lão dos
io­gur­tes se­mi­lí­qüi­dos, sain­do dos
Embalagens form-fill-seal
to­tal­men­te lí­qüi­dos, acon­di­cio­na­dos produzidas em equipamentos Elton
em gar­ra­fi­nhas de po­lie­ti­le­no de alta
den­si­da­de (PEAD). Isso,de acor­do gran­de ga­nho com­pa­ra­ti­vo em tes sa­bo­res. O cus­to com­pa­ra­ti­vo
como Ába­los, ocor­re­ria ­po­r di­fe­ren­ re­la­ção ao sis­te­ma de embalagens com po­tes pré­-for­ma­dos é me­nor
tes ra­zões. A pri­mei­ra, es­pe­cial­men­te pré­for­ma­das, ha­bi­tual­men­te uti­li­ em parte por­que os do sis­te­ma
atraen­te para em­pre­sas da­que­le por­ za­do por em­pre­sas de mé­dio e form/fill/seal não são de­co­ra­dos, a
te, são os cus­tos. “Má­qui­nas pneu­ pe­que­no por­te. “Com form/fill/ não ser na tam­pa la­mi­na­da de alu­
má­ti­cas cus­tam me­nos do que as seal”, diz Horácio Ába­los, “não há mí­nio e po­liés­ter. No entanto, a
me­câ­ni­cas e são de baixo cus­to de des­pe­sas de trans­por­te nem de empresa já de­sen­vol­veu um sis­te­ma
manutenção”, ele afir­ma. Além dis­ es­to­ca­gem”. De acor­do com seus de ró­tu­lo “dé­cor”, de au­to­fu­são em
so, “a lo­gís­ti­ca do form-fill-seal tam­ cál­cu­los, o cus­to de uma má­qui­na pa­pel sin­té­ti­co, para apli­ca­ção em
bém é de baixo cus­to, pois os gas­tos des­se tipo é apro­xi­ma­da­men­te sete cada pote. Ho­rá­cio Ába­los lem­bra
com trans­por­te e es­to­ca­gem são vezes me­nor do que o de um equi­ que o sis­te­ma não se li­mi­ta ao seg­
mí­ni­mos: na entrada, bo­bi­nas de pa­men­to me­câ­ni­co de ter­mo­for­ mento de la­ti­cí­nios, sen­do apli­cá­
po­lie­ties­ti­re­no ou ou­tros plás­ti­cos e ma­gem, enquanto o de manu-ten­ vel, com iguais van­ta­gens, no acon­
uma bo­bi­na de tam­pa fle­xí­vel; na ção se­ria dez vezes in­fe­rior. di­cio­na­men­to de ou­tras ca­te­go­rias
saí­da o pro­du­to está pron­to para o de produtos, como ge­léias, cár­neos,
uso, just-in-time”. O mo­de­lo mais Custo comparativo menor fa­ri­ná­ceos e até ob­je­tos (ca­ne­tas,
usual é o 6420, com ca­pa­ci­da­de para No Bra­sil, en­tre ou­tros a El­ton for­ pen­tes, is­quei­ros e ou­tros). Na Aus­
até 12 400 po­tes de io­gur­te de 120g ne­ce para o io­gur­te da mar­ca Leco, trá­lia e em Is­rael, a El­ton de­sen­vol­
por hora. da Vi­gor, ban­de­jas com seis po­tes veu esse con­cei­to para de­ri­va­dos de
Tais be­ne­fí­cios, na opi­nião do in­te­gra­dos, sen­do que os do­sa­do­res to­ma­te, em po­tes mul­ti­ca­ma­da de
re­pre­sen­tan­te da El­ton S. A., dão po­dem ser sub­di­vi­di­dos em di­fe­ren­ po­li­pro­pi­le­no e EVOH.

out 2000 • embalagemmarca – 33


novo player em “ caixinha”
A
sue­ca Te­tra Pak, tra­di­cio­ clien­tes pe­que­nos e mé­dios no país, sis­te­ma de en­chi­men­to, que é ver­ti­
nal­men­te he­ge­mô­ni­ca no a Dairy Pak fir­mou acor­do com a cal e per­mi­te acon­di­cio­nar não ape­
segmento de embalagens Fer­ros­taal do Bra­sil, que tra­rá dos nas lí­qui­dos, mas tam­bém alimentos
as­sép­ti­cas no Bra­sil, é fus­ti­ga­da Es­ta­dos Uni­dos os car­tões para ela­ gra­nu­la­dos, pas­to­sos e até só­li­dos,
ago­ra não só pela suí­ça SIG Com­bi­ bo­ra­ção das “cai­xi­nhas” e for­ne­ce­rá além de produtos com pe­da­ços de
bloc, que em ju­lho úl­ti­mo re­for­çou os equi­pa­men­tos de en­va­se. Se­gun­ fru­tas ou to­ma­te, por exem­plo.
sua po­si­ção de gran­de for­ne­ce­do­ra do Chris­toph D. Rie­ker, ge­ren­te da A Dairy Pak, diz Rie­ker, pro­duz
mun­dial ao ad­qui­rir o con­tro­le da Fer­ros­taal, a empresa tem con­di­ des­de a ce­lu­lo­se, ob­ti­da a partir de
fá­bri­ca ale­mã de má­qui­nas de en­chi­ ções de for­ne­cer para o mercado as flo­res­tas pró­prias, até o pro­du­to
men­to Ham­ba Mas­chi­nen­fa­brik cai­xas car­to­na­das com ca­pa­ci­da­de final, isto é, o car­tão cor­ta­do e
Hans A. Mül­ler. A Dairy Pak, dona de 100ml a 5 li­tros, com fe­cha­men­ im­pres­so, em fle­xo­gra­fia e co­res à
de 38% do mercado nor­te-ame­ri­ca­ to tipo ga­ble top (com ca­lor) ou von­ta­de do clien­te. Den­tro des­sa
no de cai­xas la­mi­na­das para produ­ com bi­cos e tam­pa de ros­ca. “As fi­lo­so­fia, no Bra­sil, caso o clien­te
tos ali­men­tí­cios, está en­tran­do para me­di­das e os fe­cha­men­tos, po­rém, não te­nha es­tru­tu­ra para isso, a Fer­
va­ler no mercado brasileiro. não são os úni­cos di­fe­ren­ciais ros­taal faz o pro­je­to visual das
Vi­san­do con­quis­tar ini­cial­men­te im­por­tan­tes”, ele res­sal­ta. Ou­tro é o embalagens, sem ônus.

divulgação
Embalagens assépticas Dairy Pak: variedade de capacidades
de conteúdo e possibilidade de acondicionar produtos sólidos

EM16 • OUT00
investimentos

UMA ÁREA
MUITO
ATRAENTE
q uan­do o as­sun­to é em­ba­la­
foto: divulgação

gem, os mercados brasileiro


e do Mer­co­sul tor­nam-se
mui­to atraen­tes aos olhos de
em­pre­sas mul­ti­na­cio­nais. Nes­se

ALVO: MERCOSUL
segmento, onde o con­su­mo per

o
ca­pi­ta do Bra­sil che­ga a ser dez
vezes me­nor que o de países eu­ro­
peus, o po­ten­cial de crescimento é
gran­de, ani­man­do as in­dús­trias.
gru­po fran­cês Si­del, Fran­cis Oli­vier, pre­si­den­te do Atraí­da pela área, a mul­ti­na­
com­pos­to por tre­ze gru­po des­de 1986, ex­pli­ca que o cio­nal de es­pe­cia­li­da­des quí­mi­cas
em­pre­sas que de­sen­ in­ves­ti­men­to da empresa é jus­ti­fi­ca­ Rohm and Haas anunciou, em
vol­vem equi­pa­men­tos do pelo po­ten­cial de de­sen­vol­vi­ se­tem­bro, a cons­tru­ção de sua
de acon­di­cio­na­men­to, es­pe­cial­men­ men­to da em­ba­la­gem de PET. se­gun­da plan­ta no Bra­sil. A com­
te para so­pro, en­chi­men­to, trans­por­ Se­gun­do ele, a fa­tia de mercado pa­nhia está in­ves­tin­do 15 milhões
te e pro­du­ção de so­bre-embalagens, para o ma­te­rial ainda é mui­to pe­que­ de dó­la­res na nova fá­bri­ca, em
aca­ba de inau­gu­rar uma fá­bri­ca em na (cer­ca de 30%), mas no­vas apli­ Ja­ca­reí (SP), que deverá vol­tar sua
São Pau­lo. A nova plan­ta, ter­cei­ra ca­ções co­me­çam a sur­gir, como pro­du­ção para ade­si­vos à base de
no mun­do além da França e da po­tes e gar­ra­fas para cer­ve­jas e po­liés­te­res e po­liu­re­ta­nos.
Malásia, con­su­miu 8 milhões de su­cos de fru­tas. “Esse crescimento Essa am­plia­ção faz parte da
dó­la­res em investimentos, com vis­ abran­ge to­das as zo­nas geo­grá­fi­cas, es­tra­té­gia glo­bal tra­ça­da pela
tas a oti­mi­zar e fa­ci­li­tar o tra­ba­lho Bra­sil e Amé­ri­ca La­ti­na in­clu­si­ve”, empresa para os pró­xi­mos cin­co
da Si­del no Mer­co­sul. informa Oli­vier. “Ne­nhu­ma de­las anos, que pre­vê a ex­pan­são geo­
Lo­ca­li­za­da na capital paulista, a pode fi­car in­sen­sí­vel às van­ta­gens grá­fi­ca, a aqui­si­ção de em­pre­sas
fá­bri­ca pro­du­zi­rá má­qui­nas de so­pro de mar­ke­ting e à fa­ci­li­da­de de uti­li­ me­no­res e o de­sen­vol­vi­men­to de
SOB, que per­mi­tem a fa­bri­ca­ção de za­ção do PET.” tec­no­lo­gias de pon­ta. Com a nova
até 30 000 gar­ra­fas de PET por hora, O gru­po é di­vi­di­do nos seguintes fá­bri­ca, a Rohm and Haas pre­ten­
e equi­pa­men­tos de au­to­ma­ção, trans­ seg­men­tos: so­pro e en­chi­men­to, de au­men­tar seu faturamento
por­te, en­chi­men­to, se­la­do­ras e sis­te­ en­ge­nha­ria e trans­por­ta­do­res, so­bre- anual no segmento de ade­si­vos,
mas de su­per­vi­são. A ca­pa­ci­da­de de embalagens e pa­le­ti­za­ção e saúde e dos atuais 800 milhões de dó­la­res
pro­du­ção é de sessenta má­qui­nas/ be­leza. Lí­der mun­dial em má­qui­nas para 1,5 bilhão de dó­la­res no
ano. A uni­da­de con­ta­rá tam­bém com para pro­du­ção de gar­ra­fas de PET, a prazo de cin­co anos.
sis­te­mas de trans­por­te para gar­ra­fas Si­del, pre­sen­te em 22 paí­ses, che­ O po­ten­cial do mercado na­cio­
de vi­dro, plás­ti­co, lata e pa­le­tes pro­ gou ao Bra­sil em 1989, quan­do nal de embalagens tor­nou o país
du­zi­dos pela Gebo, empresa ad­qui­ri­ de­sen­vol­via pes­qui­sas de mercado, um pon­to es­tra­té­gi­co para a com­
da pela Si­del em 1997. con­ta­tos com clien­tes e adap­ta­ções pa­nhia. Prin­ci­pal­men­te para a
Além da pro­du­ção de má­qui­nas, dos pro­je­tos fran­ce­ses ao mercado di­vi­são de ade­si­vos e se­lan­tes, que
a uni­da­de bra­si­lei­ra ofe­re­ce­rá con­ brasileiro. Hoje, tem es­cri­tó­rios na tem 70% de sua pro­du­ção des­ti­na­
sul­to­ria, desde o la­yout téc­ni­co até o Argentina e na Ve­ne­zue­la. A Amé­ri­ da ao mercado de embalagens.
in­ves­ti­men­to, para a mon­tagem de ca La­ti­na já re­pre­sen­ta 7% de seu Além do Bra­sil, a fá­bri­ca de
in­dús­trias de produtos ali­men­tí­cios, faturamento glo­bal, que to­ta­li­zou Jacareí vai aten­der os mercados
de saúde ou de be­le­za. 878 milhões de dó­la­res em 1999. chi­le­no e ar­gen­ti­no.

36 – embalagemmarca • out 2000


Panorama
Como fei­ra de ne­gó­cios
vol­ta­da a um mercado
Des­pa­cho efi­cien­te Con­cei­to lim­po
di­ri­gi­do, a Tech­no Plus- A en­cai­xo­ta­do­ra Drop ar­ran­jos den­tro das cai­xas de en­sa­ca­gem
Pack Expo Bra­sil 2000, Pac­ker foi o des­ta­que no de des­pa­cho, a Drop Pac­ A Ha­ver & Boec­ker
ocor­ri­da de 12 a 15 de es­tan­de da 3M na Pack ker pode ser aco­pla­da a es­te­ve na Pack Expo
se­tem­bro no ITM – Expo. Fa­bri­ca­da nos EUA ar­ma­do­res de cai­xas e a 2000 apre­sen­tan­do
International Trade Mart, pela Com­bi, o equi­pa­men­ fe­cha­do­res da 3M, ga­ran­ um novo con­cei­to de
em São Paulo, teve to está sen­do tra­zi­do ao tin­do uma so­lu­ção com­ en­sa­ca­gem, por meio
como ob­je­ti­vo atrair pro­ Bra­sil numa par­ce­ria en­tre ple­ta para linha de em­pa­ das má­qui­nas Roto-Seal
fis­sio­nais e em­pre­sá­rios a 3M e a Pac­kin­tec. co­ta­men­to. e Mini-Seal, que aten­
li­ga­dos às in­dús­trias de Ca­paz de aco­mo­dar di­fe­ (19) 3838-7396 dem aos má­xi­mos re­qui­
bens de ca­pi­tal e embal- ren­tes embalagens como mfsi­rio@mmm.com si­tos de lim­pe­za e cui­da­
agens. gar­ra­fas PET, vi­dros, la­tas dos am­bien­tais. Após o
Este Pa­no­ra­ma traz ou mul­ti­packs em di­ver­sos en­chi­men­to, elas per­mi­
al­gu­mas no­vi­da­des tem a se­la­gem da vál­vu­
apre­sen­ta­das durante os la, através de um ex­clu­
qua­tro dias da fei­ra, que si­vo sis­te­ma de ul­tra-
re­for­çou a ten­dên­cia som, ofe­re­cen­do uma
dos sistemas integrados em­ba­la­gem to­tal­men­te
de embalagem para a fe­cha­da. O Mini-Seal
eficiência da linha de inau­gu­ra uma nova pers­
produção, e tam­bém pec­ti­va de des­pa­cho em
ou­tros lan­ça­men­tos sa­cos val­vu­la­dos pe­que­
re­cen­tes da ca­deia de nos a partir de 3 Kg.
embalagens. Atra­vés de um cui­da­do­so
pro­ces­so de en­chi­men­to
e se­la­gem ex­ter­na da
vál­vu­la, é pos­sí­vel ob­ter
Iden­ti­da­de re­no­va­da, má­qui­nas tam­bém embala-gens lim­pas e
in­vio­lá­veis, pró­prias para
Nova iden­ti­da­de visual sen­ta­ção da mar­ca à im­ple­men­ta­das com ex­po­si­ção e ven­da em
e re­de­sign dos equi­pa­ qua­li­da­de dos produtos pai­nel Touch Screen e lo­cais como su­per­mer­ca­
men­tos fo­ram os prin­ci­ Fa­bri­ma, passando tudo soft­wa­re de úl­ti­ma ge­ra­ dos e si­mi­la­res.
pais des­ta­ques apre­ o que ela é”, nas pa­la­vras ção, com mo­dem in­te­ (19) 3879-9147
sen­ta­dos pela Fa­bri­ma de Nil­son Cruz Jr., coor­ gra­do que per­mi­te ha­verhbl@ha­ver­bra­sil.com.br
durante a fei­ra. A rees­ti­ de­na­dor de ven­das e co­mu­ni­ca­ção e mo­ni­to­
li­za­ção do lo­go­ti­po e do mar­ke­ting da empresa. ra­men­to total das
ma­te­rial de co­mu­ni­ca­ Além do de­sign ar­ro­ja­do, má­qui­nas pelo su­por­te
ção da empresa foi fei­ta as má­qui­nas ver­ti­cais de Fa­bri­ma.
pela a10 Design, o que em­ba­la­gem das li­nhas (11) 6465-2500
“ago­ra equi­pa­ra a apre­ Fle­xi­flow e Fle­xi­bag fo­ram fma­sa­les@fa­bri­ma.com.br

38 – embalagemmarca • out 2000


Panorama
Se­la­gem con­fiá­vel Slee­ves com la­cres
A Tek­ni­za está mos­tran­do ao mer- Apli­ca­ções de ró­tu­los slee­ve em
cado sua má­qui­na se­la­do­ra Tek­ PVC fo­ram o cen­tro das aten­
pack. O equi­pa­men­to rea­li­za a ções no es­tan­de da Pro­pack. A
se­la­gem de po­tes e fras­cos através empresa, que dis­po­ni­bi­li­za seus
de in­du­ção tér­mi­ca, que ga­ran­te ró­tu­los para os mais di­ver­sos
fe­cha­men­to à pro­va de vio­la­ções. se­to­res in­dus­triais – en­tre os
Tra­ba­lha com uma gran­de va­rie­da­ clien­tes, em­pre­sas como a La­ti­cí­
de de fil­mes e não forma abas na nios Ca­tu­piry, 3M e An­tarc­ti­ca –,
tam­pa, que fa­ci­li­tam vio­la­ções, mos­trou seus sis­te­mas com­ple­

Foco em flip-top segundo o só­cio-di­re­tor Ivan Ca­rot­


ta. “As abas po­dem ser aber­tas e
tos para os pre­sen­tes ao even­to,
in­clu­si­ve slee­ves com la­cres,
de­pois se­la­das no­va­men­te com en­co­lhí­veis em até 50% através
As má­qui­nas para for­ma­ção de
qual­quer ins­tru­men­to de ca­lor, de tú­neis tér­mi­cos.
embalagens car­to­na­das tipo flip-
como fer­ros de pas­sar”, ilus­tra. (11) 7961-1700
top, da nor­te-ame­ri­ca­na Tis­ma,
(11) 7677-3808 ven­das@pro­pack.com.br
fo­ram a atra­ção da Car­los A. Wan­
me­dia­nei­ra@ig.com.br
der­ley e Fi­lhos, re­pre­sen­tan­te da
mar­ca no Bra­sil. Se­gun­do Way­ne En­va­se com tro­ca rá­pi­da
P. Ol­kows­ki, ge­ren­te de ven­das da
De­di­ca­da a pe­que­nas e mé­dias pro­
ma­triz nor­te-ame­ri­ca­na da Tis­ma,
du­ções das in­dús­trias far­ma­cêu­ti­ca,
as má­qui­nas da empresa es­tão
quí­mi­ca, cos­mé­ti­ca e ali­men­tí­cia, a
sen­do ven­di­das em di­ver­sos paí­
en­va­sa­do­ra li­near vo­lu­mé­tri­ca VL-12
ses, prin­ci­pal­men­te para clien­tes
da Pro­má­qui­na aca­ba de ser lan­ça­da.
na área de can­dies, como o la­bo­
O cur­so dos pis­tões (volume de­se­ja­
ra­tó­rio War­ner-Lam­bert. O des­ta­
do) é ajus­tá­vel através de co­man­do
que fica por con­ta da ver­sa­ti­li­da­de
ele­trô­ni­co na in­ter­fa­ce, dis­pen­san­do
dos equi­pa­men­tos, que são
ajus­tes me­câ­ni­cos. A tro­ca de pro­du­to
en­con­tra­dos em di­ver­sas con­fi­gu­
na linha de en­va­se é fa­ci­li­ta­da pelo
ra­ções, para li­nhas de pro­du­ção
sis­te­ma de tro­ca rá­pi­da de pis­tões, um ano e meio de pes­qui­sas para o
de qual­quer por­te e para car­tu­
man­guei­ras e bi­cos, po­den­do ser fei­ta de­sen­vol­vi­men­to do equi­pa­men­to,
chos dos mais va­ria­dos for­ma­tos.
em cin­co mi­nu­tos por duas pes­soas. A que deverá representar, em 2001,
(11) 3812-2577
en­che­do­ra ope­ra com ca­pa­ci­da­de de 20% do nosso faturamento”, con­ta
ca­we­filh@uol.com.br
produção que varia de 30 embala- Al­ber­to Leme, do de­par­ta­men­to
gens por mi­nu­to a 300 embalagens co­mer­cial da Pro­má­qui­na.
Fe­cha­men­to por mi­nu­to, podendo ser mon­ta­da em (11) 3686-6722
au­to­má­ti­co linha sem complicações. “De­di­camos co­mer­cial@pro­ma­qui­na.com.br

Para di­mi­nuir cus­tos com mão-


de-obra na hora de fe­char cai­ Se­la­gem para plás­ti­co e vi­dro
xas de pa­pe­lão em gran­de es­ca­
A TSI es­te­ve apre­sen­tan­do na Pack da do po­lí­me­ro com a boca do re­ci­
la, a Je­mak es­te­ve mos­tran­do
Expo sua má­qui­na Cap-Sea­ler para pien­te, for­man­do um selo her­mé­ti­
na Pack Expo suas má­qui­nas
se­la­gem por in­du­ção em re­ci­pien­ co. Ao abrir o pro­du­to, a lâ­mi­na de
fe­cha­do­ras da linha Gama, de
tes de plás­ti­co e vi­dro. As embala- car­tão com cera con­ti­nua na tam­pa,
fá­cil re­gu­la­gem e ope­ra­ção. A
gens re­ce­bem uma mem­bra­na pro­te­gen­do-a. Se­gun­do Mi­chael J.
no­vi­da­de na linha é o equipa-
la­mi­na­da, com­pos­ta por uma Hand, da TSI, a Cap-Sea­ler per­mi­te
mento Mini KSI HM 20, de cons­
ca­ma­da de car­tão re­co­ber­ta com ve­lo­ci­da­de de 67 me­tros por mi­nu­to
tru­ção sim­ples e ta­ma­nho com­
cera, uma fo­lha de alu­mí­nio e uma na linha de en­va­se e já foi ex­por­ta­
pac­to, dedicado a linhas de
ca­ma­da de po­lí­me­ro, e pos­te­rior­ da para mais de quin­ze paí­ses.
despacho de médio porte.
(11) 274-6011 men­te atra­ves­sam um cam­po de (11) 3686-1311
je­mak@dmnet.com.br alta fre­qüên­cia que fun­de a ca­ma­ sa­les@tsi-ne­wel­co.com.br

out 2000 • embalagemmarca – 39


Panorama

Va­rie­da­de em pa­le­tes
Pa­le­tes me­tá­li­cos para as mais di­ver­ vá­rias for­mas de aca­ba­men­to. De
sas apli­ca­ções são os prin­ci­pais produ- acor­do com Sir­lei Fle­ming, do mar­ke­
tos da Es­tru­tez­za, empresa se­dia­da em ting da Es­tru­tez­za, seu de­par­ta­men­to
Por­to Fer­rei­ra (SP). Com ca­pa­ci­da­de téc­ni­co é ca­paz de rea­li­zar pro­je­tos de
para até 4 000 Kg de car­ga, pode ser pa­le­tes em to­dos os ti­pos de ma­te­
cons­truí­do a partir de três ti­pos de riais, para qual­quer in­dús­tria.
ma­te­riais (aço inox, aço car­bo­no e (19) 581-4222
alu­mí­nio com liga es­tru­tu­ral) e re­ce­ber es­tru­tez­za@link­way.com.br

Co­di­fi­ca­ção sem sol­ven­tes


To­le­rân­cia zero A co­di­fi­ca­do­ra jato de tin­ta para cai­xas
De­tec­ção de par­tí­cu­las me­tá­li­cas mag­ Sé­rie 5000 da Mar­kem é o lançamen-
né­ti­cas e não-mag­né­ti­cas em produtos to da Union Wrap para o mercado
gra­nu­la­dos em ge­ral é a vo­ca­ção dos na­cio­nal. Os trun­fos do equi­pa­men­to
de­tec­to­res da linha Bulk, da Bra­pen­ta. são os có­di­gos 100% di­gi­ta­li­zá­veis,
Po­dem ser uti­li­za­dos em si­los, in­je­to­ 256 ja­tos pro­gra­má­veis para im­pres­
ras, ex­tru­so­ras e so­pra­do­ras nos mais são e uso da ex­clu­si­va tin­ta só­li­da
di­ver­sos se­to­res in­dus­triais, com com­ Touch Dry®, que per­mi­te im­pres­sões
pa­ti­bi­li­da­de total. Cons­truí­do em aço de­fi­ni­das e cujo re­fil é sim­ples­men­te
ino­xi­dá­vel, tem como op­cio­nais pai­nel co­lo­ca­do no re­ser­va­tó­rio, eli­mi­nan­do
re­mo­to, fu­nil de ali­men­ta­ção, con­ta­dor as­sim res­pin­gos, der­ra­ma­men­tos e
e ou­tros dis­po­si­ti­vos. ne­ces­si­da­de de adi­ção de sol­ven­tes.
(11) 5641-3410 (11) 3735-2155
info@bra­pen­ta.com.br spe­rei­ra@union­wrap.com.br

Ap[os au­di­to­rias rea­li­za­das pela pro­du­ção de ce­lu­lo­se em 45% e a ar­ren­dou por 10 anos uma linha
suíça SGS ICS em agos­to na uni- GH SDSHO HP  QHVVH SHU§RGR de pin­tu­ra da Tek­no, que fica
da­de in­dus­trial de Mogi Das Cru- HP *XDUDWLQJXHW® 63  &RP LVVR
zes (SP) e no es­cri­tório de São O atual pre­si­den­te da Abi­plast Ð com­ple­men­ta sua linha de
Pau­lo, a Me­tal­pack aca­ba de $VVRFLDomR %UDVLOHLUD GD ,QG¡V produtos para fa­bri­ca­ção de
re­ce­ber cer­ti­fi­ca­ção ISO 9002 na WULD GR 3O®VWLFR 0HUKHJ &DFKXP ODWDV GH DOXP§QLR
pro­du­ção de bis­na­gas e tu­bos as­su­me a pre­si­dên­cia da Ali­plast
rígi­dos de alu­mínio. (Associação La­ti­no-Ame­ri­ca­na da 0DXU§FLR 6SHUDQ]LQL DVVXPLX
,QG¡VWULD GR 3O®VWLFR GXUDQWH como novo ge­ren­te de mar­ke-
Um novo pro­gra­ma na­cio­nal de os próxi­mos doze me­ses. WLQJ GD 3OiVWLFRV )RUPDU LQG¡V
investimentos para ex­pan­dir a tria de embalagens ter­mo­for-
ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção da $ $OFDQ %UDVLO HVW® HQWUDQGR QR ma­das. Ele che­ga na empresa
LQG¡VWULD EUDVLOHLUD GH FHOXORVH H mercado de cha­pas para a com a mis­são de am­pliar o mar-
pa­pel foi anun­cia­do pela Bra­cel- fa­bri­ca­ção de tam­pas de la­tas ke­ting cor­po­ra­ti­vo, novos seg-
pa - Associação Brasileira de para re­fri­ge­ran­tes e cer­ve­jas. men­tos e au­men­tar a dis­tri­bui-
Ce­lu­lo­se e Pa­pel. O novo pro­gra- Esse ma­te­rial é todo im­por­ta­do, ção de produtos e ma­te­riais sob
ma deverá ser exe­cu­ta­do até com cus­to anual de US$ 80 en­co­men­da como la­mi­na­dos e
2005 e pos­si­bi­li­ta­rá au­men­tar a PLOK­HV SDUD R SDtV $ $OFDQ embalagens in­dus­triais.

40 – embalagemmarca • out 2000


Display

Clas­se para o Em­ba­la­gens fa­mí­lia e re­cheios es­pe­ciais


público B e C A Bau­duc­co quer atingir o segmento
de embalagens fa­mi­lia­res com o lan­
Vol­ta­do para o pú­bli­co B e C, os çamento dos bis­coi­tos Cho­cot­ti­no
bom­bons de ce­re­ja da Vil­la­ge Cho­co­la­te e Gu­lo­sos na ver­são mul­ti­
es­tão em embalagens mais so­fis­ti­ pack. A linha, de­sen­vol­vi­da pela De
ca­das. A a10 Design criou para o Góes, car­re­ga a mes­ma iden­ti­da­de das
produto um visual clás­si­co, mas embalagens in­di­vi­duais já exis­ten­tes
que aten­de às exi­gên­cias e con­di­ no mercado. Os mul­ti­packs, fa­bri­ca­dos
ções do pú­bli­co-alvo. As cai­xas pela Ina­pel e pela Shell­mar, são de Ou­tra no­vi­da­de da Bau­duc­co são os
dos bom­bons es­tão ver­me­lhas, na 480g para o Cho­cot­ti­no Cho­co­la­te bis­coi­tos Wa­fer Plus. A nova linha,
cor do re­cheio, e criam appetite (três pacotes de 160g) e de 450g para além de tra­zer os re­cheios es­pe­ciais
appeal com a ima­gem das ce­re­jas. o Gu­lo­sos (três embalagens de 150g). Cro­can­te, Flo­cos e Ras­pas de Coco,
A mar­ca Vil­la­ge está mais des­ta­ é en­con­tra­da nas gôn­do­las em um
ca­da na parte su­pe­rior da em­ba­la­ dis­play-ex­po­si­tor, que ga­ran­te maior
gem, fa­bri­ca­da pela Nova Pá­gi­na. fa­ci­li­da­de de aco­mo­da­ção e re­po­si­
ção nas pra­te­lei­ras. O de­sign das
embalagens da Wa­fer Plus e do dis­
play foi desenvolvido pela agência
Na­ri­ta Design. As embalagens são
for­ne­ci­das pela Shell­mar e o dis­play,
pela grá­fi­ca Lin­graf.

Packs pro­mo­cio­nais Pra­ti­ci­da­de ao


para balas 7 Belo lei­te Par­ma­lat
As embalagens do lei­te UHT, da
Par­ma­lat, es­tão sen­do aco­mo­da­
Co­res vi­bran­tes para das em cai­xas de doze uni­da­
di­fe­ren­ciar des, subs­ti­tuin­do as an­ti­gas,
com ca­pa­ci­da­de para dezesseis.
A em­ba­la­gem dos Tof­fees, da Nes­tlé,
As no­vas cai­xas fi­ca­ram mais
está mais so­fis­ti­ca­da e atraen­te. A M
le­ves, ofe­re­cen­do maior co­mo­di­
Design criou um con­cei­to para toda
da­de no trans­por­te. Além dis­so,
a linha. A lo­go­mar­ca “Tof­fees” está
para facilitar a identificação no
re­pre­sen­ta­da por uma gota, trans­mi­
ponto-de-venda, tra­zem a es­pe­
tin­do cre­mo­si­da­de, e a mar­ca Nes­tlé As ba­las 7 Belo, produzidas pela cia­li­da­de de cada lei­te es­tam­pa­
apa­re­ce des­ta­ca­da para ga­ran­tir a Nestlé, es­tão sen­do co­mer­cia­li­za­ da e o lo­go­ti­po Par­ma­lat nas
qua­li­da­de do pro­du­to. Para di­fe­ren­ das em um pack pro­mo­cio­nal com­ qua­tro la­te­rais, de­sign que fi­cou
ciar as embalagens dos sete sa­bo­res pos­to por dois sa­cos do pro­du­to, a car­go do es­tú­dio grá­fi­co da
fotos: divulgação

da linha fo­ram usa­das co­res vi­bran­ de 200 gramas, e uma bola pula- pró­pria in­dús­tria de la­ti­cí­nios.
tes, uma ino­va­ção no segmento. A pula. Jun­to com o pacote pro­mo­
em­ba­la­gem, com im­pres­são me­ta­li­ cio­nal, a bala ga­nha lo­go­mar­ca
za­da, é pro­du­zi­da pela Ina­pel. mais mo­der­na. A M Design criou a
mar­ca 7 Belo Ball para o pack e
de­sen­vol­veu uma iden­ti­da­de para a
em­ba­la­gem, que tem como ilus­tra­
ção elos co­lo­ri­dos que trans­mi­tem
luz e mo­vi­men­to, lem­bran­do a bola
que bri­lha. A empresa fornecedora
da embalagem é a Lanzara
Gráfica e Editora, de São Paulo.
Display
Depois da lata, as garrafas
As gar­ra­fas de 600ml e as co­res pra­ta e ver­me­
long neck da cer­ve­ja lho, su­ge­rin­do ino­va­ção
Kai­ser es­tão apre­sen­tan­ e mo­der­ni­da­de.
do um ró­tu­lo di­fe­ren­cia­ O neck la­bel tam­bém
do. A no­vi­da­de está no mu­dou, fi­can­do mais
for­ma­to dis­for­me, úni­co ar­re­don­da­do e com o
no mun­do, de­sen­vol­vi­do “Kai­ser 10” des­ta­ca­do
pela New Design. pe­las le­tras maio­res e
Se­guin­do o la­yout da pelo fun­do ver­me­lho. Os
lata pra­tea­da, lan­ça­da ró­tu­los são for­ne­ci­dos
no iní­cio do ano, o novo pela Em­pax e pela Di­xie-
ró­tu­lo dá des­ta­que para Toga.
Su­cos e chás Par­ma­lat em PET
As li­nhas de su­cos con­ as­sep­sia do pro­du­to.
cen­tra­dos San­tál e de Uma no­vi­da­de da embal­
chás pron­tos, da Par­ agem é o la­cre com selo
ma­lat, es­tão sen­do de alu­mí­nio so­bre a tam­
acon­di­cio­na­das em pa, para evi­tar vio­la­ção.
gar­ra­fas de PET, pro­du­ Os chás são en­con­tra­
zi­das pela pró­pria dos em gar­ra­fas de 1,5
empresa, na linha de li­tro e os su­cos, em
en­va­se, o que ga­ran­te a gar­ra­fas de 500ml.

So­bre­me­sas Pau­lis­ta ago­ra


em ban­de­jas termoformadas
fotos: divulgação

Cada vez mais la­ran­ja


Para acom­pa­nhar o pú­bli­ de marketing da marca
co jo­vem, o re­fri­ge­ran­te Sukita, o novo de­sign das
Su­ki­ta ga­nhou um visual la­ti­nhas de 350ml e dos
mais mo­der­no e alaranja­ ró­tu­los das gar­ra­fas PET
do. A pre­do­mi­nân­cia da res­sal­ta as qua­li­da­des
cor é no­ta­da no fun­do da na­tu­rais da be­bi­da. A con­
ilus­tra­ção e na ima­gem cepção visual ficou A linha de so­bre­me­sas ter­moen­co­lhí­vel. Pe­que­nas
de uma la­ran­ja es­ti­li­ a cargo da DIL pron­tas da Pau­lis­ta, com­ al­te­ra­ções no la­yout tam­
za­da. Segundo Cyro Consultores em pos­ta pelo Flan Pau­lis­ta e bém po­dem ser no­ta­das.
Giopato Jr., gerente Design. pelo Lei­te Ge­li­fi­ca­do,ga­ Nos Flans, o peso lí­qui­do
nhou no­vas embalagens. é des­ta­ca­do para se di­fe­
Se­guin­do a ten­dên­cia do ren­ciar das de­mais mar­
mercado, os produtos são cas, ge­ral­men­te com o
acon­di­cio­na­dos em ban­ peso lí­qui­do 10% me­nor.
de­jas ter­mo­for­ma­das na As le­tras do Lei­te Ge­li­fi­ca­
própria linha da empre­ do es­tão maio­res e com
mônica zanon
sa, subs­ti­tuin­do o fil­me as co­res mais for­tes.

44 – embalagemmarca • out 2000


Display
Wa­fers em
em­ba­la­gem display Vi­ta­li­da­de em
A Ita­ma­raty quer cha­mar a aten­ção
logo que­bra­do
do con­su­mi­dor para o bis­coi­to Tri-
Wa­fer. Assim, re­po­si­cio­nou o pro­
du­to nas pra­te­lei­ras através de uma
em­ba­la­gem dis­play. Cada uma aco­
mo­da vinte bis­coi­tos de 23g. A mar­ Cartuchos
ca ofe­re­ce três ver­sões do bis­coi­to com brin­ca­dei­ra
que com­bi­nam dois sa­bo­res cada:
Uma no­vi­da­de para as crian­ças: Cre­
Con­cor­di­no (mo­ran­go e chan­tilly);
mo­ge­ma sabor vi­ta­mi­na de fru­tas. O
Jum­bo­li­no (ave­lã e cho­co­la­te); Cap­
min­gau da RMB com sabor, pre­fe­ri­do
puc­ci­no (café e chan­tilly).
en­tre as crian­ças, segundo pes­qui­sa Os ró­tu­los e mul­ti­packs do tra­di­
As embalagens dos bis­coi­
do Instituto Sense, está lan­çan­do cio­nal Taff Man-E, da Ya­kult, pas­
tos in­di­vi­duais são for­ne­ci­
essa ver­são que une ma­mão, ba­na­na sa­ram por uma re­for­mu­la­ção. A
das pela Shell­mar e o
e maçã. Os car­tu­chos em car­tão, for­ agên­cia a10 Design preo­cu­pou-se
dis­play, pela Car­to­na­
ne­ci­dos pela IGB, apre­sen­tam novo em ti­rar a so­brie­da­de e a es­tá­ti­ca
gem Jauen­se.
de­sign, as­si­na­do pela De Góes, e do visual an­te­rior (acima). Para
brin­ca­dei­ras no ver­so. isso, o logo foi quebrado em três
par­tes, e passou a ocu­par todo o
Doce trans­pa­rên­cia ró­tu­lo. A ti­po­lo­gia tam­bém foi al­te­
A linha de ado­çan­tes FiNN está ofe­ ra­da, sen­do usa­das le­tras mais for­
re­cen­do uma nova op­ção, à base de tes para trans­mi­tir o con­cei­to de
sa­ca­ri­na. É o FiNN Cris­tal ver­são vi­ta­li­da­de e atingir o pú­bli­co mas­
lí­qui­da que, para per­mi­tir a vi­sua­li­za­ cu­li­no. Os ró­tu­los são fa­bri­ca­dos
Trazendo a arte pela Em­pax e os mul­ti­packs, pela
ção do pro­du­to e di­fe­ren­ciar da ou­tra
para o dia-a-dia ver­são, é dis­po­ní­vel em em­ba­la­gem Iga­ras.
A obra Aba­po­ru, de Tar­si­la do Ama­ral, trans­pa­ren­te. O fras­co, fabri­
está re­pro­du­zi­da nas cai­xas dos len­ cado pela Format Industrial
ços Kiss de 50, 75 e 100 unidades. O de Embalagens, ga­nhou for­
pro­je­to foi de­sen­vol­vi­do pela San­ther, ma­to de uma gota es­ti­li­za­da
fa­bri­can­te de len­ços e produtos de e o ró­tu­lo está com tons
pa­pel para hi­gie­ne pes­soal, e pela mais sua­ves (bran­co e cre­
MBA – Mar­cas Bra­si­lei­ras Ad­mi­nis­tra­ me). A onda bor­dô e o
das, que de­tém a li­cen­ça das obras tra­di­cio­nal ma­mão per­
da ar­tis­ta. O ob­je­ti­vo é co­lo­car arte no ma­ne­cem como ele­men­
dia-a-dia da con­su­mi­do­ra através da tos ca­rac­te­rís­ti­cos da mar­
obra de uma ar­tis­ta que tra­duz o con­ ca. Os rótulos são forneci­
cei­to de mu­lher ideal, preo­cu­pa­da dos pela Prodesmaq.
com a vai­da­de. Os consumidores têm
se mos­tra­do re­cep­ti­vos a produtos Edi­ção li­mi­ta­da em Tetra Pak
que le­vam arte. Segundo Dora Kauf­ O Toddyn­ho, lí­der no mer­ la­gem teve a cor pre­do­
man, só­cia-di­re­to­ra da MBA, “exis­te cado de lei­te com sabor mi­nan­te al­te­ra­da para o
um forte de­se­jo do pú­bli­co em ter em cai­xi­nha, da Qua­ker, bran­co. O lançamento
produtos di­fe­ren­cia­dos, bo­ni­tos, pre­ten­de man­ter o pio­ será fei­to, a prin­cí­pio, no
com valor agre­ga­do em seu nei­ris­mo da mar­ca lan­ Rio de Ja­nei­ro, e con­ta­
co­ti­dia­no”. As embala­ çan­do o Toddyn­ho Cho­ rá com co­mer­ciais de TV
gens são produzi­ co­la­te Bran­co – Edi­ção e uma linha de ma­te­rial
das pela própria Li­mi­ta­da. Para o novo pro­mo­cio­nal para pon­to-
Santher. sabor, o de­sign da em­ba­ de-ven­da.

46 – embalagemmarca • out 2000


EVENTOS

NOVEMBRO
Em­ba­la­gem­Mar­ca es­ta­rá na Em­bal­la­ge 2000
A re­vis­ta Em­ba­la­gem­Mar­ca vai 150 000 vi­si­tan­tes do mun­do
tra­zer a seus lei­to­res to­das as in­tei­ro. Ou­tra atra­ção in­te­res­san­
no­vi­da­des e ten­dên­cias da te realizada ao mesmo tempo
Em­bal­la­ge 2000, o sa­lão mun­ será a PackVi­sion 2000, mos­tra
dial de embalagens que se rea­li­ re­sul­tan­te do con­cur­so de de­sign
za a cada dois anos no par­que de em­ba­la­gem rea­li­za­do en­tre
de ex­po­si­ções de Pa­ris-Nord es­tu­dan­tes de es­co­las es­pe­cia­li­
Vil­le­pin­te, na Fran­ça. A fei­ra za­das do mun­do in­tei­ro. Os vi­si­
acon­te­ce en­tre os dias 20 e 24 tan­tes re­ce­be­rão um CD-rom
de no­vem­bro, e pro­me­te ser apre­sen­tan­do os 30 pro­je­tos
uma das maio­res, mais mo­vi­ se­le­cio­na­dos, que es­ta­rão em
men­ta­das e mais ino­va­do­ras será rea­li­za­da a con­sa­gra­da fei­ra exposição no even­to.
en­tre as 33 já rea­li­za­das. Pa­ra­le­ IPA (World Food Pro­cess). Os dois In­for­ma­ções na Pro­mo­sa­lons:
la­men­te à Em­bal­la­ge, este ano eventos de­ve­rão re­ce­ber, jun­tos, (11) 881 1255.

Alu­mi­num South Ame­ri­ca será rea­li­za­do o I Con­gres­so II Con­gres­so ECR Bra­sil


2000 – Fei­ra In­ter­na­cio­nal da In­ter­na­cio­nal da In­dús­tria do – “Tec­no­lo­gia e Efi­ciên­cia
In­dús­tria do Alu­mí­nio. O Bra­ Alu­mí­nio, or­ga­ni­za­do pela Abal em Be­ne­fí­cio do Con­su­mi­
sil, sex­to maior pro­du­tor mun­ – Associação Brasileira do dor” é o tema do even­to
dial de alu­mí­nio pri­má­rio, foi Alu­mí­nio, que reu­ni­rá pro­fis­ da Associação ECR Bra­sil.
es­co­lhi­do como sede da ver­ sio­nais bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ Se­r ão apre­s en­t a­d os 18
são la­ti­no-ame­ri­ca­na de uma ros para apre­sen­tar no­vi­da­des pro­je­tos-pi­lo­to que es­tão
das mais tra­di­cio­nais fei­ras do tec­no­ló­gi­cas na área pro­du­ti­ sen­do tes­ta­dos nos sub­
se­tor rea­li­za­das na Eu­ro­pa. O va e de re­ci­cla­gem. De 21 a 23 co­mi­tês da en­ti­da­de e que
even­to reu­ni­rá di­ver­sos seg­ de no­vem­bro no In­ter­na­tio­nal en­vol­vem fer­ra­men­tas de
men­tos, com ex­po­si­to­res do Tra­de Mart, em São Pau­lo. ge­ren­cia­men­to de ca­te­go­
Bra­sil, Es­ta­dos Uni­dos e Eu­ro­ In­for­ma­ções na dmg world rias, co­mér­cio ele­trô­ni­co,
pa. Pa­ra­le­la­men­te ao even­to me­dia: (11) 815 9900. pro­c es­s os fi­n an­c ei­r os,
re­p o­s i­ç ão efi­c ien­t e de
mer­ca­do­rias e pa­dro­ni­za­
ção. O con­gres­so, voltado
DEZEMBRO para a área de logística,
reu­ni­rá pa­les­tran­tes bra­si­
In­ter­Bev 2000 – fei­ra que des­ti­la­das, en­tre ou­tros. De 4 lei­ros e es­tran­gei­ros e con­
reu­ni­rá a in­dús­tria de be­bi­ a 6 de de­zem­bro em Nova ta­rá com uma fei­ra de
das do mun­do in­tei­ro com Or­leans, Lou­s ia­n a, EUA. produtos, equi­pa­men­tos e
no­vi­da­des e ino­v a­ç ões do In­for­ma­ções na Reed Ex­hi­bi­ ser­v i­ç os, além de um
se­tor. Par­ti­ci­pa­ção de pro­du­ tion: (11) 5505 7272. su­p er­m er­c a­d o-mo­d e­l o,
to­res, en­va­sa­do­res, dis­tri­bui­ onde será pos­sí­vel co­nhe­
do­res, im­p or­t a­d o­res, fa­b ri­ cer, na prá­ti­ca, as fer­ra­
can­tes de má­qui­nas e equi­ men­tas de res­pos­ta efi­
pa­men­tos, embalagens para cien­te ao con­su­mi­dor. Dias
re­fri­ge­ran­tes, águas mi­ne­rais, 22 e 23 de no­vem­bro, no
su­c os, chás pron­t os para Me­mo­rial da Amé­ri­ca La­ti­
be­b er, lei­t e, iso­t ô­n i­c os, na, em São Pau­lo. In­for­
vi­nhos, cer­ve­jas e be­bi­das ma­ções: (11) 3838 4520.

48 – embalagemmarca • out 2000


Como Encontrar

N esta se­ção en­con­tram-se, em or­dem al­fa­bé­ti­ca, os nú­me­ros de te­le­fo­ne das em­pre­sas ci­ta­das nas re­por­ta­
gens da pre­sen­te edi­ção. Em­ba­la­gem­Mar­ca fica à dis­po­si­ção para in­for­ma­ções adicionais.

ABAL – Associação Grupo Brasil-Rio Polipet


Brasileira do Alumínio (11) 3758-0996 (11) 4656-1066
(11) 5084-1544
Hervás Rótulos Poly-Vac
ABEPET – Associação (11) 6941-9266 (11) 5541-9988
Brasileira da Indústria do PET
(11) 3849-1688 Horácio Ábalos Rigesa Westvaco
(11) 7922-0128 (19) 3869-9344
ABIVIDRO – Associação
Brasileira da Indústria do Vidro Huhtamaki Van Rohm And Haas
(11) 255-3033 Leer - Brasholanda (11) 5097-9000
(41) 661-1000
AET Films SetPrint
(11) 293-9587 Inapel (11) 3047-2540
(11) 6480-3055
BRACELPA – Associação SICONGEL – Sind. da Ind.
Brasileira das Indústrias IRB – Indústrias Reunidas de Alimentar de Congelados,
de Celulose e Papel Bebidas Tatuzinho - 3 Fazendas Supercongelados, Sorvetes,
(11) 5095-2359 (11) 263-1411 Concentrados e Liofilizados
(11) 251-3455
CSN Embalagens Kentinha Embalagens
(11) 3049-7188 (11) 4057-6000 Sidel
(11) 3783-8800
Cisper Kibon
(11) 6542-8000 (11) 536-2000 SINDUSFARMA – Sind da
Ind. de Produtos Farmacêuticos
Dixie-Toga Kpack no Estado de São Paulo
(11) 5515-1177 (11) 7967-7373 (11) 829-5944

Doormann Embalagens Plásticas La Basque Sorvetes Nestlé


(51) 470-3777 (11) 5572-8855 (11) 5508-9300

Du Pont Lipoquímica SPL Dessecantes


(11) 7266-8351 (19) 466-2373 (11) 6942-8600

Empax Embalagens Multilabel Tia Cida Sorvetes


(11) 5693-5400 (11) 5641-4573 (11) 6241-0172

ExxonMobil – Films Business Nytek Soluções Vitopel-Koppol


(11) 538-3549 (11) 3648-8000 (11) 4977-7281

Ferrostaal Oscar Flues Votocel


(11) 541-9877 (11) 5514-6907 (11) 269-4261
Almanaque

1965 1966 Década de 80

O vaivém dos valores fundamentais ATUAL


Quan­do che­gou ao Bra­sil, em 1965, o ce­real ma­ti­nal na­gem Cor­ne­lius. Nas embalagens de 1965 e 1966,
Corn Fla­kes, da Kel­logg’s, já trazia na em­ba­la­gem um cor­te dia­go­nal di­vi­dia a cai­xa em duas me­ta­des,
al­guns dos seus va­lo­res fun­da­men­tais, hoje cha­ma­ uma bran­ca e a ou­tra ver­me­lha. Na década de 1980,
dos equi­ties: o lo­go­ti­po da empresa, no alto, o nome a dia­go­nal su­miu, mas re­tor­na­ram o açu­ca­rei­ro e a
do pro­du­to, grafado com gran­des le­tras pre­tas e, em jar­ra — que não fi­gu­ram na ver­são atual. Na em­ba­
pri­mei­ro pla­no, uma ti­ge­la com os flo­cos de mi­lho. la­gem mais re­cen­te, aliás, fo­ram adi­cio­na­dos
De lá para cá, al­gu­mas mu­dan­ças ocor­re­ram. O mo­ran­gos ao con­teú­do da ti­ge­la, e di­ze­res “mar­ke­
açu­ca­rei­ro e a jar­ra da pri­mei­ra em­ba­la­gem de­ram tei­ros” (“O úni­co com Nu­tri­fer­ro” e “O ori­gi­nal e o
lu­gar a um galo es­ti­li­za­do já no pri­mei­ro re­de­se­nho. me­lhor”) fo­ram in­cor­po­ra­dos para au­men­tar o ape­
O galo evo­luiu até as­su­mir a forma atual do per­so­ lo pro­mo­cio­nal do car­tu­cho de pa­pel-car­tão.

Praticidade na década de 40 Gina, essa des­co­nhe­ci­da


Hoje, to­mar chá é ex­tre­ma­ mea­dos dos anos 40, pre­do­ Um dos ros­tos mais
men­te cô­mo­do. Basta aque­ mi­na­va o há­bi­to de to­mar-se co­nhe­ci­dos dos bra­si­lei­
cer água e co­lo­car no bule uma in­fu­são de erva mate.
ros, o da moça que apa­
um sa­chê com o sabor de­se­ An­tes de ser le­va­das à água
re­ce na em­ba­la­gem dos
ja­do, aguar­dar um pou­co e fer­ven­te as fo­lhas se­cas pre­
pa­li­tos ro­li­ços de ma­dei­
to­mar. Esse tipo de con­ve­ ci­sa­vam ser tos­ta­das (ou
ra Gina, é de uma pes­soa
niên­cia, sur­gi­do na pri­mei­ra “quei­ma­das”, como se di­zia
década des­te sé­cu­lo nos en­tão) com uma bra­sa numa
des­co­nhe­ci­da. A idéia de
Es­ta­dos Uni­dos, só re­cen­te­ lata ou no pró­prio bule. Foi ilus­trar a cai­xi­nha de
men­te se con­so­li­dou en­tre na­que­la década que o Mat­te pa­pel-car­tão com uma
os bra­si­lei­ros. Aqui, até Leão co­me­çou a tor­nar-se fi­gu­ra hu­ma­na sur­giu em
lí­der do segmento. Para isso, 1976, quan­do o fun­da­dor
ado­tou uma ele­gan­te em­ba­ da empresa, Os­val­do
la­gem de aço im­pres­sa em Rela, de­ci­diu tro­car a
ver­me­lho, branco e pre­to ima­gem an­te­rior. Era
(de­pois subs­ti­tuí­da por uma uma al­mo­fa­da com um
cai­xa de ma­dei­ra). Seu slo­
pa­li­tei­ro de pra­ta em
gan mos­trou-se uma efi­ca­z
cima, que os consumi­
arma de co­mu­ni­ca­ção,
dores ima­gi­na­vam es­tar 1992, já com 26 anos, as
re­su­mi­da às ex­pres­sões
con­ti­do na em­ba­la­gem. rou­pas, o es­ti­lo da mo­de­
“Use e abu­se” e “Já vem
quei­ma­do”, ro­dean­do a
Para evi­tar con­fu­são, foi lo e o ca­be­lo eram de
mar­ca. A ilustração, tão co­lo­ca­da a foto de uma ou­tra épo­ca. Fo­ram subs­
famosa quanto a marca, mo­de­lo con­tra­ta­da por ti­tuí­dos pelo atual de­se­
mostrava um leão bra­ agên­cia, de cujo nome nho, ba­sea­do na mes­ma
man­te so­bre um es­qui­fe. nin­guém lem­bra. Em foto da moça mis­te­rio­sa.

50 – embalagemmarca • out 2000