Sei sulla pagina 1di 15
APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 1 de 15 PRPRPRPREVENEVENEVENEVENÇÃOÇÃOÇÃOÇÃO

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 1 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 1 de 15 PRPRPRPREVENEVENEVENEVENÇÃOÇÃOÇÃOÇÃO EEEE
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 1 de 15 PRPRPRPREVENEVENEVENEVENÇÃOÇÃOÇÃOÇÃO EEEE
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 1 de 15 PRPRPRPREVENEVENEVENEVENÇÃOÇÃOÇÃOÇÃO EEEE

PRPRPRPREVENEVENEVENEVENÇÃOÇÃOÇÃOÇÃO EEEE COMBATECOMBATECOMBATECOMBATE AAAA INCÊNDIOINCÊNDIOINCÊNDIOINCÊNDIO

AAAA INCÊNDIOINCÊNDIOINCÊNDIOINCÊNDIO Elaborado por: Data   Prof. Kleber Gomes

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 2 de 15 1- Conceito

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 2 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 2 de 15 1- Conceito de Fogo Fogo é
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 2 de 15 1- Conceito de Fogo Fogo é

1-

Conceito de Fogo

Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos.

2-

Elementos que compõem o fogo

a. Combustível

b. Comburente (oxigênio)

c. Calor

d. Reação em cadeia

2.1- Combustível

É todo material que queima.

em cadeia 2.1- Combustível É todo material que queima. São sólidos, líquidos e gasosos, sendo que

São sólidos, líquidos e gasosos, sendo que os sólidos e os líquidos se transformam

primeiramente em gás pelo calor e depois inflamam.

Sólidos

Madeira, papel, tecido, algodão, etc.

Líquidos

Sólidos Madeira, papel, tecido, algodão, etc. Líquidos Voláteis – são os que desprendem gases inflamáveis à

Voláteis – são os que desprendem gases inflamáveis à temperatura ambiente.

Exemplo: álcool, éter, benzina, etc.

Não Voláteis – são os que desprendem gases inflamáveis à temperaturas maiores do que a do ambiente. Exemplo: óleo, graxa, etc.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 3 de 15 Gasosos Butano,

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 3 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 3 de 15 Gasosos Butano, Propano e Etano, etc.
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 3 de 15 Gasosos Butano, Propano e Etano, etc.

Gasosos

Butano, Propano e Etano, etc.

2.2- Comburente (Oxigênio)

Butano, Propano e Etano, etc. 2.2- Comburente (Oxigênio) É o elemento ativador do fogo, que se

É o elemento ativador do fogo, que se combina com os vapores inflamáveis dos combustíveis, dando vida às chamas e possibilitando a expansão do fogo. Compõe o ar atmosférico na porcentagem de 21%, sendo que o mínimo exigível para sustentar a combustão é de 16%.

2.3- Calor

É uma forma de energia. É o elemento que dá início ao fogo, é ele que faz o fogo propagar. Pode ser uma faísca, uma chama ou até um super aquecimento em máquinas e aparelhos energizados.

se

3- Reação em Cadeia

Os combustíveis, após iniciarem a combustão, geram mais calor(1). Esse calor provocará o desprendimento de mais gases ou vapores combustíveis (2), desenvolvendo uma transformação em cadeia ou reação em cadeia, que, em resumo, é o produto de uma transformação gerando outra transformação.

de uma transformação gerando outra transformação. Elaborado por: Data   Prof. Kleber Gomes
de uma transformação gerando outra transformação. Elaborado por: Data   Prof. Kleber Gomes

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 4 de 15 4- Propagação

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 4 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 4 de 15 4- Propagação do Fogo O fogo
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 4 de 15 4- Propagação do Fogo O fogo

4- Propagação do Fogo

O

fogo pode se propagar:

Pelo contato da chama em outros combustíveis;

Através do deslocamento de partículas incandescentes;

Pela ação do calor.

O

calor é uma forma de energia produzida pela combustão ou originada do atrito dos corpos.

Ele se propaga por três processos de transmissão:

Condução;

Convecção;

Irradiação.

4.1- Condução

É a forma pela qual se transmite o calor através do próprio material, de molécula a molécula ou de corpo a corpo.

material, de molécula a molécula ou de corpo a corpo. 4.2- Convecção É quando o calor

4.2- Convecção

É quando o calor se transmite através de uma massa de ar aquecida, que se desloca do local em chamas, levando para outros locais quantidade de calor suficiente para que os materiais combustíveis aí existentes atinjam seu ponto de combustão, originando outro foco de fogo.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 5 de 15 4.3- Irradiação

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 5 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 5 de 15 4.3- Irradiação É quando o calor
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 5 de 15 4.3- Irradiação É quando o calor
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 5 de 15 4.3- Irradiação É quando o calor

4.3- Irradiação

É quando o calor se transmite por ondas caloríficas através do espaço, sem utilizar qualquer meio material.

através do espaço, sem utilizar qualquer meio material. Elaborado por: Data   Prof. Kleber Gomes

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 6 de 15 5- Pontos

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 6 de 15 5- Pontos e
APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 6 de 15 5- Pontos e

Revisão:

04

Página 6 de 15

5- Pontos e Temperaturas Importantes do Fogo

5.1 - Ponto de Fulgor

É a temperatura mínima necessária para que um combustível desprenda vapores ou gases

inflamáveis, os quais, combinados com o oxigênio do ar em contato com uma chama, começam a se queimar, mas a chama não se mantém porque os gases produzidos são ainda insuficientes.

5.2 - Ponto de Combustão

É a temperatura mínima necessária para que um combustível desprenda vapores ou gases

inflamáveis que, combinados com o oxigênio do ar e ao entrar em contato com uma chama, se inflamam, e, mesmo que se retire a chama, o fogo não se apaga, pois essa temperatura faz gerar, do combustível, vapores ou gases suficientes para manter o fogo ou a transformação

em cadeia.

5.3 - Temperatura de Ignição

É aquela em que os gases desprendidos dos combustíveis entram em combustão apenas pelo

contato com o oxigênio do ar, independente de qualquer fonte de calor.

o oxigênio do ar, independente de qualquer fonte de calor. Elaborado por: Data   Prof. Kleber

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 7 de 15 6- Classes

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 7 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 7 de 15 6- Classes de Incêndio Os incêndios
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 7 de 15 6- Classes de Incêndio Os incêndios

6- Classes de Incêndio

Os incêndios são classificados de acordo com as características dos seus combustíveis. Somente com o conhecimento da natureza do material que está se queimando, pode-se descobrir o melhor método para uma extinção rápida e segura.

o melhor método para uma extinção rápida e segura. 6.1 - Classe A ◦ Caracteriza-se por
o melhor método para uma extinção rápida e segura. 6.1 - Classe A ◦ Caracteriza-se por
o melhor método para uma extinção rápida e segura. 6.1 - Classe A ◦ Caracteriza-se por
o melhor método para uma extinção rápida e segura. 6.1 - Classe A ◦ Caracteriza-se por
o melhor método para uma extinção rápida e segura. 6.1 - Classe A ◦ Caracteriza-se por

6.1 - Classe A

Caracteriza-se por fogo em materiais sólidos;

Queimam em superfície e profundidade;

Após a queima deixam resíduos, brasas e cinzas;

Esse tipo de incêndio é extinto principalmente pelo método de resfriamento, e às vezes por abafamento através de jato pulverizado.

e às vezes por abafamento através de jato pulverizado. 6.2 - Classe B ◦ Caracteriza-se por

6.2 - Classe B

Caracteriza-se por fogo em combustíveis líquidos inflamáveis;

Queimam em superfície;

Após a queima, não deixam resíduos;

Esse tipo de incêndio é extinto pelo método de abafamento.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 8 de 15 6.3 -

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 8 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 8 de 15 6.3 - Classe C ◦ Caracteriza–se
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 8 de 15 6.3 - Classe C ◦ Caracteriza–se

6.3 - Classe C

Caracteriza–se

por

fogo

equipamentos elétricos);

em

materiais/equipamentos

energizados

(geralmente

A extinção só pode ser realizada com agente extintor não-condutor de eletricidade, nunca com extintores de água ou espuma;

O primeiro passo num incêndio de classe C, é desligar o quadro de força, pois assim ele se tornará um incêndio de classe A ou B.

pois assim ele se tornará um incêndio de classe A ou B. 6.4 - Classe D

6.4 - Classe D

Caracteriza-se por fogo em metais pirofóricos (alumínio, antimônio, magnésio, etc.);

São difíceis de serem apagados;

Esse tipo de incêndio é extinto pelo método de abafamento;

Nunca utilizar extintores de água ou espuma para extinção do fogo.

6.5 – Classe K

Os extintores de agente úmido Classe K, contém uma solução especial de Acetato de Potássio, diluída em água, que quando acionado, é descarregada com um jato tipo neblina (pulverização) como em um sistema fixo. O fogo é extinto por resfriamento e pelo efeito asfixiante da espuma (saponificação). É dotado de um aplicador, que permite ao operador estar á uma distância segura da superfície em chamas, e não espalha o óleo quente ou gordura. A visão do operador não é obscurecida durante ou após a descarga. Ao considerar-se eficiência na extinção e a segurança do pessoal é o melhor extintor portátil para cozinhas comerciais/industriais. Desenhado para combates aos mais difíceis fogos (CLASSE K) como: gorduras e

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 9 de 15 banhas quentes,

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 9 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 9 de 15 banhas quentes, incêndios de óleos e
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 9 de 15 banhas quentes, incêndios de óleos e

banhas quentes, incêndios de óleos e gorduras de cozinhas e áreas de preparação de alimentos em restaurantes, lojas de conveniências, praças de alimentação, cafeterias de escolas e hospitais, e outros. Equipamentos típicos a serem protegidos pelo Classe K fritadeiras, frigideiras, grelhas, assadeiras, etc

7- Métodos de Extinção do Fogo

Partindo do princípio de que, para haver fogo, são necessários o combustível, comburente e o calor, formando o triângulo do fogo ou, mais modernamente, o quadrado ou tetraedro do fogo, quando já se admite a ocorrência de uma reação em cadeia, para nós extinguirmos o fogo, basta retirar um desses elementos. Com a retirada de um dos elementos do fogo, temos os seguintes métodos de extinção:

extinção por retirada do material, por abafamento, por resfriamento.

7.1- Extinção por retirada do material (Isolamento)

Esse método consiste em duas técnicas:

a) Retirada do material que está queimando;

b) Retirada do material que está próximo ao fogo

b) Retirada do material que está próximo ao fogo 7.2- Extinção por retirada do comburente (Abafamento)

7.2- Extinção por retirada do comburente (Abafamento)

fogo 7.2- Extinção por retirada do comburente (Abafamento) Este método consiste na diminuição ou impedimento do

Este método consiste na diminuição ou impedimento do contato de oxigênio com o combustível.

7.3- Extinção por retirada do calor (Resfriamento)

Este método consiste na diminuição da temperatura e eliminação do calor, até que o combustível não gere mais gases ou vapores e se apague.

o combustível não gere mais gases ou vapores e se apague. Elaborado por: Data   Prof.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 10 de 15 7.4- Extinção

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 10 de 15 7.4- Extinção Química
APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 10 de 15 7.4- Extinção Química

Revisão:

04

Página 10 de 15

7.4- Extinção Química

Ocorre quando interrompemos a reação em cadeia. Este método consiste no seguinte: o combustível, sob ação do calor, gera gases ou vapores que, ao se combinarem com o comburente, formam uma mistura inflamável. Quando lançamos determinados agentes extintores ao fogo, suas moléculas se dissociam pela ação do calor e se combinam com a mistura inflamável (gás ou vapor mais comburente), formando outra mistura não–inflamável.

8- Extintores de Incêndio

8.1 - O que é um extintor?

Extintor de incêndio é um equipamento de segurança que possui a finalidade de extinguir ou controlar incêndios em casos de emergências. Em geral é um cilindro que pode ser carregado até o local do incêndio, contendo um agente extintor sob pressão.

8.2 - Como surgiram os extintores

O médico alemão M. Fuchs inventou em 1734 bolas de vidro cheias de um solução salina destinadas a ser atiradas no fogo. O moderno extintor de incêndio automático foi inventado por um militar inglês, o Capitão George William Manby, depois de ter presenciado um incêndio em 1813 em Edimburgo que começou no quinto andar de um edifício no qual as mangueiras não alcançavam devido a altura da edificação. Nada pode fazer para evitar que

o fogo se espalhasse e tomasse o quarteirão.

Vendo tal fato o Capitão George, declarou que convicto que a aplicação de água num momento crítico, mesmo em pequena quantidade, exerce efeito. Porém utilizando uma quantidade muito superior num momento posterior não surtiria efeito, pois na velocidade em que as chamas se propagam a destruição é certa.

Em 1816 ele inventou um aparelho cilíndrico de cobre, com sessenta centímetros de altura

e capacidade de quinze litros. Era envasado com até três quartos de um líquido que Manby descrevia como fluido anti-chamas como uma solução de potassa cáustica. O espaço restante era cheio de ar comprimido.

8.3 – Manutenção

Os extintores precisam ter sua carga renovada regularmente, em intervalos estabelecidos pelo fabricante. Em geral estes variam de um a três anos. Em intervalos maiores o cilindro do extintor precisa passar por um teste hidrostático para determinar se ele possui vazamentos ou algum outro dano estrutural que prejudique o seu

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 11 de 15 funcionamento. Há

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 11 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 11 de 15 funcionamento. Há novos extintores que tanto
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 11 de 15 funcionamento. Há novos extintores que tanto

funcionamento. Há novos extintores que tanto o cilindro quanto sua carga vale cinco anos, e após o uso não tem mais utilização do cilindro como os antigos.

8.4 - Métodos de Extinção do Fogo

Os extintores de incêndio destinam-se ao combate imediato e rápido de pequenos focos de incêndios, não devendo ser considerados como substitutos aos sistemas de extinção mais complexos, mas sim como equipamentos adicionais.

Recomendações

Instalar o extintor em local visível e sinalizado;

O extintor não deverá ser instalado em escadas, portas e rotas de fuga;

Os locais onde estão instalados os extintores, não devem ser obstruídos;

O extintor deverá ser instalado na parede ou colocado em suportes de piso;

O lacre não poderá estar rompido.

suportes de piso; ◦ O lacre não poderá estar rompido. 8.5 – Agentes Extintores Água Pressurizada

8.5 – Agentes Extintores

Água Pressurizada

É o agente extintor indicado para incêndios de classe A; Age por resfriamento e/ou abafamento; Podem ser aplicado na forma de jato compacto, chuveiro e neblina. Para os dois primeiros casos, a ação é por resfriamento. Na forma de neblina, sua ação é de resfriamento e abafamento.

ATENÇÃO:

Nunca use água em fogo das classes B,C,D, E e K. Nunca use jato direto na classe B.

Pó Químico

É o agente extintor indicado para combater incêndios da classe B; Age por abafamento, podendo ser também utilizado na classe C, podendo danificar o equipamento.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 12 de 15 Espuma É

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 12 de 15 Espuma É um
APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 12 de 15 Espuma É um

Revisão:

04

Página 12 de 15

Espuma

É um agente extintor indicado para incêndios das classe A e B. Age por abafamento e secundariamente por resfriamento. Por ter água na sua composição, não se pode utilizá-lo em incêndio de classe C, pois conduz corrente elétrica.

Gás Carbônico (CO2)

É o agente extintor indicado para incêndios da classe C, por não ser condutor de eletricidade; Age por abafamento, podendo ser também utilizado nas classes A, somente em seu início e na classe B em ambientes fechados.

Extintores classe D

Possui agente extintor a base de cloreto de sódio. O incêndio é extinto através do isolamento entre o metal e a atmosfera e o resfriamento. O agente é depositado no metal em chamas através de um longo aplicador, que promove um fluxo controlado e lento. O aplicador é de fácil desacoplamento e mantêm o operador a uma distância segura do calor irradiado e da inalação dos gases queimados.

Acetato de Potássio Diluído em Água

Extintor de incêndio portátil com carga de Acetato de Potássio diluído em água é utilizado no combate a incêndio da classe K (óleos e gorduras vegetais) em cozinhas comerciais e industriais.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 13 de 15 VAMOS FIXAR

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 13 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 13 de 15 VAMOS FIXAR Elaborado por: Data  
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 13 de 15 VAMOS FIXAR Elaborado por: Data  

VAMOS FIXAR

A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 13 de 15 VAMOS FIXAR Elaborado por: Data   Prof. Kleber

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 14 de 15 COMO UTILIZAR

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 14 de 15 COMO UTILIZAR UM
APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 14 de 15 COMO UTILIZAR UM

Revisão:

04

Página 14 de 15

COMO UTILIZAR UM EXTINTOR DE INCENDIO PORTÁTIL

14 de 15 COMO UTILIZAR UM EXTINTOR DE INCENDIO PORTÁTIL Elaborado por: Data   Prof. Kleber

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 15 de 15 COMO SE

APOSTILA DE COMBATE E PREVENÇÃO A INCÊNDIO

Revisão:

04

Página 15 de 15

E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 15 de 15 COMO SE POSICIONAR Elaborado por: Data
E PREVENÇÃO A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 15 de 15 COMO SE POSICIONAR Elaborado por: Data

COMO SE POSICIONAR

A INCÊNDIO Revisão: 04 Página 15 de 15 COMO SE POSICIONAR Elaborado por: Data   Prof.

Elaborado por:

Data

 

Prof. Kleber Gomes

 

14/11/2014