Sei sulla pagina 1di 6

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

Idéias de Negócio

A Idéia de Negócio é um material meramente informativo acerca dos empreendimentos existentes no segmento correspondente ao seu título. Os dados apresentados são extraídos de publicações técnicas e, em linhas gerais, não têm a pretensão de ser um guia para a implementação dos respectivos negócios. É destinada apenas à apresentação de um panorama da atividade ao futuro empresário, que poderá enriquecer suas idéias com as informações apresentadas, mas carecerá de um estudo mais detalhado e específico para a implementação do seu empreendimento, este material ajudará você a conhecer a atividade escolhida.

FÁBRICA DE BIJUTERIA

(Fonte: SEBRAE/MG)

Houve um tempo, em nossa sociedade, que, em função do fascínio exercido pelas jóias, as bijuterias eram relegadas a segundo plano, quase desprezadas, usadas apenas por pessoas de menor poder aquisitivo ou "hippies". Contudo, mudanças na ordem econômica e social afetaram os conceitos de valores das pessoas, criando novos hábitos de consumo.

de valores das pessoas, criando novos hábitos de consumo. O ramo de bijuterias vem se aprimorando,
de valores das pessoas, criando novos hábitos de consumo. O ramo de bijuterias vem se aprimorando,

O ramo de bijuterias vem se aprimorando, utilizando-se de processos modernos de fabricação, investindo em matéria-prima de qualidade e apostando na criatividade e no bom gosto. Este é um

e apostando na criatividade e no bom gosto. Este é um setor que segue as tendências
e apostando na criatividade e no bom gosto. Este é um setor que segue as tendências

setor que segue as tendências da moda, que variam de acordo com as estações do ano e com os

moda, que variam de acordo com as estações do ano e com os contextos históricos e

contextos históricos e culturais. Portanto, o empreendedor deve manter-se sempre atualizado

Portanto, o empreendedor deve manter-se sempre atualizado quanto às inovações referentes a materiais, técnicas de

quanto às inovações referentes a materiais, técnicas de trabalho e tendências. Confeccionar bijuterias é uma atividade versátil, passível de ser desenvolvida a partir de modelos diversos. É importante lembrar que as técnicas são genéricas, podendo ser empregadas de acordo com a criatividade do empreendedor na elaboração das mais variadas peças.

A produção mais simples é aquela totalmente artesanal, feita num pequeno espaço, valendo-se de

alicates, colas, fios de náilon, contas, estruturas metálicas e pedras. Esta pequena estrutura é

adotada por um grande número de pessoas, que comercializam seus produtos, inicialmente, junto aos amigos, passando depois a colocá-los em consignação em lojas de bijuterias.

A fabricação de bijuterias pode ser uma atividade totalmente artesanal ou desenvolvida através de

uma estrutura maior, devidamente equipada, empregando um número razoável de pessoas. Neste sentido, uma fábrica de médio porte permitirá ao empreendedor produzir grande número de peças, ingressando em um mercado amplo e competitivo.

Máquinas e equipamentos para produção artesanal e industrial de bijuterias

A) Produção artesanal

Máquina de costura; Mesa de montagem;

Balança;

Estante;

Armário de aço com gavetas para guardar pequenos acessórios.

B) Produção industrial

Fornos para metais de baixa fusão; Centrífugas com ajuste a vácuo para metais de baixa fusão; Centrífugas automáticas para diversos discos;

Mesas para esmaltação com injetor automático;

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

Mesas com motores de polimento com sistema de exaustão;

Mesas com microfuradeiras de alta rotação e dispositivos rosqueadores; máquinas automáticas para fazer argolas e elos; Máquinas automáticas de solda elétrica para soldagem de pinos e componentes; Máquinas automáticas para dobragem e confecção de diversas formas de componentes de fios e

laminados;

Pequenas lixadeiras verticais e horizontais; Pequenos tornos para usinagem de caixas de relógios e outros;

Máquinas para apertar argolas; Máquinas para retorcer fios e perfis; Máquinas para apontar fios; Prensas automáticas de alta velocidade, com alimentador automático, mecânico ou de vácuo de 100 a 500 toneladas de pressão; Máquinas perfiladoras de microtubos e seus acessórios; Máquinas a vácuo ou mecânico para virar, furar e rebordar; máquinas de serra circular para microdiscos de serras; Equipamento de limpeza a vapor; Equipamentos de deposição de metais preciosos ou não pelo sistema de canetas; Equipamento automático para depositar cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras.

cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo
cola para colagem de strass, pérolas e outras pedras. Um aspecto a ser considerado no ramo

Um aspecto a ser considerado no ramo refere-se à definição do mercado-alvo, isto é, dos consumidores que a empresa pretende atender. Deve-se buscar identificar as preferências do público consumidor, que, em sua grande maioria, é constituído por mulheres de todas as faixas etárias. É importante que o empreendedor tenha sempre em mente o consumidor final, a fim de produzir peças compatíveis com os seus anseios.

Sobre fornecedores, de acordo com a demanda, o empreendedor irá adquirir os materiais diretamente do fabricante (grandes quantidades) ou de distribuidores. Para as pequenas empresas, o ideal é que as compras sejam feitas junto às distribuidoras, já que, para vendas diretas, as indústrias exigem uma cota mínima de mercadorias, normalmente superior às necessidades do fabricante.

É importante que o empreendedor identifique o fornecedor adequado para cada tipo de material utilizado na confecção das bijuterias. Para tanto, deve consultar catálogos e publicações especializados, sindicatos e entidades empresariais, verificando a idoneidade do fornecedor, incluindo pontualidade na entrega e cumprimento de preços e prazos contratados.

Existe uma infinidade de materiais utilizados na produção de bijuterias. Tudo dependerá da linha

adotada e da infra-estrutura do negócio. No caso de produção artesanal, os principais materiais são estruturas metálicas para brincos e broches, anéis, pedras, contas, fios, cordões, que poderão ser adquiridos em atacadistas. Para empreendimentos com estrutura voltada para a fabricação em série,

a diversidade de matéria-prima é maior. O empreendedor irá adquirir não só adornos (pedras, contas,

etc.) como também liga, solda, pinos, materiais para banhos (ouro, níquel) matrizes, Basicamente, os materiais utilizados são de origem nacional. Contudo, pode-se trabalhar com itens importados, obtendo-se modelos mais sofisticados e diferenciados.

Outro aspecto deste negócio é a exclusividade das peças produzidas, que garante um diferencial

e destaca as bijuterias no mercado. Neste sentido, uma forma de obter a exclusividade de cada

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

peça e/ou a originalidade de cada linha lançada "designer".

no

mercado

é contratar o trabalho de um

Caso o empreendedor não tenha interesse em contratar o "designer", sugerimos-lhe a participação em cursos e a atualização com as tendências da moda e do mercado, a partir da leitura de publicações específicas.

Na implantação de uma fábrica de bijuterias deve-se levar em consideração a área de produção ou montagem de peças, que deverá ter circulação ampla. A distribuição do mobiliário será de acordo com as necessidades da linha de produção pretendida.

A área de produção poderá contar com prateleiras para guarda de material, estantes que servem

para organizar a matéria-prima, mesas de trabalho onde as peças serão montadas, além das máquinas para confecção. Como as peças geralmente são de pequeno tamanho, leves e frágeis, a grande maioria pode ser exposta em vitrines. Dessa forma, caso o empreendedor queira comercializar as peças confeccionadas, será importante que a fábrica tenha um setor de atendimento ao público, cujo objetivo é a venda no atacado e no varejo. Pode-se reservar uma área pequena para vendas, com a finalidade de atrair compradores e curiosos.

vendas, com a finalidade de atrair compradores e curiosos. A montagem inicial da fábrica não exige
vendas, com a finalidade de atrair compradores e curiosos. A montagem inicial da fábrica não exige

A montagem inicial da fábrica não exige nenhum equipamento especial. Porém, é recomendável

a instalação de um sistema antifurto, devido à facilidade de acesso e do tamanho reduzido dos

produtos. Aconselha-se, ainda, a instalação de um sistema informatizado de controle de estoque e fluxo de caixa.

Para produzir a bijuteria o empreendedor precisa ter conhecimento sobre o assunto. Na maioria dos processos de produção, a falta de técnicas adequadas provoca problemas, como a falta de qualidade e a conseqüente perda de credibilidade do produto. Assim, o ideal é procurar as escolas especializadas ou, para quem não tem esta opção, os cursos por correspondência. Para os iniciantes existem os cursos básicos de montagem de bijuterias finas.

O processo de produção de bijuterias varia muito de peça para peça e de uma fábrica para outra. A

seguir, apresentamos informações sobre a montagem de algumas bijuterias.

1) Colar de pérolas Inicialmente deve-se identificar a diferença de cada peça:

coleira: sob medida ou com fecho ajustável; gargantilha: na altura da garganta, em torno de 40 cm; colar: na altura do colo, em torno de 60 cm; soutoir: longo, sem fecho, no mínimo 80 cm; pulseira: média 17 cm.

Depois se trabalha com as contas ou bolinhas, as quais são identificadas por números, que correspondem ao seu diâmetro em milímetros. Uma pérola número 6, tem 6 mm de diâmetro. Ao montar um colar com 60 cm serão utilizadas 94 contas, já que terão o fecho e dois tipo, que ocupam em média 3 cm cada. Normalmente, com as contas restantes é feito um par de brincos.

O cordonê, muito usado na montagem de colares de pérolas, também é identificado por

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

números, que podem ser 1, 0, 00, 000. Quanto mais zero tem o número, mais grosso é o cordonê.

2) Colar simples com fio de náilon Matérias primas: fios de náilon, dois tips, bolinhas.

Processo de produção: corte o fio, deixando 20 cm a mais do tamanho desejado. Dê um nó em uma das pontas, coloque o tip, a bolinha e vá enfiando as contas. Arremate o colar com uma bolinha, um tip, dê os nós com a agulha de crochê e corte, deixando uma pequena ponta e queime. Prenda os tips no fecho.

Tempo médio de montagem: 5 minutos.

3) Colar duplo com fio de náilon Matérias primas: fio de náilon, agulha, 186 bolinhas,
3) Colar duplo com fio de náilon
Matérias primas: fio de náilon, agulha, 186 bolinhas, 6 tips.

de produção: utilize a mesma técnica do exemplo acima para cada volta. Colares com duas

voltas ou mais, para terem um caimento perfeito ao redor do pescoço, precisam ter duas contas a

Processo

mais em

mais em

cada fileira adicional.

cada fileira adicional.
mais em cada fileira adicional.
mais em cada fileira adicional.
mais em cada fileira adicional.
mais em cada fileira adicional.

Tempo médio de montagem: 10 minutos.

4) Colar com alfinetes e contas Matérias primas: alfinetes com argolas, contas, elos de corrente.

Processo de produção: prepare cada conta; coloque sobre o dedo mínimo e corte a sobra do alfinete que estiver acima do dedo indicador. Com o auxílio do alicate redondo, vire a haste em sua direção, formando um ângulo de 90 graus. Com a ponta do alicate, torça o arame em sentido contrário, formando um ganchinho. Junte as contas já preparadas com argolas, elos de corrente ou com os próprios ganchinhos.

Tempo médio de montagem: 10 minutos.

5) Correntes com entremeios Matérias primas: alfinete, corrente e contas.

Processo de produção: prepare os entremeios com alfinetes, corte as partes da corrente no tamanho desejado e prenda-os com o próprio ganchinho.

Tempo médio de montagem: 15 minutos.

6) Brincos Matérias primas: alfinete, pedras ou contas ou pingente, duas tarraxas, duas bases para brinco, cola.

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

Processo de produção: pingente - coloque as contas num alfinete com cabeça e trabalhe com a mesma técnica utilizada para o colar com alfinete e contas. Prenda o ganchinho no fecho do brinco. Pressão - prepare a peça do brinco e cole-a no fecho de pressão.

Tempo médio de montagem: 5 minutos.

7) Pulseiras Matérias primas: elástico, contas e cola. Processo de produção: corte o elástico no tamanho desejado, deixando uma folga para o nó. Queime a ponta do elástico para facilitar a colocação das contas e enfie as peças. Ajuste o tamanho, dê dois nós e pingue cola em tudo.

Tempo médio de montagem: 10 minutos.

8) Bijuteria com cerâmica plástica
8) Bijuteria com cerâmica plástica
8) Bijuteria com cerâmica plástica

8) Bijuteria com cerâmica plástica

8) Bijuteria com cerâmica plástica
8) Bijuteria com cerâmica plástica

informações sobre a confecção de bijuteria com cerâmica plástica no formato de caracol,

que é o tipo mais fácil de fazer. Estas informações podem ser adaptadas para a confecção de vasos, copos para vela, entre outros.

Seguem

confecção de vasos, copos para vela, entre outros. Seguem Matérias primas: massa de cerâmica plástica colorida
confecção de vasos, copos para vela, entre outros. Seguem Matérias primas: massa de cerâmica plástica colorida
confecção de vasos, copos para vela, entre outros. Seguem Matérias primas: massa de cerâmica plástica colorida
confecção de vasos, copos para vela, entre outros. Seguem Matérias primas: massa de cerâmica plástica colorida

Matérias primas: massa de cerâmica plástica colorida em tabletes, rolo e cola.

Processo de produção: primeiro, separe uma superfície vitrificada e lisa (vidro, azulejo), exceto madeira, pois o material pode manchá-la. O uso de luvas é recomendável para manter a higiene. Para o caracol, separe 1/4 do tablete de massa e pique como se fosse um tempero. Junte os pedaços e passe o rolo por cima para dar o ponto certo. Não ficará mole, não se assuste. O trabalho de amassar a massa dura de 10 a 15 minutos. Faça isso até a massa ficar sem rachaduras. Em seguida, abra a massa com o rolo, sempre em forma de retângulo. Do contrário, virará pizza. Amasse um pouco de um lado, vire para a direita, para a esquerda, de cabeça para baixo e assim por diante até ficar uma tira retangular e comprida, como a de pastel, bem fininha. Faça isso em todas as cores que desejar utilizar. Chegou à hora de montar: embaixo, coloque a cor mais escura e, por cima, a mais clara. Cole bem. Deixe a cor escura um poucochinho mais esticado do que a clara. Comece a enrolar como se fosse um rocambole. Gire bem devagar e deixe as massas bem grudadas. Depois, segure a massa na mão e vá girando e apertando como se fosse um parafuso.

Diminua até o tamanho que quiser usar (pressionando na superfície vitrificada). Não se preocupe, porque a massa não perderá a forma nem grudará na mão. Corte no tamanho desejado e coloque na peça escolhida (anel, brinco, etc.) sem usar cola. Leve a massa ao forno na temperatura 130°C junto com a peça e deixe por 20 minutos. Se você usar o forno convencional (de fogão), aqueça-o previamente por dez minutos na temperatura mais baixa. Depois disso, coloque a peça com a massa encaixada, ponha uma colher de pau para deixar o forno semi- aberto e conte 20 minutos. Retire o material do forno e você perceberá que a massa irá se separar facilmente da peça. A massa ficará modelada de acordo com o formato da peça. Agora, use cola própria para bijuteria na peça (em pequena quantidade) e coloque a peça.

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

FICHA TÉCNICA FÁBRICA DE BIJUTERIA

As informações contidas neste trabalho servem apenas como base de sugestão ou orientação para futuros estudos. Os procedimentos para produção em escala industrial necessitam de adequação das matérias-primas e dos equipamentos, bem como de sucessivas elaborações e desenvolvimentos ditados pela experiência de quem os utiliza, observando sempre os devidos controles de qualidade e a supervisão de profissionais da área (conforme legislação em vigor).

de profissionais da área (conforme legislação em vigor). SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e

SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul Av. Mato Grosso, 1661 - Centro - CEP 79002-950 - Campo Grande/MS 0800-570-0800 - www.sebrae.com.br/uf/mato-grosso-do-sul

Interessi correlati