Sei sulla pagina 1di 13

FUNDAMENTOS DE HARDWARE

PRINCÍPIOS DO FUNCIONAMENTO

Um sistema baseado em computador é, na verdade, composto por hardware e software. Hardware é o nome que se dá para a parte física do computador. É tudo que você pode tocar (mouse, teclado, caixas de som, placas, fios, componentes em geral). Software é o nome que se dá a toda parte lógica do computador. Ou seja, são os programas que você vê funcionar na tela do micro e que dão "vida" ao computador. Sem um software adequado à suas necessidades, o computador, por mais bem equipado e avançado que seja, é completamente inútil. O computador não é uma máquina com inteligência. Na verdade, é uma máquina com uma grande capacidade para processamento de informações, tanto em volume de dados quanto na velocidade das operações que realiza sobre esses dados. Basicamente, o computador é organizado em três grandes funções ou áreas, as quais são: entrada de dados, processamento de dados e saída de dados.

Entrada de Dados Para o computador processar nossos dados, precisamos ter meios para fornecê- los a ele. Para isso, o computador dispõe de recursos como o teclado (para digitação, por exemplo, do texto que define um programa de computador), o mouse (para selecionar opções e executar algumas operações em um software qualquer), disquetes e CDs para entrada de dados (gerados provavelmente em algum outro computador), mesas digitalizadoras (muito utilizadas por programas CAD e aplicativos gráficos em geral) e outros.

Processamento de Dados Os dados fornecidos ao computador podem ser armazenados para processamento imediato ou posterior. Esse armazenamento de dados é feito na memória do computador, que pode ser volátil (isto é, desaparece quando o computador é desligado), referenciada como memória RAM (Random Access Memory - memória de acesso aleatório), ou pode ser permanente (enquanto não é "apagada" por alguém) através do armazenamento dos dados em unidades como as de disco fixo, que são meios físicos (meio magnético) localizadas no interior do gabinete do computador. Há também os disquetes, que são discos ―removíveis‖, e mais recentemente os CDs graváveis. O processamento dos dados é feito na CPU Central Process Unit - unidade de processamento central (ou simplesmente processador, como o Pentium), onde a informação é tratada, sendo lida, gravada ou apagada da memória, sofrendo transformações de acordo com os objetivos que se deseja atingir com o processamento delas.

Todos os programas escritos em uma determinada linguagem de programação são traduzidos por um programa chamado compilador que é um tradutor que converte todas as instruções em linguagem de máquina ou binária (0 e 1).

Saída de Dados Os dados resultantes do processamento das informações pelo computador podem ser apresentados de inúmeras formas, e por meio de diversos dispositivos. O monitor de vídeo é um dos principais meios para se obter dados de saída do computador: tanto texto normal ou formatado (como em tabelas ou formulários) e gráficos podem ser apresentados ao usuário através desse dispositivo. Se quisermos que os resultados sejam apresentados em papel, podemos fazer uso de impressoras e/ou plotters (para "plotagem" de desenhos); se quisermos levar esses dados para outros computadores, podemos fazer uso, por exemplo, dos disquetes, ou então conectar os computadores em rede (resumidamente, ligá-los através de cabos). Quando tratamos dados do tipo áudio (som) a saída ocorre através das caixas de som ou fones de ouvido.

de cabos). Quando tratamos dados do tipo áudio (som) a saída ocorre através das caixas de

PRINCIPAIS COMPONENTES DA UNIDADE DE SISTEMA

Dentro do gabinete encontramos várias peças importantes tais como:

Placa mãe;

Disco rígido (HD);

Unidade de fonte elétrica;

Processador;

Cooler;

Unidade de disquete;

Porta USB;

Placas (Som, Video, Fax Modem, etc);

Unidade DVD-ROM (CD-ROM)

Memória (ROM, RAM);

Etc.

Vamos aprender um pouco sobre algumas dessas peças.

A PLACA MÃE

aprender um pouco sobre algumas dessas peças. A PLACA MÃE É a placa principal, que possui

É a placa principal, que possui um conjunto de circuitos integrados ("chip set") o qual reconhece e gerencia o funcionamento de todo o equipamento.

Se tomarmos o processador o cérebro do computador, pode-se dizer que a placa- mãe ( ou motherboard ) é sua a espinha dorsal, pois é por meio dela que o processador se comunica com os demais periféricos.

Ou seja, a placa-mãe interliga todos os dispositivos do equipamento, possuindo vários tipos de conectores. O processador é instalado em seu socket, o disco rígido (HD)

é ligado nas portas IDE ou SATA, a placa de vídeo pode ser conectada nos slots AGP

) podem ser

8x ou PCI-Express 16x e as outras placas (placa de som, placa de rede

encaixadas nos slots PCI. E ainda há o conector da fonte e os encaixes das memórias.

Toda placa mãe possui o programa de controle BIOS ("Basic Input Output System"), armazenado em memória ROM, que é o responsável pelo teste inicial do sistema ("POST - Power On Self Test") e que guarda as configurações do hardware e as informações referentes à data e hora.

O BIOS faz o chamado "boot", que consiste em carregar o programa do sistema operacional, que está arquivado no disco rígido para a memória principal. Com o sistema operacional carregado, o microcomputador está pronto para executar os comandos e executar outros programas.

Para manter as configurações da BIOS, ou seja, os dados gravados no chip de memória, responsável pelo armazenamento das informações sobre a configuração da máquina, incluindo a memória RAM disponível, é usada uma bateria de níquel-cádmio ou lítio, normalmente de 3 volts. Portanto, mesmo com o computador desligado, o relógio e as configurações de hardware são mantidos ativos. Assim, ao ligar o computador o BIOS executa o auto teste inicial do sistema.

Se a bateria ficar fraca aparecem as mensagens "Battery low" e "Memory size wrong". Então a bateria deve ser substituída por outra com as mesmas características. Pode ser encontrada em lojas que vendem pilhas para relógios e telefones e tem uma vida útil que varia de dois a quatro anos. A substituição é simples, já que ela é apenas encaixada em um compartimento na placa-mãe. O cabo de força da tomada deve ser desligado antes de realizar essa operação de remoção e recolocação da bateria.

O relógio ajuda a perceber quando a bateria está ficando fraca. Se, toda vez que se ligar o pc, aparecer a hora e a data com informação errada, em muitos minutos ou horas e até dias, é o momento para trocar a bateria.

As placas mãe se diferem uma da outra pelo formato, pela tecnologia suportada

e pela velocidade de comunicação com os periféricos.

Na placa mãe fica a controladora IDE ("Integrated Device Eletronics") que controla os periféricos acoplados ao microcomputador e gerencia os dispositivos de entrada e saída: porta serial Com 1 ("mouse"), porta serial Com 2 ( 'Fax-Modem"), porta paralela ( impressora ), porta SCSI ( permite a conexão de até sete acessórios ) e a interface USB ("Universal Serial Bus"), um tipo de conector universal que suporta a conexão de muitos acessórios.

sistema

denominado plug-and-play (PnP), que detecta automaticamente qualquer novo periférico, facilitando a sua instalação.

Atualmente,

na

maioria

dos

computadores,

o

BIOS

possui

um

O HD OU DISCO RÍGIDO

O HD OU DISCO RÍGIDO O Disco Rígido ( em inglês = Hard Disk, ou HD)

O Disco Rígido ( em inglês = Hard Disk, ou HD) é instalado no gabinete. É um disco rígido de vidro ou alumínio, parafusado em um motor, e que possui uma superfície magnética. Como se fosse uma agulha, uma pastilha de silício, permite a leitura e a gravação do disco.

Portanto o HD é um sistema de armazenamento de alta capacidade, que possibilita armazenar arquivos permanentemente, pois, ao contrário da memória RAM, os dados gravados no HD não são perdidos quando se desliga o computador.

Ou seja, o Disco Rígido é o local onde se encontra a maior parte da memória secundária, onde o computador armazena os programas e as informações que estão sendo usadas, modificadas ou processadas. Uma característica desse tipo de disco é que os dados gravados podem ser recuperados para a memória RAM, modificados e novamente gravados, inúmeras vezes.

Apesar de também ser uma mídia magnética, um HD é muito diferente de um disquete comum, ele é composto por vários discos empilhados que ficam dentro de uma caixa hermeticamente lacrada já que, como gira a uma velocidade muito alta, qualquer partícula de poeira em contato com os discos, poderia inutilizá-los completamente. Assim, um disco rígido "nunca" deve ser aberto, a não ser para fins educativos.

Fisicamente, os HDs são constituídos por discos, que são divididos em trilhas e estas são formadas por setores. Para serem usados pelo computador, os HDs precisam de uma interface de controle. Utiliza-se a IDE ("Intergrated Drive Electronics"), SCSI ("Small Computer System Interface") e SATA (Serial ATA). Essas últimas estão contando com a preferência dos fabricantes e usuários.

Assim, todos os programas instalados ficam gravados no HD. E, também aí ficam todos os nossos arquivos: trabalhos, gráficos, textos, músicas, planilhas, fotos etc. Por isso, é necessário que o HD tenha uma boa capacidade para armazenar tantos dados,

ou seja, quanto maior for a capacidade do HD, maior será a quantidade de dados que poderá ser armazenada.

A forma de armazenamento de dados do HD é magnética, por isso, para ler os dados existe uma cabeça de leitura para transformar os dados magnéticos em impulsos elétricos.

Parte da memória do HD, geralmente 10%, é utilizada pelo computador como uma memória virtual, onde serão executadas diversas operações. Assim, se o disco rígido estiver cheio, não conseguirá processar coisa alguma.

Depois de certo tempo de uso, apagando e criando arquivos, instalando e desinstalando programas, o disco rígido pode ficar excessivamente fragmentado, ou seja, com pedaços de arquivos muito espalhados, contribuindo para diminuir o desempenho do computador e causando lentidão.

Esse fato pode ser corrigido utilizando-se um programa do próprio sistema operacional: o desfragmentador de disco, que tem como finalidade básica o realinhamento contínuo dos arquivos e eliminação dos espaços vazios.

Um cuidado a ser tomado é evitar que o gabinete sofra algum abalo, especialmente enquanto o computador estiver ligado. Também não se deve desligar o computador antes do sistema encerrar todas as funções, pois isso pode prejudicar o funcionamento do disco rígido.

Porque os Hard Disks são chamados de winchester?

Os primeiros discos rígidos tinham duas faces com capacidade de 30 megabytes cada uma e tempo de acesso de 30 milissegundos.

Por coincidência, os rifles Winchester também eram chamados dessa maneira, por possuírem calibre 30.30.

Alguém apelidou um hard disk de winchester e o apelido logo passou a ser usado internacionalmente. E, assim, a palavra Winchester por muito tempo, passou a ser muito usada para designar HDs de qualquer espécie.

PROCESSADOR

PROCESSADOR ou processador, ou CPU (do inglês Central Processing Unit - Unidade de Processamento Central), fica

ou

processador, ou CPU (do inglês Central Processing Unit - Unidade de Processamento Central), fica acoplada na placa-mãe.

A

unidade

de

processamento,

1 - A CPU (ou processador) é composta por

2 - uma unidade de aritmética e lógica (ULA): é

a unidade central do processador, que realmente executa as operações aritméticas e lógicas entre dois números.

3 - uma unidade de controle (UC) : é a unidade que armazena a posição de memória que

contém a instrução que o computador está executando nesse momento. Ela informa à ULA qual operação a executar, buscando a informação (da memória) que a ULA precisa para executá-la. Depois, transfere o resultado de volta para o local apropriado da memória. A seguir, a unidade de controle vai para a próxima instrução.

4 - e uma memória central (principal)

A CPU é considerada a parte mais importante de um computador, pois é

responsável pelo processamento de todos os tipos de dados e pela apresentação do resultado do processamento, ou seja, é a parte mais importante do computador, pois é ali

onde são interpretadas e executadas as instruções fornecidas pelos aplicativos (softwares), como o sistema operacional e o editor de textos, por exemplo.

As CPUs antigas eram compostas por vários componentes separados, mas desde

meados da década de 1970 elas vem sendo feitas em um único circuito integrado, tendo recebido ao nome de microprocessadores.

Assim, atualmente, a CPU é implementada fisicamente no processador, que tem um único chip, constituído por milhões de transistores, dividido em vários grupos de componentes, podendo-se citar entre eles as unidades de execução (onde as instruções são realmente processadas) e os caches.

Funções e Tipos

O processador tem 3 funções básicas:

Realizar cálculos de operações aritméticas e comparações lógicas,

Manter o funcionamento de todos os equipamentos e programas, pois a unidade

de controle interpreta e gerencia a execução de cada instrução do programa e

Administrar na memória central (principal) além do programa submetido, os dados transferidos de um elemento ao outro da máquina, visando o seu processamento.

O processador se comunica com outros circuitos e placas que são encaixadas nas

fendas, os "slots" ou seja, conectores da placa-mãe. O caminho pelo qual se dá essa comunicação entre o processador e as outras placas é denominado de barramento.

Há dois tipos de barramento mais comuns:

ISA ("Industry Standard Architecture") e

PCI ("Peripheral Component Interconnect").

É importante notar que quanto mais rápido for o processador, maior será a

velocidade com que os dados serão trabalhados e mais rapidamente as instruções serão

executadas.

O que determina se um processador é mais rápido que outro é a velocidade de

execução de instruções, que geralmente é medida pelo seu clock na unidade megaHertz

(MHz = milhões de ciclos por segundo em unidades antigas, ou em GHz (gigahertz) nos processadores mais novos.

Lembrar que:

Mega é um prefixo de origem grega que dá a idéia de grande, aplicado às unidades, utiliza-se "mega" para representar um milhão. Giga são mil milhões.

Hertz é uma unidade de periodicidade que corresponde a um ciclo por segundo algo como uma "instrução-por-segundo".

Logo, 100 Hz possiblita 100 instruções/segundo. 100 MHz são 100 milhões de instruções por segundo. Mil megahertz (1000 MHz) equivalem a um gigahertz (1 GHz) que, por sua vez, significa um bilhão de instruções por segundo.

Importante é lembrar que todo processador deve ter um cooler acoplado, peça que lembra um ventilador. O cooler é a responsável por manter a temperatura do processador em níveis aceitáveis, o que é essencial, pois quanto menor for a temperatura, maior será a vida útil do processador.

A temperatura sugerida para cada processador varia de acordo com o fabricante,

com o mecanismo e com o seu desempenho. Considera-se, de modo geral que 25ºC é um valor bom para qualquer processador (e para qualquer peça dentro do computador,

já que não é apenas ele que esquenta).

Single Core, Dual Core, Multicore

Fala-se em tecnologia multicore quando o processador tem vários núcleos.

"Dual core" em português significa dois núcleos, ou seja, há dois núcleos de processamentos embutidos em um chip, em vez de apenas um núcleo ("Single core"). Não equivale exatamente a ter dois processadores simultâneos, mas produz um resultado interessante, principalmente para quem trabalha com várias janelas e/ou muitos aplicativos abertos ao mesmo tempo.

Na prática, o uso de "dual core" ainda não tem utilidade para jogos, mas existe

certa diferença no ganho de desempenho para aplicativos de Internet e para as pessoas

que adoram ter dezenas de programas abertos ao mesmo tempo, Nesse patamar, a "AMD" trabalha com o Athlon X2 e a "Intel" com o Pentium D, mas em novembro de 2005 ainda são raros no Brasil.

A "AMD" prometeu ampliar investimentos na criação de um processador de quatro núcleos como parte de um plano tecnológico para os próximos dois anos. Deve ser lançado um novo design de núcleo em 2007, similar ao utilizado pelos processadores Opteron e Athlon 64. O novo processador vai contar com quatro núcleos conectados por uma nova versão da tecnologia de interconexão Hypertransport e vai suportar memória DDR3 ("Double Data Rate 3").

No início de 2006 a "Intel" revelou que esperava vender 60 milhões de chips de

núcleo duplo este ano. E também que esperava colocar seu primeiro processador de núcleo quádruplo no mercado em 2007.

O chip Clovertown agrupa quatro processadores em um único pacote,

permitindo que computadores processem dados mais rápido ou executem mais aplicativos ao mesmo tempo, usando menos energia que um design de núcleo único. O Clovertown é dirigido a servidores que acionam redes empresariais e hospedam sites. Será vendido em servidores com baias para dois processadores, o que significa que os

computadores terão até oito núcleos processando dados simultaneamente.

Arquiteturas 32 bits ou 64 bits

Essas arquiteturas referem-se à quantidade de dados e instruções com que o processador consegue trabalhar em cada operação.

Para calcular esse valor, é preciso calcular 2 elevado à quantidade de bits internos do processador:

16 bits = 2^16 = 65.536

32

bits = 2^32 = 4.294.967.296

64 bits = 2^64 = 18.446.744.073.709.551.616

Nota: O símbolo ^ significa "elevado a"

Portanto, a arquitetura de 64 bits consegue lidar com uma quantidade maior de dados simultaneamente.

Ou seja, um processador com 32 bits pode manipular um número de valor até 4.294.967.296. Portanto, em um cálculo, se um certo número tiver valor superior a esse, por exemplo: 70.000, terá que realizar cada etapa da operação em duas vezes ou mais, enquanto um chip de 64 bits fará tudo em apenas uma vez, pois pode manipular números de valor até 4.294.967.296 em uma única operação.

Assim para valores até 4.294.967.296 não faz muita diferença se usamos processadores / programas 32 ou 64 bits. E uma boa quantidade de programas de uso comum ainda é assim.

Por exemplo, supondo que alguém esteja utilizando um editor de textos. É improvável que esse programa chegue a utilizar grandes valores em suas operações, portanto a pessoa praticamente não sentirá diferença se utilizar um computador com 32 ou com 64 bits.

É importante ressaltar que não necessariamente a velocidade de computadores

com esses processadores seja diferente, pois muitos programas trabalham com valores suportáveis por ambos os chips.

Cuidados

O processador é o componente que mais esquenta dentro de um computador.

O calor excessivo pode levar a vários reiniciar e desligar continuamente, inviabilizando o uso do equipamento.

Com relação ao gabinete do computador é importante:

Jamais tapar as perfurações que asseguram a ventilação,

Mantê-lo longe de ambientes úmidos ou de temperaturas elevadas. E

Manter o interior o mais limpo possível

Deve-se lembrar de que:

Deixar o gabinete aberto auxilia a manter a temperatura mais baixa, mas todas as placas acumularão pó rapidamente.

Colocar uma ou mais embalagens pequenas de silica gel no gabinete auxilia na absorção de umidade no ambiente, e ajuda a evitar a oxidação (ferrugem) dos componentes.

MEMÓRIA RAM

Na placa-mãe também ficam encaixados os módulos da memória principal, também chamado de “pentes” de memória RAM ("Random Access Memory"), a memória de acesso aleatório. Esses módulos de memória são os responsáveis pelo armazenamento dos dados e das instruções que o processador precisa para executar suas tarefas.

É para a memória RAM que são

para executar suas tarefas. É para a memória RAM que são transferidos os programas (ou parte

transferidos os programas (ou parte deles) e os dados que estão sendo trabalhados nesse momento. É principalmente nela

que é executada a maioria das operações, portanto é nesta memória que ocorrem as operações da CPU.

Este tipo de memória permite tanto a leitura como a gravação e a regravação de dados. No entanto, assim que os módulos deixam de ser alimentados eletricamente, ou seja, quando o computador é desligado, a memória RAM é apagada, ou seja, perde todos os seus dados. Assim, a memória RAM é uma memória temporária (volátil).

Daí vem a necessidade de guardar ("salvar") o resultado do processamento no disco rígido antes de desligá-lo.

A razão da existência e importância da memória RAM está na sua velocidade de

leitura dos dados, que é muito grande. Todas informações que estão contidas nela podem ser acessadas de maneira mais rápida do que as informações que estão no disco rígido, no disquete ou no CD-ROM, que são consideradas tipos de memórias

secundárias. Essas, apesar de terem acesso mais lento são permanentes, ou seja, as informações nelas gravadas ficam armazenadas mesmo quando o micro está desligado.

Velocidade

Os módulos, também chamados "pentes" de memória RAM variam em capacidade de armazenamento e em velocidade. Em princípio, quanto mais memória RAM o computador tiver, tanto mais rápido será o seu funcionamento e mais facilmente ele suportará a execução de funções simultâneas. Os tamanhos de memória RAM foram aumentando gradativamente: 16, 32, 64, 128, 256, 512 MB, e assim por diante.

Quando se escolhe um computador esta especificação é quase tão importante quanto a capacidade do processador, pois a simples adição de mais memória pode

deixar um computador mais rápido, sem que haja a necessidade de trocá-lo por um modelo mais moderno.

Evidentemente aumentar a memória RAM não garante um processador mais rápido, mas o torna mais eficiente, já que perde menos tempo para recuperar os dados armazenados na memória virtual. Essa memória é um recurso pelo qual o sistema operacional utiliza o de disco rígido como uma extensão da RAM quando essa memória está totalmente ocupada. Como a memória física é mais veloz que o disco rígido, o desempenho do computador melhora.

Tipos de RAM

Cada tipo tem uma forma de encapsulamento e um modo de funcionamento.

DRAM ("Dynamic Random Access Memory"): É o tipo dinâmico. Os módulos possuem alta capacidade, podendo comportar grandes quantidades de dados. No entanto, o acesso a essas informações costuma ser mais lento que nas memórias estáticas. Em compensação tem preços bem menores que as memórias do tipo estático, pois utiliza uma tecnologia mais simples.

SRAM ("Static Random Access Memory"): É o tipo estático. São muito mais rápidas que as memórias DRAM, porém armazenam menor quantidade de dados.

Encapsulamento

O chip de memória é um circuito elétrico integrado em uma minúscula fatia de silício contendo impurezas. É um pouco mais espesso que uma folha de papel e é muito delicado, não podendo suportar exposição ao ar. Portanto, o que chamamos de "chip" de memória, é o encapsulamento, ou seja, o invólucro protetor do circuito, que é feito de material plástico ou resina epoxi. A memória está lá dentro e se liga ao mundo exterior por fios metálicos que saem do invólucro e se conectam a contatos metálicos que se encaixarão nos soquetes ou slots (fendas com contatos elétricos) da placa-mãe.

Há vários tipos de encapsulamento de memória (DIP, SIPP, SIMM, DIMM, DDR), sendo que no primeiro semestre de 2005, o tipo de memória mais usado é o DDR que atinge altas taxas de transferência de dados.

DDR

Os módulos de memórias DDR ( Double Data Rate ) são facilmente distinguíveis: há apenas uma divisão no encaixe do pente, enquanto que na memória SDRAM há dois.

Possuem 184 pinos, 16 há mais que as memórias tradicionais, que tem 168. A voltagem das DDR é 2.5v, contra 3.3v das SDRAM, o que diminui o consumo de energia e gera menos calor.

É importante ressaltar que as memórias DDR podem realizar duas operações por vez. Assim, uma memória DDR de 266 MHz trabalha, na verdade, com 133 MHz. Mas como podem realizar o dobro de operações é como se trabalhasse a 266 MHz.

MEMÓRIA SECUNDÁRIA

é como se trabalhasse a 266 MHz. MEMÓRIA SECUNDÁRIA A memória de massa ou memória secundária

A memória de massa ou memória secundária é utilizada para gravar grande quantidade de dados que, assim, não são perdidos com o desligamento do computador. Exemplos: disco rígido e mídias removíveis como: Unidade de CD-ROM, DVD-ROM, Unidade de disquete, Pen Drive (Flash Memory).

Como em geral a memória secundária não é acessada diretamente pela ULA, mas por dispositivos de entrada e saída o acesso a essa memória é muito mais lento do que o acesso à memória primária. Assim, cada dispositivo encontra-se com um buffer de escrita e leitura para melhorar o desempenho.