Sei sulla pagina 1di 15

Sistema Mecânico: É composto por massas, mola e amortecedores, conectados entre si, ou a uma estrutura fixa. Ex: Pêndulo de um relógio; Sol no seu movimento.

Sistema Termodinâmico: É uma região precisa do Universo que é estudada usando os princípios da Termodinâmica. Ex: Gás contido numa Garrafa; Sol como fonte de Energia.

Espectro de Radiação Térmica: Espectro Contínuo que é o resultado da emissão de radiação.

Corpo Negro:

Corpo Ideal; Absorsor perfeito (Absorve tudo); Emissor perfeito (o que mais emite); Radiação que emite não depende da sua constituição ou forma; Intensidade máxima de emissão para um comprimento de onda bem definido, o qual depende da sua temperatura; Intensidade da sua emissão tende para zero para comprimentos de onda pequenos e para comprimentos de onda grandes; Estrelas são uma boa aproximação de um corpo negro.

Fig.9 Espectro de Radiação térmica de um corpo negro a 5800K.

Sistema Mecânico : É composto por massas, mola e amortecedores, conectados entre si, ou a uma

Intensidade total da radiação: Área por baixo da curva do espectro de radiação térmica do corpo negro.

Intensidade total da radiação emitida por um corpo negro:

Sistema Mecânico : É composto por massas, mola e amortecedores, conectados entre si, ou a uma

Lei de Stefan-Boltzmann: A intensidade total da radiação emitida por um corpo negro varia com a quarta potência da Tmpt absoluta.

Intensidade da Radiação: Energia emitida por unidade de tempo e por unidade de área, ou seja, potência por unidade de área.

I = E / (A * ∆t) I = P / A Potência total da Radiação Emitida pelo Corpo Negro:

Lei de Stefan-Boltzmann : A intensidade total da radiação emitida por um corpo negro varia com

Energia Emitida pelo Corpo Negro num dado Intervalo de Tempo:

  • Se T = 0k --> E = 0j

Lei de Stefan-Boltzmann para corpos reais:

Lei de Stefan-Boltzmann : A intensidade total da radiação emitida por um corpo negro varia com

Emissividade: Reflector Perfeito --> e = 0 Absorsor Perfeito --> e = 1

Quanto maior a emissividade de um corpo, mais radiação absorve e mais radiação emite.

Fig.10 Espectros de Radiação térmica para corpor negros às Temprraturas 7000K, 5800K,

3200K.

Lei de Stefan-Boltzmann : A intensidade total da radiação emitida por um corpo negro varia com

Quanto maior for a temperatura do corpo negro maior será a intensidade de radiação emitida.

Lei de Wien: O comprimento de onda a que corresponde a intensidade máxima da radiação varia inversamente com a temperatura absoluta.

λmáx = B / T

B = 2,898 × 10^3 m K

Fig.11 Alteração da cor de um corpo com o aumento de temperatura.

Quanto maior for a temperatura do corpo negro maior será a intensidade de radiação emitida. Lei

Objecto luminoso: Mesmo no escuro é visível pq emite radiação visível.

Objecto comum: Torna-se visível quando iluminado e a sua cor resulta da reflexão de luz visível. Por isso, a sua cor é o resultado da luz visível reflectida e não da luz emitida!

Lei Zero da Termodinâmica: dois corpos em equilíbrio térmico com um terceiro corpo ficarão em equilíbrio térmico um com o outro.

Variação de energia interna de um sistema, devida unicamente à radiação:

Equilíbrio térmico : ∆I = 0 1.2 Energia no Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Condução Térmica : Os

Equilíbrio térmico: ∆I = 0

1.2 Energia no Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas

Condução Térmica: Os corpúsculos (átomos, iões, moléculas) que constituem o objecto, ao receberem energia, agitam-se mais (mas afastam-se pouco das suas posições de equilíbrio), propagando-se a agitação aos outros corpúsculos ao longo do objecto. Ocorre nos sólidos.

Convecção Térmica: A transferência da energia dá-se por deslocamentos de partes do fluido de um lugar para outros devido a diferenças de massa volúmica entre partes do sistema. Ocorre nos líquidos e gases (que se designam, em geral, por fluidos).

Correntes de convecção na renovação do ar: As correntes de convecção são importantes para a renovação do ar junto ao solo e a eventual dispersão de gases poluentes provenientes de veículos e de fábricas. Ar frio desce. Ar quente sobe.

Fig.12 Esquema da circulação do ar na atmosfera junto ao solo.

Equilíbrio térmico : ∆I = 0 1.2 Energia no Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Condução Térmica : Os

Inversão térmica: O ar junto ao solo está mais frio do que o ar das camadas superiores. Neste caso, não há correntes de ar verticais e os gases poluentes ficam «aprisionados» junto ao solo. Esta situação é potencialmente perigosa quando ocorre em grandes cidades industriais.

Corrente térmica: Energia transferida como calor, por unidade de tempo.

Corrente térmica : Energia transferida como calor, por unidade de tempo. (J/s) Fig.13 Barra metálica de

(J/s)

Fig.13 Barra metálica de comprimento l e secção A com as duas extremidades a temperaturas diferentes.

Corrente térmica : Energia transferida como calor, por unidade de tempo. (J/s) Fig.13 Barra metálica de

Lei de Fourier (Condutividade térmica de uma barra):

  • - É directamente proporcional à diferença de temperatura, ∆T, entre as extremidades;

  • - É directamente proporcional à área da secção recta da barra, A;

  • - É inversamente proporcional ao comprimento da barra, l;

  • - Depende da condutividade térmica, k.

Corrente térmica:

Corrente térmica : Energia transferida como calor, por unidade de tempo. (J/s) Fig.13 Barra metálica de

(J /s)

Condutividade térmica (k) = 80 joules por segundo, por metro e por kelvin: Transferem-se 80 joules em cada segundo e por metro quadrado de secção de uma extremidade para outra de uma barra com um metro de comprimento, se a diferença de temperatura entre as duas extremidades for de 1 kelvin (ou 1ºC).

Fig.14 Condutividades térmicas de alguns materiais.

Colector solar : Aproveita a radiação solar para aquecer fluidos. Fig.15 Componentes de um Colector Solar.

Colector solar: Aproveita a radiação solar para aquecer fluidos.

Fig.15 Componentes de um Colector Solar.

Colector solar : Aproveita a radiação solar para aquecer fluidos. Fig.15 Componentes de um Colector Solar.

Painéis Fotovoltaicos: Utilizam a radiação solar para produzir electricidade com baixo rendimento (12 a 16%). Formados por Célula Fotovoltaica (semicondutor).

Radiação --> Célula Fotovoltaica --> Energia transferida para os electrões --> Corrente eléctrica contínua --> Corrente eléctrica mantém-se enquanto houver luz a incidir na célula.

1º Lei da Termodinâmica (Lei da conservação da Energia): A variação da Eint de um sistema é igual à Energia transferida de e para o mesmo sistema.

Eint = W + Q + R

Energia Interna (Propriedade do sistema): Varia se entrar ou sair energia através da fronteira do sistema como trabalho, calor ou radiação. Energia que entra: + (aumenta a Eint) Energia que sai: - (diminui a Eint)

Variação da Energia Interna de um Sistema Isolado:

∆Eint = 0

Variação da Energia Interna de um Sistema:

∆Eint = W + Q + R

Variação do Volume:

Se o volume do sistema diminuir, a energia interna do sistema aumentará. Se o volume do sistema aumentar, a energia interna do sistema diminuirá.

Capacidade térmica mássica (c): Características térmicas de cada material (Substância).

Capacidade Térmica (C): Diz respeito às características do corpo. C = m c

Energia fornecida a pressão constante:

E = m c ∆T E = C ∆

Quanto maior for a capacidade térmica (C) de um corpo menor é a sua variação de temperatura para a mesma energia transferida.

Fig.16 Capacidades Térmicas Mássicas de alguns materiais.

Durante uma mudança de estado a temperatura não varia. Variação da Entalpia : Energia que tem

Durante uma mudança de estado a temperatura não varia.

Variação da Entalpia: Energia que tem de ser fornecida a uma sistema para que este passe da fase sólida para a fase líquida.

E = m ∆H

Fig.17 Mudanças de fase de uma certa massa de água.

Durante uma mudança de estado a temperatura não varia. Variação da Entalpia : Energia que tem

2º Lei da Termodinâmica (Lei da não diminuição da Entropia): A entropia de um sistema isolado não pode diminuir. A entropia do Universo nunca diminui.

Fenómenos irreversíveis: Entropia aumenta. Sistemas isolados: Evoluem no sentido da desordem. Dois corpos com temperaturas diferentes em contacto térmico: Entropia do sistema aumenta.

Unidade 2 - Energia e Movimentos

2.1 Transferências e Transformações de Energias

Fig.17 Utilização de Energia proveniente da gasolina num automóvel.

2.1 Transferências e Transformações de Energias Fig.17 Utilização de Energia proveniente da gasolina num automóvel. Rendimento

Rendimento do automóvel é menor ou igual a 25%.

Motores turbo: Gases de escape antes de serem expelidos, são reaproveitados para fazer rodar uma turbina que, por sua vez, faz funcionar um compressor do ar de admissão. Esta compressão permite uma maior potência, pois «queima-se» mais combustível em cada ciclo do motor.

Injectores: permitem um melhor aproveitamento do combustível, extraindo o máximo de energia da mesma quantidade de matéria-prima.

Movimento num sistema mecânico:

Translação Rotação Translação + Rotação

Corpos Rígidos: Corpos formados por partículas que mantêm as suas posições relativas durante o movimento. Nos movimentos de translação destes corpos todas as suas partículas têm a mesma velocidade.

Centro de Massa: Ponto a que se associa toda a massa e onde se aplicam as forças que actuam

sobre o sistema.

Massa = massa do corpo; Vel = vel das partículas; Só tem movimento de translação;

Não interessa a ∆Eint.

Força Resultante: Soma de todas as forças que actuam no corpo.

Limitações do uso do Centro de Massa:

Não se podem estudar os movimentos de rotação nem as deformações; Não se podem estudar as variações de energia interna do sistema.

Força Constante: Mantém o seu valor, direcção e sentido.

sobre o sistema. Massa = massa do corpo; Vel = vel das partículas; Só tem movimento

Fig.18 Livro assente sobre uma mesa representado por um ponto.

sobre o sistema. Massa = massa do corpo; Vel = vel das partículas; Só tem movimento

Peso ou Força gravítica:

Fgrav = m g

Trabalho de uma força constante:

W = F * d

W = 1J: Trabalho realizado por uma força de 1N quando se desloca o seu ponto de aplicação de 1m na direcção e sentido da força.

Força aplicada no Centro de Massa:

Sentido do Deslocamento = Sentido da Força (W > 0; aumento Ec); Sentido do Deslocamento oposto ao Sentido da Força (W < 0; diminui Ec); Sentido do Deslocamento perpendicular ao Sentido da Força (W=0).

Fig.19 Decompor uma força num referencial.

Fgrav = m g Trabalho de uma força constante : W = F * d W

F = Fx + Fy

Componente eficaz: Componente de uma força segundo a direcção do deslocamento.

Fig. 20 Força eficaz.

Fef = Fx Trabalho de uma força constante : Fig. 21 Trabalho Potente, Resistente e Nulo.

Fef = Fx

Trabalho de uma força constante:

Fef = Fx Trabalho de uma força constante : Fig. 21 Trabalho Potente, Resistente e Nulo.
Fef = Fx Trabalho de uma força constante : Fig. 21 Trabalho Potente, Resistente e Nulo.

Fig. 21 Trabalho Potente, Resistente e Nulo.

Potente Resistente Nulo
Potente
Resistente
Nulo

Potência de uma Força:

P = W / ∆t

Rendimento:

η = (Pútil / Pfonr) * 100

Pforn > Pútil

Fig. 22 Forças num Plano Inclinado.

Pforn > Pútil Fig. 22 Forças num Plano Inclinado. Reacção Normal (N) : Não realiza trabalho
Pforn > Pútil Fig. 22 Forças num Plano Inclinado. Reacção Normal (N) : Não realiza trabalho
Pforn > Pútil Fig. 22 Forças num Plano Inclinado. Reacção Normal (N) : Não realiza trabalho

Reacção Normal (N): Não realiza trabalho (perpendicular ao deslocamento).

Trabalho da Força Eficaz:

WAB = Fef * d

WAB = m g cos α d como cos α = h/d

WAB = m g h

Num plano inclinado:

Trabalho realizado pelo peso quando o corpo desce: W = m g h (h = d sin α) Trabalho realizado pelo peso quando o corpo sobe: W = - m g h (h = d sin α) Trabalho no peso não depende da distância depnde apenas da altura.

Inclinação de 10%: Desce ou sobe 10m por cada deslocamento de 100m. sin α = 10% = 0,10

Força de atrito constante: W atrito é sempre negativo (diminui a Ec do sistema).

2.2 Energia de Sistemas com Movimento de Translação

Lei do Trabalho-Energia: A variação da energia cinética de uma partícula é igual à soma dos trabalhos ralizados por todas as forças que actuam nessa partícula:

∆Ec = Wtotal

WAB = m g h Num plano inclinado : Trabalho realizado pelo peso quando o corpo

Variação da Energia Potencial Gravítica:

∆Ep = - W(Fgrav) ∆Ep = - m g h Ep = m g h

Trabalho de uma força conservativa ao longo de uma trajectória fechada = 0. Trabalho é independente da trajectória. Ex: Força gravítica.

Trabalho das Forças Conservativas:

Wfc = - ∆Ep Wfc + Wfnc = ∆Ec

Se só houver forças conservativas ou Wfnc = 0:

Wfc = ∆Ec Wfc = - ∆Ep Ec + Ep = Em

∆Em = 0

Sistema conservativo:

∆Em = 0

Forças Não Conservativas: Trabalho não é independente da trajectória. Ex: Forças de atrito cinético.

Trabalho das Não Forças Conservativas:

Wfnc = ∆Em Wfc + Wfnc = ∆Ec

Forças dissipativas: Realizam sempre trabalho negativo. Ex: Forças de atrito.