Sei sulla pagina 1di 20
Actas do XII Colóquio Ibérico de Geografia 6 a 9 de Outubro 2010, Porto: Faculdade
Actas do XII Colóquio Ibérico de Geografia 6 a 9 de Outubro 2010, Porto: Faculdade

Actas do XII Colóquio Ibérico de Geografia 6 a 9 de Outubro 2010, Porto: Faculdade de Letras (Universidade do Porto) ISBN 978-972-99436-5-2 (APG); 978-972-8932-92-3 (UP-FL)

Jorge Manuel Dias Sequeira

Instituto de geografia e Ordenamento do Territóri da

Univeridade de Lisboa email: jmdsequeira@gmail.com

O Planeamento da Acção Estratégica na definição de

Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

Cidades e Ordenamento do Território

e a Refinaria Balboa Cidades e Ordenamento do Território Introdução O Parque Alqueva é o primeiro

Introdução

O Parque Alqueva é o primeiro projecto a iniciar obra de um total de seis

empreendimentos turísticos previstos para as margens de Alqueva, num investimento superior a

1,2 mil milhões de euros e financiados por empresas de magnatas como Aprígio Santos, António Mexia ou Ricardo Salgado, de acordo com vários órgãos de comunicação social de 20 Dezembro 2009 (Correio da Manhã, Revista Sábado, entre outros).

No fim do ano de 2004 foi anunciado o projecto de construção da Refinaria Balboa na

província de Badajoz, Estremadura, Espanha. O governo regional apoia o projecto e co-participa

a refinaria em 20% e o empresário promotor o restante. O projecto foi apresentado referindo a

inocuidade da refinaria e que iria criar 3000 postos de trabalho, não referindo informação sobre as consequências negativas socio-económicas e para a saúde pública e ambiental.

Os dois projectos não são compatíveis pois a construção da Refinaria em Espanha põe em

causa os empreendimentos turísticos previstos para a região da Barragem do Alqueva em Portugal. Os planos referidos na sua maioria tem um carácter privado, mas pelo menos no caso português, põe em causa um dos nossos objectivos aposta no turismo de qualidade.

Tendo em consideração este pressuposto, iremos analisar os dois projectos que impedem

a concretização de objectivos de Portugal e provavelmente de Espanha, à luz da doutrina da Teoria Geral da Estratégia, uma vez que estamos a falar de objectivos conflituais.

Assim, o objectivo deste trabalho é apresentar a Teoria Geral da Estratégia (TGE) e tentar (dentro da informação disponível) explicá-lo usando como exemplo os projectos da refinaria Balboa e um projecto imobiliário previsto para a região do Alqueva.

2 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

A metodologia adoptada consiste na analise e exposição da doutrina de TGE em vigor no

Exército Português 1 e através das notícias publicadas na Internet sobre os dois projectos

perceber o seu âmbito e onde se inserem na teoria.

Começaremos por apresentar alguns conceitos teóricos sobre “conflito” e relacionados com a Teoria Geral da Estratégia, apresentaremos os projectos referidos e posteriormente a aplicação do exemplo de acordo com a teoria.

1. Conceitos de Conflito

Segundo o dicionário de língua portuguesa Conflito significa “altercação, desordem, choque,

embate, luta, oposição disputa” (Lello Editores, 1996).

No dicionário da Porto Editora, conflito 2 é apresentado com cinco diferentes perspectivas

(Infopedia, 2010):

- choque de elementos contrários, discórdia, antagonismo, oposição;

- luta entre dois poderes com interesses antagónicos, guerra;

- altercação, desordem, disputa;

- momento crítico;

- estado de hesitação entre tendências ou impulsos antagónicos;

- confronto de princípios ou leis que se contradizem mutuamente e impossibilitam a sua

aplicação.

Ao analisar-mos o dicionário de sociologia (2010) verificamos que o conflito consiste na

Luta consciente e pessoal, entre indivíduos ou grupos, em que cada um dos contendores almeja

uma condição, que exclui a desejada pelo adversário”.

Segundo Pruitt e Rubin (1986), o conflito é uma divergência de interesses percebida ou a crença

de que as aspirações actuais das partes não podem ser alcançadas em simultâneo. Para

Robbins (1996), é um processo no qual um esforço é propositadamente desenvolvido por A no

sentido de eliminar os esforços de B para alcançar um determinado objectivo através de alguma

forma de bloqueio que resulta na frustração de B. Na perspectiva de Deutsch (2003), um conflito

ocorre quando existem actividades incompatíveis: duas acções são incompatíveis quando a

presença de uma inibe, obstrui, interfere ou, de alguma forma, torna a outra menos eficaz.

Já para L. Coser, o conflito consiste num “afrontamento em torno de valores e de

reivindicações relativas a recursos, estatutos, direitos ou poder, em que cada um dos oponentes

visa neutralizar, ou causar danos ou eliminar o seu adversário” (APUD Couto 1988, p. 100).

Para J. Freund, “o conflito consiste num afrontamento intencional entre dois seres ou

grupos da mesma espécie que manifestam, um em relação ao outro, uma intenção hostil, em

geral a propósito de um direito, e que para manterem, afirmarem ou restabelecerem esse direito

1 Existem algumas diferenças na doutrina usada no Exército e na Marinha. 2 Do latim conflictu «choque; embate; luta».

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

3

procuram quebrar a resistência do outro, eventualmente pelo recurso à violência física, a qual

pode tender, se necessário, ao aniquilamento físico” (APUD Couto, 1988, p. 100).

Atendendo às definições apresentadas, verifica-se que num conflito existe animosidade 3 e

o adversário têm uma atitude que me causa raiva e ódio. Por outro lado, ambos os opositores

têm a percepção que do conflito resultam danos de vária ordem para ambas as partes. Assim os

ingredientes de uma situação conflituosa são: a atitude hostil e a escolha de determinados

processos para impor a minha vontade e a resultante danosa, de vária ordem: física, moral e

material (Couto, 1988). Para o nosso trabalho consideramos que o conceito de Freund é o que

se adequa mais à abordagem que iremos seguir.

As razões para a existência de conflitos são diversas: problemas internos dos Estados;

populações marginalizadas; movimentos independentistas, de guerrilha ou Revolucionários;

devido à pobreza, disputas fronteiriças, disputas por recursos, entre outros.

Nesta perspectiva os conflitos surgem quando determinado actor tem objectivo(s) que são incompatíveis com os de outro actor. No ponto seguinte analisamos como são definidos os objectivos e os que colidirem com os objectivos de outro actor, são concretizados pela Estratégia.

2. O método: Planeamento da Acção Estratégica

O termo «política», no seu significado clássico, deve-se a Aristóteles e deriva do adjectivo

Pólis, significando tudo aquilo que se refere à “cidade, e portanto ao cidadão, civil, público e

também sociável e social” (Bobbio, 2000, p. 159).

O exercício da Política deve ser orientado por um conhecimento científico adequado; por

uma doutrina ideológica e pela consideração permanente das circunstâncias de momento,

incluindo a efectiva evolução do ambiente interno e externo em consequência das decisões

decorrentes de outros actores (Couto, 1988).

Por isso, Marques Bessa e Nogueira Pinto (1977, p. 105) definem a Ciência Política como

a “disciplina que estuda o poder político segundo o método científico”, ou por outras palavras, a

ciência do Estado, uma vez que se associava a este o monopólio do uso da Força.

O Poder é considerado por vários autores como o objecto da Ciência Política (Bessa e

Pinto, 1977; Bobbio, 2000; Fernandes, 2008). De notar, as diferenças da Política enquanto

ciência e actividade. Ao termo política associamo-lo como a “actividade ou conjunto de

actividades que têm de algum modo, como termo de referência, a polis, isto é, o Estado” (Bobbio,

2000, p. 160) ou de uma maneira mais simples como a “arte de Governar” (Fernandes, 2008, p.

11).

3 O outro é um adversário que tenho de vencer.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

4 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

Qualquer unidade política visa duas finalidades fundamentais, a sua segurança ou

sobrevivência e o seu progresso e bem-estar. São designados comos os fins últimos ou

teleológicos do Estado 4 e estão associados a expressões com «independência nacional»,

«integridade territorial», «justiça», «progresso», sendo que as duas primeiras se relacionam com

a “segurança” e as restantes com o «progresso e bem-estar» (Couto, 1988, p. 307 e 308).

Norberto Norberto Bobbio (2000, p. 167) prefere falar num fim mínimo da política como: “a ordem

pública nas relações internas e a defesa da integridade nacional nas relações de um Estado com

os outros Estados”, mas salienta que o fim mínimo é «condição sine qua non» para a realização

de todos os outros fins, sendo portanto com eles compatível.

Importa referir que podem ser indicados pela Estratégia objectivos, na sua função

informadora da política, destinados a reduzir vulnerabilidades ou a aumentar potencialidades,

que à priori se situam foram do seu campo de actuação (ambiente conflitual ou competitivo).

Como por exemplo, a criação de reservas de bens essenciais (cereais, matérias primas, etc), a

configuração do traçado do TGV, a localização do novo aeroporto, a potenciação dos portos

nacionais, entre outros (Dias, 2005b).

Pelo referido, constamos que a metodologia (Planeamento de Acção Estratégica) a seguir

na definição de objectivos é complexa, é exigente do ponto de vista das informações, envolve

todos os sectores do estado, devendo ser seguida ao mais alto nível da hierarquia Política, no

caso nacional, ao nível do 1º Ministro (responsável pela condução política do país), verificando-

se a necessidade de uma estrutura de apoio permanente (órgão de staff) 5 , auxiliadora das

entidades responsáveis pela concepção da Estratégia Nacional (Dias, 2005b).

Assim,

o

Planeamento

de

Acção

pormenorizadas em seguida:

definição de objectivos;

estudo de situação estratégica;

planeamento estratégico.

Estratégica

divide-se

em

três

fases,

que

serão

2.1 Definição de objectivos

O exercício da Política deve ser orientado por um conhecimento científico adequado; por

uma doutrina ideológica e pela consideração permanente das circunstâncias de momento,

incluindo a efectiva evolução do ambiente interno e externo em consequência das decisões

decorrentes de outros actores (Couto, 1988).

4 Referência para Bobbio que considera que os “fins da política são tantos quantas forem as metas a que um grupo organizado se propõe, segundo os tempos e circunstância” (2000, p.

167). 5 Como o nosso regime é semi-presidencialista, alguns autores consideram que este órgão poderia estar ao nível do Presidente da República.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

5

Qualquer unidade política visa duas finalidades fundamentais, a sua segurança ou

sobrevivência e o seu progresso e bem-estar. São designados comos os fins últimos ou

teleológicos do Estado 6 e estão associados a expressões com «independência nacional»,

«integridade territorial», «justiça», «progresso», sendo que as duas primeiras se relacionam com

a “segurança” e as restantes com o «progresso e bem-estar». Norberto Bobbio prefere falar num

fim mínimo da política como: “a ordem pública nas relações internas e a defesa da integridade

nacional nas relações de um Estado com os outros Estados” (2000, p. 167), mas salienta que o

fim mínimo é «condição sine qua non» para a realização de todos os outros fins, sendo portanto

com eles compatível.

A concretização das finalidades últimas pode ser interpretada e concretizada de várias

formas, cabendo à política definir como os objectivos últimos (longínquos) deverão ser

alcançados, pois as expressões mencionadas são muito vagas. Logo é preciso decliná-los, ou

seja é necessário concretizá-los em objectivos concretos (Couto, 1988).

Para a definição desses objectivos concretos, a acção política vai ter em consideração as

tipologias fundamentais seguintes (Couto, 1988, p. 307):

- umas de natureza subjectiva relevando, por um lado, da tradição histórica que plasmou

uma determinada consciência nacional ou colectiva e, por outro lado, da filosofia política

básica do governo, que se traduz numa determinada concepção da vida para a sociedade

política com a consequente hierarquia de valores constituem as intenções políticas

profundas, que comandam a política de um país, tornando-se como que o motor da acção:

são os móbiles políticos;

- outras, de natureza objectiva e racional, relevando da análise da situação política 7 , interna e

externa, explicando os acontecimentos actuais e as tendências de evolução futuras: são os

argumentos ou razões;

- outras consequentes do quadro institucional, embora em parte moldável pela ideologia

num dado momento, define com certa permanência, a articulação de poder, competências

das instituições e dos decisores políticos; mecanismos de controlo institucional, que

restringem o campo das escolhas possíveis.

Das conclusões da análise da situação política, moduladas pelos móbiles políticos e pelo

quadro institucional, são declinados os Objectivos Políticos Longínquos 8 , que vão servir de guia à

acção a longo prazo.

6 Referência para Bobbio que considera que os “fins da política são tantos quantas forem as metas a que um grupo organizado se propõe, segundo os tempos e circunstância” (2000, p.

167). 7 É do domínio da ciência política. Efectuar a “análise da situação política é, essencialmente, dar uma explicação da conjuntura nacional e internacional do momento, ajuizar sobre o sentido da sua evolução, no espaço e no tempo, e justificar, à luz dessa explicação e juízos e dos fins da política, os objectivos políticos escolhidos” (Couto, 1988, p. 309).

XII Colóquio Ibérico de Geografia

6 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

Os Objectivos Políticos Longínquos têm que ser decompostos em Objectivos mais

modestos, parciais e Intermédios, cuja convergência deve garantir a consecução dos objectivos

longínquos. Os objectivos intermédios, continuamente adaptados às possibilidades de

momento 9 , constituem os objectivos políticos actuais, nos quais se deve incidir a orientação da

evolução daquelas mesmas possibilidades no sentido de se poderem atingir os objectivos

longínquos (Couto, 1988, 308), figura 1.

os objectivos longínquos (Couto, 1988, 308), figura 1. Figura 1 – Definição de Objectivos Do referido,

Figura 1 Definição de Objectivos

Do referido, podemos afirmar que o princípio que deve regular a definição dos objectivos

actuais é o da adaptação dos fins aos meios, ao invés, na definição dos objectivos longínquos o

princípio é o da adaptação dos meios aos fins.

Na definição dos objectivos utilizamos a classificação quanto ao prazo de consecução

Últimos, Longínquos, Intermédios e Actuais. Contudo podemos utilizar outros tipos de

classificação como quanto ao: grau de importância Vitais 10 , Importantes 11 e Secundários 12 ;

grau de permanência Permanentes e Variáveis (ou conjunturais); âmbito Geral e Sectoriais.

8 Têm que ser prosseguidos com continuidade, com progressividade, e de forma parcelar (Couto, 1988).

Meios disponíveis e comparação com os objectivos de outros actores. 10 São Vitais os objectivos cuja consecução é entendida como directamente indispensável à sobrevivência nacional, pelo que, se necessário, o Estado mobilizará, para a sua consecução ou preservação, todos os recursos e recorrerá a todos os meios ou processos, militares e não- militares, que estiverem ao seu alcance”; é um objectivo não negociável (Couto, 1988, p. 65,66).

9

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

7

Dos objectivos políticos nem todos se inscrevem no campo da estratégia, por não

suscitarem hostilidade ou não se destinarem a frustrar os objectivos de uma vontade política

adversa. Aqueles que devem ser alcançados pela estratégia constituem os objectivos

estratégicos básicos ou objectivos político-estratégicos, que vêm a materializar a missão

estratégica, ao nível da estratégia total 13 .

Os objectivos político-estratégicos terão de ser decompostos, ao nível das estratégias

gerais e particulares, em objectivos estratégicos intermédios, cuja convergência e articulação

deve permitir o sucesso dos primeiros objectivos.

Alguns objectivos podem surgir como “estratégicos” quando aparentemente estão fora do

campo da estratégia (objectivos conflituais), mas são indicados pela estratégia, como ciência

informadora da política que visam eliminar ou atenuar vulnerabilidades ou alcançar determinadas

possibilidades exemplo obtenção de auto-suficiência em determinados recursos (energéticos,

alimentares), constituição de reservas, produção e desenvolvimento de novos tipos de

armamento, construção de uma rede de comunicações numa determinada região, que permita o

fácil e rápido acesso de bens e forças militares, fixação de populações numa dada região, entre

outros.

O conjunto dos objectivos atribuídos à estratégia constituem a sua missão estratégica,

isto ao nível da Estratégia Total, destes são declinados os Objectivos estratégicos Intermédios,

que estão ao nível das estratégias gerais e particulares (Couto 1988). A missão estratégica será

cumprida através da acção estratégica.

2.2 Estudo da Situação Estratégica

Como vimos a missão estratégica será cumprida através da acção estratégica destinada

a explorar os apoios possíveis e:

actuar contra quem se oponha (adversários);

agir sobre o que se oponha (forças adversas).

Desta forma para cada objectivo político-estratégico é necessário escolher os meios e

processos capazes de o atingir, vencendo, se for o caso, as forças que se oponham. Este

processo é efectuado através do Estudo da Situação Estratégica. O conjunto e a combinação

daqueles meios e processos constituem a Manobra Estratégica.

Desta forma, é preciso (Couto, 1988, p. 328-331):

o identificar com clareza o objectivo que se pretende atingir. Ou seja, a análise do objectivo

deve abranger, além da sua natureza e características, o seu significado no quadro das

11 Os Objectivos importantes relacionam-se de forma significativa, “com os fins últimos da política, mas sem serem indispensáveis à sobrevivência nacional, de modo que poderão obrigar ao emprego da força militar, mas de forma limitada e de acordo com o um esforço proporcional ao valor atribuído ao objectivo em jogo” (Couto, 1988, p. 66).

12

São objectivos que se negoceia por eles.

13 A Estratégia quanto às formas de Coação divide-se em Estratégia Total, Estratégias Gerais e Particulares.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

8 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

potências com interesses na área e em especial a sua importância para ambos os

beligerantes, uma vez que é esta classificação que vai determinar a intensidade e a duração

dos sacrifícios (esforços) a fazer par o alcançar ou proteger;

o

examinar as ameaças 14 , isto é, as acções (manifestas ou prevíseis) de um outro actor que

visa um fim que contraria o nosso objectivo. Em Estratégia apenas se consideram as

ameaças provenientes de uma vontade consciente. Por isso, também, afirmamos que a

ameaça é o produto de uma possibilidade (capacidade) por uma intenção.

As possibilidades são de avaliação relativamente fácil e segura, já que se baseiam

numa apreciação de dados materiais e objectivos. A avaliação das intenções é mais incerta,

vaga e insegura, exigindo uma profunda análise dos interesses nacionais e dos objectivos

específicos em jogo, bem como das estratégias em curso, das redes de compromissos

existentes e dos padrões de comportamento e prismas de valores dos decisores.

Dada a incerteza quanto a uma apreciação correcta das intenções há, por vezes,

tendência para considerar a hipótese pior, orientando o planeamento nesse sentido. Tal é

estrategicamente um contra-senso, visto que, os recursos são sempre limitados, a afectação

de parte substantiva desses recursos à hipótese mais perigosa pode impedir a

disponibilidade de recursos suficientes para fazer face às hipóteses mais prováveis. Por

conseguinte, devem ser tidas em atenção prioritária as ameaças mais prováveis e devem

ser tomadas medidas cautelares em relação às mais perigosas;

o

examinar o potencial de que se dispõe, bem como os possíveis apoios que podem ser

obtidos e que determinam possibilidades de acção. A decisão sobre a doutrina e atitude

estratégicas a adoptar por um estado depende dos meios, em que todos os sectores

materializam as suas possibilidades. O conjunto dessas possibilidades é denominado

Potencial de Guerra ou Potencial Estratégico, o qual pode ser definido como, “o conjunto

das forças de qualquer natureza, morais e materiais, que um estado pode utilizar em apoio

da sua estratégia” (Couto, 1988, p. 241). Em última análise, conduz-nos ao conhecimento

das possibilidades e vulnerabilidades estratégicas de um estado.

A Força é o conjunto de recursos materiais e morais que um actor pode utilizar ou tirar

dividendos, para alcançar determinado objectivo. Na lógica deste, se constituir-se como

político-estratégico (ex.: forçar o outro), o conjunto de recursos referidos, que poderem ser

utilizados em apoio de determinada estratégia, fazem parte do Potencial Estratégico.

As forças podem ser classificadas como se mostra na figura 2, em que as Forças

Materiais ou Tangíveis exprimem valores concretos, tais como quantidades de armamento,

recursos humanos, económicos e financeiros, entre outros; as Forças Morais ou Intangíveis

14 Ameaça: “é qualquer acontecimento ou acção, em curso ou previsível, que contraria a consecução de um objectivo e que normalmente é causador de danos materiais ou morais. As ameaças podem ser de variada natureza (Militar, económica, psicológica, ecológica, subversiva, etc.)” (Couto, 1988, 329).

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

9

exprimem valores abstractos, tais como, capacidade de organização e de realização, a

qualidade dos chefes civis e militares, o patriotismo, a capacidade de sacrifício e de

adaptação a novas situações, a consciência que a população e o seu governo têm das

possibilidades das suas forças materiais, etc; as Forças Imediatamente Disponíveis são

as forças militares e militarizadas existentes, munições em depósito, sistemas de

comunicações construídos ou instalados, recursos financeiros ou créditos em mão, entre

outros e as Forças Latentes são forças que não podem ser imediatamente utilizadas, mas

que podem vir a sê-lo num prazo de tempo mais ou menos variável.

FORÇAS

Quanto à sua natureza

Materiais ou

Tangíveis

ou

Intangíveis

Morais

Quanto à

situação

Imediatamente disponíveis  Disponíveis depois de activação; Latentes  Disponíveis depois de conversão;
Imediatamente disponíveis
 Disponíveis depois
de activação;
Latentes
 Disponíveis
depois de
conversão;
 Disponíveis
depois de
desenvolvimento
ou exploração;
 Disponíveis
hipoteticamente.

Concentráveis ou Inconcentráveis

Figura 2 Classificação das Forças

Existem recursos que não «contam» para efeitos da estratégia pois existem recursos

sem utilidade relativamente a determinada estratégia, como por exemplo, um Grupo de

Carros de Combate não são adequados para numa área de operações densamente

arborizada.

Designamos por Potencial Teórico o conjunto de forças imediatamente disponíveis

e latentes (quanto à situação) ou materiais e morais (quanto à sua Natureza) e Potencial

Efectivo à parte das forças disponíveis que são, na realidade, empregues com fins

estratégicos”, ou seja na concretização de objectivos estratégicos (Couto, 1988, p.253).

Designa-se por Coeficiente de Mobilização a relação entre o potencial teórico e o

potencial efectivo. Este coeficiente altera com a época, com a política do Estado e em

especial com a natureza dos objectivos a concretizar.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

10 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

O Potencial Estratégico traduz a força de uma unidade política. Mas não deve ser

confundida com o poder dessa unidade politica, já que o Poder é a revelação da força em

circunstâncias e com vista a objectivos determinados.

O conceito de Poder é importante para as Relações Internacionais, pois se não existe

entidade superior à vontade e interesse dos Estados, então podemos afirmar que será a

relação de poder estabelecida, que moldará as relações entre os actores do Sistema Político.

Existe consenso relativamente ao conceito de Poder de Raymond Aron, como sendo “…a capacidade que tem uma unidade política de impor a sua vontade às demais”, mediante a suposição de sanções eficazes no caso de uma não aceitação dessa vontade (1983, p. 99).

Se a avaliação do Potencial estratégico é de difícil cálculo, maior é a avaliação do Poder. Podemos intuir que o Poder é sempre menor que o potencial Estratégico, em consequência factores que degradam as forças disponíveis.

Segundo Dias (2005, p. 219 e 220) o poder apresenta as características fundamentais seguintes:

(a)

o

exercício do poder é que nos prova a sua existência; só se sabe que se tem poder,

quando se exerce;

(b)

o poder só tem significado em relação a “outro”; não é absoluto e, nesta medida, o poder é relativo;

(c)

o poder é situacional, isto é, depende da situação que se coloca;

(d)

o

poder depende em grande parte do juízo que fazemos da outra parte e até dos seus

próprios agentes que por vezes desconhecem o Poder que possuem, assim se justifica

o

poder como fenômeno subjectivo;

(e)

o

poder não é conversível. Não se podem converter militares em carros de combate,

isto é, não existe um factor ou unidade comum, que se possa utilizar na conversão de

forças no mesmo padrão; não existe assim a possibilidade de utilização de mecanismos compensatórios;

(f)

o poder é multidimensional, não havendo lógica nas referências isoladas ao poder cultural, militar, tecnológico, entre outros. O poder tem de ser analisado em todas as suas dimensões, dado que é multifacetado;

(g)

o

poder é evolutivo, ou seja refere-se a determinado momento;

(h)

o poder é instrumental, assim é um instrumento a utilizar para atingir determinada finalidade. A obtenção ou aumento de poder tem que ser entendida como um objectivo imediato;

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

11

(i) o poder é moralmente neutro, o facto de ter poder não é vergonha nem imoral; o que o

classifica é a sua utilização para atingir objectivos, estes é que podem ser legítimos ou não. Considerando as características do poder apresentadas, podemos considerar que o poder se organiza em três bases (Dias, 2005):

(a)

Base objectiva conjunto de recursos (ex. energéticos, alimentares, econômicos, militares, entre outros) quantificáveis e avaliáveis que um actor pode utilizar;

(b)

Base subjectiva conjunto de factores de carácter subjectivo ou intangíveis, de difícil quantificação, mas que são decisivos (ex. coesão nacional, patriotismo, qualidade da política, qualidade da estratégia, educação, moral das Forças Armadas, entre outras);

(c)

Base relativa – conjunto de factores que só tem significado em relação a “outro”; No

âmbito deste conjunto de factores incluem-se as circunstâncias da eventual aplicação do poder, a distância de aplicação e dos meios a serem aplicados. Resumindo efectuamos o exame do Potencial de um estado para ficar a conhecer os seus meios (recursos) e o seu valor, aqueles que podemos utilizar no âmbito da estratégia são o potencial estratégico.

o conceber as modalidades de acção adequadas para alcançar o objectivo, tendo presentes as ameaças, as possibilidades próprias e os apoio possíveis, bem como as grandes tendências e motivações do ambiente externo. O Estabelecimento de modalidades de acção resulta de uma análise e combinação dos factores de decisão, isto é, dos factores que condicionam a resolução do problema. Que são:

(a)

Objectivo político-estratégico a alcançar (missão); grau de importância que os

beligerantes lhe atribuem?

(b)

Características do ambiente operacional analisar os apoios que podem intervir a favor de qualquer dos beligerantes, resultando daqui o grau de liberdade de acção de que se poderá usufruir, para a conduta da acção estratégica.

(c)

Potenciais estratégicos dos adversários, suas possibilidades e vulnerabilidades;

(d)

O tempo (prazos). Beaufre preconizada a utilização a Fórmula seguinte para formular as Modalidades de

Acção: E = KFYT em que:

E é o impulso estratégico;

K é um factor específico da situação concreta em questão;

F é o potencial mássico;

Y é o potencial dinâmico;

T é a duração da acção; Para cada um dos factores apresentados, é preciso ter em conta o seguinte:

XII Colóquio Ibérico de Geografia

12 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

Relação de Forças se está em nítida vantagem, sensível equilíbrio ou em nítida inferioridade;

Importância do Objectivo secundário, importante ou vital;

Liberdade de Acção restrita, suficiente ou grande; Concluindo em função dos factores de decisão, da relação de forças existentes, da importância do Objectivo e da liberdade de acção de que depomos, escolhe-mos a Modalidade de Acção mais adequada. Segundo Couto (1988, p. 296-302) as Modalidades de Acção Estratégica são as seguintes: Ameaça Directa; Ameaça Indirecta; Pressão Indirecta; Acções Sucessivas; Acção de Lassidão; Acção Militar de Aniquilamento; Acção Militar de Atrito; Acção Indirecta de Neutralização.

Em resumo, o Estudo da Situação Estratégica consiste numa análise dos factores de decisão e a partir dele, formular possíveis modalidades de acção, ou seja, procura-se obter respostas às perguntas seguintes: para quê (objectivo)?; contra quem (adversário)?; contra o quê (ameaça)?; com o quê (meios)?; como (modalidade de acção)?

Após este estudo sabemos quais são os meios mais adequados para atingir o objectivo político-estratégico. Contudo os meios (são atribuídos pela política) nem sempre são os “ideais” por isso é fundamental tirar o melhor partido dos recursos atribuídos à estratégia, assim é o planeamento estratégico, última fase do Planeamento da acção estratégica.

2.3 Planeamento Estratégico

Após a definição dos objectivos político-estratégicos e de estabelecido o conceito de acção estratégico, que vai traduzir-se em missões aos escalões subordinados, através da fixação de objectivos estratégicos intermédios e de directivas para a sua consecução, segue-se a elaboração dos planos consequentes da decisão tomada (Couto, 1988).

O planeamento estratégico é condicionado por dois elementos fundamentais (Couto, 1988, p. 341-346):

o

Hipóteses de Guerra (ameaças) que decorrem da análise da interacção dos móbiles e objectivos das diferentes vontades políticas e a sua Hierarquização tendo em conta o grau de probabilidade da sua concretização e respectivos prazos; do grau de perigo e valor dos benefícios que se esperam com a vitória;

o

Prazos Críticos período que medeia entre a decisão e a execução estratégica. O Planeamento gira em torno dos prazos críticos, dependentes do momento previsto para a passagem à execução estratégica. Após a definição das hipóteses de guerra é necessário para cada uma a definição do prazo mínimo a partir da qual se julga mais provável a sua concretização, apoiando-nos para o efeito nas conclusões da análise da situação política. Os prazos críticos vão condicionar o ritmo de implementação do fortalecimento do potencial estratégico, para que no momento da execução estratégica a relação de forças seja a mais adequada.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

13

O Planeamento estratégico deve ser contínuo 15 e em função das situações futuras previsíveis, derivadas também da contínua análise da situação política e estratégica (Couto,

1988).

Em síntese, o planeamento estratégico traduz-se em dois grandes tipos de planos (Couto,

1988):

o

de

fortalecimento do potencial estratégico mediante o desenvolvimento interno do país,

incluindo o fortalecimento das suas forças morais e a redução das principais vulnerabilidades, com melhoria das estruturas, planos de forças, programas de forças, entre outras acções;

o

de guerra ou de operações dizem respeito a todos os domínios, desde a mobilização civil

e militar, a planos de operações militares, planos de defesa civil, de transportes, de evacuação de populações (inclusive no estrangeiro), de sanções económicas, de fortificações, etc. Os planos de fortalecimento de Potencial estratégico traduzem-se em planos de dois tipos (Couto, 1988, p. 345):

o planos de Forças, no âmbito da estratégia genética, de toda a natureza (frotas de transportes, equipamentos de telecomunicações, forças de segurança, etc.). Entre eles avulta o plano de forças militares (a nossa actual Lei de Programação Militar), que vai ditar a estrutura da força militar, concebida em função da estratégia militar escolhida;

o de melhoria das estruturas, no âmbito da estratégia estrutural, que visa a melhorias das estruturas de forma a tirar o máximo rendimento. Analisado o processo teórico que vai desde a definição dos objectivos políticos, na identificação dos objectivos políticos-estratégicos (os que são concretizados pela estratégia), na selecção dos meios mais adequados para os atingir e na elaboração de planos que possibilitem a concretização da Missão Estratégica, vamos no ponto seguinte caracterizar os objectivos que em nosso entender se configuram como antagónicos.

3. Caracterização dos Objectivos

3.1 Parque Alqueva

Segundo o Plano Estratégico Nacional de Turismo (PENT)16 a região do Alqueva é um dos “pólos de desenvolvimento turístico que permitem diversificar a oferta turística em Portugal e responder às principais motivações, mas é necessário implementar um modelo de desenvolvimento sustentado”, salientando a importância da Barragem, da gastronomia e vinhos, da proximidade a Évora e de existirem Aldeias históricas preservadas.

15 Deve existir em tempo de paz e em tempo de guerra.

16 Disponível em: http://www.turismodeportugal.pt/

XII Colóquio Ibérico de Geografia

14 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

O “Parque Alqueva” é um projecto, desenvolvido pela Sociedade Alentejana de

Investimentos e Participações (SAIP), foi reconhecido pelo Estado como um Projecto de

Interesse Nacional (PIN) e recebeu uma participação financeira do Estado no valor de 20 milhões

de Euros17, para apoio da 1ª fase do projecto, sendo um dos investimentos mais avultados e

avançados previstos para a região. Por isso, vamos considerar este projecto como um dos

Objectivos do nosso trabalho.

O Parque Alqueva representa um investimento total, só em produto turístico, de mais de

270 milhões de euros (a que é preciso somar o investimento em turismo residencial e outras

componentes) nas três fases do empreendimento, que deverá estar finalizado em 2029.

Segundo a SAIP, este projecto, deverá criar cerca de cinco mil postos de trabalho (dois mil

directos e três mil indirectos), possui uma área de 2.068 hectares, distribuindo-se por três

núcleos, situados entre Reguengos de Monsaraz e a albufeira do Alqueva: Herdade das Areias

(860 hectares); Herdade do Postoro (475 hectares); e Herdade do Roncão Del Rei (733

hectares), figura n.º 3.

Quando estiver terminado, o Parque Alqueva integrará sete hotéis, quatro campos de

golfe, duas marinas, centro equestre, campo de férias, unidades de saúde, produção de

agricultura biológica, centro de avifauna, centros de conferências, aldeamentos turísticos e outras

infra-estruturas (AIE, 2007).

A entidade promotora deu conta de que o Parque Alqueva “cumpre um regulamento de

edificabilidade e construção assente em critérios de arquitectura sustentável e nos métodos

construtivos e materiais tradicionais”, recorrendo também a sistemas de tratamento e reutilização

das águas residuais para irrigação, incorporação de fontes de energias renováveis e processos

de certificação de qualidade ambiental. Está igualmente prevista a plantação de 27 mil novas

azinheiras e a procura de certificações da gestão de qualidade, gestão florestal sustentável,

gestão de saúde e segurança e gestão ambiental (Lopes, 2010).

Além destas componentes, o projecto integra outro tipo de valências, nomeadamente três

barragens (Areias, Sardinha e Postoro), com capacidade de armazenamento de 252.000,

340.000 e 370.000 m³, respectivamente, e dois portos de recreio, com capacidade para 60 e 156

embarcações (Lopes, 2010).

Estão contemplados também equipamentos recreativos, desportivos e culturais (centro

equestre, Instituto do Alentejo, campo de férias, centro desportivo) e equipamentos de apoio e

serviços (portarias, estacionamentos, centros de assistência médica, plataformas de aterragem

de helicópteros e unidade de valorização de resíduos) (Lopes, 2010).

17 O contrato de investimento do Parque Alqueva foi assinado, em 21 de Dezembro de 2009, entre o AICEP e a SAIP, com a presença do ministro da Economia, Vieira da Silva, no valor de 50 milhões de euros, com uma comparticipação estatal de 20 milhões de euros.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

15

Jorge Manuel Dias Sequeira 15 Fonte: EIA, 2007 Figura n.º 3 – Localização do “Parque Alqueva

Fonte: EIA, 2007 Figura n.º 3 – Localização do “Parque Alqueva

As infra-estruturas, a área agrícola, para produção hortícola e frutícola em modo de produção biológico e a área natural (correspondente a cerca de 40 por cento da área total do Parque Alqueva) contribuem também para “o carácter pioneiro deste empreendimento com especial destaque no turismo integrado, inovador e de elevada qualidade”, segundo os responsáveis da SAIP (Lopes, 2010).

3.2 Refinaria Balboa

Em finais de 2004 foi anunciado pelo Presidente da Junta de Estremadura (Espanha) a intenção de construir uma refinaria de petróleo nos municípios estremenhos de Villafranca de los Barros, Los Santos de Maimona e Fuente del Maestre, situados entre as comarcas de Tierra de Barros e Zafra, perto do Río Bodión, afluente do rio Guadiana, figura 4.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

16 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa Figura 4 – Localização da

Figura 4 Localização da refinaria Balboa

Apresentado como o maior projecto industrial da história da Extremadura, o promotor da Refinaria Balboa seria o Grupo Alfonso Gallardo (com BBVA, Iberdrola, Caja Madrid, Caja Extremadura e Sociedad de Fomento Industrial de Extremadura), que realizou também avultados investimentos na região, designadamente nos sectores siderúrgico e dos cimentos, perspectivando ainda novos investimentos no sector petroquímico e energético (centrais térmicas).

A Refinaria Balboa terá capacidade para produzir mais de 5 milhões de toneladas de produtos petrolíferos por ano, e necessitará de um oleoduto para a ligar ao porto de Huelva com cerca de 200 km de extensão.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

17

Os promotores da refinaria Balboa argumentam que existe falta de produtos refinados em

Espanha (importam 45% destes produtos) e que por isso ela é rentável economicamente e será

das refinarias mais seguras existentes no país vizinho, segundo o seu site oficial18.

4. Aplicação Teórica dos objectivos político-estratégicos

O Estado português, de acordo com a teoria, aquando da definição dos objectivos

políticos constata (comparação com os objectivos de outros actores) que os

empreendimentos turísticos previstos para a região do Alqueva estão ameaçados pela

intenção espanhola de construção da refinaria Balboa na bacia hidrográfica espanhola.

Desta forma, o estado português ao querer manter os objectivos previstos, sabe que

terá ultrapassar a intenção espanhola e por isso encarregará a Estratégia para atingir este

objectivo por ser político-estratégico.

A Estratégia, também de acordo com a teoria, elabora o Estudo da Situação

Estratégica 19 para identificar os melhores meios e processos para atingir o objectivo. Assim,

de acordo com este estudo o primeiro passo será identificar claramente os objectivos

procurando reconhecer qual o grau de importância para os seus actores. Atendendo aos

objectivos em estudo diríamos que os empreendimentos previstos para a região da

barragem do Alqueva é um objectivo Importante e a refinaria Balboa um objectivo

secundário, atendendo aos impactos económicos que a não concretização teriam na

economia dos dois Estados.

O 2º passo é a análise das ameaças em que se deve identificar claramente o

“acontecimento ou acção” que se nos opõe e o adversário, que no presente caso já foram

identificados ou seja a ameaça é a construção da refinaria e o adversário (indirecto) o

Estado espanhol.

Posteriormente efectua-se a análise do potencial estratégico que neste caso não será

difícil de intuir que a Espanha ao nível de forças materiais será substancialmente superior,

no que diz respeito às forças morais não é fácil de calcular.

Por último efectua-se a selecção da modalidade de acção mais adequada, sem

esquecer os factores de decisão. Assim considerando os objectivos em causa diríamos que

dispomos de grande liberdade de acção, uma vez que a refinaria é causadora de poluição

e o ambiente internacional (essencialmente na Europa) é a redução do consumo dos

combustíveis fosseis e apostar em energias alternativas; o potencial estratégico está em

18 Http://www.grupoag.es/refineriabalboa/empresa/empresa.php

19 Este estudo, que é necessário estar continuamente a ser actualizado, deveria ser realizado por um órgão de Staff ou Estado-Maior ao nível da Estratégia Total, mas este órgão não existe em Portugal, constituindo uma das maiores lacunas da estratégia nacional.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

18 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

nítida inferioridade (menor População, Forças Armadas, Economia, etc.) e a importância

dos Objectivos exprimiríamos que uma das Modalidades de Acção possível será a Ameaça

Indirecta.

O ponto seguinte seria a concepção dos Planos: de Fortalecimento do Potencial

estratégico e do Plano de Operações. O 1º corresponde à atribuição de objectivos à

estratégia estrutural e genética e no 2º corresponde na elaboração da estratégia

operacional. Salienta-se que o termo “operações” está empregado em sentido lato,

abrangendo qualquer acção de exploração da força e incluem as situações em tempo de

paz.

O Plano de operações que resultaria no diálogo constante entre a Política e a

Estratégia passaria essencialmente através da acção diplomática e psicológica, por um lado,

para obter um forte apoio externo (através do apoio da opinião pública nacional, espanhola e

europeia) e por outro, tentar cercear a liberdade de acção do adversário.

Se verificarmos as acções vindas a público, como sejam as manifestações de

organizações não governamentais de ambiente (ONGA) em Portugal e Espanha, incluindo a

coordenação entre ONGA nacionais e espanholas 20 , a Petição 21 que circula na Internet

contra a construção de Refinaria na Estremadura Espanhola são exemplos de acções que

visam ganhar o apoio da opinião publica e coarctar a liberdade de acção de Espanha.

As acções realizadas pela diplomacia são mais discretas e por isso passam

despercebidas, mas esta actuaria junto tanto do Governo espanhol (a antiga ministra do

Ambiente, Cristina Narbona, opunha-se a esta refinaria mas entretanto deixou o Governo),

assim de outros governos de países da União Europeia assim como da Comissão Europeia.

Seria também, nesta lógica a posição da Agencia Portuguesa de Ambiente sobre a refinaria.

Mas podemos, também, especular que o projecto da refinaria surge por parte de

Espanha para “obrigar” Portugal a negociar e nesta negociação os espanhóis poderiam

obter algumas vantagens, mas isso só ao mais alto nível Político se saberá.

Conclusões

Podemos afirmar que existe teoria em Portugal de como se deve proceder para definir

os objectivos Políticos e como se deve proceder para os atingir. Os objectivos conflituais são

concretizados pela Estratégia (enquanto actividade) e a este tipo de objectivos designamos

por Político-Estratégicos.

20 Veja-se a reunião em Portugal de Miguel Manzaneda, da Plataforma Cidadã Refinaria Não e de Francisco Bozzano, economista assessor da Associação para a Defesa da Natureza e dos Recursos da Extremadura (Adenex), segundo Paulo Madeira (2009).

21

http://www.petitiononline.com/balboa/petition-sign.html.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

Jorge Manuel Dias Sequeira

19

Contudo, para a definição dos objectivos políticos, como vimos, é necessário

acompanhar permanentemente a conjuntura internacional e nacional. Para tal, deveria

existir um órgão (staff ou estado-maior) que continuamente acompanhasse essa conjuntura,

que apoiasse os decisores políticos 22 , funcionasse de forma independente e dos ciclos

políticos existentes. Como este órgão não existe em Portugal, existe grande dificuldade em

definir objectivos, veja-se o caso da localização do aeroporto de Lisboa, as indecisões sobre

o TGV, só para falar dos mais mediáticos.

Verificamos que o conceito de conflito varia consoante a área de conhecimento que

aborda a questão, sendo que para a estratégia aquele que consideramos mais adequado é

o de Freund em que este aparece como um afrontamento intencional entre dois seres ou

grupos da mesma espécie, existe uma intenção hostil para com o adversário e, para

afirmarem ou restabelecerem os seus direitos, tentam quebrar a resistência do outro pelo

uso ou ameaça de uso da violência física.

Constatámos que a teoria relativa ao Planeamento da Acção Estratégica envolve o

conhecimento de informação e a compilação de dados que só poderão ser obtidos,

armazenados e tratados ao mais alto nível do Estado, por isso a importância do órgão acima

referido. Deste modo, a aplicação da teoria aos dois objectivos conflituais analisados foi

muito limitada (por falta de informação e meios para elaborar um estudo que envolve estas

matérias) mas, em nosso entender, serviu para mostrar como se deve abordar e tratar a

problemática dos Objectivos Político-estratégicos.

Contudo, dos dados disponíveis, constamos que o Governo Espanhol suspendeu a

Refinaria (precisa de mais estudos) e um mês depois o 1º Ministro português está a

inaugurar as obras do primeiro complexo turístico. O que aconteceu? A esta questão não

dispomos de informações para responder (pois estas decisões passam-se ao mais alto nível

político e diplomático).

Podemos apenas especular, o governo espanhol cedeu à contestação que havia

através de organizações ambientalistas, do governo português, da União Europeia! Ou, este

projecto da refinaria serviu apenas para servir determinada estratégia espanhola para

obrigar o governo português a negociar e assim obter algo que não estava a conseguir

(como por exemplo, ter acesso à água da Barragem do Alqueva) e desta forma, não

constroem a Refinaria passam por colaborar connosco e obtiveram o que queriam. Mas

como é lógico eu não tenho dados que sustenham esta afirmação!

22 No caso português o Presidente da República e o Primeiro-Ministro, pois temos um regime semi-presidencialista.

XII Colóquio Ibérico de Geografia

20 O Planeamento da Acção Estratégica na definição de Objectivos. O caso do Parque Alqueva e a Refinaria Balboa

Bibliografia

ARON; Raymond (1983). Paz e Guerra entre as Nações, (2ª edição), Brasília: Editora Universidade de Brasília.

BESSA, António Marques e PINTO, Jaime Nogueira Pinto (1977). Introdução à Política, 1ª Edição, Edições do Tempo, Lisboa.

BOBBIO, Norberto (2000). Teoria Geral da Política, A Filosofia Política e as Lições dos Clássicos, organizado por Michelangelo Bovero, 10ª tiragem, Rio de Janeiro: Elsevier.

COUTO, Abel Cabral (1988). Elementos de Estratégia, apontamentos para um curso, Volume I, Pedrouços: Instituto de Altos Estudos Militares.

DEUTSCH, M. (2003). Cooperation and Conflict: a personal perspective on the history of the social psychology study of conflict resolution”, In M. A. West, D. Tjosvold & K. G. Smith (Eds.), International Handbook of Organizational Teamwork and Cooperative Working (pp. 8-43). Chichester: John Wiley & Sons, ltd.

DIAS, Carlos Manuel Mendes (2005). Geopolítica: Teorização Clássica e Ensinamentos, Lisboa: Prefácio.

DIAS, Carlos Manuel Mendes (2005b). “A Grande Estratégia Nacional: o contributo do Método”, in Vários, Revista Militar, n.º 2441/2442, Junho/Julho, 665-687.

DICIONÁRIO SOCIOLOGIA ONLINE (2010). http://www.prof2000.pt/users/dicsoc/soc_a.html, Acedido em 3 de Janeiro, pelas 15H40.

EIA (2007). Estudo de Impacto Ambiental do parque Alqueva, Volume I, resumo não técnico, SAIP. http://aiacirca.apambiente.pt/, Acedido em 20 de Janeiro, pelas 12H30.

FERNANDES, António José (2008). Introdução à Ciência Política, teorias, métodos e temáticas, Porto Editora, Porto.

INFOPEDIA, (2010). Dicionário da Língua Portuguesa, Porto Editora. http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/conflito, Acedido em 3 de Janeiro, pelas 15H30.

LELLO EDITORES (1996). Novo Dicionário Lello da Língua Portuguesa, 1ª Edição, Porto:

Lello Editores.

LOPES, Rui Pedro (2010). “Primeira fase do Parque Alqueva concluída em 2012”, in Público Imobiliário, Quarta-feira 13 Janeiro 2010. http://static.publico.clix.pt/Homepage/, Acedido em 20 de Janeiro, pelas 15H30.

MADEIRA, Paulo Miguel (2009). Ambientalistas espanhóis procuram em Portugal ajuda para travar refinaria na bacia do Guadiana”, in Público, de 09-07-2008. http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1334939, Acedido em 22DEC09.

PRUITT, D. G. e RUBIN, J. Z. (1986). Social conflict: escalation, stalemate and settlement, New York: Random House.

ROBBINS, S. P. (1996). Organizational behavior (7th ed.), New Jersey: Prentice Hall.

XII Colóquio Ibérico de Geografia