Sei sulla pagina 1di 3
DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E
DEPARTAMENTO DE
QUÍMICA E

BIOQUÍMICA

1- Objectivo

Estrutura Atómica e Molecular - Q222

Trabalho prático III – Espectro de emissão do átomo de hidrogénio

Estudo da série de Balmer do espectro de emissão do hidrogénio (átomo monoelectrónico).

2- Introdução teórica

A energia do electrão no átomo de hidrogénio é proporcional a n -2 , onde n é o nº quântico principal:

E

n

hc R

H

n

2

; n

1, 2, 3

;

constante de Rydberg,

R

H

1.09677

10

7

m

1

(1)

Quando o electrão decai de um nível energético superior (n i ) para um inferior (n f ), emite um fotão que

origina uma risca de comprimento de onda característico no espectro de emissão deste átomo. O

comprimento de onda da radiação emitida quando ocorre a transição entre dois níveis (n i e n f ) é dado por:

1

R

H

1

1

n

2

f

n

2

i

(2)

As riscas surgem agrupadas (séries) em diferentes regiões do espectro de emissão do hidrogénio. Cada

série é especificada em termos do número quântico n f (ver Tabela 1).

Tabela 1: Séries do espectro de emissão do hidrogénio.

Série

n

f

n

i

Região do espectro

Lyman

1

2, 3, 4,

Ultra-violeta

Balmer

2

3, 4, 5,

Visível

Paschen

3

4, 5, 6,

Infra-vermelho próximo

Bracket

4

5, 6, 7,

Infra-vermelho

Pfund

5

6, 7, 8,

Infra-vermelho longínquo

As riscas da série de Balmer são designadas em termos do número quântico n i (ver Tabela 2).

Tabela 2: Designação das riscas da série de Balmer.

n

i

3

4

5

6

7

Risca

H

H

H

H

H

consequentemente as diferenças energéticas entre os vários estados electrónicos) através da medição do ângulo de difracção da radiação emitida pelos átomos:

= k sen( ) / m

,

m=0, 1, 2,

(3)

onde k é a constante de difracção da rede utilizada, m é a ordem de difracção (m=1 para o primeiro conjunto de riscas) e é o ângulo de difracção que é medido experimentalmente.

3- Equipamento

No estudo dos espectros de emissão utiliza-se o seguinte equipamento:

Fonte de alimentação Tubo espectral
Fonte de
alimentação
Tubo espectral

Figura 1: Equipamento utilizado no estudo de espectros de emissão atómica.

A radiação policromática emitida pelo tubo de H é decomposta por difracção nas suas componentes monocromáticas de comprimento de onda de acordo com a equação (3). Os ângulos de difracção são medidos com um goniómetro, abaixo esquematizado.

ângulos de difracção são medidos com um goniómetro , abaixo esquematizado. Figura 2: Constituintes do goniómetro.

Figura 2: Constituintes do goniómetro.

4. Procedimento Experimental

4.1- Coloque a lâmpada de H no tubo espectral e aumente progressivamente a diferença de potencial aplicada até que haja emissão de luz.

4.2- Coloque o tubo colimador (1) encostado à ranhura do tubo espectral.

4.3- Gire o tubo ocular (2) até visualizar a primeira risca do espectro de primeira ordem.

4.4- Uma a uma, centre as riscas sobre a escala graduada visível na ocular (11). Foque a risca rodando o parafuso (14) e foque a escala deslocando a ocular (11) para a frente e para trás.

4.5- Meça sobre a escala (6) o ângulo de difracção. Cada unidade do nónio corresponde a um minuto de grau (1/60 graus).

5- Tratamento dos resultados

5.1- Determine o comprimento de onda teórico das principais riscas da série de Balmer do espectro de

emissão do átomo de hidrogénio.

5.2- Sabendo que o valor da constante de rede de difracção é k = 1684 nm, calcule o comprimento de onda

das riscas desta série observadas no trabalho e complete o seguinte quadro:

Risca da série de Balmer

Cor

n

i

teórico /nm

exp /nm

erro

H

 

3

       

H

 

4

       

H

 

5

       

H

 

6

       

H

 

7