Sei sulla pagina 1di 24
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DISCIPLINA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DISCIPLINA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL PARA OBTENÇAO DO GLP

Belém - PA Julho / 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

INSTITUTO DE TECNOLOGIA

FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA

DISCIPLINA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL PARA OBTENÇAO DO GLP

Professora: Marilena Emmi Araújo.

Trabalho apresentado como parte

integrante da avaliação da disciplina

Modelagem e Simulação de Processos, do

curso de Engenharia Química da

Universidade Federal do Pará.

Discentes: Carlos Adriano Moreira da Silva - 09025004001 Josiel Lobato Ferreira - 09025001601 Meyre Lane Pereira - 09025004401

Belém - Pará Julho / 2013

SUMÁRIO

1.

INTRODUÇÃO

1

2.

1

2.1.

DEFINIÇÃO DE GÁS

1

2.2.

EXTRAÇÃO

3

2.3.

COMPOSIÇÃO DO GÁS NATURAL

4

2.4.

COMPOSIÇÃO DO GÁS NATURAL

5

2.5.

COMPOSIÇÃO DO GLP COMERCIAL

6

3.

PROGRAMA COMPUTACIONAL -

8

4.

DESCRIÇÃO DO

8

4.1.

REFRIGERAÇÃO SIMPLES

10

4.2.

SEPARADOR FLASH DE ALTA PRESSÃO

11

4.3.

11

4.4.

SEPARADOR FLASH DE BAIXA PRESSÃO

12

4.5.

PROCESSO DE EXPANSÃO

13

4.6.

COLUNA DE DESMETANIZAÇÃO

14

4.7.

19

4.8.

RE-COMPRESSÃO E COMPRESSÃO FINAL

19

5.

20

6.

REFERÊNCIAS

21

1

1) INTRODUÇÃO

Os constituintes desejáveis do óleo bruto e do gás natural são os hidrocarbonetos. Estes compostos vão de metano a hidrocarbonetos parafínicos com 33 átomos de carbono e a hidrocarbonetos aromáticos polinucleares com 20 ou mais átomos de carbono; gás natural é principalmente metano. Óleo bruto é constituído, primordialmente de hidrocarbonetos líquidos tendo 4 ou mais átomos de carbono. O gás natural, produzido a partir de um reservatório de gás, pode conter pequenas quantidades de hidrocarbonetos mais pesados, os quais são separados como um líquido chamado "condensado". Gás natural tem sido usado comercialmente como combustível há 150 anos na América e a centenas de anos na China. A produção, processamento e distribuição do gás natural se tornou um importante segmento da economia e é um fator crucial no mercado de energia no mundo. Plantas de processamento de gás natural são, usualmente, projetadas para remover certos produtos, como gases ácidos e componentes condensáveis, necessários para produzir o gás em condições de mercado, isto é, gasolina natural, butano, propano, etano e metano. Gás natural tem sido usado comercialmente como combustível há 150 anos na América e a centenas de anos na China. A produção, processamento e distribuição do gás natural se tornou um importante segmento da economia e é um fator crucial no mercado de energia no mundo. Plantas de processamento de gás natural são, usualmente, projetadas para remover certos produtos, como gases ácidos e componentes condensáveis, necessários para produzir o gás em condições de mercado. Em algumas unidades o processamento inclui o fracionamento do gás natural em Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). O presente trabalho tem por objetivo analisar um processo de fracionamento de gás natural para obtenção de GLP e comparar os resultados com as especificações de mercado conforme a resolução da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

a resolução da Agência Nacional de Petróleo (ANP). 2) REVISÃO 2.1) Definição de gás natural De

2) REVISÃO

2.1) Definição de gás natural

De modo similar aos demais combustíveis fósseis, o gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, originados da decomposição de matéria orgânica fossilizada ao longo de milhões de anos. Em seu estado bruto, o gás natural é composto principalmente por metano, com proporções variadas de etano, propano, butano, hidrocarbonetos mais pesados e também CO2, N2,

2

H2S, água, ácido clorídrico, metanol e outras impurezas. Os maiores teores de carbono são encontrados no gás natural não-associado. As principais propriedades do gás natural são a sua densidade em relação ao ar, o poder calorífico, o índice de Wobbe, o ponto de orvalho da água e dos hidrocarbonetos e os teores de carbono, CO2, hidrogênio, oxigênio e compostos sulfurosos. Outras características intrínsecas importantes são os baixos índices de emissão de poluentes, em comparação a outros combustíveis fósseis, rápida dispersão em caso de vazamentos, os baixos índices de odor e de contaminantes. Ainda, em relação a outros combustíveis fósseis, o gás natural apresenta maior flexibilidade, tanto em termos de transporte como de aproveitamento. A Tabela 1 apresenta dados sobre reservas, produção e consumo mundial de gás natural no ano de 2002. Os dados indicam que as reservas mundiais durariam cerca de sessenta anos, desconsideradas novas descobertas e mantida a produção nos patamares de 2002. Uma visão das reservas mundiais e do consumo de gás natural em 2002 é apresentada nas Figuras 1 e 2, respectivamente.

Tabela 1 Reserva, produção e consumo de gás natural no mundo.

– Reserva, produção e consumo de gás natural no mundo. Figura 1 - Reservas mundiais de
– Reserva, produção e consumo de gás natural no mundo. Figura 1 - Reservas mundiais de

Figura 1 - Reservas mundiais de gás natural, situação em 2002 (trilhões de m 3 ).

3

3 Figura 2 – Consumo mundial de gás natural em 2002 (trilhões de tEP). 2.2) Extração

Figura 2 Consumo mundial de gás natural em 2002 (trilhões de tEP).

2.2) Extração

O processo de extração do gás natural é simples. Como as suas jazidas se encontram no subsolo, utiliza-se poços de perfuração para levá-lo à superfície por meio de dutos. Na maioria dos poços a pressão do gás natural é suficiente para jogá-lo para fora e conduzi-lo por tubulações até pontos de coleta. Após ser processado, o gás natural é comprimido e distribuído.

ser processado, o gás natural é comprimido e distribuído. Figura 3 – Extração de gás natural

Figura 3 Extração de gás natural em ambiente marinho.

Estima-se que no final de 2002 as reservas de gás natural em nível mundial eram de 155,78 trilhões de metros cúbicos localizados principalmente na Europa e na Eurásia (39%) e no Oriente Médio (36%). Mas, essa quantidade tende a crescer, uma vez que novas jazidas de gás natural foram descobertas recentemente.

4

A alta qualidade do gás natural como energético é decorrente de suas propriedades químicas e físicas. Como o produto comercial é limpo de impurezas e com baixo índice de compostos sulfurosos os gases resultantes de sua combustão podem entrar em contato direto com produtos e processos sem contamina-los e a evacuação dos gases de exaustão pode ser realizada com o máximo aproveitamento do calor (temperaturas em torno de 100ºC) sem o risco de formação de ácidos e a consequente corrosão dos trocadores de calor e das chaminés. Por outro lado, seu estado gasoso propicia um nível de controle nos processos de combustão que permite garantir a elevada qualidade de produtos e processos mais sofisticados. Em alguns casos particulares a promoção de uma atmosfera oxidante ou redutora (sem oxigênio livre) no ambiente de processos é desejada e a aplicação de uma chama oxidante e redutora a gás atende à necessidade. Segundo o Departamento de Energia dos Estados Unidos, a eficiência do gás natural, da fonte até seu consumo final, é de aproximadamente 91%. Isto é, nove em cada dez unidades de energia extraída do solo são utilizadas.

2.3) Composição do gás natural bruto

Os processos naturais de formação do gás natural são a degradação da matéria orgânica por bactérias anaeróbias, a degradação da matéria orgânica e do carvão por temperatura e pressão elevadas ou da alteração térmica dos hidrocarbonetos líquidos. A matéria orgânica fóssil é também chamada de querogêneo e pode ser de dois tipos:

querogêneo seco, quando proveniente de matéria vegetal e querogêneo gorduroso, quando proveniente de algas e matéria animal. No processo natural de formação do planeta ao longo dos milhões de anos a transformação da matéria orgânica vegetal, celulose e lignina, produziu o querogêneo seco que ao alcançar maiores profundidades na crosta terrestre sofreu um processo gradual de cozimento, transformando-se em linhito, carvão negro, antracito, xisto carbonífero e metano e dando origem às gigantescas reservas de carvão do planeta. A transformação da matéria orgânica animal ou querogêneo gorduroso não sofreu o processo de cozimento e deu origem ao petróleo. Nos últimos estágios de degradação do querogêneo gorduroso, o petróleo apresenta-se como condensado volátil associado a hidrocarbonetos gasosos com predominância do metano. Por esta razão é muito comum encontrar-se reservas de petróleo e gás natural associados. Assim, o gás natural como encontrado na natureza é uma mistura variada de hidrocarbonetos gasosos cujo componente preponderante é sempre o Metano. O gás natural não associado apresenta

5

os maiores teores de Metano, enquanto o gás natural associado apresenta proporções mais significativas de Etano, Propano, Butano e hidrocarbonetos mais pesados. Além dos hidrocarbonetos fazem parte da composição do gás natural bruto outros componentes, tais como o Dióxido de Carbono (CO 2 ), o Nitrogênio (N 2 ), Hidrogênio Sulfurado (H 2 S), Água (H 2 O), Ácido Clorídrico (HCl), Metanol e impurezas mecânicas. A presença e proporção destes elementos depende fundamentalmente da localização do reservatório, se em terra ou no mar, sua condição de associado ou não, do tipo de matéria orgânica ou mistura do qual se origino, da geologia do solo e do tipo de rocha onde se encontra o reservatório, etc. Para exemplificar a diversidade e a variabilidade da composição do Gás Natural Bruto, bem como a predominância do gás metano, apresentamos a seguir a sua composição em alguns países.

Tabela 2 Composição do Gás Natural Bruto em Alguns Países

2 – Composição do Gás Natural Bruto em Alguns Países 2.4) Composição do gás natural comercial

2.4) Composição do gás natural comercial

A composição comercial do gás natural é variada e depende da composição do gás natural bruto, do mercado atendido, do uso final e do produto gás que se deseja. Apesar desta variabilidade

6

da composição, são parâmetros fundamentais que determinam a especificação comercial do gás natural o seu teor de enxofre total, o teor de gás sulfídrico, o teor de gás carbônico, o teor de gases inertes, o ponto de orvalho da água, o ponto de orvalho dos hidrocarbonetos e o poder calorífico. Apresentamos a seguir as normas para a especificação do Gás Natural a ser comercializado no Brasil, de origem interna e externa, igualmente aplicáveis às fases de produção, de transporte e de distribuição desse produto, determinadas pela Agência Nacional do Petróleo ANP na Portaria N.º 16, de 17 de Junho de 2008. O Gás Natural deverá atender à especificações apresentadas na Tabela

3.

Tabela 3 Especificação para o Gás Natural comercializado no Brasil.

para o Gás Natural comercializado no Brasil. 2.5) Composição do GLP comercial O GLP também conhecido

2.5) Composição do GLP comercial

O GLP também conhecido como gás de cozinha é obtido do processamento do petróleo ou gás natural. Ele pode ser armazenado em botijões ou tanques de várias dimensões e é utilizado com maior frequência em fogões, aquecedores de água a gás, churrasqueiras a gás, geladeiras a gás,

7

empilhadeiras, estufas e caldeiras. Em todos esses usos, o GLP oferece economia, praticidade e baixa emissão de carbono. Ele é constituído de basicamente dois componentes: o propano e o butano. Devido as suas características de inflamabilidade e por ser inodoro é adicionado ao GLP composto a base de enxofre, chamado mecaptídico, que dá o cheiro característico do gás, proporcionando mais segurança em caso de vazamento. O GLP não é corrosivo, não polui solos e rios e o mesmo deve atender as especificações apresentadas na Tabela 4.

Tabela 4 Especificação para o propano, butano e suas misturas (GLP).

as especificações apresentadas na Tabela 4. Tabela 4 – Especificação para o propano, butano e suas

8

3 ) PROGRAMA COMPUTACIONAL HYSYS

Torres de fracionamento com multi-estágios, assim como unidades de destilação de óleo a vácuo, desmetanizadores aquecidos, e colunas de destilação extrativas, são unidades de operação muito complexas que o programa HYSYS simula.

O HYSYS é um programa computacional para simulação de processos químicos, fornecido

pelo Departamento de Engenharia da Aspen Tecnology, Inc. que é uma das fornecedoras de

referência mundial de software e serviços para processos industriais. ASPENTECH ajuda os seus clientes a obterem um alto grau de operabilidade, maximizando os seus lucros e otimizando o seu desempenho profissional.

O HYSYS tem a capacidade de rodar torres criogênicas, sob altas pressões, sistemas de

absorção, absorção de óleo rico, retificadores de águas ácidas (sour water strippers), torres complexas de petróleo, colunas de destilação azeotrópica, etc. Não estão programados limites para o número de componentes ou estágios. O tamanho da coluna que podemos resolver depende da nossa configuração de hardware e a capacidade da memória do computador que temos disponíveis.

4) DESCRIÇÃO DO PROCESSO

O gás natural pode passar por diversas etapas de processamento, tais como: remoção de gases

ácido (H 2 S e CO 2 ), desidratação, extração de hidrocarbonetos mais pesados que o metano, comumente referidos como Líquidos de Gás Natural (LGN) e obtenção de GLP. Neste caso, subentende-se que as duas primeiras etapas já foram processadas e o processo em questão visa inicialmente extrair os componentes mais pesados que o metano e seguir por diversas etapas a fim de se obter como produto final o GLP e uma corrente rica em metano.

9

A Figura 4 apresenta o fluxograma o processo de fracionamento de gás natural.

o fluxograma o processo de fracionamento de gás natural. Figura 4 - Fluxograma do processo geral

Figura 4 - Fluxograma do processo geral implementado no HYSYS 2006.

A corrente de alimentação “Feed Gas” apresenta as seguintes condições mostradas na Figura

5.

apresenta as seguintes condições mostradas na Figura 5. Figura 5 – Condições e composição da corrente
apresenta as seguintes condições mostradas na Figura 5. Figura 5 – Condições e composição da corrente

Figura 5 Condições e composição da corrente de alimentação de gás natural ou Feed Gas.

10

Conforme se observa esta corrente encontra-se na temperatura de 30°C, 5000kPa, com uma vazão mássica de 52865,23kg/h e totalmente na fase vapor. É observado ainda que a corrente apresenta uma grande quantidade de gás metano e pequenas quantidades de outros hidrocarbonetos, e outros elementos como o gás carbônico e o gás nitrogênio. A composição de entrada do gás vem desprovida de H 2 S e H 2 O.

4.1) Refrigeração simples

O processo de recuperação de hidrocarbonetos líquidos por refrigeração simples, como o

próprio nome sugere, consiste meramente no resfriamento do gás de modo a promover a condensação do propano e mais pesados. Este processo encontra aplicação quando o objetivo é

apenas recuperar componentes a partir do propano (LGN) e não se deseja recuperações muito elevadas ou deseja-se apenas condicionar o “dew-point” do gás para o transporte.

A corrente Feed Gas passa por um trocador de calor denominado LNG-100, onde perde calor

para duais correntes. Uma das correntes provem do topo do Tanque Flash V-101, que corresponde a “corrente 7” e a outra corrente provem da subunidade de recuperação de GLP denominada “LPG Recover”, ou mais especificadamente do condensador conforme se verá mais adiante, que corresponde a “corrente 9”. Ambas as correntes encontram-se a temperaturas abaixo da temperatura

da corrente de alimentação e, portanto, elas recebem calor da corrente de alimentação “Feed Gas”.

A corrente que sai do trocador de calor LNG-100 denominada de “corrente 1A” apresenta

uma temperatura e pressão menor que a de alimentação Feed Gas, formando as fases líquida e vapor, conforme se vê na Figura 6. A temperatura diminui bruscamente, mas a pressão diminui muito pouco.

diminui bruscamente, mas a pressão diminui muito pouco. Figura 5 – Condições da corrente 1A. Em

Figura 5 Condições da corrente 1A.

Em seguida a “corrente 1A” passa novamente por um trocador de calor, onde novamente ocorre diminuição da sua pressão e temperatura, conforme a Figura 6. Conforme é observado também, aumenta-se a fração da fase líquida e diminui-se a fração da fase vapor.

11

11 Figura 6 – Condições da corrente 2. 4.2) Separador Flash de alta pressão A “correte

Figura 6 Condições da corrente 2.

4.2) Separador Flash de alta pressão

A “correte 2” alimenta um Tanque Flash de alta pressão denominado de V-100, onde é dividido em duas correntes denominadas “corrente 3” e “corrente 4”. A “corrente 3” que corresponde a corrente de topo do Tanque Flash V-100 encontra-se na fase vapor, ou vapor saturado e possui a mesma temperatura e pressão da “correte 2”, pois o Tanque Flash V-100 opera isotermicamente e isobaricamente, apresentando as seguintes condições e composição mostrada da Figura 7:

seguintes condições e composição mostrada da Figura 7: Figura 7 – Condições e composição da corrente
seguintes condições e composição mostrada da Figura 7: Figura 7 – Condições e composição da corrente

Figura 7 Condições e composição da corrente 3.

É observado que houve um aumento na concentração de metano nesta corrente, e diminuição da concentração dos outros hidrocarbonetos havendo até a separação total de alguns, como por exemplo, o n-pentano e o n-hexano.

4.3) Turbo-expansão

O Processo Turbo-Expansão é o processo mais eficiente atualmente utilizado no processamento de gás natural, pois é o processo que produz as mais baixas temperaturas (<-95ºC).

12

É capaz de extrair praticamente todo o propano da corrente gasosa, e é o processo com melhor eficiência na recuperação de etano. Baseia-se na expansão isentrópica do gás através de uma turbina (turbo-expansor) com a realização de trabalho, onde o trabalho produzido é aproveitado para movimentar um compressor responsável pela re-compressão do gás produzido. É um processo com alto custo de investimento e bastante complexo em sua operação, sendo normalmente aplicado para unidades com capacidade nominal superior a 2.500.000 m 3 /dia e que tenham por objetivo recuperar o máximo possível de LGNs, para que tenham retorno financeiro adequado.

A “corrente 3” na forma de vapor saturado alimenta um expansor denominado K-100. A

corrente de saída denominada “corrente 5” apresenta as fases líquida e vapor, diminui sua temperatura e pressão conforme a Figura 8:

diminui sua temperatura e pressão conforme a Figura 8: Figura 8 – Condições corrente 5. 4.4)

Figura 8 Condições corrente 5.

4.4) Separador Flash de baixa pressão

A “correte 5” alimenta um Tanque Flash de baixa pressão denominado de V-101, onde é

dividido em duais correntes denominado de “corrente 7” (já citada anteriormente) e “corrente 6”. As correntes 6e 7” apresentam a mesma temperatura e pressão, pois o Tanque Flash V-101 também opera isotermicamente e isobaricamente. A “corrente 7” que apresenta-se na fase de vapor saturado, aumentou a concentração do metano e diminuiu a concentração dos outros hidrocarbonetos e outros compostos como o gás carbônico e o gás nitrogênio, conforme a Figura abaixo:

dos outros hidrocarbonetos e outros compostos como o gás carbônico e o gás nitrogênio, conforme a

13

13 Figura 9 – Condições e composição da corrente 7. 4.5) Processo de expansão Joule-Thomson O

Figura 9 Condições e composição da corrente 7.

4.5) Processo de expansão Joule-Thomson

O processo Joule-Thomson tem como principal característica sua simplicidade. A expansão isentálpica do gás através de uma válvula provoca queda em sua temperatura, com consequente condensação de LGNs. Como a eficiência do processo na recuperação de LGNs depende da pressão disponível do gás, esse processo é normalmente utilizado para simples acerto do ponto de orvalho, e mesmo nesses casos a especificação do gás para venda pode não ser atingida (é o caso de gases ricos em hidrocarbonetos mais pesados que o metano). Dependendo da pressão do gás disponível, visando proporcionar maior robustez ao processo e garantir a especificação do gás para venda, é prática comum comprimir-se previamente o gás antes da expansão Joule-Thomson. A “corrente 4” que representa a corrente de base do Tanque Flash de baixa pressão V-100, encontra-se como líquido saturado e ainda apresenta uma grande quantidade de metano:

saturado e ainda apresenta uma grande quantidade de metano: Figura 10 – Condições e composição da
saturado e ainda apresenta uma grande quantidade de metano: Figura 10 – Condições e composição da

Figura 10 Condições e composição da corrente 4.

14

A “corrente 4” é enviada a uma válvula de estrangulamento onde corre a diminuição da sua

pressão e temperatura, ocorrendo a formação das fases líquida e vapor, conforme a Figura 11:

formação das fases líquida e vapor, conforme a Figura 11: Figura 11 – Condições da corrente

Figura 11 Condições da corrente 8.

4.6) Coluna de Desmetanização

Desmetanização é a operação compreendida no processamento do gás natural, para separar

componentes mais pesados, em uma corrente líquida contendo hidrocarbonetos pesados de uma corrente gasosa que contém metano como principal produto. O principal objetivo da desmetanização é aumentar a concentração dos hidrocarbonetos pesados, os quais têm maior valor energético e consequentemente maior valor econômico e que serão seguidamente submetidos a outras operações de separação. Entretanto, o metano (gás leve) de menor valor energético é utilizado pela indústria, automóveis, residências, comércios e usinas de geração de energia (termoelétrica).

A “corrente 6” que encontra-se como líquido saturado e que apresenta uma grande quantidade

de metano é enviada a subunidade de recuperação de GLP ou “LPG Recover”. A “corrente 6entra no condensador, conforme é visto na Figura 12:

6 ” entra no condensador, conforme é visto na Figura 12: Figura 12 - Fluxograma do

Figura 12 - Fluxograma do processo de Desmetanização implementado no HYSYS 2006.

15

15 Figura 13 – Condições e composição da corrente 6. No fluxograma tem-se um símbolo (um
15 Figura 13 – Condições e composição da corrente 6. No fluxograma tem-se um símbolo (um

Figura 13 Condições e composição da corrente 6.

No fluxograma tem-se um símbolo (um losangulo com a letra “s” dentro), atravessado por uma linha verde, que significa que um dado parâmetro de uma corrente é utilizada por uma outra dada corrente. Na planta analisada, deseja-se estabelecer que a pressão na corrente 5 seja a mesma que na corrente 9. Conforme pode-se ver no fluxograma geral da Figura 4, a coluna de desmetanização funciona como se fosse uma subunidade de desmetanização. A “corrente 8” apresentando as fases líquida e vapor entra na coluna denominada de “Main TS” com 5 estágios teóricos. As correntes de saída da coluna “Main TS” são denominadas de “To Condenser” e representa a corrente de base e a corrente “To Reboiler” representa a corrente de base. A corrente “To Condenser” apresenta totalmente na fase vapor e apresenta grandes quantidades de metano e etano.

vapor e apresenta grandes quantidades de metano e etano. Figura 14 – Condições e composição da
vapor e apresenta grandes quantidades de metano e etano. Figura 14 – Condições e composição da

Figura 14 Condições e composição da corrente To Condenser”.

16

Esta corrente é enviada ao condensador juntamente com a corrente 6. As fases líquida e vapor das correntes 6” e “To Condenser” se misturam no condensador. Uma parte da corrente denominada “Reflux” volta para a coluna e a outra parte denomina “corrente 9é enviada ao trocador de calor LNG-100. A corrente “Reflux” apresenta-se totalmente na fase líquida e grandes quantidade de metano, que ainda precisa ser recuperado, e por isso, retorna a coluna “Main TS”.

ser recuperado, e por isso, retorna a coluna “Main TS”. Figura 15 – Condições e composição
ser recuperado, e por isso, retorna a coluna “Main TS”. Figura 15 – Condições e composição

Figura 15 – Condições e composição da corrente “Reflux.

A “corrente 9” apresenta-se totalmente na fase vapor e uma grande quantidade de metano.

-se totalmente na fase vapor e uma grande quantidade de metano. Figura 16 – Condições e
-se totalmente na fase vapor e uma grande quantidade de metano. Figura 16 – Condições e

Figura 16 Condições e composição da corrente 9.

17

A corrente “To Reboiler” apresenta-se na fase líquida e com grandes quantidades de etano e propano, passa através de uma bomba e um trocador de calor até chegar a um tanque Tanque Flash V-100 conforme se ver na Figura 4.

a um tanque Tanque Flash V-100 conforme se ver na Figura 4. Figura 17 – Condições
a um tanque Tanque Flash V-100 conforme se ver na Figura 4. Figura 17 – Condições

Figura 17 – Condições e composição da corrente “To Reboiler”.

O Tanque Flash V-100 divide em duais correntes denominadas de “Boilup” e “corrente 10”. A corrente “Boilup” apresenta-se na fase vapor com grandes quantidade de etano e propano, e é por isso que esta corrente retorna ao Tanque Flash V-100.

é por isso que esta corrente retorna ao Tanque Flash V-100. Figura 18 – Condições e
é por isso que esta corrente retorna ao Tanque Flash V-100. Figura 18 – Condições e

Figura 18 – Condições e composição da corrente “Boilup”.

18

A corrente 10 apresenta-se na fase líquida e com grandes quantidades de etano e propano,

pequenas quantidade de outros hidrocarbonetos. Esta corrente corresponde a um produto do processo e é denominada de GLP, ou gás liquefeito de petróleo.

e é denominada de GLP, ou gás liquefeito de petróleo. Figura 19 – Condições e composição
e é denominada de GLP, ou gás liquefeito de petróleo. Figura 19 – Condições e composição

Figura 19 Condições e composição da corrente 10.

A corrente de saída da subunidade ou coluna de desmetanização passa através de uma bomba

e um trocador de calor até se tornar na corrente “Reboiler Out” com as seguintes condições e

composição na Figura 20:

com as seguintes condições e composição na Figura 20: Figura 20 – Condições e composição da
com as seguintes condições e composição na Figura 20: Figura 20 – Condições e composição da

Figura 20 – Condições e composição da corrente “Reboiler Out”.

19

4.7) Misturador

E agora as correntes 7e 9ricas em metano trocam calor conforme já mencionadas

anteriormente e misturam-se no misturador MIX-100 resultando a seguinte condição e composição mostrada na Figura 21:

a seguinte condição e composição mostrada na Figura 21: Figura 21 – Condições e composição da
a seguinte condição e composição mostrada na Figura 21: Figura 21 – Condições e composição da

Figura 21 Condições e composição da corrente 11.

4.8) Re-Compressão e Compressão Final

A corrente 11passa por um compressor denominado K-101 onde utiliza o calor gerado da

turbina K-100, seguido por um trocador de calor que diminui a sua temperatura, passando novamente em outro compressor denominado K-102, onde é resultando uma corrente denominada “Export Gas” rica em metano, conforme mostra a Figura 22:

K-102, onde é resultando uma corrente denominada “Export Gas” rica em metano, conforme mostra a Figura

20

20 Figura 22 – Condições e composição da corrente “ Export Gas ”. Conforme pode-se observar

Figura 22 – Condições e composição da corrente “Export Gas”.

Conforme pode-se observar a corrente resultante do processo “Export Gas” apresenta uma grande quantidade de metano, o qual é o objetivo do processo, concentrar em metano e houve separação dos outros hidrocarbonetos, no qual outros compostos estão presentes em maior quantidades nas correntes 10 (GLP) e “Reboiler Out”.

5) CONCLUSÕES

Foi abordado nesse trabalho o estudo do processamento do gás natural para a obtenção de GLP, utilizando-se o simulador de processos HYSYS. O processo compreende inúmeras etapas dentre as quais, se destacam: refrigeração simples, separador flash, turbo-expansão, expansão joule- Thomson, desmetanização, entre outras. Na concepção do fluxograma, foram levantados dados na literatura sobre os equipamentos envolvidos, suas configurações típicas, além dos processos possíveis para o tratamento do gás natural. De posse dos resultados obtidos pode-se dizer que esse tipo de planta é uma boa alternativa para ser implantada em um projeto para o fracionamento de gás natural, haja vista que o produto obtido (GLP) está razoavelmente dentro das especificações. É necessário ainda novas análises para identificar parâmetros que podem ser alterados para a otimização do processo em questão.

21

6) REFERÊNCIAS

AGÊNCIA

NACIONAL

DO

PETRÓLEO,

Gás

natural

e

biocombustíveis

ANP.

Disponível em: http://www.anp.gov.br. Acesso em: 17/07/2013.

FILHO, D, H. M. Introdução ao processamento e tratamento do gás natural. Petróleo Brasileiro S.A. Apostila, Manaus, 2005.

GOMES, C. S. M. Remoção de hidrocarbonetos pesados do gás natural visando o ajuste do índice de metano. Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007.

PANTOJA,

C.

E.

Análise

de

viabilidade

técnica

e

econômica

de

tecnologias

de

processamento de gás natural. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, 2009.

SANT’ANNA, A. A. Simulação de processamento de gás natural em plataforma off- shore. Programa de Engenharia Química da ANP, Rio de Janeiro, 2005.

TAVALERA, R. M. R. Caracterização de sistemas, simulação e otimização de etapas de planta de processamento de gás natural. Faculdade de Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, 2002.