Sei sulla pagina 1di 60

2

Nuno Correia 11/12
Nuno Correia 11/12

3

Do que somos feitos?
Do que somos feitos?
3 Do que somos feitos? Nuno Correia 11/12
3 Do que somos feitos? Nuno Correia 11/12
3 Do que somos feitos? Nuno Correia 11/12

4

Do que somos feitos? Quando se analisa a matéria que constitui os seres vivos, encontram-se
Do que somos feitos?
Quando se analisa a matéria que constitui os seres vivos,
encontram-se principalmente os seguintes elementos:
 carbono (C),
 hidrogénio (H),
 oxigénio (O),
 nitrogénio (N),
 fósforo (P) e
 enxofre (S).
 hidrogénio (H),  oxigénio (O),  nitrogénio (N),  fósforo (P) e  enxofre (S).
 hidrogénio (H),  oxigénio (O),  nitrogénio (N),  fósforo (P) e  enxofre (S).
 hidrogénio (H),  oxigénio (O),  nitrogénio (N),  fósforo (P) e  enxofre (S).

5

Carbono A vida na Terra baseia-se essencialmente no elemento carbono, que constitui a estrutura básica
Carbono
A vida na Terra baseia-se
essencialmente no
elemento carbono, que
constitui a estrutura básica
de todas as moléculas
orgânicas.
no elemento carbono, que constitui a estrutura básica de todas as moléculas orgânicas. Nuno Correia 11/12
no elemento carbono, que constitui a estrutura básica de todas as moléculas orgânicas. Nuno Correia 11/12
no elemento carbono, que constitui a estrutura básica de todas as moléculas orgânicas. Nuno Correia 11/12

6

Exercício
Exercício
6 Exercício Nuno Correia 11/12
6 Exercício Nuno Correia 11/12
6 Exercício Nuno Correia 11/12

7

Constituintes da matéria viva
Constituintes da matéria viva
7 Constituintes da matéria viva Nuno Correia 11/12
7 Constituintes da matéria viva Nuno Correia 11/12
7 Constituintes da matéria viva Nuno Correia 11/12

8

Substâncias Inorgânicas
Substâncias
Inorgânicas
Constituintes Básicos
Constituintes
Básicos
Substâncias Orgânicas
Substâncias
Orgânicas
Constituintes Básicos Substâncias Orgânicas Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono
Constituintes Básicos Substâncias Orgânicas Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono
Constituintes Básicos Substâncias Orgânicas Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono
Água Sais Minerais
Água
Sais Minerais
Prótidos Hidratos de carbono Lípidos Ácidos nucleicos
Prótidos
Hidratos de carbono
Lípidos
Ácidos nucleicos
Macromoléculas
Macromoléculas
Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono Lípidos Ácidos nucleicos Macromoléculas Nuno Correia 11/12
Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono Lípidos Ácidos nucleicos Macromoléculas Nuno Correia 11/12
Água Sais Minerais Prótidos Hidratos de carbono Lípidos Ácidos nucleicos Macromoléculas Nuno Correia 11/12

9

Importância biológica da água
Importância biológica da água
9 Importância biológica da água Nuno Correia 11/12
9 Importância biológica da água Nuno Correia 11/12
9 Importância biológica da água Nuno Correia 11/12

10

Água
Água

Molécula formada pela ligação entre dois átomos de

hidrogénio e um de oxigénio, sendo extremamente importante para os seres vivos e para os ecossistemas

terrestres.

um de oxigénio, sendo extremamente importante para os seres vivos e para os ecossistemas terrestres. Nuno
um de oxigénio, sendo extremamente importante para os seres vivos e para os ecossistemas terrestres. Nuno
um de oxigénio, sendo extremamente importante para os seres vivos e para os ecossistemas terrestres. Nuno
um de oxigénio, sendo extremamente importante para os seres vivos e para os ecossistemas terrestres. Nuno

11

Características
Características

A água é o solvente ideal.

Entre as moléculas de água

existem pontes de hidrogénio que

fazem com que a molécula fique mais coesa.

Se não fossem as pontes de hidrogénio a água fervia aos -80 °C e congelava aos -100 °C.

 Se não fossem as pontes de hidrogénio a água fervia aos -80 °C e congelava
 Se não fossem as pontes de hidrogénio a água fervia aos -80 °C e congelava
 Se não fossem as pontes de hidrogénio a água fervia aos -80 °C e congelava
 Se não fossem as pontes de hidrogénio a água fervia aos -80 °C e congelava

A água ajuda a manter uma

temperatura estável - é

reguladora térmica.

Quando um lago gela só a camada superficial se transforma em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.

12

em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.
em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.
em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.
em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.
em gelo, funcionando como um isolador do frio, impedindo que as camadas inferiores de água gelem.

13

Citosol
Citosol

O líquido que preenche as células vivas, denominado citosol, consiste numa solução aquosa de diversas substâncias;

O sangue e outros líquidos corporais dos seres multicelulares também são soluções aquosas.

Nuno Correia 11/12

O sangue e outros líquidos corporais dos seres multicelulares também são soluções aquosas. Nuno Correia 11/12
O sangue e outros líquidos corporais dos seres multicelulares também são soluções aquosas. Nuno Correia 11/12
O sangue e outros líquidos corporais dos seres multicelulares também são soluções aquosas. Nuno Correia 11/12

14

Sais Minerais
Sais Minerais

intervêm na formação e esqueleto dos dentes (por

exemplo o cálcio); funcionam como activadores de moléculas (na sua

ausência a molécula fica inoperante);

intervêm na actividade dos músculos e das células

nervosas. A. são constituintes fundamentais de endo e

exosqueletos;

constituem sistemas moderadores do pH;

são constituintes fundamentais de endo e exosqueletos;  constituem sistemas moderadores do pH; Nuno Correia 11/12
são constituintes fundamentais de endo e exosqueletos;  constituem sistemas moderadores do pH; Nuno Correia 11/12
são constituintes fundamentais de endo e exosqueletos;  constituem sistemas moderadores do pH; Nuno Correia 11/12

15

Sais Minerais
Sais Minerais

fazem parte da constituição de moléculas

fundamentais, como a hemoglobina (Fe) e a clorofila (Mg);

intervêm na manutenção do equilíbrio osmótico ao

nível celular (mais à frente vamos discutir a osmose);

E. participam em processos fundamentais no funcionamento dos seres vivos, como, por exemplo, na transmissão nervosa, na contracção muscular e na

coagulação sanguínea.

como, por exemplo, na transmissão nervosa, na contracção muscular e na coagulação sanguínea. Nuno Correia 11/12
como, por exemplo, na transmissão nervosa, na contracção muscular e na coagulação sanguínea. Nuno Correia 11/12
como, por exemplo, na transmissão nervosa, na contracção muscular e na coagulação sanguínea. Nuno Correia 11/12

16

Macromoléculas Biológicas
Macromoléculas Biológicas
16 Macromoléculas Biológicas  Prótidos  Hidratos de carbono  Lípidos  Ácidos Nucleicos Nuno

Prótidos

Hidratos de carbono

Lípidos

Ácidos Nucleicos

Biológicas  Prótidos  Hidratos de carbono  Lípidos  Ácidos Nucleicos Nuno Correia 11/12
Biológicas  Prótidos  Hidratos de carbono  Lípidos  Ácidos Nucleicos Nuno Correia 11/12
Biológicas  Prótidos  Hidratos de carbono  Lípidos  Ácidos Nucleicos Nuno Correia 11/12

17

Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara
Prótidos
De que é feita uma teia de aranha?
Por que fica branca a clara do ovo?
17 Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara
17 Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara
17 Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara
17 Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara
17 Prótidos De que é feita uma teia de aranha? Por que fica branca a clara

18

No início do século XIX, a clara de ovos de

aves, o albume (do latim albus, branco), era

um dos materiais orgânicos mais estudados. O que mais chamava a atenção dos primeiros bioquímicos era a curiosa

propriedade da clara de ovo de coagular e

solidificar-se com o aquecimento.

Os cientistas verificaram que certas substâncias orgânicas presentes no leite e no

sangue, formadas pelos mesmos tipos de

átomos que a clara de ovo(carbono, nitrogénio, hidrogénio, oxigénio e um pouco de enxofre), também coagulavam quando aquecidas. Por isso, essas substâncias foram

chamadas de albuminóides, isto é,

semelhantes ao albúmen.

Prótidos
Prótidos

19

Características
Características

Os prótidos são compostos orgânicos quaternários, constituídos por C, H, O e N (azoto), podendo também

conter outros elementos, como, por exemplo, S

(enxofre), P (fósforo), Mg (magnésio), Fe (ferro) e Cu (cobre).

De acordo com a sua complexidade, os prótidos podem-se classificar em aminoácidos, péptidos e

proteínas.

Nuno Correia 11/12

a sua complexidade, os prótidos podem-se classificar em aminoácidos, péptidos e proteínas. Nuno Correia 11/12
a sua complexidade, os prótidos podem-se classificar em aminoácidos, péptidos e proteínas. Nuno Correia 11/12
a sua complexidade, os prótidos podem-se classificar em aminoácidos, péptidos e proteínas. Nuno Correia 11/12

20

Aminoácidos
Aminoácidos
20 Aminoácidos Grupo amina Grupo Carboxilo Unidades estruturais dos péptidos e das proteínas. Nuno Correia 11/12
Grupo amina Grupo Carboxilo
Grupo amina
Grupo
Carboxilo

Unidades estruturais dos

péptidos e das proteínas.

20 Aminoácidos Grupo amina Grupo Carboxilo Unidades estruturais dos péptidos e das proteínas. Nuno Correia 11/12
20 Aminoácidos Grupo amina Grupo Carboxilo Unidades estruturais dos péptidos e das proteínas. Nuno Correia 11/12
20 Aminoácidos Grupo amina Grupo Carboxilo Unidades estruturais dos péptidos e das proteínas. Nuno Correia 11/12

Nuno Correia 11/12

21

Aminoácido 1 Aminoácido 2 Ligação peptídica Dipéptido Água
Aminoácido 1
Aminoácido 2
Ligação peptídica
Dipéptido
Água

Nuno Correia 11/12

22

Reacção de condensação. Formação de uma molécula de água

22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12
22  Reacção de condensação.  Formação de uma molécula de água Nuno Correia 11/12

23

Péptidos
Péptidos

Resultam da união de aminoácidos:

Dipéptidos

Oligo (pouco, Gk) entre 2 e 20 aminoácidos

Poli (muito, Gk) mais de vinte. Expl : Proteínas.

Gk ) – entre 2 e 20 aminoácidos  Poli (muito, Gk ) – mais de
Gk ) – entre 2 e 20 aminoácidos  Poli (muito, Gk ) – mais de
Gk ) – entre 2 e 20 aminoácidos  Poli (muito, Gk ) – mais de
Gk ) – entre 2 e 20 aminoácidos  Poli (muito, Gk ) – mais de

24

Proteínas
Proteínas

Podem diferir umas das outras nos seguintes aspectos:

Quantidade de aminoácidos Tipos de aminoácidos Sequência de aminoácidos na cadeia.

Quantidade de aminoácidos  Tipos de aminoácidos  Sequência de aminoácidos na cadeia . Nuno Correia
Quantidade de aminoácidos  Tipos de aminoácidos  Sequência de aminoácidos na cadeia . Nuno Correia
Quantidade de aminoácidos  Tipos de aminoácidos  Sequência de aminoácidos na cadeia . Nuno Correia

25

Fibroína
Fibroína

Proteína constituinte da seda e das teias.

25 Fibroína  Proteína constituinte da seda e das teias. Nuno Correia 11/12
25 Fibroína  Proteína constituinte da seda e das teias. Nuno Correia 11/12
25 Fibroína  Proteína constituinte da seda e das teias. Nuno Correia 11/12

26

Colagénio
Colagénio

Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.

 Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.
 Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.
 Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.
 Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.
 Confere resistência aos tendões e redes de fibras que suportam a pele e órgãos internos.

27

Estrutura das Proteínas
Estrutura das Proteínas
27 Estrutura das Proteínas Nuno Correia 11/12
27 Estrutura das Proteínas Nuno Correia 11/12
27 Estrutura das Proteínas Nuno Correia 11/12

28

28 Nuno Correia 11/12
28 Nuno Correia 11/12
28 Nuno Correia 11/12
28 Nuno Correia 11/12

29

Desnaturação A desnaturação ocorre quando a proteína perde sua estrutura secundária e/ou terciária.
Desnaturação
A desnaturação ocorre quando a
proteína perde sua estrutura secundária
e/ou terciária.
A desnaturação ocorre quando a proteína perde sua estrutura secundária e/ou terciária. Nuno Correia 11/12
A desnaturação ocorre quando a proteína perde sua estrutura secundária e/ou terciária. Nuno Correia 11/12
A desnaturação ocorre quando a proteína perde sua estrutura secundária e/ou terciária. Nuno Correia 11/12

30

Fatores que causam desnaturação
Fatores que causam desnaturação

Aumento de temperatura (cada proteína suporta certa

temperatura máxima, se esse limite é ultrapassado ela

desnatura);

Extremos de pH;

Solventes orgânicos miscíveis com a água (etanol e acetona);

Solutos (ureia);

Exposição da proteína a detergentes;

Agitação vigorosa da solução proteica até formação abundante de espuma.

a detergentes;  Agitação vigorosa da solução proteica até formação abundante de espuma. Nuno Correia 11/12
a detergentes;  Agitação vigorosa da solução proteica até formação abundante de espuma. Nuno Correia 11/12
a detergentes;  Agitação vigorosa da solução proteica até formação abundante de espuma. Nuno Correia 11/12

31

Funções
Funções

32

Hidratos de carbono  São compostos orgânicos ternários (constituídos por C, O e H). 
Hidratos de carbono
 São compostos orgânicos
ternários (constituídos por C, O e
H).
 De acordo com a sua
complexidade, consideram-se três
grandes grupos de glícidos:
 monossacarídeos,
 oligossacarídeos
 polissacarídeos.
grandes grupos de glícidos:  monossacarídeos,  oligossacarídeos  polissacarídeos. Nuno Correia 11/12
grandes grupos de glícidos:  monossacarídeos,  oligossacarídeos  polissacarídeos. Nuno Correia 11/12
grandes grupos de glícidos:  monossacarídeos,  oligossacarídeos  polissacarídeos. Nuno Correia 11/12

33

Monossacarídeos (oses)
Monossacarídeos (oses)

São os glícidos mais simples. São classificados de acordo com o número de átomos de carbono:

3C trioses

4C Tetroses

5C Pentoses (Ribose e desoxirribose)

6C Hexoses (Glicose)

7C heptoses

etc

(Ribose e desoxirribose)  6C – Hexoses (Glicose)  7C – heptoses  etc Nuno Correia
(Ribose e desoxirribose)  6C – Hexoses (Glicose)  7C – heptoses  etc Nuno Correia
(Ribose e desoxirribose)  6C – Hexoses (Glicose)  7C – heptoses  etc Nuno Correia

34

Dissacarídeo
Dissacarídeo
Ligação glicosídica
Ligação glicosídica

35

Oligossacarídeos
Oligossacarídeos

2 e 10 oses

35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12
35 Oligossacarídeos 2 e 10 oses Nuno Correia 11/12

36

Polissacarídeo
Polissacarídeo

Não apresentam um sabor adocicado. Moléculas muito grandes.

Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina

adocicado.  Moléculas muito grandes.  Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina Nuno Correia
adocicado.  Moléculas muito grandes.  Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina Nuno Correia
adocicado.  Moléculas muito grandes.  Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina Nuno Correia
adocicado.  Moléculas muito grandes.  Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina Nuno Correia
adocicado.  Moléculas muito grandes.  Exemplos : Amido / glicogénio / celulose /quitina Nuno Correia

37

Polissacarídeos
Polissacarídeos
37 Polissacarídeos Nuno Correia 11/12
37 Polissacarídeos Nuno Correia 11/12
37 Polissacarídeos Nuno Correia 11/12

38

38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12
38 Nuno Correia 11/12

39

Lípidos
Lípidos
39 Lípidos  Óleos e gorduras não se misturam com água;  As aves aquáticas beneficiam-se

Óleos e gorduras não se misturam com água;

As aves aquáticas beneficiam-se da insolubilidade dos óleos em água; elas lubrificam as penas com uma substância oleosa produzida por uma glândula especial localizada na cauda, o que faz as penas repelirem a água, impedindo que a pele se molhe.

especial localizada na cauda, o que faz as penas repelirem a água, impedindo que a pele
especial localizada na cauda, o que faz as penas repelirem a água, impedindo que a pele
especial localizada na cauda, o que faz as penas repelirem a água, impedindo que a pele

40

Lípidos
Lípidos

Os lípidos constituem um grupo de moléculas muito heterogéneo, do qual fazem parte:

as gorduras (animais e vegetais),

as ceras,

os esteróides,

Geralmente, são compostos por O, H e C, mas também

podem conter outros elementos, como S, N ou P.

Geralmente, são compostos por O, H e C, mas também podem conter outros elementos, como S,
Geralmente, são compostos por O, H e C, mas também podem conter outros elementos, como S,
Geralmente, são compostos por O, H e C, mas também podem conter outros elementos, como S,

A insolubilidade na água e a

solubilidade em solventes orgânicos, como o benzeno, o éter e o clorofórmio, são

características comuns a este

tipo de substâncias.

o benzeno, o éter e o clorofórmio, são características comuns a este tipo de substâncias. 41

41

o benzeno, o éter e o clorofórmio, são características comuns a este tipo de substâncias. 41
o benzeno, o éter e o clorofórmio, são características comuns a este tipo de substâncias. 41
o benzeno, o éter e o clorofórmio, são características comuns a este tipo de substâncias. 41
o benzeno, o éter e o clorofórmio, são características comuns a este tipo de substâncias. 41

42

De uma forma muito simples, podem-se classificar os lípidos em três grandes grupos, de acordo com a sua

função:

lípidos de reserva,

lípidos estruturais

lípidos com função reguladora.

 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12
 lípidos de reserva,  lípidos estruturais  lípidos com função reguladora. Nuno Correia 11/12

43

Lípidos de reserva
Lípidos de reserva

Alguns lípidos de reserva possuem dois componentes fundamentais:

ácidos gordos e glicerol

 Alguns lípidos de reserva possuem dois componentes fundamentais:  ácidos gordos e glicerol Nuno Correia
 Alguns lípidos de reserva possuem dois componentes fundamentais:  ácidos gordos e glicerol Nuno Correia
 Alguns lípidos de reserva possuem dois componentes fundamentais:  ácidos gordos e glicerol Nuno Correia
 Alguns lípidos de reserva possuem dois componentes fundamentais:  ácidos gordos e glicerol Nuno Correia

44

Lípidos estruturais
Lípidos estruturais
44 Lípidos estruturais Dentro do grupo dos lípidos estruturais, podem-se destacar, pela sua importância, os

Dentro do grupo dos lípidos estruturais, podem-se destacar, pela sua importância, os fosfolípidos, que são lípidos que contêm um

grupo fosfato.

45

Os fosfolípidos são os constituintes mais abundantes das membranas celulares. A sua estrutura resulta da ligação de uma molécula de glicerol com dois ácidos gordos e com uma molécula de ácido fosfórico. Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas

gordos e com uma molécula de ácido fosfórico.  Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas Nuno Correia
gordos e com uma molécula de ácido fosfórico.  Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas Nuno Correia
gordos e com uma molécula de ácido fosfórico.  Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas Nuno Correia
gordos e com uma molécula de ácido fosfórico.  Os fosfolípidos são moléculas anfipáticas Nuno Correia

46

Carotenóides
Carotenóides

Os carotenóides são pigmentos de cor vermelha,

laranja ou amarela, insolúveis

em água e solúveis em óleos e solventes orgânicos.

Estão presentes nas células de todas as plantas, nas quais

desempenham papel

importante no processo de fotossíntese.

células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese. Nuno Correia
células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese. Nuno Correia
células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese. Nuno Correia
células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese. Nuno Correia
células de todas as plantas, nas quais desempenham papel importante no processo de fotossíntese. Nuno Correia

47

Lípidos com função reguladora
Lípidos com função reguladora

Alguns lípidos intervêm nos processos de regulação do organismo

Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona)

do organismo  Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona) Nuno Correia
do organismo  Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona) Nuno Correia
do organismo  Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona) Nuno Correia
do organismo  Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona) Nuno Correia
do organismo  Exemplo : esteróides (hormonas sexuais, como a testosterona e a progesterona) Nuno Correia

48

Funções
Funções
48 Funções Nuno Correia 11/12
48 Funções Nuno Correia 11/12
48 Funções Nuno Correia 11/12
48 Funções Nuno Correia 11/12

49

Ácidos nucleicos
Ácidos nucleicos
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12
49 Ácidos nucleicos Nuno Correia 11/12

50

Os ácidos nucleicos são as principais moléculas envolvidas em processos de controlo celular.

Existem dois tipos de ácidos nucleicos: ácido desoxirribonucleico (DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos

(polinucleótidos).

(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12
(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12
(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12
(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12
(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12
(DNA) e ácido ribonucleico (RNA), sendo ambos polímeros de nucleótidos (polinucleótidos). Nuno Correia 11/12

51

Unidade básica
Unidade básica
51 Unidade básica Nuno Correia 11/12
51 Unidade básica Nuno Correia 11/12
51 Unidade básica Nuno Correia 11/12
51 Unidade básica Nuno Correia 11/12

52

Bases azotadas
Bases azotadas
52 Bases azotadas Nuno Correia 11/12
52 Bases azotadas Nuno Correia 11/12
52 Bases azotadas Nuno Correia 11/12
52 Bases azotadas Nuno Correia 11/12

53

53 Nuno Correia 11/12
53 Nuno Correia 11/12
53 Nuno Correia 11/12
53 Nuno Correia 11/12

54

Estrutura
Estrutura

55

55 Nuno Correia 11/12
55 Nuno Correia 11/12
55 Nuno Correia 11/12
55 Nuno Correia 11/12
55 Nuno Correia 11/12

56

56 Nuno Correia 11/12
56 Nuno Correia 11/12
56 Nuno Correia 11/12
56 Nuno Correia 11/12
56 Nuno Correia 11/12

57

57 Nuno Correia 11/12
57 Nuno Correia 11/12
57 Nuno Correia 11/12
57 Nuno Correia 11/12

58

58 Nuno Correia 11/12
58 Nuno Correia 11/12

59

59 Nuno Correia 11/12
59 Nuno Correia 11/12
59 Nuno Correia 11/12
59 Nuno Correia 11/12

60

Nuno Correia 11/12
Nuno Correia 11/12
60 Nuno Correia 11/12
60 Nuno Correia 11/12
60 Nuno Correia 11/12