Sei sulla pagina 1di 20

http://salesianasnominho.googlepages.

com/
Introdução
Estamos a viver um novo ano lectivo. Vivamo-lo em cheio,
para nosso maior bem e benefício de todos.

A vida corre veloz. O ontem já é passado. O presente


é o momento mais importante, a ocasião propícia para cons-
truir, com esperança, o amanhã..

Sendo todos iguais, como criaturas humanas, feitas à


imagem e semelhança de Deus, somos todos diferentes,
porque o “ artista” não se repete nas suas obras. Isso é uma
grande riqueza. Aprendamos a valorizá-la, acolhendo a dife-
rença como um valor, em mim, em ti, em cada um. Assim o
“puzzle” da sociedade que formamos será mais belo, porque
mais colorido e harmoniosamente disposto pela fraternidade
que nos vai caracterizar sempre mais, na medida em que
nos dermos as mãos e vivermos os mesmos ideais.

Coragem! Mãos à obra. Cabe a nós a construção da


nossa personalidade, da pessoa que somos, e queremos
tornar importante, porque digna de ser o que é – Ser alguém.

A Directora
Ir Francelina B de Pinho

Areosa, 01 de Outubro de 2009

2
OBJECTIVO GERAL : Fazer das diferenças e de cada
encontro uma oportunidade de crescimento.
PRÉ-ESCOLAR 2º CICLO 3º CICLO
3 anos 4 anos 5 anos 5ºano 6ºano 7ºano 8º ano 9º ano
4 12 15 33 21 22 34 21
Total: 31 alunos Total: 54 alunos Total: 77 alunos
TOTAL – 162 ALUNOS

1. A Comunidade Educativa
.1.1. Os alunos e famílias
A População Escolar

Os nossos alunos frequentam este Externato por opção da família


ou por insistência própria no caso dos mais velhos. O facto de
terem escolhido o projecto educativo salesiano deixa-nos à von-
tade para propormos e exigirmos o que está escrito nos documen-
tos do Externato: Projecto Educativo e Regulamento Interno.
Salvo pequenas excepções, há continuidade educativa entre os
dois Externatos Salesianos de Viana, uma vez que os alunos do
2º e 3º Ciclos já fizeram o primeiro Ciclo no Externato S. João
Bosco. Assim as aprendizagens são consistentes pois os alunos
vão crescendo no empenho no trabalho, na motivação para
aprender e no interesse quer pelas actividades lectivas quer pelas
lúdico-didácticas.
A família da maioria dos alunos participa no processo educati-
vo do próprio educando e colabora com o Externato na procura do
melhor para cada um. A participação é feita através do diálogo
com os Directores de Turma / Educadoras do Pré-escolar, com a
Direcção do Externato, colaborando na Associação de Pais/Enc.
de educação e envolvendo-se nalgumas actividades concretas
sob proposta da Escola ou dos próprios pais.
.1.2. A Comunidade Religiosa
As Irmãs presentes na comunidade do Externato dependem
directamente da Superiora Provincial do Instituto das Filhas de

3
Maria Auxiliadora, com sede no Monte Estoril. Estão presentes na
Escola não por opção própria mas numa atitude de serviço
desempenhando com amor tudo quanto lhes é confiado sem que
isso implique uma retribuição monetária correspondente. No ano
lectivo 2009 – 2010, a comunidade religiosa é assim constituída:
Ir Albina Ramos Ir M. Delfina Comba Alves
Ir Anabela Tavares da Silva Ir M. Fernanda Luz Rosa
Ir Francelina Bastos de Pinho Ir M. Fernanda Oliveira Ferreira
Ir Hermínia Pereira Ir M. Fernanda Rosa Afonso
Ir Maria de Fátima Neto Ir M. José Santos
Ir M. de Lurdes Portela
.1.3. A Direcção
Directora (Representante da Entidade Titular): Ir Francelina B. Pinho
Directora Pedagógica- Ir M. Fernanda Luz Rosa
Administradora - Ir Hermínia Pereira
.1.4. O Pessoal Docente
Os Docentes do Externato residem todos na zona de Viana e todos
são profissionalizados. Apenas o professor de Educação Musical e a
de Espanhol trabalham em regime de acumulação. Os docentes, par-
ticipam com entusiasmo em acções de formação promovidas a nível
local e nacional, levadas a cabo pela Instituição ou por outros orga-
nismos. A sua competência, dedicação e responsabilidade manifesta-
se quer no domínio cientifico - pedagógico, quer na vivência do caris-
ma salesiano, dedicando-se a cada aluno com o carinho e a exigência
própria do estilo educativo que aqui se vive.
Docentes em 2009-2010:
Ana Cristina C. Barreiras – Mat. ao 3º CEB e E Acompanhado ao 8º
Ana Isabel Lima – E Física ao 3º CEB e A Projecto ao 5º A
Ana Margarida Cunha – EVT ao 2º Ciclo
Ana Margarida Santos – Ed. Musical ao 5º B
Anabela Tavares da Silva – EMRC ao 2º e 3º Ciclos e A.Projecto ao 9º
Andreia C. Oliveira – Mat. ao 6º e 5º A; C.Nat. ao 6.º e ao 3.º CEB.
Catarina Ferreira– Geografia 3º CEB;
Idílio Jorge Branco Fernandes – Educação Musical ao 5º A e 6º.

4
Gina Oliveira – Espanhol ao 8º ano
M Fernanda Afonso –C. Nat – 5º ; E. Acompanhado e A Proj. ao 5ºA e 6º
M Lucinda Ribeiro belo Soares – Ed. de Infância – 3 - 4 anos.
M Margarida B. Pinto- EVT ao 2º Ciclo; EV e ET – 3º CEB.
Marco André Silva – L. Portuguesa - 5ºB e 7º; E.Acomp ao 7º e A.P ao 8º
Marco Alexandre Pereira –E. Física ao 5º, 6º e 8º; E. Acompanhado ao 2º CEB
Natália Maria Alves Martins Dias – Ed. de Infância – 4-5 anos.
Patrícia Gil Borlido – Inglês 2º CEB; Francês 3º CEB; Ap ao 6º e 7º
Sílvia Margarida Vilaça Pereira – Inglês 3º CEB.
Sónia Catarina Cruz –História – 2º e 3º CEB e TIC – 9º
Vera Cristina Freixo Lourenço –L. Portuguesa ao 5ºA, 6º, 8º e 9º
Zita Esteves – F. Química – 3º Ciclo; Matemática ao 5º B e E. Acomp.

1.5 O Conselho Pedagógico


. Presidente – Ir M Fernanda L Rosa
. Coordenadora da Pastoral e do 3º Ciclo - Ir. Anabela Silva
· Departamento de Ciências Exactas: Ir Fernanda Afonso
· Departamento de Línguas Ciências Humanas e Sociais: Prof Vera Lourenço
· Departamento de Ed. Artística e Educação Física: Prof Marco A. Pereira
. Pré-Escolar: Educ. Lucinda Belo Soares
. Representante dos Pais –
1.6 Directores de Turma
5º A – Prof . Vera Lourenço
5º B – Prof. Zita Esteves
6º A- Prof Patrícia Borlido
7º A – Ir. Anabela Silva
8º A – Prof Andreia Cabral de Oliveira
8º B – Prof. Marco Alexandre Pereira
9º A – Prof. Ana Cristina Barreiras
1.7 Horários de atendimento
Directora (Ir Francelina Bastos de Pinho) – 4ª feira – 16.00h – 17.00h.

5
D. Pedagógica (Ir M Fernanda L Rosa – 4ª feira -16.30 – 17.30h.
Administradora – sempre que previamente combinado

6
Atendimento dos Directores de Turma
na sala de Visitas ou Biblioteca ( Edifício 1)
Prof Vera lourenço - D Turma – 5ºA 4ª feira das 13h às 14h
Prof. Zita Esteves - D Turma – 5ºB 3ª feira das 14h às 14.55h
Prof. Patrícia Borlido- D Turma – 6ºA 6ª feira – 13h às 14.00 h
Ir Anabela T. da Silva - D T - 7º A 4ª feira – 18h – 19h
Prof Andreia Oliveira - D T - 8º A 4ª feira – 13h às 14 h
Prof. Marco Pereira - D T - 8º B 3ª feira - 13h às 14 h
Prof. Ana Cristina B.- D Turma – 9º 6ª feira – 14.55h às 15.40 h
Atendimento excepcional dos D. de Turma – Os Directores de
Turma disponibilizam-se para receber os Enc. de Educação, fora do horá-
rio estabelecido, quando houver acordo prévio.

1.8 O Pessoal Não Docente


O número de funcionárias é bastante reduzido, por haver vários
membros da Instituição a dar apoio aos alunos nos tempos não
lectivos. Só uma funcionária não é do quadro e desempenham o
seu trabalho com muita responsabilidade e sentido de pertença.
Nota-se ainda que, para além das tarefas específicas na secreta-
ria, na cozinha ou na manutenção dos espaços, todas manifestam,
com os alunos, uma relação educativa feliz, aberta e firme, quando
necessário.
Todo o pessoal auxiliar recebe formação a nível de psico-
pedagogia ou formação salesiana e eclesial.
Contamos a tempo pleno com:
 Alexandra Maria Meira Viegas.
 Anabela Fernandes Minas.
 Ermita Pires Viana Reis.
 Helena Isabel Passos de Lima Araújo.
 Luísa Maria de Sousa Passos Viana.
 Maria das Neves

7
2. PLANO ANUAL
2.1 - O calendário escolar
PERÍODOS ACTIVIDADES LECTIVAS INTERRUPÇÕES

Início -11 de Setembro


1º Período 19 de Dez a 03 de Jan
Final – 18 de Dezembro
Início – 04 de Janeiro Carnaval– 15-17 Fevereiro
2º Período
Final – 26 de Março Páscoa – 27/03 -11 Abril
Início – 12 de Abril
3º Período Final– 08 de Junho – 9º
18 de Junho restantes anos

2.2 - Proposta Educativa 2009 – 2010


2.2.1 – Tema aglutinador

«FICA CONNOSCO…»

Setembro: Connosco, muitos rostos num só coração!

Conhecer aqueles que partem para esta caminhada connosco,


deixar de lado preconceitos sobre quem já conhecemos de anos
anteriores e valorizar a diversidade que faz parte dos ambientes
salesianos …
Calendarização de Actividades:
Temas do Plano de Educação para a Saúde (PES): Prevenção da
gripe e alimentação. Relações pessoais
01-02 – Formação de Professores fase B
03 – Início da Pré-escolar
10 – Início do 2º e 3º Ciclo
24 – Aniversário da Obra – Visita da Superiora geral das Filhas de
Maria Auxiliadora

Outubro: Entre NÓS não há fronteiras

Conhecer algumas realidades das missões da Igreja, dos destinos


de solidariedade internacional do carisma salesiano. Procurar
estabelecer laços, corresponder-se com jovens dessas realidades,
8
abrir-se à generosidade da partilha para que outros tenham mais
vida.
Derrubar fronteiras existentes entre nós (os que pensam e vivem
diferentemente, os que viveram noutras épocas e nos deixaram
uma herança...)
Calendarização de Actividades:
PES – Amizade / solidariedade com DARFUR
01- Dia Mundial da Música
02 – Reunião de Pais / Enc de Educação
06 – Formação de Professores
12 - Dia Mundial da Família
16 - Dia Mundial da alimentação (22 –Pré)
17 - Dia Internacional para a erradicação da pobreza
20 – Jogos tradicionais – Colaboração da EB2,3/S de Caminha
22 - Dia Europeu s/ carros
23 - Homenagem aos avós -Pré
27 – Início das reuniões de avaliação intercalar
30- Halloween

Novembro: És Luz para os nossos passos

Conhecer os santos salesianos, traduzir as histórias de santidade


no nosso quotidiano e estar atentos aos santos de hoje, aprofundar
a Espiritualidade Juvenil Salesiana…
Descobrir pessoas da actualidade que continuam a apostar na via
da Santidade e inspirar-se na vida dos Santos.
Calendarização de Actividades:
PES – Amizade / Família
03 - Lançamento do Concurso “Uma Aventura Literária”
08 - Encontro de Jovens
09 - Dia Mundial contra o racismo
11 - Dia de S.Martinho
13 – Festa de S. Martinho na Escola
17 – Formação de professores
23 – Formação sobre higiene oral (2º Ciclo)

9
25 – Festa da Venerável Mãe Margarida (Mãe de D. Bosco)

Dezembro: Emmanuel, o Deus-Connosco

Descobrir e conhecer Jesus, preparar-se interiormente e como


comunidade para acolher e celebrar o encontro com o Deus-
connoso, contemplar Deus-Amor, na frágil condição da nossa
humanidade…
Calendarização de Actividades:

PES – Família / Comunidade Educativa


05 – Retiro de Jovens – Norte
08 (feriado)– Festa da Imaculada Conceição – Eucaristia com a
Comunidade Educativa e A. Alunos
09 – Corta-Mato local
11 – Cantata no Shoping
18 (sexta - feira) – Final do 1º período. Festa de Natal às 21 h
22 / 23 – Entrega das avaliações do 1º Período
Janeiro-Fevereiro: Da mihi animas, Palavra nos lábios
O sonho continua e conta contigo!
Aprofundar a vida de D. Bosco, o estilo com que envolvia os sale-
sianos e os jovens na evangelização, a sua preocupação pelo
jovem em todas as dimensões da sua vida. Conhecer as várias
expressões do carisma salesiano presentes no mundo, …
Calendarização de Actividades:
Janeiro:
Pes – Eu e os outros – Comunicação assertiva
04 – Início do 2º período
12 – Formação de Professores
16 – 17 – Flash Bosco – Encontro de Adolescentes (8º e 9º)
21 – Cantar as Janeiras num lar de idosos - Pré
22 - Beata Laura Vicuña - Formação de Pais - Segurança na Net ?

Fevereiro

10
PES – Sentimentos e afectos.
01 – Início das avaliações intercalares
03 -Visita à Aurora do Lima (2º Ciclo) e ao Museu das Marionetas (3º Ciclo)
06 - Enc. Pré adolescentes Norte – Arcozelo
12 Desfile de carnaval na zona de Areosa /Monserrate
15, 16 e 17 – Interrupção do Carnaval

Março-Abril: Jesus faz-se encontrar na encruzilhada de caminhos


Descobrir o rosto de Jesus nos caminhos que percorremos no
mundo, cultivar a interioridade, fruto de um encontro transformador,
reforçar o empenho de sermos companheiros de caminhos de
esperança, façamo-nos próximos de quem se encontra cansado ou
dá passos na sombra das incertezas…Aprofundar a experiência de
encontro com Jesus na celebração dos sacramentos.
Calendarização de Actividades:
Março:
PES – Liberdade e responsabilidade
Formação sobre segurança Rodoviária pª Pré e2º Ciclo (pela PSP)
Formação sobre comportamentos de risco pª 3º Ciclo (pela PSP)
02 – Formação de profs
13-14 – Festa da Gratidão
19 – Dia do pai
22 – Dia Mundial da água
26 – Final do 2º período
30 – Entrega de avaliações

Abril
PES – O corpo em crescimento
12 – Início do 3º período
23 Passeio ao Oceanário do Porto - Pré
17-18 – Páscoa Jovem
29 – Jogos nacionais Salesianos / Dia Mundial da dança

Maio-Junho: Quando o caminho se faz vocação

11
Descobrir e aprofundar a questão vocacional de Maria de Nazaré e
de Maria Mazzarello e aproximar o seu SIM às opções dos jovens
de hoje. Experiência da leitura da vida à luz da Palavra de Deus.
Aprofundar a confiança que D. Bosco e M. Mazzarello tinham na
presença e auxílio de Maria.
Calendarização de Actividades:
Maio:
PES - Saúde sexual e reprodutiva
Sábado de Maio/ Junho – IV Feira de Ciências (fora da escola)
02 – Final dos Jogos Nacionais Salesianos / Dia da Mãe
06 – Dia de S. Domingos Sávio
09 – Festa de S. Maria Mazzarello
13 – Dia de Nª Senhora de Fátima
15 – 16 – Peregrinação salesiana a Fátima – Dia do MJS
24 – Festa de N Sra Auxiliadora (Eucaristia com o Ext S. J Bosco)
Tarde – Visita á Biblioteca Municipal (pré),visita a Barcelos (2º
Ciclo) e a Braga (3º Ciclo)
Junho
01 – I Marcha da Montanha
01 – Dia Mundial da criança -Passeio de comboio a Cerveira e visi-
ta ao Aquamuseu - Pré
03 – Corpo de Deus (feriado)
08 – Fim do ano para o 9º
18 – Final do ano para 2º e 3º Ciclos . Homenagem aos Finalistas

Julho
Almoço no Shoping e cinema - pré
02 - Festa de Finalistas da pré
Semana Cultural da pré
Ocupação de tempos livres para 2º e 3º Ciclo
26 – 30 – Acampamento Nacional MJS

2.2.2 – Projectos específicos


CLUBES
12
A- Clube de Ciências 2º e 3º Ciclo
Intervenientes e funcionamento:
1º Período – Serão desenvolvidas actividades na área da Matemá-
tica, nomeadamente, actividades que desenvolvam o raciocínio
lógico/dedutivo, o espírito crítico e a destreza em cálculo mental.
Para tal, propõem-se jogos matemáticos, online, de nível adequado
ao nível de ensino de cada participante (3 horas), desafios e pro-
blemas matemáticos (4 horas) e o concurso do “jogo do 24” (2 horas).
2º Período - Serão desenvolvidas actividades fundamentadas nas
ciências naturais e ciências da Natureza. Os projectos serão
desenvolvidos em duas temáticas principais:
Conhecimento e manutenção da biodiversidade (5 horas), onde
serão desenvolvidos trabalhos relacionados com o reconhecimento
e manutenção da biodiversidade local.
Saúde e Bem-estar (5 horas), onde serão levadas a cabo iniciati-
vas de conhecimento e promoção do sistema cardiorrespiratório.
3º Período - Serão desenvolvidas actividades fundamentadas nas
ciências físicas e químicas nos âmbitos seguintes:
As mudanças ambientais (3 horas) onde serão demonstradas e
discutidas as alterações climáticas verificadas no nosso planeta e
realizando actividades de forma a contribuir para diminuição des-
sas alterações.
Actividades experimentais no âmbito da física e da química (3
horas).
Concurso “Quem quer ser cientista” com questões de cultura geral
relacionadas com ciências (3 horas)
Dinamização: Professoras Ana Cristina Barreiras, Andreia Oliveira e
Zita Esteves

B- Clube da Leitura
“A leitura é para o espírito o que a ginástica é para o corpo.”
Não há dúvida de que o problema da iliteracia, sobretudo entre
os mais novos, é uma realidade preocupante que tem vindo a
captar os mais diversos olhares. Por esta razão, hoje,
mais que nunca, urge desenvolver significativamente nos
alunos as habilidades e as competências de leitura e de escrita
num clima de harmonia. O contacto próximo e antecipado com os
13
livros, sem que isso constitua uma obrigação, talvez seja o meio
privilegiado para que isso aconteça.
Assim, pretende-se que o Clube de Leitura presenteie a cada
aluno a oportunidade de se deixar invadir pelo prazer da leitu-
ra e de vaguear pelos inesgotáveis mundos que cada livro
transporta nas suas páginas de forma tão única. Daí que os objec-
tivos fulcrais do Clube de Leitura sejam procurar:
o Desenvolver um espaço de exercício de leitura;
o Estabelecer uma relação de proximidade com os livros, incen-
tivando e estimulando o gosto pela leitura;
o Aprofundar a capacidade de interpretação individual;
o Trocar ideias;
o Ler com autonomia, velocidade e perseverança;
o Desenvolver o sentido crítico;
o Aumentar as competências de expressão oral e escrita;
o Estimular a sensibilidade, a criatividade e a imaginação.
Dinamização: Professor Marco Silva

C- Clube de Inglês
Actividades a desenvolver
-Leitura de livros, revistas, jornais, ...
- Audição de canções e /ou tradução de letras;
- Filmes em video/ DVD; Visionamento de filmes (ou excertos)
sobre temas determinados
- Debates sobre um tema proposto na Língua Inglesa
-.Realização de jogos diversos
- Troca de correspondência
Dinamização: Professora Sílvia Lima
Avaliação dos Clubes

14
- A Avaliação do trabalho de cada clube será efectuada ao longo do ano
lectivo, nomeadamente no final de cada período com os alunos participan-
tes e em reuniões de departamento.
- Em Conselhos de turma será entregue uma lista dos alunos que frequen-
tam os Clubes acompanhada de um pequeno relatório de avaliação.
- O registo de frequência dos alunos em cada Clube será efectuado através
da assinatura de folha de presença.
Outros Projectos

Concurso “Uma Aventura” (Dezembro) – Ensino Básico


Feira de Ciências – Pré, 2º e 3º Ciclos
Feira medieval (solicitamos a participação

3 - AVALIAÇÃO DOS ALUNOS.


A avaliação regula a prática educativa e permite uma recolha sistemática
de informações que, depois de analisadas, ajudam à tomada de decisões
justas e à promoção da qualidade das aprendizagens. Ela incide sobre as
aprendizagens e competências definidas no Currículo Nacional e preten-
de “apoiar o processo educativo... permitindo o reajustamento dos projec-
tos curriculares... em função das necessidades dos alunos” e “certificar as
aprendizagens e competências adquiridas pelos alunos...” (Despacho
normativo nº 1 / 2005)
 Tipos de avaliação:
o Avaliação diagnóstica
É com base neste tipo de avaliação que o Conselho de Turma, adopta
estratégias diversificadas, segundo as necessidades de cada turma ou
aluno.
o Avaliação formativa
É a principal modalidade no Ensino Básico. Ela fornece ao professor,
aluno e encarregado de educação, informações sobre o desenvolvimento
das aprendizagens.

o Avaliação sumativa

A avaliação sumativa conduz a um juízo globalizante sobre as aprendizagens


e competências desenvolvidas pelo aluno em cada disciplina. A informação
resultante da avaliação sumativa nas áreas curriculares disciplinares expres-
sa-se em níveis de 1 a 5:

15
De 0 %– 19% - nível 1; de 20% – 49% - nível 2; de 48% - 50% - 74% - nível 3
; de 75% - 89% - nível 4; de 90% - 100% - nível 5.
Nos testes as apreciações são qualitativas segundo a seguinte escala:
De 0 %– 19% - Reduzido; de 20% – 47% - Não satisfaz; de 48% - 50%-Satisfaz
pouco; de 51% - 71% - satisfaz; de 72% - 77% - Satisfaz mais; de 78% - 89% -
Satisfaz Bem; de 90% - 100% - Excelente.
Quando necessário, os níveis são acompanhados de uma apreciação descri-
tiva. Nas áreas curriculares não disciplinares haverá uma menção qualitativa
Não satisfaz, Satisfaz e Satisfaz bem.
Critérios de avaliação nas diferentes disciplinas para 2008 / 2009

Inglês / História e LPortuguesa C Físicas C da Natureza


Francês Geogra- e Matemáti- e Natu- 2º Ciclo
fia/ HGP ca rais
Testes / Fichas
de avaliação
65% 70% 80% 80% 75%
Tarefas indivi-
duais /
Organização do 10% 7% 10%
caderno
15% 15%
Trabalho de
pesquisa/ apro-
fundamento e
15%
outros 8% 10%
Trab. de Labora-
tório e de grupo

Participação/
Oralidade
15%
5%
Autonomia 5% 5% 5%
Inter-ajuda 5%
Responsabilidade

16
Ed. Visual / Ed Ed. Física Ed Moral e
Tecnológica Religiosa
EVT e Ed Musical 2º 3º Católica
Ciclo Ciclo
Desempenho prático 60% 80% 65% ---
Testes / Fichas de avaliação 15% --- 15% 55%
Participação --- --- --- 20%
Tarefas individuais 5% -- --- 5%
Trab. de pesquisa / grupo
ou individuais
10% 10% 10% 10%
Caderno diário --- --- --- 5%
Material 5% 5% 5%
Autonomia,
Inter-ajuda, responsabili- 5% 5% 5% 5%
dade

A avaliação sumativa inclui: uma avaliação sumativa interna e, no 9º ano,


uma avaliação sumativa externa A avaliação sumativa interna ocorre no
final de cada período, de cada ano lectivo e de cada ciclo.

Avaliação sumativa interna


É da responsabilidade dos Conselhos de Turma que reúnem para o efeito no
final de cada período. Compete ao Director de Turma, em união com a Direc-
tora Pedagógica, coordenar o processo de tomada de decisões relativas à
avaliação sumativa interna, tendo em conta a natureza globalizante do pro-
cesso e o respeito pelos critérios de avaliação definidos pelo Conselho peda-
gógico.
A decisão relativa à avaliação final do aluno é da competência do Conselho
de Turma sob proposta dos professores de cada disciplina e Área curricular
não disciplinar.
A avaliação sumativa externa é da responsabilidade dos serviços centrais
do Ministério da Educação e compreende a realização, no 9º ano, de exames
nacionais, nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, as quais inci-
dem sobre as aprendizagens do 3º Ciclo.
Os Exames Nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática são constituí-
dos por provas escritas, com a duração de noventa minutos cada.
Serão admitidos aos Exames Nacionais do 9º ano todos os alunos, excepto
os que, após a avaliação sumativa interna, no final do 3º período, se enqua-
drem nas seguintes situações:
 Tenham obtido classificação de frequência de nível 1, simultaneamente nas
disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática.

17
 Classificação de frequência inferior a 3 em três disciplinas, excepto se
alguma delas for Língua Portuguesa e/ou Matemática e nestas tiver obtido
nível 2.
 A menção de Não Satisfaz na Área de Projecto corresponde a classificação
inferior a 3 numa disciplina para os efeitos previstos no número anterior.

Os Exames Nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática realizam-se


numa fase única, com duas chamadas, de acordo com o calendário anual de
exames que será estipulado pelo Ministério da Educação.

 A primeira chamada tem carácter obrigatório e a segunda chamada desti-


na-se apenas a situações excepcionais devidamente comprovadas. No caso
da segunda chamada, o Encarregado de Educação do aluno deve, no prazo
de dois dias úteis a contar da data de realização do exame da primeira cha-
mada, apresentar a respectiva justificação ao órgão de gestão da Escola.

 A directora analisa os casos referidos no número anterior e decide:


a) Pela aceitação da justificação, sendo o aluno admitido à segunda chama-
da;
b) Pela não-aceitação da justificação, não sendo permitido ao aluno a presta-
ção das provas de exame na segunda chamada.
A classificação final a atribuir às disciplinas de Língua Portuguesa e de
Matemática é calculada de acordo com a seguinte fórmula, arredondada às
unidades:
CF 7Cf+3Ce em que:
10
CF— classificação final;
Cf — classificação de frequência no final do 3.o período;
Ce— classificação de exame.
As provas dos Exames Nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática são
cotadas na escala percentual de 0 a 100, sendo a classificação final da prova
expressa na escala de níveis de 1 a 5, da seguinte forma:
Percentagem Nível
0 a 19 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
20 a 49 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
50 a 69 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
70 a 89 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
90 a 100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
No 3º ciclo, o aluno progride e obtém a menção de Aprovado(a) desde que
não se encontre numa das seguintes situações:
a) Tenha obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Língua Portugue-
sa e de Matemática;

18
b) Tenha obtido classificação inferior a 3 em três, ou em duas disciplinas e a
menção de Não satisfaz na área de projecto.
Não serão admitidos aos exames nacionais os alunos que tenham ultrapas-
sado o limite de faltas injustificadas, salvo decisão em contrário do Conselho
Pedagógico, depois de ter ouvido o parecer do Conselho de Turma.
Efeitos da avaliação sumativa
A avaliação sumativa realizada no final do 3º Período, dá origem a uma
tomada de decisão sobre a progressão ou retenção do aluno, expressa atra-
vés de Aprovado/ Não Aprovado em final de Ciclo ou de Transitou / Não
Transitou em final de ano. A decisão de progressão do aluno é pedagógica,
e deve ter-se em consideração a lógica de ciclo. Assim o Conselho de Turma
deve considerar se:
a) nos anos terminais de Ciclo o aluno atingiu de modo satisfatório as
competências propostas nas várias disciplinas e desenvolveu as competên-
cias necessárias para prosseguir, com sucesso, os estudos do ano seguinte;
b) nos anos não terminais, o aluno atingiu as competências essenciais de
modo a poder acompanhar os programas no ano seguinte. Demonstra ainda,
segundo a própria faixa etária, a capacidade e maturidade para o conseguir,
de acordo com o desenvolvimento e estruturas cognitivas.
No final do 2º Ciclo, o Conselho de Turma pode decidir a progressão de
um aluno que não desenvolveu as competências essenciais quando:
a) Tenha obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Língua Portu-
guesa e Matemática;
b) Tenha obtido classificação inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas
disciplinas e Não satisfaz a Área de Projecto, desde que não integrem
cumulativamente as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática.”
(Despacho normativo nº 1 / 2005). Esta decisão tem de ser tomada por una-
nimidade. Se esta não existir, o Conselho de Turma deve reunir de novo
na presença da Directora Pedagógica e a decisão, depois de devidamen-
te fundamentada, deve ser tomada por maioria de dois terços dos profes-
sores que compõem o Conselho de Turma; caso contrário o aluno fica
retido.

A disciplina de Educação Moral e Religiosa, Estudo Acompanhado e Forma-


ção Cívica não são consideradas para efeitos de progressão/ retenção dos
alunos.
Em qualquer situação, a retenção de um aluno implica sempre a repetição de
todas as áreas e disciplinas do ano em que ficou retido.

19
ORGANIZAÇÃO DO ANO LECTIVO
Horário
O início das actividades lectivas e a respectiva carga horária estão
de acordo com as leis emanadas pelo Ministério da Educação para
Escolaridade obrigatória. Porém, o Externato está aberto desde as
8.00 h até às 18.30 podendo os alunos, em casos excepcionais, che-
gar ainda mais cedo ou partir mais tarde.
Pré-Escolar
Os alunos devem chegar ao Externato até às 9.15h. As actividades
lectivas decorrem entre as 9.30h e as 11.30h e entre as 14 e as
15.30h.

2º e 3º Ciclos do Ensino Básico


Segundo a reorganização curricular, iniciada em Setembro de
2001, e a respectiva distribuição dos tempos lectivos por blocos de 90
minutos, o 2º e 3º Ciclos iniciam as aulas às 8.50 h e terminam às
16.25h. Os tempos serão distribuídos da seguinte forma:
Manhã
8.40 h – Bom – dia
8.50 h - 10.20 h ; 10.40 h – 12.10 h
Tarde
14.00 h - 14.45 h
14.55 h – 16.25 h
(o 2º Ciclo não terá o último tempo à 6ª feira)

O 9º ano num dia por semana tem mais um tempo ao início da tarde:
das 13.10 – 14h.
A partir das 17h, os alunos do 2º e 3º Ciclos ficarão no Externato em
aulas extra-curriculares ou na sala de estudo. Às 18.15, no máximo,
terminam todas as actividades.

20