Sei sulla pagina 1di 15

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE DESENHO INDUSTRIAL CURSO DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

YASMIN LOUISE JORGE DE LIMA

(01155555)

CRIAÇÃO DE EMBALAGEM COMEMORATIVA

Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à disciplina de Trabalho de Diplomação, do curso superior de Tecnologia em Design Gráfico do Departamento Acadêmico de Desenho Industrial da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Orientador: Profª. Dra. Laís Cristina Licheski

CURITIBA

2013

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Cronograma de Execução

13

Tabela 2 – Orçamento

14

SUMÁRIO

1

INTRODUÇÃO

4

1.1 OBJETIVO

5

1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

5

1.3 JUSTIFICATIVA

6

2 PRINCIPAIS EIXOS TEÓRICOS

8

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

11

3.1 CRONOGRAMA

13

3.2 ORÇAMENTO

14

4

REFERÊNCIAS

15

1 INTRODUÇÃO

Existe uma nova demanda no mercado de produções multimídia para a produção de material diferenciado de consumo e de coleção, nesse novo nicho destacam se as edições que trazem diferenças de qualidade gráfica, de itens oferecidos, de qualidade de embalagem, e acima de tudo do apelo que o próprio produto possui a cada comprador em específico. A embalagem inicialmente possuía dentro do conjunto a ser vendido, a

função de proteger o produto, a parte gráfica não tinha outra aplicação além de informar os principais componentes do produto, suas especificações, suas limitações

e todos os dados que eram e são necessários, mas básicos, ainda na atual

construção gráfica de uma embalagem. Mas com o desenvolvimento do mercado e suas exigências a embalagem deixou de ser apenas um artefato de proteção para o produto e passou a servir como umas das principais ferramentas de marketing na prateleira, perante aos outros produtos semelhantes, a embalagem vem para ser o diferencial dos produtos, a ferramenta de marketing mais poderosa na prateleira (MESTRINER, 2002). O invólucro de proteção passa a ser o primeiro fator de escolha de compra,

e isso não é apenas no setor de som e imagem, mas em todos os setores, a

diferença de materiais, abordagem sustentável ou não, formatos diferenciados, entre

tantos outros pontos extras são utilizados em todos os setores com o mesmo objetivo de chamar atenção à primeira vista do cliente, promover o produto e conseguir se tornar desejável por aqueles que o veem.

1.1

OBJETIVO

O presente trabalho tem como objetivo o desenvolvimento de uma embalagem para colecionadores de filmes, que funcione como display para as peças internas.

1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Analisar o contexto histórico e tipos de linguagens utilizadas pelo tema escolhido, a fim de selecionar elementos gráficos que possam vir a compor o sistema visual das peças internas e a própria embalagem.

Analisar embalagens comemorativas e peças promocionais, nacionais e internacionais, lançadas por produtoras de filmes.

Definir as peças que irão compor a coleção, segundo o tema escolhido.

Levantar dados sobre eixos teóricos, funcionamento e construção de embalagens.

Levantar dados sobre os processos gráficos de impressão necessários para a embalagem e para as peças.

Desenvolver um modelo, tanto da embalagem como das peças internas escolhidas para compor a coleção.

1.3 JUSTIFICATIVA

A embalagem proposta para este projeto de diplomação partiu da relevância que existe em se analisar o atual contexto onde a linguagem gráfica e o sistema estrutural utilizados em embalagens possuem função extra à da proteção, funcionam como uma ferramenta de marketing do produto, e como fator diferencial, tornando se um objeto de persuasão frente ao usuário final, levando-o desejar o que ela pode vir a representar.

devemos estar sempre atentos a detalhes e informações que possam

servir como subsídio à montagem da estratégia, principalmente oportunidades de criar diferenciação, introduzir inovações ou adotar conceitos existentes em outros lugares mais inéditos na categoria da qual nosso produto faz parte. (MESTRINER, 2002, p. 35).

] [

O projeto também nasceu partindo da relevância, e também do desejo da autora, do desenvolvimento de uma embalagem que possui a característica de display e que tenha como base teórica as múltiplas aplicações do design gráfico e o design de embalagem que foram acrescidos durante as últimas décadas, e que foram abordadas ao longo do curso, a fim de se refletir sobre a produção e influência dessa nova vertente que a embalagem possui no mercado multimídia voltada a edições colecionáveis, na qual o designer responsável pelo projeto deve não só atender as expectativas da indústria, mas também do usuário final.

Criar algo especial a partir do produto existente e apresentá-lo de forma que valorize esse diferencial é o objetivo das séries especiais. As séries especiais têm o poder de elevar a imagem do produto e permitem criar embalagens com algo mais em relação à versão normal do produto. (MESTRINER, 2002, p. 102)

Além das considerações acima, referentes à própria embalagem, ainda se tem como propósito no desenvolvimento do projeto utilizar os conhecimentos agregados ao longo do curso para o desenvolvimento da programação visual que, através de elementos gráficos como tipografia, cor, composição e da própria escolha do material para a confecção do modelo, venham junto à embalagem e seu funcionamento agregar valor ao projeto final.

Tendo essas premissas para o desenvolvimento da embalagem, a escolha do tema será uma das etapas de desenvolvimento do projeto. Inicialmente a autora pretende utilizar os filmes de suspense do diretor Alfred Hitchcock, de modo a homenagear o diretor devido à importância de sua obra para o cinema mundial, dos elementos plásticos introduzidos pelo mesmo no cinema, e aqui abordado, principalmente sua influência para com o gênero do suspense. A escolha do tema será decidida levando em consideração questões de direitos autorais e permissões por parte das produtoras e distribuidoras de filmes do país, sendo o tema decidido e confirmado posteriormente.

2 PRINCIPAIS EIXOS TEÓRICOS

A criação e o refinamento ao longo do desenvolvimento das embalagens iniciaram na origem da humanidade. O transporte de bebidas e alimentos era feito com o uso das mãos como recipiente, mas que não possibilitavam o longo transporte. Com o passar do tempo ossos ocos de animais e conchas passaram a realizar essa importante tarefa (MOURA e BANZATO, 1997). O desenvolvimento das embalagens se deu paralelamente à necessidade humana, a possibilidade de utilizar novos materiais, à possibilidade de moldagem das formas, tamanhos, às mudanças de suas funções no mercado, sendo hoje um componente fundamental e uma das principais ferramentas de autopromoção dos produtos desenvolvidos e comercializados, e com isso tem-se o design que serve como ferramenta para o desenvolvimento das novas embalagens,

o design não é orientado em primeiro lugar para a criação de novos

conhecimentos, mas sim, às práticas da vida cotidiana. Enfoca o caráter operativo e performativo dos artefatos materiais e semióticos, interpretando a função e a funcionalidade, não em termos de eficiência física como acontece nas engenharias, mas sim, em termos de comportamento inserido na dinâmica cultural e social. (BONSIEPE, 2012).

[ ]

Antes de ser entregue ao designer, o briefing do projeto é construído com base em uma série de informações que irão determinar os primeiros objetivos, as hipóteses de comunicação e do público alvo a ser alcançado, o orçamento que será revertido à concepção da embalagem (SEVERINO, 2000) e após isso, não há o fim da pesquisa e análise de dados, no decorrer do desenvolvimento da coleção e da embalagem em si, paralelamente etapas de pesquisa são utilizadas para criar bases sólidas onde o projeto se apoiará conceitualmente. Sendo assim, quando o designer é solicitado para o desenvolvimento de uma embalagem, deve através de uma metodologia de projeto realizar uma série de procedimentos para se ter uma compreensão clara e o mais completa do que e de quem o cliente deseja alcançar com o seu produto, “todo projeto de design é apenas o princípio de um processo produtivo que envolve um determinado número de passos subsequentes à sua concretização” (FUENTES, 2006). Colocando todas essas observações sintetizadas, o problema a ser solucionado se torna claro e podem ser determinados objetivos a serem cumpridos para a realização do projeto.

Satisfazer as verdadeiras necessidades das pessoas, inclusive as exigências de diferentes culturas, faixas etárias, exigências sociais e nacionais, é difícil. Agora, acrescente a necessidade de atender as muitas vontades – caprichos, opiniões, preconceitos – de pessoas que concretamente compram produtos, e a tarefa se torna um grande desafio. (NORMAN, 2004).

Por meio do que é previamente levantado antes, e das informações que são levantas durante o processo são obtidas informações importantes que contribuirão para a estratégia que será apresentada no produto final (MESTRINER, 2002). Desenvolve-se a estratégia para que se consiga executar o projeto da melhor forma possível e obter sucesso ao final. Para o desenvolvimento de embalagens comemorativas e/ ou para colecionadores é a estratégia que desenvolvida (com base da pesquisa) no início e fortalecida ao longo do projeto que fará a diferença no posicionamento no mercado frente a outras embalagens produzidas pela concorrência. Com toda a parte conceitual desenvolvida e resolvida de modo a dar um direcionamento, o designer deve ter o conhecimento da produção gráfica para ser capaz de produzir o que ele desenvolveu, a escolha do suporte com o qual será executado o modelo final deve ser selecionado com cuidado, a parte de concretização deve ser levada com a mesma importância da parte de conceituação, é no modelo final que realmente é visualizado através de texturas, forma, estrutura e movimento (MUNARI, 2001) a ideia do projeto e tudo o que se buscou apresentar e entregar ao usuário final. Sendo assim nessa etapa deve se ter sempre como base os conhecimentos da produção gráfica em geral, desde o gerenciamento do arquivo até mesmo o gerenciamento de orçamentos e viabilidade econômica, para que todos os detalhes sejam executados. A fiscalização dos acabamentos, o cuidado com a qualidade de como está havendo a transposição do digital para o impresso, é o que pode ser entendido como algo tangível a indústria e o usuário, é transformação de conceitos em algo que pode ser avaliados, mesmo que de forma inconsciente pelas pessoas que não estão envolvidas anteriormente (VILLAS BOAS, 2010). Entendendo isto e tendo em mente que o principal motivador das pessoas não é o que está sendo vendido, mas sim o porquê está sendo vendido, ou o porquê foi desenvolvido (SINEK, 2010) e pesquisando sobre os diversos elementos que podem ser utilizados de forma a inovar e até mesmo resgatar de outras embalagens

já existentes no mercado (lançadas pelas diversas distribuidoras de filmes), manipulando referências utilizadas no tema escolhido, para a construção do projeto e linguagens gráficas de design deste contexto é que a embalagem aqui proposta a ser desenvolvida, busca estabelecer com o seu público a ruptura entre apenas o precisar ter o produto e avança para o campo da vontade e o desejo do consumo.

As coisas não se tornam pessoais porque escolhemos algumas opções de

um catálogo. Tornar uma coisa pessoal significa manifestar um sentido de

nós

tornamos nossos ambiente pessoais na escolha dos objetos que colocamos

propriedade, de orgulho. Significa ter um toque individualista [

]

neles [

]

(NORMAN, 2004).

3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

O projeto em sua execução irá ser construído levando em consideração três macroetapas, ou seja, a definição, a concepção e a concretização (FUENTES, 2006), sendo elas subdividas como indicado abaixo, podendo ser ampliadas conforme o desenvolvimento do projeto, para que todos os objetivos pré- estabelecidos sejam alcançados, dentro do período estabelecido.

1. Definição

1.1 Escolha do tema.

1.1.1 Análise do contexto histórico e tipos de linguagens utilizadas.

1.1.2 Seleção de elementos gráficos para utilização.

1.1.3 Definição do conceito da embalagem.

1.2 Análise de embalagens comemorativas e peças promocionais.

1.2.1 Observar elementos em comum e o que as diferencia.

1.2.2 Selecionar peças que irão compor a coleção.

A segunda fase de projeto será mais focada no desenvolvimento conceitual e estrutural da embalagem, e onde os elementos anteriormente levantados ganharão ordem para que possam atender a ideia de comunicação escolhida.

2. Concepção 2.1 Síntese de dados levantados em eixos teóricos sobre embalagem.

2.1.1 Análise dos principais mecanismos de funcionamento e construção.

2.1.2 Análise de materiais utilizados no mercado.

2.2 Desenvolvimento do sistema de funcionamento da embalagem.

2.2.1 Escolha do material para produção do modelo.

2.2.2 Análise da interação da embalagem com as peças internas.

2.2.3 Levantamento de custos de produção geral.

2.3 Desenvolvimento da programação visual do projeto.

2.3.1 Desenvolvimento digital de elementos gráficos.

2.3.2 Teste de elementos gráficos em composição.

2.3.3 Testes de impressão e aplicação em materiais.

A última etapa a se seguir do projeto será a de concretização, onde o que foi desenvolvido nas etapas anteriores será organizado para que haja a criação de um protótipo final.

3. Concretização

3.1 Finalização da programação visual, aplicada à embalagem.

3.1.1 Preparação de desenhos técnicos.

3.1.2 Desenvolvimento dos arquivos digitais finais.

3.2 Finalização do modelo da embalagem e das peças.

3.2.1 Impressão de arquivos, segundo o processo escolhido.

3.2.2 Montagem e organização dos itens.

3.3 Análise do modelo final como um todo.

3.3.1 Organização dos dados de custo e prazo de produção em

pequena e grande escala.

3.3.2 Considerações finais do modelo produzido.

3.1 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO TRABALHO

Tabela 1 – Cronograma de Execução

MÊS ETAPA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 Pesquisa Bibliográfica
MÊS
ETAPA
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
Pesquisa
Bibliográfica
Definição – Tema
Definição – Análise
de embalagens
comemorativas e
peças promocionais
Concepção –
Síntese de dados
levantados em eixos
teóricos sobre
embalagem
Concepção –
Desenvolvimento do
sistema de
funcionamento da
embalagem.
Concepção –
Desenvolvimento da
programação visual
do projeto.
Concretização -
Finalização da
programação visual,
aplicada à
embalagem.
Concretização –
Finalização do
modelo da
embalagem e das
peças.
Concretização –
Análise do modelo
final como um todo.
Redação do
documento do TCC
Preparação da
apresentação

3.2 ORÇAMENTO

Tabela 2 – Tabela de Orçamento

Divisão

Mês 01 a 03

Mês 04 a 09

Mês 06 a 09

Mês 08 a 09

Mês 10 a 11

Recurso

   

Testes de impressão e de material final

   

s

Materiais

Compra de livros

Material para

prototipagem

Impressão final

da Embalagem

Impressão da

monografia

Outros

         

Total

R$ 500,00

R$ 100,00

R$ 150,00

R$ 600,00

R$ 400,00

Fonte: A autora, 2013.

4 REFERÊNCIAS

1 MOURA, R. A.; BANZATO, J. M. Embalagem, unitização & conteinerização. 2.

ed. São Paulo, SP: IMAM, 1997.

2 GURGEL, F. A. Administração da embalagem. São Paulo, SP: Editora Thomson,

2007.

3 BONSIEPE, G. Design e Crise. AGITROP Revista Brasileira de Design. Número

44 acessada 20.09.2013 < http://www.agitprop.com.br/?pag=repertorio_ det&id=75

&titulo= repertorio >

4 MESTRINER, F. Design de Embalagem: curso avançado. 1 ª ed. São Paulo, SP

2002.

5 NORMAN, D. A. Design Emocional: Porque adoramos (ou detestamos) os

objetos do dia-a-dia. 1ª ed. Rio de Janeiro, RJ. 2004

6 SUDJIC, D. A linguagem das coisas. 1ª ed. Rio de Janeiro, RJ 2010.

7 DONDIS, D. A. Síntaxe da Linguagem Visual. 1ª ed. São Paulo, SP. 2003

8 MUNARI, Bruno. Design Comunicação Visual. São Paulo, SP. 2001

9 FUENTES, Rodolfo. A Prática do Design Gráfico, Uma metodologia criativa.

São Paulo, SP. 2006

10 VILLAS BOAS, André. Produção Gráfica para Designers. Rio de Janeiro,

RJ.2010.

11 SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 21ª Edição.

São Paulo, SP. 2000.

12 SINEK, Simon. How great leaders inspire action. TED Talks, Setembro 2009

(19 min).