Sei sulla pagina 1di 21

AGRUPAMENTO FRANCISCO ARRUDA

Escola EB1 do Casalinho da Ajuda

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

RELATÓRIO FINAL DO 3º PERÍODO


2008/2009

1 de 21
AGRUPAMENTO FRANCISCO ARRUDA
Escola EB1 do Casalinho da Ajuda
ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR
RELATÓRIO FINAL DO 3º PERÍODO
2008/2009

As actividades de Enriquecimento Curricular no Casalinho da Ajuda decorreram


de acordo com o Plano Anual de Actividades estabelecido pela equipa, embora houvesse
a necessidade de constantes ajustamentos pelos respectivos docentes, para melhor
responder às necessidades dos alunos.
A parceria entre os professores das AEC’s, o Conselho Executivo do
Agrupamento, os Professores Titulares das turmas, os professores de Ensino Especial, o
mediador, as auxiliares educativas e o segurança (que pode ser considerado mais um
elemento de acção educativa) consolidou-se ao longo do ano lectivo e esteve claramente
reflectida, de forma gratificante, nas saídas de estudo, nas planificações de diversos
projectos em curso proporcionados quer pela equipa de enriquecimento curricular, quer
pela equipa docente da escola, quer ainda nas apresentações efectuadas tanto no interior
como fora do recinto escolar.
Embora a equipa continuasse a deparar-se com certas dificuldades (menos
preocupantes relativamente aos períodos anteriores), estas continuaram a ser
ultrapassadas, quer pela mudança de estratégias por parte dos professores do
enriquecimento curricular quer pela intervenção dos professores titulares das turmas ou
ainda dos professores que se encontravam em supervisão.
Os professores de enriquecimento curricular, o corpo docente da escola e os
coordenadores de ambas as equipas participaram numa reunião no final do período,
onde esteve igualmente presente o consultor do projecto, Professor Domingos Morais.
Nesta reunião discutiu-se o trabalho desenvolvido nas AEC, aspectos positivos e
negativos, bem como a situação de alguns alunos em particular. Ficou agendada uma
reunião para leitura e assinatura das últimas actas.
Quanto à responsabilidade da equipa de professores, estes cumpriram os seus
horários (excepto no último dia de aulas, por equívoco) bem como os procedimentos de
registo e de avaliação, disponibilizando-se, ainda, para actividades realizadas fora do
seu horário lectivo, por sua iniciativa ou quando solicitados pela coordenação da Escola.

2 de 21
Foram poucas as ausências, sendo todas as faltas supridas com substituições
adequadas.
A equipa das AEC usufruiu de acções de Formação durante o 3º período, três
realizadas no mês passado, na Escola Superior de Teatro e Cinema (música, dança e
expressão plástica) e nas quais participaram alguns dos seus membros.
No que respeita à concretização do Plano Anual de Actividades, de um modo
geral, os objectivos traçados foram alcançados de acordo com as características de cada
turma e das necessidades individuais dos alunos. No entanto, houve necessidade de
incluir actividades não programadas.
a) Para um registo sobre o terceiro período, foram estabelecidas linhas de
orientação, tal como aconteceu nos períodos passados, a fim de se fazer o
levantamento das actividades desenvolvidas durante este período e das
ocorrências mais pertinentes positivas e negativas. Desta decisão resultou um
relatório elaborado por cada um dos professores, com referências a cada uma
das turmas (Anexos 1, 2, 3 e 4).

Os alunos continuaram a demonstrar muito interesse pelas actividades de


expressão corporal/dança e plástica, assim como pelas actividades lúdicas praticadas
numa língua estrangeira pela docente de Inglês. As actividades desportivas foram muito
bem aceites e motivaram os alunos à sua prática, em especial quando articuladas com
competição entre turmas (Olimpíadas e Torneios).
A demonstração de partilha e de cooperação, por parte dos alunos, reduzindo
conflitos entre eles, a melhoria de interesse e motivação pelas aulas foram os aspectos
mais gratificantes para esta equipa, que reconhece ter contribuido significativamente
para o sucesso alcançado.
As aulas que foram realizadas, pontualmente, em conjunto pelas três turmas e
pelos três professores responsáveis trouxeram benefícios para a aproximação dos
alunos, aceitação e cooperação mútua. De um modo geral, a equipa conseguiu resolver
fragilidades ocorridas em situações anteriores e obteve melhores resultados disciplinares
e organizacionais.
O espectáculo no Encontro Dar voz às crianças correu muito bem para os nossos
alunos, bem como a festa final do ano, com especial atenção para a peça de teatro
realizada pelos alunos numa língua estrangeira e a apresentação de uma coreografia
efectuada pelos alunos e respectivos familiares.

3 de 21
De salientar o apoio e dedicação do consultor do projecto, prof. Domingos
Morais, ao ensinar e ensaiar os alunos para uma apresentação de percussão realizada no
Dar voz às crianças.
O Dia Mundial da Dança, comemorado no Departamento de Dança da
Faculdade de Motricidade Humana, foi uma das saídas mais apreciadas pelos alunos e
deu origem à realização de filmagens no recinto escolar organizada por uma equipa da
Universidade Aberta.
De salientar, ainda, a utilidade da instalação de uma ludoteca no espaço escolar,
infelizmente, tardia, por motivos alheios à responsável deste projecto, Dra. Conceição
Rolo. Tratando-se esta população carenciada de brinquedos e proporcionando a
utilização destes a edificação de diversas actividades lúdicas de faz de conta, a ludoteca
possui um papel fundamental para algumas actividades de Educação pela Arte.
Outro dos projectos foi a implementação da presença e intervenção de uma
psicóloga, Dra. Ana Cristina, junto da comunidade, dos alunos e da equipa das AEC,
contribuindo para que esta equipa se aproximasse da comunidade com mais facilidade.

Em conclusão, a experiência adquirida ao longo deste ano, foi determinante no


aperfeiçoamento das nossas práticas pedagógicas.
É de referir que esta equipa reuniu-se, em diversas alturas ao longo do ano, a fim de
tomar decisões que melhorassem o seu desempenho e contribuissem para uma maior
coesão de todos os intervenientes.
As perspectivas são boas e mantém-se a intenção de dar corpo a muitas outras
iniciativas dentro e fora do espaço escolar para o próximo ano lectivo, embora,
infelizmente, sempre dependentes do orçamento destinado às AEC e a eventuais apoios
exteriores.

A Coordenação das AEC


Sónia Lucena

4 de 21
ANEXO 1
AGRUPAMENTO FRANCISCO ARRUDA
Escola EB1 do Casalinho da Ajuda
Actividades de Enriquecimento Curricular
EDUCAÇÃO PELA ARTE
RELATÓRIO FINAL DO 3º PERÍODO
2008/2009

Este relatório centra-se nas actividades de expressão corporal, dramática e musical


realizadas durante o 3º período pelas turmas do 1º, 2º e 3º anos.
O documento organiza-se pelos seguintes pontos:

1. Composição da aula (conteúdos)


2. Objectivos do professor
3. Objectivos a atingir pelos alunos
4. Competências Essenciais dos alunos
5. Ocorrências/situações positivas ou negativas

1. Composição da aula (conteúdos)

As aulas de expressão corporal, dramática e musical incluíram as partes inicial,


principal e final, já descritas nos relatórios anteriores, embora a estrutura sofresse
algumas alterações decorrentes da necessidade da realização de muitos ensaios para
várias apresentações efectuadas pelos alunos no recinto escolar, assim como fora do
mesmo.
Na parte principal, foram trabalhados alguns dos conteúdos que estão expostos no
Programa da disciplina de Educação pela Arte, consultável no dossier das Actividades
de Enriquecimento Curricular (AEC).

5 de 21
a) Parte inicial
A rotina da chamada continuou a ser utilizada por mim.
Quanto à pontualidade, notou-se, nos grupos em geral, um ligeiro retrocesso. Os
alunos revelam maior cansaço no período da tarde e a necessidade de se expandirem
mais no recreio, em especial com o início do bom tempo.
No que respeita a assiduidade, variou de acordo com os grupos. Os mais novos
foram os que exibiram maior oscilação. Os mais velhos continuaram a faltar muito, em
especial por motivos de logística familiar. Continuou a notar-se que os grupos que vêm
ao segundo tempo já estão cansados para o trabalho de criatividade e preferem realizar
tarefas mais estruturadas e divertidas ou então organizadas e propostas por eles.

b) Parte principal
A parte principal incluiu actividades lúdicas de expressão corporal, dramática e
coreografias, com especial relevo para a expressão musical.
As actividades de que mais gostaram variaram de grupo para grupo, sendo o dos
mais novos o mais complicado de manifestar agrado e o que tem os elementos mais
perturbadores e mais difíceis de controlar.
As unidades temáticas trabalhadas, neste período, foram essencialmente o corpo, o
espaço e o tempo, em especial no que respeita à interpretação e à criação, mas também,
em algumas situações, a apreciação.
A apreciação foi objecto de trabalho principalmente nas aulas dadas em conjunto
pelos professores das AEC e em algumas saídas de estudo, assim como em aulas em que
se utilizou a apresentação do trabalho por grupos.
As relações, particularmente a cooperação, foi um objectivo sócio - afectivo
alcançado com sucesso e motivo de muita gratificação.

d) Parte final
Não introduzi nenhuma técnica especial de relaxe, nem exercícios de Yoga ou de
respiração, como previstos inicialmente por mim.

6 de 21
2. Objectivos do professor
Os objectivos do professor, de acordo com o programa apresentado, estão
relacionados com os diversos contextos (Criativo-Inovador, Comunicativo-Expressivo,
Estético-Artístico, Técnico-Formal e Histórico-Cultural) e com as várias dimensões da
eficácia no ensino (clima, gestão, disciplina e instrução).
Para melhor exposição e respectiva compreensão esquematizam-se, nas tabelas
seguintes, se os objectivos foram sempre alcançados ou não (tabelas 1 e 2).
No entanto, para não se tornar demasiado exaustivo, foi realizada uma análise geral
baseada nos principais itens de cada contexto e dimensão, em vez de ser efectuada uma
análise de todos os seus ítens.
Tabela 1 - Análise geral dos objectivos do professor relativamente às 4 dimensões
de eficácia no ensino:
Dimensões Parâmetros Sim Nem Não
sempre
Identificar os alunos pelo nome X
Criar entusiasmo X
Clima
Interagir positivamente e com confiança X
Transmitir estímulos interessantes e diversificados X
Distribuir o tempo de uma forma equilibrada X
Maximizar o tempo de prática X
Gestão
Estar colocado de forma a visualizar todos os alunos X
Aproveitar o espaço total da sala de aula X
Utilizar regras fáceis de cumprir X
Ser coerente e flexível em situação de conflito X
Disciplina
Reforçar bons comportamentos X
Expor os objectivos X
Utilizar os alunos como agentes de ensino X
Fornecer demonstração adequada do modelo X
Fornecer Feedbacks adequados e diversificados X
Instrução Utilizar boa projecção de voz X
Esclarecer dúvidas X
Utilizar o questionamento dos alunos X
Fornecer qualidade/pertinência na informação X
A indisciplina presente em todos os grupos, teve uma evolução positiva em
relação aos períodos anteriores.
Resolvi alguns problemas de indisciplina com a entrega dos alunos
indisciplinados ao Sr. Paulo, o mediador da escola, e à interrupção da actividade por
parte do aluno durante breves momentos, regressando àquela após ser questionado sobre
se estava mais calmo e disposto a colaborar.

7 de 21
Por opção minha, nunca escrevi nenhuma participação, com o intuito de obter o
respeito dos alunos sem ser através da recriminação dos pais.

Tabela 2 - Análise geral dos objectivos do professor relativamente aos contextos:


Contextos Parâmetros Sim Nem Não
sempre
Criativo- Desenvolver a imaginação criadora X
Promover a selecção de ideias originais X
Inovador
Comunicativo- Favorecer o aperfeiçoamento da expressividade X
Desenvolver a capacidade de comunicação X
Expressivo
Desenvolver as capacidades de interpretação X
Estético- Desenvolver o espírito crítico X
Desenvolver a sensibilidade estética X
Artístico
Desenvolver as capacidades perceptivas X
Melhorar as capacidades físicas X
Técnico-Formal
Favorecer a sincronização movimento/música X
Desenvolver competências motoras específicas X
Histórico- Promover conexão Expressões/outras disciplinas X
Desenvolver a experiência sócio-cultural X
Cultural

3. Objectivos dos alunos


Os objectivos a atingir pelos alunos, de acordo com o programa apresentado, estão
relacionados com os diversos contextos (Criativo-Inovador, Comunicativo-Expressivo,
Estético-Artístico, Técnico-Formal e Histórico-Cultural).
Assim, na tabela que se segue está exposto se os objectivos foram sempre
alcançados ou não (tabela 3).

Tabela 3 - Análise geral dos objectivos do aluno relativamente aos contextos:


Contextos Parâmetros Sim Nem Não
semre
Criativo-Inovador Apropriar-se com imaginação das propostas X
Criar movimentos e expressões intencionais X
Comunicativo- Mimar e interpretar solicitações simples X
Desenvolver ideias, histórias e personagens X
Expressivo
Estético-Artístico Apreciar e criticar o seu trabalho e o dos X
outros

8 de 21
Dominar os movimentos básicos locomotores X
Técnico-Formal e não locomotores
Reconhecer várias formas de movimento X
Identificar espaço, tempo e dinâmica X
Demonstrar a noção de foco X
Histórico-Cultural Conhecer um reportório tradicional X
simplificado

4. Competências Essenciais dos alunos


Dos alunos do 1º ano, continuaram a ser as alunas que se mostraram mais
interessadas pelas actividades desenvolvidas na área das expressões, como a Mariana e
a Erica. Embora a Tamara também demonstrasse interesse, é uma aluna difícil e com
défice de atenção, dispersando-se com facilidade e gerando conflitos.
Dos elementos mais problemáticos, continuou a ser o Artur Romão que
destabilizou mais as aulas e que tornou a sua gestão muito complicada quando se
encontrava em conjunto com o Artur Curito e o José Romeira. Este último elemento (,)
esteve ausente das minhas aulas o período inteiro. Estes três alunos apresentam alguma
agressividade perante os demais e diversos episódios de instabilidade emocional. São
elementos que deveriam ser acompanhados por profissionais, pela situação de risco em
que se encontram e pela família onde estão inseridos; devem por estes motivos ser
considerados população de risco.
No que respeita aos alunos do 2º ano, considero ter havido melhorias
consideráveis em relação à estabilidade global da turma. A Jéssica e a Neuza revelaram
maior capacidade de concentração, mostrando-se mais atentas e com excelentes
capacidades criativas, mesmo na ausência da Marta Romão; no entanto, neste período
foram mais autónomas. A Marta continua a ser uma criança com forte capacidade de
liderança e de manipulação sobre as colegas, conseguindo, no final deste período,
liderar quase todas as alunas, incluindo uma do 3º ano, a Cristiana, e prejudicando a
progressão destas. A Ana Paula é uma criança problemática e muito “ausente” nunca se
chegando a perceber concretamente se de forma intencional ou não.
A Andreia e a Margarida continuam a necessitar de mais trabalho de auto-
confiança e de acompanhamento especializado para uma melhor adaptação ao meio
escolar. A primeira deixou de comparecer no final do período.

9 de 21
Em relação aos rapazes, o Mário e o Manuel exibiram episódios de instabilidade
emocional que os impede de progredir, embora quando motivados e presentes
desenvolvam trabalho válido. Destes, foi o Mário que apresentou maior instabilidade
emocional e maior cansaço, uma vez que a sua atenção diminui com mais facilidade. O
Augusto foi o que mais evolui e demonstrou maior interesse pelas actividades
desenvolvidas na aula e nas AEC.
O Leandro, infelizmente, viu a sua progressão impedida, pois afastou-se das AEC
e deixou de comparecer nas aulas. Este aluno tinha muitas possibilidades de alcançar
melhores resultados com a prática artística em contexto de vulnerabilidade, lamentando-
se o seu afastamento.
No que respeita às alunas do 3ºano, as mais aplicadas e com melhor progressão
continuaram a ser a Daniela e a Marta. A Luana e a Cristiana faltaram muito, embora
sejam aplicadas quando presentes.
A Vânia, a Liliana, a Alexandra e a Sandra faltaram todo o período,
impossibilitando a sua avaliação final.
Alguns alunos deixaram de comparecer nas aulas como o Bruno, o Sandro e o
Joaquim, o que impossibilitou a sua avaliação final.
Os restantes rapazes apresentaram uma boa motivação e progressão, embora se
encontrem mais motivados para a prática da Actividade Fisica e Desportiva, excepto o
André e o José Carlos Baptista que revelam maior interesse pelas actividades artísticas e
maior motivação para a Dança.

5. Ocorrências/situações positivas ou negativas


As aulas, de uma forma geral, correram bem no 2º e no 3º anos. São turmas que
progrediram com uma certa facilidade.
No que respeita às aulas do 1º ano, decorreram com enormes oscilações e houve
menos aulas com este grupo, uma vez que não participou em algumas apresentações e,
por isso, não teve ensaios.
Assim, as aulas do 1º ano foram as menos conseguidas.
Não houve ocorrências significativas e todas foram resolvidas.
Um dos aspectos mais gratificantes foi observar e verificar o envolvimento e
participação das familias e comunidade nos ensaios de uma coreografia de Dança

10 de 21
Tradicional apresentada por todos, na festa de final do ano. Apesar de algumas
desistências, pude constatar que existe o interesse em melhorar este aspecto para o
próximo ano lectivo, tendo sido abordada pelos familiares nesse sentido, desde que haja
uma organização mais atempada da minha parte.
Tenho a agradecer a intervenção do Sr. Paulo Santos, um dos elementos mais activos
da Associação de Pais do Casalinho, na realização deste projecto e sem a qual teria sido
mais dificil a sua concretização, uma vez que estabeleceu contacto com os restantes
ecarregados de educação para marcação de ensaios e com a Direcção do local onde se
ensaiou.

DATA: _____________ NOME: ___________________________

ANEXO 2
Expressão Plástica
Relatório 3º Período

1º Ano

A turma do 1º ano é uma turma bastante agitada, mas com uma evolução notória desde
o 1º período.
Embora existam alguns elementos que deixaram de vir regularmente às aulas das
actividades, a turma melhorou em relação ao 2º período, a nível de comportamento.

11 de 21
A turma efectuou trabalhos a pares e em grupo, sem grandes distúrbios, o que
demonstra também uma evolução não só a nível comportamental, mas também de união
entre os seus elementos.
Neste 3º período, as aulas foram poucas, havendo ainda algumas delas que foram ao ar
livre, nas quais se realizaram jogos de exterior, sem a presença de água. Os conteúdos
que mais se trabalharam foram a pintura e o conhecimento da cor.
Os materiais utilizados foram as tintas de água e também os lápis de cera, para a
realização de um trabalho de grupo.
As aulas de temática livre (com materiais de cartão) foram bastante proveitosas, uma
vez que houve uma adesão total da turma, embora não houvesse uma dedicação tão
grande como no período passado. Tal facto criou algumas barreiras na interajuda e na
criação de grupos para a realização do trabalho. No que diz respeito à aula de
moldagem, foi bastante proveitosa, porque os alunos estavam ansiosos para voltar a
trabalhar com barro. Assim, a aula correu sem qualquer interrupção ou dificuldade.
Penso que o balanço do ano lectivo é positivo, notando-se uma grande evolução nos
alunos mais assíduos às actividades, que demonstraram a sua capacidade de
visionamento e interpretação, assim como de exploração dos exercícios apresentados.
Algumas actividades previstas não foram realizadas, devido ao facto de não haver
equipamento específico. Outras não foi possível realizar por não haver tempo suficiente
A realização do trabalho final não foi possível; foi apenas criado um pequeno desenho
por todos os elementos das turma, que acabou por não ser exposto por não me ter sido
possível estar presente na festa de final de ano.
No decurso das aulas também não foi possível deixar os trabalhos expostos sem que
fossem danificados.

2º Ano

A turma de 2º ano é uma turma grande que, no entanto, este período teve uma taxa de
ausência bastante elevada, com uma média de 10 alunos por aula.
A nível de comportamento, a turma apresenta-se estável, não havendo conflitos entre os
elementos da turma; aparentemente é uma turma que tende a unificar, existindo algumas
desvantagens nessa unificação devido a elementos de chefia como caso da Marta
Romão, que torna alguns elementos da turma dependentes das suas vontades. Este caso
de dependência e obediência tende a expandir-se para a maioria das alunas da turma.

12 de 21
Neste 3º período, a actividade predominante foi a de pintura e exploração da cor . A
preocupação dominante foi a da relação entre colegas. Os trabalhos foram bastante
proveitosos e o trabalho em grupo decorreu sem problemas, apresentando trabalhos
finais bastante interessantes a nível plástico.
O desenho criativo foi muito apreciado, estabelecendo alguma competitividade
saudável, em que todos trabalharam para um mesmo objectivo. Todos realizaram um só
desenho. Através deste desenho é possível observar os graus de criatividade de cada
aluno, pois uns conseguiram desenvolver mais o trabalho que outros, devido a limitação
de visualização.
A nível do trabalho de moldagem foi realizado na última aula do 3º período e foi
admirável ver todos os alunos encantados com o simples facto de trabalharem em barro.
A realização de alguns instrumentos musicais, com materiais reciclados, para a
apresentação de 6 de Maio, no Encontro Dar Voz às Crianças, foi bastante proveitosa.
Embora tenham sido só alguns elementos a utilizarem-nos, todos tiveram a sua
participação na actividade.

3º Ano

A turma de 3º ano é uma turma grande que não é muito coerente no comportamento,
devido talvez ao facto de os alunos estarem mais ligados a actividades em movimento.
Este período foi o único em que desenvolvi algum trabalho com os alunos. Talvez por
isso, a sua reacção tenha sido um pouco incoerente, por parte de alguns elementos,
relativamente ao interesse demonstrado.
Alguns alunos chegavam muitas vezes atrasados à aula por se encontrarem no campo a
jogar ou, simplesmente, não compareciam.
A nível de integração dos alunos novos, penso que não houve qualquer alteração nas
turmas, adaptando-se aqueles bastante bem.
(A nível de trabalho) Com esta turma, foram realizados alguns instrumentos musicais,
com materiais reciclados, para a apresentação de 6 de Maio, no Encontro Dar Voz às
Crianças. As aulas foram bastante proveitosas, pois os instrumentos foram realizados ao
gosto de cada um, trabalhando em equipa para um objectivo final e global.
A outra vertente explorada nas poucas aulas com esta turma foi a pintura e o desenho
criativo, que correu bastante bem.

13 de 21
DATA: NOME:

ANEXO 3
Actividade Física e Desportiva
Relatório final do 2º período

1º Ano

Participação e interesse na aula

14 de 21
Esta turma está muito dependente dos elementos que a integram. Quer isto dizer que se
o aluno José Romeira estiver presente a aula tem uma boa dinâmica e os alunos
apresentam um bom empenho e predisposição para a prática. Quando isto não acontece
a aula perde uma pouco da sua dinâmica devido ao facto de o líder não estar presente.
Por norma, os alunos do género masculino apresentam mais interesse, com a excepção
do aluno Leandro. A aluna Erica não demonstra particular interesse.

Assiduidade e pontualidade

Os alunos Erica, Mariana, Artur Curito e Artur Romão, apresentam uma assiduidade
regular. Em termos de pontualidade, por norma não existem muitos problemas, excepto
no caso do aluno Artur Romão e da aluna Tamara que se perdem um pouco nas suas
brincadeiras de recreio.

Comportamento

Este é o ponto crítico da turma, já que todos os elementos (eles) apresentam um carácter
agressivo muito vincado, com a excepção das alunas Mariana e Erica, nas suas
brincadeiras e na (sua) dinâmica de grupo, o que cria muitos problemas de
comportamento.
No entanto, neste último período, este item melhorou ligeiramente.

Espírito de equipa e entreajuda

Este é o ponto alto deste grupo, devido ao facto de serem muito poucos e de serem
quase todos da mesma etnia. Existe um espírito de entreajuda muito aceitável, sendo os
únicos casos a salvaguardar, o dos alunos Tamara e Leandro, que nem sempre
demonstram este espírito.

Aceitação de críticas

15 de 21
Todos eles apresentam uma carência neste campo; no entanto, a aluna Erica é a que
melhor sabe lidar com as críticas. Uma evolução importante neste período, foi a do
aluno Artur Curito, que demonstrou uma capacidade de se auto-avaliar em algumas
situações.

Autonomia

Nenhum elemento a destacar. A turma é medianamente autónoma.

Capacidade de interpretação

Estão todos num nível aceitável, sendo os alunos José Romeira e Artur Curito os que
apresentam uma maior eficácia, ao contrário dos alunos Leandro e Tamara.

Capacidade criativa

O aluno José Romeira tem uma capacidade criativa muito desenvolvida, que de certa
forma acaba por contagiar todos os outros. Considero a sua evolução relativamente à
capacidade criativa muito animadora.

Capacidade coordenativa

Todos eles apresentam uma boa coordenação motora e uma boa evolução, ao longo do
ano, destacando-se, no entanto, os alunos José Romeira e Artur Curito.

2º Ano

Participação e interesse na aula

De um modo geral, este grupo demonstra interesse e participação. No entanto, essas


competências dependem da presença da aluna Marta Romão. O aluno Mário Rodrigues
e as alunas Margarida e Erica Pontes, apresentam quase sempre interesse e participam
activamente nas actividades.

Assiduidade e pontualidade

16 de 21
Esta turma é grande, apresentando os alunos António, Diana e Nelson uma assiduidade
muito irregular. A pontualidade é uma questão a trabalhar, no sentido de aperfeiçoar o
trabalho desenvolvido. Grande diminuição na presença do aluno Leandro.

Comportamento

Significativa melhoria, talvez devido ao facto de, neste último período, se ter formado
um núcleo de alunos que raramente faltaram, criando uma boa dinâmica de grupo e uma
consequente melhoria no comportamento.
A aluna Erica apresenta um comportamento exemplar.

Espírito de equipa e entreajuda

Melhorou muito neste período.

Aceitação de críticas

Todos eles apresentam uma carência neste campo, no entanto, a aluna Erica é a que
melhor sabe lidar com as críticas.

Autonomia

Todos os alunos apresentam um nível aceitável, excepto o caso das alunas Ana Paula e
Jéssica que são totalmente dependentes da aluna Marta Romão.

Capacidade de interpretação

Estão todos num nível aceitável, no entanto, a aluna Neuza apresenta alguns problemas
de concentração.

Capacidade criativa
As alunas Ana Paula, Jéssica, Margarida e Cláudia, quando em trabalho individual,
apresentam uma capacidade criativa muito interessante.

Capacidade coordenativa

17 de 21
É de destacar uma grande evolução do aluno Augusto Rafael. Outros como o Manuel, o
Mário, a Jéssica, a Ana Paula, a Margarida e a Cláudia apresentam um bom nível
coordenativo.

3º Ano

Participação e interesse na aula

Este grupo, de um modo geral, demonstra muito interesse e participação. É de destacar


por vezes um menor interesse da aluna Marta, devido ao facto de saber que apresenta
mais problemas motores do que os seus colegas, em termos coordenativos. Também as
alunas Luana e Cristiana continuam a demonstrar muito pouco interesse.

Assiduidade e pontualidade

Os alunos Bruno, Liliana, Vânia, Sandra e Alexandra apresentam uma assiduidade


muito fraca. Relativamente à pontualidade, não existe nada a apontar. Este facto deve-se
à grande vontade de participação na aula. Exceptua-se a aluna Cristiana que quase não
apareceu, este último período.

Comportamento

Neste item, houve uma regressão em alguns alunos; são eles os alunos Joaquim, José
Baptista, Daniela, Cristiana, André e José Tavares.
Um grande exemplo para a turma foi a entrada do aluno Gabriel.

Espírito de equipa e entreajuda

Grande evolução dos alunos Adelmo e João.


Grande contribuição do aluno Gabriel.

Aceitação de criticas

18 de 21
Todos eles apresentam um nível aceitável, menos os alunos Joaquim, Adelmo, João e
Sandro.

Autonomia

Todos os alunos apresentam um bom nível.

Capacidade de interpretação

Todos os alunos apresentam um bom nível.

Capacidade criativa

Todos os alunos apresentam um bom nível.

Capacidade coordenativa

É de destacar uma boa evolução do aluno José Baptista. Alunos como o João, o
Joaquim, o Sandro, o Adelmo, o José Tavares, a Liliana, a Cristiana e o Gabriel
apresentam um nível muito bom.

DATA: NOME:

ANEXO 4
CASALINHO DA AJUDA

19 de 21
RELATÓRIO RELATIVO AO 3º PERÍODO
INGLÊS
1º ANO
Neste 3º período, o trabalho com o 1º ano foi pouco produtivo devido aos ensaios para o
Dar Voz com os restantes anos e, mais tarde, aos ensaios com o 3º e 4º anos para a festa
final. Notou-se uma fraca assiduidade destes alunos, tendo o Rafael Carvalho desistido
mesmo das aulas de Enriquecimento Curricular e alguns alunos terem faltado bastante.
Neste período, tive dificuldade em refrear o mau comportamento do José Romeira,
numa aula de segunda-feira, onde ele tentou agredir alguns alunos. Nesse dia, tive de
dar por terminada a aula 15 minutos mais cedo, pois eu não estava a conseguir controlar
a criança. Contudo, este foi o único episódio complicado deste período.
Continuámos a fazer os jogos já conhecidos e introduzi dois novos jogos com
vocabulário novo. Continuámos as cantar as canções que já tinham aprendido, não
tendo sido introduzida nenhuma canção nova.
Usei os cartões com imagens para recordar o vocabulário que já tinha sido apreendido.
Fizemos, também, desenhos no quadro para falar sobre o vocabulário que já tinha sido
dado.
Volto a referir o problema de dicção do Leandro que não lhe permite acompanhar a
turma nas aprendizagens.

2º ANO
No início deste período, com os ensaios para o Dar Voz, os alunos do 2º ano
empenharam-se e aprenderam as canções com bastante facilidade e com gosto.
De uma maneira geral, todos aprenderam as letras e esforçaram-se para cantar bem.
Apesar de, nos ensaios, o seu comportamento nem sempre ser o mais adequado, notou-
se que havia vontade de fazer bem.
Após o Encontro Dar Voz às Crianças, voltámos a ter aulas na sala de aula, aulas essas
que nem sempre foram proveitosas. Continuou a haver “sub-grupos” dentro da turma e
uma grande influência negativa de alguns alunos sobre os outros.
Voltei a usar, este período, as histórias contadas por mim, ou através de CD. Esta
actividade foi, de um modo geral, bem aceite e ajudou a introduzir novo vocabulário e
novas expressões. Também fizemos jogos onde os alunos tinham que dizer palavras ou
pequenas expressões em inglês.

20 de 21
Neste período, o Leandro deixou de estar presente nas aulas, depois de ter sido excluído
do grupo que foi actuar ao Dar Voz.
Entre as crianças que tiveram um comportamento mais desadequado, perturbando o
funcionamento normal das aulas, realço a Marta Romão que teve uma influência
negativa sobre quase toda a turma. Sempre que não tinha vontade de estar na aula, ou
quando a actividade proposta não era do seu agrado, fazia tudo para distrair a maioria
das raparigas e rapazes.
Neste período, notou-se uma grande agitação entre os alunos, uma vez que houve
actividades muito diferentes ao longo destes três meses e o calor que se fez sentir
também foi muito.

3º/4º ANO
O trabalho com esta turma foi mais fácil, tal como sempre foi ao longo de todo o ano.
Nos ensaios do Dar Voz, a ajuda deles foi fundamental, uma vez que são alunos que já
conseguem ler em inglês e aprenderam de imediato a letra das duas canções, acabando
por ensinar aos alunos do 2º ano.
Na preparação da peça The Big Pumpkin, que foi apresentada na festa final, estes alunos
foram formidáveis, mostrando-se sempre disponíveis para ensaiar. É de referir a
autonomia que conseguiram no final. Organizavam-se e ensaiavam quase sozinhos.
Penso que a preparação desta peça foi muito positiva, dando-lhes confiança para dizer
as suas falas em inglês, sem qualquer inibição.
A maioria destes alunos já consegue ler histórias simples em inglês e todos aprenderam
a contar, tendo alguns ido além do número 100.
Continuámos a dedicar um dos dias da semana a jogos de sala ou outras actividades que
os alunos sugeriram. Assim, aplicavam os conhecimentos adquiridos através de jogos e
canções. Continuaram a fazer o dicionário de imagens das palavras que já conhecem,
no seu dossier.
Alunos como a Vânia, a Liliana, o Joaquim, o Sandro e a Sandra deixaram mesmo de
frequentar as aulas, depois de não terem sido escolhidos para participar no Dar Voz.
Os novos alunos, como a Quézia, o Israel e o Gabriel são alunos magníficos,
participativos e conseguiram integrar-se bem na turma.
DATA: NOME:

21 de 21