Sei sulla pagina 1di 4

Ambiente / Recursos Energéticos

O nível de desenvolvimento de um concelho mede-se, ente outros factores, pela maneira como o meio ambiente é tratado pelas autoridades municipais. A defesa do ambiente é um dever cívico de todos. No entanto, o ambiente é hoje mais que um desígnio, é também uma oportunidade económica e um factor de diferenciação. Acreditamos que podemos preservar o ambiente, ao mesmo tempo que marcamos positivamente a diferença, trazendo modernização ao nosso concelho.

São conhecidas as dificuldade para tratamento do lixo no nosso concelho. A reciclagem de algum desse lixo surge como um novo recurso a que poderemos recorrer. Assim propomos um centro de reciclagem e triagem inter-municipal, de grande dimensão, localizado num local afastado das povoações, mas de fácil acesso.

Devolver o Rio Ave à Trofa

Durante décadas foi o nosso maior orgulho. Hoje é o nosso maior desafio. É necessária a coragem, a força e a determinação para despoluir de vez o Rio Ave. E sabe-se hoje, que tal é possível e não é uma tarefa hercúlea. Tem faltado vontade política. Mas a JS acredita que esta é a vontade de um povo e o desígnio maior de um concelho! Queremos de volta o nosso Rio Ave! É necessário intensificar a fiscalização às actividades industriais poluentes e ter a coragem de alterar comportamentos, através da formação e dos apoios para que as empresas possam tratar os seus próprios resíduos. Voltar a ter o Rio Ave que lembrámos com saudade, ou que nos contam como sendo tão belo, daria a oportunidade de finalmente iniciar a constituição do Parque das Azenhas, que tem sido um projecto anunciado, mas renegado e sem consequências até hoje.

25
25

Prevenção Florestal

Os planos de prevenção florestal existem, mas na prática os problemas continuam. A área ardida é muito maior que o desejável, assim como o número de incêndios florestais, pese embora o trabalho fantástico da nossa corporação de bombeiros. Logo, para uma detecção precoce dos incêndios, sendo uma detecção/vigilância bem estruturada e planeada essencial nesta área, entendemos alargar o período de vigilância para 24 horas em vez das actuais 14 horas das brigadas já existentes (BMM-Brigada Motorizada Móvel, BMIF - Brigada Municipal de Incêndios Florestais e os SF - Sapadores Florestais). Para reforçar esta detecção, defendemos a candidatura de grupos de jovens ao programa ocupacional do Instituto Português da Juventude podendo ocupar jovens do nosso concelho que estejam desempregados, jovens estes que iriam constituir equipas de vigilância/detecção em pontos estratégicos do nosso concelho, permitindo abranger o contacto visual com toda a área florestal da Trofa. Incentivo às juntas de freguesia para aderiram ao programa de kit´s de 1.ª intervenção que, para além da vigilância móvel, permite um combate primário sobre um incêndio detectado. Defendemos uma política pró-activa entre a câmara e os proprietários florestais do nosso concelho em relação a trabalhos de silvicultura, para que, na altura crítica de incêndios florestais, as áreas florestais estejam limpas. Em relação ao combate, passa pela atribuição de maiores apoios técnicos e materiais pela câmara à corporação de bombeiros da nossa terra, permitindo assim uma maior dotação de viaturas e equipamentos especializados no combate aos incêndios florestais. Entendemos também, e defendemos, a constituição de um novo edifício dos bombeiros na região dos Coronados. Algo que já teria sido realidade se houvesse maior vontade política, maior poder negocial e maior preocupação pelas populações por esta região do concelho.

Protecção Civil

Área importante para a protecção dos trofenses e dos seus bens. Nesta área defendemos que a protecção civil esteja a funcionar 24 horas e não só em horário

26
26

diurno, pois os acidentes e incidentes não escolhem horas. Defendemos a criação de um corpo da protecção civil, que em articulação com o corpo de bombeiros voluntários, irá permitir planear/organizar/gerir e ordenar situações de risco por todo o nosso concelho. Criação de um gabinete para que os munícipes possam trazer e resolver problemas relacionados com esta área.

Saneamento

Integrado num programa que envolveu vários concelhos do nosso distrito, a Trofa, tal como esses concelhos, desenvolveu a sua rede de saneamento básico. No entanto, a taxa a pagar para ligar cada casa à rede é exorbitante, e os Trofenses foram obrigados a pagar. É urgente reduzir o valor dessa taxa! Isto é uma medida justa e que deve nortear as primeiras medidas da próxima câmara municipal, para que não existam Trofenses de segunda.

Frota Verde

Os gastos em veículos por parte do executivo autárquico é bastante elevado. Nomeadamente ao nível do combustível. Assim propomos a venda da actual frota, substituindo-a por veículos mais baratos, que consomem menos e que são amigos do ambiente. Estes novos veículos poderiam ser movidos a electricidade ou a outra forma de energia alternativa.

Nova política energética

Redução do consumo de recursos energéticos, através da implementação em todos os edifícios municipais de sistemas inteligentes para controlo dos recursos energéticos promovendo o objectivo de reduzir, substancialmente, a factura energética dos edifícios da autarquia.

27
27

Criação de equipas técnicas especializadas, que auxiliariam os Trofenses a reduzir os consumos de energia em suas casas, através de um aconselhamento que passaria por pequenas dicas até inspecção e detecção de falhas ao nível da conservação da energia.

Remodelar a iluminação pública através do investimento na tecnologia dos LED’s, tecnologia essa que poupa energia e que proporciona uma iluminação mais agradável, além de ter custos pouco avultados. Éeste um investimento importante até para reforçar a iluminação pública em alguns locais pouco iluminados.

Parque Solar

A aposta em energias renováveis pode ser o grande investimento de futuro. A JS propõe um investimento na energia solar através da criação de um parque solar. A Trofa tem o espaço propício para isso, e acreditamos ser possível produzir energia suficiente para muitas casas na Trofa e para alimentar os gastos energéticos dos edifícios públicos. Seria um passo fantástico, de grande determinação e coragem, mas que inovaria a Trofa.

28
28