Sei sulla pagina 1di 46

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Aula 1

1. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

2

1.1 Operações com Matrizes

4

1.2 Outras matrizes especiais

8

1.3 Determinantes

11

1.3.1 Propriedades dos determinantes

13

1.4

Sistemas Lineares

14

2. Questões comentadas

17

3. Memorex

37

4. Lista das questões abordadas em aula

40

5. Gabarito

46

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

1. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

Antes de iniciarmos nos conceitos teóricos de matrizes, vamos pensar um pouco: para quê servem as matrizes? Porque temos que aprender sobre elas?

Matrizes nada mais são do que maneiras de organizar números. E muitas informações na nossa vida podem ser expressas por números.

Por exemplo, os dados deste arquivo que você está recebendo em .pdf. Na memória do seu computador, cada letrinha deste arquivo é, na verdade, um conjunto de números, armazenados em matrizes.

Esta é apenas uma utilidade das matrizes. Agora que já temos alguma noção sobre a importância, vamos aprender um pouco sobre elas.

Cada elemento da matriz está associado a uma posição, que é identificada da seguinte forma:

a ij

a = elemento da matriz i = linha referente ao elemento j = coluna referente ao elemento

Assim, na matriz abaixo, temos:

a

a

a

11

21

31

a

a

a

12

22

32

a

a

a

13

23

33

 

Outro conceito importante é o conceito de ordem da matriz:

ordem = m x n

onde:

m = número de linhas da matriz n = número de colunas da matriz

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Ou seja, a matriz que vimos acima possui ordem 3 x 3 (pois ela possui 3 linhas e 3 colunas). Já adianto que esse é um tipo de matriz que chamamos de “matriz quadrada” (porque ela possui o mesmo número de linhas e de colunas).

Além disso, temos as diagonais:

 a a a  11 12 13   a a a  21
a
a
a
11
12
13
a a
a
21
22
23
a a
a
 
31
32
33

Diagonal Secundária

Diagonal Principal

Existem também tipos “especiais” de matrizes. Digamos que são matrizes que são conhecidas pelas suas “particularidades”. Se você tem um amigo que tem um cabelo azul, é provável que ele ganhe o apelido de “Azul”, “Azulão”, “Avatar”, sei lá. Com as matrizes acontece o mesmo. As seguintes matrizes ganharam apelido próprio:

Matriz

Definição

Exemplo

Matriz Linha

Possui uma única linha

1 4 5 

(1

x n)

   

3

Matriz Coluna

Possui uma única coluna

(m

x 1)

4

1

 

Matriz Nula

Possui todos os elementos iguais a zero (a ij = 0)

0

0

0

0

 

Possui todos os elementos que não são da diagonal principal iguais a zero (a ij = 0, onde i ≠ j)

0

4

0

Matriz Diagonal

  6

  0

0

0

0

1

 

 

É uma matriz diagonal, com os elementos da diagonal principal iguais a 1. (a ij = 0, onde i ≠ j, e a ij = 1, para i = j)

0

1

0

Matriz Unidade = Matriz Identidade

  1

  0

0

0

0

1

 

   

0

4

0

Matriz

Triangular

Superior

Possui todos os elementos acima da diagonal principal iguais a 0.

  6

  3

5

9

0

1

 

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

   

4

5

1

Matriz

Triangular

Inferior

Possui todos os elementos abaixo da diagonal principal iguais a 0.

0

0

6

0

4

1

 

1.1 Operações com Matrizes

Ao invés de ficar descrevendo aqui como são as operações com matrizes, vou fazer um comparativo com as operações que já conhecemos da Matemática

(Adição, Subtração, Multiplicação

etc). Em alguns casos, a lógica das

operações é a mesma, mas em outros há algumas diferenças importantes.

Primeiramente, vou relembrar com vocês um pouco das propriedades dos números.

Quando dizemos:

2 + (3 + 4) = 9

É o mesmo que dizer:

(2 + 3) + 4 = 9

Pois bem, essa é a Propriedade Associativa.

Quando dizemos:

2

+ 3 = 5

É

o mesmo que dizer:

3

+ 2 = 5

Então, essa é a Propriedade Comutativa.

Da mesma maneira, se dissermos:

2

x (3 + 4) = 2 x 7 = 14

É

o mesmo que fazer:

2

x 3 + 2 x 4 = 6 + 8 = 14

Essa é a Propriedade Distributiva.

Bem, passemos às Operações com Matrizes.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

1.1.1 Adição e Subtração de Matrizes

Simbologia: (A + B), (A – B)

Comparativo com as operações “normais”: Sem diferenças. Somar as matrizes A + B é igual somar 1 + 1. Ou seja:

(A + B) + C =

A + (B + C)

(Obedece à propriedade Associativa)

------

A + B = B + A

(Obedece à propriedade Comutativa)

Particularidades: Só se pode somar matrizes com a mesma ordem

Exemplos: Simplesmente somamos os elementos respectivos:

Exemplos: Simplesmente somamos os elementos respectivos: 1.1.2 Produto de um número por uma Matriz Simbologia :

1.1.2 Produto de um número por uma Matriz

Simbologia: kA

Comparativo com as operações “normais”: Sem diferenças. Multiplicar um número k por uma matriz é como multiplicar um número k por outro número.

Ou seja:

k x (p x B) = (kp) x B

(Obedece à propriedade Associativa)

------

k x (A + B) =

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

k x A + k x B

(Obedece à propriedade Distributiva, em relação a uma adição)

------

(k + p) x A =

k x A + p x A

(Obedece à propriedade Distributiva, em relação a uma adição de números)

Particularidades: Não há

Exemplos: Simplesmente multiplicamos:

2 x

Não há Exemplos: Simplesmente multiplicamos: 2 x 1.1.3 Produto de Matrizes Simbologia : A . B

1.1.3 Produto de Matrizes

Simbologia: A.B

Comparativo com as operações “normais”: Há diferenças em relação a um produto “normal”.

Vejamos:

(A . B) . C =

A . (B . C)

(Obedece à propriedade Associativa)

------

A . (B + C) =

A . B + A . C

(Obedece à propriedade Distributiva)

------

FIQUE ESPERTO!!!

A.B ≠ B.A

(NÃO OBEDECE à propriedade Comutativa)

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Particularidades: Vamos utilizar duas regras antes de realizar a multiplicação propriamente dita.

REGRA DO MEIO: determina se a multiplicação é possível. Para o produto A.B existir, os números “do meio” das ordens devem ser IGUAIS. Ex:

Matriz A = ordem 3 x 2

Matriz B = ordem 2 x 4

3 x 2 e 2 x 4
3 x
2 e 2
x 4

IGUAL

Ou seja, A.B = possível.

REGRA DAS PONTAS: determina a ordem da matriz resultante. Ex:

Matriz A = ordem 3 x 2

Matriz B = ordem 2 x 4

3
3
4
4

x 2 e 2 x

3 x 4 = MATRIZ RESULTANTE DA MULTIPLICAÇÃO

Exemplos:

x 3 x 4 = MATRIZ RESULTANTE DA MULTIPLICAÇÃO Exemplos: Primeiramente, aplicamos as regras vistas: 1)

Primeiramente, aplicamos as regras vistas:

1) REGRA DO MEIO: 2 x 2 e 2 x 2 = multiplicação possível. 2) REGRA DAS PONTAS: 2 x 2 e 2 x 2 = matriz resultante = 2 x 2.

Feito isso, passamos à multiplicação das matrizes, obedecendo ao seguinte esquema:

multiplicação das matrizes, obedecendo ao seguinte esquema: = Prof. Karine Waldrich www.pontodosconcursos.com.br 7

=

multiplicação das matrizes, obedecendo ao seguinte esquema: = Prof. Karine Waldrich www.pontodosconcursos.com.br 7

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Ou seja, no nosso exemplo, temos:

KARINE WALDRICH Ou seja, no nosso exemplo, temos: = = = = Matriz resultante 1.2 Outras

=

KARINE WALDRICH Ou seja, no nosso exemplo, temos: = = = = Matriz resultante 1.2 Outras
KARINE WALDRICH Ou seja, no nosso exemplo, temos: = = = = Matriz resultante 1.2 Outras

=

=

KARINE WALDRICH Ou seja, no nosso exemplo, temos: = = = = Matriz resultante 1.2 Outras

= Matriz resultanteKARINE WALDRICH Ou seja, no nosso exemplo, temos: = = = 1.2 Outras matrizes especiais Existem

1.2 Outras matrizes especiais

Existem variações das matrizes que são especiais. São elas:

1.2.1 Matriz Transposta

Simbologia: A t

Definição: A matriz transposta de uma matriz é a mesma matriz só que “deitada”. O que é linha passa a ser coluna, e o que é coluna, passa a ser linha.

Particularidades:

1)A matriz transposta de uma matriz transposta é a matriz original

(A t ) t = A

2)A matriz transposta de uma soma de matrizes equivale à soma das próprias matrizes transpostas

(A + B) t = A t + B t

3)(kA) t = k . A t

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

4)(AB) t = B t . A t

5)

Se A t = A, a matriz A é chamada de matriz simétrica.

Como calcular?

O que é linha passa a ser coluna, o que é coluna passa a ser linha.

A =

passa a ser coluna, o que é coluna passa a ser linha. A = A t

A t = Matriz transposta de A =

1.2.2 Matriz Inversa

Simbologia: A -1

transposta de A = 1.2.2 Matriz Inversa Simbologia: A - 1 Definição: É a matriz tal

Definição: É a matriz tal que A.A -1 = Matriz Identidade

Ou seja,

A.A -1 =

que A.A - 1 = Matriz Identidade Ou seja, A.A - 1 = Particularidades: Só existem

Particularidades: Só existem inversas de matrizes quadradas (n x n)

Como calcular?

Para calcular, não há fórmula mágica, utilizamos a própria lógica da matriz inversa. Veja:

A

=

A =
A =
. =
.
.
. =
. =

=

lógica da matriz inversa. Veja: A = . = a + 2c = 1 b +

a + 2c = 1

b + 2d = 0

3a + 4c = 0

3b + 4d = 1

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Utilizamos as equações igualadas a 0 para encontrar os valores nas equações igualadas a 1:

3a + 4c = 0

Tem-se que: a =

nas equações igualadas a 1: 3a + 4c = 0 Tem-se que: a = Colocando na

Colocando na equação:

a + 2c = 1

+ 2c = 1+ 4c = 0 Tem-se que: a = Colocando na equação: a + 2c = 1

Tem-se que: a = Colocando na equação: a + 2c = 1 + 2c = 1

c =

que: a = Colocando na equação: a + 2c = 1 + 2c = 1 c

Com o valor de c, chegamos ao valor de a:

a =

a =
a = -2 =

a = -2

=

Fazemos o mesmo com as equações que englobam b e d:

b + 2d = 0

b = -2d

3b + 4d = 1

3.(-2d) + 4d = 1

-2d = 1

d

=

d =

b

= -2.(

b = -2.( ) = 1

) = 1

Ou seja, A -1 =

-2d = 1 d = b = -2.( ) = 1 Ou seja, A - 1

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

1.3 Determinantes

Determinante é um número que “representa” uma matriz.

Quando falamos sobre matrizes, citamos, como exemplo, que um arquivo.pdf é um conjunto de dados que estão organizados em matrizes.

Imaginem, então, que um banco enviou a um fiscal um arquivo CONTA.pdf, que contém o extrato bancário da conta de um contribuinte.

Pensem no arquivo como uma matriz. Tal matriz terá um determinante.

Ou seja, há um número que “representará” a matriz, e, por consequência, o arquivo.

Agora pensem na situação de o contribuinte, posteriormente, contestar o arquivo analisado pelo fiscal, dizendo que o fiscal alterou os dados do extrato para prejudicá-lo, que aquele arquivo que o fiscal possui não é o mesmo que foi emitido pelo banco, etc.

Como verificar se o arquivo que o fiscal possui é ou não igual ao arquivo gerado pelo banco?

Simples. Basta comparar os determinantes dos dois arquivos. Qualquer

mudança

determinante diferente.

no

arquivo

original,

mesmo

que

mínima,

vai

gerar

um

Assim, basta o fiscal apresentar o arquivo que possui. Se for o mesmo arquivo gerado pelo banco, os determinantes serão iguais, e o contribuinte perde o argumento de que o fiscal alterou o arquivo.

Pessoal, este foi apenas um exemplo explicado grosseiramente. Na prática o “determinante”, no caso desses arquivos de computador, é chamado de hash. Eu não sou expert em computação, mas a lógica é mais ou menos essa. O que quero que vocês percebam é a importância do determinante.

Agora chega de papo e vamos estudá-lo.

Primeiramente, que fique claro que só as matrizes quadradas possuem determinante.

Nós iremos aprender a calcular o determinante de matrizes de ordem 1, 2, e 3. Acima disso acho desnecessário e nunca vi sendo cobrado em concursos (a não ser quando a questão é resolvida por meio das propriedades dos determinantes, que também veremos).

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Outra coisa importante. Vocês repararam que sempre envolvemos as matrizes com colchetes [ ]? Pois bem, quando queremos dizer “o determinante da matriz x”, ao invés de envolver os números em colchetes, envolvemos em dois traços simples | |. Por exemplo:

envolvemos em dois traços simples | |. Por exemplo: = matriz = 1 (quando os números

= matrizenvolvemos em dois traços simples | |. Por exemplo: = 1 (quando os números estão envolvidos

em dois traços simples | |. Por exemplo: = matriz = 1 (quando os números estão
em dois traços simples | |. Por exemplo: = matriz = 1 (quando os números estão

= 1 (quando os números estão envolvidos em traços | |, é como se viesse inclusa a pergunta “qual é o determinante?”).

Entendido isso, vamos aos fatos!

Como calcular o determinante de matrizes de ordem 1, 2 e 3

Ordem

Como calcular

Exemplos

1

O determinante é o

próprio elemento (o único!).

= 261 O determinante é o próprio elemento (o único!). 2 O determinante é o produto da

2

O determinante é o produto da diagonal principal menos o produto

da diagonal secundária.

diagonal principal menos o produto da diagonal secundária. = 3.3 – 7.9 = 9 – 63
diagonal principal menos o produto da diagonal secundária. = 3.3 – 7.9 = 9 – 63

= 3.3 7.9 =

9 – 63 = -54

3

O determinante é calculado de acordo com a seguinte sequência (azul = soma; vermelho = subtrai):

com a seguinte sequência (azul = soma; vermelho = subtrai): Ou seja, temos: aei + bfg

Ou seja, temos:

aei + bfg + cdh – gec – hfa - idb

Ou seja, temos: aei + bfg + cdh – gec – hfa - idb Para não

Para não se perder nas contas, repita as duas últimas colunas ao lado da matriz:

contas, repita as duas últimas colunas ao lado da matriz: 12.3.1 + 1.2.4 + 2.1.5 –

12.3.1 + 1.2.4 + 2.1.5

1.1.1 = 36 + 8 + 10 24 120 1 = 54 – 145 = -91

4.3.2

5.2.12

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

1.3.1 Propriedades dos determinantes

Os determinantes possuem algumas propriedades muito importantes.

Essas propriedades são muito cobradas em prova.

Mas, ao contrário da maioria dos livros, não veremos propriedade por propriedade. Veremos as mudanças possíveis e os casos em que isso acontece. Creio que fica muito mais fácil para vocês lembrarem na hora da prova.

Outra coisa: quando eu me refiro à “fila”, estou querendo dizer que vale tanto para linha quanto para coluna, ok?

O que

 

Casos

   

Exemplos

acontece?

   
 

1

Trocando

determinante muda de sinal

 
  1 Trocando determinante muda de sinal   = -2
= -2

= -2

 

A

=

filas de

 

lugar

det B = - det A

 

B

=

lugar det B = - det A   B = = 2
= 2

= 2

2

Multiplicando uma fila por

determinante

 
2 Multiplicando uma fila por determinante   = -2
= -2

= -2

 

A

=

fica

 

k

multiplicado por

 
k multiplicado por   = 2 .(-2)
= 2 .(-2)

= 2.(-2)

k

B =

 

= -4

Determinante se altera

3

Multiplicando uma matriz de ordem n por k

determinante

 
Determinante se altera 3 Multiplicando uma matriz de ordem n por k determinante   = -2
Determinante se altera 3 Multiplicando uma matriz de ordem n por k determinante   = -2
= -2 = 2 2 .(-2)

= -2

= 2 2 .(-2)

fica multiplicado por

 

A

=

=
 

n

k

B

=

 

=

4.(-2) = -8

 

4

Multiplicando uma matriz A por outra matriz B

determinante é o produto dos determinantes de A e B

 

A

=

Multiplicando uma matriz A por outra matriz B determinante é o produto dos determinantes de A
= -2

= -2

B

=

B = = -17
= -17

= -17

 

det A.B = det A.det B

det A.B = det A.det

B

= (-2).(-17) = 34

 

5

Matriz

determinante é dado por:

 
  5 Matriz determinante é dado por:   = -2
= -2

= -2

Inversa

 

A =

det A -1 =

det A - 1 =
A - 1 = (vimos este cálculo mais acima, quando estudamos matriz inversa)
A - 1 = (vimos este cálculo mais acima, quando estudamos matriz inversa)

A -1 = (vimos este cálculo mais acima, quando estudamos matriz inversa)

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

det A -1 = 1 Quando B = A t (a matriz B é a
det A -1 =
1
Quando B = A t (a matriz B é a
matriz transposta de A)
A
=
= -2
B =
= -2
2
Uma das filas da matriz B
contiver uma combinação linear
de outras filas da matriz A
A =
= -2
Determinante
não se altera
Multiplicaremos a
segunda coluna por
2 e somaremos
com a coluna 1,
substituindo na
coluna 1:
B =
=
= 20 – 22 =
-2
1
Fila nula
A
=
= 0
2
Filas paralelas iguais ou
proporcionais
A
=
= 0
B
=
= 0
3
Fila que seja combinação linear
de outras filas paralelas
A =
= 0
Determinante
igual a zero
PS: perceba a diferença entre
este caso e o caso que vimos
acima, de quando o
determinante não se altera. No
caso anterior, a fila na matriz B
é combinação linear das filas da
matriz A. Aqui, há uma
combinação linear dentro da
própria matriz.
[Repare que a
terceira coluna é
igual a 4.(coluna 2)
+ coluna 1]

1.4 Sistemas Lineares

Sistemas Lineares são conjuntos de equações e incógnitas.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

É importante frisar que o número de incógnitas deve ser igual ao número de equações.

Por exemplo, abaixo, temos duas incógnitas (x e y). O sistema linear, para resolvê-lo, deve ter duas equações:

ax

+ by = z 1

cx

+ dy = z 2

Já, se forem três incógnitas, deverá ter três equações:

ax

+ by + cw = z 1

cx

+ dy + ew = z 2

fx + gy + hw = z 3

Essas equações são também chamadas de Sistemas Lineares. E são resolvidas através da Regra de Cramer.

Vou ensinar através de um sistema de duas incógnitas. Mas a lógica vale para o sistema de três incógnitas, ok?

Abaixo, temos o sistema:

ax

+ by = z 1

cx

+ dy = z 2

Vamos chamar de D (“DEZÃO”) o determinante da matriz formada pelos coeficientes de “x” e “y”:

DEZÃO = D =

a

c

b

d

Vamos chamar de D x (“dezinho x”) o determinante da matriz formada pela substituição dos “zêzinhos” (z 1 e z 2 ) nos coeficientes de x. E vamos chamar de D y (“dezinho y”) o determinante da matriz formada pela substituição dos “zêzinhos” nos coeficientes de y:

D x =

z

z

1

2

e D y =

b

d

a

c

z

z

1

2

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Dito isso, temos que um sistema poderá ter uma, de três soluções possíveis:

Sigla

Definição

Como saber?

SPD

(SISTEMA POSSÍVEL E DETERMINADO)

O sistema possui apenas uma

solução, que pode ser encontrada.

DEZÃO ≠ 0

PS: neste caso:

x =

que pode ser encontrada. DEZÃO ≠ 0 PS: neste caso: x = e x = SPI

e x =

pode ser encontrada. DEZÃO ≠ 0 PS: neste caso: x = e x = SPI (SISTEMA

SPI

(SISTEMA POSSÍVEL E INDETERMINADO)

Várias soluções são possíveis para resolver o sistema (não apenas uma, como no caso SPD).

DEZÃO = D x = D y = 0

SI

(SISTEMA

IMPOSSÍVEL)

O sistema não possui solução.

DEZÃO = 0, MAS D x ≠ 0 ou D y ≠ 0

Visto isso, passemos às questões.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

2. Questões comentadas

Pessoal, matrizes, determinantes e sistemas lineares não estão sendo muito cobrados pela ESAF. No últimos 3 anos foram apenas 5 questões, sendo que 1 delas envolve trigonometria, portanto veremos na aula 3 (de Trigonometria).

Então, como disse na aula 0, farei, além das atuais, questões antigas da ESAF, e de outras bancas. Primeiro faremos as questões de matrizes (da ESAF e de outras bancas) e depois as questões de determinantes e sistemas lineares (da ESAF e de outras bancas).

Uma coisa que tenho a dizer: se você já sabe algo sobre matrizes, treine com essas questões. Se você não sabe, e este é o seu primeiro estudo sobre as matrizes, faça e refaça as questões dessa aula.

Normalmente, a questão de matrizes de uma prova é a questão que não pode ser errada em nenhuma hipótese.

Isso porque, perto dos demais assuntos (que veremos nas próximas aulas, muito mais difíceis), matrizes é um assunto bem mais fácil.

Então, nem pense em errar na hora da prova!

Questão 1 – ESAF/MPU/Téc. Adm./2004

Sejam as matrizes

Questão 1 – ESAF/MPU/Téc. Adm./2004 Sejam as matrizes e seja x i j o elemento genérico

e seja x ij o elemento genérico de uma matriz X tal que X =(A.B)t, isto é, a matriz X é a matriz transposta do produto entre as matrizes A e B. Assim, a razão entre x 31 e x 12 é igual a:

(A)

2.

(B)

1/2.

(C)

3.

(D)

1/3.

(E)1.

Essa questão mistura o conhecimento de produto de matrizes com o de matriz transposta.

Primeiramente, basta que façamos a multiplicação proposta. Sem não antes aplicar a Regra do Meio e a Regra das Pontas:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH Ordem 3 x 2 . Ordem 2 x 4. Regra do

Ordem 3 x 2 . Ordem 2 x 4.

Regra do Meio: 2 (ok) Regra das Pontas: 3 x 4

A.B =

2 x 4. Regra do Meio: 2 (ok) Regra das Pontas: 3 x 4 A.B =

=

2 x 4. Regra do Meio: 2 (ok) Regra das Pontas: 3 x 4 A.B =

Agora, precisamos encontrar a transposta de A.B. Basta transformar linha em coluna, lembram?

X = (A.B) t =

transformar linha em coluna , lembram? X = (A.B) t = Agora, basta fazer a divisão

Agora, basta fazer a divisão proposta, entre x 31 (16) e x 12 (8).

a divisão proposta, entre x 3 1 (16) e x 1 2 (8). Resposta: Letra A.

Resposta: Letra A.

Questão 2 – CESGRANRIO/REFAP/Economista/2007

O produto das três matrizes

O produto das três matrizes é: (A) 8 (B) (C) Prof. Karine Waldrich

é:

(A)

8

(B)

(B)

(C)

(C)

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

(D)

(E)

LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH (D) (E) Essa questão fala sobre o produto de matrizes. Alguém mais

Essa questão fala sobre o produto de matrizes.

Alguém mais “apressado” pode querer começar a resolver o produto logo, achando que é a melhor maneira de resolver à questão.

Mas, primeiramente, cabe analisar qual será a ordem da matriz formada. Isso porque cada alternativa traz uma matriz de ordem diferente. Para isso, vamos aplicar a Regra das Pontas.

Como o produto é de três matrizes, primeiro resolvemos as duas primeiras matrizes e depois multiplicar o resultado deste produto pela terceira matriz. Então, vamos fazer a Regra das Pontas com as 2 primeiras matrizes:

1 2   1 x 3
1
2
 
1
x 3

3

 

.

 0 3    1 4    2 5  
0 3
1 4
2 5
 
3 x
2

Matriz resultante = 1 x 2

Essa matriz resultante será multiplicada pela terceira matriz, que é 2 x 2. Portanto, teremos a multiplicação de uma matriz 1 x 2 por uma matriz 2 x 2. Fazendo a Regra das Pontas novamente:

1
1

x 2

matriz 2 x 2. Fazendo a Regra das Pontas novamente: 1 x 2 2 x 2

2 x 2

Matriz resultante = 1 x 2

Assim, já sabemos que matriz resultante é 1 x 2. Analisando as alternativas, ficamos com as alternativas B e C.

Como não tem jeito, procedemos à multiplicação, primeiramente das duas primeiras matrizes:

 

1

2

3

 

.

0

1

2

3

4

5

 

=  

1.0

+

2.1

+

3.2

1.3

+

2.4

+

3.5  

=  

8

26

 

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Multiplicando a matriz resultante pela terceira matriz:

8

26

 

.   

3

0

1

0

=  

8.3

+

26.0 8.1

+

26.0  

=  

24

8

 

Portanto, a resposta é a letra B.

Resposta: Letra B.

Questão 3 – CESGRANRIO/BNDES/Economista/2008

Letra B. Questão 3 – CESGRANRIO/BNDES/Economista/2008 O produto de matrizes expresso acima é (A) igual a

O produto de matrizes expresso acima é

(A)

igual a [2 - 1].

(B)

igual a 3.

(C)

igual à matriz identidade.

(D)

comutativo.

(E)

não definido.

Quando a questão propõe um produto de matrizes, a primeira coisa que temos de fazer é analisar se o produto é possível e, se sim, como fica a matriz

resultado. E isso fazemos utilizando a Regra do Meio e a Regra das Pontas, que

já vimos.

Temos o seguinte:

Matriz 1 x 2 . Matriz 2 x 3 . Matriz 3 x 2

O primeiro produto é possível, visto que os “meios” são =2. Como resultado,

teremos uma matriz 1 x 3. Essa matriz fará o produto com a terceira matriz.

Matriz 1 x 3 . Matriz 3 x 2

Esse produto também é possível, pois os “meios” são =3. Como resultado final, temos uma matriz 1 x 2.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Agora que já temos alguma informação sobre o produto formado, podemos analisar as respostas:

(F) igual a [2 - 1]. Sabemos que a matriz formada é 1 x 2. Ou seja, seus

vamos para a

elementos podem até ser 2 e -1, mas não sabemos

próxima alternativa (afinal não sabemos se esta alternativa está errada

ou certa);

(G) igual a 3. Igual a 3 não pode ser, pois vimos que o resultado é uma matriz 1 x 2 (e não uma matriz de ordem 1). Alternativa errada;

(H) igual à matriz identidade. A matriz identidade é qualquer matriz

quadrada em que os elementos da diagonal principal são iguais a um e os demais elementos são iguais a zero. Não é o caso do produto que encontramos, afinal nossa matriz não é quadrada. Alternativa errada;

(I) comutativo. Mais uma alternativa que sabemos que está errada, pois,

como vimos, o produto de matrizes nunca é comutativo. Lembram o que é comutativo? Relembrando: o enunciado propõe o seguinte produto:

Relembrando: o enunciado propõe o seguinte produto: Tal produto seria comutativo se pudéssemos fazer o seguinte

Tal produto seria comutativo se pudéssemos fazer o seguinte produto e chegar no mesmo resultado:

fazer o seguinte produto e chegar no mesmo resultado: Só que isso não é possível. Por

Só que isso não é possível. Por isso, temos que o produto de matrizes não é comutativo, ou seja, a alternativa está errada.

(J) não definido. Como que o produto não é definido? Ele é possível (como vimos pela Regra do Meio) e dá origem a uma matriz 1 x 2 (como vimos pela Regra das Pontas). É definido sim. Alternativa errada.

Percebam que, nessa questão, não foi necessário fazer o produto para chegar à alternativa correta. Só analisando as alternativas já era possível encontrar a resposta.

Como

treinarmos.

nosso

objetivo

é

aprender,

vou

fazer

o

produto

aqui

para

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Bem, o produto proposto é:

PROFESSORA: KARINE WALDRICH Bem, o produto proposto é: Começamos com as primeiras duas matrizes: ] ]

Começamos com as primeiras duas matrizes:

proposto é: Começamos com as primeiras duas matrizes: ] ] Agora fazemos a segunda parte do
proposto é: Começamos com as primeiras duas matrizes: ] ] Agora fazemos a segunda parte do

]

]

Agora fazemos a segunda parte do produto proposto:

].
].

= [

] Agora fazemos a segunda parte do produto proposto: ]. = [ = [ Ou seja,

= [

fazemos a segunda parte do produto proposto: ]. = [ = [ Ou seja, como vimos,

Ou seja, como vimos, a alternativa A é a correta.

Resposta: Letra A.

Questão 4 – CESGRANRIO/TRANSPETRO/Téc. Enfermagem/2011

A Tabela I apresenta as quantidades médias de combustível, em litros, vendidas semanalmente em três postos de abastecimento de uma mesma rede. O preço praticado em um dos postos é o mesmo praticado pelos outros dois. Esses preços, por litro, em duas semanas consecutivas, estão apresentados na Tabela II.

duas semanas consecutivas, estão apresentados na Tabela II. Prof. Karine Waldrich www.pontodosconcursos.com.br 2 2

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH Seja a matriz que apresenta os valores médios arrecadados

Seja a matriz que apresenta os valores médios arrecadados em cada um dos três postos, por semana, com a venda de combustíveis.

Identificando-se A t e B t como as matrizes transpostas de A e de B, respectivamente, a matriz C é definida pela operação

(A)

A . B

(B)

A t . B t

(C)

B . A

(D)

B t . A

(E)

B t . A t

Achei essa questão bem interessante, pois ela mostra o produto de matrizes sendo aplicado na prática.

Ela é grande e parece difícil, mas não é, só requer atenção e os conhecimentos que vimos.

Bem, primeiramente, vamos ver o que a questão quer: a matriz C 2x3 , que apresenta os valores médios arrecadados em cada um dos três postos, por semana, com a venda de combustíveis.

Não vamos pensar no conteúdo dela. Mas é uma matriz da forma:

Coluna: $ POSTO c 11 c 12 c 13  C 2x3 =  
Coluna:
$
POSTO
c
11
c
12
c
13
C 2x3 =  
Linha: SEMANA
c
21
c
22
c
23

Assim, temos uma matriz que possui 2 linhas (uma para cada semana) e 3 colunas (uma para cada posto). Essa matriz é o resultado do produto de A (ou A t ) por B (ou B t ), ou até mesmo de B (ou B t ) por A (ou A t ).

Ou seja, há inúmeras possibilidades, e o que a questão quer é saber qual delas, exatamente, leva à matriz C acima.

Bem, como não sabemos, vamos começar imaginando que C é o produto entre A.B, simplesmente. Se for assim, temos:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Coluna: Coluna: POSTO SEMANA  a a 11 a 12 13   b 11
Coluna:
Coluna:
POSTO
SEMANA
 a
a 11
a
12
13
b
11
b
12
Linha: VOLUME
COMBUSTÍVEL
Linha:
a 21
22
a
23
.
b
21
b
22
  a
$COMBUSTÍVEL
a 31
32
a
33
b
31
b
32
  a
 
 
MATRIZ A
MATRIZ B
3 x 3
3 x 2

Regra do Meio Multiplicação OK Regra das Pontas Matriz Resultante = 3 x 2

A matriz C, pedida no enunciado, é 2 x 3. Então, o produto não pode ser A.B simplesmente, porque esse produto gera uma matriz 3 x 2.

Como a matriz que tem número de linhas diferente do número de colunas é a matriz B, vamos ver como é o produto de A.B t . Ver se esse produto resulta numa matriz 2 x 3.

Coluna: Coluna: POSTO $COMBUSTÍVEL  a a 11 a 12 13  Linha: VOLUME COMBUSTÍVEL
Coluna:
Coluna:
POSTO
$COMBUSTÍVEL
a a
11
a
12
13
Linha: VOLUME
COMBUSTÍVEL
b
11 b
b
21
31
Linha: SEMANA
a 21
a
22
a
23
.
b
12 b
b
22
32
a 31
a
32
a
33
 
MATRIZ A
MATRIZ B t
3 x 3
2 x 3

Regra do Meio Multiplicação NÃO OK Os números são diferentes

Assim, essa multiplicação não é possível, pela Regra do Meio. No entanto, percebam que B t possui 3 colunas. Se invertemos a ordem entre A e B t , a multiplicação será possível. Vejam:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Coluna: Coluna: $ POSTO COMBUSTÍVEL  a a 11 a 12 13   b
Coluna:
Coluna:
$
POSTO
COMBUSTÍVEL
a a
11
a
12
13
b
11 b
b
21
31
Linha: SEMANA
Linha: VOLUME
.
a 21
a
22
a
23
b
12 b
b
22
32
COMBUSTÍVEL
a 31
a
32
a
33
 
MATRIZ B t
2 x 3
MATRIZ A
3 x 3

Regra do Meio Multiplicação OK Regra das Pontas Matriz Resultante = 2 x 3

Portanto, chegamos a uma matriz 2 x 3, ordem pedida pela questão para a matriz C. Essa matriz será o produto de cada preço de combustível vendido por semana (as linhas da matriz B t ), pelo volume de combustível vendido em cada posto (as colunas da matriz A).

Portanto, C = B t .A

Resposta: Letra D.

Questão 5 – CESGRANRIO/PETROBRÁS/Economista/2008

Considere as três matrizes abaixo.

Considere as três matrizes abaixo. Pode-se afirmar que (A) não é possível somar as

Pode-se afirmar que

(A)

não é possível somar as matrizes B e C.

(B)

a matriz B é simétrica.

(C)

a matriz C é uma matriz identidade.

(D)

a matriz C é a inversa de B.

(D) a matriz C é a inversa de B.

(E)

o produto de matrizes BA é igual a

Essa é uma questão simples, mas que engloba vários aspectos de matrizes.

Passemos diretamente à análise das alternativas:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

(A) não é possível somar as matrizes B e C.

Como vimos, para a adição e subtração de matrizes, é necessário que as matrizes possuam o mesmo número de linhas e de colunas (a mesma ordem). As matrizes A e B são 2 x 2. Portanto, as matrizes B e C possuem o mesmo número de linhas (2 linhas) e o mesmo número de colunas (2 colunas), sendo possível somá-las. Alternativa falsa.

(B) a matriz B é simétrica.

Uma matriz é simétrica quando a sua transposta é igual à matriz original. A transposta da matriz B é a matriz (ao fazer a transposta, pense sempre: LINHA VIRA COLUNA. Ajuda a não errar):

B =

B t =

2

2

2

3

3

3

2

3

Como B t é diferente da matriz B, a matriz B não é simétrica. Alternativa falsa.

(C) a matriz C é uma matriz identidade.

A matriz identidade é a matriz em que os elementos da diagonal valem 1 e

todos os outros valem 0:

I =

1

0

0

1

Portanto, a matriz C não é a matriz identidade. Alternativa falsa.

(D) a matriz C é a inversa de B.

Para essa alternativa estar certa, temos que ter o seguinte resultado:

B =

C =

2

2

0

0

3

3

1

1

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

I =

1

0

B.C =

0

1

2

2

3

3

.

0

0

1

1

=

2.0 3.0 2.1 3.1

2.0 3.0 2.1 3.1

+

+

+

+

=

0

0

5

5

Portanto, a matriz C não é a inversa de B, pois ela não resulta na matriz identidade. Alternativa falsa.

(E) o produto de matrizes BA é igual a

Alternativa falsa. (E) o produto de matrizes BA é igual a Bem, como todas as alternativas

Bem, como todas as alternativas anteriores estão falsas, já poderíamos marcar esta como a correta. Vamos, no entanto, resolver, assim aprendemos a multiplicação.

Primeiramente, fazemos a Regra do Meio para ver se a multiplicação é possível:

B x A

2 x 2

2 x 1

Regra do Meio: 2 = 2 -> Produto possível Regra das Pontas: 2 x 1 -> Matriz resultante

Agora procedemos ao produto, já sabendo que a matriz resultante é 2 x 1 (duas linhas e uma coluna):

BA =

2

2

3

3

.

1  

2

=

+

2.1 3.2

2.1 3.2

+

=

8  

 

8

Portanto, a alternativa correta é a letra E.

Resposta: Letra E.

Questão 6 – ESAF/SEFAZ SP/AFC/2009

O determinante de uma matriz 3X3 é igual a x. Se multiplicarmos os três elementos da 1a linha por 2 e os três elementos da 2a coluna por -1, o determinante será:

(A)

-x 2

(B)

-2x 2

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

(C)

(D)

(E)

-2x

x 2

4x 2

Pronto. Chegamos às questões de determinantes, campeãs em prova. Propriedades dos determinantes, então, são disparadamente cobradas. E é sobre este assunto que esta questão trata.

Temos uma matriz 3 x 3 cujo determinante é igual a x. O enunciado propõe:

1) Multiplicar os elementos da primeira linha por 2; 2) Multiplicar os elementos da segunda coluna por -1.

Vamos recordar o que vimos acima sobre isso?

O que

 

Casos

   

Exemplos

acontece?

   
 

1

Trocando

determinan te muda de sinal

 

A

=

  1 Trocando determinan te muda de sinal   A = = -2
  1 Trocando determinan te muda de sinal   A = = -2

= -2

filas de

 

lugar

lugar
lugar
   

B =

= 2

det B = - det

 

A

 

2

Multiplicand o uma fila por k

determinan

 

A

=

2 Multiplicand o uma fila por k determinan   A = = -2
2 Multiplicand o uma fila por k determinan   A = = -2

= -2

te fica

 

multiplicado

 
multiplicado      
 
multiplicado      
 
 

por k

B =

= 2.(-2) = -

Determinante se altera

4

3

Multiplicand

determinan te fica multiplicado por k n

 

A

=

3 Multiplicand determinan te fica multiplicado por k n   A = = -2
3 Multiplicand determinan te fica multiplicado por k n   A = = -2

= -2

 

o uma

 

matriz de

 

ordem n

B =

ordem n B = = 2 2 .(-2) =
ordem n B = = 2 2 .(-2) =

= 2 2 .(-2) =

por k

 

4.(-2) = -8

 

4

Multiplicand o uma matriz A por outra matriz

determinan te é o produto dos determinante

 

A

=

  4 Multiplicand o uma matriz A por outra matriz determinan te é o produto dos
  4 Multiplicand o uma matriz A por outra matriz determinan te é o produto dos

= -2

B =

B = = -17
= -17

= -17

B

s de A e B

 

det A.B = det A.det B

det A.B = det A.det B = (-2).(-17) = 34

 

5

Matriz

determinan te é dado por:

det A -1 =

determinan te é dado por: det A - 1 =
 

A

=

  5 Matriz determinan te é dado por: det A - 1 =   A =
  5 Matriz determinan te é dado por: det A - 1 =   A =

= -2

Inversa

 

A -1 =

A - 1 = (vimos
A - 1 = (vimos

(vimos

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

este cálculo mais acima, quando estudamos matriz inversa)

det A -1 =

acima, quando estudamos matriz inversa) det A - 1 = Pelo caso 2, quando multiplicamos uma

Pelo caso 2, quando multiplicamos uma fila por k, o determinante também fica multiplicado por k. Nesta questão, segundo o enunciado, isso aconteceu duas vezes. Portanto, temos:

det B = k.det A = 2.(-1).x = -2x.

Resposta: letra C.

Questão 7 – FCC/MPE-RS/Agente Administrativo/2010

Considere as matrizes

FCC/MPE-RS/Agente Administrativo/2010 Considere as matrizes Sendo Q o produto das matrizes M e P, nessa ordem,

Sendo Q o produto das matrizes M e P, nessa ordem, ou seja, Q = MP,

o determinante da matriz Q é igual a

(A)

(A)

(B)

(B)

(C)

(C)

(D)

(E)

(D) (E)
(D) (E)

Existem duas maneiras de se resolver esta questão. A primeira é realizando o produto proposto M.P e calculando o determinante. Mas, cá entre nós, vocês não acham muito melhor calcular o determinante de cada uma das matrizes M e P e depois utilizar a propriedade que já estudamos, de quê det A.B = det A.det B?

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Bem

questão, ok?

eu acho essa última maneira mais fácil e é deste jeito que resolverei a

maneira mais fácil e é deste jeito que resolverei a det M = = - det

det M =

= -
=
-

det P =

= -
=
-

det M.P = det M.det P =

.
.

) =

a det M = = - det P = = - det M.P = det M.det

Resposta: Letra C.

Questão 8 – FCC/BAHIAGÁS/APO-Engenharia/2010

Considere as matrizes abaixo:

Considere as matrizes abaixo: O valor de x para que det M 1 = det M

O valor de x para que det M 1 = det M 2 é:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

2.

4.

8.

10.

12.

Essa questão mistura álgebra e determinantes. Ela insere o valor da incógnita x dentro da matriz, e pede o valor desta incógnita que satisfaça a igualdade det M 1 = det M 2 .

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Acho que já deu para perceber por onde começar, certo? Inicialmente, vamos descobrir o valor dos determinantes!

Inicialmente, vamos descobrir o valor dos determinantes! det M 1 = 3x – 2.9 = 3x

det M 1 = 3x – 2.9 = 3x – 18

dos determinantes! det M 1 = 3x – 2.9 = 3x – 18 det M 2

det M 2 = 2.(-2).1 + 2.2.x +3.0.(-1) – (-1).(-2).x – 2.0.2 – 2.3.1 det M 2 = -4 + 4x + 0 – 2x – 0 – 6 = 2x - 10

Pronto. Temos as equações para det M 1 e para det M 2 . Como o enunciado pede o valor de x para que det M 1 = det M 2 , basta igualar as equações:

det M 1 = det M 2 . 3x –18 = 2x – 10 3x – 2x = -10 +18 x = 8

Resposta: letra C.

Questão 9 – ESAF/ANA/Analista/2009

O determinante da matriz

9 – ESAF/ANA/Analista/2009 O determinante da matriz (A) 0 (B) 2b – c (C) a +

(A)

0

(B)

2b – c

(C)

a + b + c

(D)

6 + a + b + c

(E)

2bc + c - a

Vamos à resolução:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH det B = 2.b.c + a.(2+b).0 + 1.c.(4+a) – (4+a).b.0 –

det B = 2.b.c + a.(2+b).0 + 1.c.(4+a) – (4+a).b.0 – (2+b).c.2 – a.1.c

det B = 2bc + 4c + ac – 4c – 2bc – ac

det B = 0

Resposta: letra A.

Questão 10 – ESAF/RFB/ATA/2009

Seja uma matriz quadrada 4 por 4. Se multiplicarmos os elementos da

segunda linha da matriz por 2 e dividirmos os elementos da terceira

linha da matriz por -3, o determinante da matriz fica:

(A)Multiplicado por -1.

(B)Multiplicado por -16/81.

(C) Multiplicado por 2/3.

(D)Multiplicado por 16/81.

(E) Multiplicado por -2/3.

Este tipo de questão é nosso velho conhecido. Ele cita uma matriz de ordem 4,

e pede o que acontece com o determinante quando a matriz é multiplicada e dividida por números reais.

Para resolvê-la, utilizamos os conhecimentos das propriedades dos determinantes, que já vimos nesta aula e em questões anteriores. Estão vendo como essas questões que envolvem propriedades são recorrentes? Tem que saber, pessoal

Vamos lá, começamos supondo que a matriz citada no enunciado (antes das operações) seja a matriz A, com det = A.

A questão indica que ocorreram duas operações:

1) Multiplicação dos elementos da segunda linha por 2; 2) Divisão dos elementos da terceira linha por -3.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

O que

acontece?

Casos

Exemplos

2

Determinante se altera

Multiplicand o uma fila por k

determinan

te fica

multiplicado

por k

B =

A =

fila por k determinan te fica multiplicado por k B = A = = -2 =

= -2 -2

por k determinan te fica multiplicado por k B = A = = -2 = 2

= 2 .(-2) = - 2.(-2) = -

4

Bem, de acordo com o nosso quadro, quando multiplicamos ou dividimos uma

fila de matriz por um número k, o determinante também fica multiplicado por

k.

Temos, então (supondo que a nova matriz, após as mudanças, seja a matriz B).

det B = 2. 1

-3

det

A = -

2

3

det

A.

Assim, o determinante da matriz fica multiplicado por –2/3.

Resposta: letra E.

Questão 11 – ESAF/MPOG/EPPGG/2008

Uma matriz X de quinta ordem possui determinante igual a 10. A

matriz B é obtida multiplicando-se todos os elementos da matriz X por

10. Desse modo, o determinante da matriz B é igual a:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

10

10

10

10

10

-6

5

10

6

3

Mais uma questão que utiliza as propriedades. Mas agora, temos a utilização de uma propriedade “nova”. Digo “nova” porque, na verdade, ela nada mais é do que a propriedade que vimos na questão anterior (de fila de matriz multiplicada por k). Tal propriedade é:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

O que

acontece?

Casos

Exemplos

3

Determinante se altera

Multiplicand

o uma

matriz de

ordem n

por k

determinan te fica multiplicado por k n

B =

A =

n por k determinan te fica multiplicado por k n B = A = = -2

= -2 -2

k determinan te fica multiplicado por k n B = A = = -2 = 2

= 2 2 .(-2) = 2 2 .(-2) =

4.(-2) = -8

Assim, de acordo com o enunciado, temos a matriz X, e det X = 10. Temos também que a matriz B é obtida multiplicando-se todos os elementos da matriz X por 10. Ou seja, segundo a tabela acima, neste caso, temos que:

det B = k 5 .det X = 10 5 .10 = 10 6

Resposta: letra D.

Questão 12 – ESAF/RFB/AFRFB/2009

Com relação ao sistema:

12 – ESAF/RFB/AFRFB/2009 Com relação ao sistema: onde 3 z + 2 ≠ 0 e 2

onde 3 z + 2 ≠ 0 e 2 x + y ≠ 0 , pode-se, com certeza, afirmar que:

(A)

é impossível.

(B)

é indeterminado.

(C)

possui determinante igual a 4.

(D)

possui apenas a solução trivial.

(E)

é homogêneo.

Eu tenho uma super-bronca desta questão

deveria ter sido anulada por possuir duas respostas (conforme o jeito como é resolvida). Eu resolvi e cheguei no valor que não está entre as alternativas. Quando fui entregar a prova, marquei qualquer letra no gabarito.

Ela caiu no meu concurso e

Resultado: esta foi a única, das 20 questões de Raciocínio Lógico do concurso da Receita, que eu não acertei.

É claro que eu não fico chateada por errar uma questão. Mas acho um absurdo quando você conhece o conteúdo de uma questão e erra por causa de

esse é o mundo dos concursos, é assim

alternativas mal-feitas. Mas enfim mesmo e não tem jeito

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

Essa questão apresenta um sistema linear a ser solucionado, mas uma das equações está na forma de fração. Para transformá-lo num sistema convencional, basta “multiplicar em cruz”, reorganizando as incógnitas. Vamos lá:

multiplicado em cruz, resulta em: 2x – y = 3z + 2 2x – y - 3z = 2 2x – y - 3z = 2

multiplicado em cruz, resulta em: z + 1 = 2x + y -2x - y + z = -1 -2x - y + z = -1

Ou seja, o sistema fica:

x + y + z = 1 2x – y - 3z = 2 -2x - y + z = -1

Para saber se o sistema é possível e determinado, possível e indeterminado ou impossível temos que calcular o determinante da matriz dos coeficientes x, y, e z (o nosso DEZÃO). Tal determinante é igual a -4, ou seja, o sistema é possível e determinado.

Vamos para as respostas?

a) é impossível. (Falso, pois o sistema é possível e determinado)

b) é indeterminado. (Falso, pois o sistema é possível e determinado)

c) possui determinante igual a 4. (Falso (por enquanto, como veremos

abaixo), pois o determinante é igual a -4)

d) possui apenas a solução trivial. (Falso. Solução trivial é aquela que

ocorre quando os termos independentes são iguais a zero, ou seja, a solução trivial é x=0, y=0 e z=0. Mas neste sistema os termos independentes são diferentes de zero! Ou seja, não admite a solução trivial)

e) é homogêneo. (Falso. Sistema homogêneo é aquele em que os termos

independentes são iguais a zero, dando origem a um sistema possível que admite apenas a solução trivial que vimos acima. Novamente, não é o caso do nosso sistema!)

E agora? Nenhuma das respostas está certa! Mas

o gabarito veio letra “c”.

Vejam só, nessa questão, aconteceu o seguinte: dependendo da maneira como você “multiplicava em cruz” (reorganizava as frações do sistema), o determinante da matriz dos coeficientes resultava em 4 ou –4.

Vejam só a resolução desse jeito:

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

multiplicado em cruz, resulta em: 2x – y = 3z + 2 -> : 2x – y - 3z 2x – y - 3z

= 2

multiplicado em cruz, resulta em: z + 1 = 2x + y -> 2x + y - z = 1 2x + y - z = 1

Desta forma, o sistema fica:

x + y + z = 1 2x – y - 3z = 2 2x + y - z = 1

Resolvendo o determinante da matriz dos coeficientes

Encontramos o 4.

Ou seja, dependendo da maneira como o sujeito resolveu o sistema na hora da prova, ele encontrou 4 ou -4. Mas, para a ESAF, isso não importou, recurso não adiantou, e a questão foi mantida com este gabarito.

Moral da história: saibam que, em questões de sistema, “a ordem dos tratores

altera o viaduto” rs

que, multiplicando uma das linhas por -1, o determinante também fica multiplicado por -1. Reparem que, dependendo da forma como o sistema é

causando a troca

Isso porque uma das propriedades dos determinantes é

resolvido, podemos ter uma das linhas com sinal trocado

de sinal no determinante também. É claro que a banca também errou e

com

certeza, afirmar que

determinante é igual a 4, como vimos acima.

E não se pode afirmar com certeza que o

deveria ter anulado a questão, pois o enunciado dizia: “

pode-se,

”.

Resposta: letra C.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

3. Memorex

 

OPERAÇÕES COM MATRIZES

 

Operação

Comparativo com as operações “normais”

Particularidades

Exemplos

 

Sem diferenças. Somar as matrizes A + B é igual somar 1 + 1. Ou seja:

(A + B) + C =

 

Simplesmente somamos os elementos respectivos:

+

+
+

A

+ (B + C)

 

Adição de

 

- Só se pode somar matrizes com a mesma ordem

 

Matrizes

(Obedece

à

propriedade

(A + B)

Associativa)

------

 

A

+ B = B + A

 

(Obedece

à

propriedade

Comutativa)

 

Sem diferenças. Multiplicar um número k por uma matriz é como multiplicar um número k por outro número. Ou seja:

   

Produto

de um

x (p x B) = (kp) x B

k

 

Simplesmente

multiplicamos:

número

(Obedece

à

por uma

matriz

k.A

propriedade

Associativa)

Não há

2 x

2 x

------

k

x (A + B) =

 

k

x A + k x B

(Obedece

à

propriedade

Distributiva,

em

relação

a

uma

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

 

adição)

     

------

(k

+ p) x A =

k

x A + p x A

(Obedece

à

propriedade

Distributiva,

em

relação

a

uma

adição

de

números)

 

Há diferenças em relação a um produto “normal”.

1) REGRA DO MEIO: determina se a multiplicação é possível.

diferenças em relação a um produto “normal”. 1) REGRA DO MEIO: determina se a multiplicação é
 

Matriz A = ordem

 
 

Vejamos:

3

x 2

Primeiramente, aplicamos as regras vistas:

(A

. B) . C =

Matriz B = ordem

A

. (B . C)

2

x 4

3) REGRA DO MEIO: 2

 

3 x

2 e 2
2
e 2
 

x

2 e 2 x 2 =

(Obedece

à

x 4

multiplicação

propriedade

possível. 4) REGRA DAS

Associativa)

IGUAL

 

PONTAS: 2 x 2 e 2

------

 

Ou seja, A.B = possível.

x

2 = matriz

Produto

 

resultante = 2 x 2.

duas

matrizes

A.B

A . (B + C) =

A . B + A . C

 

2) REGRA DAS PONTAS:

Feito isso, passamos à multiplicação das matrizes, obedecendo ao seguinte esquema:

(Obedece

à

determina a ordem da matriz resultante. Ex:

propriedade

Distributiva)

 

------

FIQUE

ESPERTO!!!

Matriz A = ordem

3

x 2

------ FIQUE ESPERTO!!! Matriz A = ordem 3 x 2 =
------ FIQUE ESPERTO!!! Matriz A = ordem 3 x 2 =

=

 

Matriz B = ordem

  Matriz B = ordem

A.B ≠ B.A

 

2

x 4

(NÃO OBEDECE à

propriedade

3
3
4
4

x 2 e 2 x

= Matriz
= Matriz

= Matriz

Comutativa)

 

3

x 4

resultante

 

MATRIZ

RESULTANTE

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO PROFESSORA: KARINE WALDRICH

 

MATRIZES ESPECIAIS

 

Variação

Definição

 

Particularidades

Como calcular?

 
   

1) A

 

matriz

 
 

transposta de uma

O que é linha passa a ser coluna, o que é coluna passa a ser linha.

matriz

transposta

é a matriz original

A

matriz

(A t ) t = A

   

transposta

uma matriz

a

de

é

mesma

2) A

matriz

 

A

=

transposta uma matriz a de é mesma 2) A matriz   A =
transposta uma matriz a de é mesma 2) A matriz   A =
transposta uma matriz a de é mesma 2) A matriz   A =
transposta uma matriz a de é mesma 2) A matriz   A =

Matriz

Transposta

matriz

é

só que

O

linha

“deitada”.

que

 

transposta de uma soma de matrizes

equivale à

próprias

matrizes

soma

das

A t = Matriz transposta de A =

A

 

passa

a

ser

transpostas

   
A   passa a ser transpostas      
A   passa a ser transpostas      
 

t

coluna,

e

o

 

que é coluna,

(A + B) t = A t + B t

passa

a

ser

 

linha.

3)

(kA) t = k . A t

 

4)

(AB) t = B t . A t

5)

Se A t = A, a matriz

A

é

chamada de

matriz simétrica.

     

Para calcular, não há fórmula mágica, utilizamos a própria lógica da matriz inversa. Veja:

É a matriz tal que A.A -1 = Matriz Identidade

 

1) Só existem inversas de matrizes quadradas (n x n)

 

A

=

a matriz tal que A.A - 1 = Matriz Identidade   1) Só existem inversas de
a matriz tal que A.A - 1 = Matriz Identidade   1) Só existem inversas de

Matriz

Matriz . =
.
.
Matriz . =
=

=

Matriz . =
Matriz . =

Inversa

A

-1

Ou seja,

     

a + 2c = 1

 
   

b + 2d = 0