Sei sulla pagina 1di 19
Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Excelentíssimo(a) Senhor(a) Juiz(íza) Federal da no Estado de Pernambuco.

ª Vara da Seção Judiciária

Ação de Improbidade Administrativa n. 33/2007

Ref.: Procedimento Administrativo MPF/PR/PE n. 1.26.000.002555/2006-28

O Ministério Público Federal, pela procuradora da República infra assinada, vem, com fulcro no art. 37, §4º, da Constituição Federal e no art. 17 da Lei n. 8.429/92, e com base nos fatos apurados nos autos do procedimento em referência, perante Vossa Excelência, propor a presente

Ação Civil de Improbidade Administrativa em face de

Quirino Fábio de Carvalho, brasileiro, ex-prefeito do Município de São José da Coroa Grande/PE,inscrito no CPF/MF sob o nº 193.124.584-34 E R.G. Nº 1.562.842 SSP/PE, domiciliado na Rua do Condomínio Residencial Clube Gameleira, São José da Coroa Grande/PE, CEP 55565-000;

Deolinda Maria da Silva, brasileira, ex-secretária da Educação do Município de São José da Coroa Grande/PE, inscrita no CPF/MF sob o nº 353.750.354.-72, domiciliada na Av. Boa Viagem, 158, 1º andar, apt. 211, Boa Viagem, Recife/PE, CEP 51.011-000;

Edson Bezerra Silva Representação Caruaru-ME, criada em 14/05/99, inscrita no CNPJ sob o nº 03.130.681/0001-09, sediada na Rua Major João Coelho, nº 531-A, Cohab III, Caruaru/PE, devendo ser citada na pessoa de seu Representante, Sr. Edson Bezerra da Silva, brasileiro, solteiro, comerciante, portador do CPF nº 697.557.364-68,

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

domiciliado na Rua Pedro Gomes da Silveira, 45, Alto da Balança, Caruaru/PE, CEP 55.000-000;

Adriana B. Santos-ME, criada em 14/06/99, inscrita no CNPJ sob o nº 01.228.339/0001-54, sediada na Rua Mestre Pedro, 32-A, Centro, Caruaru/PE, devendo ser citada na pessoa de seu Representante, Sra. Adriana Barbosa Santos, brasileira, casada, comerciante, portadora do CPF 728.598.574-00 e R.G. nº 3.983.421 SSP/PE, domiciliada na Avenida Joaquim Nabuco, 779, Divinópolis, Caruaru/PE, CEP 55000-

00;

Benedito Soares da Silva, brasileiro, divorciado, comerciante, nascido em 11/01/1937, inscrito no CPF/MF sob o nº 022.545.304-53 e R.G. nº 541.435 SSP/PE, domiciliado na Rua 49, nº 105, Cohab III, Caruaru/PE ou Av. João de Barros 30, Boa Vista, Recife/PE.

pelos motivos de fato e direito a seguir expostos:

DOS FATOS

Em 11 de agosto de 1999 foi celebrado o Convênio n. 61/99-SLL entre o Ministério da Cultura - MinC, e o Município de São José da Coroa Grande/PE, então representado pelo seu ex-prefeito Quirino Fábio de Carvalho, ora réu, tendo por objeto a aquisição de mobiliário, equipamento e acervo bibliográfico para a implantação de uma biblioteca pública na sede do município (fls. 65/75, Anexo I - vol.I 1 ).

Em razão do referido acordo foi transferido à municipalidade o montante de R$ 40.000,00 mediante a Ordem Bancária nº 281453, de 20/8/1999 (fl. 89, Anexo I – vol. I), sendo creditado na conta corrente específica em 25/08/99, conforme cópia do extrato de fl. 143 (Anexo I – vol. I)

Por oportuno, vale dizer que para o cumprimento do aludido convênio foi realizada licitação, na modalidade convite, tombada sob o nº 24/99, vencida pela empresa Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME.

Mesmo tendo sido notificado pelo MinC em 25/5/2000 (fl. 93, Anexo I – vol. I) mediante o Ofício SLL/Nº 283/2000, a prestação de contas do convênio só foi apresentada pelo ex-prefeito, ora réu, em 26/12/2000 (fl. 94, Anexo I – vol. I), quase um ano após a expiração do prazo em 8/1/2000 (fl.93, Anexo I – vol. I). É de se

1 Todas as folhas mencionadas no corpo da presente petição inicial dizem respeito à numeração do Procedimento Administrativo MPF/PR/PE n. 1.26.000.002555/2006-28, que a instrui, observando-se que as folhas constantes nos anexos do aludido procedimento se referem à numeração conferida pela SECEX/PE.

2

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

notar que a referida prestação de contas foi encaminhada pelo ex-prefeito mediante ofício datado de 11/11/99 (fl.96, Anexo I – vol. I).

Às fls. 115/116 (Anexo I – vol. I), repousa o Ofício nº 042/2001-GAB, da Diretora Executiva da Biblioteca Pública Estadual/PE, encaminhado à Secretaria de Política Cultural do Ministério da Cultura em 12/2/2001, relatando as condições precárias em que se encontrava a biblioteca municipal de São José da Coroa Grande.

Já à fl. 117 (Anexo I – vol. I) consta ofício encaminhado por membro da Câmara Municipal de São José da Coroa Grande ao MinC, solicitando a realização de fiscalização naquela edilidade para apurar a destinação das verbas do aludido convênio, pois havia rumores de que os recursos não teriam sido adequadamente utilizados.

Em dezembro de 2001 foi realizada a fiscalização requerida por técnicos do MinC, cujo relatório às fls. 120/122 (Anexo I – vol. I) concluiu pela veracidade das denúncias apresentadas pela Câmara Municipal de São José da Coroa Grande/PE e pela Diretora Executiva da Biblioteca Pública Estadual/PE, constatando, principalmente, que: 1) as notas fiscais referentes aos itens licitados não identificavam o número do convênio, nem continham o atesto de recebimento das mercadorias; 2) a biblioteca funcionava em local inadequado e com estrutura precária; 3) as estantes encontradas se apresentavam antigas, sendo que já existiam antes do firmamento do convênio segundo a servidora presente no momento da fiscalização; 4) a maior parte do mobiliário não havia sido localizada, e seis mesas com quatro cadeiras teriam sido recebidas recentemente; 5) inexistia demonstrativo do acervo adquirido da empresa vencedora; 6) os livros encontrados nas prateleiras continham, todos, carimbo de doação, estando alguns deles ultrapassados e sem finalidade, segundo os responsáveis pela biblioteca; e 7) tais funcionários desconheciam as aquisições de livros provenientes do convênio objeto desta ação.

Assim, em face do não cumprimento do convênio conforme pactuado, a equipe de fiscalização do MinC propôs a devolução dos recursos transferidos em sua totalidade.

Em seguida, o Sr. Quirino Fábio de Carvalho foi notificado (fl.144, Anexo I – vol. I) para proceder à devolução dos recursos ao cofre do Tesouro Nacional. Contudo, como o responsável permanceu inerte, a Setorial de Contabilidade do MinC instaurou tomada de contas especial contra o ex-prefeito, tombado no Tribunal de Contas da União sob o nº TC-005.805/2003-8.

No âmbito do TCU, ao final de toda a instrução, o referido processo foi submetido ao Plenário, que decidiu (fl. 5/6):

3

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

“9.1. julgar irregulares as contas do Sr. Quirino Fábio de Carvalho, ex- Prefeito Municipal de São José da Coroa Grande/PE, da empresa Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME, do Sr. Benedito Soares da Silva, procurador da empresa Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME, dos Senhores José Carlos do Canto, Aristides Felipe Santiago,

Jair do Nascimento Silva, então membros da comissão municipal de licitação,

e da Sra. Deolinda Maria da Silva, ex-Secretária Municipal de Educação,

condenando-os, solidariamente, ao pagamento de débito na quantia de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais), atualizada monetariamente e acrescida dos juros de mora devidos, calculados a partir de 25/8/1999, fixando-lhes o prazo de 15 (quinze) dias a contar da notificação, para comprovar, perante o Tribunal, o recolhimento da dívida aos cofres do Tesouro Nacional, com fundamento nos artigos 1º, inciso I; 16, inciso III, alínea 'd' e § 2º; 19, caput; 23, inciso III, todos da Lei nº 8.443/1992 e artigo 214, inciso III, alínea a, do Regimento Interno do TCU; (Vide Acórdão 841/2007 Plenário - Ata 20. onde se lê: Jair do Nascimento Silva, leia-se: Jair do Nascimento Chaves.)

9.2. aplicar multa individual ao Sr. Quirino Fábio de Carvalho, à empresa

Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME, ao Sr. Benedito Soares da Silva, ao Sr. José Carlos do Canto, ao Sr. Aristides Felipe Santiago, ao Sr. Jair do Nascimento Silva e à Sra. Deolinda Maria da Silva no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), com supedâneo no artigo 57 da Lei 8.443/1992, fixando-lhes o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da notificação, para comprovar, perante este Tribunal, o recolhimento da referida quantia aos cofres do Tesouro Nacional; (Vide Acórdão 841/2007 Plenário - Ata 20 da Relação VC054-20/07-P. "onde se lê: Jair do Nascimento Silva, leia-se: Jair do Nascimento Chaves".)

9.3. autorizar, desde logo, nos termos do art. 28, inciso II, da Lei nº 8.443/92,

a cobrança judicial das dívidas, caso não atendidas as notificações para

pagamento;

9.4 declarar, pelo prazo de 5 (cinco) anos, a inidoneidade da empresa Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME para participar de licitações que envolvam a aplicação de recursos da Administração Pública Federal, inclusive quando descentralizados mediante convênios, acordos, ajustes ou outros instrumentos congêneres, com fundamento no artigo 46 da Lei

8.443/1992;

9.5. remeter cópia dos autos ao Ministério Público da União para ajuizamento das ações cabíveis, de acordo com o artigo 16, § 3º, da Lei 8.443/1992.”

Vale observar que o Ministro-Relator Valmir Campelo, em seu voto condutor, fundamentou que os réus não conseguiram demonstrar que “o certame foi precedido de planejamento adequado, com prévia definição do acervo bibliográfico e dos equipamentos a serem adquiridos”, nem provaram a efetiva aquisição e utilização do material licitado. Asseverou também o Min. Relator que o Convite nº

4

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

24/99 configurou-se numa nítida fraude à licitação, com o único objetivo de promover o desvio da verba proveniente do convênio em comento.

Por fim, encaminhou-se ao Ministério Público Federal cópia dos autos do processo do TCU, o que motivou a instauração do Procedimento Administrativo n. 1.26.000.002555/2006-28 nesta Procuradoria da República, que instrui a presente ação.

DA LEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM

A Lei de Improbidade Administrativa dispõe:

“Art. 1° Os atos de improbidade praticados por qualquer agente público, servidor ou não, contra a administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinqüenta por cento do patrimônio ou da receita anual, serão punidos na forma desta lei.

Parágrafo único. Estão também sujeitos às penalidades desta lei os atos de improbidade praticados contra o patrimônio de entidade que receba subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público bem como daquelas para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com menos de cinqüenta por cento do patrimônio ou da receita anual, limitando-se, nestes casos, a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos.

Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, todo aquele que

exerce,

nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior.” (destaques acrescentados)

eleição,

ainda

que

transitoriamente

ou

sem

remuneração,

por

“Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no que couber, àquele que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.”

Os réus Quirino Fábio de Carvalho e Deolinda Maria da Silva eram, à época dos fatos, respectivamente, prefeito do Município de São José da Coroa Grande/PE e Secretária Municipal de Educação, sendo que esta última permanece na qualidade de servidora pública municipal, no cargo de professora (fls. 36/37)

Quirino Fábio de Carvalho firmou o convênio em questão, na condição de representante da municipalidade, responsabilizando-se, pois, pelo seu cumprimento. Todavia, o ajuste não foi devidamente cumprido e a sua prestação de

5

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

contas foi apresentada extemporaneamente e de forma incompleta, sem acervo probatório suficiente.

Por sua vez, Deolinda Maria da Silva atestou, sem a devida comprovação, o recebimento das mercadorias supostamente adquiridas à empresa Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME (fl. 7/8, Anexo I – vol. III).

Por outro lado, Benedito Soares da Silva e as empresas Edson Bezerra da Silva Representação Caruaru-ME e Adriana B. Santos-ME, embora não sejam agentes públicos, também devem integrar o pólo passivo da presente ação, nos termos do citado art. 3º da Lei nº 8.429/92, por haverem concorrido para a prática dos atos de improbidade administrativa em questão, sobretudo pelo fato de não terem conseguido comprovar a efetiva entrega do material ao município, dada a inexistência de comprovante de recebimento dos itens fornecidos.

Desse modo, forçoso reconhecer que os réus acima qualificados são partes legítimas para figurar no pólo passivo da presente demanda, tendo em vista serem responsáveis pela prática de atos que feriram a probidade administrativa que deve ser exigida de todos aqueles que lidem com o patrimônio público, em detrimento da União.

DA LEGITIMIDADE ATIVA AD CAUSAM DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E DA COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL

Em consonância com as funções institucionais do Ministério Público, descritas no art. 129 da Constituição Federal, os arts. 17 da Lei da Improbidade Administrativa e 6.º, XIV, “f”, da Lei Orgânica do Ministério Público da União atribuem, expressamente, ao Parquet legitimidade para o ajuizamento da ação civil por ato de improbidade administrativa.

Assim, tendo a presente ação o objetivo de apurar a responsabilidade dos demandados pela prática de atos de improbidade em detrimento da União, relacionados com a aplicação de recursos repassados pelo Ministério da Cultura ao Município de São José da Coroa Grande/PE, demonstrada está a legitimidade ativa ad causam do Ministério Público Federal e a competência da Justiça Federal para processar e julgar a demanda, nos termos do art. 109, I, da Constituição Federal.

DOS ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA VERIFICADOS

Em relação ao réu Quirino Fábio Carvalho

6

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Faltou o réu Quirino Fábio Carvalho com a probidade administrativa : I) ao deixar de prestar contas de recursos repassados ao Município de São José da Coroa Grande/PE por parte do Ministério da Cultura no tempo oportuno; II) ao prestá-las extemporaneamente e de forma incompleta; III) ao não executar o objeto do Convênio n. 61/99-SLL celebrado com o Ministério da Cultura conforme pactuado; IV) e ao realizar licitação sem atender aos mandamentos legais.

Como sabido, o dever de prestar contas dos recursos públicos recebidos está explicitado no parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal, segundo o qual “prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária”.

Em consonância com o dispositivo constitucional supra, o Decreto-lei n. 200/67, em seu art. 93, dispõe que quem quer que utilize dinheiro público terá de justificar seu bom e regular emprego na conformidade das leis, regulamentos e normas emanadas das autoridades administrativas competentes.

Frise-se, outrossim, que a Instrução Normativa da Secretaria do Tesouro Nacional n. 2/93, bem como a Instrução Normativa da Secretaria do Tesouro Nacional n. 1/97, vigentes à época do convênio em questão, também tratam da obrigatoriedade de prestação de contas ao órgão concedente que decidirá pela sua regularidade ou não.

De outro giro, a fiel execução do convênio, nas condições e prazos pactuados, é dever das partes que firmam o acordo. No caso concreto, a obrigação de prestar contas da execução do objeto pactuado estava expressamente prevista na cláusula oitava do instrumento (fls. 67/75, Anexo I – vol. I).

Com efeito, a conduta de deixar de prestar contas quando se é obrigado a fazê-lo configura uma das espécies de ato de improbidade administrativa, pois atenta contra os princípios da administração pública, violando os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições, nos termos do art. 11, VI, da Lei n. 8.429, de 1992, in verbis:

“Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente:

( )

VI - deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo;”

Desse modo, competia ao réu, na qualidade de gestor público, comprovar a boa e regular aplicação dos recursos públicos percebidos pela entidade

7

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

que ele representava, cabendo-lhe o ônus da prova da regularidade do seu emprego no âmbito administrativo, o que não ocorreu na hipótese.

Cumpre dizer que o ex-prefeito efetivamente apresentou a prestação de contas, ainda que intempestivamente. Contudo, conforme relatado na instrução realizada no âmbito da SECEX/PE durante a tomada de contas especial (fls. 269/273, Anexo I – vol. II), a prestação de contas entregue pelo réu QUIRINO mostrou-se incompleta, devido à ausência, na relação de bens que a integra, de menção ao acervo bibliográfico e do detalhamento dos equipamentos/materiais que teriam sido comprados.

Acrescente-se ainda que o Parecer Técnico e Financeiro nº 019/SLL/2002 (fls. 161/164, Anexo I – vol. I) foi contundente ao declarar a existência de diversas irrregularidades na prestação de contas apresentada, tornando evidente a prática de ato de improbidade por parte do referido réu.

Por outro lado, o ex-prefeito incorreu em ato de improbidade no momento em que não comprovou a regular aplicação dos recursos recebidos por intermédio do convênio em análise. Restou fartamente demonstrado no processo de tomada de contas que as metas e objetivos do convênio não foram alcançados, causando, conseqüentemente, prejuízo ao erário.

De fato, como foi dito anteriormente, a fiscalização realizada por técnicos do MinC em dezembro de 2001(fls. 120/122, Anexo I – vol. I) detectou diversas irregularidades na execução do convênio, concluindo pelo não atingimento do objetivo proposto. Sobre a questão, oportuno transcrever trecho do aludido relatório, in verbis:

“Quando da fiscalização 'in loco', fomos recebidos pela Sra. Valéria Maria da Silva Santos, responsável pela biblioteca que segundo a mesma, sem cargo definido, nos encaminhou às dependências da mesma. Constatamos que a biblioteca funcionava em um pequeno local da Secretaria de Educação, sem conforto, abafada e com vários objetos velhos empilhados nos cantos e com pouca estrutura para as expectativas apresentadas. Quando da localização dos materiais, objeto do convênio, localizamos algumas estantes em madeira apresentando antigas, um arquivo para fichas catalográficas com 2 gavetas já bastante deteriorado, que segundo a funcionária já existiam antes do firmamento do convênio, um computador com impressora (ambos desligados uma vez que não havia nenhum tipo de ligação elétrica para os mesmos) informado pela funcionária que foram provenientes de doação, por parte da Prefeitura. Não foram localizados a máquina de escrever, bem como a mesa

para a mesma, os balcões para empréstimos (02), os arquivos p/ pastas suspensas (02), das 03 (três) cadeiras p/ funcionários (apenas 01), os

bibliocantos em aço (20), das 10 (dez) mesas c/ 04 cadeiras (apenas 06), que segundo a funcionária nunca existiram.

8

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

As (06) seis mesas c/ 04 cadeiras encontradas, segundo a funcionária eram os únicos móveis novos, ora recebidos. Quanto aos acervos, não constava, nenhum demonstrativo nos

arquivos da Prefeitura ou Biblioteca, referente à aquisição, por parte da firma vencedora. Quando da verificação dos constantes nas prateleiras, todos se

dos

encontravam

com

carimbo

de

doação

que,

segundo

informações

responsáveis pela biblioteca, desconheciam de tais aquisições e que os

existentes necessitavam de modernização, uma vez que eram provenientes

anexas”.

de

doações,

alguns

ultrapassados

e

sem

finalidade,

fotos

(destaques acrescentados)

Dessa forma, a conduta do Sr. Quirino enquadra-se nitidamente no tipo disposto no art.10, caput, da Lei de Improbidade:

“Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta lei, e notadamente:”

Note-se que a lesão ao patrimônio público é patente, diante do não cumprimento do convênio.

Observe-se, por importante, que para se configurar ato de improbidade administrativa nos termos do dispositivo acima transcrito, é absolutamente irrelevante se o responsável pelo ato obteve qualquer vantagem, pois o foco, nesse caso, é o prejuízo ao patrimônio público, e não o enriquecimento ilícito do agente. Ademais, a caracterização da improbidade administrativa prescinde da constatação de dolo do agente, mas tão-somente da existência de culpa e, in casu, verifica-se que o ex-prefeito foi ao mínimo negligente na gestão das verbas recebidas pelo convênio com o MinC.

Por fim, o ex-prefeito deve ser condenado por ato de improbidade em virtude de ter realizado licitação sem observar as prescrições legais e de ter concorrido para a aplicação irregular de verbas públicas.

Com efeito, estabelece o art. 10, incisos VIII e XI da Lei 8429/92:

“Art.10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres

das entidades referidas no art. 1º desta lei, e notadamente

( )

VIII - frustrar a licitude de processo licitatório ou dispensá-lo indevidamente;

( )

9

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

XI – liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes

ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular;”(destaques acrescentados)

Como já observado, o certame efetuado por meio do Convite nº24/99 se deu claramente à revelia da lei. Nesse ponto é bastante elucidativo o parecer de fls. 394/406 (Anexo I – vol. II), emitido por analista da 1ª Diretoria Técnica do SECEX/PE, confira-se alguns trechos:

36. Compulsada a documentação de habilitação jurídica, nota-se que a firma

venceu a licitação com CNPJ 03.130.681/0001-09 vencido desde 25/07/99.

Seu registro na Junta Comercial de Pernambuco deu-se em 03.08.1999; e o

da segunda classificada, Adriana B. Santos-ME, em 10.08.99. O registro foi

efetuado na véspera da edição do ato convocatório do Convite nº 24/99, de 13.08.99, com atividade econômica com espectro bastante amplo, fls. 42/3 e

50-Vol.2:

'Comércio e Representação de gêneros alimentícios, equipamentos p/ Prefeitura, estruturas metálicas em madeira ferro e aço, mat. escolares, cama mesa e banho, plásticos e remédios e serviços de mecânica, lanternagem e recuperação de móveis'.

37.

Ao que tudo indica, a gestão municipal não possuía registros cadastrais

de

interessados regularmente classificados por categorias, tendo conta sua

especialização, subdivididas em grupos, em conformidade com a qualificação

técnica e econômica avaliada pelos elementos constantes da documentação relacionada nos arts. 30 e 31 da Lei nº 8.666/93. Tampouco consultou registros da mesma natureza de órgãos e entidades da Administração Pública, de modo a que aumentasse a competitividade da licitação.

38. Para facilitar o exame, interessa ter presente que as compras da administração pública sempre que possível deverão, Lei nº 8.666/93, art. 15, in verbis:

'IV

- ser subdivididas em tantas parcelas quantas necessárias para aproveitar

as

peculiaridades do mercado, visando economicidade;

V - balizar-se pelos preços praticados no âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública.

§ 7o Nas compras deverão ser observadas, ainda:

I - a especificação completa do bem a ser adquirido sem indicação de marca;'

39.

Diante disso, exsurge o vício que macula o ato convocatório do Convite

24/99

por

não

caracterizar

adequadamente

o

objeto

licitado,

o

transcreveram sinteticamente tal qual constou no PT.

 

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

40. A propósito, o MS n.º 5.655-DF sentenciou que 'no procedimento

licitatório, as cláusulas editalícias hão de ser redigidas com a mais lídima clareza e precisão, de modo a evitar perplexidades e possibilitar a observância pelo universo de participantes'.

41. Por outro lado e em conseqüência, mostra-se também viciada a planilha

de custo do objeto da licitação, estimado por lotes. Sob o aspecto técnico, encontra-se desamparada da especificação técnica dos bens; e sob o financeiro, não fornece preços unitários do acervo bibliográfico.

42. Causa

promovido diligência à CPL(Comissão Permanente de Licitação) ou à autoridade superior destinada a esclarecer a omissão da especificação técnica do objeto licitado.

tenham

ainda

perplexidade

que

as

firmas

convidadas

não

43. A CPL analisou e julgou as propostas comerciais que cotaram preços por

lotes baseada em parâmetros técnicos e financeiros desconhecidos e insuficientes, declarando vencedora firma que cotou preços unitários tão-

somente para móveis e equipamentos, aliás refletindo exatamente a planilha de custo elaborada irregularmente pela prefeitura.

( )

55. Como foram indisponibilizados parâmetros que detalhassem o objeto

a

sinteticamente

descrito

de

modo

a

que

permitissem

a

conhecer-se

qualificação técnica e a estimar-se o custo por item, a gestão municipal

incorreu na vedação presente no art. 14 da Lei nº 8.666/93: 'Nenhuma compra será feita sem a adequada caracterização de seu objeto e indicação dos recursos orçamentários para seu pagamento, sob pena de nulidade do ato e responsabilidade de quem lhe tiver dado causa'.

56. O vício do ato convocatório inviabilizou a realização da pesquisa dos

preços unitários no mercado que por sua vez impossibilitou que se aferisse a vantajosidade das propostas comerciais apresentadas.

( )

58. À toda evidência, que a gestão municipal desobrigou-se de planejar a

aquisição, de fornecer as especificações, instaurando licitação para adquirir qualquer título bibliográfico, móvel e equipamento que viesse a ser indicado na proposta comercial e por qualquer preço como se assim observasse o interesse público objetivado pelo convênio.

59. Em decorrência, a documentação fiscal do fornecedor, além de inidônea,

carece de especificação técnica em afronta ao disposto no art. 63, § 2º, da

Lei nº 4.320/64 c/c arts. 36 e 39 do Decreto nº 93.872/86, não se prestando como comprobatória da liquidação da despesa nem da entrega do material, em razão da ausência de atesto. Tudo origina-se do vício constante no ato

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

convocatório: a inexistência de parâmetros predefinidos que caracterizassem o fornecimento.

60. Ora, com o descumprimento de procedimentos básicos, que documento

hábil discriminou os itens para que fossem conferidos e contabilizados? Como se deu o tombamento deles? E como verificou-se a adequação dos títulos entregues? Por lote?

61. Por aí já se tem por suficientemente comprovado que se cuida de uma

simulação de licitação haja vista que a indefinição dos itens que seriam

acervo

licitados

tem

como

agravante

a

comprovação

de

doação

do

bibliográfico e equipamentos de informática existentes na biblioteca pública Municipalidade de São José da Coroa Grande/PE pela fiscalização in loco,

tudo

envolve

ocorrendo

no

âmbito

de

um

esquema

doloso

que

microempresas e agentes municipais, de São José da Coroa Grande e São Caetano/PE, afligindo os princípios básicos da moralidade, da legalidade e do julgamento objetivo.” (destaques acrescentados)

Verifica-se que a falta de especificação, no edital licitatório, do objeto a ser licitado comprometeu profundamente a lisura do Convite nº 024/99, dando azo à má aplicação das verbas transferidas à edilidade, incidindo no caso as infrações tipificadas no art. 10, VIII e XI da Lei 8429/92. Corroborando com esse entendimento, vale colacionar trechos do parecer emitido pelo Diretor da 1ª Diretoria Técnica do SECEX/PE (fls. 409/414, Anexo I – vol. II):

“3. A licitação promovida (Convite nº 24/99) não especificou os itens que teriam de ser fornecidos, o que impossibilitaria aferir e comparar propostas, dada a descrição absolutamente genérica dos elementos a serem fornecidos ('obras de referência', 'obras literárias', 'microcomputador', etc.). 4. Tal fato nos levou a tecer os seguintes comentários, já presentes às fls. 276/277, Vol.1:

'Não nos parece possível que seja efetuada uma licitação em que não

haja

referência a seu gênero, em afronta ao artigo 14 c/c o art. 15, § 7°, inciso I, da Lei n° 8.666/93.

apenas,

a

especificação

dos

itens

a

adquirir,

fazendo-se,

A uma,

selecionar, por critérios objetivos, a proposta mais vantajosa para a

os

cotejar preços de modo a

visto

que não se poderiam

Isso,

porque

seria

supor

que

todos

Administração.

fornecedores iriam oferecer itens idênticos, em um procedimento

licitatório que não os especificou.

absurdo

A duas, porque significaria a - também absurda - hipótese, no caso ora analisado, de se transferir para o contratado a responsabilidade

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

pela

municipal e da especificação dos equipamentos a serem adquiridos.

definição

da

composição

do

acervo

da

biblioteca

pública

Veja-se,

especificação de um microcomputador, quanto aos seus principais

componentes que, notoriamente, repercutem no seu preço: a) quanto ao processador; b) quanto à capacidade de armazenamento; c)

quanto à memória volátil (RAM); quanto ao monitor (dimensões,

características

dispositivos

(modem, placa de rede, mouse, teclado, leitor de CD, som, etc.).

de

apenas

por

exemplo,

as

variações

possíveis

de

imagem);

d)

quanto

aos

demais

Não especificar um equipamento dessa natureza, apenas fixando o

qualquer

pela

Prefeitura, importando apenas o seu preço, o que, por si só, já traduz a irregularidade da contratação.'

configuração

exemplo

do

microcomputador,

de

significa

afirmar

que

seria

microcomputador

ofertada

aceita

5. Além disso, há que se ter em mente que irregularidade semelhante,

envolvendo os mesmos licitantes, foi constatada no TC nº 018.634/2002-8, como lembrado pela Srª Analista.

( )

13. Nunca é demais lembrar que, de acordo com o artigo 93 do Decreto-Lei

nº 200/67, compete ao gestor o ônus da prova da boa e regular aplicação dos recursos públicos recebidos: 'Quem quer que utilize dinheiros públicos terá de justificar seu bom e regular emprego na conformidade das leis, regulamentos e normas emanadas das autoridades administrativas competentes'.

14. Em sua defesa, às fls. 2/3, Anexo 1, o responsável entende haver comprovado a boa e regular aplicação dos recursos recebidos por força do Convênio nº 61/99, firmado com o Ministério da Cultura, pelos documentos apresentados, trazendo à baila o art. 212 do novel Código Civil, a embasar a prova de um negócio jurídico por documento.

15. Afirmou, ainda, que os itens licitados 'foram definidos de acordo com a

pretensão da administração, obedecidas suas necessidades prováveis de utilização, objetivando atingir o anseio de docentes e discentes. Obviamente

que, através de um planejamento escolar a nível da Secretaria de Educação do Município, fulcrado em fatores colacionado pelo próprio corpo docente, fora estabelecido qual acervo bibliográfico e quais equipamentos seriam adquiridos' (fl.3, letra 'a', Anexo 1).

segundo

planejamentos prévios, não fez acostar o gestor qualquer documento que comprovasse que, de fato, houve uma definição, prévia à licitação, do acervo bibliográfico e equipamentos a serem adquiridos, de modo a possibilitar a realização desse certame. Em Direito, há um brocardo que afirma 'dizer e

16.

Em

que

pese

a

afirmação

acima

de

que

tudo

correu

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

não provar é não dizer'. Esse brocardo é aplicável ao Sr. Quirino Fábio de Carvalho, a quem competia o onus probandi.

17. Restou, assim, sobejamente demonstrado nos autos que não pode

merecer fé o procedimento licitatório Convite nº 24/99, uma vez que não

distintos,

prestidigitação, escolhessem e ofertassem preços para os mesmos livros e

equipamentos, uma vez que o Convite supostamente

seria

de

possível

que

licitantes

em

verdadeiro

exercício

realizado sequer

anunciava os títulos das obras que se pretendia adquirir ou a especificação

dos

equipamentos

a

comprar,

informando

tão-somente

o

seu

gênero.”

(destaques acrescentados)

Ressalte-se ainda que a consumação da infração insculpida no art.10,

VIII prescinde da ocorrência de efetivo prejuízo ao erário, mas tão-somente da

potencialidade do dano criada pela conduta.

Portanto, a partir do que foi mostrado retro, queda estreme de dúvidas a prática de ato de improbidade administrativa por parte do réu Quirino Fábio Carvalho.

Em relação à ré Deolinda Maria da Silva

Faltou com o dever de probidade administrativa a ré Deolinda Maria da Silva ao atestar o recebimento dos materiais adquiridos à empresa vencedora do certame sem a devida comprovação. De fato, repousa às fls. 7/8 (Anexo I, Vol. III) dois termos de recebimento dos materiais licitados assinados pela demandada, então Secretária de Educação do Município de São José da Coroa Grande.

Entretanto, não foi apresentado nenhum documento ou outro meio probatório que certificasse a efetiva entrega de tais mercadorias à época. Acrescente-se ainda que as notas fiscais referentes aos produtos adquiridos não continham o atesto de recebimento (fls. 135/138, Anexo I – vol. I).

Ademais, a fiscalização efetuada por fiscais do MinC em dezembro de

2001, acima citada, verificou que os livros constantes nas prateleiras da biblioteca pública do município em comento eram antigos e continham carimbo de doação e

que a maior parte do mobiliário supostamente adquirido não havia sido localizada.

Ora, onde estariam todos os livros e mobilário recebidos pela ex-secretária, já que

não se encontravam na biblioteca municipal dois anos após ela ter assinado o

referido termo de recebimento?

Diante disso, forçoso concluir que a conduta da ré se amolda ao art. 10, caput e inciso XI da Lei n. 8.429/92, anteriormente transcritos, em razão de ter concorrido para ocorrência de lesão ao patrimônio público, uma vez que os valores atinentes às mercadorias foram pagos à empresa licitante sem a respectiva entrega

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

dos produtos. Além disso, enquadra-se também tal conduta no art. 11, caput da Lei de Improbidade, por ter faltado a servidora com os princípios da honestidade e legalidade ao atestar sem provas o recebimento das ditas mercadorias.

Note-se ainda que a conduta praticada pela ré configura, em tese, o crime de falsidade ideológica qualificada (art. 299, parágrafo único, do Código Penal), a ser verificado em sede de juízo criminal.

Em relação aos réus Benedito Soares da Silva, Edson Bezerra Silva Representação Caruaru-ME e Adriana B. Santos-ME

Conforme já explicitado, embora esses últimos réus sejam estranhos aos quadros da Administração Pública, eles podem ser sujeitos passivos da ação de improbidade por força do art. 3º da Lei 8429/92, desde que tenham concorrido de alguma forma para a prática de ato ímprobo por parte de agente público.

Dessa maneira é plenamente cabível a presente ação em face destes réus, haja vista que efetivamente contribuíram para a prática de infrações contra a Administração Pública, conforme será demonstrado adiante.

Nos autos do processo de tomada de contas especial realizado no âmbito do TCU, restou fartamente comprovado que o Convite nº 24/99 configurou- se numa fraude à licitação. Duas das empresas envolvidas montaram um esquema para burlar o caráter competitivo do certame e vender a preços excessivos os materiais licitados, inclusive em outro município pernambucano – São Caetano. Por oportuno, traz-se à baila o voto do Ministro Relator do TCU Valmir Campelo, também no sentido de que houve fraude à licitação (fls.7/23):

“9. A inexecução do objeto do Convênio nº 61/99-SLL, constatada na fiscalização do órgão repassador, resta a meu ver sobejamente comprovada nos autos ante as peculiaridades que marcaram o procedimento licitatório para a aquisição de livros, equipamentos e mobiliário para a biblioteca municipal. Há nos autos um conjunto de indícios suficientes para caracterizar

a ocorrência de fraude à licitação processada por meio do Convite nº 24/99:

- a licitação foi lançada em 13/8/1999, antes da emissão da Ordem Bancária (20/8/1999) e do crédito na conta-corrente específica (25/8/1999).

- a abertura, o julgamento e a homologação do certame foram realizados em um único dia (19/8/1999);

- os recursos federais repassados foram sacados dois dias após o ingresso na conta específica do convênio;

- duas das empresas participantes do certame, incluindo-se a vencedora, foram registradas na Junta Comercial de Pernambuco nos dez dias que antecederam a edição do ato convocatório, com atividade econômica declarada bastante ampla;

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

- ausência

licitados;

de

especificação

dos

equipamentos

e

títulos

bibliográficos

- ausência de pesquisa de preços no mercado;

- planilha de custos do objeto da licitação estimado por lotes, sem a

especificação técnica dos bens e sem a definição de preços unitários dos títulos bibliográficos;

- inexistência de comprovante de recebimento dos itens supostamente

fornecidos (ausência de atesto de recebimento das mercadorias nas notas

fiscais emitidas);

- os documentos fiscais emitidos não apresentam detalhamento individualizado dos materiais, equipamentos e títulos bibliográficos licitados.

10. Como bem apontado pelo Diretor da Secex/PE, não é razoável a

realização de certame em que não se especifique os itens a adquirir. Tal situação implicaria, no caso concreto (em que se licitam títulos bibliográficos, computador e impressora) ao menos dois absurdos: (i) a suposição de que todos os fornecedores iriam oferecer itens idênticos e (ii) a transferência para o particular contratado da responsabilidade pela definição da composição do acervo da biblioteca municipal e da especificação dos equipamentos a serem adquiridos.

( )

13. Por fim, no que tange aos vícios do procedimento licitatório, é patente a conexão entre os fatos aqui analisados e as irregularidades verificadas no TC 018.634/2002-8, constatadas em aquisições relativas a convênio de idêntico objeto no Município de São Caetano/PE, envolvendo duas das empresas participantes do Convite nº 24/99, incluindo-se a vencedora do certame.

14. As

diligências

fiscais

realizadas

pela

Secretaria

da

Fazenda

de

Pernambuco - Sefaz/PE demonstram não apenas a ação combinada das empresas Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME e Adriana B. Santos - ME com o objetivo de fraudar o fisco estadual, plenamente

caracterizada em simulações de compra e venda de livros que não guardam

sistemas

correspondência

informatizados da Fazenda estadual. Demonstram, sobretudo, na outra ponta do procedimento inquinado, operações destinadas a fraudar licitações no

estado de Pernambuco, em certames que contaram, em ao menos dois

municípios, com a participação daquelas empresas.

com

os

estoques

monitorados

pelos

15. O TC 018.634/2002-8, originalmente uma representação apresentada

pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, foi convertido em tomada de contas especial pelo Acórdão nº 1.582/2003 - TCU - Plenário. No voto condutor daquela decisão, o Ministro Benjamin Zymler, relator do feito, ao

analisar as operações de compra e venda de livros entre as duas empresas

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

mencionadas, consignou que os documentos constantes dos autos demonstravam uma simulação de procedimento licitatório:

'Entendo que a coincidência de datas de emissão de notas fiscais e a exata discriminação das obras a serem adquiridas demonstram a fraude ao procedimento licitatório para aquisição do objeto do Convênio em análise.'

16. Posteriormente, por intermédio do Acórdão 1.818/2004 - Plenário, caracterizada a revelia do prefeito municipal e da empresa Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME, aquelas contas especiais foram julgadas irregulares e os responsáveis condenados em débito, com fundamento no art. 16, inciso III, 'd', da Lei nº 8.443/92.

17. Registra a instrução da Secex/PE, com base nas informações colhidas na

Sefaz/PE, que, em 23/8/1999, a empresa Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME adquiriu 5.070 livros da empresa Adriana B.

Santos - ME (notas fiscais nº 042, 044 e 045, todas no valor de R$ 9.599,00).

A operação foi absolutamente irregular, já que a Fazenda estadual constatou

a entrada de somente 405 itens nos estoques da empresa vendedora. Na

mesma data, a empresa Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME emitiu notas fiscais de venda dos livros supostamente adquiridos para as Prefeituras de São Caetano/PE, São José da Coroa Grande/PE e Casinha/PE, todas com idêntico valor (R$ 36.000,00), o que representaria, caso houvesse de fato a entrega das mercadorias, um ganho de 275% em cada transação.

18. Note-se que a operação, no que diz respeito ao município de São José da

Coroa Grande/PE, ocorreu quatro dias após a homologação do Convite nº 24/99 à empresa Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME (19/8/1999) e um dia após o saque dos recursos da conta específica do convênio (27/8/1999).

19. A simulação do certame torna-se a meu ver evidente diante do fato de

que a empresa Adriana B. Santos - ME - que teria vendido por R$ 9.599,00 o lote de livros ao vencedor do certame - ofertou na licitação o mesmo lote pelo valor de R$ 37.475,00, conforme planilha de fls. 64/65, vol. 2.

20. Com efeito, reproduziu-se em São José da Coroa Grande/PE o mesmo

modus operandi aplicado no município de São Caetano/PE, com o objetivo precípuo de promover o desvio de dinheiro público mediante fraude a

licitações

acervo

de

destinadas

à

aquisição

mobiliário,

equipamento

e

bibliográfico para implantação de uma biblioteca pública na sede daqueles municípios.

21. A emissão de notas fiscais sem o corresponde estoque de mercadorias e

a participação combinada de empresas no procedimento licitatório aliadas à

constatação do órgão repassador de que o objeto do convênio não foi

alcançado, bem como a ausência de documentação que comprove a regular

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

liquidação da despesa, demonstram, de forma definitiva, que o Convite nº 24/99 configurou-se como uma simulação de licitação e compra.”

De efeito, o Convite nº 24/99 representou uma total corrupção dos princípios que regem as licitações e que informam o gasto de verbas públicas. As empresas Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME e Adriana B. Santos - ME claramente fraudaram tal procedimento licitatório, motivo pelo qual são réus da presente ação de improbidade.

Assim, essas duas empresas foram as beneficiárias diretas dos atos de improbidade administrativa praticados pelos réus anteriormente nominados, além de terem concorrido, por intermédio dos seus dirigentes, para a prática dessas ilicitudes. Como acima aduzido, as empresas Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru - ME e Adriana B. Santos – ME valeram-se de uma licitação maculada por diversas irregularidades em detrimento do erário, atentando contra os princípios da Administração Pública, sobretudo o da legalidade e da honestidade, incorrendo dessa forma no tipo diposto no art. 11, caput, da Lei de Improbidade.

É de se notar que a caracterização do Sr. BENEDITO como réu desta ação se deu pelo fato de que ele era, à época, o procurador da empresa Edson Bezerra da Silva Representações Caruaru – ME, tendo inclusive inscrito tal empresa no Convite 24/99, tendo efetivamente concorrido para a prática das ilicitudes acima apontadas.

Por todo o exposto, não restam dúvidas quanto à necessidade de efetiva punição dos atos ilícitos praticados pelos sujeitos passivos desta ação, que infringiram os princípios disciplinadores da Administração Pública.

DO PEDIDO

Por todo o exposto, requer o Ministério Público Federal:

a)a autuação da presente petição e do Procedimento Administrativo MPF/PR/PE n. 1.26.000.002555/2006-28;

b)a notificação dos requeridos para oferecimento de manifestação no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos dos art. 17, § 7º da Lei n.º

8.429/92;

c)o recebimento da presente ação e citação dos réus, nos termos do art. 17, § 9º, da Lei de Improbidade Administrativa;

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

d)a intimação da União para que se manifeste sobre eventual interesse em integrar o pólo ativo da presente demanda, nos termos do art. 17, § 3º, da Lei n. 8.429/92;

e)seja julgado procedente o pedido para condenar os demandados pelos atos de improbidade que importam em dano ao erário e atentam contra os princípios da administração pública, art. 10 e 11 da Lei n.º 8.429/92, sendo-lhes aplicadas as penas dos art. 12, II e III, da mesma Lei;

Protesta provar o alegado por todos os meios de prova, requerendo de logo a tomada do depoimento pessoal dos demandados e o recebimento da documentação que segue em anexo.

Dá-se a causa o valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) *nenhum

documento se refere ao valor atualizado da dívida .

Pede deferimento.

Recife,

de novembro de 2007.

SÔNIA MARIA DE ASSUNÇÃO MACIEIRA Procuradora Regional da República

1

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO - Av. Agamenom Magalhães, 1800 – Espinheiro – Recife/PE, CEP.: 52.021-170 - Fone: (081)3427-7300