Sei sulla pagina 1di 9

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Nesse capítulo:  Apresentaremos um breve histórico dos
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Nesse capítulo:
 Apresentaremos um breve histórico dos sistemas de ar condicionado
destacando sua função, classificação e aplicações mais comuns;
 Descreveremos sucintamente uma instalação básica de ar condicionado
para conforto;
 Traçaremos diretrizes de elaboração de projetos de instalações de ar
condicionado e comentaremos normas técnicas nacionais e internacionais;
 Faremos uma breve exposição sobre os sistemas de refrigeração por
compressão mecânica de vapor e por absorção de vapor, e mostraremos sua
integração aos sistemas de ar condicionado.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Breve histórico:  Em 1902, Carrier projetou e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Breve histórico:
 Em 1902, Carrier projetou e instalou numa litografia um sistema de
climatização que permitia controle de aquecimento, resfriamento, umidificação
e desumidificação do ar (evitar sobreposição de cores nos impressos gráficos
sobre embalagens de papelão que variavam de tamanho, devidas às
mudanças sazonais das condições climáticas);
 Em 1911, no encontro da American Society of Mechanical Engineers,
apresentou em seu artigo Rational Psychrometrics Formulae a teoria de
saturação adiabática, na qual relacionava as temperaturas de bulbo seco, bulbo
úmido e ponto de orvalho do ar com as cargas térmicas sensível, latente e total.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Breve histórico:  Em 1901, nos EUA, Willis
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Breve histórico:
 Em 1901, nos EUA, Willis H. Carrier (1876-1950)
graduou-se na Universidade de Cornell e foi trabalhar na
Buffalo Forge Company, onde observou que os sistemas
de climatização não poderiam ser projetados e instalados
de modo satisfatório devido à imprecisão dos dados
usados nas fórmulas disponíveis para os cálculos;
 Para obter curvas de desempenho de equipamentos de condicionamento de ar e
estabelecer bases teóricas de cálculos confiáveis, ele desenvolveu as primeiras
pesquisas de laboratório na indústria de ventilação e aquecimento.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Funções dos sistemas de ar condicionado:  Obter
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Funções dos sistemas de ar condicionado:
 Obter e manter no ambiente condicionado condições pré-definidas
relacionadas à sua finalidade de uso, com relação à:
 Temperatura do ar;
 Umidade relativa do ar;
 Velocidade relativa do ar;
 Limpeza/purificação do ar;
 Nível de ruído;
 Diferença de pressão entre o ambiente condicionado e sua vizinhança.
NOTA: Observar outras condições de conforto térmico, visual e ergonomia.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Funções dos sistemas de ar condicionado:  Para
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Funções dos sistemas de ar condicionado:
 Para conseguir o efeito desejado, devem ser instalados mediante um
arranjo conveniente:
 Equipamentos de resfriamento e/ou aquecimento de ar;
 Umidificadores;
 Ventiladores, dutos e filtros de ar;
 Torres de resfriamento, bombas e tubulações de água;
 Sistema de drenagem de condensado;
 Circuito elétrico, acessórios e controles.
 Com a finalidade de:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Funções dos sistemas de ar condicionado: a) Tratar
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Funções dos sistemas de ar condicionado:
a) Tratar
o
ar
(aquecer
e/ou
resfriar,
umidificar
e/ou
desumidificar,
filtrar/purificar o ar);
b) Distribuir e insuflar o ar tratado nos ambientes condicionados sem que
esses processos provoquem ruídos que incomodem seus ocupantes;
c) Prover ar externo suficiente para ventilação e renovação de ar em cada
ambiente condicionado;
d) Consumir um mínimo de energia com máximo desempenho.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Sistema básico de ar condicionado para conforto: Prof.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Sistema básico de ar condicionado para conforto:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Sistema básico de ar condicionado com AHU e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Sistema básico de ar condicionado com AHU e dutos:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração por compressão mecânica de vapor: Prof. Dr.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração por compressão mecânica de vapor:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração por compressão mecânica de vapor: Prof. Dr.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração por compressão mecânica de vapor:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Fontes de ganhos de calor nas edificações (Carga
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Fontes de ganhos de calor nas edificações (Carga Térmica):
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração por compressão mecânica de vapor: Prof. Dr.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração por compressão mecânica de vapor:
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Condicionador de ar do tipo “janela” Prof. Dr.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Condicionador de ar do tipo “janela”
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Condicionador de ar portátil Prof. Dr. Jorge E.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Condicionador de ar portátil
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Condicionador de ar tipo gabinete ou “self contained”
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Condicionador de ar tipo gabinete ou “self contained”
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Ar condicionado tipo “central com água gelada” Prof.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Ar condicionado tipo “central com água gelada”
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Condicionador de ar tipo “split system” Prof. Dr.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Condicionador de ar tipo “split system”
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Condicionador de ar tipo gabinete ou “self contained”
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Condicionador de ar tipo gabinete ou “self contained”
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Resfriador de água com condensação à água e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Resfriador de água com condensação à água e compressores scroll
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Resfriador de água com condensação à água e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Resfriador de água com condensação à água e compressor parafuso
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Resfriador de água com condensação a ar e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Resfriador de água com condensação a ar e compressores scroll
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração: compressão mecânica x absorção de vapor Prof.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração: compressão mecânica x absorção de vapor
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Resfriador de água com condensação à água e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Resfriador de água com condensação à água e compressor centrífugo
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração com absorção de vapor Prof. Dr. Jorge
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração com absorção de vapor
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Resfriador de água com absorção de vapor e
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Resfriador de água com absorção de vapor e condensação à água
100 a 500 TR
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Diretrizes em projetos de instalações ar condicionado: 
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Diretrizes em projetos de instalações ar condicionado:
 O projeto do sistema de ar condicionado determina suas características
básicas;
 Depois que a instalação foi construída de acordo com o projeto é muito
difícil e bastante dispendioso fazer qualquer modificação;
 O engenheiro-projetista tem grande responsabilidade na seleção adequada
do tipo sistema de climatização a ser usado para uma dada aplicação.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Procedimentos e exigências de projeto:  Preparação de
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Procedimentos e exigências de projeto:
Preparação de prévias de contratos, plantas, especificação de materiais,
métodos construtivos e caderno de encargos;
Definição do vencedor entre as empreiteiras convidadas para participar da
licitação com avaliação das propostas e negociação dos contratos;
Revisão
de
plantas, cadernos
de
encargos,
manuais
de
operação
e
manutenção,
juntamente com
monitoração,
supervisão
e inspeção da
construção/instalação;
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Refrigeração x Ar Condicionado Prof. Dr. Jorge E.
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Refrigeração x Ar Condicionado
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Procedimentos e exigências de projeto:  Escolha da
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Procedimentos e exigências de projeto:
 Escolha da equipe de projetistas (arquiteto e engenheiros: estrutura, civil,
mecânico, elétrico) pelo proprietário ou incorporador;
 Definição dos parâmetros ambientais e características básicas de projeto do
sistema de climatização;
 Seleção de alternativas com as mesmas características básicas,
identificação das interfaces com outros subsistemas e preparação dos
esboços;
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Procedimentos e exigências de projeto:  Testes de
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Procedimentos e exigências de projeto:
 Testes de balanceamento e verificação de desempenho, com modificações
das plantas para incluir as condições “as-built” (como construído/finalizado)
e finalização dos manuais de operação e manutenção;
 Aceitação.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  O
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 O engenheiro-projetista de ar condicionado deve selecionar alternativas
para tratar:
 Do conforto térmico no ambiente condicionado;
 Da qualidade do ar no ambiente condicionado;
 Da conservação de energia em equipamentos e sistemas;
 Dos níveis de ruído dentro e fora do ambiente condicionado;
 Da segurança, flexibilidade e confiabilidade da instalação;
 Dos custos operacionais e disponibilidade de manutenção.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  Com o
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 Com o arquiteto e o engenheiro estrutural deve trocar informações sobre:
 Forma e orientação da edificação;
 Tamanhos de janelas, paredes e coberturas, e das características
térmicas dos materiais construtivos;
 Localização de dutos de ar, tubulações e poços de serviço
(elevadores) e difusores e/ou grelhas de retorno de ar;
 Espaço livre disponível entre lajes e forros suspensos para instalação
de dutos insuflação e retorno de ar e tubulações;
 Localização e dimensões de salas para os equipamentos de
climatização e seus acessórios e sistemas auxiliares.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  Manter as
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
Manter as condições do ambiente condicionado dentro de limites pré-
determinados depende principalmente da capacidade adequada do
equipamento de climatização e da qualidade do sistema de controle;
Significativa economia de energia pode ser obtida se a capacidade do
sistema em carga parcial acompanha adequadamente as variações de
carga térmica em razão de um sistema de controle eficiente;
Assim, o sistema de controle é fator decisivo no desempenho do sistema de
climatização;
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  A
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 A experiência, a formação técnica e a capacidade de julgamento do
engenheiro-projetista são fundamentais nesse processo de seleção;
 Se duas alternativas de projeto oferecem o mesmo desempenho, o sistema
de climatização mais simples deve ser o escolhido por sua confiabilidade,
conveniência de operação e custos operacionais menores (Navalha de
Ocam);
 O engenheiro-projetista de ar condicionado deve trabalhar de modo
integrado com o arquiteto, o engenheiro estrutural e o eletricista;
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  Com o
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 Com o engenheiro eletricista sobre:
 Potência elétrica e tipos de luminárias usadas;
 Combinação entre arranjos de luminárias e difusores e grelhas de
retorno de ar usadas;
 Disponibilidade de potência elétrica e iluminação nas salas em que
estarão os equipamentos do sistema de climatização;
 Coordenação entre os arranjos de dutos de ar, tubulações,
eletrodutos, cabos elétricos, etc.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  Muitos dos
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 Muitos dos problemas encontrados em climatização são decorrentes de
controles inadequados e/ou seu uso impróprio;
 Por isso, o engenheiro-projetista deve manter informações atualizadas em
relação às novas tecnologias de controle disponíveis no mercado e que são
adotadas pelos fabricantes de equipamentos de climatização;
 Não é necessário ser um especialista em controle; entretanto, a sequência
de operações no sistema deve ser bastante clara, bem como os critérios
desejados para os sensores, os controladores e atuadores.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:  Pode ser
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Exigências relacionadas ao engenheiro-projetista:
 Pode ser bastante útil ao engenheiro-projetista visitar projetos similares que
estejam em operação há mais de dois anos e conversar com o operador;
 Tal prática pode trazer informações valiosas:
 Sobre o desempenho real do sistema de climatização e de controle que
se pretende utilizar;
 Nos relatórios de operação pode verificar se o sistema foi sobre ou
subdimensionado;
 Identificar possíveis causas de problemas futuros;
 Acumular experiência prática valiosa para complementar seus
conhecimentos e superar suas deficiências.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ABNT/NBR-16401:
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ABNT/NBR-16401: Instalações de ar condicionado - Sistemas centrais e
unitários
Parte 1: Parâmetros de projeto.
Parte 2: Conforto térmico.
Parte 3: Qualidade do ar interno.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ABNT/NBR-13971:
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ABNT/NBR-13971: Sistemas de refrigeração, condicionamento de ar e
ventilação - Manutenção programada.
 Estabelece orientações básicas para as atividades e serviços necessários
na manutenção programada de conjuntos e componentes em sistemas e
equipamentos de refrigeração, condicionamento de ar e ventilação.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais: ABNT: Associação
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas
NBR: Norma Brasileira
ISO:
International Organization for Standardization
ANSI: American National Standards Institute
ASHRAE: American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning
Engineers
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ABNT/NBR-6675:
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ABNT/NBR-6675: Instalação de ar condicionado de uso doméstico.
 Fixa as condições exigíveis na execução de instalação de aparelhos
condicionadores de ar de uso doméstico, do tipo monobloco ou modular, de
forma a garantir sua segurança e seu bom funcionamento.
 Aplica-se também à instalação de aparelhos condicionadores de ar, com o
condensador resfriado a ar, destinados à ligação em fonte de tensão
monofásica, em propriedades públicas ou particulares, usadas para fins
de obtenção do conforto térmico.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ABNT/NBR-5413:
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ABNT/NBR-5413: Iluminância de interiores.
 Estabelece os valores de iluminâncias médias mínimas em serviço para
iluminação artificial em interiores, onde se realizem atividades em comércio,
indústria, ensino, esporte e outras.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

02/12/2012

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ABNT/NBR-10152:
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ABNT/NBR-10152: Níveis de ruído para conforto acústico.
 Fixa os níveis de ruído compatíveis com o conforto acústico em ambientes
diversos.
 As questões relativas a riscos de dano à saúde em decorrência do ruído são
estudadas em normas específicas.
 A aplicação desta Norma não exclui as recomendações básicas referentes
às demais condições de conforto.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ISO 7730
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ISO 7730 Ergonomics of the thermal environment - Analytical determination
and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD
indices and local thermal comfort criteria
 This Standard presents methods for predicting the general thermal sensation and
degree of discomfort (thermal dissatisfaction) of people exposed to moderate thermal
environments.
 It enables the analytical determination and interpretation of thermal comfort using
calculation of PMV (predicted mean vote) and PPD (predicted percentage of dissatisfied)
and local thermal comfort criteria, giving the environmental conditions considered
acceptable for general thermal comfort as well as those representing local discomfort.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

Prof. Dr. Jorge E. Corrêa

LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ANSI/ASHRAE
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ANSI/ASHRAE Standard 55-2004 Thermal Environmental Conditions for
Human Occupancy (Supersedes ANSI/ASHRAE Standard 55-1992)
 The purpose of this standard is to specify the combinations of indoor thermal
environmental factors and personal factors that will produce thermal
environmental conditions acceptable to a majority of the occupants within the
space.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO Normas técnicas nacionais e internacionais:  ANSI/ASHRAE
LABORATÓRIO DE AR CONDICIONADO E CONFORTO TÉRMICO
Normas técnicas nacionais e internacionais:
 ANSI/ASHRAE Standard 62.1 Ventilation for Acceptable Indoor Air Quality
 The purpose of this standard is to specify minimum ventilation rates and other measures
intended to provide indoor air quality that is acceptable to human occupants and that
minimizes adverse health effects.
 This standard is intended for regulatory application to new buildings, additions to
existing buildings, and those changes to existing buildings that are identified in the body of
the standard.
 This standard is intended to be used to guide the improvement of indoor air quality in
existing buildings.
Prof. Dr. Jorge E. Corrêa