Sei sulla pagina 1di 5

O Processo de Industrialização do Fio da Seda

O processo industrial inicia-se após a classificação dos casulos onde se define a remuneração ao

produtor que criou o bicho da seda a partir da 3ª idade.

l 1ª etapa: Classificação

ÿ Casulos de primeira

São considerados casulos de primeira aqueles que se apresentam limpos, perfeitos na forma, sem

manchas e com crisálidas vivas,tolerando-se apenas pequenas manchas.

ÿ Casulos de segunda

São considerados de segunda os casulos que apresentam defeitos, manchas maiores, e irregularidades

na forma e na casca causados por doenças e manejo inadequados e/ou fatores climáticos. São eles, casulos de

casca fina ou ponta fina; casulos furados; casulos de cama; casulos deformados; casulos fofos e casulos com

manchas externas e/ou interna.

ÿ Casulos duplos

São considerados casulos duplos os de tamanho grandes, mal formados e constituidos por duas ou

mais crisálidas.

ÿ Refugos

São considerados refugos os casulos flácidos, pegajosos e amassados, com manchas profundas,

deformados, furados e com grandes defeitos de bosque. Os casulos refugos deverão ser eliminados.

com manchas profundas, deformados, furados e com grandes defeitos de bosque. Os casulos refugos deverão ser

l 2ª etapa: Cálculo para a COMERCIALIZAÇÃO dos casulos:

Chegando na empresa de fiação de seda, pesa-se os casulos de primeira, de segunda e duplos, sendo

que, os dois últimos serão pagos através de valores fixos.

Para a determinação do preço a ser pago para os casulos de primeira, realizam-se as seguintes

operações:

¸ Dos casulos considerados de 1 ª , separam-se 500g para fazer a contagem do número de casulos.

Sempre observando para que essa amostragem (500g) seja a mais representativa do lote. A seguir

faz-se a seleção retirando os casulos de segunda e duplos quando houver, e determina o

percentual de cada um. Ex: Uma partida de 500 g depois de separada resultou em: 96% de casulos

de 1ª e 4% de casulos de 2ª.

¸ Para efetuar o cálculo do teor bruto de seda; retiram-se 30 casulos de primeira

da mesma

amostra de 500g, cortam-se e pesam-se os 30 casulos dando o seu peso bruto. Em seguida,

separam-se as crisálidas, os espólios e pesa-se a casca sérica dando o seu peso líquido.

Ex. de cálculo: 30 casulos inteiros = 55g

Se:

30 casulos casca sérica = 12,5g 55g 100% 12,5g X
30 casulos casca sérica = 12,5g
55g
100%
12,5g
X

X = 22, 727% de teor de seda bruta

¸ O cálculo para obter o teor líquido de seda é feito descontando-se 24% do teor bruto obtido.

Ex:

22,727

X

24%

=

5,45

22,727 -

5,45

=

17,277%

¸ O cálculo para obter o peso de cada casulo é feito de duas maneiras: Na primeira

divide-se o peso de 30 casulos por 10. Já na segunda forma divide-se 500g pelo

número de casulos.

A INDUSTRIALIZAÇÃO PROPRIAMENTE DITA

l 1 ª fase : Secagem, conservação e armazenamento de casulos:

É feita a secagem dos casulos antes da transformação das crisálidas em mariposas, pois se deixados em

seu estado original, estas os perfurarão para poderem sair do seu interior. A secagem, além de impedir a

eclosão e perfuração do casulo pela mariposa, atua também como um conservador do valor comercial da fibra

e também manter os fios em boa qualidade. O início da secagem é feito a uma temperatura de 125ºC a 130ºC

(tempta. mais alta) para matar as crisálidas que se encontram vivas dentro do casulo verde. As seções da

secagem variam em escalas de temperaturas e diminui gradativamente à medida que se atravessam as seções.

No total, há uma variação de até 5 escalas de temperatura. A duração da secagem é de 6 a 7 horas e ao final,

a temperatura é de 40 a 50ºC.

Após a secagem, os casulos devem ser armazenados por um período mínimo de duas semanas para

uma completa estabilização da sericina.

duas semanas para uma completa estabilização da sericina. “Imagem frontal do secador de casulos” “Imagem lateral

“Imagem frontal do secador de casulos”

para uma completa estabilização da sericina. “Imagem frontal do secador de casulos” “Imagem lateral do secador”

“Imagem lateral do secador”

l 2 ª fase : limpeza, seleção de casulos e cozimento.

A limpeza consiste em passar os casulos na peladeira para a retirada da anafaia (seda que a larva solta

para formar o casulo), após a limpeza é feita a seleção. E após a seleção dos casulos, os mesmos são

transportados e colocados dentro do cozinhador automático para o desfiamento.

Os casulos são cozidos em água quente e sob pressão para amolecer a goma de sericina para que se possa

desenrolar mais facilmente as fibras. Além disso, o cozimento dá às fibras melhores condições para o

processo de fiação. Em média, leva-se em torno de 20 minutos para o cozimento dos casulos. Após este

processo, funcionárias deste setor fazem a última seleção dos casulos pós-cozidos separando-se os

manchados, os de casca fina, os deformados e os sujos para a fiação de fio tipo 2 A, com uma qualidade um

pouco inferior às outras.

tipo 2 A, com uma qualidade um pouco inferior às outras. fl LIMPADOR de casulos para

LIMPADOR de casulos para remover a anafaia.

às outras. fl LIMPADOR de casulos para remover a anafaia. Saída dos casulos do “shaken” =

Saída dos casulos do “shaken” = COZINHADOR.

Passagem por uma rápida seleção antes de serem

transportadas para as máquinas de fiação. Estas são transportadas via tubulações até o setor de FIAÇÃO.

l 3 ª fase : fabricação do fio de seda:

FIAÇÃO.

Após o cozimento, passa-se para as máquinas fiandeiras automáticas para desenrolamento do fio de

casulo e a formação do fio de seda. A grossura do fio de seda resulta de vários casulos (de acordo com o

pedido do cliente).

Denier 21 = 06 casulos

Denier 27 = 8 casulos

Denier 31 = 9 casulos

Denier 42 = 12 casulos.

l

4 ª fase : Repasse.

Os fios desfiados passam no repassador, ou seja, são repassados em outro carretel

p/fazer meadas

l

5 ª fase : Torção.

É onde os fios são torcidos