Sei sulla pagina 1di 3

Reflectir sobre o Plano estratégico para o ISA

José Carlos Franco Santos Silva, 20090616

Missão

O ISA, como instituição universitária que é, tem como missão a criação de


conhecimento e sua divulgação e aplicação na formação graduada e pós-graduada e na
respectiva transferência tecnológica para a sociedade, através da prestação de serviços,
consultoria e empreendedorismo, de acordo com padrões de excelência, que valorizem o
mérito e estejam alicerçados em valores como o rigor, a competência, a
responsabilidade, a criatividade, a participação activa, a iniciativa, o civismo e a ética.

Da formação universitária

A formação universitária não se deve limitar a uma dimensão técnica e científica. É


fundamental considerar a sua natureza multidimensional. Nesta perspectiva integradora,
visa-se não só a formação de profissionais competentes, mas sobretudo de cidadãos do
Mundo, com uma visão Universal, preparados para desempenhar eficazmente a sua
profissão, mas também para participarem activamente num sociedade cada vez mais
global e complexa, de forma responsável, cívica e ética, contribuindo para o seu
desenvolvimento sustentável. É, pois, função da Universidade criar as condições
necessárias para que a formação científica e técnica de excelência seja complementada
com actividades de natureza cultural, lúdica, desportiva e de participação cívica, bem
como possibilitar o desenvolvimento de competências “fracas”, como o domínio de
línguas estrangeiras, de ferramentas informáticas, o saber trabalhar em equipa, técnicas
de liderança, técnicas de negociação, técnicas de escrita científica, elaboração de
relatórios e comunicação oral (e.g., Congressos, Conferências, Seminários, Worksohps).
Deve igualmente fomentar-se uma cultura de discussão científica e de troca de ideias,
apoiando e incrementando as iniciativas existentes de realização regular de Seminários,
nas diferentes áreas científicas.

Sobre o plano estratégico

O ensino e investigação de excelência só são possíveis com um capital humano de


qualidade, motivado e participativo, continuamente rejuvenescido, que crie um
verdadeiro corpo de escola, onde haja espaço para uma competição saudável, que
premei o mérito.

O êxito de qualquer plano estratégico depende da capacidade de concretizar esta


premissa e de mobilizar TODA A ESCOLA em torno de um projecto em que TODOS
se revejam e em que TODOS participem.

Para além dos instrumentos institucionais que os novos estatutos criam, deve-se
considerar também a possibilidade de accionar formas informais de participação,
através, por exemplo, de grupos de trabalho, criados em torno de projectos concretos de
desenvolvimento do ISA, nas várias áreas, que possam co-adjuvar os órgãos de governo
da escola na concretização dos objectivos definidos no plano estratégico.

Alguns aspectos a considerar no plano estratégico:


- política de renovação e qualificação dos meios humanos do ISA, tendo em vista um
desenvolvimento equilibrado das diferentes áreas do saber
- requalificação, melhoria e manutenção dos espaços e equipamentos, compatíveis com
a excelência do ensino e investigação que se pretende
- sustentabilidade financeira do ISA
- internacionalização do ensino e da investigação do ISA
- sistemas de autoavaliação
- ligação com a sociedade
- modernização dos procedimentos administrativos e de funcionamento
- organização departamental
- estruturas de apoio à elaboração e gestão de projectos
- procura activa de fontes de financiamento, mecenas e patrocinadores
- divulgação do ISA
- gestão da Tapada, tendo em vista potenciar os recursos disponíveis na formação,
investigação e divulgação do ISA, mas também na obtenção de receitas
- melhoria da eficiência energética e ambiental
- segurança das instalações e Tapada
- política de edição da ISA Press
- centros de investigação e sua articulação com o novo modelo de governo do ISA
- criação de uma estrutura central de suporte à prestação de serviços
- política de desenvolvimento de novos cursos e de avaliação dos cursos existentes, de
1º, 2º e 3º ciclos
- possibilidade de ampliar a oferta de cursos, através do ensino à distância, ou em
regime pós-laboral, possibilitando a frequência de potenciais alunos que vivem
noutras regiões ou que têm actividade profissional não compatível com o regime
diurno
- inserção dos nossos alunos do mercado de trabalho e observatório sobre a sua
empregabilidade
- infra-estruturas e estruturas de apoio à realização de Congressos /Seminários /
Workshops
- política de gestão de viaturas do ISA
- política cultural do ISA (e.g., concertos, recitais, exposições, teatro, eventos como “As
conversas à volta do vinho”)
- sistema integrado de realização de visitas de estudo, articulado com os horários, que
privilegie visitas envolvendo várias UC´s

Algumas ideias complementares/suplemenatares

Tapada

- circuito de manutenção
- circuitos de observação de espécies vegetais e animais
- quinta pedagógica
- museu verde: colecção de espécies vegetais que a época dos descobrimentos difundiu
(o papel de Portugal na globalização verde)
- espaço de desportos radicais (e.g., paintBall, Rappel, slide, arborismo, orientação)
- instalação de sistemas de energias renováveis (e.g., solar, eólica), tendo em vista o
autoconsumo e eventual fornecimento de energia eléctrica à rede
- produção e comercialização de produtos agrícolas produzidos na Tapada, em fresco ou
transformados, com marca própria, e.g., “UtlISA”, “Fruto da Tapada” (e.g., vinho,
frutas, flores, plantas, compotas, mel, lenha)
- sistema de recolha diferenciada de resíduos para reciclagem (papel, vidro, pilhas,
plásticos)

ISA Press

- edição de livros didácticos, que sirvam de apoio ao ensino no ISA, mas também a
outras instituições universitárias, a nível nacional, bem como nos PALOP
- edição de guia de espécies vegetais e animais da Tapada (educação ambiental na
Tapada)

Formação

- fomentar a participação dos alunos em actividades cívicas e extracurriculares, que


contribuam para o enriquecimento da sua formação e que, simultaneamente, os
envolvam numa participação activa para o desenvolvimento do ISA. Essa participação
deve ser valorizada através da atribuição de créditos extracurriculares a constar no
diploma. Entre as actividades possíveis, são de referir, como exemplo, tarefas em
projectos de investigação, tarefas relacionadas com a gestão da Tapada (e.g., vindima,
poda, jardinagem, reciclagem), acções de divulgação do ISA (e.g., acompanhamento de
alunos do secundário nas visitas ao ISA, distribuição de folhetos), apoio a eventos
organizados pelo ISA