Sei sulla pagina 1di 18
1
1

1

Aluno

Apresentação

Consultar uma enciclopédia é uma atividade que nos enriquece de conhecimentos, além de ser prazerosa, pois podemos “viajar” com ela. Neste módulo, você estudará um verbete de enciclopédia, verá o uso dos tempos verbais do modo indicativo e produzirá seu texto.

2
2

2

Legenda

Exercício [faça no seu caderno] [faça no seu caderno]

2 Legenda Exercício [faça no seu caderno] Produção caderno] de texto [escreva no seu Conceito [conceito
2 Legenda Exercício [faça no seu caderno] Produção caderno] de texto [escreva no seu Conceito [conceito

Produção

caderno]

de

texto

[escreva

no

seu

Conceito [conceito importante que você deve gravar]

no seu Conceito [conceito importante que você deve gravar] Aprenda mais [faça no seu caderno] Ler

Aprenda mais [faça no seu caderno]

Ler é viver [leia e, depois, responda no seu caderno] [leia e, depois, responda no seu caderno]

3
3

3

Observe as explicações dos chamados Verbetes (Esmeralda e Esmirna), nos textos abaixo (página de enciclopédia).

3 Observe as explicações dos chamados Verbetes (Esmeralda e Esmirna), nos textos abaixo (página de enciclopédia).
3 Observe as explicações dos chamados Verbetes (Esmeralda e Esmirna), nos textos abaixo (página de enciclopédia).
4
4

4

Verbete é uma palavra de enciclopédia ou dicionário com suas explicações e seus vários significados.

A enciclopédia é uma coleção de livros, geralmente bem encadernados, que abrange todos os ramos do conhecimento.

Algumas enciclopédias abrangem os conhecimentos por áreas, outras por verbetes, como a que vamos estudar. Observe que os verbetes Esmeralda e Esmirna aparecem em colunas e em ordem alfabética acompanhados de ilustração. Constituem textos informativos.

de ilustração. Constituem textos informativos. Vamos estudar o verbete Esmeralda 1- Escreva novamente as

Vamos estudar o verbete Esmeralda

1- Escreva novamente as frases, substituindo as palavras grifadas, após procurá-las em um dicionário:

a)

a pedra que servia de monóculo a Nero e a que encima a tiara do

papa.

b)

a esmeralda cristaliza no sistema hexagonal.

c)

Muitas virtudes mágicas e terapêuticas foram atribuídas às esmeraldas.

2- As esmeraldas são comparáveis a que outra pedra? Por quê?

3- Como é possível saber se a esmeralda é natural ou sintética?

4-

Supondo

esmeralda?

Segundo

a

que

mitologia

isso

antiga,

a

aconteça,

com

esmeralda

tem

que

finalidade

poderes

você

mágicos.

uma

teria

5
5

5

Agora você aprenderá os tempos do modo indicativo:

Os

três

tempos

do

modo

indicativo

são:

presente,

pretérito

(passado) e futuro. O pretérito e o futuro se subdividem. Veja o esquema:

Modo

Indicativo

Presente Pretérito Futuro
Presente
Pretérito
Futuro

1. imperfeito 2. perfeito 3. mais-que-perfeito

1. do presente 2. do pretérito

Verifique os paradigmas (modelos) dos verbos abaixo no modo indicativo:

a) 1ª conjugação porque termina em ar

b) 2ª conjugação porque termina em er

c) 3ª conjugação porque termina em ir

amar

beber

partir

Baseando-se no modelo acima, verbos regulares.

você pode conjugar os outros

Seguindo o modelo, conjugue nos tempos do indicativo:

1- verbo cantar: presente e pretérito imperfeito. 2- Verbo vender: futuro do presente e futuro do pretérito. 3- Verbo dividir: pretérito perfeito e pretérito mais-que-perfeito.

: pretérito perfeito e pretérito mais-que-perfeito. Observe os usos dos tempos verbais: 1- Presente do

Observe os usos dos tempos verbais:

1- Presente do indicativo

O presente do modo indicativo não é empregado apenas para coisas que ocorrem no momento em que se fala. Ele indica, entre outras coisas, ações e estados permanentes, como uma verdade científica que aparece num texto informativo como o verbete Esmeralda.

6
6

6

Observe alguns trechos:

as esmeraldas são também dotadas de conteúdo simbólico

entre as mais famosas delas estão a pedra

a esmeralda cristaliza

ocorre no granito

Esses verbos, e vários outros do verbete, estão no presente, indicando uma verdade científica. Não é só quando o texto foi escrito que a esmeralda se mostrou assim, suas propriedades continuarão as mesmas. Um outro uso do presente do indicativo é para dar mais vida a fatos ocorridos no passado. Observe:

Dia 22 de abril de 1500 Cabral chega em terra firme e que o lugar é habitado por silvícolas.

2- Pretérito imperfeito do indicativo

Esse tempo indica um fato passado, mas não concluído, isto é, imperfeito, não acabado, dando impressão de que algo mais precisa ser dito.

Ex.: Os convidados chegavam, conversavam e andavam pra lá e pra

cá.

 

O

pretérito

imperfeito

também

pode

indicar

ação

habitual

no

passado:

Ex.:

“Meu pai montava a cavalo, ia para o campo. Minha mãe ficava cosendo. Meu irmão pequeno dormia.”

Andrade, C. Drummond. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro, Aguilar – 1973.

O pretérito imperfeito ainda é usado em nosso cotidiano como uma

forma de polidez para se afirmar ou pedir algo:

Ex.: Eu queria pedir uma coisa a você. Posso?

3- Pretérito perfeito

7
7

7

Esse tempo expressa um fato já ocorrido e terminado no passado.

Ex.: Ontem dormi como um anjo.

4- Pretérito mais-que-perfeito

Esse tempo indica um fato ocorrido no passado, antes de outro também no passado.

Ex.: Eu já almoçara, quando você chegou.

no passado. Ex.: Eu já almoçara , quando você chegou . 1º fato no passado 2º

1º fato no passado

2º fato no passado

Observação: equivale à forma coloquial “tinha almoçado”.

5- Futuro do presente

Esse tempo indica que o fato ainda não ocorreu no momento em que se fala.

Ex.: Passarei em sua casa amanhã.

O futuro do presente também pode ser usado para exprimir incerteza

sobre fatos atuais.

Ex.: Quem está aí? Será você, João?

6- Futuro do pretérito

Esse tempo expressa um fato futuro em relação a um fato passado.

Ex.: Se eu tivesse comprado um carro, economizaria meu tempo.

O futuro do pretérito também indica incerteza.

Ex.: Quem seria aquele sujeitinho metido a besta?

E, ainda, pode indicar polidez.

Ex.: Poderia me dizer que horas são?

8
8

8

8 1- Por que nos dois primeiros quadrinhos o tempo verbal é o pretérito perfeito e
8 1- Por que nos dois primeiros quadrinhos o tempo verbal é o pretérito perfeito e

1- Por que nos dois primeiros quadrinhos o tempo verbal é o pretérito perfeito e no último, o presente?

2- Esse título de notícia é do dia 17/09 e o jogo aconteceu no dia 16/09. Por que o verbo vencer aparece com a forma vence, no presente?

3- Pesquise a primeira página de um jornal. Copie os títulos que possuem verbos. Verifique o tempo verbal que aparece mais e explique essa predominância.

9
9

9

Agora você estudará a locução verbal:

Locução verbal constitui um grupo de dois verbos que equivalem a uma forma verbal simples.

Ex.: Todos estavam comendo à vontade.

verbal simples. Ex.: Todos estavam comendo à vontade. locução verbal equivale à forma comiam A locução

locução verbal equivale à forma comiam

A locução verbal é formada de um verbo auxiliar e um principal.

Ex.: verbo auxiliar vamos estou tinham

e um principal. Ex.: verbo auxiliar vamos estou tinham + verbo principal sair estudando investigado Identifique

+

verbo principal sair estudando investigado

Identifique as locuções verbais no quadrinho abaixo.

vamos estou tinham + verbo principal sair estudando investigado Identifique as locuções verbais no quadrinho abaixo.
10
10

10

Veja alguns usos das locuções verbais:

1- Normalmente, na fala e em textos informais, o pretérito mais-que- perfeito é substituído pela locução verbal.

Ex.: Quando ele chegou, eu já tinha almoçado.

2- Para indicar futuro do presente

Ex.: Vou viajar amanhã.

Para indicar futuro do presente Ex.: Vou viajar amanhã. viajarei em vez de almoçara 3- Para

viajarei

futuro do presente Ex.: Vou viajar amanhã. viajarei em vez de almoçara 3- Para indicar uma

em vez de almoçara

3- Para indicar uma ação iniciada no passado que continua no presente.

Ex.: Tenho trabalhado bastante.

4- Para indicar uma ação que se desenvolve gradualmente.

Ex.: Venho tratando disso faz tempo.

gradualmente. Ex.: Venho tratando disso faz tempo. Pesquise em jornais ou revistas um exemplo de cada

Pesquise em jornais ou revistas um exemplo de cada um dos usos de locução verbal citados acima. Você pode recortá-los para colar no caderno ou, então, copiá-los.

recortá-los para colar no caderno ou, então, copiá-los. FUSÍVEL e FUZIL Muita gente não emprega corretamente
recortá-los para colar no caderno ou, então, copiá-los. FUSÍVEL e FUZIL Muita gente não emprega corretamente

FUSÍVEL e FUZIL

Muita gente não emprega corretamente as palavras fusível e fuzil. Não seja um deles!

11
11

11

Veja a diferença:

Ana,

as

lâmpadas

não

estão

acendendo.

queimado. (fusível = condutor elétrico)

Deve

ser

fusível

O pobre soldado não agüentava seu fuzil. (fuzil = arma de fogo)

soldado não agüentava seu fuzil. (fuzil = arma de fogo) 1) Complete com fusível ou fuzil:

1) Complete com fusível ou fuzil:

a) Você atira bem com

b) Poxa, outro

c) Será que só eu tenho que trocar

d) Um velho

?

queimado!

era sua única arma.

PRIVILÉGIO

Observe:

nesta casa?

Cada dia uma tem o privilégio de ficar com o menino.

Essa é a forma correta dessa palavra. Não existe previlégio.

é a forma correta dessa palavra. Não existe previlégio. Complete com palavras da mesma família de

Complete com palavras da mesma família de privilégio:

a) Ele tem mania de

b) Você pode se considerar um agradável.

c) No testamento ele

d) Da forma como está, o projeto

esse filho.

por morar num lugar tão

um dos irmãos.

apenas a classe empresarial.

12
12

12

12 A Supremacia da TV A televisão começou a se expandir rapidamente após o final da

A Supremacia da TV

A televisão começou a se expandir rapidamente após o final da Segunda Guerra Mundial. Na época, o cinema monopolizava o público noturno e o rádio era um meio de comunicação de ampla penetração no cotidiano dos lares. A televisão poderia ser vista, em termos de comunicação, mais próxima do rádio que do cinema. Para se assistir a um filme era preciso organizar-se. Como no teatro, no balé, era preciso acompanhar o programa daquela semana, escolher uma noite para sair e vestir-se adequadamente. Cinema era um acontecimento social como o baile, pois mantinha o caráter de excepcionalidade: tratava-se de um programa diferente daquele que normalmente se fazia à noite. Com o rádio e mais tarde com a televisão, a relação com o meio

de comunicação mudou. Primeiro, porque, além de distrair, são veículos (

informam as pessoas e funcionam como meio de atualização; segundo, porque vão até a casa das pessoas, em vez de as pessoas irem até eles; terceiro, porque tornam-se “da família”, são cotidianos e têm recepção regular e contínua. O rádio e a televisão funcionam de forma parecida à daqueles jornais que são entregues gratuitamente e regularmente nas casas. O que significam essas diferenças? São as relações distintas que as pessoas

mantêm com os meios de comunicação. O fato de as pessoas se programarem para sair à noite e assistir a um concerto é bem diferente do fato de as pessoas estarem assistindo à televisão e depararem com um concerto transmitido por uma emissora. É o oposto, pois, no primeiro caso, o homem vai em busca de seu entretenimento, paga por ele, exige qualidade, julga, emite juízos e críticas. Em outras palavras, ele tem consciência de ser fundamental para a existência do espetáculo como produção cultural: é do seu dinheiro que o concerto sobrevive. Ficando em casa, nada disso acontece. Ele possui um aparelho de televisão e recebe “gratuitamente”, como brinde, como dádiva, tudo o que emitem, e isso já lhe tira o direito de criticar, pois nada paga no ato; pagará após, consumindo os produtos anunciados pela publicidade. Aqui, o homem já não é mais “agente de sobrevivência” do programa; este funciona perfeitamente sem ele. Atualmente, as emissoras têm um interesse real em saber se o telespectador permanece ou não em determinado canal, se mantém ou não o aparelho ligado, mas não

é a mesma preocupação dos diretores de teatro ou cinema do passado com a bilheteria.

Se naquela época o vazio das salas de espetáculo era motivo para o realizador melhorar

a qualidade de seu produto, hoje a queda do nível de audiência é um meio que leva a TV

alterar sua programação, visando somente ao aumento do número de telespectadores. Antigamente, a crítica e a reação do público levavam a um investimento qualitativo maior, pois havia uma preocupação estética, uma busca de aprimoramento do gosto. Hoje, o fato de o telespectador receber gratuitamente o programa e não poder

a

que

)

13
13

13

“exigir seu dinheiro de volta” leva a emissora a buscar somente o aumento numérico de público, rebaixando a qualidade dos programas aos níveis “da massa”, vulgarizando-os, padronizando-os, impondo o que se chama de valor mercadológico. Interessa apenas vender o programa, não importando a qualidade.

apenas vender o programa, não importando a qualidade. Filho, Ciro Marcondes. Televisão  a vida pelo

Filho, Ciro Marcondes. Televisão a vida pelo vídeo. 6. ed. São Paulo, Moderna, 1991. p.19-21

O autor afirma que o indivíduo que possui um televisor “recebe

gratuitamente, como brinde, como dádiva, tudo o que emitem

logo em seguida ele explica que essa gratuidade é apenas aparente. Por quê?

Mas

”.

14
14

14

Gabarito

p.

1) a- Procurar no dicionário. b- Procurar no dicionário. c- Procurar no dicionário. 2) As esmeraldas são comparadas aos diamantes. São comparáveis em beleza e raridade e dotadas de conteúdo simbólico. 3) Pelo emprego da luz ultra-violeta ou de filtros. 4) Resposta pessoal.

04

p. 06

1) Verbo cantar:

Presente Eu canto Tu cantas Ele canta Nós cantamos Vós cantais Eles cantam 2) Verbo Vender:

Futuro do presente Eu venderei Tu venderás Ele venderá Nós venderemos Vós vendereis Eles venderão 3) Verbo dividir:

Pretérito perfeito Eu dividi Tu dividiste Ele dividiu Nós dividimos Vós dividistes Eles dividiram

Pretérito Imperfeito Eu cantava Tu cantavas Ele cantava Nós cantávamos Vós cantáveis Eles cantavam

Futuro do pretérito Eu venderia Tu venderias Ele venderia Nós venderíamos Vós venderíeis Eles venderiam

Pretérito mais-que-perfeito Eu dividira Tu dividiras Ele dividira Nós dividíramos Vós dividíreis Eles dividiram

p.

09

 

1)

Verbos: foi e cansou. Porque eles estão se referindo a fatos ocorridos. (verbos no pretérito perfeito) Verbos: está comendo, é, tenho. Porque estão sendo empregados no momento em que se fala. O verbo vencer foi empregado no presente para dar mais ênfase à vitória do time no campeonato. Pesquisa.

2)

3)

p.

10

Locuções verbais: estão colocando, vão viajar, vamos ficar, podemos ficar vendo, está fazendo, vamos comprar.

p.

11

Pesquisa

p.

12

15
15

15

fusível/fuzil

a) fuzilb) fusível

c) fusível

d) fuzil

privilégio

a) privilegiar

b) privilegiado

c) privilegia

d) privilegia

p. 14

A gratuidade é apenas aparente porque as pessoas são vistas como consumidoras, portanto, consumindo os produtos anunciados pela publicidade.

16
16

16

Bibliografia

O Texto: Da Teoria À Prática – Subsídios à Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Secretaria de Estado da Educação – São Paulo – Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – 2ª ed. – São Paulo – 1998.

Parâmetros Curriculares Nacionais – Português e Apresentação dos

Temas Transversais – Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Educação Fundamental – Brasília – 1997.

Proposta Curricular para o ensino de Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Secretaria de Estado da Educação – São Paulo -

Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas - 4ª ed. – São Paulo –

1998.

ALMEIDA, Maria Aparecida e FERREIRA, Givan - Falando a Mesma Língua. São Paulo: FTD, 1994.

BASSI, Cristina M. e LEITE, Márcia - Leitura e Expressão. Atual Editora,

1992.

CARDOSO, Eloisa G. e DONADIO, Miriam G. - Português – Projeto Alternativo. Ed. do Brasil, 1989.

CARVALHO,

Carmen

Silvia

C.

Torres

de;

PANACHÃO,

Déborah;

KUTNIKAS,

Sarina

Bacellar;

SALMASO,

Silvia

Maria

de

Almeida

-

Construindo a escrita: Gramática/ ortografia. São Paulo: Ática, 1997.

CARVALHO, Carmen Silvia C. Torres de; PANACHÃO, Déborah;

KUTNIKAS,

-

Construindo a escrita: Leitura e interpretação de textos. São Paulo: Ática,

1997.

COLEÇÃO “PARA GOSTAR DE LER” : Ed. Ática, 1994. CUNHA, Celso e CINTRA, Lindley - Nova Gramática do Português Contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988. ENCICLOPÉDIA BRITÂNICA DO BRASIL – Rio de Janeiro, 1997. FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Gramática Nova. São Paulo: Ática, 1992. FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Linguagem Nova. São Paulo: Ática, 1997.

FÁVERO, Leonor L. - Coesão e coerência textuais. 3ª ed. São Paulo: Ática,

1995.

FÁVERO, Leonor L. e KOCH, Ingedore G. V - Linguística textual:

introdução. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1994.

Sarina

Bacellar;

SALMASO,

Silvia

Maria

de

Almeida

17
17

17

GARCIA, Othon M. - Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro:

Fundação Getúlio Vargas, 1975. GONÇALVES, Maria Silvia e RIOS, Rosana - Português Em Outras Palavras. 2ª ed. Ed. Scipione, 1997. GRANATIC, Branca - Técnicas básicas de redação. 4ª ed. São Paulo:

Scipione, 1997. INFANTE, Ulisses - Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. São Paulo: Scipione, 1998. JORNAIS: O Estado de São Paulo, Cruzeiro do Sul, Folha de São Paulo, Diário de Sorocaba. KLEIMAN, Angela - Texto e leitor. 4ª ed. Campinas, SP: Pontes, 1995. LUFT, Celso Pedro e CORREA, Maria Helena - A Palavra é Sua. 3ª ed. São Paulo: Ed. Scipione, 1997. MAIA, João D. - Literatura: Textos e técnicas. São Paulo: Ática, 1996.

MIRANDA,

Claudia e RODRIGUES, Maria Luiza Delage - Linguagem viva.

3ª ed. São Paulo: Ática, 1997. NICOLA, José De e INFANTE, Ulisses - Palavras e Idéias. São Paulo:

Scipione, 1995. PERINI, Mario A. - Por uma nova gramática. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1989.

PROENÇA,

Graça e HORTA, Regina - A Palavra É Português. 3ª ed. Ed.

Ática, 1997. REVISTAS: Veja, Isto É, Manequim, Nova Escola, Cláudia. SARGENTIM, Hermínio G. - Atividades de Comunicação em Língua Portuguesa. São Paulo: IBEP. SILVA, Antonio de Siqueira e BERTOLIN, Rafael - A Construção da Linguagem. São Paulo: IBEP. SOARES, Magda - Português Através de Textos. 3ª ed. São Paulo: Ed. Moderna, 1993. TRAVAGLIA, Luiz C. - Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1997. TEATRO DA JUVENTUDE – Governo do Estado de São Paulo/ Secretaria da Cultura. Ano 2 – Número 14 – Outubro/1997. TESOTO, Lídio - Novo Texto e Contexto. São Paulo: Ed. do Brasil, 1994. TUFANO, Douglas - Curso Moderno de Língua Portuguesa. 2ª ed. reformulada. São Paulo: Moderna, 1991.

18
18

18

Equipe de Português

Antonia Gilmara Biazotto de Souza Rodrigues

Aparecida Ferreira Ladeira

Edna Gouvêa

Maria Alice Pacos

Coordenação

Cheila Fernanda Rodrigues

Supervisão

Terezinha Hashimoto Bertin

Colaboração especial

Neide Giamboni Lopes

Direção

Rita de Cássia Fraga Costa

Capa

Criação: Lopes e Vilela

Observação Importante

Este material foi elaborado pelos professores de Português/ Sorocaba, para uso exclusivo de CEES. É proibida a sua comercialização.

Observação

Estes Módulos foram feitos com base na nova L D B, Parâmetros Curriculares, Proposta CENP.