Sei sulla pagina 1di 21
PLANOPLANO INTELECTIVOINTELECTIVO CONSCIÊNCIA ATENÇÃO ORIENTAÇÃO SENSO-PERCEPÇÃO MEMÓRIA INTELIGÊNCIA
PLANOPLANO INTELECTIVOINTELECTIVO CONSCIÊNCIA ATENÇÃO ORIENTAÇÃO SENSO-PERCEPÇÃO MEMÓRIA INTELIGÊNCIA
PLANOPLANO INTELECTIVOINTELECTIVO
CONSCIÊNCIA
ATENÇÃO
ORIENTAÇÃO
SENSO-PERCEPÇÃO
MEMÓRIA
INTELIGÊNCIA
PENSAMENTO
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA CONCEITO É a forma da vida mental que nos permite captar o mundo dos
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
CONCEITO
É a forma da vida mental que nos permite
captar o mundo dos fenômenos, de uma
forma organizada e significativa
“Todo momentâneo da vida psíquica”
Jaspers, 1913
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA CONCEITO Não é: Consciência neurofisiológica Consciência moral Consciência do Eu
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
CONCEITO
Não é:
Consciência neurofisiológica
Consciência moral
Consciência do Eu
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA CARACTERÍSTICAS Intencionalidade Auto e hetero-conhecimento Interioridade e atualidade da
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
CARACTERÍSTICAS
Intencionalidade
Auto e hetero-conhecimento
Interioridade e atualidade da vivência
Noção de campo
Clareza
Amplitude
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA PSICOPATOLOGIA Alterações do nível Obnubilação Delirium Amência Alterações do
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
PSICOPATOLOGIA
Alterações do nível
Obnubilação
Delirium
Amência
Alterações do campo
Estado crepuscular
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA VALOR SEMIOLÓGICO Transtornos sintomáticos Transtornos dissociativos
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
VALOR SEMIOLÓGICO
Transtornos
sintomáticos
Transtornos
dissociativos
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA SEMIOTÉCNICA Anamnese Mudança comportamental na “crise” Fácies e atitude
CONSCIÊNCIACONSCIÊNCIA
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Mudança comportamental na “crise”
Fácies e atitude
Orientação temporo-espacial
Memória
ATENÇÃOATENÇÃO CONCEITO Estado de concentração da atividade mental sobre determinado objeto Cuvillier O
ATENÇÃOATENÇÃO
CONCEITO
Estado de concentração da atividade
mental sobre determinado objeto
Cuvillier
O objeto da atenção será sempre um
conteúdo da consciência
ATENÇÃOATENÇÃO MODALIDADES 1. NATUREZA Espontânea Voluntária 2. DIREÇÃO Externa Interna
ATENÇÃOATENÇÃO
MODALIDADES
1. NATUREZA
Espontânea
Voluntária
2. DIREÇÃO
Externa
Interna
ATENÇÃOATENÇÃO MODALIDADES 3. AMPLITUDE Concentrada Dispersa 4. QUALIDADE Tenacidade Vigilância
ATENÇÃOATENÇÃO
MODALIDADES
3. AMPLITUDE
Concentrada
Dispersa
4. QUALIDADE
Tenacidade
Vigilância
ATENÇÃOATENÇÃO PSICOPATOLOGIA Hipoprosexia - aprosexia Distração Distraibilidade Hiperprosexia
ATENÇÃOATENÇÃO
PSICOPATOLOGIA
Hipoprosexia - aprosexia
Distração
Distraibilidade
Hiperprosexia
ATENÇÃOATENÇÃO VALOR SEMIOLÓGICO Hipoprosexia - aprosexia Distração Distraibilidade Hiperprosexia
ATENÇÃOATENÇÃO
VALOR SEMIOLÓGICO
Hipoprosexia - aprosexia
Distração
Distraibilidade
Hiperprosexia
ATENÇÃOATENÇÃO SEMIOTÉCNICA Anamnese Observar latência entre estímulos do ambiente e resposta comportamental
ATENÇÃOATENÇÃO
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Observar latência entre estímulos do
ambiente e resposta comportamental
Observar se paciente é capaz de manter-se
focado em um assunto ou uma tarefa
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO CONCEITO Conhecimento da real situação, a cada momento, no tempo, no espaço e em
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO
CONCEITO
Conhecimento da real situação,
a cada momento, no tempo, no
espaço e em relação a si mesmo
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO MODALIDADES Wernicke Autopsíquica Alopsíquica
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO
MODALIDADES
Wernicke
Autopsíquica
Alopsíquica
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO PSICOPATOLOGIA Desorientação Primária Secundária Apática Mnéstica Delirante
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO
PSICOPATOLOGIA
Desorientação
Primária
Secundária
Apática
Mnéstica
Delirante
Amencial
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO VALOR SEMIOLÓGICO Desorientação Primária Secundária
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO
VALOR SEMIOLÓGICO
Desorientação
Primária
Secundária
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO SEMIOTÉCNICA Anamnese Sai de casa sozinho? Segue uma “agenda” mínima? O paciente
ORIENTAÇÃOORIENTAÇÃO
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Sai de casa sozinho?
Segue uma “agenda” mínima?
O paciente é capaz de se identificar?
É capaz de dizer que dia é hoje, onde
estamos, onde mora?
É capaz de dizer que dia é hoje, onde estamos, onde mora? SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO CONCEITO Ato
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO CONCEITO Ato intencional que relaciona a consciência com os objetos sensíveis,
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
CONCEITO
Ato intencional que relaciona a consciência
com os objetos sensíveis, visando a
apreensão de um todo organizado
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO MODALIDADES DE IMAGENS Perceptiva Nitidez Corporeidade Estabilidade Extrojeção
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
MODALIDADES DE IMAGENS
Perceptiva
Nitidez
Corporeidade
Estabilidade
Extrojeção
Ininfluenciabilidade voluntárias
Aceitação pelo juízo da realidade
Frescor sensorial
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO MODALIDADES DE IMAGENS Pós-sensorial (eco sensorial) Representativa (mnêmica)
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
MODALIDADES DE IMAGENS
Pós-sensorial (eco sensorial)
Representativa (mnêmica)
Fantástica (fabulatória)
Onírica
Eidética
Visão fantástica
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO PSICOPATOLOGIA Ilusão “inatenção” Paridólica Catatímica
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
PSICOPATOLOGIA
Ilusão
“inatenção”
Paridólica
Catatímica
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO PSICOPATOLOGIA Alucinação Tá il t A diti u va Cenestésica Funcional
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
PSICOPATOLOGIA
Alucinação
Tá il
t
A diti
u
va
Cenestésica
Funcional
Cinestésica
Sinestésica
Reflexa
Teleológica
Visual
Extra-campina
Olfativa
Gustativa
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO PSICOPATOLOGIA Pseudo-alucinação
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
PSICOPATOLOGIA
Pseudo-alucinação
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO VALOR SEMIOLÓGICO Ilusões Alucinações Pseudo-alucinação
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
VALOR SEMIOLÓGICO
Ilusões
Alucinações
Pseudo-alucinação
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO SEMIOTÉCNICA Anamnese Repercussão vivencial Evitar indução de respostas
SENSOSENSO--PERCEPÇÃOPERCEPÇÃO
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Repercussão vivencial
Evitar indução de respostas
Detalhar as informações
MEMÓRIAMEMÓRIA CONCEITO Processos mnêmicos Aquisição ou registro Consolidação Recuperação
MEMÓRIAMEMÓRIA
CONCEITO
Processos mnêmicos
Aquisição ou registro
Consolidação
Recuperação
MEMÓRIAMEMÓRIA CLASSIFICAÇÃO Segundo a duração Memória de curto-prazo = imediata = operante = de trabalho
MEMÓRIAMEMÓRIA
CLASSIFICAÇÃO
Segundo a duração
Memória de curto-prazo
= imediata = operante = de trabalho
Gerencia a realidade, não produz arquivos
Córtex pré-frontal
Memória de longo-prazo
Recente
Remota
MEMÓRIAMEMÓRIA CLASSIFICAÇÃO Segundo o conteúdo Memória explícita (declarativa) Episódica (orgânica)
MEMÓRIAMEMÓRIA
CLASSIFICAÇÃO
Segundo o conteúdo
Memória explícita (declarativa)
Episódica (orgânica) eventos autobiográficos
Semântica (psíquica) conhecimentos gerais
Hipocampo e córtex entorrinal
Memória implícita (não-declarativa)
= procedural = de procedimentos
Experiência influencia o comportamento,
sem recuperação consciente
Núcleo caudado e cerebelo
MEMÓRIAMEMÓRIA FATORES FACILITADORES Atenção Repetição Interesse afetivo Estímulos sensoriais múltiplos
MEMÓRIAMEMÓRIA
FATORES FACILITADORES
Atenção
Repetição
Interesse afetivo
Estímulos sensoriais múltiplos
Vontade
Tempo
MEMÓRIAMEMÓRIA O ESQUECIMENTO Lei da regressão mnêmica - Ribot Do recente para o antigo Do
MEMÓRIAMEMÓRIA
O ESQUECIMENTO
Lei da regressão mnêmica - Ribot
Do recente para o antigo
Do complexo para o simples
Do menos para o mais organizado
MEMÓRIAMEMÓRIA PSICOPATOLOGIA alterações quantitativas Hipomnesia - amnesia Hipermnesia
MEMÓRIAMEMÓRIA
PSICOPATOLOGIA
alterações quantitativas
Hipomnesia - amnesia
Hipermnesia
MEMÓRIAMEMÓRIA PSICOPATOLOGIA alterações qualitativas Ilusão mnêmica (alomnesia) Alucinação mnêmica
MEMÓRIAMEMÓRIA
PSICOPATOLOGIA
alterações qualitativas
Ilusão mnêmica (alomnesia)
Alucinação mnêmica (paramnesia)
Fabulação
Pseudologia fantástica
Criptomnesia
Déjà vu - jamais vu
Ecmnesia
MEMÓRIAMEMÓRIA VALOR SEMIOLÓGICO Alterações quantitativas Hipomnésia – amnésia Hipermnésia Alterações
MEMÓRIAMEMÓRIA
VALOR SEMIOLÓGICO
Alterações quantitativas
Hipomnésia – amnésia
Hipermnésia
Alterações qualitativas
MEMÓRIAMEMÓRIA SEMIOTÉCNICA Anamnese Repercussão vivencial Memória de trabalho Repetir série de números ou
MEMÓRIAMEMÓRIA
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Repercussão vivencial
Memória de trabalho
Repetir série de números ou palavras
Memória recente
Quem sou eu? Onde estamos?
Há quanto tempo está no hospital?
Memória remota
Perguntas sobre familiares, sobre
atividades profissionais, sobre atualidades
sobre atividades profissionais, sobre atualidades INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA CONCEITO intus legere = ler
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA CONCEITO intus legere = ler no interior Capacidade de se adaptar a novas situações
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
CONCEITO
intus legere = ler
no interior
Capacidade de se
adaptar a novas
situações mediante o consciente
emprego dos meios ideativos
Stern
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA MODALIDADES Inteligência prática = orgânica Inteligência conceitual = teórica
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
MODALIDADES
Inteligência prática
= orgânica
Inteligência conceitual
= teórica
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA DESENVOLVIMENTO Fator genético-constitucional Peters-Rinoehl 2 pais superdotados 71%
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
DESENVOLVIMENTO
Fator genético-constitucional
Peters-Rinoehl
2 pais superdotados
71% dos filhos são superdotados
3% dos filhos são retardados
Kohn-Groeve
Concordância entre gêmeos
90% univitelinos
59% divitelinos
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA DESENVOLVIMENTO Fator ambiental Condições de vida Educação Fator etário Fator
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
DESENVOLVIMENTO
Fator ambiental
Condições de vida
Educação
Fator
etário
Fator
sexual
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA FATORES CONDICIONANTES A . Condições instrumentais Integridade sensorial Memória
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
FATORES CONDICIONANTES
A
.
Condições instrumentais
Integridade sensorial
Memória
Habilidade psicomotora
Habilidade verbal
Resistência à fadiga
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA FATORES CONDICIONANTES B . Condições promotoras Atenção Sentimentos Vontade
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
FATORES CONDICIONANTES
B
.
Condições promotoras
Atenção
Sentimentos
Vontade
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA PSICOPATOLOGIA Deficit Aumento não é considerado
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
PSICOPATOLOGIA
Deficit
Aumento não é considerado
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA VALOR SEMIOLÓGICO Retardo mental Leve 85% Moderado 10% Grave 4% Profundo 1%
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
VALOR SEMIOLÓGICO
Retardo mental
Leve
85%
Moderado 10%
Grave 4%
Profundo
1%
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA VALOR SEMIOLÓGICO Demência Pseudo-oligofrenia Imbecilidade desarmônica Bleuler
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
VALOR SEMIOLÓGICO
Demência
Pseudo-oligofrenia
Imbecilidade desarmônica
Bleuler
Estupidez emocional
Sentimento de estupidez
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA SEMIOTÉCNICA Clínica Anamnese – performance acadêmica, profissional, … Uso de
INTELIGÊNCIAINTELIGÊNCIA
SEMIOTÉCNICA
Clínica
Anamnese – performance acadêmica, profissional, …
Uso de conceitos abstratos
Compreensão dos conceitos
Diferenciação ou comparação entre conceitos
Reconhecimento de conteúdos absurdos
Interpretação de provérbios
Testes
QI
PENSAMENTOPENSAMENTO ATRIBUTOS FUNDAMENTAIS Apercepção Ideação Imaginação Associação de idéias e/ou
PENSAMENTOPENSAMENTO
ATRIBUTOS FUNDAMENTAIS
Apercepção
Ideação
Imaginação
Associação de idéias e/ou imagens
PENSAMENTOPENSAMENTO CONCEITO Modo da consciência que consiste no estabelecimento de integrações significativas,
PENSAMENTOPENSAMENTO
CONCEITO
Modo da consciência que consiste no
estabelecimento de integrações
significativas, mediante arranjos de relação
(ligações determinadas por conexões
internas, isto é, dotadas de sentido),
dirigidos a objetos e a estados de fatos
(ligação entre um e outro objeto)
PENSAMENTOPENSAMENTO ATIVIDADES DE ELABORAÇÃO Juízo Conteúdo do pensamento Ato da consciência mediante o qual
PENSAMENTOPENSAMENTO
ATIVIDADES DE ELABORAÇÃO
Juízo
Conteúdo do pensamento
Ato da consciência mediante o qual
afirmamos ou negamos algo
Verdadeiro ou Falso
realidade
PENSAMENTOPENSAMENTO ATIVIDADES DE ELABORAÇÃO Raciocínio Ato de pensar Operação mental que nos permite
PENSAMENTOPENSAMENTO
ATIVIDADES DE ELABORAÇÃO
Raciocínio
Ato de pensar
Operação mental que nos permite
aproveitar os conhecimentos adquiridos
e combiná-los logicamente
Correto ou Incorreto
lógica
PENSAMENTOPENSAMENTO INSTRUMENTO Linguagem Sistema codificado de sons e sinais, animados de intenção significativa,
PENSAMENTOPENSAMENTO
INSTRUMENTO
Linguagem
Sistema codificado de sons e sinais,
animados de intenção significativa,
que permite a explicitação correta e
clara das idéias
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO 1. Delírio Idéia deliróide Vivência delirante Humor delirante
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO
1. Delírio
Idéia deliróide
Vivência delirante
Humor delirante difuso
Percepção delirante
Representação delirante
Ocorrência delirante
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO 2. Pensamento obsessivo Idéia ou imagem que surge repentinamente na
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO
2. Pensamento obsessivo
Idéia ou imagem que surge repentinamente
na consciência, de forma estereotipada,
causando sofrimento ou repugnância
Não é:
Idéia supervalorizada
Idéia fixa
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO 3. Falência da crítica
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO
3. Falência da crítica
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO VALOR SEMIOLÓGICO Delírios Pensamentos obsessivos Falência da
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO
VALOR SEMIOLÓGICO
Delírios
Pensamentos obsessivos
Falência da crítica
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO SEMIOTÉCNICA Anamnese Comportamento cotidiano Repercussão
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO JUÍZO
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Comportamento cotidiano
Repercussão vivencial
Evitar indução de respostas
Detalhar as informações
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO Alterações do fluxo Pensamento acelerado Inibição do
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO
Alterações do fluxo
Pensamento acelerado
Inibição do pensamento
Prolixidade
Perseveração
Mussitação
Premência por falar
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO Alterações da estrutura Fuga de idéias Incoerência
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO
Alterações da estrutura
Fuga de idéias
Incoerência
Desagregação
Alogia
Pobreza
Concretismo reificante
PENSAMENTOPENSAMENTO PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO VALOR SEMIOLÓGICO SEMIOTÉCNICA Anamnese Perguntas que
PENSAMENTOPENSAMENTO
PSICOPATOLOGIA DO RACIOCÍNIO
VALOR SEMIOLÓGICO
SEMIOTÉCNICA
Anamnese
Perguntas que requeiram respostas longas