Sei sulla pagina 1di 8

1

A AUTO-ESTIMA NO TRABALHO

Claudenir Mariano Alves 1 Lidiane Campos 2 Fábio Junior Alves 3 Bruno Antunes Rodrigues 4 Alan Kardec Guimarães Júnior 5

RESUMO

Nos dias atuais, cada vez mais se pensa no bem estar das pessoas, e no seu

autoconhecimento. Para isso, está sendo estudado incessantemente sobre a auto-estima, que

leva as pessoas a se modificarem diante das situações cotidianas. Deve-se levar em conta todo

um contexto de relacionamentos interpessoais, seja no lar, na sociedade e principalmente no

trabalho. Estamos cada vez mais sujeitos a aceitar as diferenças que vemos em nós mesmos, e

crescer intimamente, para que consigamos sucesso no que fazemos na vida profissional. As

organizações estão inseridas numa ambiente caracterizado por fortes turbulências e mudanças

constantes, surgindo à necessidade de se buscar soluções para aumentar sua eficácia e

sobreviver no mercado cada vez mais globalizado e competitivo. É fundamental estarmos

atentos na forma como o empregado se sente no ambiente do trabalho. Surge a necessidade

das instituições empresariais dar poder e autonomia aos funcionários para que os mesmos

diagnostiquem, analisem e proponham soluções para os seus problemas. Verificando Num

contexto crítico, podemos afirmar que auto-estima é palavra que fazer diferença entre o

sucesso e fracasso de qualquer empresa, em qualquer hierarquia do auxiliar a presidência.

PALAVRAS- CHAVE: Auto-Estima; Gostar De Si Mesmo; Felicidade.

1 Formado em Técnico em Química, Professor de Química, coordenador de Disciplina do Colégio Atenas,

Universitário da Faculdade Atenas, cursando Administração de Empresas. Email: claudenirm@yahoo.com.br

2 Professora de Sistema de Informação, disciplina de Análises organizacionais e de Processos da Faculdade Atenas.

3 Professor de Sistema de Informação, disciplina de Laboratório de Linguagem de Programação da Faculdade

Atenas.

4 Professor do curso de Administração, disciplina de Metodologia de Trabalho Científico da Faculdade Atenas.

2

INTRODUÇÃO

Hoje, percebemos que o ser humano sofre muito, quando não consegue alcançar

seus objetivos, e se distancia das pessoas, ao menor sinal de incompreensão. Neste caso,

acaba trazendo para sua vida pensamentos negativistas, passando a não acreditar no próprio

potencial.

Pessoas com a auto-estima baixa tendem a realizar suas tarefas com pensamento

voltado para os problemas pessoais, de relacionamento, procurando defeitos e diferenças em

relação aos outros, enquanto poderiam estar fazendo de melhor naquele momento.

O funcionário que está com este pensamento, com certeza não conseguirá se

concentrar no seu trabalho, dificultando a integração entre ele, os colegas de trabalho e a

própria organização.

Este artigo nos mostra a necessidade de atentar para a observância desses

acontecimentos e situações, que constantemente atrapalham o bom andamento do trabalho de

tantas pessoas, influenciando drasticamente a vida e a convivência no dia a dia.

Trabalhos em equipe supõem energia para aceitar e conviver com as diferenças

individuais de cada componente do grupo. É necessário permitir-se ver esta questão como

algo que enriquece. Não como um problema, mas uma oportunidade para o desenvolvimento.

A qualidade de serviços e produtos das empresas é o resultado da qualidade de

vida das pessoas e, as habilidades que o mercado de trabalho atual exige, vão, desde liderança

criatividade, visão, resultados, atualizam as atitudes, com pessoas capazes de assumir riscos e

implementar as mudanças necessárias.

1 AUTO-ESTIMA NO TRABALHO

3

De todos os julgamentos que fazemos, nenhum é tão importante quanto o que

fazemos sobre nós mesmos. A auto-estima é um requisito essencial para uma vida satisfatória,

pois afeta crucialmente todos os aspectos de nossa existência: a maneira como agimos no

trabalho, no amor e no sexo. Nossas reações aos acontecimentos cotidianos são determinadas

por quem e pelo que pensamos que somos.

A auto-estima é composta por dois sentimentos: de competência pessoal e de

valor pessoal. Em outras palavras, é a soma da autoconfiança com o auto-respeito. Ela reflete

nossa capacidade de lidar com os desafios da vida (entender e dominar os problemas) e o

direito de ser feliz (respeitar e defender os próprios interesses e necessidades.)

1.1 AUTO-ESTIMA

Em psicologia, auto-estima inclui a avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si

mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau (Sedikides & Grega,

2003).

A auto-estima envolve tanto crenças auto-significantes (por exemplo, "Eu sou

competente/incompetente",

"Eu

sou

benquisto/malquisto")

e

emoções

auto-significantes

associadas (por exemplo, triunfo/desespero, orgulho/vergonha).

O terapeuta John Bradshaw conceitua a vergonha como a "emoção que nos deixa

saber que somos finitos"). Também encontra expressão no comportamento (por exemplo,

assertividade/temeridade,

confiança/cautela).

Em

acréscimo,

a

auto-estima

pode

ser

construída como uma característica permanente de personalidade (traço de auto-estima) ou

como uma condição psicológica temporária (estado de auto-estima). Finalmente, a auto-

estima pode ser específica de uma dimensão particular (por exemplo, "Acredito que sou um

bom escritor e estou muito orgulhoso disso") ou de extensão global (por exemplo, "Acredito

que sou uma boa pessoa, e sinto-me orgulhoso quanto a mim no geral").

4

1.2 QUALIDADE E NÍVEL DA AUTO-ESTIMA

O conceito de auto-melhoria vivenciou mudanças dramáticas desde 1911, quando Ambrosio Bierce definiu zombeteiramente a auto-estima como "uma avaliação errônea". Bom e mau caráter é conhecido agora como "diferenças de personalidade". Os direitos têm substituído responsabilidades. A pesquisa sobre egocentrismo (característica que define as personalidades que consideram que todo o mundo e todas as pessoas giram ao redor de si próprio.) e etnocentrismo (atitude na qual a visão ou avaliação de um grupo sempre estaria sendo baseada nos valores adotados pelo seu grupo, como referência, como padrão de valor ) que municiou a discussão do crescimento e desenvolvimento humano em meados do século XX é ignorada; com efeito, os próprios termos são considerados politicamente incorretos. Uma revolução teve lugar no vocabulário do self (Segundo Jung, o principal arquétipo é o Si-mesmo (ou Self). O Si-mesmo é o centro de toda a personalidade. ). Palavras que implicam confiabilidade ou responsabilidade autocrítica, abnegação, autodisciplina, autocontrole, modéstia, autodomínio, autocensura e auto-sacrifício não estão mais em uso. A linguagem mais favorecida é aquela que exalta o indivíduo: auto-expressão, auto-afirmação, auto-indulgência, auto-realização, auto- aprovação, auto-aceitação, egoísmo e a onipresente auto-estima (RUGGIERO: 2000,

58).

Sempre que estivermos em situações que nos impõem sermos realistas, devemos

lembrar que o simples gostar de viver e de ser, implicam numa conduta mais sincera, que

propicia entendermos a nós mesmos, e nos aceitarmos como seres ainda em desenvolvimento,

que tem a condição de aprender tanto quanto ensinar. Que aqueles que estão em nossa volta,

participando de nossas vidas, são o instrumento para que esse crescimento se concretize

dentro da nossa mente e do nosso coração.

A pesquisa revisada empreendida desde então não tem validado as suposições

anteriores. Pesquisas recentes indicam que inflar a auto-estima dos funcionários por si mesma

não tem efeito positivo sobre a qualificação dos mesmos. Um estudo demonstrou que o efeito

pode ser justamente o contrário (BAUMEISTER: 2005). Auto-estima elevada se correlaciona

com a felicidade auto-relatada. Todavia, não é claro se uma leva necessariamente à outra

(BAUMEISTER: 2004).

A auto-estima é um dos processos psicológicos que mais influencia a vida e o

desempenho humano, pois representa o comprometimento emocional do nosso eu, isto é, o

quanto gosta verdadeiramente de nós mesmos e do modo de vida que levamos.

5

As pessoas que gostam genuinamente de si mesmas e se aceitam como seres

humanos valiosos descobrem que podem ampliar seus horizontes, aceitar novos desafios e

alcançar desempenhos cada vez mais elevados e eficazes, encarando tudo isso como parte do

seu processo normal de crescimento e desenvolvimento.

Um aspecto importante da auto-estima diz respeito às relações interpessoais. A

maneira pela qual você se relaciona com as pessoas de seu convívio é diretamente afetada

pela forma como você se sente a seu respeito. O resultado é que você é incapaz de amar ou

gostar de outra pessoa mais do que ama ou gosta de se mesma.

1.3 O QUE É SER FELIZ?

Ser Feliz é buscar constantemente a realização pessoal, profissional e tantas

outras

Nos dias de hoje, o mais interessante e viável para encontrar “esta tal felicidade” é a

criação e utilização de ferramentas criativas, tendo o objetivo evidenciado através de gestos,

atos e sensibilizações diversas. Fazer o bem (sem saber para quem) saber ouvir, saber falar o

certo no momento certo, utilizar todos os recursos pessoais possíveis e aplicáveis, podem ser

uma

alavanca

para

a

busca

da

felicidade.

Potencializar

nossa

inteligência,

desviando

problemas e obstáculos de nossa vida também pé um caminho, aceitar julgamentos também é

uma variável de suma importância. A quebra de paradigmas, a alteração de valores que

estavam agregados ao obsoleto, também poderá nos ajudar a ser felizes. Aceitar mudanças e

sentir orgulho de ser quem é, e como é, ter confiança sempre em tudo o que fazemos e em

nós. Até o momento, demos alternativas e características voltadas ao comportamento, para

conquistar e alcançar a felicidade, mas o que é ser feliz? É ter amor e prazer no que faz, e

fazer tudo por amor e prazer. É saber conduzir e aceitar mudanças, - É viver intensamente

todos os minutos e não esperar um dia especial, pois todos os dias são especiais. É arriscar-

6

se sempre, pois estamos vivos e poderemos aprender tanto nesta etapa. Ser feliz é acreditar

que somos eficientes e capazes. Capazes de sermos felizes.

Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Ser Feliz é reconhecer que vale a pena viver,

apesar de todos os desafios, perdas e frustrações. Ser feliz é deixar de ser vítima dos

problemas e se tornar autor da própria história. Suas Dez Leis para ser feliz são ferramentas

essenciais

para

quem

quer

encontrar

esperança

na

dor,

força

no

medo

e

amor

nos

desencontros. Ser feliz é uma conquista e não obra do acaso. (CURY: 2006)

1.4 INFLUÊNCIAS EXTERNAS

Partindo do ponto de vista de que quem “produz” qualidade somos nós, seres

humanos, é de bom senso avaliar o estilo de vida que levamos. Nossos pensamentos., hábitos

e atitudes determinam praticamente nosso jeito de ser.

Aí entra a questão da qualidade de vida, o quanto eu me preocupo e cuido de meu

corpo e de meu estado psíquico. Afinal, como já vimos você é seu maior patrimônio e seu

maior cliente.

Praticar exercícios, evitar preocupações em demasia, viver o tempo presente nos

ajudaria a equilibrar a nossa vida. Muitos médicos dizem que se parássemos de nos preocupar

tanto, a maior parte de nossos problemas de saúde estariam resolvidos. Pense sempre que para

tudo há solução e o que não tem solução, solucionado está.

CONCLUSÃO

Não podemos perder mais tempo tentando solucionar problemas, mas agir com

determinação segurando firme as rédeas de nossa vida. E lembrar que tudo o que passamos

7

deve ser motivo de felicidade e dever cumprido. Á vida é nos dada para que possamos

aproveita-la e progredir diante dos desafios lançados para cada um de nós.

Acreditarmos

que

podemos

conquistar

as

pessoas,

relacionar

com

nossos

companheiros num clima de confiança, respeito e amor. Pois diante desses desafios, somos

pessoas capazes, inteligentes e com possibilidades inimagináveis, para superar qualquer

obstáculo que venha a nos surpreender nesta caminhada.

Talvez não somos perfeitos, mas sempre estaremos um passo a frente enquanto

formos otimistas no nosso pensar e nosso agir.

Devemos olhar para nós mesmos e acreditar que não estamos aqui para passar

pelo tempo, e sim para andar junto com o tempo e alcançar os desejos que se escondem no

coração de cada um.

Quero dizer que devemos dar valor às pequenas coisas da vida, pois essas coisas,

é que vão nos impulsionar para aceitarmos os problemas, não nos deixar abater e seguir

sempre em frente para alcançarmos o melhor para nós mesmos e para os que estão à nossa

volta.

THE SELF-ESTEEM IN THE WORK

ABSTRACT

About the current days, each time more is thought about the welfare of the people,

and about its self-knowledge. For this, he is being studied incessantly on auto-esteem, that it

takes the people if to modify ahead of the daily situations. A context of interpersonal

relationships must be led all in account, either in the home, the society and mainly in the

work. We are each time more citizens to accept the differences that we see in we ourselves,

and to grow intimately, so that let us obtain success in what we make in the professional life.

8

The organizations are inserted in one environment characterized for will be constant

turbulences and changes, appearing the necessity of if searching solutions to increase its

effectiveness and to survive in the market each globalized and competitive time. Basic È to be

intent in the form as the employee if feels in the environment of the work. It appears the

necessity of the enterprise institutions to give to be able and autonomy to the employees so

that the same ones diagnosis, they analyze and they consider solutions for its problems.

Verifying In a critical context, we can affirm that auto-they esteem is word that to make

difference between the success and failure of any company, in any hierarchy - of the assistant

the presidency.

KEYWORDS: Solemnity Esteems; Like itself exactly; Happiness.

REFERÊNCIA

ARAÚJO, Paulo Henrique de. Motivando o Talento Humano. 17. ed.

BRANDEN, Nathaniel. Auto-Estima. 13. ed.

CURY, Augusto J. Dez Leis Para ser Feliz. São Paulo: Sextante, 2003

CURY, Augusto J. Treinando a emoção Para ser Feliz. São Paulo: Academia de Inteligência 2001, 2003.

CALDAS, Luciene do Carmo Alves, ARAÚJO, Neila de Oliveira Ulhoa, CUNHA, Yara Costa Rabelo. Motivação: Palabra Chave nas Organizações do Novo Milênio. Artigo de Especialização.